oslusiadas__dev3bwew3ohzi7yqnm9ŃرŃرTEXtREAd& ~ )9IYiyɎَ )9IYiyɎَ )9IYiyɎَ )9IYiyɎَ )9IYiy  Ɏ َ   )9IYiyɎَ  )!9"I#Y$i%y&'()*Ɏ+َ,-. /0)192I3Y4i5y6789:Ɏ;َ<=> ?@)A9BICYDiEyFGHIJɎKَLMN O P )Q 9R IS YT iU yV W X Y Z Ɏ[ َ\ ] ^ _ ` )a 9b Ic Yd ie yf g h i j Ɏk َl m n o p )q 9r Is Yt iu yv w x y z Ɏ{ َ| } ~   ) 9 I Y i y Ɏ َ  ) 9 I Y i y Ɏ َ  )9IYiyɎَ )9IYiyɎَ )9IYiyɎَ )9IYiyɎَ )9I@%----------------------- Page 1----------------------- Lus DE Cames Os Lusadas LEITURA, PREFCIO, E NOTAS DE LVARO JLIO DA COSTA PIMPO APRESENTAO DE ANBAL PINTO DE CASTRO ----------------------- Page 2----------------------- Os Lusadas de Lus de Cames /prefcio de lvaro Jlio da Costa Pimpo; apresentao de Anbal Pinto de Castro - 4.a ed. - Lisboa: Ministrio dos Negcios Estrangeiros. Instituto Cames, 2000 - LIX, 560 p.; 16 x 23 cm. ENSINO DE LNGUAS - LNGUA PORTUGUESA ? LITERATURA Ttulo OS LUSADAS DE LUS DE CAMES 1.a Edio, 1972 2.a Edio, 1989 3.a Edio, 1992 4.a Edio, 2000 INSTITUTO CAMES MINISTRIO DOS NEGCIOS ESTRANGEIROS Instituto Cames Diviso de Edio, Documentao e Equipamentos Rua Rodrigues Sampaio, n. 113 ? 1159-279 LISBOA Direitos de traduo, reproduo e adaptao reservados para todos os pases Tiragem 3000 exemplares Capa Jos Brando Composio, Impresso e Acabamento Estrada de Mem Martins, 4 ? S. Carlos, Apartado 113 2726-901 Mem Martins ? PORTUGAL Tel. 219 266 600 Fax. 219 202 765 Internet: www.eme.pt E-mail: geral@eme.pt ISBN 972-566-187-7 Depsito Legal N. 156 600100 II ----------------------- Page 3----------------------- GUISA DE APRESENTAO No querendo ficar alheio s comemoraes do IV Centenrio da publicao d?Os Lusadas, decidira o Instituto de Alta Cultura promover em 1972 uma edio do Poema e organizar um colquio de Estudos Camonianos. Para assumir a responsabilidade de ambas as tarefas, convidava o saudoso Professor lvaro J. da Costa Pimpo, por carta de 10 de Setembro de 1970, subscrita pelo Prof. Eng. Manuel Jos de Castro Petrony de Abreu Faro, ao tempo esclarecido e dinmico Presidente daquela prestigiosa instituio, cuja aco na formao dos quadros da Universidade portuguesa, ao longo de vrias dcadas, nunca ser demais lembrar e agradecer. Tinha j o Prof. Costa Pimpo concordado em encarregar-se da edio, mas no aceitou a organizao do colquio, consciente como estava da magnitude do trabalho a desenvolver para a preparao crtica do texto d?Os Lusadas, cuja dificuldade e delicadeza bem conhecia. Nesse sentido e invocando essas razes, respondia ao Prof. Abreu Faro, em carta de 18 daquele mesmo ms de Setembro. A ideia da edio mereceu-lhe, porm, imediato e entusistico aplauso e no tardou em consagrar-lhe toda a ateno que ela exigia, mesmo a quem, como ele, viera acumulando um precioso cabedal de saber e de experincia no domnio dos Estudos Camonianos em geral e da crtica textual em particular, desde que, por 1942, 1 comeara a trabalhar no estabelecimento do texto da Lrica . Quando, no entanto, no auge desse entusiasmo, se preparava para a etapa final da tarefa, viu-se obrigado a interromp-la durante vrios meses, em consequncia de graves perturbaes da viso, que o levariam Clnica Barraquer, de Barcelona, para, nos primeiros dias de Junho de 1972, ser operado a um descolamento de retina. Com um misto de amargura e de ironia, escrevia-me o velho Mestre, a 5 de Maio desse ano, seis escassos meses antes da sua jubilao universitria: ?Vou acabar a minha vida acadmica com Cames; e, para melhor me assemelhar ao pico, resolvi manquejar do olho direito. S que no fui atingido pela ?fria rara de Marte?, mas pelo terrvel poder dos Fados, que resolveram III ----------------------- Page 4----------------------- prejudicar-me quando eu me preparava para me entregar em cheio s minhas tarefas urgentes!? Vencida a crise, o trabalho iria prosseguir, sem desnimo nem interrupo, mas sob a enervante premncia do tempo. O ano jubilar de 1972 passaria sem que o volume pudesse sair dos prelos da Imprensa Nacional; e s nas vsperas do Natal de 1973, Costa Pimpo podia acompanhar as Boas Festas dirigidas a colegas e amigos com os primeiros exemplares da nova e almejada edio. Ao partir para a realizao do encargo que recebera do Instituto de Alta Cultura, no ignorava Costa Pimpo as dificuldades que o esperavam, independentemente dos problemas de sade que viriam depois apoquent-lo. Apresentar uma nova edio d?Os Lusadas assinalando-a com a marca visvel da forte personalidade crtica e cientfica do novo editor, depois de to longa srie de comentrios ao Poema, desde Faria e Sousa a Augusto Epifnio da Silva Dias, requeria na verdade uma garra e um saber difceis de reunir. O Doutor Costa Pimpo, todavia, conseguiu dar no mais uma edio, mas a sua edio da Epopeia camoniana, orientando todo o seu labor, segundo dois objectivos primaciais - o estabelecimento de um texto capaz de oferecer uma slida segurana crtica e o desenvolvimento de uma hermenutica sobre esse mesmo texto, merc da qual pudesse clarificar a sua interpretao, sem repetir coisas ditas ou sabidas, antes corrigindo, sempre que necessrio e justo, leituras deficientes ou erradas dos comentadores que o haviam antecedido, e aproveitando ao mesmo tempo o ensejo para trazer a pblico as concluses a que, fundamentado na anlise intrnseca da obra camoniana (e de outros elementos no dispomos!) chegara quanto 2 poca em que o Poema fora escrito . Para o estabelecimento do texto baseou-se na edio A ou Ee, de 1572 (aquela em cuja portada o pelicano da gravura apresenta o colo virado para a esquerda do leitor), considerando a B ou E (que tem o pelicano com o pescoo voltado para a direita) como imperfeita contrafaco daquela. No fez tal opo de nimo leve; bem pelo contrrio, baseou-se para ela num aturado cotejo das lies de ambas, e de ambas com a de Manuel Correia, de 1613, sem esquecer ainda a de Faria e Sousa, de 1639. IV ----------------------- Page 5----------------------- Cabe sublinhar e louvar to flagrante preocupao de exaco, bem patente no captulo II do Prefcio, sobretudo se considerarmos a extrema raridade da edio E, que s viria ao fcil alcance dos investigadores em 1982, quando a Comisso Camoniana da Academia de Cincias de Lisboa publicou na Imprensa Nacional- Casa da Moeda a reproduo paralela das duas verses de 1572, com uma nota preambular de Bernardo Xavier Coutinho. E convm no esquecer ainda que a exaustiva investigao posteriormente desenvolvida por este Professor, assinalando a existncia de vrias outras contrafaces ou, pelo menos, de diferentes tiragens, no ps em causa o essencial da posio assumida em 1972 por Costa 3 Pimpo . O estabelecimento do texto obedeceu finalidade primacial do colocar Os Lusadas imediata disposio do grande pblico, sem com isso o privar dos traos mais caractersticos do idiolecto potico camoniano, considerado num determinado momento da histria da lngua e da linguagem potica portuguesas. Tal preocupao, que no pode deixar de merecer incondicional aplauso, assumiu, porm, no esprito do Editor to grandes propores, que o levou a contrariar algumas vezes os critrios de fidelidade ao texto princeps, por ele prprio estabelecidos e defendidos. Rejeitou assim, sem justificao convincente, formas como artefcio, infiado, insinar, fruito (a 4 rimar com muito!), menh, mintiroso, etc., apesar de perfeitamente intelegveis para o leitor actual; e uniformizou indevidamente grafias como dezia, em alternncia com dizia, no texto camoniano, baseado apenas nos ndices de ocorrncia, quando tal oscilao pode significar ? e creio que significa ? uma simples hesitao na realizao fontica, prpria dos perodos de transio, na variao diacrnica da lngua. No obstante este seno, encontramos nesta edio um texto inteligentemente modernizado, em funo de uma rara sensibilidade estilstica e de um slido saber lingustico. O intuito de o tornar acessvel no fez perder ao responsvel por essa modernizao o respeito pela histria da lngua, pela peculiaridade da linguagem camoniana e pelos efeitos estilsticos obtidos pelo Poeta mediante certos traos da fontica ou da sintaxe do portugus quinhentista. De fundamental importncia para a qualidade e acessibilidade desta lio d?Os Lusadas a pontuao. Sendo impossvel e contraproducente manter a pontuao original, cuja V ----------------------- Page 6----------------------- responsabilidade no pertenceu decerto, pelo menos em exclusivo, a Cames, Costa Pimpo conjugou de maneira exemplar o rigor, a sobriedade e a clareza, de modo a evidenciar os valores semnticos em jogo, simultaneamente com as formas de expresso que lhes correspondem. Por muito perfeito que o texto se apresentasse, uma edio d?Os Lusadas destinada ao leitor comum estaria muito longe de satisfazer a sua curiosidade, os seus interesses, ou as suas necessidades, se aparecesse desprovida de notas e comentrios que o ajudassem no seu trabalho de interpretao. Considerando, no entanto, o nmero, a qualidade e a variedade dos comentrios j existentes, no se torna fcil ao exegeta hodierno trazer dados originais e seguros nesse campo, sentindo embora que muitos passos do Poema continuam obscuros e que cada poca reclama explicaes novas ou diferentes, de acordo com a sua cultura, com as suas perspectivas de leitura ou com a sua sensibilidade esttica. A forte e original personalidade do Mestre venceu, porm, esse escolho e pde, graas a um trabalho aturado e profundo, que eu ento acompanhei com viva admirao, at pelas precrias condies de sade em que o desenvolveu, carrear novos e numerosos contributos para uma inteleco mais perfeita do texto e, por conseguinte, para a sua mais completa valorizao esttica. A riqueza e novidade de muitos dos seus comentrios so, com efeito, notveis. Bastar, para disso nos darmos conta exacta, atentar em notas como as que consagrou ao verso inicial do Poema ? As armas e os bares assinalados ? quele (I.26.8) em que o Poeta, referindo-se a Sertrio, afirma que Fingiu na cerva esprito divino, ou estrofe 2 do Canto IX, onde menciona as cidades de Suez e de Meca, e comparar depois os dados a reunidos com os que, para os mesmos passos, aduzira Epifnio da Silva Dias. Pena foi que a preocupao de originalidade o no tivesse deixado ir mais longe. Ateno muito especial lhe mereceram os intertextos histricos de muitas sequncias do Poema, a explicao de inmeras aluses mitolgicas que no estavam ainda completamente clarificadas e a determinao das variantes estilsticas, atravs das quais Cames exprimiu alguns dos seus temas dominantes. O volume encerra com um ndice de nomes prprios que, alm de muito completo, oferece a grande vantagem de no se limitar a um simples registo, para agrupar, a propsito de cada um deles, os VI ----------------------- Page 7----------------------- adjectivos que por vezes os qualificam e as metforas ou as perfrases que no raro os substituem. Se, pela novidade e exaustividade de grande parte das suas notas esta edio emparceira, completando-as, com outras que a precederam, em especial com a de Epifnio da Silva Dias, pela mesma altura reimpressa no Brasil, graas ao empenho e devoo do 5 Prof. Maximiano de Carvalho e Silva, esta edio de Costa Pimpo leva-lhes grande vantagem pela segurana crtica do texto, visto que, com fidelidade e rigor, soube modernizar Cames sem o desfigurar. 6 Apresentando-a agora de novo ao pblico ? em sintonia de propsitos e intenes com o Instituto de Alta Cultura que h quase 16 anos a patrocinou e promoveu ? o Instituto de Cultura e Lngua Portuguesa averba mais um alto servio causa, que sua, de defender e difundir os valores que melhor definem o espao espiritual lusada, lembrando ao mesmo tempo o exemplo de saber e probidade intelectual do grande camonista que foi o Doutor lvaro J. da Costa Pimpo, para quem estudar Cames foi sempre uma tarefa to aliciante que com ela quis verdadeiramente acabar a sua operosa carreira de Mestre da Universidade portuguesa. Anbal Pinto de Castro Coimbra, Pscoa de 1989 Notas 1 Merc desse trabalho, pudera publicar em 1944 a monumental edio das Rimas, Autos e Cartas, na Portucalense Editora, depois aperfeioada na edio das Rimas (Coimbra, ?Acta Universitatis Conimbrigensis?, 1953; 2. ed., revista, ib., Atlntida Editora, 1973). 2 A esta questo voltou na sua lio jubilar (Cf. A Elegia segunda ?Aquela que de amor descomedido? e a chamada gloga primeira ?Que grande VII ----------------------- Page 8----------------------- variedade vo fazendo? de Lus de Cames. Coimbra, Centro de Estudos Romnicos, 1973). 3 Cf. Nova hiptese de soluo para o problema da edio ?princeps? de ?Os Lusadas? ? no houve duas mas quatro edies datadas de 1572, in ?Revista da Universidade de Coimbra?, vol. XXXIII, 1985. pp. 221- 240. Sobre a questo das edies de 1572, veja-se ainda Roger Bismut, Encore le problme de l?dition ?princeps? de ?Os Lusadas?, in ?Arquivos do Centro Cultural Portugus?, vol. XIII, 1978, pp. 435- 521; e Bernardo Xavier Coutinho, A edio ?princeps? de ?Os Lusadas?. Um problema complexo e difcil (ou insolvel?). Muito provavelmente houve 3 edies ?princeps?, e no apenas 2, com a data (simulada) de 1572, in ib., vol. XVI, 1981, pp. 571-720. 4 Cf. infra, p. LIII. 5 Os Lusadas de Lus de Cames comentados por Augusto Epifnio da Silva Dias. 3. ed. Reproduo fac-similada da 2. ed. ... Prefcio de Arthur Cezar Ferreira Reis. Estudos prvios de Maximiano de Carvalho e Silva. Rio de Janeiro, Ministrio da Educao e Cultura, 1972. 6 O texto agora apresentado reproduz exactamente o de 1973. Apenas se corrigiram manifestos lapsos de composio tipogrfica. VIII ----------------------- Page 9----------------------- PREFCIO I A Elaborao do Poema Manuel de Faria e Sousa, cuja reabilitao na Europa cis e transpirenaica parece iminente, escreveu, como sabido, duas vidas de Cames: uma impressa frente de Os Lusadas e outra frente das Rimas Vrias, muito modificada. (Deve dizer-se que nem em todos os exemplares das Rimas aparece esta Vida.) A primeira das Vidas notvel por diversos ttulos, e ainda pelos dislates que aquele comentador acumulou sobre o incio da redaco do Poema, pois diz (col. 35) que el creerse que la mayor parte deste Poema (?la mayor parte?, note-se) iva escrito de Portugal qudo pass a la India, no es difficil; i menos el ver que desde sus primeros aos le com?. E mesmo que tivesse comeado o seu Poema aos 20 (concede Faria e Sousa), trouxe-o entre mos trinta anos, pois tendo nascido em 1517 (Faria e Sousa mudou depois de opinio) e imprimido o Poema em 1572 ficam 55, e deduzindo os tais 20 ficam 30 e quando menos 20. E se algum argumentar que o Poema s poderia ter sido comeado (ou, pelo menos, concebido) depois da leitura das duas primeiras Dcadas de Barros e do primeiro livro da Histria do Descobrimento e Conquista da ndia pelos Portugueses, por Castanheda, poder objectar-se com Faria e Sousa que Cames poderia ter conhecido aquelas obras em manuscrito. Mas ainda que no fosse assim, havendo a primeira Dcada de Barros sido impressa em 1552 e tendo o Poeta partido para a ndia em 1553 aun queda en pie lo que diximos de q} el primero bosquejo se hizo en Portugal en este tiempo que corri desde la impression de las Decadas a sua partida; o tres aos primero que le imprimiese el de 1572; e assi quando menos, son veinte los que truxo consigo este Poema. Uma to penetrante conjectura devia por fora ter o auxlio da Providncia. E teve! O buen Dios, como favoreces las honestas ocupaciones! E vieram ter-lhe s mos, ao comear a impresso dos seus Comentrios, dois manuscritos, um deles de primacial importncia para o seu ponto de vista: es una copia de los primeros seis cantos, escrita antes que el Poeta passasse a la India: ?con que I ----------------------- Page 10----------------------- PREFCIO me hallo mas contento que un ignorante; mas loco que un enamorado, i mas sobervio que un rico? (na corte de Madrid, acrescente-se). Eis como termina a cpia manuscrita: Estes seys cantos se furtara a Luis de Cames da obra que tem comeado sobre o descubrimento, e conquista da India por os Portugueses: Vam todos acabados, excepto o sexto, que posto que vay aqui o fim delle, faltalhe hua historia de amores que Leonardo contou estando vigiando, que ha de prosiguir sobre a Rima 46 onde logo se sente bem a falta della; porque fica fria, e curta a conversaam dos vigiantes, e o propio canto mais breve que os outros (col. 37). E assim se fundamentava uma redaco incompleta do Poema, antes de o Poeta ter partido para a ndia! histria de cavalaria de Ferno Veloso faltava a histria de amores de Leonardo, esquecendo que no fim dos Doze de Inglaterra a companha pedia a Veloso mais histrias de cavalaria! (VI.69.5-8). Na segunda Vida, frente das Rimas, dir Faria e Sousa no n. 28: En la vida del P. que escrivimos en los Comentarios a la Lusiada, desde el numero 16. hasta el 21. hemos procurado mostrar en que tiempos, y en que partes del mundo avia el P. escrito los ms de sus Poemas; y despues hallamos que en mucho nos aviamos equivocado, porque tuvimos mejores noticias. E mais no disse! Ora o n. 16 referido justamente aquele em que se ocupa das circunstncias de tempo e de lugar em que redigiu Os Lusadas! (1) No h qualquer notcia de que o Poeta tenha tido a ideia de escrever um Poema sobre o descobrimento de Vasco da Gama antes de partir para a ndia. Pode supor-se, interpretando alguns versos lricos, que vrias ideias hericas lhe passaram pela mente quando estava ainda em Lisboa, mas no concretizou nenhuma. certo que o primeiro livro de Castanheda estava sua disposio desde 1551 e a primeira das Dcadas da sia desde o ano seguinte. Mas a elaborao de um plano pico no dependia apenas de duas ou trs leituras. Cames no ia escrever uma narrativa histrica; ia escrever uma obra de arte, servindo-se de um grande acontecimento histrico. Decidir-se a optar pela fbula pag tambm no lhe teria sido fcil, mas, alm do exemplo do Mantuano, havia em Cames uma verdadeira idolatria pela beleza do paganismo. Sobre esta matria estava Cames bem informado ainda antes de partir para a ndia, mas faltava inseri-la num grande campo de aco, que s a experincia martima lhe daria. E quando falo de experincia martima no quero referir-me apenas dura vida de bordo, nem aos grandes fenmenos presenciados, mas s imagens visuais e auditivas II ----------------------- Page 11----------------------- PREFCIO que a prpria vida do mar ps ao alcance da sua retina e do seu ouvido e que vieram a transformar-se em versos imortais, como o famoso Cortando o longo mar com larga vela (I.45.4) analisado por Tasso da Silveira (2). A est. 19 do Canto I, que marca o incio da narrao, s poderia ter sido escrita por um nauta que v de bordo as outras naus recortando-se num poente solar: J no largo oceano navegavam, As inquietas ondas apartando; Os ventos brandamente respiravam, Das naus as velas cncavas inchando; Da branca escuma os mares se mostravam Cobertos, onde as proas vo cortando As martimas guas consagradas, Que do gado de Prteu so cortadas, (I.19) Nem a aluso mitolgica vem empanar a beleza do quadro. sua experincia martima pertence a tormenta do cabo da Boa Esperana, que lhe daria a inspirao para a tormenta (irreal) sofrida por Vasco da Gama. Inseriram-se na sua experincia martima os ecos surdos do mar, que depois foram transformados em arte: Bramindo o negro mar de longe brada Como se desse em vo (= no vo) nalgum rochedo ... (V.38-3-4) ... e cum sonoro Bramido muito longe o mar soou. (V.60.3-4) Em minha opinio ? e fossem quais fossem as meditaes do Poeta sobre o assunto ?, o Poema, tal como o temos, comeou a tomar forma em 1554 ou pouco depois. A Dedicatria a D. Sebastio foi redigida na hora de iniciar o seu Poema, portanto, por fins de 1554, quando chegou ndia a notcia do prodigioso nascimento do neto de D. Joo III, em 20 de Janeiro de 1554. No s o Poeta se dirige em toda a Dedicatria ao tenro infante [Vos tenrro & novo ramo florecente (I.7); Que nesse tenrro gesto vos contemplo (I.9); Que afeioada ao gesto bello & tenro (I.16)], mas ? circunstncia para mim muito importante ? no procurou alinh-la na esfera temporal com o ano em que acabou o Poema. A III ----------------------- Page 12----------------------- PREFCIO Dedicatria ficou como foi escrita, a marcar um acontecimento que teve foros de miraculoso para os Portugueses (maravilha fatal) - e s o poderia ter sido no longe de 1554. Os versos E vs, bem nascida segurana Da lusitana antiga liberdade, (I.6.1-2) marcam uma segurana presente, que acaba de surgir. Muito mais tarde, em 1575, dir a D. Sebastio Assi vs, Rei, que fostes segurana da nossa liberdade ... Eram j outros os termos dessa segurana, que o prprio rei, alis, se encarregaria de destruir. No me resta dvida de que foi por 1554 que o Poeta tratou de elaborar o plano da epopeia (poderia escrever-se um poema sem plano?) e de delinear os principais episdios que, entressachados no Poema, mas fazendo corpo com ele, o encheriam de atractivos estticos. Dizer quando o Poeta pousou pela primeira vez a pena sobre o papel no parece muito difcil; mas a quando remonta o pensamento da epopeia? Para Storck o propsito de cantar os feitos hericos do seu povo e da Ptria tomou, contudo, forma decisiva e amadureceu durante os seis meses de vida no oceano (3). uma tese que podemos aceitar. E acrescenta o historiador alemo: Se o grmen da epopeia ainda no estendera at ento razes vivazes e tenazes, se na mente do Poeta ainda no se definira claramente o descobridor do caminho da ndia como figura principal, se a primeira e feliz navegao ao Oriente, a empresa do forte capito, ainda no se revelara no seu esboo e na primeira traa como ponto culminante e foco de irradiao, no qual convergem as aces hericas dos Portugueses, foi, sem dvida alguma, durante a travessia que o gnio criador do Poeta tomou o seu voo de guia. (4) Infelizmente, Storck terou armas pela criao de dois poemas: um, histrico, elaborado ainda em Portugal e em Lisboa e de que o Poeta teve quase prontos os Cantos III e IV, e, depois, a epopeia martima, em que vem entretecer-se a histria do Reino. Mas isto, a meu ver, destruir a unidade dos Cantos III, IV e V, que constituem a narrativa dos feitos do Reino ao rei de Melinde e inserem-se na epopeia martima. Tal narrativa tem muito pouco de histrica: foi sobretudo ideada pelo Poeta. Cames aproveitou muito bem o momento em que aparece pela primeira vez um rei amigo, o de IV ----------------------- Page 13----------------------- PREFCIO Melinde, para iniciar a narrativa pica desde as origens at aquele momento em que chegou a Melinde. No se v como se podem separar estes trs cantos e inserir os dois primeiros numa epopeia do Reino. Prefiro ver a elaborao da epopeia segundo um plano preestabelecido, apenas modificado nesta ou naquela estncia por acontecimento posterior navegao e portanto tendo o seu lugar em qualquer profecia. No creio que o Poeta tenha levado longos anos a elaborar a sua epopeia intensamente ? e h uma efemride que mostra bem que em quatro ou cinco anos o Poeta avanara bastante. O trecho insere-se na descrio do orbe terrestre: Este receber, plcido e brando, No seu regao os cantos que, molhados, Vm do naufrgio triste e miserando, Dos procelosos baxos escapados ... (X.128.1-4) Refere-se ao rio Mecom, que recolheu os nufragos do navio de Leonel de Sousa, que se afundou nos mares da China nos fins de 1558 (ou princpios de 1559). Entre eles contava-se Cames (5). O Poeta fala dos seus cantos molhados ? o que significa que se tratava j de um volume aprecivel, cuja perda seria irreparvel. O principal da obra estava feito. Mas o Poeta ainda a limou e testemunha do facto o historiador Diogo do Couto, seu amigo, que em Moambique o viu dedicado a essa tarefa (1568-1569). De novo em Lisboa, em 1570, o Poeta deu-se pressa em arranjar forma de publicar o seu Poema e deve ter encontrado um interessado intercessor em D. Manuel de Portugal (6). Em 23 de Setembro de 1571 a obra estava na impresso, conforme consta do alvar respectivo. No alvar que concede a Lus de Cames uma tena de 15$000 ris pela publicao de Os Lusadas (datado de 28 de Julho de 1572) diz-se que a merc ser dada por trs anos, a comear em doze de maro deste ano presente de mil quinhentos setenta e dous em diante. Esta tena foi dada pelo conhecimento que o rei tem do engenho e habilidade do Poeta e pela suficincia que mostrou no livro que fez das cousas da ndia (7). A data de 12 de Maro de 1572 uma data assinalvel porque deve corresponder do lanamento da obra. V ----------------------- Page 14----------------------- PREFCIO Como que Cames, errante por tantas partes do Mundo, dependente, como soldado, das ordens de marcha que lhe impunham e de que naturalmente descansava a bordo dos navios em que embarcava, como pde ele arrumar no seu crebro tantos conhecimentos e servir-se deles por onde quer que andou? Estamos mais bem informados acerca da sua despedida de amor, em Coimbra (vo as serenas guas / do Mondego descendo ...) do que dos seus estudos naquela cidade. Nem mesmo sabemos quando o Poeta saiu definitivamente de Coimbra. Mas se na 1. carta da ndia se queixa de, sem pecado que o obrigasse a trs dias de Purgatrio, ter passado (em Lisboa) trs mil dias de ms lnguas, piores tenes, danadas vontades, nascidas de pura inveja de verem su amada yedra de si arrancada, y en otro muro asida, podemos admitir que chegou a Lisboa por 1546. Cames deve ter assistido a certos conflitos de jurisdio entre os cnegos regrantes de Santa Cruz e a Universidade, transferida de Lisboa para Coimbra. Impossvel me afirmar (porque a presena de Cames em Coimbra coincidiu com uma fase de transio) se Cames j foi ouvir o ensino artstico Universidade ou se se manteve nos colgios de Santa Cruz, protegido por algum parente daquela congregao (8). curioso que na narrativa ao rei de Melinde (III.97), falando das obras do rei D. Dinis, o Poeta escreveu: Fez primeiro em Coimbra exercitar-se O valeroso ofcio de Minerva E de Helicona as Musas fez passar-se A pisar do Mondego a frtil erva. Quanto pode de Atenas desejar-se, Tudo o soberbo Apolo aqui reserva, Aqui as capelas d tecidas de ouro, Do bcaro e do sempre verde louro. Vasco da Gama quem informa, mas a verdade que nesse momento (em 1497-1498) a Universidade estava em Lisboa. Vasco da Gama transmite ao rei de Melinde uma impresso de Cames, que aproveitara com o estudo de Coimbra e com a reforma do ensino ali operada. Os poetas lidos por Cames foram numerosos. Nem s Virglio, nem s Homero, ainda que do primeiro teve um conhecimento profundo, que se revela no nmero de passos imitados, s vezes por forma bastante literal. Por exemplo: VI ----------------------- Page 15----------------------- PREFCIO Como isto disse, manda o consagrado Filho de Maia Terra, por que tenha Um pacfico porto e sossegado, (II.56.1-3) Haec ait et Maia genitum demittit ab alto, Ut terrae utque novae pateant Karthaginis arces hospitio Teucris... (En., I.297-299) Quando a me de Eneias interroga ansiosamente o Pai dos deuses sobre o futuro do filho, Jpiter oscula libavit natae e diz-lhe: Parce metu, Cytherea, manent immota tuorum / fata tibi ... (I.256-258). Em Os Lusadas tambm Jpiter, ainda mais aceso de amor As lgrimas lhe alimpa, e acendido Na face a beija e abraa o colo puro (II.42.5-6) para lhe dizer ... no temais Perigo algum nos vossos Lusitanos (II.44.1-2) No entanto, se Cames reconhece a suserania destes dois (V.94.7 e V.98.2), no desconheceu nem deixou de aproveitar outros: Ovdio, Horcio, Valrio Flacco, Lucano, Claudiano e quantos mais ... Conhece-ospor dentro e invoca-os com toda a preciso. A primeira vez que Eneias invocado o Troiano. Em I.12.8 compara-o ao Gama; em II.45.5 lembra que o piadoso Eneias navegou / de Cila e de Carbdis o mar bravo; em III.106.1-8 compara a tmida Maria implorando o favor do rei de Portugal a Vnus quando implora a Jpiter o favor para seu filho Eneias, navegando. Cames recorda mesmo a pele bovina (IX.23) que, cortada em tiras finssimas, fez o permetro de Cartago, por indstria de Vnus. E de Ovdio no tem apenas o conhecimento das Metamorfoses. No incio da Elegia III d- nos um belo retrato moral de Ovdio desterrado, em confronto com o seu caso pessoal: O Sulmonense Ovdio, desterrado na aspereza do Ponto, imaginando ver-se de seus parentes apartado; sua cara mulher desamparando, seus doces filhos, seu contentamento, de sua ptria os olhos apartando; no podendo encobrir o sentimento, aos montes e s guas se queixava VII ----------------------- Page 16----------------------- PREFCIO de seu escuro e triste nacimento. O curso das estrelas contemplava, como por sua ordem discorria o cu, o ar e a terra adonde estava. Os pexes pelo mar nadando via, as feras pelo monte, procedendo com o seu natural lhes permitia. De sua fonte via estar nacendo os sadosos rios de cristal, a sua natureza obedecendo. Assi s, de seu prprio natural apartado, se via em terra estranha, a cuja triste dor no acha igual. S sua doce Musa o acompanha, nos versos sadosos que escrevia e lgrimas com que ali o campo banha. ............................................................... E que leu dos prosadores? Plutarco, com certeza. Em grego? Conheceu a Bblia. Dos gegrafos e naturalistas algum conhecimento teria. Pelo menos, cita-os em fiada: Eu sou aquele oculto e grande cabo Que nunca a Ptolomeu, Pompnio, Estrabo, Plnio, e quantos passaram, fui notrio. Acerca de Plnio parece no haver dvidas. Da histria geral tambm no estamos bem informados. Utilizou a Enneades ou Rhapsodiae historiarum, de Sablico, volumoso tratado que foi parcialmente traduzido em portugus por D. Leonor de Noronha, prima co-irm do amigo e protector do poeta D. Francisco de Noronha, 2. conde de Linhares (9). Da traduo s so conhecidos os dois primeiros volumes, impressos em Coimbra (1., 1550; 2., 1553). A obra geral de Sablico foi continuada por Paulo Jove e outros. notvel a prontido e a frequncia com que o Poeta invoca paralelos para pr em evidncia os feitos dos Lusitanos ou os seus defeitos em relao a outros: Codro, por que o inimigo no vencesse, Deixou antes vencer da morte a vida; Rgulo, por que a ptria no perdesse, Quis mais a liberdade ver perdida. Este, por que a Espanha no temesse, A cativeiro eterno se convida! VIII ----------------------- Page 17----------------------- PREFCIO Codro, nem Crcio, ouvido por espanto, Nem os Dcios leais fizeram tanto. (IV.53.1-8) No matou a quarta parte o forte Mrio Dos que morreram neste vencimento, Quando as guas co sangue do adversrio Fez beber ao exrcito sedento; Nem o Peno, asperssimo contrrio Do romano poder, de nascimento, Que tantos matou da ilustre Roma, Que alqueires trs de anis dos mortos toma; E se tu tantas almas s pudeste Mandar ao Reino escuro do Cocito, Quando a santa cidade desfizeste Do povo pertinaz no antigo rito, Permisso e vingana foi celeste E no fora de brao, nobre Tito, Que assi dos vales foi profetizado, E despois por JESU certificado. (III.116 e 117) Do pecado tiveram sempre a pena Muitos que Deus o quis e permitiu: Os que foram roubar a bela Helena, E com pio tambm Tarquino o viu; Pois por quem David santo se condena? Ou quem o tribo ilustre destruiu De Benjamim? Bem claro no-lo ensina Por Sarra Fara, Siqum por Dina. E, pois, se os peitos enfraquece Um inconcesso amor desatinado, Bem no filho de Almena se parece Quando em nfale andava transformado. De Marco Antnio a fama se escurece Com ser tanto a Clepatra afeioado. Tu, tambm, Peno prspero, o sentiste, Despois que ua moa vil na Aplia viste. (III.140 e 141) Teve muita influncia no Poeta o poema Argonautica de Valrio Flacco e talvez o de Apolnio Rdio. A partida dos mercantes de Belm associada dos Mnias: IX ----------------------- Page 18----------------------- PREFCIO "Foram de Emanuel remunerados, Por que com mais amor se apercebessem, E com palavras altas animados Pera quantos trabalhos sucedessem. Assi foram os Mnias ajuntados, Pera que o Vu dourado combatessem, Na fatdica nau, que ousou primeira Tentar o mar Euxnio, aventureira. (IV.83) Os Portugueses so os segundos Argonautas (IX.64). No faltam as referncias ao Veo (=Velo) dourado (III.72 e IV.83), nem rica pele de Colcos (V.28) (10). A partida das naus de Belm suscita ao Poeta este smile: Elas prometem, vendo os mares largos, De ser no Olimpo estrelas, como a de Argos (IV.85) E efectivamente a constelao Argo figura, entre outras, nestes versos: Este, por sua indstria e engenho raro, Num madeiro ajuntando outro madeiro, Descobrir pde a parte que faz clara De Argos, da Hidra a luz, da Lebre e da Ara. (VIII.71) Dos poetas estrangeiros no pode negar-se-lhe o conhecimento de Petrarca, Ariosto, Tasso, Sannazaro, Garcilaso, Boscn. Teve de munir-se de livros auxiliares de estudo, como as Genealogiae deorum, de Boccacio, o Dictionarium poeticum, de Tormentino, a Officina, de Ravisio Textor, os Lectionum antiquarum libri triginta, de Clio Rhodigino. Conhecia bem as lendas mitolgicas e a histria geral da Antiguidade, mas no fcil determinar as suas fontes. Para alm de Sablico, que conheceu da histria romana? Para a histria geral dos tempos posteriores queda do imprio romano ocidental ? lembra Epifnio (11) ?, valeu-se Cames dos trabalhos de vulgarizao que j no seu tempo existiam, tais como: a Historia rerum ubique gestarum, de Eneas Silvio, o Catalogus annorum et principum, de Valerio Ryd, que chega at 1540, o De vitis ac gestis summorum pontificum, de Pltina, os Commentariorum libri, de Raffael Maffei de Volaterra, as Historie del mondo, de Tarchagnota. Os conhecimentos cosmogrficos podem ter sido hauridos na enciclopdia que tem por ttulo Margarita X ----------------------- Page 19----------------------- PREFCIO philosophica . A descrio do sistema do mundo ptolemaico foi extrada do Tratado da Esfera, de Pedro Nunes (1537). Storck, referindo-se aos conhecimentos de Cames, escreve: Os seus conhecimentos filosficos derivam, quanto a pormenores, na aparncia, da leitura de Digenes Larcio, Plutarco, Ccero, Valrio Mximo, Aulo Glio, Plnio Snior e das Antologias. Encontram-se a mido reminiscncias destes escritores em passagens camonianas ... Mas os autores clssicos que enumerei no so os nicos gregos e romanos que Cames manuseava frequentemente. As suas poesias so testemunho claro de como conhecia ditos e feitos de uma longa srie de escritores ilustres: Homero, Aeliano, Xenofonte, Virglio, Lucano, Ovdio, Horcio, Plauto, Lvio, Eutrpio, Justino, Ptolemeu e outros, ficando indecisa a questo se lia obras gregas no original. (12) Mas, antes de tudo, Cames teve de possuir portentosa memria, porque lhe seria difcil ter mo ao mesmo tempo tantas obras. No naufrgio salva o Poema; mas, o material bibliogrfico de que se servia? E no se esquea o costume dos escolares de ento de reunir alfabticamente sentenas e exemplos em cadernos escolares que lhes serviam pela vida fora. Muitos livros prticos desta feio foram publicados na Europa. Escusado seria dizer-se que Cames conheceu todas as crnicas do Reino, alm das ultramarinas de Castanheda, Barros e Gaspar Correia (esta em manuscrito). Conversou com Diogo do Couto. Conheceu opsculos de Andr de Resende, mormente o seu poema Vincentius. As crnicas ultramarinas deram-lhe o fio da histria: a viagem do Gama; as crnicas do Reino deram-lhe a histria poetizada do Reino e sobretudo os episdios com que reala a narrativa. Muito se discutiu a legitimidade da interveno dos deuses do Olimpo, mas nunca se explicou como que o Poeta havia de deificar os Lusitanos sem que os prprios deuses interviessem na aco. Os Portugueses ? ainda antes de Cames ? sentiam-se verdadeiramente ufanos da descoberta de tudo o que no era Europa (um mundo imenso de que a Europa no tinha notcia) e colocavam as faanhas dos descobridores e conquistadores acima de tudo o que fora feito pelo mundo greco-romano. Alexandre, Csar e Trajano aparecem em Os Lusadas como grandes monarcas ofuscados pelos Portugueses. Este dado fundamental para se XI ----------------------- Page 20----------------------- PREFCIO entender o que o Poeta quis fazer. No basta afirmar-se que quis exaltar os Portugueses. pouco. Quis deific-los; quis fazer deles uma nova raa de deuses. Baco ? magnfica aceitao por Cames dos direitos de Baco sobre a ndia ? ser o grande vencido ? e aps porfiada luta. Os direitos de Baco sobre a ndia vinham de longe. Arriano conta, a propsito da inteno de Alexandre de dominar os rabes, que estes s adoravam dois deuses: o Cu e Baco. O Cu, porque, contendo os astros e o Sol, era causa dos maiores, mais visveis e numerosos benefcios dos homens; Baco, por ter conquistado os ndios. (Baco submetera a ndia pela fora das armas.) Pois eu, afirmou Alexandre, posso ser a sua terceira divindade, pois as minhas faanhas de modo algum so inferiores s do semideus (13). Cames escolheu como inimigo dos Portugueses aquele mesmo que os rabes tinham adorado. E o dio de Baco aos Portugueses vem de saber que h-de ser destronado por eles. Todos os ardis postos em execuo por Baco no atingem o seu objectivo. O ltimo ? ter aparecido em sonhos a um sacerdote maometano para indisp-lo contra os Portugueses (VIII.47-50) ? precede a apoteose dos heris. Baco desaparece obscuramente antes, sem deixar qualquer rasto da sua insatisfeita vingana. Pensamos hoje que Baco no merecia tais honras, mas no tempo de Cames Baco era uma entidade muito importante. Barros, no princpio da sia, ao falar dos feitos dos Portugueses, diz que estes, alm do mais, foram despregar aquella divina & real bdeira da milicia de Christo (que elles fundaram para esta guerra aos infieis) nas partes Orientaes da Asia, em meyo das infernaes mesquitas da Arabea, & Persia, & de todolos pagdes da gentilidade da India daquem, & dalem do Gange: partes onde (segundo escriptores Gregos & latinos) excepto a illustre Semirames, Bacho, & o grande Alexandre, ninguem ousou cometeras (I, fol. 3). Se Baco o grande inimigo, Vnus a grande e solcita companheira dos Lusitanos, seguida das suas Nereidas, no menos solcitas e prestantes. O oceano de Cames est coalhado de ninfas. So no Poema a encarnao da beleza pag. Obedecem a Vnus e substituem-se no Poema s foras naturais, e com to invisvel traa que os Nautas s se daro conta da sua existncia muito mais tarde, na Ilha dos Amores. A presena de Vnus no sexto cu, queixando-se a Jpiter das insdias de Baco, a interveno de Vnus e das suas Nereidas para XII ----------------------- Page 21----------------------- PREFCIO impedir a entrada das naus em Mombaa, onde seriam destrudas, a seduo dos Ventos para os impedir de prosseguirem a tempestade so trechos de uma beleza formal insupervel, em que a pena do Poeta atinge a visualizao de um verdadeiro pintor. Com que simplicidade o Poeta une a realidade e o mito nestes versos: Destarte despedida a forte armada As ondas de Anfitrite dividia, Das filhas de Nereu acompanhadas, Fiel, alegre e doce companhia ... (I.96.1-4) Um mundo familiar, a facilitar a empresa dos nautas! Com a Ilha dos Amores Cames atinge o clmax da voluptuosidade pag. Creio no ser preciso subtilizar a exegese para converter o deleite carnal em gozo filosfico. Vnus no Plato! A Ilha levada por Vnus ao encontro dos mareantes, os segundos Argonautas, para que estes possam refocilar a lassa humanidade (IX.20) porque a deusa quer ... que haja no reino neptunino (onde nasceu) prognie forte e bela (IX.42.1-2) S possvel dar origem a novos seres pela gerao. Uma raa valorosa vai nascer deste conbio entre os fortes bares e as nereidas. Sou dos que pensam que o Poeta, no seu regresso Ptria, foi convidado pela censura a dar um sentido espiritual (as deleitosas honras) s delcias carnais da Ilha de Vnus. A verdade, porm, que no Poema tudo toma um ar esponsalcio: As mos alvas lhe davam como esposas; Com palavras formais e estipulantes Se prometem eterna companhia Em vida e morte, de honra e alegria. (IX-84.5-8) Ainda no aparecera a alegoria. O mito no se corrompe pelo facto de o Poeta ter sublimado a carnalidade do episdio, como no se corrompe o sentido da palavra amante pelo facto de se tratar de uma unio sensvel: Quando as fermosas ninfas cos amantes Pela mo, j conformes e contentes, Subiam pera os paos radiantes ... (X.2.1-3) Ali em cadeiras ricas, cristalinas, Se assentam dous e dous, amante e dama; XIII ----------------------- Page 22----------------------- PREFCIO (X.3.1-2) O mundo antigo continuava-se na gente lusitana! E no esqueamos que ao despedirem-se da Ilha de Vnus os nautas, entre eles os j nossos conhecidos Veloso e Leonardo Levam a companhia desejada Das ninfas, que ho de ter eternamente, Por mais tempo que o sol o mundo aquente. (X.143.64) O eixo do Poema evidentemente a viagem do Gama, mas Os Lusadas no so a viagem do Gama. Os Lusadas so todos os seus reis, todos os seus heris, todos os seus gloriosos bares. Ora o Gama, na sua notcia ao rei de Melinde, s poderia dar conta dos que enobreceram a Nao at aquele momento em que fazia a sua exposio ao rei de Melinde, comeando naturalmente pelos reis e pelos que estiveram mais prximos dos reis. Foi uma narrativa poetizada da histria antiga de Portugal, a comear em Luso e a acabar em 1497, com D. Manuel! Ficariam esquecidos muitos bares. Tal como Virglio, Cames aproveitar os rogos de Vnus a Jpiter, a favor do seu Eneias, para que o pai dos deuses possa predizer alguns feitos hericos (II.44-54); vir depois o Adamastor, tambm dotado de terrfico dom proftico e que anunciar ao Gama e seus companheiros a morte de Bartolomeu Dias (1500), de D. Francisco de Almeida (1510) e o naufrgio de Manuel de Sousa Seplveda (1552). Em Calecute, o Catual ouvir de Paulo da Gama as explicaes acerca das figuras que esto pintadas nas bandeiras das naus. Aqui no se trata de predies; e curioso acentuar que, comeando nos fabulosos Luso e Ulisses, como antepassados dos Portugueses, se estender at os condes D. Pedro e D. Duarte de Meneses, fronteiros de Ceuta, ficando includas na descrio uma srie de figuras medievais. Mais tarde, uma ninfa vai vaticinar os feitos futuros dos Portugueses, particularmente dos heris e governadores da ndia (at D. Joo de Castro e seus filhos). Com a descrio do orbe terrestre, especialmente as terras de frica e da sia que os Portugueses viro a possuir, ficam nomeados todos os grandes ilustres e os lugares que foram teatro de seus feitos. So estes Os Lusadas. Georg Weise, professor emrito de Tubinga, publicou em 1965, em Itlia, L'ideale eroico del Rinascimento ? Diffusione europea e tramonto, em dois volumes. Neste excelente livro no se pronuncia o nome de Cames. Mas no nos devemos considerar afligidos por isso, porque XI V ----------------------- Page 23----------------------- PREFCIO os Espanhis tambm l no esto. O mesmo acontece no livro de Robert M. Durling, professor da Cornell University, intitulado The Figure of the Poet in Renaissance Epic, 1965 (14). Cames tardio em relao ao que costuma considerar-se como Renascimento e que Weise adopta: Ne consegue che di Rinascimento si suole parlare soltanto a partire dal passaggio al secolo XV (II.1). O poema de Cames veio luz em 1572! No entanto, parece-nos que a raa forte e bela que Vnus deseja procriar (mticamente, embora) se ajusta a esse ideal herico que Weise formula: ... mi sembra sia da considerarsi, gi nel Petrarca, l'aspirazione ad innalzare a un livello semidivino gli uomini e le gesta dell'antichit, a prenderli come modello di una idealizzazione croicheggiante, conferira persino alle persone del proprio tempo (II.5-6). Cames quer que os Portugueses se tornem divinos no s pela fortaleza de nimo, mas pelo exerccio das mais altas virtudes. No s pela coragem fsica, diante do inimigo ... com forar o rosto que se enfia, A parecer seguro, ledo, inteiro Pera o pelouro ardente, que assovia E leva a perna ou brao ao companheiro (VI.98.1-4) mas pela lealdade firme e obedincia (V.72) para com o rei: Olhai que ledos vo por vrias vias, Quais rompantes lies e bravos touros, Dando os corpos a fome e vigias, A ferro, a fogo, a setas e pelouros, A quentes regies, a plagas frias, A golpes de Idolatras e de Mouros, A perigos incgnitos do mundo, A naufrgios, a pexes, ao profundo, Por vos servir a tudo aparelhados, De vs to longe sempre obedientes A quaisquer vossos speros mandados, Sem dar reposta, prontos e contentes. (X.147-148) E j o Gama dissera ao rei de Melinde: Grandemente por certo esto provados, Pois que nenhum trabalho grande os tira Daquela portuguesa alta excelncia De lealdade firme e obedincia. (V.72.5-8) XV ----------------------- Page 24----------------------- PREFCIO Por esta via tomaro lugar no Olimpo estelante, empalidecendo o fulgor de Jpiter, Mercrio, Febo, e Marte, Eneias e Quirino e os dous Tebanos, Ceres, Palas e Juno com Diana. Os Lusadas esto destinados a substituir a fama dos Antigos, porque as suas proezas os excedem. O culto da Antiguidade no cega o Poeta ao ponto de lhes sotopor os feitos dos Portugueses como pedestal dos heris mediterrneos: Que se o facundo Ulisses escapou De ser na Oggia ilha eterno escravo, E se Antenor os seios penetrou Ilricos e a fonte de Timavo; E se o piadoso Eneas navegou De Cila e Caribdis o mar bravo, Os vossos, mores cousas atentando, Novos mundos ao mundo iro mostrando. E tudo sem mentir, puras verdades. II A Edio Princeps Para compreenso do que se segue fixe-se desde j que designamos por A a edio que apresenta o pelicano com o colo para a nossa esquerda, e por B a que apresenta o pelicano com o colo para a nossa direita. A edio A tambm pode ser designada por Ee (em lembrana do penltimo verso da 1. estncia do poema que em A E entre gente remota edificaro) e a edio B por E (em virtude de o mesmo verso ser s Entre gente remota edificaram). Portanto, A=Ee e B=E. H sculos que se discute o problema das duas edies de 1572. Faria e Sousa, na segunda vida que escreveu de Cames e que XVI ----------------------- Page 25----------------------- PREFCIO paradoxalmente se encontra frente de alguns exemplares das Rimas Vrias (no de todos), diz no n. 27 o seguinte: Aviendo, pues, llegado el P. a Lisboa el ao de 1569 el de 1572 public por medio de la Estampa su Lusiada, aviendosele concedido privilegio Real en 4 de Setiembre de 1571. Di con el un gran estallido en todos los oidos, y un resplendor grande a todos los ojos ms capazes de Europa. El gasto desta impression fue de manera, que el mismo ao se hizo otra, Cosa que aconteci rara vez en el Mundo; en Portugal e ninguna ms de esta. Y porque esto ha de parecer nuevo, y no facil de creer, yo asseguro que lo he examinado bien las mismas ds ediciones que yo tengo; por diferencias de caracteres; de ortografia; de erratas que ay en la primera, y se ven em?dadas en la segunda; y de algunas palabras con que mejor lo dicho. Portanto, em 1685 havia duas edies diferentes de 1572: a difuso da obra tinha sido to grande que o editor se lanara ao empreendimento de uma nova tiragem, melhorada. Mas nas suas Lusadas comentadas (1639), em comentrio est. 21 do Canto IX (col. 31), Faria e Sousa diz isto: Es verdad que en la primera impression deste Poema, a la qual yo llamo original (como dize Correa) falta el madre [trata-se do clebre verso Da my primeyra co'o terreno seyo]. Dirn agora los escrupolosos; con que autoridad se le aadi despues? Yo no s quin lo hizo, pero s que est bien hecho: i assi presumo que la segunda impression se bolvi a hazer por el manuscrito del Poeta, o por alguno de los impressos enmendados por ele, no solamente en este lugar, sino en otros muchos en que avia sobra, i falta de palabras evid?te. Lo mismo sucedi a la impression de las Rimas, que la primera vez truxeron muchas cosas diferentes del manuscrito del Poeta, i en la segunda salieron muy mejoradas. Per viniendo a los yerros deste Poema, cometidos en la estampa por falta, o sobra de palavras, har alguna observacion para que se vea claro, que pudo salir esta enmienda de donde salieron las otras no menos acertadas que ella. Empecemos por las sobras. En la est. 54 del c. 2 dezia; Idololatra por Idolatra en la 56, de Maria, por de Maia. En la 53 del c. 5 dezia un verso, Como fosse cousa impossibil alcanala, por Como possibil alcala; en la 38 del c. 6, Eolo, por Eoo. En la 30 del 8, Que lhe dizem que lhe falta: por que lhe dizem que falta i en la 32 (de 8), Capitam, por Cipiam. Las faltas, que es exemplo que hazo ms a mi proposito. En la 75 del c. 1, E Romano, por e co'o Romano; en la 89, Nos bateis fogo, por nos bateis o fogo. En la 17 del ct. 2, e nesta, por X VII ----------------------- Page 26----------------------- PREFCIO e com esta. En la 103, Que de Luso, por que os de Luso; en la 95 del 3, Liberdade, por liberalidade; en la 70 del 7, Rio Tejo, por rico Tejo. En la 11 del 8, No Estigio jura a fama, por no Estigio lago jura, etc., faltando el lago, que devi aadirse por el original(1) i yo le aado, conformandome con el verso 1 de la estanc. 40 del ct. 4 y es falta pontualmente, como esta del madre aqui. i no ay duda que este madre se aadi por el mismo original que se aadieron, o quitaron essas palabras, i otras que omito(2): dexando a parte las introduzidos por otras, como en la est. 34 del c. 3, trabalha, por batalha; i en la 65, serras della, por senhor della; i en la 41 del 6, nam fosse, por nam sofre; en la 30 deste [IX], ondas, por obras: & otras ... Esta enorme e enredada transcrio no pode deixar de apresentar-se ao leitor como um indecifrvel quebra-cabeas. Refere-se a falta e sobra de palavras nos versos, mas onde? Tivemos algum trabalho, mas encontrmos tudo o que pretendamos: trata-se de emendas, ou de Manuel Correia (1613) ou da edio B (=E). De Manuel Correia, Faria e Sousa registou as seguintes emendas: Que eu co gro Macedonio, & co Romano, (I.75) em vez de: Queu co gram Macedonio, & Romano, (Ed.A) Levando o Idolatra & o Mouro preso (II.54) em vez de: Levando o Idololatra, & o Mouro preso (Ed.A) Sentio o a villa, & vio o senhor della (III.65) em vez de: Sentio o a Villa, & vio a serra della (Ed.A) E com esta treio determinavo, (II.17) em vez de: E nesta treio determinavam (Ed.A) Da edio B, Faria e Sousa regista: ...manda o consagrado Filho de Maria aa terra, porque tenha X VIII ----------------------- Page 27----------------------- PREFCIO (II.56) em vez de: Filho de Maia aa terra porque tenha (Ed. A) Como fosse cousa impossibil alcanalla (V.53) em vez de: Como fosse impossibil alcanalla (Ed. A) Do Eolo Emisperio est remota (VI.38) em vez de: Do Eoo Emisperio est remota (Ed.A) Que lhe dizem que lhe falta resistencia (VIII.30) em vez de: Que lhe dizem que falta resistncia (Ed.A) Portugues Capitam chamar se deve. (VIII-32) em vez de: Portugus Cipio chamar se deve (Ed.A) Eis nos bateis fogo se levanta (I.89) em vez de: Eis nos bateis o fogo se levanta (Ed.A) O menos que de Luso mereceram (II-103) em vez de: O menos que os de Luso merecero (Ed.A) Da liberdade alexandrina (III.96) em vez de: Da liberalidade alexandrina (Ed.A) Do rio Tejo, & fresca Goadiana, (VII.70) em vez de: XIX ----------------------- Page 28----------------------- PREFCIO Do rico Tejo, & fresca Goadiana, (Ed.A) Por quem no Estigio jura a fama (VIII.11) em vez de: Por quem no Estigio lago jura a fama (Ed.A) Em trabalho cruel, o peito humano, (III.34) em vez de: Em batalha cruel, o peito humano, (Ed.A) Nam fosse amores, nem delicadeza (VI.41) em vez de: No soffre amores, nem delicadeza (Ed.A) Esto em varias ondas trabalhando (I.30) em vez de: Esto em varias obras trabalhando (Ed. A) Todas estas emendas so da edio B (colo do pelicano para a direita). Apesar de ser esta, para o Morgado de Mateus, a edio princeps, nenhuma das emendas citadas passou para o seu texto! As lies adaptadas foram as lies de A ? o nosso verdadeiro texto princeps. O Sr. Dr. Francisco Dias Agudo, que ltimamente se tem ocupado deste assunto e ainda agora publicou uma brochura com o ttulo expressivo de A Edio d'Os Lusadas de 1572, diz o seguinte: A palavra QUE, mudada em QUT, figura tanto em 1P (colo do pelicano para a direita) como em 3P (p. 178 v., est. 108, verso 8) e inicial de um verso. Ns consideramos francamente improvvel repetir por cpia aquele t, autntica espada de guerra ofensiva da nossa inteligncia. Esta no admite que, finda uma edio e destrudo este tropeo, ele seja restaurado na edio seguinte. A palavra profundo, mudada em profnndo do mesmo modo figura em 1P e 3P (p. 185, est. 147, verso 8) e final de um verso. Devo dizer que o Sr. Dr. Dias Agudo foi muito moderado na escolha dos seus exemplos. Poderia oferecer aos seus leitores um XX ----------------------- Page 29----------------------- PREFCIO pradrupedante, X.72 (assim em A e B); um Vam, IX.62 por Tam (em A e B); poderia oferecer-lhe o caso de palavra comeada em princpio de verso por minscula em A e B (nuas, IX.66). Poderia oferecer uma estncia mal revista em A e fielmente copiada em B: Pois a tapearia bella & fina, Com que se cobre a rustico terreno, Faz ser a de Achemenia menos dina: Mas o sombrio valle mais ameno: Ali a cabea o flor Cyfisia inclina, Sobollo tanque lucido & sereno, Florece o filho & neto de Cyniras, Por quem tu Deosa Paphia inda suspiras. (IX.60) Infelizmente o tipgrafo nem sempre se lembrou de que a sua obrigao era copiar o que lia; se o tivesse feito, a edio B teria sado igual a A e ns poderamos servir-nos dela com confiana. Em X.6 o compositor de B d-nos uma Minfa por Nimpha (na edio A Ninfa). Sendo pexe forma sistemtica em Cames, o compositor de B traiu-se com a formapeixe em I.42 e IV.90. Para diante reabilitou-se: ou ele ou outro mais atilado! Cames escreveu sempre apousentar (3); mas em B, IV.60, figura aposentou! E que fazermos a cilado (I.80) por cilada (em A), a Neptonino (IX.42) por Neptunino (em A), a Maurilano (VIII.20) por Mauritano, a perjuro (VIII.34) porperjurio (em A), a tom (IX.17) por tam (em A), a horendo (X.43) por horrendo? O compositor de B foi um operrio desatento. No tm limite as diferenas que estabeleceu com o texto de A. Vejamos mais alguns exemplos: 1) Comeram a seguir sua longa rota (I.29) em vez de: Tornaro a seguir sua longa rota (Ed.A) 2) Quando as fingidas gentes se chegaro (II.1) em vez de: Quando as infidas gentes se chegro (Ed.A) 3) Como j o forte Huno o foy primeiro (IV.24) em vez de: Como j o fero Huno o foy primeiro XXI ----------------------- Page 30----------------------- PREFCIO (Ed.A) 4) Se quem com tanto esforo em Deas se atreve (VIII.32) em vez de: Se quem com tanto esforo em Deos se atreve (Ed.A) 5) Que as almdias todas lhe tolhia (VIII.84) em vez de: Que as almdias todas lhe tolhia (Ed.A) 6) Os mouros de Marrocos & Trudante (X.156) em vez de: Os muros de Marrocos & Trudante (Ed.A) 7) Lhe andar armada, que por em ventura (VIII.90) em vez de: Lhe andar armando, que por em ventura (Ed.A) 8) Pera lhe descobrir da vinda esphera (IX.86) em vez de: Pera lhe descobrir da unida esphera (Ed.A) 9) Cantando a bella Deosa, que viriam (X.10) em vez de: Cantava a bella Deosa, que virio (Ed.A) 10) Todos fars ao Luso obedentes (X.44) em vez de: Todos fars ao Luso obedientes (Ed.A) 11) De seres de Candace & Sob ninho (X.52) em vez de: De seres de Candace & Sab ninho (Ed.A) 12) Mas alembrote hua yra que o condena XXII ----------------------- Page 31----------------------- PREFCIO (X.45) em vez de: Mas alembroulhe hua yra que o condena (Ed.A) 13) Batical, que vir ja de Beadala (X.66) em vez de: Batical, que vir ja Beadala (Ed.A) 14) Este erro grave: Responde lhe do ramo Philomena (a rimar com bella e gazella) (IX.63) em vez de: Responde lhe do ramo Philomela (Ed.A) 15)Qual ferida lha tinha ja Eiricina (IX.66) em vez de: Qual ferida lha tinha ja Ericina (Ed.A) 16) Que o mundo encobre aos homes imprud?t s (IX.69) em vez de: Que o mundo encobre aos hom ?s imprud?tes (Ed.A) 17) Por feitos mortais & soberanos (IX.91) em vez de: Por feitos imortais & soberanos (Ed.A) 18) Dividos os fizeram, sendo humanos (IX.91) em vez de: Divinos os fizeram, sendo humanos (Ed.A) 19) De sangue o tingir no andar sublime (X.17) em vez de: De sangue o tingir no andor sublime (Ed.A) XXIII ----------------------- Page 32----------------------- PREFCIO 20) Sabia bem que se com fe formoda (X.112) em vez de: Sabia bem que se com fe formada (Ed.A) At nas cabeas de pgina se revelou o dedo do contrafactor: na edio A a cabea CANTO QUINTO transitou para o canto sexto nos flios 97 r. e 103 r.; na ed. B encontra-se CANTO QUINTO nos f1ios 97 r., 99 r., 100 r. e 103 r! No se pode conceber mistificao mais grosseira . . .(4) Infelizmente o Morgado de Mateus, que h pouco vimos to prudente, colheu para a sua edio princeps (lio B) os exemplos de 1, 2, 3, 6, 7 e 9 dessa mesma lio, acabados de citar. Sem dvida, os piores! Depois desta anlise, que ainda poderia ser mais minuciosa (basta considerar na lio B o verso de III.113 Os feridos com grita ao Ceo feriam que na lio A Os feridos com grita o Ceo ferio), no podemos admitir a tese de que em 1572 saiu da oficina de Antnio Gonalves uma, e s uma, edio do famoso Poema Os Lusadas, se por tal se entender os exemplares da edio A e da edio B. Isto significa que no vemos razo para rejeitarmos as concluses de Tito de Noronha, que, j em 1880, estabeleceu a existncia de uma contrafaco, elaborada na oficina de Andrs Lobato, a seguir impresso da vergonhosa edio dos piscos (1584) (5). E no falamos do alvar e das caractersticas da data, nem do tipo usado na composio do parecer do censor. No falamos da ortografia, nem das desinncias verbais, nem da pontuao. Isso poder ser objecto de um estudo especial. A convico, em que por muito tempo se esteve, de que a edio B que era a princeps teve desastrosas consequncias. A edio do Morgado de Mateus o caso mais retumbante de erro na opo; e se mais grave se no tornou esse erro que o, alis benemrito, autor da edio se serviu largamente da edio A, a verdadeira princeps, ento conhecida como 2. edio. Jos do Canto, na sua coleco camoniana, fala do assunto perfeitamente s avessas, admitindo a edio B como princeps . Tefilo Braga, na sua edio fotolitografada de Os Lusadas, feita por ocasio do jubileu nacional do quarto centenrio do descobrimento martimo para a ndia(6), leva o caso XXIV ----------------------- Page 33----------------------- PREFCIO ao ponto mais alto da confuso. Diz ele: Prova-se que a segunda, de 1572, que tem na portada a cabea do pelicano voltada para a esquerda que a autntica, impressa sob as vistas do Poeta; e que a outra foi uma reproduo intencional para escapar s delongas da censura, e restaurar o texto deturpado na edio de 1584, designada pelo nome de Piscos. Pois, apesar desta advertncia to clara, Tefilo Braga reproduziu a lio B (colo do pelicano para a direita)! Creio que fica suficientemente estabelecido que s a edio A saiu em 1572; e que a edio B uma contrafaco intencional, justificado pela inexistncia de exemplares da edio A e que deve ter vindo luz, discretamente, em 1584 ou 1585, uma vez terminada a impresso da desastrosa edio dos piscos (1584). Que tenha sido feita por Lobato, como pretendeu Tito de Noronha, ou que tenha sido Manuel de Lira o patritico impressor da edio apcrifa, conforme mais tarde concluiu Eleutrio Cerdeira(7), o certo que A e B so inconfundveis: A, a edio que Cames viu, e B, a que ele j no pde ver. III O Nosso Texto Teria sido impossvel, por escrpulo de exactido, elaborar uma edio de Os Lusadas com a pontuao e a ortografia que Cames adoptou ou deixou adoptar no seu Poema. Para se ter uma ideia da forma como o Poeta escreveu e pontuou existem as edies fac- similadas. Para o pblico no podemos pensar numa edio desta natureza. Quisemos, no entanto, dar-lhe uma edio fiel, em que se respire um ar camoniano e isso s se consegue evitando dar ao Poeta uma linguagem que no era a sua nem a do seu tempo: se ele s conheceu a forma despois, no h que impor-lhe a forma depois. Em segundo lugar, evitando a incongruncia, registando num lado o que se rejeita noutro, por causa da rima; em terceiro lugar, evitando pr na mente do Poeta uma preocupao etimologizante, que ele XX V ----------------------- Page 34----------------------- PREFCIO no teve. A edio nacional elaborada por Jos Maria Rodrigues e Afonso Lopes Vieira (EN) no se preocupou em modernizar para alm de Cames e escreveu, por exemplo: Naquele por quem morro ... (III.129) forma que Cames no conheceu nem na pica, nem na lrica. curioso, porm, que aqueles autores no modernizaram a forma correspondente do conjuntivo: mas moura, enfim, nas mos das brutas gentes (II.41) Eis um caso de incoerncia ntida. XX VI ----------------------- Page 35----------------------- PREFCIO Cames escreveu sempre (com uma s excepo) inico e inica. E quando uma vez escreveu iniqua f-lo dando a qu o valor de c e pronunciando, portanto, inica. No este o caso de EN. Onde o Poeta escreveu O Regedor daquela inica terra (I.94) ou Do padastro e da inica my levava (III-33) escreveram os editores de EN: O Regedor daquela inqua terra ou Do padrasto e da inqua me levava Mas em posio de rima no se esqueceram, evidentemente, da forma camoniana: Assim Vnus props; e o filho inico (IX.43) a rimar com rico e impudico. O caso do grupo -sc- (verbos latinos em -scere) mais delicado. O Poeta escreveu algumas vezes nascer e crescer (s uma vez em crescendo, VIII.72). Em caso algum escreveu descer e pascer (mas decer e pacer). Mas a prova de que mesmo escrevendo nascer o Poeta pronunciava nacer est em que rimava nascer com decer (II.19). Ora em EN fez-se rimar nasceu com desceu e ilgicamente nace compace! Antes de c (ce ou ci) o som surdo x do s tinha desaparecido por completo, ainda que o representassem por vezes na escrita. Temos, por exemplo, o lascivo de Cames que est representado com s em No ar lascivos beijos dando (IX.24) ou Mas cua escrava vil, lasciva e escura (X.47) mas sem s em Sendo das mos lacivas mal tratada (III.134) Em EN encontra-se, j se sabe, lascivas. O mesmo com ressuscitar, que em EN est por resucitar (resucitassem, resucite). XXVII ----------------------- Page 36----------------------- PREFCIO Em Cames a forma dino, dina muito mais frequente do que a forma digno, digna. Nenhuma influncia esta escrita tinha na pronncia, porque digno aparece a rimar com cristalino e divino; mas, embora a forma dino aparea mesmo no princpio ou meio do verso, em EN foi substituda por digno: O caso triste, e digno da memoria (III.118) Outro caso de modernizao grave o tratamento do prefixo sub, que no existe em submeter nem em subjugar (subjugada em IV.61). Cames no escreveu Tanto poder que tudo submetesse (I.75) como est em EN, mas Tanto poder que tudo sometesse A EN chega a juntar as duas modernizaes na mesma estncia A estas nobres vilas submetidas (III.56) e Subjuga a fria Sintra o duro brao (III.56) quando Cames escreveu A estas nobres vilas sometidas e Sojuga a fria Sintra o duro brao O Brasil acaba de prestar uma justa homenagem ao douto comentador de Os Lusadas Augusto Epifnio da Silva Dias, publicando em edio fac-similada a segunda edio, de 1916-1918. Epifnio no seguiu a ortografia oficial, mas a que se usava antes da reforma da ortografia de 1911. As suas divergncias com a edio princeps so muito maiores do que pode imaginar-se. Cames nunca escreveu damno, phantasia, accender, acceso, prophetizado, crystal, crystallino, blasphemo, deshonesto, deshonrado, columnas. Se alguma vez escreveu triumphar, triumpho, tropheo, socceder, occeano, tambm escreveu triumfar (sic), trofeo, soceder ou suceder, oceano. Umas vezes a ortografia de Epifnio coincide com a do Poeta, como em cabello, capella, prompto (em VIII.55 o Poeta escreveu pronta), offender, offerecer, officio, bellico, belleza, bello, mas outras no: o Poeta escreve em geral belicoso, belacssimo, belgero, calada, Calope, Calipso, Calisto, calo, Apolo, Baco, ctara, Prometeo. O nosso texto mantm as seguintes formas de Cames: XXVIII ----------------------- Page 37----------------------- PREFCIO Abaxar, abaxo (e abaixo), acrecentar, acudir (acude, imperativo), afeito, afeitar-se, agardecer (e agradecer), lemo, algua, Alanquer, Alexandro, alfrezes, amoesta, anto (e ento), antre (e entre), Antrtico, apacentar, apousentar, apousento, artelharia, assi, assoviar, aspeito, aventajar, avorrecido; Bautizado (e baptizado), baxo/a e baixo, benino (e benigno), bvoras, bocijando; Csi, ceptro, cereija, contino, contrairo, Costantino, cousa, crecer, crecimento, coluna; Dantre, debaxo (e debaixo), decer, desemparo, desemparar, despois, dino/a, des (pl. de dom), dous, doudo; Embaxador (e embaixador), embaxada (e embaixada), emparo, ennobrecer, enveja, escuitar, estmago, experimentar (II.104) (1), exprimentar (III.85), extremo, est, esteis (formas do v. estar), estrui (v. estruir); Federico, fermoso/a, fermosura, fermosssima, florecente, florecer, Frandes, fruito e fruto, fuge (imperativo de fugir); Giolhos (geolhos), grandiloco/a; Horrisono/a; Imigo (e inimigo), impidas, indino, indinado, ingrs (e ingls), inico; Jocundo/a; Lianor, lio, lions, longinco (e longico), Lua; Mrtire, masto, mi, milhor, mortindade, mouro (morro), moura (morra); Nacer, nenhua, noda, noute; Orfindade, oucioso (e occioso), ouliveira; Pacer, pntem, Perineu, perclaro, perguntar, perla, pexe, piadoso/a (e piedoso/a), pranta, prantar, prum a, produze, pubricar, pbrico (epblico) (2), preminente, preminncia; Qusi; Razo (s num caso empregou rezo), recrecer, relmpado, reluze, reposta, reprender, represria, ressucitar, revelde; Saluo, samear (e semear), sanguino, sembrante, sigue-me, simpres, sinos (por signos), somnolento, someter, sojugar, subjeito, superficia, sutil, sutileza, sutilmente; Tarquino, tarado, Tavila, trasunto, terrestre, tornu, tredores, treio, trdoros; Ua; Valeroso/a, val (por vale), voudas. Devamos ter conservado a forma exos (eixos), representada uma s vez n'Os Lusadas (VI.84.7). XXIX ----------------------- Page 38----------------------- PREFCIO Rejeitamos formas como as seguintes: Accidentes, adquerir, arteficio, artilheria, Balduuino, ceremonia, dereito, desposto, deligencia, dezia (a forma dizia tambm camoniana), dirivar, eccessivo, eccelencia, embarado, encenso, esperiencia, esprimentar, estremo (adj.), humicidas, hypocresia, iazmim, insinar, mesturar, mezquinha, menh, mintiroso, misilhes, occeano, opremido, otono, plouro, porpurea, prompto/s, rezo, sancto/a, septima, soccedeo, soccedessem, Suamqum, succedido (ao lado das formas modernas), temido (por tmido), tremolar, vertude, vezinhana, victorioso. Outras se encontraro do mesmo gnero. Na normalizao da ortografia tivemos de eliminar formas como sciencia, sciente, mas n'Os Lusadas existem as formas modernas ciencia e ciente. O mesmo sucedeu a Scipio, Sctia, etc. No adoptmos as formas geanalosia (que tem, alis, exemplo literrio) e sururgio. Admitimos as formas correctas genealogia e cirurgio. Entendemos que foi desastre do compositor a forma pradrupedante (X.72.4) e que horrissimo (II.96.6) erro por horrsono, que aparece logo em II.100. Conservmos um erro irreformvel porque deve tratar-se de um deslize do Poeta: venerando em VII.77.4, a rimar com Mauritano e humano. Alguns tm posto soberano em lugar de venerando. Tambm em II.100.5, a edio princeps tem bramando, que est evidentemente por bramavam: As bombardas horrsonas bramavam Em X.88 turbulento apenas rima assonante. Em X.128, molhados e escapados rimam com executado. um caso de rima imperfeita que, naquele caso, no deve ser alterada. Em VI.5, houve lapso do Poeta, que escreveu duas vezes camares numa enumerao. Uns substituem por briguiges (FS) outros por birbiges (MC). Conservmos todas as formas em -bil: abominbil, afbil, inexpugnbil, impossbil, insensbil, insofrbil (insufrbil), invisbil, terrbil, imbil, implacbil, incansbil, instbil, invencbil, possbil, vendbil, visbil, volbil. Deste grupo s abominbil apresenta uma vez a forma moderna (VII.47.5). Mantiveram-se, principalmente no plural, os representantes latinos de -ax, -ix e -ox: audace, atroce, felice, feroce, fugace, sequace, veloce, pertinace, rapace, tenace. Na EN escreveu-se Mui velozes, estreitas e compridas XXX ----------------------- Page 39----------------------- PREFCIO (I.46) e Sabendo ser sequazes da verdade (I.71) Em outros lugares manteve-se a forma directamente derivada do latim. Cames escreve frequentemente desta arte e destarte. Se lermos com hiato erramos a medida do verso. Julgmos por isso prefervel uniformizar. Cames chega a escrever Desta arte o Malabar, destarte o Luso (VII.45) quando a verdade o que o verso tem de ser lido Destarte o Malabar, destarte o Luso. Em alguns casos fez-se uma opo: dino/a no s est mais representado do que digno/a, mas a nica vez que digno/a est em posio de rima esta faz-se com imagina, ensina (insina) ? o que mostra que a ortografia erudita no correspondia pronncia. Das cinco vezes que o Poeta escreveu Lua s uma no nasalou o u (Lua em III.56.3). Por lapso tipogrfico, sem dvida. E o caso de Lua serve-nos para apontar os perigos da modernizao. Em IX.48.1 Lua est em posio de rima e as rimas escolhidas foram nenhua e algua. Os editores da EN foram obrigados a respeitar estas formas ? o que no fizeram em outros casos: Alguns traidores (3) houve algumas vezes (IV.33.8) Desta arte a Deusa a quem nenhuma iguala (II.38.7) O que se diz para Lua diz-se para o plural antigo de dom-des. Em V.95 o Poeta colocando des em posio de rima serviu-se das palavras Cipies e opresses. portanto desaconselhvel utilizar a forma moderna dons. Levassem prmio digno e dons iguais que Cames no conhecia. evidente que h casos em que a modernizao no prejudica a rima. Por exemplo, sembrante. Mesmo que se mude em semblante no h perigo rimtico. Resta saber se moralmente legtimo faz-lo. Quando Cames rima nace (de nascer) com pace (de pascer) e comface est dentro dos seus hbitos lingusticos. Se em vez de nace escrevesse nasce e pasce e mantivesseface, isso significaria que o grupo -sc- nenhuma influncia teria na pronncia daquele tempo. E o caso ... No crvel que escrevendo aqui nascido (II.10.2) e ali nacido XXXI ----------------------- Page 40----------------------- PREFCIO (V.47.2) o Poeta hesitasse na pronncia e se preocupasse com a etimologia. Poderamos multiplicar os exemplos. Mas o nosso objectivo apenas o de defender um critrio adoptado, que poderia ter sido levado com mais rigor ainda. Para finalizar, apresento apenas um exemplo significativo: o Poeta empregou benino e benigno. A forma benigno foi utilizada duas vezes em rima: benigno ? Alcino ? divino; benigno ? destino ? fino. evidente que para o Poeta benigno era o mesmo que benino. A restaurao humanstica no influiu durante muito tempo nos hbitos lingusticas. XXXII ----------------------- Page 41----------------------- PREFCIO A' Luso, unde Lusitania dicta est, Lusiadas adpellavimus Lusitanos, & a Lysa Lysiadas, sicut ab nea neadas dixit Virgilius. Nec male subcessit. Nam video id multis adlibuisse, prsertim autem Georgio C?lio, Lusitani nostr ornamento, sive poeticam facultatem, sive Ciceronian orationis mulationem spectes. In L. Andr. Resendii Vincentium Adnotationes (48). XXXIII ----------------------- Page 42----------------------- PREFCIO Ev el Rey fao faber aos que efte Aluara virem que eu ey por bem & me praz dar licena a Luis de Camo?s pera que poffa fazer imprimir nefta cidade de Lisboa, hua obra em Octaua rima chamada Os Lufiadas, que contem dez cantos perfeitos, na qual por ordem poetica em verfos fe declaro os principaes feitos dos Portuguefes nas partes da India depois que fe defcobrio a nauegao pera ellas por mdado del Rey dom Manoel meu vifauo que fancta gloria aja, & ifto com priuilegio pera que em tempo de dez anos que fe comearo do dia que fe a dita obra acabar de empremir em dite, fe no poffa imprimir n? vender em meus reinos & fenhorios nem trazer a elles de fora, nem leuar aas ditas partes da India pera fe vender fem lic?a do dito Luis de Camo?s ou da peffoa que pera iffo feu poder tiuer, fob pena d? que o contrario fizer pagar cinquoenta cruzados & perder os volumes que imprimir, ou vender, a metade pera o dito Luis de Cames, & a outra metade pera quem os acufar. E antes de fe a dita obra vender lhe fera pofto o preo na mefa do defpacho dos meus Defembargadores do pao, o qual fe declarar & por impreffo na primeira folha da dita obra pera fer a todos notorio, & antes de fe imprimir fera vifta & examinada na mefa do confelho geral do fanto officio da Inquifio pera c fua licena fe auer de imprimir, & fe o dito Luis de Cames tiuer acrecentados mais algus Cantos, tambem fe imprimiro auendo pera iffo licena do fanto officio, como acima he dito. E efte meu Aluara fe imprimir outrofi no principio da dita obra, o qual ey por bem que valha & tenha fora & vigor, como fe foffe carta feita em meu nome por mim afsinada & paffada por minha Chancellaria sem embargo da Ordenao do fegundo liuro, tit. xx. que diz que as coufas cujo effeito ouuer de durar mais que hum ano paffem per cartas, & paffando por aluaras no valho. Gafpar de Seixas o fiz em Lisboa, a . xxiiij : de Setembro, de M. D. LXXI. Iorge da Cofta o fiz efcreuer. XXXIV ----------------------- Page 43----------------------- PREFCIO VI por mandado da santa & geral inquisio estes dez cantos dos Lusiadas de Luis de Cames, dos valerosos feitos em armas que os Portugueses fizero em Asia & Europa, & no achey nelles cousa algua escandalosa, nem contraria fe & bs custumes, somente me pareceo que era necessrio aduertir os Lectores que o Autor pera encarecer a difficuldade da nauegao & entrada dos Portugueses na India, vsa de hua fio dos Deoses dos Gentios. E ainda que sancto Augustinho nas suas Retractaes se retracte de ter chamado nos liuros que compos de Ordine, aas Musas Deosas. Toda via como isto he Poesia & fingimento, & o Autor como poeta, no pretenda mais que ornar o estilo Poetico no tiuemos por inconueniente yr esta fabula dos Deoses na obra, conhecendoa por tal. & ficando sempre salua a verdade de nossa sancta fe, que todos os Deoses dos G?tios sam Demonios. E por isso me pareceo o liuro digno de se imprimir, & o Autor mostra nelle muito engenho & muita erudio nas sciencias humanas. Em fe do qual assiney aqui. Frey Bertholameu Ferreira XXX V ----------------------- Page 44----------------------- PREFCIO Notas (parte I) (1) As estncias desprezadas ou omitidas podem ler-se no tomo I, parte 2., pp. 267 e segs., da edio de Os Lusadas de MDCCLXXXII (na offic. de Simo Thadeo Ferreira) e na ed. de Leipzig (1873), pp. 205 e segs. Nesta edio incluram-se as emendas de um terceiro manuscrito (ms. de Lus Franco). Podem ler-se tambm na edio de Os Lusadas do Porto (MDCCCLXXX), pp. 397 e segs. Incluem-se tambm nesta edio as emendas do ms. de Lus Franco. V. a crtica feita a Manuel de Faria e Sousa pelo Morgado de Mateus na sua Advertncia, pp. XVIII a XXIII. (2) V. Miscelnea Filolgica em Honra Memria do Prof. Clovis Monteiro (Rio de Janeiro, 1965), pp. 171-174. (3) Wilhelm Storck, Vida e Obras de Lus de Cames. Primeira parte. Verso do original alemo, anotado por Carolina Michalis de Vasconcelos, Lisboa, MDCCCXCVII, p. 460. (4) Id., ibid., pp. 460-461. (5) V. Jordo de Freitas, O Naufrgio de Cames e dos Lusadas, Lisboa, 1915. (6) ............................................................... Por Mecenas a vs celebro e tenho; XXX VI ----------------------- Page 45----------------------- PREFCIO e sacro o nome vosso farei, se alg ua cousa em verso posso. O rudo canto meu, que ressuscita as honras sepultadas, as palmas j passadas dos belicosos nossos Lusitanos, para tesouro dos futuros anos, Convosco se defende da lei Leteia, qual tudo se rende. (Ode a D. Manuel de Portugal) (7) Juromenha, Obras ..., vol. I, Doc. F, p. 169. (8) Pelo menos umprimo dos Cames de Coimbra. A tese do tio D. Bento renasceu com o aparecimento da Cronica de Santa Cruz, de D. Fr. Timteo dos Mrtires, Coimbra, edio da Biblioteca Municipal, 1955-1960. (9) V. Jos Maria Rodrigues, Fontes dos Lusadas, Coimbra, Imprensa da Universidade, 1905, pp. 247 e 248. (10) Sobre Os Lusadas e o tema das Argonuticas, ver Antnio Salgado Jnior, Ocidente, n. 38, 1950, pp. 277 e segs., e n. 40, 1951, pp. 261 e segs. Do mesmo autor, Cames e a viso humanstica da geografia da Europa de Quinhentos, Ocidente, n. 36, 1949, pp. 281 e segs. Sobre o papel da Argonautica, de Valrio Flacco, ver, de H. Howens Post, A cronologia da composio de vrias passagens de Os Lusadas, Ocidente, Novembro de 1972 e separata. (11) Introd. sua edio de Os Lusadas, p. XIX (1916-1918). (12) Storck, ob. cit., pp. 224 e 225. XXXVII ----------------------- Page 46----------------------- PREFCIO (13) V. Arriano, Historia de las expediciones de Alejandro, cap. XX, p. 319. Madrid, 1897. (Trad. directa do grego por D. Federico Baraibar y Zumrraga.) (14) Em contraste com C. M. Bowra, autor de Virglio, Tasso, Cames e Milton. Trad. port. por Antnio lvaro Dria em 1950. Notas (parte II) (1) o caso inverso de madre: Esta falta na edio A; e lago foi suprimido na edio B, mas existe em A. (2) erro. My falta em A e em B. Manuel Correia protestou contra a emenda, escrevendo Da primeyra co terreno seyo e acrescenta: Assi fez Luis de Cames este verso, & no como anda impresso: da my primeyra co terreno seyo. A ed. de Correia de 1613. (3) E uma s vez aposento (X.87). (4) As modificaes ortogrficas no tm conto na ed. B: abaixo, por abaxo (VI.63); agradeceo, por agardeceo (VI.93); baixo, por baxo (VI.99); embaixada, por embaxada (VII.64); embaixador, por embaxador (VII.64); abaixa, por abaxa (VIII.11); este, por est (VIII.54), etc. (5) Tito de Noronha, A primeira edio dos Lusadas. Com quatro phototypias. Livraria Internacional de Ernesto Chardron ? Editor. Porto e Braga, 1880. (6) O exemplar de que me servi pertenceu a Carolina Michalis de XXXVIII ----------------------- Page 47----------------------- PREFCIO Vasconcelos (exemplar n. 63), est encadernado e no tem a capa da prpria edio. (7) Eleutrio Cerdeira, Duas Grandes Fraudes Camonianas, documentadas com ilustraes. Edio da Companhia Editora do Minho. Barcelos, 1946. Notas (parte III) (1) No nosso texto, exprimenta, por causa da medida do verso (2) Em IV.52.8 devia estarpbrico. (3) Alis, tredores. XXXIX ----------------------- Page 48----------------------- OS LUSADAS OS LUSADAS I 1 AS armas e os Bares assinalados Que da Ocidental praia Lusitana Por mares nunca de antes navegados Passaram ainda alm da Taprobana, Em perigos e guerras esforados Mais do que prometia a fora humana, E entre gente remota edificaram Novo Reino, que tanto sublimaram; 2 E tambm as memrias gloriosas Daqueles Reis que foram dilatando A F, o Imprio, e as terras viciosas De frica e de sia andaram devastando, E aqueles que por obras valerosas Se vo da lei da Morte libertando, Cantando espalharei por toda parte, Se a tanto me ajudar o engenho e arte. 3 Cessem do sbio Grego e do Troiano As navegaes grandes que fizeram; Cale-se de Alexandro e de Trajano A fama das vitrias que tiveram; Que eu canto o peito ilustre Lusitano, A quem Neptuno e Marte obedeceram. Cesse tudo o que a Musa antiga canta, Que outro valor mais alto se alevanta. 1 ----------------------- Page 49----------------------- OS LUSADAS 4 E vs, Tgides minhas, pois criado Tendes em mi um novo engenho ardente, Se sempre em verso humilde celebrado Foi de mi vosso rio alegremente, Dai-me agora um som alto e sublimado, Um estilo grandloco e corrente, Por que de vossas guas Febo ordene Que no tenham enveja s de Hipocrene. 5 Dai-me ua fria grande e sonorosa, E no de agreste avena ou frauta ruda, Mas de tuba canora e belicosa, Que o peito acende e a cor ao gesto muda; Dai-me igual canto aos feitos da famosa Gente vossa, que a Marte tanto ajuda; Que se espalhe e se cante no universo, Se to sublime preo cabe em verso. 6 E vs, bem nascida segurana Da Lusitana antiga liberdade, E no menos certssima esperana De aumento da pequena Cristandade; Vs, novo temor da Maura lana, Maravilha fatal da nossa idade, Dada ao mundo por Deus, que todo o mande, Pera do mundo a Deus dar parte grande; 2 ----------------------- Page 50----------------------- OS LUSADAS 7 Vs, tenro e novo ramo florecente De ua rvore, de Cristo mais amada Que nenhua nascida no Ocidente, Cesrea ou Cristianssima chamada (Vede-o no vosso escudo, que presente Vos amostra a vitria j passada, Na qual vos deu por armas e deixou As que Ele pera si na Cruz tomou); 8 Vs, poderoso Rei, cujo alto Imprio O Sol, logo em nascendo, v primeiro, V-o tambm no meio do Hemisfrio, E quando dece o deixa derradeiro; Vs, que esperamos jugo e vituprio Do torpe Ismaelita cavaleiro, Do Turco Oriental e do Gentio Que inda bebe o licor do santo Rio: 9 Inclinai por um pouco a majestade Que nesse tenro gesto vos contemplo, Que j se mostra qual na inteira idade, Quando subindo ireis ao eterno templo; Os olhos da real benignidade Ponde no cho: vereis um novo exemplo De amor dos ptrios feitos valerosos, Em versos divulgado numerosos. 10 Vereis amor da ptria, no movido De prmio vil, mas alto e qusi eterno; Que no prmio vil ser conhecido Por um prego do ninho meu paterno. Ouvi: vereis o nome engrandecido Daqueles de quem sois senhor superno, E julgareis qual mais excelente, Se ser do mundo Rei, se de tal gente. 3 ----------------------- Page 51----------------------- OS LUSADAS 11 Ouvi, que no vereis com vs faanhas, Fantsticas, fingidas, mentirosas, Louvar os vossos, como nas estranhas Musas, de engrandecer-se desejosas: As verdadeiras vossas so tamanhas Que excedem as sonhadas, fabulosas, Que excedem Rodamonte e o vo Rugeiro E Orlando, inda que fora verdadeiro. 12 Por estes vos darei um Nuno fero, Que fez ao Rei e ao Reino tal servio, Um Egas e um Dom Fuas, que de Homero A ctara par' eles s cobio; Pois polos Doze Pares dar-vos quero Os Doze de Inglaterra e o seu Magrio; Dou-vos tambm aquele ilustre Gama, Que para si de Eneias toma a fama. 13 Pois se a troco de Carlos, Rei de Frana, Ou de Csar, quereis igual memria, Vede o primeiro Afonso, cuja lana Escura faz qualquer estranha glria; E aquele que a seu Reino a segurana Deixou, com a grande e prspera vitria; Outro Joane, invicto cavaleiro; O quarto e quinto Afonsos e o terceiro. 14 Nem deixaro meus versos esquecidos Aqueles que nos Reinos l da Aurora Se fizeram por armas to subidos, Vossa bandeira sempre vencedora: Um Pacheco fortssimo e os temidos Almeidas, por quem sempre o Tejo chora, Albuquerque terrbil, Castro forte, E outros em quem poder no teve a morte. 4 ----------------------- Page 52----------------------- OS LUSADAS 15 E, enquanto eu estes canto ? e a vs no posso, Sublime Rei, que no me atrevo a tanto ?, Tomai as rdeas vs do Reino vosso: Dareis matria a nunca ouvido canto. Comecem a sentir o peso grosso (Que polo mundo todo faa espanto) De exrcitos e feitos singulares, De frica as terras e do Oriente os mares. 16 Em vs os olhos tem o Mouro frio, Em quem v seu excio afigurado; S com vos ver, o brbaro Gentio Mostra o pescoo ao jugo j inclinado; Ttis todo o cerleo senhorio Tem pera vs por dote aparelhado, Que, afeioada ao gesto belo e tenro, Deseja de comprar-vos pera genro. 17 Em vs se vm, da Olmpica morada, Dos dous avs as almas c famosas; Ua, na paz anglica dourada, Outra, pelas batalhas sanguinosas. Em vs esperam ver-se renovada Sua memria e obras valerosas; E l vos tm lugar, no fim da idade, No templo da suprema Eternidade. 18 Mas, enquanto este tempo passa lento De regerdes os povos, que o desejam, Dai vs favor ao novo atrevimento, Pera que estes meus versos vossos sejam, E vereis ir cortando o salso argento Os vossos Argonautas, por que vejam Que so vistos de vs no mar irado, E costumai-vos j a ser invocado. 5 ----------------------- Page 53----------------------- OS LUSADAS 19 J no largo Oceano navegavam, As inquietas ondas apartando; Os ventos brandamente respiravam, Das naus as velas cncavas inchando; Da branca escuma os mares se mostravam Cobertos, onde as proas vo cortando As martimas guas consagradas, Que do gado de Prteu so cortadas, 20 Quando os Deuses no Olimpo luminoso, Onde o governo est da humana gente, Se ajuntam em conslio glorioso, Sobre as cousas futuras do Oriente. Pisando o cristalino Cu fermoso, Vm pela Via Lctea juntamente, Convocados, da parte de Tonante, Pelo neto gentil do velho Atlante. 21 Deixam dos sete Cus o regimento, Que do poder mais alto lhe foi dado, Alto poder, que s co pensamento Governa o Cu, a Terra e o Mar irado. Ali se acharam juntos num momento Os que habitam o Arcturo congelado E os que o Austro tm e as partes onde A Aurora nasce e o claro Sol se esconde. 22 Estava o Padre ali, sublime e dino, Que vibra os feros raios de Vulcano, Num assento de estrelas cristalino, Com gesto alto, severo e soberano; Do rosto respirava um ar divino, Que divino tornara um corpo humano; Com ua coroa e ceptro rutilante, De outra pedra mais clara que diamante. 6 ----------------------- Page 54----------------------- OS LUSADAS 23 Em luzentes assentos, marchetados De ouro e de perlas, mais abaixo estavam Os outros Deuses, todos assentados Como a Razo e a Ordem concertavam (Precedem os antigos, mais honrados, Mais abaixo os menores se assentavam); Quando Jpiter alto, assi dizendo, Cum tom de voz comea grave e horrendo: 24 ? Eternos moradores do luzente, Estelfero Plo e claro Assento: Se do grande valor da forte gente De Luso no perdeis o pensamento, Deveis de ter sabido claramente Como dos Fados grandes certo intento Que por ela se esqueam os humanos De Assrios, Persas, Gregos e Romanos. 25 J lhe foi (bem o vistes) concedido, Cum poder to singelo e to pequeno, Tomar ao Mouro forte e guarnecido Toda a terra que rega o Tejo ameno. Pois contra o Castelhano to temido Sempre alcanou favor do Cu sereno: Assi que sempre, enfim, com fama e glria, Teve os trofus pendentes da vitria. 26 Deixo, Deuses, atrs a fama antiga, Que co a gente de Rmulo alcanaram, Quando com Viriato, na inimiga Guerra Romana, tanto se afamaram; Tambm deixo a memria que os obriga A grande nome, quando alevantaram Um por seu capito, que, peregrino, Fingiu na cerva esprito divino. 7 ----------------------- Page 55----------------------- OS LUSADAS 27 Agora vedes bem que, cometendo O duvidoso mar num lenho leve, Por vias nunca usadas, no temendo de frico e Noto a fora, a mais s' atreve: Que, havendo tanto j que as partes vendo Onde o dia comprido e onde breve, Inclinam seu propsito e perfia A ver os beros onde nasce o dia. 28 Prometido lhe est do Fado eterno, Cuja alta lei no pode ser quebrada, Que tenham longos tempos o governo Do mar que v do Sol a roxa entrada. Nas guas tm passado o duro Inverno; A gente vem perdida e trabalhada; J parece bem feito que lhe seja Mostrada a nova terra que deseja. 29 E porque, como vistes, tm passados Na viagem to speros perigos, Tantos climas e cus exprimentados, Tanto furor de ventos inimigos, Que sejam, determino, agasalhados Nesta costa Africana como amigos; E, tendo guarnecido a lassa frota, Tornaro a seguir sua longa rota. 30 Estas palavras Jpiter dizia, Quando os Deuses, por ordem respondendo, Na sentena um do outro diferia, Razes diversas dando e recebendo. O padre Baco ali no consentia No que Jpiter disse, conhecendo Que esquecero seus feitos no Oriente Se l passar a Lusitana gente. 8 ----------------------- Page 56----------------------- OS LUSADAS 31 Ouvido tinha aos Fados que viria Ua gente fortssima de Espanha Pelo mar alto, a qual sujeitaria Da ndia tudo quanto Dris banha, E com novas vitrias venceria A fama antiga, ou sua ou fosse estranha. Altamente lhe di perder a glria De que Nisa celebra inda a memria. 32 V que j teve o Indo sojugado E nunca lhe tirou Fortuna ou caso Por vencedor da ndia ser cantado De quantos bebem a gua de Parnaso. Teme agora que seja sepultado Seu to clebre nome em negro vaso D' gua do esquecimento, se l chegam Os fortes Portugueses que navegam. 33 Sustentava contra ele Vnus bela, Afeioada gente Lusitana Por quantas qualidades via nela Da antiga, to amada, sua Romana; Nos fortes coraes, na grande estrela Que mostraram na terra Tingitana, E na lngua, na qual quando imagina, Com pouca corrupo cr que a Latina. 34 Estas causas moviam Citereia, E mais, porque das Parcas claro entende Que h-de ser celebrada a clara Deia Onde a gente belgera se estende. Assi que, um, pela infmia que arreceia, E o outro, pelas honras que pretende, Debatem, e na perfia permanecem; A qualquer seus amigos favorecem. 9 ----------------------- Page 57----------------------- OS LUSADAS 35 Qual Austro fero ou Breas na espessura De silvestre arvoredo abastecida, Rompendo os ramos vo da mata escura Com impeto e braveza desmedida, Brama toda montanha, o som murmura, Rompem-se as folhas, ferve a serra erguida: Tal andava o tumulto, levantado Entre os Deuses, no Olimpo consagrado. 36 Mas Marte, que da Deusa sustentava Entre todos as partes em porfia, Ou porque o amor antigo o obrigava, Ou porque a gente forte o merecia, De antre os Deuses em p se levantava: Merencrio no gesto parecia; O forte escudo, ao colo pendurado, Deitando pera trs, medonho e irado; 37 A viseira do elmo de diamante Alevantando um pouco, mui seguro, Por dar seu parecer se ps diante De Jpiter, armado, forte e duro; E dando ua pancada penetrante Co conto do basto no slio puro, O Cu tremeu, e Apolo, de torvado, Um pouco a luz perdeu, como enfiado; 38 E disse assi: ? Padre, a cujo imprio Tudo aquilo obedece que criaste: Se esta gente que busca outro Hemisfrio, Cuja valia e obras tanto amaste, No queres que padeam vituprio, Como h j tanto tempo que ordenaste, No ouas mais, pois s juiz direito, Razes de quem parece que suspeito. 10 ----------------------- Page 58----------------------- OS LUSADAS 39 Que, se aqui a razo se no mostrasse Vencida do temor demasiado, Bem fora que aqui Baco os sustentasse, Pois que de Luso vm, seu to privado; Mas esta teno sua agora passe, Porque enfim vem de estmago danado; Que nunca tirar alheia enveja O bem que outrem merece e o Cu deseja. 40 E tu, Padre de grande fortaleza, Da determinao que tens tomada No tornes por detrs, pois fraqueza Desistir-se da cousa comeada. Mercrio, pois excede em ligeireza Ao vento leve e seta bem talhada, Lhe v mostrar a terra onde se informe Da ndia, e onde a gente se reforme. 41 Como isto disse, o Padre poderoso, A cabea inclinando, consentiu No que disse Mavorte valeroso E nctar sobre todos esparziu. Pelo caminho Lcteo glorioso Logo cada um dos Deuses se partiu, Fazendo seus reais acatamentos, Pera os determinados apousentos. 42 Enquanto isto se passa na fermosa Casa etrea do Olimpo omnipotente, Cortava o mar a gente belicosa J l da banda do Austro e do Oriente, Entre a costa Etipica e a famosa Ilha de So Loureno; e o Sol ardente Queimava ento os Deuses que Tifeu Co temor grande em pexes converteu. 11 ----------------------- Page 59----------------------- OS LUSADAS 43 To brandamente os ventos os levavam Como quem o Cu tinha por amigo; Sereno o ar e os tempos se mostravam, Sem nuvens, sem receio de perigo. O promontrio Prasso j passavam Na costa de Etipia, nome antigo, Quando o mar, descobrindo, lhe mostrava Novas ilhas, que em torno cerca e lava. 44 Vasco da Gama, o forte Capito, Que a tamanhas empresas se oferece, De soberbo e de altivo corao, A quem Fortuna sempre favorece, Pra se aqui deter no v razo, Que inabitada a terra lhe parece. Por diante passar determinava, Mas no lhe sucedeu como cuidava. 45 Eis aparecem logo em companhia Uns pequenos batis, que vm daquela Que mais chegada terra parecia, Cortando o longo mar com larga vela. A gente se alvoroa e, de alegria, No sabe mais que olhar a causa dela. ? Que gente ser esta? (em si diziam) Que costumes, que Lei, que Rei teriam? 46 As embarcaes eram na maneira Mui veloces, estreitas e compridas; As velas com que vm eram de esteira, Duas folhas de palma, bem tecidas; A gente da cor era verdadeira Que Fton, nas terras acendidas, Ao mundo deu, de ousado e no prudente (O Pado o sabe e Lampetusa o sente). 12 ----------------------- Page 60----------------------- OS LUSADAS 47 De panos de algodo vinham vestidos, De vrias cores, brancos e listrados; Uns trazem derredor de si cingidos, Outros em modo airoso sobraados; Das cintas pra cima vm despidos; Por armas tm adagas e tarados; Com toucas na cabea; e, navegando, Anafis sonorosos vo tocando. 48 Cos panos e cos braos acenavam s gentes Lusitanas, que esperassem; Mas j as proas ligeiras se inclinavam, Pera que junto s Ilhas amainassem. A gente e marinheiros trabalhavam Como se aqui os trabalhos s' acabassem: Tomam velas, amaina-se a verga alta, Da ncora o mar ferido em cima salta. 49 No eram ancorados, quando a gente Estranha polas cordas j subia. No gesto ledos vm, e humanamente O Capito sublime os recebia. As mesas manda pr em continente; Do licor que Lieu prantado havia Enchem vasos de vidro; e do que deitam Os de Feton queimados nada enjeitam. 50 Comendo alegremente, perguntavam, Pela Arbica lngua, donde vinham, Quem eram, de que terra, que buscavam, Ou que partes do mar corrido tinham? Os fortes Lusitanos lhe tornavam As discretas repostas que convinham: ? Os Portugueses somos do Ocidente, Imos buscando as terras do Oriente. 13 ----------------------- Page 61----------------------- OS LUSADAS 51 Do mar temos corrido e navegado Toda a parte do Antrtico e Calisto, Toda a costa Africana rodeado; Diversos cus e terras temos visto; Dum Rei potente somos, to amado, To querido de todos e benquisto, Que no no largo mar, com leda fronte, Mas no lago entraremos de Aqueronte. 52 E, por mandado seu, buscando andamos A terra Oriental que o Indo rega; Por ele o mar remoto navegamos, Que s dos feios focas se navega. Mas j razo parece que saibamos (Se entre vs a verdade no se nega), Quem sois, que terra esta que habitais, Ou se tendes da ndia alguns sinais? 53 ? Somos (um dos das Ilhas lhe tornou) Estrangeiros na terra, Lei e nao; Que os prprios so aqueles que criou A Natura, sem Lei e sem Razo. Ns temos a Lei certa que ensinou O claro descendente de Abrao, Que agora tem do mundo o senhorio; A me Hebreia teve e o pai, Gentio. 54 Esta Ilha pequena, que habitamos, em toda esta terra certa escala De todos os que as ondas navegamos, De Quloa, de Mombaa e de Sofala; E, por ser necessria, procuramos, Como prprios da terra, de habit-la; E por que tudo enfim vos notifique, Chama-se a pequena Ilha ? Moambique. 14 ----------------------- Page 62----------------------- OS LUSADAS 55 E j que de to longe navegais, Buscando o Indo Idaspe e terra ardente, Piloto aqui tereis, por quem sejais Guiados pelas ondas sbiamente. Tambm ser bem feito que tenhais Da terra algum refresco, e que o Regente Que esta terra governa, que vos veja E do mais necessrio vos proveja. 56 Isto dizendo, o Mouro se tornou A seus batis com toda a companhia; Do Capito e gente se apartou Com mostras de devida cortesia. Nisto Febo nas guas encerrou Co carro de cristal, o claro dia, Dando cargo Irm que alumiasse O largo mundo, enquanto repousasse. 57 A noite se passou na lassa frota Com estranha alegria e no cuidada, Por acharem da terra to remota Nova de tanto tempo desejada. Qualquer ento consigo cuida e nota Na gente e na maneira desusada, E como os que na errada Seita creram, Tanto por todo o mundo se estenderam. 58 Da Lua os claros raios rutilavam Polas argnteas ondas Neptuninas; As Estrelas os Cus acompanhavam, Qual campo revestido de boninas; Os furiosos ventos repousavam Polas covas escuras peregrinas; Porm da armada a gente vigiava, Como por longo tempo costumava. 15 ----------------------- Page 63----------------------- OS LUSADAS 59 Mas, assi como a Aurora marchetada Os fermosos cabelos espalhou No Cu sereno, abrindo a roxa entrada Ao claro Hiperinio, que acordou, Comea a embandeirar-se toda a armada E de toldos alegres se adornou, Por receber com festas e alegria O Regedor das Ilhas, que partia. 60 Partia, alegremente navegando, A ver as naus ligeiras Lusitanas, Com refresco da terra, em si cuidando Que so aquelas gentes inumanas Que, os apousentos Cspios habitando, A conquistar as terras Asianas Vieram e, por ordem do Destino, O Imprio tomaram a Costantino. 61 Recebe o Capito alegremente O Mouro e toda sua companhia; D-lhe de ricas peas um presente, Que s pera este efeito j trazia; D-lhe conserva doce e d-lhe o ardente, No usado licor, que d alegria. Tudo o Mouro contente bem recebe, E muito mais contente come e bebe. 62 Est a gente martima de Luso Subida pela enxrcia, de admirada, Notando o estrangeiro modo e uso E a linguagem to brbara e enteada. Tambm o Mouro astuto est confuso, Olhando a cor, o trajo e a forte armada; E, perguntando tudo, lhe dizia Se porventura vinham de Turquia. 16 ----------------------- Page 64----------------------- OS LUSADAS 63 E mais lhe diz tambm que ver deseja Os livros de sua Lei, preceito ou f, Pera ver se conforme sua seja, Ou se so dos de Cristo, como cr; E por que tudo note e tudo veja, Ao Capito pedia que lhe d Mostra das fortes armas de que usavam Quando cos inimigos pelejavam. 64 Responde o valeroso Capito, Por um que a lngua escura bem sabia: ? Dar-te-ei, Senhor ilustre, relao De mi, da Lei, das armas que trazia. Nem sou da terra, nem da gerao Das gentes enojosas de Turquia, Mas sou da forte Europa belicosa; Busco as terras da ndia to famosa. 65 A Lei tenho d' Aquele a cujo imprio Obedece o visbil e invisbil, Aquele que criou todo o Hemisfrio, Tudo o que sente e todo o insensbil; Que padeceu desonra e vituprio, Sofrendo morte injusta e insofrbil, E que do Cu Terra enfim deceu, Por subir os mortais da Terra ao Cu. 66 Deste Deus-Homem, alto e infinito, Os livros que tu pedes no trazia, Que bem posso escusar trazer escrito Em papel o que na alma andar devia. Se as armas queres ver, como tens dito, Cumprido esse desejo te seria; Como amigo as vers, porque eu me obrigo Que nunca as queiras ver como inimigo. 17 ----------------------- Page 65----------------------- OS LUSADAS 67 Isto dizendo, manda os diligentes Ministros amostrar as armaduras: Vm arneses e peitos reluzentes, Malhas finas e lminas seguras, Escudos de pinturas diferentes, Pelouros, espingardas de ao puras, Arcos e sagitferas aljavas, Partazanas agudas, chuas bravas. 68 As bombas vm de fogo, e juntamente As panelas sulfreas, to danosas; Porm aos de Vulcano no consente Que dm fogo s bombardas temerosas; Porque o generoso nimo e valente, Entre gentes to poucas e medrosas, No mostra quanto pode; e com razo, Que fraqueza entre ovelhas ser lio. 69 Porm disto que o Mouro aqui notou, E de tudo o que viu com olho atento, Um dio certo na alma lhe ficou, Ua vontade m de pensamento; Nas mostras e no gesto o no mostrou, Mas, com risonho e ledo fingimento, Trat-los brandamente determina, At que mostrar possa o que imagina. 70 Pilotos lhe pedia o Capito, Por quem pudesse ndia ser levado; Diz-lhe que o largo prmio levaro Do trabalho que nisso for tomado. Promete-lhos o Mouro, com teno De peito venenoso e to danado Que a morte, se pudesse, neste dia, Em lugar de pilotos lhe daria. 18 ----------------------- Page 66----------------------- OS LUSADAS 71 Tamanho o dio foi e a m vontade Que aos estrangeiros spito tomou, Sabendo ser sequaces da Verdade Que o filho de David nos ensinou! segredos daquela Eternidade A quem juzo algum no alcanou: Que nunca falte um prfido inimigo queles de quem foste tanto amigo! 72 Partiu-se nisto, enfim, co a companhia, Das naus o falso Mouro despedido, Com enganosa e grande cortesia, Com gesto ledo a todos e fingido. Cortaram os batis a curta via Das guas de Neptuno; e, recebido Na terra do obseqente ajuntamento, Se foi o Mouro ao cgnito apousento. 73 Do claro Assento etreo, o gro Tebano, Que da paternal coxa foi nascido, Olhando o ajuntamento Lusitano Ao Mouro ser molesto e avorrecido, No pensamento cuida um falso engano, Com que seja de todo destrudo; E, enquanto isto s na alma imaginava, Consigo estas palavras praticava: 74 ? Est do Fado j determinado Que tamanhas vitrias, to famosas, Hajam os Portugueses alcanado Das Indianas gentes belicosas; E eu s, filho do Padre sublimado, Com tantas qualidades generosas, Hei-de sofrer que o Fado favorea Outrem, por quem meu nome se escurea? 19 ----------------------- Page 67----------------------- OS LUSADAS 75 J quiseram os Deuses que tivesse O filho de Filipo nesta parte Tanto poder que tudo sometesse Debaixo do seu jugo o fero Marte; Mas h-se de sofrer que o Fado desse A to poucos tamanho esforo e arte, Qu' eu, co gro Macednio e Romano, Dmos lugar ao nome Lusitano? 76 No ser assi, porque, antes que chegado Seja este Capito, astutamente Lhe ser tanto engano fabricado Que nunca veja as partes do Oriente. Eu decerei Terra e o indignado Peito revolverei da Maura gente; Porque sempre por via ir direita Quem do oportuno tempo se aproveita. 77 Isto dizendo, irado e qusi insano, Sobre a terra Africana descendeu, Onde, vestindo a forma e gesto humano, Pera o Prasso sabido se moveu. E, por milhor tecer o astuto engano, No gesto natural se converteu Dum Mouro, em Moambique conhecido, Velho, sbio, e co Xeque mui valido. 78 E, entrando assi a falar-lhe, a tempo e horas, A sua falsidade acomodadas, Lhe diz como eram gentes roubadoras Estas que ora de novo so chegadas; Que das naes na costa moradoras, Correndo a fama veio que roubadas Foram por estes homens que passavam, Que com pactos de paz sempre ancoravam. 20 ----------------------- Page 68----------------------- OS LUSADAS 79 ? E sabe mais (lhe diz), como entendido Tenho destes Cristos sanguinolentos, Que qusi todo o mar tm destrudo Com roubos, com incndios violentos; E trazem j de longe engano urdido Contra ns; e que todos seus intentos So pera nos matarem e roubarem, E mulheres e filhos cativarem. 80 E tambm sei que tem determinado De vir por gua a terra, muito cedo, O Capito, dos seus acompanhado, Que da teno danada nasce o medo. Tu deves de ir tambm cos teus armado Esper-lo em cilada, oculto e quedo; Porque, saindo a gente descuidada, Caro facilmente na cilada. 81 E se inda no ficarem deste jeito Destrudos ou mortos totalmente, Eu tenho imaginada no conceito Outra manha e ardil que te contente: Manda-lhe dar piloto que de jeito Seja astuto no engano, e to prudente Que os leve aonde sejam destrudos, Desbaratados, mortos ou perdidos. 82 Tanto que estas palavras acabou O Mouro, nos tais casos sbio e velho, Os braos pelo colo lhe lanou, Agradecendo muito o tal conselho; E logo nesse instante concertou Pera a guerra o belgero aparelho, Pera que ao Portugus se lhe tornasse Em roxo sangue a gua que buscasse. 21 ----------------------- Page 69----------------------- OS LUSADAS 83 E busca mais, pera o cuidado engano, Mouro que por piloto nau lhe mande, Sagaz, astuto e sbio em todo o dano, De quem fiar se possa um feito grande. Diz-lhe que, acompanhando o Lusitano, Por tais costas e mares co ele ande, Que, se daqui escapar, que l diante V cair onde nunca se alevante. 84 J o raio Apolneo visitava Os Montes Nabateios acendido, Quando Gama cos seus determinava De vir por gua a terra apercebido. A gente nos batis se concertava Como se fosse o engano j sabido; Mas pde suspeitar-se fcilmente, Que o corao pres[s]ago nunca mente. 85 E mais tambm mandado tinha a terra, De antes, pelo piloto necessrio, E foi-lhe respondido em som de guerra, Caso do que cuidava mui contrrio. Por isto, e porque sabe quanto erra Quem se cr de seu prfido adversrio, Apercebido vai como podia Em trs batis smente que trazia. 86 Mas os Mouros, que andavam pela praia Por lhe defender a gua desejada, Um de escudo embraado e de azagaia, Outro de arco encurvado e seta ervada, Esperam que a guerreira gente saia, Outros muitos j postos em cilada; E, por que o caso leve se lhe faa, Pem uns poucos diante por negaa. 22 ----------------------- Page 70----------------------- OS LUSADAS 87 Andam pela ribeira alva, arenosa, Os belicosos Mouros acenando Com a adarga e co a hstea perigosa, Os fortes Portugueses incitando. No sofre muito a gente generosa Andar-lhe os Ces os dentes amostrando; Qualquer em terra salta, to ligeiro, Que nenhum dizer pode que primeiro: 88 Qual no corro sanguino o ledo amante, Vendo a fermosa dama desejada, O touro busca e, pondo-se diante, Salta, corre, sibila, acena e brada, Mas o animal atroce, nesse instante, Com a fronte corngera inclinada, Bramando, duro corre e os olhos cerra, Derriba, fere e mata e pe por terra. 89 Eis nos batis o fogo se levanta Na furiosa e dura artelharia; A plmbea pla mata, o brado espanta; Ferido, o ar retumba e assovia. O corao dos Mouros se quebranta, O temor grande o sangue lhe resfria. J foge o escondido, de medroso, E morre o descoberto aventuroso. 90 No se contenta a gente Portuguesa, Mas, seguindo a vitria, estrui e mata; A povoao sem muro e sem defesa Esbombardeia, acende e desbarata. Da cavalgada ao Mouro j lhe pesa, Que bem cuidou compr-la mais barata; J blasfema da guerra, e maldizia, O velho inerte e a me que o filho cria. 23 ----------------------- Page 71----------------------- OS LUSADAS 91 Fugindo, a seta o Mouro vai tirando Sem fora, de covarde e de apressado, A pedra, o pau e o canto arremessando; D-lhe armas o furor desatinado. J a Ilha, e todo o mais, desamparando, terra firme foge amedrontado; Passa e corta do mar o estreito brao Que a Ilha em torno cerca em pouco espao. 92 Uns vo nas almadias carregadas, Um corta o mar a nado, diligente; Quem se afoga nas ondas encurvadas, Quem bebe o mar e o deita juntamente. Arrombam as midas bombardadas Os pangaios sutis da bruta gente. Destarte o Portugus, enfim, castiga A vil malcia, prfida, inimiga. 93 Tornam vitoriosos pera a armada, Co despojo da guerra e rica presa, E vo a seu prazer fazer aguada, Sem achar resistncia nem defesa. Ficava a Maura gente magoada, No dio antigo mais que nunca acesa; E, vendo sem vingana tanto dano, Smente estriba no segundo engano. 94 Pazes cometer manda, arrependido, O Regedor daquela inica terra, Sem ser dos Lusitanos entendido Que em figura de paz lhe manda guerra; Porque o piloto falso prometido, Que toda a m teno no peito encerra, Pera os guiar morte lhe mandava, Como em sinal das pazes que tratava. 24 ----------------------- Page 72----------------------- OS LUSADAS 95 O Capito, que j lhe ento convinha Tornar a seu caminho acostumado, Que tempo concertado e ventos tinha Pera ir buscar o Indo desejado, Recebendo o piloto que lhe vinha, Foi dele alegremente agasalhado, E respondendo ao mensageiro, a tento, As velas manda dar ao largo vento. 96 Destarte despedida, a forte armada As ondas de Anfitrite dividia, Das filhas de Nereu acompanhada, Fiel, alegre e doce companhia. O Capito, que no cala em nada Do enganoso ardil que o Mouro urdia, Dele mui largamente se informava Da ndia toda e costas que passava. 97 Mas o Mouro, instrudo nos enganos Que o malvolo Baco lhe ensinara, De morte ou cativeiro novos danos, Antes que ndia chegue, lhe prepara. Dando razo dos portos Indianos, Tambm tudo o que pede lhe declara, Que, havendo por verdade o que dizia, De nada a forte gente se temia. 98 E diz-lhe mais, co falso pensamento Com que Snon os Frgios enganou, Que perto est ua Ilha, cujo assento Povo antigo Cristo sempre habitou. O Capito, que a tudo estava atento, Tanto co estas novas se alegrou Que com ddivas grandes lhe rogava Que o leve terra onde esta gente estava. 25 ----------------------- Page 73----------------------- OS LUSADAS 99 O mesmo o falso Mouro determina Que o seguro Cristo lhe manda e pede; Que a Ilha possuda da malina Gente que segue o torpe Mahamede. Aqui o engano e morte lhe imagina, Porque em poder e foras muito excede Moambique esta Ilha, que se chama Quloa, mui conhecida pola fama. 100 Pera l se inclinava a leda frota; Mas a Deusa em Citere celebrada, Vendo como deixava a certa rota Por ir buscar a morte no cuidada, No consente que em terra to remota Se perca a gente dela tanto amada, E com ventos contrairos a desvia Donde o piloto falso a leva e guia. 101 Mas o malvado Mouro, no podendo Tal determinao levar avante, Outra maldade inica cometendo, Ainda em seu propsito constante, Lhe diz que, pois as guas, discorrendo, Os levaram por fora por diante, Que outra Ilha tem perto, cuja gente Eram Cristos com Mouros juntamente. 102 Tambm nestas palavras lhe mentia, Como por regimento, enfim, levava; Que aqui gente de Cristo no havia, Mas a que a Mahamede celebrava. O Capito, que em tudo o Mouro cria, Virando as velas, a Ilha demandava; Mas, no querendo a Deusa guardadora, No entra pela barra, e surge fora. 26 ----------------------- Page 74----------------------- OS LUSADAS 103 Estava a Ilha terra to chegada Que um estreito pequeno a dividia; Ua cidade nela situada, Que na fronte do mar aparecia, De nobres edifcios fabricada, Como por fora, ao longe, descobria, Regida por um Rei de antiga idade: Mombaa o nome da Ilha e da cidade. 104 E sendo a ela o Capito chegado, Estranhamente ledo, porque espera De poder ver o povo baptizado, Como o falso piloto lhe dissera, Eis vm batis da terra com recado Do Rei, que j sabia a gente que era; Que Baco muito de antes o avisara, Na forma doutro Mouro, que tomara. 105 O recado que trazem de amigos, Mas debaxo o veneno vem coberto, Que os pensamentos eram de inimigos, Segundo foi o engano descoberto. grandes e gravssimos perigos, caminho de vida nunca certo, Que aonde a gente pe sua esperana Tenha a vida to pouca segurana! 106 No mar tanta tormenta e tanto dano, Tantas vezes a morte apercebida! Na terra tanta guerra, tanto engano, Tanta necessidade avorrecida! Onde pode acolher-se um fraco humano, Onde ter segura a curta vida, Que no se arme e se indigne o Cu sereno Contra um bicho da terra to pequeno? 27 ----------------------- Page 75----------------------- OS LUSADAS NOTAS 1.1 ?As armas e os bares assinalados?: desde o primeiro verso o Poeta revela o seu grande inspirador, Virglio: ?arma virumque cano...? (hendadis). Cames rejeitou o emprego pouco expressivo da forma correspondente a vir e adoptou ?baro? (j usado na Idade Mdia ? barom e varom ? no sentido de vir). ?Bares? no foi escolhido apenas para designar o indivduo do sexo masculino, mas homem ilustre e esforado (ttulo nobilirquico, provavelmente do germ. Baro: ?homem livre, apto para a luta?, aparentado com o escand. ant. beriask: ?pelejar? segundo Corominas, s. v. ?Barn?). Cames aplicou o termo mesmo a S. Tom, ?baro sagrado? (X.108.7). No poema a forma ?baro? alterna com ?varo?, embora esta seja usada com menos frequncia (v. VI.37.4, IX.91.3 e X.7.2). ED escreveu sempre ?baro? na sua ed. de Os Lusadas. Gaspar Barreiros, na sua Chorographia, fl. 197 v., escreve: ?Nicolao Leoniceno, doctissimo baram? e ?Nunca fama de baram illustre, por mais celebrado que fosse, teve tal fortuna (Hrcules)?. 1.2 ?Que da ocidentalpraia lusitana ?: isto , de Portugal. O emprego ?ocidental? refora a situao geogrfica de ?praia lusitana?. Cames chama aos Portugueses ?Lusitanos? (e, frequentemente, ?os de Luso?). A que poca remonta o uso deste etnnimo? TB, na obra Cames, a Obra Lrica e pica, p. 401, citando Herculano, Hist. de Portugal, t. I, 10, lembra o discurso latino recitado pelo bispo D. Garcia de Meneses em 1481 diante de Sisto IV (e do clebre humanista Pompnio Leto). Lus Anriques, poeta do Cancioneiro Geral, na sua ?Lamentao morte del rei D. Joo? (II) (GG, III, 65-68), emprega Lusitnia e lusitanos. Mas muito antes, no chamada Crnica de Cinco Reis (de 1419), escreveu-se no cap. xv: ?... e quando o prior de S.ta Cruz a que chamavao D. Theotonio ... vio que lhe tomara aquelle lugar que lhe elrei D. A. avia dado ouve em grande pesar & se partio do m ro [mosteiro] e foisse as terras de Lusitania que os 28 ----------------------- Page 76----------------------- OS LUSADAS mouros possuia e andou tanto ateesque filhou arrches.? [Duarte Galvo, que copiou este (e outros captulos), substituiu ?Lusitnia? por ?Alentejo?.] Sobre a origem de ?Lusitnia? v. VIII.2.7-8. Ort.: valeroso (por valoroso). 1.3 ?Por mares nunca de antes navegados?: cf. I.27.3: ?Por vias nunca usadas?; II.45.8: ?Novos mundos ao mundo iro mostrando?; V.4.1-2: ?Assi fomos abrindo aqueles mares / que gerao algua no abriu?; V.37.3: ?cortando / os mares nunca d?outrem navegados?; V.41.8: ?Nunca arados d?estranho ou prprio lenho?; V.66.3: ?No largo mar fazendo novas vias?; VII.25.5-6: ?Abrindo, lhe responde, o mar profundo, / Por onde nunca veio gente humana?; VII.30.7: ?Por mares nunca d?outro lenho arados?; VIII.4.6: ?Despois de ter to largo mar arado?; IX.86.5-7. ?Para lhe descobrir da unida Esfera / Da terra imensa e mar no navegado / Os segredos ...?; X.138.3: ?Abrindo a porta ao vasto mar patente?. A grandeza do feito est evidenciada nesta ideia mestra, to insistentemente repetida. 1.4-7 ?Passaram ainda alm da Taprobana? (por Taprbana): identificada com a ilha de Ceilo (v. X.107.4 e X.51.1). Barros, na 3. Dcada, liv. II, enuncia assim o seu cap. I: Em que se descreve o sitio & cousas da ilha Ceilo a que os antigos chamo Taprobana; ?E entre gente remota edificaram?: sobre a conservao da copulativa inicial no v. 7 (?E entre gente?), e no no v. 5 (?Em perigos?), v. JMR, em BCL, vol. XIII, pp. 724 a 728. 2.3-7 ?... e as terras viciosas?: terras corrompidas (na f). O sentido esclarece-se pelos vv. de VII.17.6-7: ?... alguns o vicioso / Mahoma...?; ?De frica e de sia andaram devastando?: assolando, destruindo, arruinando; ?Se vo da lei da morte libertando?: da lei do esquecimento; ?... espalhareipor toda parte ?: Cames emprega indiferentemente ?por toda parte? e ?por toda a parte?. Usa ?toda parte? em I.2.7, em IV.15.4, em IV.25.7, em IV.84.8, em VIII.89.3 e em X.67.3; e ?toda a parte? em I.51.2, em II.37.7, em III.51.6, em III.79.8, em IX.77.6 e em X.67.3. Em X.78.7 diz por duas vezes: ?Por toda a parte tem, e em toda a parte [Comea e acaba ... ]?. 29 ----------------------- Page 77----------------------- OS LUSADAS 3.1 ?Cessem do sbio grego e do Troiano?: o sbio grego Ulisses, cujo longo e aventuroso regresso a taca faz o assunto da Odisseia. Na Ilada e na Odisseia, alm de ?divino? e ?dilecto de Zeus?, Ulisses , sobretudo, o ?prudentssimo? e o ?ardiloso?. Para Cames ser, sobretudo (como em Ovdio, M, XIII.92), o ?facundo? (II.45.1, V.86.3-4 e VIII.5.1-2), em virtude da actividade diplomtica do rei de taca, de que d conta a Ilada. Em X.24, porm, Cames toma o partido de Aiace (Ajax) e fala na ?lngua v? e ?fraudulenta? de Ulisses (v. comentrio a esta estncia, vv. 3-4). O Troiano Eneias, cujas navegaes foram cantadas por Virglio na Eneida. Apesar de se tratar de ?fbulas vs, to bem sonhadas? (V.89.6), Cames pergunta ao rei de Melinde: ?Crs tu que tanto Eneias e o facundo Ulisses pelo mundo se estendessem?? (V.86.3-4), tornando reais estas fabulosas viagens. 3.3 ?Cale-se de Alexandro e de Trajano?: Alexandre Magno, rei da Macednia (356-323 a. C.), falecido em Babilnia. Grande figura de cabo de guerra, de poltico e de chefe civilizador. Derrotou Dario e chegou ao oceano ndico. J antes de 1470 o cronista Zurara estabelecia o confronto das conquistas e navegaes portuguesas com as de Alexandre e as de Csar: ?Por certo eu dovido?, diz o autor, ?se despois do grande poderyo de Alexandre e de Csar foe algum principe no mundo que tan longe de sua terra mandasse poer os malhes de sua conquista!? (cap. 63.); ?e nom sey se Alexandre, que foe hum dos monarcas do mundo, bebeo em seus dyas augua que de tam longe lhe fosse trazida? (cap. 65.). Neste poema, em VIII.12.1, Alexandre associado a Csar. Trajano (Marcus Ulpius Trajanus Crinitus), imperador romano (52- 117). Comandou as legies da Baixa Germnia, combateu os Dcios (no Baixo Danbio), criou uma provncia de Arbia e empreendeu uma expedio contra os Partas, povo cita. Perseguiu os Cristos. Lus Anriques, a propsito da morte de D. Joo II, escreveu no CG: Em sua bondade trespassa Trajano, & outro Alexandre ? grande frqueza (Ed. GG, III, p. 68) 30 ----------------------- Page 78----------------------- OS LUSADAS Ort.: Cames emprega a forma ?Alexandro? em I.3.3, V.93.2, V.95.2, V.96.7 e X.156.7 e ?Alexandre? em VIII.12.1 e X.48.1. 3.5-7 ?... opeito ilustre Lusitano?: a palavrapeito empregada pelo Poeta noventa e sete vezes (v. IAVL, s. v.) e em sete sentidos diferentes. (Dicionrio dos Lusadas, por Afrnio Peixoto & Pedro A. Pinto, 1924). Neste lugar est por valor, coragem: o valor, a coragem dos Portugueses; ?A quem Neptuno e Marte obedeceram?: Neptuno (Posdon, na mitologia grega), filho de Cronos (Saturno) e de Ria (ou Cbele), deus do elemento hmido e, mais restritamente, do mar. Irmo de Zeus; Marte, deus romano (identificado com o deus Ares helnico, que tem como principal atributo a guerra). Era filho de Zeus e de Hera. V. I.36.1; ?Cesse tudo o que a Musa antiga canta?: Cesse, com o sentido do v. 1: cessem. MC e FS em seus comentrios evocam estes dois versos de Proprcio (lib. 2, eleg. 33) como possvel fonte do Poeta: ?Cedite Romani Scriptores, cedite Grai! / Nescio quid maius nascitur Iliade?, que MC traduz desta forma: Estem (=estejam) de parte os escriptores Latinos & Gregos, que agora novam?te sae a luz, hum no sei qu, maior que a Iliada de Homero?; Musa antiga, a poesia dos Gregos e Romanos. Ort.: Antigua (gu=g). 4.1 ?E vs, Tgides minhas ...?: Tgides so as ?ninfas? ou ?filhas? do Tejo, a quem o Poeta solicitar a ?fria?, isto , a inspirao potica e s quais associar em VII.78.3 as ?filhas do Mondego?. No deve estranhar-se esta associao, visto que D. Dinis ... de Helicona (Hlicon) as Musas fez passar-se A pisar do Mondego a frtil erva (III.917.3-4) No entanto, a partir de III.1.1 o Poeta invoca tambm Calope, (no incio da grande narrativa ao rei de Melinde) e ser a ?minha Calope? (X.8.5), mais ainda a ?gram Rainha / das Musas? (X.9.7-8), como poderia ter dito Hesodo ou Virglio. Esta ser associada s ?filhas do Tejo? (V.99.6-7) e sem esquecer o suserano das nove Musas clssicas, Febo ou Apolo. Em VII.87.5 pede a Apolo e s Musas que o 31 ----------------------- Page 79----------------------- OS LUSADAS acompanharam (a ele, Poeta) que lhe dobrem a ?fria? concedida. A criao da palavra ?Tgides? foi vindimada por Andr de Resende numa anotao (liv. II, v. 195, nota 48, p. 79) ao seu poema Vincentius (1545). O carme sobre a morte de D. Beatriz de Sabia, em que o Poeta pela primeira vez teria usado aquele vocbulo, ou se perdeu ou desconhecido. (CMV, O Instituto, vol. 52., 1905, pp. 241-250.) 4.5-7 ?Dai-me agora um som alto e sublimado?: dai-me ... uma voz que atinja o sublime; ?Um estilograndloco e corrente?: um estilo elevado, mas fluente; ?Por que de vossas guas Febo ordene?: para que Febo (epteto deApolo) ordene a respeito de vossas guas (sintaxe latina, mas vigorosa em nossos clssicos). Ort.:grandloco , nica grafia utilizada pelo Poeta. 4.8 ?Que no tenham enveja s de Hipocrene?: Hipocrene etimolgicamente a Fonte Cabalina ou a Fonte do Cavalo. Cames chamou-lhe Fonte Cabalina na gloga IV e guas cabalinas no soneto 153. Hipocrene uma das nascentes (a mais celebrada pelos poetas) que brotam na ?grande e divina montanha?, o Hlicon (Hesodo) (v. ?Preldio? da Teogonia), nos confins da Fcida e da Becia, entre o lago Cpais e o golfo de Corinto. O cavalo ?Pgaso? feriu a rocha com o casco e assim brotou a fonte. Outra nascente do Hlicon Aganipe, citada por Cames (III.2.4). A escolha das ?musas heliconianas? por Hesodo justifica-se porque este, nascido em Ascra, vivia perto do Hlicon e do vale das Musas. Cames refere ainda outras moradas de Apolo e das Musas: o Pindo (cadeia de montanhas que separa o Epiro da Tesslia) (III.2.5) e o Parnaso, monte da Fcida, perto de Delfos, sede de um importante santurio consagrado a Apolo, onde brotava a gua da fonte Castlia (I.32.4). Ort.: enveja (por inveja). 5.1 ?Dai-me uafria grande e sonorosa?: dai-me um entusiasmo criador; sonoroso (de sonoro+oso), ressonante, fragorosa (mais usada por Cames do que sonoro). Os comentadores, desde MC, comparam a fria aofuror latino e citam vrios exemplos, como este, de Ccero: ?Poetam bonum neminem ... existere posse sine quodam afflatu quasi furoris?, De Or. 2.194. No entanto, a palavra foi estranhada, no 32 ----------------------- Page 80----------------------- OS LUSADAS tempo de Cames. Entre os epigramas de Pero de Andrade Caminha encontra-se este: Dizes que o bom Poeta de ter furia; Se nom de ter mais, s bom Poeta. Mas se o Poeta de ter mais que fria, Tu nom tens mais que furia de Poeta. (CXLV) (Poezias ..., Lisboa, MDCCXCI) 5.2 ?E no de agreste avena oufrauta ruda ? (a mesma ideia expressa por palavras diferentes: avena efrauta ). Estilo humilde e simples (o das glogas). Esta ideia j foi expressa em o ?verso humilde? do v. 3 da estncia anterior. A palavra avena foi provvelmente tirada de Virglio; cf. o suposto incio da Eneida: ?Ille ego qui quondam gracili modulatus avena / carmen ...?; Frauta ruda, flauta rstica. Ort.: Cames s conheceu a formafrauta . 5.3-5 ?Mas de tuba canora e belicosa?: tuba, trombeta; canora (de canora < canor) harmoniosa, melodiosa; belicosa (de bellicosus < bellicus) guerreira; ?Que opeito acende e a cor ao gesto muda?:peito , como em I.3.5: valor, coragem; gesto , muito frequente em Cames no sentido geral de fisionomia, feies e, s vezes, modo; ?Dai-me igual canto aos feitos da famosa?: igual canto, ? altura de? (1.par). 5.6-7 ?Gente vossa, que a Marte tanto ajuda?: esta a sintaxe da edio princeps . No entanto, o primeiro comentador, MC, alterou o sentido do verso s com alterar o lugar da preposio a: ?... a que Marte tanto ajuda?, mas no comentou nem lhe fez qualquer referncia. FS voltou forma da edioprinceps . Os modernos comentadores tm mantido a forma da edioprinceps , com excepo de MR, que seguiu MC. No nos parece que ED tenha razo quando diz que ajudar na edioprinceps tem o sentido de ?glorificar?. Pode entender-se que a 33 ----------------------- Page 81----------------------- OS LUSADAS gente portuguesa, belicosa, favorece Marte com as suas empresas; ?Que se espalhe e se cante no universo?: sujeito, a fama da gente vossa. 6.1-2 ?E vs, bem nascida segurana / Da Lusitana antiga liberdade?: comea a dedicatria a D. Sebastio, nascido em Lisboa a 20 de Janeiro de 1554, pouco depois de Cames ter chegado ndia. Toda a dedicatria foi redigida na menoridade do rei, como se verifica em I.7: Vs, tenro e novo ramo florescente; em I.9:Que nesse tenro gesto vos contemplo; em I.16:Que, afeioada ao gesto belo e tenro . 6.6-7 ?Maravilha fatal ...?: prodgio fixado pelo destino (fatum ); ?Dada ao mundo por Deus, que todo o mande?: a orao ?que todo o mande? no tem explicao segura, apesar dos esforos dos intrpretes. Se lermos dada (a maravilha fatal) ao mundo por Deus / Pera do mundo a Deus dar parte grande no h dificuldade nenhuma. Parece-nos, pois, ?que todo o mande? depende de Deus, e no de maravilha, como um anseio de que Deus (o Deus catlico, a Igreja) mande todo (o mundo). 7.1 ?Vs, tenro e novo ramo florecente?: tenro ? juvenil. Ort.:florecente (porflorescente ). Cames nunca escreveu de outra maneira. 7.4 ?Cesrea ou Cristianssima chamada?: rvore (ou famlia) cesrea, a que fundou o Segundo Imprio do Ocidente (Carlos Magno), tornado Santo Imprio Romano-Germnico, de que foi fundador Oto I, o Grande (? em 973), e durou at 1806 (com Francisco II, imperador germnico, depois Francisco I, imperador da ustria); cristianssima: Le roi Trs Chrtien ou Sa Majest Trs Chrtienne, ttulo usado pelos reis de Frana em alguns actos pontifcios do sculo XIV e atribudo a estes prncipes exclusivamente a partir de meados do sculo XV. 7.5-8 ?Vede-o no vosso escudo ...?: v. ttulo do captulo XV da Crnica de D. Afonso Henriques, de Duarte Galvo: ?Como Nosso Senhor apareceu aquela noite [vspera da batalha] ao prncipe D. Afonso 34 ----------------------- Page 82----------------------- OS LUSADAS Henriques posto na cruz como padeceu por ns?. Sobre este assunto v. III.53-54. 8.5-8 ?Vs, que esperamos jugo e vituprio?: v. ED, SHP (ed. de 1933, p. 45): ?Alguns verbos podem construir-se com um nome predicativo do complemento directo, em vez de terem ligada a si uma orao substantiva de ser ou estar?: ?Vs, que esperamos (que sejais) jugo e vituprio?; ?Do torpe Ismaelita ...?: dos rabes, descendentes de Ismael; ?Que ainda bebe o licor do santo rio?: aqui licor (do 1. liquor, oris) significa gua ? a gua do rio Ganges, grande rio da ndia, que desce do Himalaia e desagua no golfo de Bengala. um rio sagrado, onde se banham os peregrinos. Ort.: dece (por desce). 9.3-8 ?Que j se mostra qual na inteira idade?: inteira idade (1. integra aetate) significa na fora da vida; ?Em versos divulgado numerosos?: ritmados, cadenciados. 10.6 ?... senhor superno?: superior, colocado no alto (latinismo). 11.7-8 ?Que excedem Rodamonte e o vo Rugeiro / E Orlando, ainda que fora verdadeiro?: personagens do Orlando Furioso, de Ariosto. 12.1-7 ?Por estes ...?: ?um Nuno fero?, D. Nuno lvares Pereira; ?um Egas, Egas Moniz, aio de D. Afonso Henriques; ?um Dom Fuas?, D. Fuas Roupinho, figura meio lendria do nosso sculo XII. Desbaratou os Mouros na terra e no mar, at que foi deles vencido nas guas de Ceuta. Venceu os Mouros em Porto de Ms, de que tinha o castelo D. Fuas, aos 22 de Maio de 1180; derrotou os Mouros numa batalha naval no cabo Espichel em 15 de Julho do ano citado. A derrota de D. Fuas em Ceuta, depois de ter a alcanado alguns xitos, foi em 17 de Outubro do mesmo ano (mas Frei A. Brando diz 1182). A fonte destas notcias a Crnica de D. Afonso Henriques, de Duarte Galvo. Cames volta a falar de D. Fuas em VIII.16-17; ?Doze Pares? segundo a Chanson de Roland, os Doze Pares foram: Roland, 35 ----------------------- Page 83----------------------- OS LUSADAS Olivier, Samson, Ansis, Grin, Grier, Brenger, Othon, Girard de Roussillon, Ivon, Ivoire, Engelier; ?os doze de Inglaterra e o seu Magrio?: doze, incluindo o Magrio; ?o ilustre Gama? ? o descobridor da ndia. 13.1-7 ?Pois se a troco de Carlos, Rei de Frana?: Carlos, Carlos Magno, imperador do Ocidente (800-814); ?Csar?, Jlio Csar (101-44), conquistador das Glias (59-51), assassinado no meio do Senado, aos idos de Maro. Recorda-se a sua frase para um dos mais activos dos conjurados, seu filho adoptivo, Bruto: ?Tu quoque, fili!?; ?aquele que a seu Reino a segurana / Deixou ...?: D. Joo I, vencedor de Aljubarrota; ?Outro Joane ...?: D. Joo II. 14.4-7 ?Vossa bandeira sempre vencedora?: (e fizeram) vencedora vossa bandeira; ?vencedora?, nome predicativo de ?bandeira?; ?um Pacheco fortssimo ?, Duarte Pacheco Pereira (v. X.12-25); ?os Almeidas?, D. Francisco de Almeida e seu filho D. Loureno de Almeida (v. X.26- 38); ?Albuquerque terrbil?, Afonso de Albuquerque (v. X.40-49); ?Castro forte?, D. Joo de Castro (v. X.67-72). Terrbil latinismo. 16.1-2 ?Em vs os olhos tem o Mourofrio ?:frio (de medo) por ver afigurado em D. Sebastio seu excio, isto , a sua runa (latinismo). 16.5-8 ?Ttis todo o cerleo senhorio?: Ttis, filha do Cu e da Terra, esposa do Oceano, reserva em dote a D. Sebastio ?todo o cerleo (=da cor do cu) senhorio? porque ?deseja compr-lo para genro?. Imitao do verso de Virglio: ?teque sibi generum Tethys emat omnibus undis (porventura Ttis, pelo preo das suas ondas, pagar a honra de te ter por genro) (G, I.31). MC foi o primeiro a indicar a fonte virgiliana. 17.1-2 ?Olmpica morada ...?: olmpica, de Olimpo, montanha entre a Macednia e a Tesslia, residncia dos deuses; ?Dos dous avs ...?: D. Joo III, pai do prncipe D. Joo, e Carlos V, pai da princesa D. Joana. 36 ----------------------- Page 84----------------------- OS LUSADAS 18.5-6 ?... o salso argento?: argento, latinismo que significa prata; ?Os vossos Argonautas ...?: o Poeta evoca os conquistadores do Velo de Oiro, na Clquida, a bordo do navio Argo. Apolnio Rdio e Valrio Flacco escreveram poemas sobre este assunto: Argonutica. 19.1-8 ?J no largo Oceano navegavam?: princpio da narrao; ?Que do gado de Prteu so cortadas?: Proteu , na Odisseia, um deus do mar, que tem o especial encargo de fazer pastar os rebanhos de focas e outros animais marinhos pertencentes a Posdon (v. VI.20.5-6). Proteu possua o dom proftico (v. VI.36.1-4). Tinha o poder de se metamorfosear em todas as formas que desejasse (v. VII.85.4). Acent.: o acento em Prteu exigncia mtrica. 20.7-8 ?Convocados, da parte de Tonante?: Tonante, epteto dado aJpiter como deus das trovoadas; ?Pelo neto gentil do velho Atlante?: neto do velho Atlante, ou Atlas, era Mercrio, filho deJpiter e de Maia, a mais nova das Pliades. Estas eram filhas de Atlas, o Gigante, e de Plione; esta, por seu turno, filha do Oceano e de Ttis. Mercrio era um mensageiro deJpiter . 21.1-8 ?Deixam dos sete Cus o regimento?: os sete Cus so as sete esferas planetrias do sistema de Ptolemeu; ?Os que habitam o Arcturo congelado?: o Arcturo a estrela mais brilhante da constelao do Boieiro ou Bootes. Foi considerada por vezes como fazendo parte da Ursa Maior e Arcturo significa literalmente guarda da ursa ; ?E os que o Austro tm ...?: os que moram no Sul; ?... e as partes onde / A Aurora nasce e o claro Sol se esconde?: vieram, portanto, os deuses do Norte, do Sul, do Leste e do Oeste ao conclio. 22.1-2 ?Estava o Padre ...?: Jpiter; ?Que vibra os feros raios de Vulcano?: Vulcano, filho de Jpiter e de Juno , era o deus do fogo e fabricava os raios para seu pai. Ort.: dino (por digno). 37 ----------------------- Page 85----------------------- OS LUSADAS 23.2 Ort.:perlas (porprolas). 24.2 ?Estelfero Plo e claro Assento?: Plo, cu (l.polus); claro Assento: brilhante morada; ?De Luso ...?: Jpiter afirma a descendncia dos Portugueses. Estelfero, estrelado (latinismo). 24.6 ?Como dos Fadosgrandes ...?: grandes em poder. 25.8 ?Teve os trofus pendentes da vitria?: teve pendentes os trofus da vitria; trofu era propriamente o tronco de rvore do qual se dependuravam as armas dos vencidos. 26.2-4 ?Que co a gente de Rmulo alcanaram?: gente de Rmulo, os Romanos; o sujeito de alcanaram a forte gente de Luso (os Lusitanos); ?Quando com Viriato, ...?: Viriato (v. VIII.5.6-7 e VIII.6.2-6), pastor lusitano, que acaudilhou os guerrilheiros lusitanos, infligindo grandes perdas aos Romanos. Quinto Servlio Cipio, em vez de aliana e amizade, preferiu comprar trs amigos de Viriato, que o assassinaram traio (139). 26.6-8 ?... quando alevantaram / Um por seu capito, que, peregrino, / Fingiu na cerva esprito divino?: Sertrio, tendo recebido como presente uma cora branca, que ele dizia ter sido um presente de Diana, afirmava que ela lhe revelava todas as coisas ocultas (ver em Plutarco, Sertorius, 11). Peregrino (latinismo), estrangeiro. 27.1-4 ?Agora... a mais s?atreve?: por a mais se atrevem; frico, vento de sudoeste; Noto, vento do sul; ?Que havendo tanto j que as partes vendo / Onde o dia comprido e onde breve?; o Poeta indica as navegaes de norte a sul pelo Oeste de frica. 27.7-8 ?Inclinam seu propsito ...?: o Poeta volta concordncia lgica: 38 ----------------------- Page 86----------------------- OS LUSADAS sujeito os Lusitanos; ?A ver os beros onde nasce o dia?: a ver o Oriente. Ort.:perfia (porporfia). 28.1-4 ?Prometido lhe est . . .?: lhe por lhes era corrente; ?Do mar que v do Sol a roxa entrada?: perfrase para designar os mares orientais. No tempo de Cames preferia-se dizer roxo a vermelho: ?roxa entrada?, em I.28.4 e I.59.3; ?a roxa fronte?, II-13.8; o ?Mar Roxo?, II.49.1; ?roxa Aurora?, IV.60.7, etc. 29.1-3 ?... tmpassados ... [tm] experimentados?: note-se a concordncia do particpio passivo em gnero e nmero com o complemento directo. 30.3-5 ?Na sentena um do outro diferia?: diferia no concorda com Deuses (v. 2), mas com o aposto um; ?Opadre Baco ali no consentia?: aparece pela primeira vez o grande inimigo dos Portugueses a dar as razes do seu desacordo. Baco (Dionysos) filho de Jpiter (Zeus) e Smele. Descobriu a vide e o seu uso. Conquistou a ndia no decorrer de uma expedio semiguerreira, semidivina. 31.4-8 ?Da ndia tudo quanto Dris banha?: Dris, filha do Oceano e esposa de Nereu. a me das Nereidas; ?De que Nisa celebra inda a memria?: para furtar Baco aos cimes de Hera,Jpiter transportou Baco para longe da Grcia, para um pas chamado Nisa, que uns situam na sia, outros na Etipia ou na frica, e deu-o a criar s Ninfas desse pas. V. comentrio a VII.52.5. 32.1-7 ?V que j teve o Indo sojugado?: Indo (ou Sindh), grande rio da ndia e do Paquisto, que se lana ao mar de Om, formando um vasto delta; ?De quantos bebem a gua de Parnaso?: o Parnaso, monte da Grcia, na Fcida, consagrado a Apolo e s Musas. A nasce e corre a fonte Castlia; ?D?gua do esquecimento ...?: gua do Lete, um dos rios dos Infernos, que significa em grego esquecimento. Ort.: sojugado (por subjugado). 39 ----------------------- Page 87----------------------- OS LUSADAS 33.1-6 ?Sustentava contra ele Vnus bela?: aparece agora a protectora dos Portugueses, afeioada gente lusitana pelas razes que se invocam nesta estncia e se repetem na est. IX.38. Vnus foi assimilada Afrodite dos Gregos no segundo sculo a. C. Afrodite a deusa do amor e da beleza. Vnus foi me de Cupido e de Eneias e esposa de Vulcano. Tem n?Os Lusadas um papel intercessor fundamental; ?Nos fortes coraes, na grande estrela?: na coragem e na fortuna; ?Que mostraram na terra Tingitana?: Mauritnia Tingitana ou Marrocos. a parte da Mauritnia onde se situa Tinge ou Tingi (Tnger). 34.1-3 ?Estas causas moviam Citereia?: Citereia uma das designaes de Vnus por ter um santurio em Citera, ilha do mar Egeu. O Poeta s volta a invocar Citereia em IX-53; ?E mais, porque das Parcas claro entende?: As Parcas so as divindades do Destino, equiparadas s Morai dos Gregos: Cloto, Lquesis e tropos; a clara Deia?: a distinta Deusa. Ort.:perfia (porporfia). Porfia em 36.2. 35.1 Qual Austro fero ou Breas na espessura?: tal como o vento do sul ou do norte. 36.1 ?Mas Marte ...?: deus da guerra, tambm conhecido por Mavorte. Sobre os amores de Vnus e de Marte veja-se Lucrcio, De rerum natura, I.33-40. Recorde-se que Vnus era esposa de Vulcano e atente- se nestes versos de Ovdio: ?Solis referemus amores / Primus adulterium Veneris cum Marte putatur / Hic vidisse deus; videt hic deus omnia prima.? (M, IV.170-172.); e em V, G, IV. vv. 345-346: ?Inter quas curam Clymene narrabat inanem Vulcani, Martisque dolos et dulcia furta.? 37.7 ?O Cu tremeu, e Apolo, de torvado?: Apolo, filho de Zeus e de Leto. Esta, perseguida por Hera, foi ter a uma ilha chamada Ortgia, flutuante e estril. A nasceu Apolo. Este, em reconhecimento, fixou a ilha no centro do mundo grego e deu-lhe o nome de Delos, ?a brilhante?. Entre os seus mltiplos atributos conta-se o de ser o deus da luz e de conduzir o carro do Sol. 40 ----------------------- Page 88----------------------- OS LUSADAS 38.3-5 ?Se estagente ... / No queres quepadeam ...?: concordncia do colectivo do singular com o verbo no plural. 39.3-4 ?Bem fora que aqui Baco os sustentasse, / Pois que de Luso vm, seu to privado?: neste lugar Luso foi privado de Baco; em III.21.5-7 diz o Poeta: ?Esta foi Lusitnia, derivada / De Luso ou Lisa, que de Baco antigo / Filhos foram, ... ou companheiros?; em VIII.2.7-8 diz de ?... Luso, donde a Fama / O nosso Reino Lusitnia chama [Filho e companheiro do Tebano]?. E insiste em VIII.4.4: ?... companheiro e filho amado?. Portanto: 1., privado; 2., filho ou companheiro; 3., filho e companheiro. Ort.: estmago (por estmago, ndole). 41.4-7 E nctar sobre todos esparziu?: o nctar era a bebida e o perfume dos deuses; ?Pelo caminho lcteo glorioso?: a Via Lctea; ?Fazendo seus reais acatamentos?: fazendo suas profundas reverncias. Ort.: valeroso (por valoroso); apousentos (por aposentos). 42.1-6 ?Enquanto isto se passa ... ?: o Poeta retoma a narrao; ?Ilha de So Loureno ...?: Madagscar. 42.7-8 ?[e o Sol ardente] Queimava ento os Deuses que Tifeu / Co temor grande em pexes converteu?: Tifeu, gigante, filho de Tit e da Terra, inimigo de Jpiter , chefe daqueles que pretenderam escalar o Cu. Os deuses quando viram este monstro escalar o Cu fugiram para o Egipto e metamorfosearam-se. Vnus mudou-se em peixe, como diz Ovdio, M, V.331: ?Pisce Venus latuit?. Diz LPS, em AL: ?O Sol entrava no signo dos Peixes a 10 de Fevereiro e levava a percorr-lo at 11 de Maro, em que passava para o de ries. A gente belicosa cortava o mar desde 24 de Fevereiro e ia chegar ilha de Moambique, que avistaram em 1 de Maro. Esteve durante este trajecto sempre o Sol no signo dos Peixes?. Ort.:pexes (porpeixes). 41 ----------------------- Page 89----------------------- OS LUSADAS 43.5 ?Opromontrio Prasso j passavam?: ?O principio da qual comeando na ori?tal parte della he o Prasso promontorio, q} elle Ptholomeu sitou em quinze graos contra o Sul & em tantos est per ns verificado: ao qual os naturaes da terra chamam Moambique, onde ora temos hua fortaleza que serve de escala das nossas naos nesta navegao da India? (Barros, I.VIII.IV). 45.7 ?Agente se alvoroa ... /... / (em si diziam)?: sujeito colectivo a concordar com o verbo no plural. 46.6-8 ?Que Fton, nas terras acendidas?: a lenda de Feton admirvelmente contada por Ovdio, em M, II.1-366; ?(O Pado o sabe e Lampetusa o sente)?: o corpo de Feton foi precipitado no Erdano, identificado com o rio P (Pado). Foi sepultado por suas irms, as Helades, uma das quais se chamava Lampcia. Na Odisseia (XII.132) aparece uma outra filha do Sol, ao lado de Lampcia: Faetusa. Em V.91.6 aparece o nome de Lampcia. Lampetusa parece ser a juno de Lampcia e Faetusa: Lampe+tusa. Ort.: veloces (por velozes). 47.1-8 ?De panos de algodo vinham vestidos?: Castanheda, I.V: ?A gente }q vinha dentro er hom?s baos & de bs corpos, vestidos de panos dalgodo listrados & de muytas cores, hus cingidos at o giolho, & outros sobraados como capas: & nas cabeas fotas c vivos de seda lavrados de fio douro, & trazio terados mouriscos & adagas?; ?anafis sonorosos?: anafil (pl. anafis ou anafiles), trombeta dos Mouros. 48.5-8 ?A gente e marinheiros trabalhavam?: trabalhavam todos; ?Da ncora o marferido em cima salta?; bela imagem do Poeta para pr em relevo o efeito da ncora a cair no mar e a ?espirrar? a gua para cima. 49.6-8 ?Do licor que Lieu prantado havia?: Lyaeus, um dos nomes de Baco, 42 ----------------------- Page 90----------------------- OS LUSADAS o deus que liberta dos cuidados; ?Os de Feton queimados nada enjeitam?; os queimados por Feton, os negros. Ort.:prantado (porplantado). 50.7 ? ? Os Portugueses somos do Ocidente?: aposio explicativa de Portugueses. 51.2-8 ?Toda a parte do Antrtico e Calisto?: Antrtico o Plo; Calisto a Ursa Maior. Calisto, filha de Licon, rei da Arcdia. Amada de Zeus, foi mudada em ursa por Hera e morta na caa por rtemis. Zeus colocou- a no cu, onde se tornou a constelao da Ursa Maior. O sentido do verso , pois, o de que os Portugueses tm navegado toda a parte setentrional e meridional do Oceano; ?Mas no lago entraremos de Aqueronte?: os Portugueses so to fiis e obedientes a seu Rei que, a seu mandado, sero capazes de entrar no Aqueronte, que um rio dos Infernos. 52.4 ?Que s dos feiosfocas se navega ?:feios focas (m.) se navega,por navegado. 53.6-8 ?O claro descendente de Abrao?: o clebre Mafoma ou Mafamede; ?A me Hebreia teve e o pai, Gentio?: Cames conhecia o passo de Barros, II.X.VI: ?Nasceo em Itrarip lugar pequeno de Arbia, seu pae (segundo dizem os Mouros) era de hua linhagem, a que elles chamo Corax, & vem de Ismael, & avia nome Abedel G?tio, sua me Enima, a qual era Hebrea, ambos pessoas do povo ...? 54.1-4 ?... certa escala?: escala certa; ?De Quloa, de Mombaa e de Sofala?: Vasco da Gama, na sua segunda viagem ndia, sujeitou o rei de Quloa obedincia do rei de Portugal (1502); Mombaa foi assaltada por D. Francisco de Almeida em 1505; neste ano Pero da Nhaia, de origem castelhana, conseguiu do xeque o incio de uma improvisada fortificao em Sofala (v. X.94.8). 43 ----------------------- Page 91----------------------- OS LUSADAS 55.2 ?Buscando o Indo Idaspe ...?: O Hidaspe, grande rio da ndia, afluente do Indo, actualmente o Jelam ou Djelem. A tiveram termo as conquistas de Alexandre Magno no Oriente. 56.5-7 ?Nisto Febo nas guas encerrou?: em grego, literalmente ?o brilhante?. Epteto e nome de Apolo; ?Dando cargo Irm ...?: Diana. Os Antigos interpretaram rtemis (identificada a Diana) como uma personificao da Lua, que vagueia pelas montanhas. 58.2-3 ?Pelas argnteas ondas Neptuninas?: pelas ondas do mar (de Neptuno); ?As Estrelas os Cus acompanhavam?: as estrelas fixas acompanhavam o firmamento; os planetas so levados nos cus respectivos. V. LPS, AL, p. 35. 59.4 ?Ao claro Hiperinio, que acordou?: Hiperon ou Hiperinio, um dos Tits, filho de rano e de Gaia. Casado com sua irm, a titnida Teia, gerou o Sol, a Lua e a Aurora. Toma-se por vezes, como neste verso, pelo prprio Sol. Ort.:fermosos (porformosos ). 60.4-5 ?Que so aquelas gentes inumanas?: isto , gentes brbaras; ?Que, os apousentos Cspios habitando?: os Turcos comearam por habitar as regies banhadas pelo mar Cspio, depois vieram descendo e apossaram-se da maior parte do Imprio Romano do Oriente e acabaram, com Maomet II, por tomar a prpria capital, Constantinopla, em 29 de Maio de 1453. No terrvel assalto final morreu o imperador Constantino, Palelogo. Ort.: apousentos (por aposentos). 61.6 ?No usado licor, ...?: dos Maometanos. Castanheda, I.VI: ?& apos isto lhe mandou dar muy b? de comer dessas conservas q} levava: & do vinho: & ele [o Regedorl comeo & bebeo de boa vtade: & assi os q} hio coele ...? 44 ----------------------- Page 92----------------------- OS LUSADAS 62.8 ?Se porventura vinham da Turquia?: Castanheda, I.VI: ?Ho olto preguntou a Vasco da Gama se vinha de Turquia, porq} ouvira dizer }q ero brcos assi como os nossos, & dizialhe que lhe mostrasse os arcos de sua terra, & os livros de sua ley. Ele lhe disse que no era de Turquia se no du grande reyno q} confinava coela; & que os seus arcos & armas lhe mostraria & os livros da sua ley no os trazia, porq} no mar no tinho necessidade deles ...? Ort.: na edioprinceps , nesta est. exrcia. Em VI.84.4 enxrcia. 64.2-4 ?Por hum que a lngua escura bem sabia?: Castanheda, loc. cit.: ?E isto lhe dezia pelo lingoa Ferno martinz. O Poeta fala dele em V.77.2. Lngua escura a lngua arbica; ?De mi, da Lei, das armas que trazia?: trazia, por trago. O mesmo em 66.2-6. Ort.: valeroso (por valoroso). 65.1 ?Aquele que criou todo o Hemisfrio?: ?O Poeta em geral designa por Hemisfrio a meia esfera que se apoia sobre o horizonte?. LPS, AL, p. 153. 65.2,4,6,7 ?Visbil?, ?invisbil?, ?insensbil? e ?insofrbil? so latinismos. Ort.: deceu (por desceu). 66.2-6 ?Os livros que tu pedes no trazia?: por no trago; ?Em papel o que na alma andar devia?: por andar deve; ?Cumprido esse desejo te seria?; por te ser. 67.2 ?Ministros ...?: servidores (latinismo). Outros exemplos do mesmo sentido em II.96.3, III.125.4 e IX.29.5. 67.3-8 ?Vm arneses e peitos reluzentes?: arns, armadura completa, mas em especial do tronco; malhas finas, armaduras de malha; escudos de pinturas diferentes , arma defensiva, geralmente circular, com as empresas e divisas que cada um adoptava;pelouros , balas, em geral de 45 ----------------------- Page 93----------------------- OS LUSADAS metal, empregadas em bombardas e peas de artilharia; espingardas de ao puras (caso de trajectio epithetorum): no espingardas puras, mas de ao puro; arcos, bestas; sagitferas aljavas, coldres ou carcases portadores de setas. Sagitfero latinismo;partazanas (fr.pertuisane), arma de hstea, com ferro de gldio, cortante, mais largo na base e terminando em ponta; chuos, pau armado de aguilho ou choupa. 68.2-4 ?As panelas sulfreas ...?: arma muito danosa, por ser preparada com plvora e enxofre candentes; ?... aos de Vulcano ...?: os bombardeiros ou artilheiros, que manejavam as bombardas e peas de artilharia. 69.3-5 ?Um dio certo . . .?: um dio firme; ?Nas mostras e no gesto o no mostrou?: no tratamento, no no rosto. 71.4-6 ?Que ofilho de David nos ensinou?: ?... Jesus Cristo, filho de David, filho de Abrao? (?Ev. de S. Mateus?, I.I.1); ?A quem juzo algum no alcanou?: negativa reforada. Ort.: sequaces (por sequazes). 72.6-8 ?Das guas de Neptuno...?: v. I.3.5-7; ?... recebido / Na terra do obseqente ajuntamento?: recebido em terra pela servial multido de mouros. Obseqente latinismo; ?Se foi o Mouro ao cgnito apousento?: ao conhecido aposento. 73.1-2 ?Do claro Assento ..., o gro Tebano?: outro nome de Baco, por sua me, Smele, ser de Tebas; ?Que da paternal coxa foi nascido?: Baco, ?Ignigenamque satumque iterum solumque bimatrem, como diz Ovdio, M, IV.12, porque sua me, Smele, quis que Zeus se lhe mostrasse em toda a sua potncia; mas, no podendo suportar a vista dos raios que o cercavam, caiu fulminada. Zeus apressou-se a arrancar o filho que ela trazia no seio, apenas com seis meses, e coseu-o imediatamente na sua coxa. Quando chegou o termo, saiu de l perfeitamente formado e vivo. por isso o ?duas vezes 46 ----------------------- Page 94----------------------- OS LUSADAS gerado?, ?o nico que teve duas mes?. Ort.: avorrecido (por aborrecido). 74.6 ?... qualidadesgenerosas?: no sentido latino de generosus : de boa raa, nobre. 75.2-7 ?O filho de Filipo nesta parte?: Alexandre Magno, ?o gro Macednio? (I.75.7), que submeteu uma parte da ndia (356-323 a. C.); ?Romano? Trajano (v. I.3.3). Ort.: sometesse (por submetesse). 76.4 ?Que nunca veja as partes do Oriente?: que nunca ver ... Ort.: decerei (por descerei). 77.4-8 ?Pera o Prasso sabido se moveu?: para o conhecido promontrio Prasso (v. I.43.5); ?... e co Xeque mui valido?: Xeque o governador, chefe de tribo arbica. 78.4 ?... de novo?: ltimamente. 80.1-8 ?E tambm sei que tem determinado?: v. Castanheda, I.VII; ?Porque, saindo agente ... / Caro ...?: concordncia com o sujeito colectivo no singular. 81.3-5 ?Eu tenho imaginada no conceito?: concordncia com o compl. directo; ?Outra manha e ardil ...?: pleonasmo; ?Manda-lhe dar piloto, que dejeito ?:jeito rima comjeito do primeiro verso da mesma estncia. 82.1-7 ?Tanto que estas palavras ...?: o sujeito Baco; ?... nos tais casos sbio e velho?: sbio e experimentado; ?Pera que ao Portugus se lhe tomasse?: lhe pleonasmo. Belgero latinismo. 47 ----------------------- Page 95----------------------- OS LUSADAS 83.7 ?Que, se daqui escapar, que l adiante?: repetio anacoltica do segundo que. 84-1-3 ?J o raio Apolneo ...?: o singular pelo plural; ?Os Montes Nabateios acendido [o raio]?: habitados pelos Nabateus, descendentes de Nabath, primognito de Ismael, tribo do Noroeste da Arbia, entre o mar Vermelho e o Eufrates. Aqui os Montes so tomados pelas partes do Oriente; ?Quando Gama ...?: caso de fontica sintctica. 85.2 ?De antes, pelo piloto necessrio?: por antes. 86.3-5 ?Um ... / Outro ...?: uns ... outros; ?... de azagaia?: azagaia, lana curta; ?... seta ervada?: seta envenenada com sucos de ervas; ?Outros muitos j postos em cilada?: estando outros muitos postos em cilada. 87.3-5 ?Com a adarga e co a hstea perigosa?: adarga, escudo oval, de coiro (adarga nada tem que ver com adaga); a gente generosa ?: como em I.74.6. 88.1 ?Qual no corro sanguino ...?: esta estncia pertence para a anterior (87), e no para a seguinte (89). necessrio que a pontuao o torne evidente. Corngera: latinismo. Ort.: atroce (lat.) (por atroz). 89.3-7 ?Aplmbea pla mata, o brado espanta?:plmbea pla , bala de chumbo; brado, estrondo; ?J foge o escondido ...?: os Mouros escondidos em cilada. Ort.: assovia (por assobia). 91.3 ?A pedra, o pau e o canto arremessando?: canto como sinnimo de pedra talhada era usual no tempo. Cames usa-o tambm na Lrica. 48 ----------------------- Page 96----------------------- OS LUSADAS 91.4-8 ?D-lhe armas o furor desatinado?: em Virglio, E, I.150: ?jamque faces et saxa volant, furor arma ministrat?; ?... e todo o mais,?: ... e tudo o mais; ?Passa e corta do mar o estreito brao / Que a Ilha em torno cerca em pouco espao?: empouco espao pertence para Passa e corta. Cames condensa e transforma nestas estncias a narrativa de Castanheda (I.VII) e de Barros (I.IV.IV). 92.1-6 ?Uns vo nas almadias carregadas?: embarcao ligeira, de duas proas, feita, de um tronco de rvore escavado. Movida a remo e por vezes com uma vela em duas hastes, dispostas em forma de V; ?Um corta o mar ...?: uns ...; ?Quem se afoga ...?: uns ...; ?Quem bebe o mar ...?: outros ...; ?Os pangaios sutis ...?: pequena embarcao de tbuas unidas por cordas. Sutis, pequenos e leves. 94.2 ?O Regedor daquela inica terra?. Ort.: inica (por inqua). 95.1-8 ?... que j lhe ...?: a quem j; ?... a tento?: acauteladamente; ?As velas manda dar ao largo vento?: a edioprinceps tem ?Aas velas manda dar ...? No impossvel esta construo no tempo. 96.2-3 ?As ondas de Anfitrite dividia?: Anfitrite era a rainha do mar. Pertence ao grupo das Nereidas. Casou com Neptuno (Posdon); ?Das filhas de Nereu acompanhada?: as Nereidas. 97.5 ?Dando razo dos portos ...?: dando notcia ... 98.2 ?Com que Snon os Frgios enganou?: Snon, o clebre grego de que fala Virglio, que conseguiu introduzir o cavalo de pau dentro dos muros de Tria (E, 57-267). Os Frgios eram os Troianos, pois que Tria era na Frgia. 49 ----------------------- Page 97----------------------- OS LUSADAS 99.1-6 ?O mesmo o falso Mouro determina / Que o seguro Cristo lhe manda e pede?: o mesmo (que o confiado Capito lhe manda e pede) o falso Mouro determina; ?Porque em poder e foras ...?: pleonasmo; ?Aa Moambique, esta ilha ...?: na edioprinceps . Ort.: malina (por maligna). 100.2 ?Mas a Deusa em Citere celebrada?: Vnus ou Citereia. Esta salva a armada dos perigos naturais da entrada de Quloa (cf. Castanheda, I.VIII). Ort.: contrairos (por contrrios). 101.7-7 ?... cuja gente / Eram Cristos ...?: concordncia do colectivo singular com o verbo no plural. Ort.: inica (por inqua). 102.7-8 ?Mas, no querendo a deusa guardadora, / No entra pela barra, e surge fora?: Vnus defendeu os Portugueses em Quloa e volta a defend-los em Mombaa (v. Castanheda, I.IX). 105.2 Ort.: debaxo (por debaixo). 106.2-8 ?... a morte apercebida?: aparelhada; ?Contra um bicho da terra to pequeno??: Cames repete o verso que usou na canoJunto de um seco, fero e estril monte ... Ort.: avorrecida (por aborrecida). 50 ----------------------- Page 98----------------------- OS LUSADAS II 1 J neste tempo o lcido Planeta Que as horas vai do dia distinguindo, Chegava desejada e lenta meta, A luz celeste s gentes encobrindo; E da casa martima secreta Lhe estava o Deus Nocturno a porta abrindo, Quando as infidas gentes se chegaram s naus, que pouco havia que ancoraram. 2 Dantre eles um, que traz encomendado O mortfero engano, assi dizia: ? Capito valeroso, que cortado Tens de Neptuno o reino e salsa via, O Rei que manda esta Ilha, alvoraado Da vinda tua, tem tanta alegria Que no deseja mais que agasalhar-te, Ver-te e do necessrio reformar-te. 3 E porque est em extremo desejoso De te ver, como cousa nomeada, Te roga que, de nada receoso, Entres a barra, tu com toda armada; E porque do caminho trabalhoso Trars a gente dbil e cansada, Diz que na terra podes reform-la, Que a natureza obriga a desej-la. 51 ----------------------- Page 99----------------------- OS LUSADAS 4 E se buscando vs mercadoria Que produze o aurfero Levante, Canela, cravo, ardente especiaria Ou droga salutfera e prestante; Ou se queres luzente pedraria, O rubi fino, o rgido diamante, Daqui levars tudo to sobejo Com que faas o fim a teu desejo. 5 Ao mensageiro o Capito responde, As palavras do Rei agradecendo, E diz que, porque o Sol no mar se esconde, No entra pera dentro, obedecendo; Porm que, como a luz mostrar por onde V sem perigo a frota, no temendo, Cumprir sem receio seu mandado, Que a mais por tal senhor est obrigado. 6 Pergunta-lhe despois se esto na terra Cristos, como o piloto lhe dizia; O mensageiro astuto, que no erra, Lhe diz que a mais da gente em Cristo cria. Desta sorte do peito lhe desterra Toda a suspeita e cauta fantasia; Por onde o Capito seguramente Se fia da infiel e falsa gente. 52 ----------------------- Page 100----------------------- OS LUSADAS 7 E de alguns que trazia, condenados Por culpas e por feitos vergonhosos, Por que pudessem ser aventurados Em casos desta sorte duvidosos, Manda dous mais sagazes, ensaiados, Por que notem dos Mouros enganosos A cidade e poder, e por que vejam Os Cristos, que s tanto ver desejam. 8 E por estes ao Rei presentes manda, Por que a boa vontade que mostrava Tenha firme, segura, limpa e branda, A qual bem ao contrrio em tudo estava. J a companhia prfida e nefanda Das naus se despedia e o mar cortava: Foram com gestos ledos e fingidos Os dous da frota em terra recebidos. 9 E despois que ao Rei apresentaram Co recado os presentes que traziam, A cidade correram, e notaram Muito menos daquilo que queriam; Que os Mouros cautelosos se guardaram De lhe mostrarem tudo o que pediam; Que onde reina a malcia, est o receio Que a faz imaginar no peito alheio. 10 Mas aquele que sempre a mocidade Tem no rosto perptua, e foi nascido De duas mes, que urdia a falsidade Por ver o navegante destrudo, Estava nua casa da cidade, Com rosto humano e hbito fingido, Mostrando-se Cristo, e fabricava Um altar sumptuoso que adorava. 53 ----------------------- Page 101----------------------- OS LUSADAS 11 Ali tinha em retrato afigurada Do alto e Santo Esprito a pintura, A cndida Pombinha, debuxada Sobre a nica Fnix, virgem pura; A companhia santa est pintada, Dos doze, to torvados na figura Como os que, s das lnguas que caram De fogo, vrias lnguas referiram. 12 Aqui os dous companheiros, conduzidos Onde com este engano Baco estava, Pem em terra os giolhos, e os sentidos Naquele Deus que o Mundo governava. Os cheiros excelentes, produzidos Na Pancaia odorfera, queimava O Tioneu, e assi por derradeiro O falso Deus adora o verdadeiro. 13 Aqui foram de noite agasalhados, Com todo o bom e honesto tratamento Os dous Cristos, no vendo que enganados Os tinha o falso e santo fingimento. Mas, assi como os raios espalhados Do Sol foram no mundo, e num momento Apareceu no rbido Horizonte Na moa de Tito a roxa fronte, 14 Tornam da terra os Mouros co recado Do Rei pera que entrassem, e consigo Os dous que o Capito tinha mandado, A quem se o Rei mostrou sincero amigo; E sendo o Portugus certificado De no haver receio de perigo E que gente de Cristo em terra havia, Dentro no salso rio entrar queria. 54 ----------------------- Page 102----------------------- OS LUSADAS 15 Dizem-lhe os que mandou que em terra viram Sacras aras e sacerdote santo; Que ali se agasalharam e dormiram Enquanto a luz cobriu o escuro manto; E que no Rei e gentes no sentiram Seno contentamento e gosto tanto Que no podia certo haver suspeita Nua mostra to clara e to perfeita. 16 Co isto o nobre Gama recebia Alegremente os Mouros que subiam, Que levemente um nimo se fia De mostras que to certas pareciam. A nau da gente prfida se enchia, Deixando a bordo os barcos que traziam. Alegres vinham todos porque crm Que a presa desejada certa tm. 17 Na terra cautamente aparelhavam Armas e munies, que, como vissem Que no rio os navios ancoravam, Neles ousadamente se subissem; E nesta treo determinavam Que os de Luso de todo destrussem, E que, incautos, pagassem deste jeito O mal que em Moambique tinham feito. 18 As ncoras tenaces vo levando, Com a nutica grita costumada; Da proa as velas ss ao vento dando, Inclinam pera a barra abalizada. Mas a linda Ericina, que guardando Andava sempre a gente assinalada, Vendo a cilada grande e to secreta, Voa do Cu ao mar como ua seta. 55 ----------------------- Page 103----------------------- OS LUSADAS 19 Convoca as alvas filhas de Nereu, Com toda a mais cerlea companhia, Que, porque no salgado mar nasceu, Das guas o poder lhe obedecia; E, propondo-lhe a causa a que deceu, Com todos juntamente se partia Pera estorvar que a armada no chegasse Aonde pera sempre se acabasse. 20 J na gua erguendo vo, com grande pressa, Com as argnteas caudas branca escuma; Cloto co peito corta e atravessa Com mais furor o mar do que costuma; Salta Nise, Nerine se arremessa Por cima da gua crespa em fora suma; Abrem caminho as ondas encurvadas, De temor das Nereidas apressadas. 21 Nos ombros de um Trito, com gesto aceso, Vai a linda Dione furiosa; No sente quem a leva o doce peso, De soberbo com carga to fermosa. J chegam perto donde o vento teso Enche as velas da frota belicosa; Repartem-se e rodeiam nesse instante As naus ligeiras, que iam por diante. 22 Pe-se a Deusa com outras em direito Da proa capitaina, e ali fechando O caminho da barra, esto de jeito Que em vo assopra o vento, a vela inchando; Pem no madeiro duro o brando peito, Pera detrs a forte nau forando; Outras em derredor levando-a estavam E da barra inimiga a desviavam. 56 ----------------------- Page 104----------------------- OS LUSADAS 23 Quais pera a cova as prvidas formigas, Levando o peso grande acomodado As foras exercitam, de inimigas Do inimigo Inverno congelado; Ali so seus trabalhos e fadigas, Ali mostram vigor nunca esperado: Tais andavam as Ninfas estorvando gente Portuguesa o fim nefando. 24 Torna pera detrs a nau, forada, Apesar dos que leva, que, gritando, Mareiam velas; ferve a gente irada, O leme a um bordo e a outro atravessando; O mestre astuto em vo da popa brada, Vendo como diante ameaando Os estava um martimo penedo, Que de quebrar-lhe a nau lhe mete medo. 25 A celeuma medonha se alevanta No rudo marinheiro que trabalha; O grande estrondo a Maura gente espanta, Como se vissem hrrida batalha; No sabem a razo de fria tanta, No sabem nesta pressa quem lhe valha: Cuidam que seus enganos so sabidos E que ho-de ser por isso aqui punidos. 26 Ei-los sbitamente se lanavam A seus batis veloces que traziam; Outros em cima o mar alevantavam Saltando n? gua, a nado se acolhiam; De um bordo e doutro sbito saltavam, Que o medo os compelia do que viam; Que antes querem ao mar aventurar-se Que nas mos inimigas entregar-se. 57 ----------------------- Page 105----------------------- OS LUSADAS 27 Assi como em selvtica alagoa As rs, no tempo antigo Lcia gente, Se sentem porventura vir pessoa, Estando fora da gua incautamente, Daqui e dali saltando (o charco soa), Por fugir do perigo que se sente, E, acolhendo-se ao couto que conhecem, Ss as cabeas na gua lhe aparecem: 28 Assi fogem os Mouros; e o piloto, Que ao perigo grande as naus guiara, Crendo que seu engano estava noto, Tambm foge, saltando na gua amara. Mas, por no darem no penedo imoto, Onde percam a vida doce e cara, A ncora solta logo a capitaina, Qualquer das outras junto dela amaina. 29 Vendo o Gama, atentado, a estranheza Dos Mouros, no cuidada, e juntamente O piloto fugir-lhe com presteza, Entende o que ordenava a bruta gente; E vendo, sem contraste e sem braveza Dos ventos ou das guas sem corrente, Que a nau passar avante no podia, Havendo-o por milagre, assi dizia: 30 ? caso grande, estranho e no cuidado! milagre clarssimo e evidente, descoberto engano inopinado, prfida, inimiga e falsa gente! Quem poder do mal aparelhado Livrar-se sem perigo, sbiamente, Se l de cima a Guarda Soberana No acudir fraca fora humana? 58 ----------------------- Page 106----------------------- OS LUSADAS 31 Bem nos mostra a Divina Providncia Destes portos a pouca segurana, Bem claro temos visto na aparncia Que era enganada a nossa confiana; Mas pois saber humano nem prudncia Enganos to fingidos no alcana, tu, Guarda Divina, tem cuidado De quem sem ti no pode ser guardado! 32 E, se te move tanto a piedade Desta msera gente peregrina, Que, s por tua altssima bondade, Da gente a salvas prfida e malina, Nalgum porto seguro de verdade Conduzir-nos j agora determina, Ou nos amostra a terra que buscamos, Pois s por teu servio navegamos. 33 Ouviu-lhe estas palavras piadosas A fermosa Dione e, comovida, Dantre as Ninfas se vai, que sadosas Ficaram desta sbita partida. J penetra as Estrelas luminosas, J na terceira Esfera recebida Avante passa, e l no sexto Cu, Pera onde estava o Padre, se moveu. 34 E, como ia afrontada do caminho, To fermosa no gesto se mostrava Que as Estrelas e o Cu e o Ar vizinho E tudo quanto a via, namorava. Dos olhos, onde faz seu filho o ninho, Uns espritos vivos inspirava, Com que os Plos gelados acendia, E tornava do Fogo a Esfera, fria. 59 ----------------------- Page 107----------------------- OS LUSADAS 35 E, por mais namorar o soberano Padre, de quem foi sempre amada e cara, Se lh? apresenta assi como ao Troiano, Na selva Ideia, j se apresentara. Se a vira o caador que o vulto humano Perdeu, vendo Diana na gua clara, Nunca os famintos galgos o mataram, Que primeiro desejos o acabaram. 36 Os crespos fios d? ouro se esparziam Pelo colo que a neve escurecia; Andando, as lcteas tetas lhe tremiam, Com quem Amor brincava e no se via; Da alva petrina flamas lhe saam, Onde o Minino as almas acendia. Polas lisas colunas lhe trepavam Desejos, que como hera se enrolavam. 37 Cum delgado cendal as partes cobre De quem vergonha natural reparo; Porm nem tudo esconde nem descobre O vu, dos roxos lrios pouco avaro; Mas, pera que o desejo acenda e dobre, Lhe pe diante aquele objecto raro. J se sentem no Cu, por toda a parte, Cimes em Vulcano, amor em Marte. 38 E mostrando no anglico sembrante Co riso ua tristeza misturada, Como dama que foi do incauto amante Em brincos amorosos mal tratada, Que se aqueixa e se ri num mesmo instante E se torna entre alegre, magoada, Destarte a Deusa a quem nenhua iguala, Mais mimosa que triste ao Padre fala: 60 ----------------------- Page 108----------------------- OS LUSADAS 39 ? Sempre eu cuidei, Padre poderoso, Que, pera as cousas que eu do peito amasse, Te achasse brando, afbil e amoroso, Posto que a algum contrairo lhe pesasse; Mas, pois que contra mi te vejo iroso, Sem que to merecesse nem te errasse, Faa-se como Baco determina; Assentarei, enfim, que fui mofina. 40 Este povo, que meu, por quem derramo As lgrimas que em vo cadas vejo, Que assaz de mal lhe quero, pois que o amo, Sendo tu tanto contra meu desejo; Por ele a ti rogando, choro e bramo, E contra minha dita enfim pelejo. Ora pois, porque o amo mal tratado; Quero-lhe querer mal, ser guardado. 41 Mas moura enfim nas mos das brutas gentes, Que pois eu fui ... E nisto, de mimosa, O rosto banha em lgrimas ardentes, Como co orvalho fica a fresca rosa. Calada um pouco, como se entre os dentes Lhe impedira a fala piedosa, Torna a segui-la; e indo por diante, Lhe atalha o poderoso e gro Tonante. 42 E destas brandas mostras comovido, Que moveram de um tigre o peito duro, Co vulto alegre, qual, do Cu subido, Torna sereno e claro o ar escuro, As lgrimas lhe alimpa e, acendido, Na face a beija e abraa o colo puro; De modo que dali, se s se achara, Outro novo Cupido se gerara. 61 ----------------------- Page 109----------------------- OS LUSADAS 43 E, co seu apertando o rosto amado, Que os saluos e lgrimas aumenta, Como minino da ama castigado, Que quem no afaga o choro lhe acrecenta, Por lhe pr em sossego o peito irado, Muitos casos futuros lhe apresenta. Dos Fados as entranhas revolvendo, Desta maneira enfim lhe est dizendo: 44 ? Fermosa filha minha, no temais Perigo algum nos vossos Lusitanos, Nem que ningum comigo possa mais Que esses chorosos olhos soberanos; Que eu vos prometo, filha, que vejais Esquecerem-se Gregos e Romanos, Pelos ilustres feitos que esta gente H-de fazer nas partes do Oriente, 45 Que, se o facundo Ulisses escapou De ser na Oggia Ilha eterno escravo, E se Antenor os seios penetrou Ilricos e a fonte de Timavo, E se o piadoso Eneias navegou De Cila e de Carbdis o mar bravo, Os vossos, mores cousas atentando, Novos mundos ao mundo iro mostrando. 46 Fortalezas, cidades e altos muros Por eles vereis, filha, edificados; Os Turcos belacssimos e duros Deles sempre vereis desbaratados; Os Reis da ndia, livres e seguros, Vereis ao Rei potente sojugados, E por eles, de tudo enfim senhores, Sero dadas na terra leis milhores. 62 ----------------------- Page 110----------------------- OS LUSADAS 47 Vereis este que agora, pres[s]uroso, Por tantos medos o Indo vai buscando, Tremer dele Neptuno de medroso, Sem vento suas guas encrespando. caso nunca visto e milagroso, Que trema e ferva o mar, em calma estando! gente forte e de altos pensamentos, Que tambm dela ho medo os Elementos! 48 Vereis a terra que a gua lhe tolhia, Que inda h-de ser um porto mui decente, Em que vo descansar da longa via As naus que navegarem do Ocidente. Toda esta costa, enfim, que agora urdia O mortfero engano, obediente Lhe pagar tributos, conhecendo No poder resistir ao Luso horrendo. 49 E vereis o Mar Roxo, to famoso, Tornar-se-lhe amarelo, de enfiado; Vereis de Ormuz o Reino poderoso Duas vezes tomado e sojugado. Ali vereis o Mouro furioso De suas mesmas setas traspassado; Que quem vai contra os vossos, claro veja Que, se resiste, contra si peleja. 50 Vereis a inexpugnbil Dio forte Que dous cercos ter, dos vossos sendo; Ali se mostrar seu preo e sorte, Feitos de armas grandssimos fazendo. Envejoso vereis o gro Mavorte Do peito Lusitano, fero e horrendo; Do Mouro ali vero que a voz extrema Do falso Mahamede ao Cu blasfema. 63 ----------------------- Page 111----------------------- OS LUSADAS 51 Goa vereis aos Mouros ser tomada, A qual vir despois a ser senhora De todo o Oriente, e sublimada Cos triunfos da gente vencedora. Ali, soberba, altiva e exalada, Ao Gentio que os dolos adora Duro freio por, e a toda a terra Que cuidar de fazer aos vossos guerra. 52 Vereis a fortaleza sustentar-se De Cananor, com pouca fora e gente; E vereis Calecu desbaratar-se, Cidade populosa e to potente; E vereis em Cochim assinalar-se Tanto um peito soberbo e insolente Que ctara jamais cantou vitria Que assi merea eterno nome e glria. 53 Nunca com Marte instruto e furioso Se viu ferver Leucate, quando Augusto Nas civis ctias guerras, animoso, O Capito venceu Romano injusto, Que dos povos de Aurora e do famoso Nilo e do Bactra Ctico e robusto A vitria trazia e presa rica, Preso da Egpcia linda e no pudica, 54 Como vereis o mar fervendo aceso Cos incndios dos vossos, pelejando, Levando o Idololatra e o Mouro preso, De naes diferentes triunfando; E, sujeita a rica urea Quersoneso, At o longico China navegando E as Ilhas mais remotas do Oriente, Ser-lhe- todo o Oceano obediente. 64 ----------------------- Page 112----------------------- OS LUSADAS 55 De modo, filha minha, que de jeito Amostraro esforo mais que humano, Que nunca se ver to forte peito, Do Gangtico mar ao Gaditano, Nem das Boreais ondas ao Estreito Que mostrou o agravado Lusitano, Posto que em todo o mundo, de afrontados, Re[s]sucitassem todos os passados. 56 Como isto disse, manda o consagrado Filho de Maia Terra, por que tenha Um pacfico porto e sossegado, Pera onde sem receio a frota venha; E, pera que em Mombaa, aventurado, O forte Capito se no detenha, Lhe manda mais que em sonhos lhe mostrasse A terra onde quieto repousasse. 57 J pelo ar o Cileneu voava; Com as asas nos ps Terra dece; Sua vara fatal na mo levava, Com que os olhos cansados adormece; Com esta, as tristes almas revocava Do Inferno, e o vento lhe obedece; Na cabea o galero costumado; E destarte a Melinde foi chegado. 58 Consigo a Fama leva, por que diga Do Lusitano o preo grande e raro, Que o nome ilustre a um certo amor obriga, E faz, a quem o tem, amado e caro. Destarte vai fazendo a gente, amiga, Co rumor famosssimo e perclaro. J Melinde em de sejos arde todo De ver da gente forte o gesto e modo. 65 ----------------------- Page 113----------------------- OS LUSADAS 59 Dali pera Mombaa logo parte, Aonde as naus estavam temerosas, Pera que gente mande que se aparte Da barra imiga e terras suspeitosas; Porque mui pouco val esforo e arte Contra infernais vontades enganosas; Pouco val corao, astcia e siso, Se l dos Cus no vem celeste aviso. 60 Meio caminho a noite tinha andado, E as Estrelas no Cu co a luz alheia, Tinham o largo Mundo alumiado, E s co sono a gente se recreia. O Capito ilustre, j cansado De vigiar a noite que arreceia, Breve repouso anto aos olhos dava, A outra gente a quartos vigiava; 61 Quando Mercrio em sonhos lhe aparece, Dizendo: ? fuge, fuge, Lusitano, Da cilada que o Rei malvado tece, Por te trazer ao fim e extremo dano! Fuge, que o vento e o Cu te favorece; Sereno o tempo tens e o Oceano E outro Rei mais amigo, noutra parte, Onde podes seguro agasalhar-te! 62 No tens aqui seno aparelhado O hospcio que o cru Diomedes dava, Fazendo ser manjar acostumado De cavalos a gente que hospedava; As aras de Busris infamado, Onde os hspedes tristes imolava, Ters certas aqui, se muito esperas: Fuge das gentes prfidas e feras! 66 ----------------------- Page 114----------------------- OS LUSADAS 63 Vai-te ao longo da costa discorrendo E outra terra achars de mais verdade, L qusi junto donde o Sol, ardendo, Iguala o dia e noite em quantidade; Ali tua frota alegre recebendo, Um Rei, com muitas obras de amizade, Gasalhado seguro te daria E, pera a ndia, certa e sbia guia. 64 Isto Mercrio disse, e o sono leva Ao Capito, que, com mui grande espanto, Acorda e v ferida a escura treva De ua sbita luz e raio santo; E vendo claro quanto lhe releva No se deter na terra inica tanto, Com novo esprito ao mestre seu mandava Que as velas desse ao vento que assoprava. 65 ? Dai velas (disse) dai ao largo vento, Que o Cu nos favorece e Deus o manda; Que um mensageiro vi do claro Assento, Que s em favor de nossos passos anda. Alevanta-se nisto o movimento Dos marinheiros, de ua e de outra banda; Levam gritando as ncoras acima, Mostrando a ruda fora que se estima. 66 Neste tempo que as ncoras levavam, Na sombra escura os Mouros escondidos Mansamente as amarras lhe cortavam, Por serem, dando costa, destrudos; Mas com vista de linces vigiavam Os Portugueses, sempre apercebidos; Eles, como acordados os sentiram, Voando, e no remando, lhe fugiram. 67 ----------------------- Page 115----------------------- OS LUSADAS 67 Mas j as agudas proas apartando Iam as vias hmidas de argento; Assopra-lhe galerno o vento e brando, Com suave e seguro movimento. Nos perigos passados vo falando, Que mal se perdero do pensamento Os casos grandes, donde em tanto aperto A vida em salvo escapa por acerto. 68 Tinha ua volta dado o Sol ardente E noutra comeava, quando viram Ao longe dous navios, brandamente Cos ventos navegando, que respiram. Porque haviam de ser da Maura gente, Pera eles arribando, as velas viram. Um, de temor do mal que arreceava, Por se salvar a gente costa dava. 69 No o outro que fica to manhoso, Mas nas mos vai cair do Lusitano, Sem o rigor de Marte furioso E sem a fria horrenda de Vulcano; Que, como fosse dbil e medroso Da pouca gente o fraco peito humano, No teve resistncia; e, se a tivera, Mais dano, resistindo, recebera. 70 E como o Gama muito desejasse Piloto pera a ndia, que buscava, Cuidou que entre estes Mouros o tomasse, Mas no lhe sucedeu como cuidava; Que nenhum deles h que lhe ensinasse A que parte dos cus a ndia estava; Porm dizem-lhe todos que tem perto Melinde, onde acharo piloto certo. 68 ----------------------- Page 116----------------------- OS LUSADAS 71 Louvam do Rei os Mouros a bondade, Condio liberal, sincero peito, Magnificncia grande e humanidade, Com partes de grandssimo respeito. O Capito o assela por verdade, Porque j lho dissera deste jeito O Cileneu em sonhos; e partia Pera onde o sonho e o Mouro lhe dizia. 72 Era no tempo alegre, quando entrava No roubador de Europa a luz Febeia, Quando um e o outro corno lhe aquentava, E Flora derramava o de Amalteia; A memria do dia renovava O pres[s]uroso Sol, que o Cu rodeia, Em que Aquele a quem tudo est sujeito O selo ps a quanto tinha feito; 73 Quando chegava a frota quela parte Onde o Reino Melinde j se via, De toldos adornada e leda de arte Que bem mostra estimar o Santo dia. Treme a bandeira, voa o estandarte, A cor purprea ao longe aparecia; Soam os atambores e pandeiros; E assi entravam ledos e guerreiros. 74 Enche-se toda a praia Melindana Da gente que vem ver a leda armada, Gente mais verdadeira e mais humana Que toda a doutra terra atrs deixada. Surge diante a frota Lusitana, Pega no fundo a ncora pesada; Mandam fora um dos Mouros que tomaram, Por quem sua vinda ao Rei manifestaram. 69 ----------------------- Page 117----------------------- OS LUSADAS 75 O Rei, que j sabia da nobreza Que tanto os Portugueses engrandece, Tomarem o seu porto tanto preza Quanto a gente fortssima merece; E com verdadeiro nimo e pureza, Que os peitos generosos ennobrece, Lhe manda rogar muito que sassem Pera que de seus reinos se servissem. 76 So oferecimentos verdadeiros E palavras sinceras, no dobradas, As que o Rei manda aos nobres cavaleiros Que tanto mar e terras tm passadas. Manda-lhe mais langeros carneiros E galinhas domsticas cevadas, Com as frutas que anto na terra havia; E a vontade ddiva excedia. 77 Recebe o Capito alegremente O mensageiro ledo e seu recado; E logo manda ao Rei outro presente, Que de longe trazia aparelhado: Escarlata purprea, cor ardente, O ramoso coral, fino e prezado, Que debaxo das guas mole crece, E, como fora delas, se endurece. 78 Manda mais um, na prtica elegante, Que co Rei nobre as pazes concertasse E que de no sair, naquele instante, De suas naus em terra, o desculpasse. Partido assi o embaixador prestante, Como na terra ao Rei se apresentasse, Com estilo que Palas lhe ensinava, Estas palavras tais falando orava: 70 ----------------------- Page 118----------------------- OS LUSADAS 79 ? Sublime Rei, a quem do Olimpo puro Foi da suma Justia concedido Refrear o soberbo povo duro, No menos dele amado, que temido: Como porto mui forte e mui seguro, De todo o Oriente conhecido, Te vimos a buscar, pera que achemos Em ti o remdio certo que queremos. 80 No somos roubadores que, passando Pelas fracas cidades descuidadas, A ferro e a fogo as gentes vo matando, Por roubar-lhe as fazendas cobiadas; Mas, da soberba Europa navegando, Imos buscando as terras apartadas Da ndia, grande e rica, por mandado De um Rei que temos, alto e sublimado. 81 Que gerao to dura h i de gente, Que brbaro costume e usana feia, Que no vedem os portos to smente, Mas inda o hospcio da deserta areia? Que m teno, que peito em ns se sente, Que de to pouca gente se arreceia? Que, com laos armados, to fingidos, Nos ordenassem ver-nos destrudos? 82 Mas tu, em quem mui certo confiamos Achar-se mais verdade, o Rei benino, E aquela certa ajuda em ti esperamos Que teve o perdido taco em Alcino, A teu porto seguros navegamos, Conduzidos do intrprete divino; Que, pois a ti nos manda, est mui claro Que s de peito sincero, humano e raro. 71 ----------------------- Page 119----------------------- OS LUSADAS 83 E no cuides, o Rei, que no sasse O nosso Capito esclarecido A ver-te ou a servir-te, porque visse Ou suspeitasse em ti peito fingido; Mas sabers que o fez, por que cumprisse O regimento, em tudo obedecido, De seu Rei, que lhe manda que no saia, Deixando a frota, em nenhum porto ou praia. 84 E porque de vassalos o exerccio Que os membros tm, regidos da cabea, No querers, pois tens de Rei o ofcio, Que ningum a seu Rei desobedea; Mas as mercs e o grande benefcio Que ora acha em ti, promete que conhea Em tudo aquilo que ele e os seus puderem, Enquanto os rios pera o mar correrem. 85 Assi dizia; e todos juntamente, Uns com outros em prtica falando, Louvavam muito o estmago da gente Que tantos cus e mares vai passando; E o Rei ilustre, o peito obediente Dos Portugueses na alma imaginando, Tinha por valor grande e mui subido O do Rei que to longe obedecido; 86 E com risonha vista e ledo aspeito, Responde ao embaixador, que tanto estima: ? Toda a suspeita m tirai do peito, Nenhum frio temor em vs se imprima, Que vosso preo e obras so de jeito Pera vos ter o mundo em muita estima; E quem vos fez molesto tratamento No pode ter subido pensamento. 72 ----------------------- Page 120----------------------- OS LUSADAS 87 De no sair em terra toda a gente, Por observar a usada preminncia, Ainda que me pese estranhamente, Em muito tenho a muita obedincia; Mas, se lho o regimento no consente, Nem eu consentirei que a excelncia De peitos to leais em si desfaa, S porque a meu desejo satisfaa. 88 Porm, como a luz crstina chegada Ao mundo for, em minhas almadias Eu irei visitar a forte armada, Que ver tanto desejo h tantos dias. E, se vier do mar desbaratada Do furioso vento e longas vias, Aqui ter de limpos pensamentos Piloto, munies e mantimentos. 89 Isto disse; e nas guas se escondia O filho de Latona; e o mensageiro, Co a embaixada, alegre se partia Pera a frota no seu batel ligeiro. Enchem-se os peitos todos de alegria, Por terem o remdio verdadeiro Pera acharem a terra que buscavam; E assi ledos a noite festejavam. 90 No faltam ali os raios de artifcio, Os trmulos cometas imitando; Fazem os bombardeiros seu ofcio, O cu, a terra e as ondas atroando; Mostra-se dos Ciclopas o exerccio, Nas bombas que de fogo esto queimando; Outros com vozes com que o cu feriam, Instrumentos altssonos tangiam. 73 ----------------------- Page 121----------------------- OS LUSADAS 91 Respondem-lhe da terra juntamente, Co raio volteando com zunido; Anda em giros no ar a roda ardente, Estoira o p sulfreo escondido; A grita se alevanta ao cu, da gente; O mar se via em fogos acendido E no menos a terra; e assi festeja Um ao outro, maneira de peleja. 92 Mas j o Cu inquieto, revolvendo, As gentes incitava a seu trabalho; E j a me de Menon, a luz trazendo, Ao sono longo punha certo atalho; Iam-se as sombras lentas desfazendo, Sobre as flores da terra em frio orvalho, Quando o Rei Melindano se embarcava, A ver a frota que no mar estava. 93 Viam-se em derredor ferver as praias, Da gente que a ver s concorre leda; Luzem da fina prpura as cabaias, Lustram os panos da tecida seda. Em lugar de guerreiras azagaias E do arco que os cornos arremeda Da Lua, trazem ramos de palmeira, Dos que vencem, coroa verdadeira. 94 Um batel grande e largo, que toldado Vinha de sedas de diversas cores, Traz o Rei de Melinde, acompanhado De nobres de seu Reino e de senhores. Vem de ricos vestidos adornado, Segundo seus costumes e primores; Na cabea, ua fota guarnecido De ouro, e de seda e de algodo tecida; 74 ----------------------- Page 122----------------------- OS LUSADAS 95 Cabaia de Damasco rico e dino, Da Tria cor, entre eles estimada; Um colar ao pescoo, de ouro fino, Onde a matria da obra superada, Cum resplendor reluze adamantino; Na cinta a rica adaga, bem lavrada; Nas alparcas dos ps, em fim de tudo, Cobrem ouro e aljfar ao veludo. 96 Com um redondo emparo alto de seda, Nua alta e dourada hstea enxerido, Um ministro solar quentura veda Que no ofenda e queime o Rei subido. Msica traz na proa, estranha e leda, De spero som, horrssono ao ouvido, De trombetas arcadas em redondo, Que, sem concerto, fazem rudo estrondo. 97 No menos guarnecido, o Lusitano, Nos seus batis, da frota se partia, A receber no mar o Melindano, Com lustrosa e honrada companhia. Vestido o Gama vem ao modo Hispano, Mas Francesa era a roupa que vestia, De cetim da Adritica Veneza, Carmesi, cor que a gente tanto preza; 98 De botes d? ouro as mangas vm tomadas Onde o Sol, reluzindo, a vista cega; As calas soldadescas, recamadas Do metal que Fortuna a tantos nega; E com pontas do mesmo, delicadas, Os golpes do gibo ajunta e achega; Ao Itlico modo a urea espada; Pruma na gorra, um pouco declinada. 75 ----------------------- Page 123----------------------- OS LUSADAS 99 Nos de sua companhia se mostrava Da tinta que d o mrice excelente A vria cor, que os olhos alegrava, E a maneira do trajo diferente. Tal o fermoso esmalte se notava Dos vestidos, olhados juntamente, Qual aparece o arco rutilante Da bela Ninfa, filha de Taumante. 100 Sonorosas trombetas incitavam Os nimos alegres, ressoando; Dos Mouros os batis o mar coalhavam, Os toldos pelas guas arrojando; As bombardas horrssonas bramavam, Com as nuvens de fumo o Sol tomando; Amidam-se os brados acendidos, Tapam com as mos os Mouros os ouvidos. 101 J no batel entrou do Capito O Rei, que nos seus braos o levava; Ele, co a cortesia que a razo (Por ser Rei) requeria, lhe falava. Cuas mostras de espanto e admirao, O Mouro o gesto e o modo lhe notava, Como quem em mui grande estima tinha Gente que de to longe ndia vinha. 102 E com grandes palavras lhe oferece Tudo o que de seus reinos lhe cumprisse, E que, se mantimento lhe falece, Como se prprio fosse, lho pedisse. Diz-lhe mais que por fama bem conhece A gente Lusitana, sem que a visse; Que j ouviu dizer que noutra terra Com gente de sua Lei tivesse guerra; 76 ----------------------- Page 124----------------------- OS LUSADAS 103 E como por toda frica se soa, Lhe diz, os grandes feitos que fizeram Quando nela ganharam a coroa Do Reino onde as Hespridas viveram; E com muitas palavras apregoa O menos que os de Luso mereceram E o mais que pela fama o Rei sabia; Mas desta sorte o Gama respondia: 104 ? tu que, s, tiveste piedade, Rei benigno, da gente Lusitana, Que com tanta misria e adversidade Dos mares exprimenta a fria insana: Aquela alta e divina Eternidade Que o Cu revolve e rege a gente humana, Pois que de ti tais obras recebemos, Te pague o que ns outros no podemos. 105 Tu s, de todos quantos queima Apolo, Nos recebes em paz, do mar profundo; Em ti, dos ventos hrridos de Eolo Refgio achamos, bom, fido e jocundo. Enquanto apacentar o largo Plo As Estrelas, e o Sol der lume ao Mundo, Onde quer que eu viver, com fama e glria Vivero teus louvores em memria. 106 Isto dizendo, os barcos vo remando Pera a frota, que o Mouro ver deseja; Vo as naus ua e ua rodeando, Por que de todas tudo note e veja. Mas pera o Cu Vulcano fuzilando, A frota co as bombardas o festeja E as trombetas canoras lhe tangiam; Cos anafis os Mouros respondiam. 77 ----------------------- Page 125----------------------- OS LUSADAS 107 Mas, despois de ser tudo j notado Do generoso Mouro, que pasmava Ouvindo o instrumento inusitado, Que tamanho terror em si mostrava, Mandava estar quieto e ancorado N? gua o batel ligeiro que os levava, Por falar de vagar co forte Gama Nas cousas de que tem notcia e fama. 108 Em prticas o Mouro diferentes Se deleitava, perguntando agora Pelas guerras famosas e excelentes Co povo havidas que a Mafoma adora; Agora lhe pergunta pelas gentes De toda a Hespria ltima, onde mora; Agora, pelos povos seus vizinhos, Agora, pelos hmidos caminhos. 109 ? Mas antes, valeroso Capito, Nos conta (lhe dizia), diligente, Da terra tua o clima e regio Do mundo onde morais, distintamente; E assi de vossa antiga gerao, E o princpio do Reino to potente, Cos sucessos das guerras do comeo, Que, sem sab-las, sei que so de preo; 110 E assi tambm nos conta dos rodeios Longos em que te traz o Mar irado, Vendo os costumes brbaros, alheios, Que a nossa frica ruda tem criado; Conta, que agora vm cos ureos freios Os cavalos que o carro marchetado Do novo Sol, da fria Aurora trazem; O vento dorme, o mar e as ondas jazem. 78 ----------------------- Page 126----------------------- OS LUSADAS 111 E no menos co tempo se parece O desejo de ouvir-te o que contares; Que quem h que por fama no conhece As obras Portuguesas singulares? No tanto desviado resplandece De ns o claro Sol, pera julgares Que os Melindanos tm to rudo peito Que no estimem muito um grande feito. 112 Cometeram soberbos os Gigantes, Com guerra v, o Olimpo claro e puro; Tentou Perito e Teseu, de ignorantes, O Reino de Pluto, horrendo e escuro. Se houve feitos no mundo to possantes, No menos trabalho ilustre e duro, Quanto foi cometer Inferno e Cu, Que outrem cometa a fria de Nereu. 113 Queimou o sagrado templo de Diana, Do sutil Tesifnio fabricado, Herstrato, por ser da gente humana Conhecido no mundo e nomeado. Se tambm com tais obras nos engana O desejo de um nome avantajado, Mais razo h que queira eterna glria Quem faz obras to dinas de memria. NOTAS 1.1-7 ?J neste tempo o lcido Planeta?: o Sol. Lcido, brilhante;planeta, por 79 ----------------------- Page 127----------------------- OS LUSADAS ser considerado uma estrela errtica; ?... e lenta meta?: vagarosa, que tarda em chegar (ao horizonte); ?Lhe estava o Deus Nocturno a porta abrindo?: Cames teve uma ideia concreta deste Deus Nocturno? rebo no pode ser, porque um deus das trevas infernais. Nix, sua irm, uma deusa da noite, mas trata-se de um deus. Trata-se talvez de Hspero. Em Plauto (Amphitruo), Nocturnus o deus da noite; mas nos Enfatries de Cames Mercrio quem manda sobre a extenso da noite; ?Quando as infidas gentes ...?: quando as gentes infiis. Lcido e infidas so latinismos. 2.2-4 ?O mortfero engano, ...?: mortfero latinismo; ?... salsa via?: salsa latinismo (salgada). 4.1-4 ?E se buscando vs mercadoria?: vs, forma antiga; o aurfero Levante? e ?... droga salutfera ...?; aurfero e salutfero so latinismos. 6.3-6 ?O mensageiro astuto ...?: manhoso: ?O Mouro como era astuto, & sabia que o Governador no se podia deter ali muito, foi-lhe dilatando o tempo de recado em recado ...? (Couto, V.VII-VI); ?... cauta fantasia?: cauta um latinismo. 7.3-6 ?Por que pudessem ser aventurados? e ?por que notem dos Mouros enganosos?:por que , para que. 8.3 ?Tenha firme, segura, ...? segura um latinismo: isenta de cuidados. 10.1-3 ?Mas aquele que sempre a mocidade / Tem no rosto perptua, e foi nascido / De duas mes, ...?: Baco foi sempre representado pelos artistas em figura de jovem. Quanto a 10.3, v. o nosso comentrio a I.73.1-2. 11.1-8 ?Ali tinha em retrato afigurada?: Castanheda, I.IX: ?Tab? estes nossos foro levados a casa de dous mercadores Indios, parece q} Christos de Sam Thome: q} sabendo q} os nossos ero Christos 80 ----------------------- Page 128----------------------- OS LUSADAS mostraro coeles muyto prazer, & os abraavo, & convidaro: & mostrarlhe pintada em hua carta a figura do Spirito Sancto a q} adoravo. E perteles fizer sua adorao em giolhos c geito dom?s muyto devotos?; ?s das lnguas ... / De fogo ...?: os doze Apstolos receberam delas o dom das lnguas. 12.6 ?Na Pancaia odorfera ...?: Pancaia, ilha fabulosa ou, segundo outros, parte da Arbia Feliz. Diz Virglio, G, II.139: ?Totaque thuriferis Panchaia pinguis arenis?. Isaque Vossius, nas suas Observaes a Pompnio Mela (ed. de 1748), diz, porm, o seguinte: ?Erat quidem Panchaia Arabiae Troglodyticae pars, verum non in ea Troglodyticae parte, qua est Heliopolis, verum ista, quae ostio sinus Arabaci adjacet. Errare enim eos qui Panchaiam Arabiae Felicis portionem faciunt ...? (p. 855.) Para Estrabo a ?terra de Pancaia? era uma inveno de Euhemerus. 12.7 ?O Tioneu ...?: Baco, filho de Tione (ou Smele), me de Dioniso. 13.3-5 ? ... no vendo que enganados? (a rimar com agasalhados e espalhados): a edioprinceps tem enganado. JMR, para quem o texto do poema estava sempre certo, explica que, exigindo a rima a leitura de ?enganados?, o que para isso falta vai-se buscar ao comeo do verso seguinte (v. LP, vol. II, 1930-31, p. 178); ?Mas, assi como os raios espalhados / Do Sol foram no mundo ...?: construoposterius prius: primeiro nasce o Sol, depois a Aurora (v. JMR, LP, vol. II, 1930-31, p. 127, nota). 13.7-8 ?Apareceu no rbido Horizonte?: rbido (vermelho) latinismo; ?Na moa de Tito a roxa fronte?: Tito (Tithonus), filho de Laomedonte e marido da Aurora. Virglio, E, IV.584-585: Et iam prima nouo spargebat lumine terras Tithoni croceum linquens Aurora cubile. 81 ----------------------- Page 129----------------------- OS LUSADAS (J a Aurora deixando o leito dourado de Tito comeava a banhar a Terra com a sua luz nova.) J FS notou que Cames disse com as palavras de Petrarca em Triunfos, cap. I: ?E la fanciulla de Titone, &c?; ?Na moa ...?, por ?Da moa ....?; ?roxa fronte?: rubra fonte. 14.8 ?Dentro no salso rio entrar queria.?: Dentro no, por dentro do, era frequente no sculo XVI (v. AFGV, NC, 3. fasc., p. 14); ?no salso rio? latinismo. 17.7 ?E que incautos ...?: incautos latinismo. 18.1 ?As ncoras tenaces vo levando?: tenaces (que resistem) latinismo. Castanheda, I.IX.: ?E no quer?do nosso senhor q} os nossos ali acabassem como os mouros tinho ordenado desviuou ho per esta maneira, q} levada a capitaina nuca quis fazer cabea pera entrar d?tro & ya sobre hu baixo q} tinha por popa. O que visto per Vasco da Gama por no se perder, mandou surgir muy depressa.? Vo levando , aqui, o acto de ir arrancando as ncoras do fundo. 18.3-4 ?Da proa as velas ss ao vento dando?: dar velas expresso latina: velas dare; ?... barra abalizada?: com balizas. 18.5 ?Mas a linda Ericina, que guardando?: no poema Ericina quem vai salvar as naus. Ericina, outro nome de Afrodite (Vnus). rix o heri que deu o seu nome montanha siciliana clebre pelo santurio de Afrodite, que o coroava. Horcio, O, I.II.33: ?Erycina ridens.? 19.1-2 ?Convoca as alvas filhas de Nereu?: Nereu, o Velho do Mar, filho de Pontos e de Gaia. Teve por mulher Dris, outra filha do Oceano, e com ela gerou as Nereidas; ?... cerlea companhia?: latinismo: crulo, azul. 82 ----------------------- Page 130----------------------- OS LUSADAS 19.3-4 ?... porque no salgado mar nasceu, / Das guas o poder lhe obedecia?: ora fazem de Afrodite (Vnus) a filha de Zeus e de Dione e ora de rano, cujos rgos genitais, cortados por Cronos, caram no mar e geraram a deusa, a ?Mulher-nascida-das-Ondas?. Assim se explica o poder de Vnus sobre as Nereidas. Outra tradio f-la nascer da espuma do mar. 19.7 ?Para estorvar que a armada no chegasse?: sintaxe hoje desusada. 20.2 ?... as argnteas caudas ...?: argnteas (prateadas) latinismo. 20.3 ?Cloto co peito corta e atravessa?: lapso de Cames. Cloto no nenhuma Nereida, mas sim uma das Parcas. Cloto estar por Doto. Virglio, E, IX.102-103: ?Qualis Nereia Doto / et Galatea secant spumantem pectore pontum.? 20.5 ?Salta Nise, Nerine se arremessa?. Numa lista de setenta e sete nomes no aparecem Nise e Nerine. Teriam sido inventados pelo Poeta. 20.8 ?De temor das Nereidas apressadas?: ?As Nereidas, dizia-se, viviam no fundo do mar, no palcio de seu pai (Nereu), sentadas em tronos de oiro. Eram todas de uma grande beleza. Ocupavam o seu tempo a fiar, a tecer e a cantar. Os poetas imaginam-nas tambm divertindo- se nas vagas, deixando flutuar a cabeleira, nadando por aqui e por ali entre os trites e os delfins? (Grimal). 21.1-2 ?Nos ombros de um Trito, com gesto aceso?: o nome de Trito aplica-se muitas vezes a um conjunto de seres que fazem parte do cortejo de Posdon. A parte superior do corpo como a de um homem, mas a inferior em forma de peixe. As Nereidas tambm possuem ?argnteas caudas? (II.20.2); com gesto aceso pertence para Dione; ?Vai a linda Dione furiosa?: como diz Textor, Epithetorum opus: ?Hanc poetae faciunt Oceani & Thetios filiam matremque Veneris, & pro 83 ----------------------- Page 131----------------------- OS LUSADAS ipsa Venere accipiunt.? Na Officina, CCXXXIII, 1, diz: ?Dione Oceani & Tethyos filia, Veneris mater.? Cames toma Dione por Vnus. 23.1 ?Quais para a cova asprvidas formigas?: prvidas (providentes) latinismo. 24.3-5 ?Mareiam velas; ...?: manobram as velas; ?...ferve a gente irada?: no sentido de trabalhar com af latinismo: ?Omnia ... vento nimbisque videbis / fervere? (Virglio, G, I.454); ?fervet immensusque ruit profundo / Pindarus ore? (Horcio, O, IV.II.7); ?O mestre astuto ...?: o mestre hbil. 25-1-4 ?A celeuma medonha se alevanta?: celeuma, do grego ???e?sa, todos ao mesmo tempo, gritaria simultnea; ?No rudo marinheiro ...?: No, por Do; ?... hrrida batalha?: hrrido latinismo. 26.2 ?... batis veloces ...?: veloces latinismo. 27.1-2 ?Assi como em selvtica alagoa / As rs ...?: a metamorfose da ?Lcia gente? (27.2) em rs belamente contada por Ovdio em M, VI.339-381. Assim como as rs saltam de todos os lados para o charco, que soa, assim fogem os Mouros. 28.3-5 ?... engano ... noto, / ... gua amara. / ... penedo imoto?: so latinismos. Respectivamente: conhecido ? amarga ? imvel. 29.1 ?Vendo o Gama, atentado, a estranheza?: Barros, I.IV.V: ?Tanto q} os Mouros q} estavo per os outros navios viro esta revolta, parec?dolhe que a traio q} elles levavo no peito era descoberta, todos hus por cima dos outros lanaranse aos barcos. Os que estavo em o navio de Vasco da Gama, vendo o q} estes fazio fizero outro tanto: at o piloto de Moambique que se lanou dos 84 ----------------------- Page 132----------------------- OS LUSADAS castellos de popa ao mar, tamanho foi o temor em todos?; atentado: atento. 30-5-6 ?... do mal aparelhado / Livrar-se sem perigo, sbiamente?: sbiamente pertence para aparelhado. 31.5-6 ?Mas pois saber humano nem prudncia?: dir-se-ia hoje: pois nem saber humano ... ; ?Enganos to fingidos ...?; traies to encobertas. 32.2 ?Desta msera genteperegrina ?: latinismo: gente estrangeira que anda por mares longnquos. 32.5 ?J penetra as Estrelas luminosas?: Estrelas est por Planetas. 33.5-7 ?J na terceira Esfera recebida / Avante passa ...?: a terceira Esfera a da prpria Vnus; ?... e l no sexto cu?: cu est por esfera: a esfera de Jpiter, o pai dos deuses. 34.1-8 ? ... afrontada do caminho?: ofegante; ?E tudo quanto a via, namorava?: a namorava; ?E tornava do fogo a Esfera, fria?: e tornava fria a Esfera do fogo. Segundo o sistema de Ptolemeu, o ar era envolvido pelo fogo, pela ?Esfera do fogo?. 35.3-4 ?Se lh? apresenta assi como ao Troiano / Na selva Ideia, j se apresentara?: trata-se do juzo de Pris (Troiano), pronunciado no monte Ida, no longe de Tria, sobre qual das trs deusas, Afrodite, Hera ou Palas Ateneia (que se lhe apresentaram despidas), era a mais bela. Mas o juzo no consistia propriamente em decidir qual delas era a mais bela, mas qual dos presentes que as deusas lhe ofereceram era o mais vantajoso. Ganhou Afrodite (Vnus), por ter dito a Pris que a mais bela mulher do Mundo lhe pertenceria. A mais bela 85 ----------------------- Page 133----------------------- OS LUSADAS mulher do Mundo era Helena, filha de Zeus e de Leda. Este julgamento foi a causa da guerra de Tria. 35.5-8 ?Se a vira o caador ...?: por ter visto rtemis contra vontade dela quando se banhava, nua, numa fonte, Acton, caador, foi pela deusa transformado em veado. Em seguida excitou contra ele a sua matilha de cinquenta ces, que o devorou. 36.3-5 ?... lcteas tetas ...?: latinismo; ?Da alvapetrina flamas lhe saam?: petrina prpriamente a cintura, ou cinto com fivelas, de coiro, que se cingia por cima da roupa (Morais). Mas como Vnus ia como aparecera diante de Pris no monte Ida, apetrina a cintura da mulher, ou o lugar onde se aperta apetrina. (v. AP, EC, p. 259 e nota). 37.4 ?O vu, dos roxos lrios pouco avaro?: ?as partes que a cobrir Natura ensina? (VII.37.4). V. AP, EC, pp. 254 e segs. 37.8 ?Cimes em Vulcano, amor em Marte?: Vulcano era o marido: quanto a Marte, v. o nosso comentrio em I.36.1. 38.8 ?Vnus vai interceder pelos Portugueses como intercedeu por Eneias? (v. E, I.229-296); ?Mais mimosa que triste ...?: com a mgoa de pessoa amimada. Ort.: sembrante (por semblante). 39.3-8 ?... afbil e amoroso?: afbil latinismo; ?Posto que a algum contrairo lhe pesasse?: o lhe pleonstico; ?Sem que to merecesse nem te errasse?: nem te ofendesse; ?Assentarei, enfim, que fui mofina?: mofina, infeliz. Ort.: contrairo (por contrrio). 40.1-5 ?Este povo ... / Por ele a ti rogando ...?: anacoluto. 86 ----------------------- Page 134----------------------- OS LUSADAS 41.1-2 ?Mas moura enfim ...?: forma do conjuntivo do v. morrer; ?Que pois eu fui ...?: aposiopese ou reticncia: deve subentender-se infeliz (ou mofina). 41.5-8 ?... como se entre os dentes / Lhe impedira a fala piedosa?: o verso ?Lhe impedira ...? s no fica defeituoso se se puder evitar a eliso do lhe e ler lhe-impedira, o que difcil. Por isso desde MC se vem corrigindo o verso e lendo: ?Se lhe impedira?. JMR, confessando que o segundo verso defeituoso gramatical e metricamente, afirma que os dois inconvenientes desaparecem ?se aproveitarmos o s final da palavra dentes do verso anterior para dele fazermos a conjuno Se? (BCL, 13, p. 699); Lhe impedira (=impedisse) est por a impedira: como se detida entre os dentes a fala piedosa a emudecesse; ?Torna a segui-la ...?: volta a falar; ?o gro Tonante?: v. I.20.7-8. 42.2 ?Que moveram de um tigre ...?: latinismo em mover, por comover, abalar: que moveriam. 42.5-6 ?As lgrimas lhe alimpa ...?: situao semelhante na Eneida: Olli subridens hominum sator atque deorum voltu, quo caelum tempestatesque serenat, oscula libavit natae, debinc talia futur. ?Parce metu, Cytherea, ...? (I.254-257) 45.1-2 ?Que, se ofacundo Ulisses escapou?: sobre ofacundo Ulisses, v. nosso comentrio a I.3.1; ?De ser na Oggia Ilha eterno escravo?: na Odisseia, VII.241-264, em dilogo de Ulisses com Arete, aquele conta o que passou durante sete anos, no antro de Calipso (na ilha Oggia) e de que pde libertar-se por ordem de Zeus. Na Odisseia o dilogo entre Calipso e Ulisses termina por este verso: ?E eles voltaram para dentro para ficar nos braos um do outro a amar-se. ?Que diria Penlope a este desespero de Ulisses? 87 ----------------------- Page 135----------------------- OS LUSADAS 45.3 ?E se Antenor os seios penetrou / Ilricos ...?: imitao de Virglio, E, I.242-246: Antenor potuit mediis elapsus Achivis Illyricos penetrare sinus atque intima tutus regna Liburnorum et fontem superare Timavi, unde per ora novem vasto cum murmure montis it mare proruptum et pelago premit arva sonanti. A seguir a estes versos vem este (v. 247): Hic tamen ille urbem Patavi sedesque locavit. Pdua teria sido a primeira fundao troiana em Itlia. 45.6 ?De Cila e de Carbdis o mar bravo?: por conselho de Heleno, Eneias arranjou modo de evitar os perigos de Cila e de Carbdis (v. En., III.419-432 e III.685-686). 46.3-6 ?Os Turcos belacssimos ... /... / Os Reis da ndia, livres e seguros, / Vereis ao Reipotente sojugados?: so latinismos. 47.1-6 ?Vereis este que ... / Por tantos medos ... / Tremer dele Neptuno, ...?: anacoluto. Medos, perigos; ?Que trema e ferva o mar, ...?: v. Castanheda, VI.LXXI, e Barros, III.IX.I: na segunda viagem do Gama ndia, j perto da costa desta, os mareantes sentiram o mar tremer ?muyto rijo & por b espao? e alvoroaram-se por desconhecerem que se tratava de um maremoto. Vasco da Gama acudiu: ? ? Amigos, prazer & alegria, o mar treme de ns, no ajes medo, que isto he tremor de terra.? O caso saldou-se com a perda de um homem que se atirou ao mar e com a restaurao da sade dos doentes com febre (Barros). Para Castanheda este tremor do mar deu-se aos seis dias de Setembro de 1524, ?ao quarto da alva?, e para Barros, ?hua quarta feira vspora de nossa Senhora de Setembro s oito horas da noite?, do mesmo ano. 88 ----------------------- Page 136----------------------- OS LUSADAS 48.1-6 ?Vereis a terra que a gua lhe tolhia?: Moambique; ?O mortfero engano, ...?: latinismo. 49.3 ?Vereis de Ormuz o Reino poderoso?: Ormuz foi assaltada a primeira vez por Afonso de Albuquerque em 1507; este a voltou em 1515, estabelecendo-se ento o domnio portugus. 49.5-8 ?Ali vereis o Mouro furioso?: Castanheda, II.LXII: ?E anddo nestes ctratos ao terceyro dia despois da batalha quis nosso seor manifestar ho milagre que fizera nele por parte dos nossos. E foy que comearo daparecer sobre a agoa do mar muytos corpos mortos de mouros, pregados de muytas frechas, ho que foy dito ao capito mr, q} esptado daquilo, mdou tomar algus dqeles corpos: & vio q} verdadeyram?te ero de mouros, & as frechas taes como aquelas com que os mouros tiravo na batalha. E chordo de prazer disse a todos q} ali conhecerio o milagre q} nosso sor fizera por eles, que as mesmas frechas que os mouros lhes tiravo tornavo sobreles & os matavo...? 50.1 ?Vereis a inexpugnbil Dio forte?: o primeiro cerco de Dio teve lugar em 1538 e terminou pela resistncia herica de Antnio da Silveira; o segundo foi em 1546 e terminou pela vitria de D. Joo de Castro. A praa era comandada por D. Joo de Mascarenhas. Inexpugnbil latinismo. 51.1 ?Goa vereis aos Mouros ser tomada?: Goa foi tomada por Afonso de Albuquerque em Fevereiro de 1510 e pouco depois abandonada, sendo retomada definitivamente em 25 de Novembro de 1510. 52.1-5 ?Vereis a fortaleza sustentar-se / De Cananor ...?: Em 1507 o rei de Cananor ps cerco fortaleza que os Portugueses tinham naquela cidade. A fortaleza s foi libertada com a chegada em 27 de Agosto de 1507 de uma armada de Tristo da Cunha. Comandava a fortaleza ao tempo Loureno de Brito; ?E vereis Calecu desbaratar- 89 ----------------------- Page 137----------------------- OS LUSADAS se?: Calecute foi destruda em 1509 pelo marechal Fernando Coutinho e por Afonso de Albuquerque; ?E vereis em Cochim assinalar-se?: refere-se herica defesa de Cochim por Duarte Pacheco Pereira contra os exrcitos do Samorim de Calecute. O Poeta consagra a esta srie de batalhas as est. 13-19 do Canto X; ?... peito soberbo e insolente?: insolente, orgulhoso. 53.1 ?Nunca com Marte instruto e furioso?: o Poeta teve sob os olhos o texto latino de En., VIII.675-688. H expresses idnticas: ?Actia bella?, ?instructo Marte?, ?fervere Leucaten?. Fala-se nestes versos do promontrio de Leucate, junto da costa da Acarnnia, no longe do promontrio de Actium, entrada do golfo de Ambrcia, onde Antnio, acompanhado de Clepatra, foi derrotado por Octvio (Csar Augusto), em 31 a. C. 53.6-8 ?... do famoso / Nilo e do Bactra Ctico e robusto?: tambm iam povos do Bactra Ctico. Os Bctrios so os povos da Bactriana, pas da sia Central. O pas bctrio-grego foi destrudo por uma invaso cita no princpio do primeiro sculo antes da nossa era; ?... e presa rica, / Preso da Egpcia linda e no pudica?: jogo de palavras. Antnio traziapresa rica, mas vinhapreso da clebre Clepatra VIII, que morreu aps Antnio. 54.3-5 ?Levando o Idololatra e o Mouro preso?: aqui o Poeta conserva a forma latina e a grega?. Na maioria dos casos h haplologia: idlatra, em vez de idollatra; ?E, sujeita a rica urea Quersoneso?: pennsula de Malaca. Ort.: longico (por longnquo). 55.1-6 ?De modo, filha minha, que de jeito?: deste modo, assim; ?Do Gangtico mar ao Gaditano?: do ndico (Ganges) ao Atlntico (Cdis); ?Que mostrou o agravado Lusitano?; Ferno de Magalhes e o estreito que tem o seu nome. ?Agravado? tambm em X.138.7. 90 ----------------------- Page 138----------------------- OS LUSADAS 56.1-2 ?Como isto disse, manda o consagrado / Filho de Maia Terra ...?: como em Virglio, E, I.297-299: Haec ait et Maia genitum demittit ab alto, ut terrae utque novae pateant Karthaginis arces 56.3 ?...pacfico porto ...?: pacfico latinismo. 57.1 ?J pelo ar o Cileneu voava?: Cileneu Mercrio ou Hermes. O nome de Cileneu vem-lhe de ter nascido numa caverna, no monte Cilene, ao sul da Arcdia. Os atributos de Mercrio (ou Hermes) so o caduceu, o chapu de abas largas, as sandlias aladas e uma bolsa, smbolo dos lucros que o comrcio confere; ?Com esta, as tristes almas revocava?: revocar (chamar) latinismo;galero (do l.galerus), o chapu de Mercrio. 58.6 ?Co rumor famosssimo eperclaro ?: perclaro (preclaro) latinismo. 59.8 ?Se l dos Cus no vem celeste aviso?: pleonasmo. 60.1-2 ?Meio caminho a noite tinha andado. / E as Estrelas no Cu co a luz alheia?. Era corrente no tempo de Cames supor-se que as estrelas brilhavam com luz alheia, a do Sol. 60.8 ?A outra gente a quartos vigiava?: cada quarto de vigia durava oito relgios ou ampulhetas de meia hora. O primeiro quarto de vigia da noite era o quarto de prima; o segundo, o de modorra, e o terceiro, o de alva (LPS, AL, p. 87). 61.2-5 ?...fuge, fuge, Lusitano?: forma antiga e ainda hoje empregada pelo povo; ?Fuge, que o vento e o Cu te favorece?: sujeito do plural a concordar com o verbo no singular. 91 ----------------------- Page 139----------------------- OS LUSADAS 62.2-5 ?O hospcio que o cru Diomedes dava?; trata-se de uma das faanhas de Hrcules. Diomedes, rei da Trcia, tinha por costume fazer devorar pelos seus cavalos os hspedes que recebia. Uma das tradies quer que Hracles tenha entregue Diomedes aos seus prprios cavalos, que o devoraram; ?As aras de Busris infamado?: Busris, rei do Egipto, sacrificava os estrangeiros no altar de seu pai e acabou por ser morto pelo prprio Hracles (Hrcules). 63.1-4 ?Vai-te ao longo da costa discorrendo?: refere-se a Melinde, que fica junto do Equador, apenas a trs graus de latitude sul, e, portanto, durante todo o ano so os dias iguais s noites. 64.6 ?... na terra inica tanto?: um latinismo. Na edioprinceps o nico exemplo de inqua, em dez exemplos, pelo menos. natural que a pronncia no correspondesse ortografia erudita, mas que se dissesse inico, como em outros muito lugares (v. ?Prefcio?, III). 65.7 ?levam gritando as ncoras ...?: levar, erguer, suster (cf. 18.1). 66.3 ?Mansamente as amarras lhe cortavam?: Castanheda, I.IX: ?E nesta mesma noyte mea noyte sentiro os que vigiavo no navio Birrio [Brrio] bolir ho cabre de hua ancora que estava surta, & logo cuydaro que ero toninhas, se no qudo atentando bem viro que ero os imigos, que a nado estavo picando ho cabre c terados, para que cortado desse o navio costa & se perdesse, ja q} doutra maneyra ho no podio tomar.? 67.2 ?Iam as vias hmidas de argento?: so latinismos; ?Assopra-lhe galerno o vento e brando?: pleonasmo. 68.1-4 ?Tinha ua volta dado o Sol ardente / E noutra comeava ...?: o Poeta descreve desta maneira o dia solar; ?Ao longe dous navios, brandamente / Cos ventos navegando, que respiram?: ?& em 92 ----------------------- Page 140----------------------- OS LUSADAS amanhec?do aparecero dous zambucos / ... / ajulavento da frota tres legoas ao mar? (Castanheda, I.X). 70.4 ?Mas no lhe sucedeu como cuidava?: verso igual a I.44.8. 71.1-8 ?Louvam do Rei os Mouros a bondade?: ?Todos ccorrio na bondade delrey de Melinde ...? (Barros, I.IV.V); ?Magnificncia grande e humanidade?: ?soube como adiante estava hua villa chamada Melinde, cujo Rey era homem humano ...? (id., ibid.); ?Pera onde o sonho e o Mouro lhe dizia?: concordncia do sujeito do plural com o verbo no singular. 72.1-4 ?Era no tempo alegre, quando entrava / No roubador de Europa a luz Febeia?: o dia da chegada a Melinde foi em 15 de Abril de 1498, domingo de Pscoa. O Sol comeava a percorrer o signo do Touro (roubador de Europa) em 11 de Abril. Era no tempo alegre em que Flora, deusa das flores, derramava a sua cornucpia; Amalteia, a cabra que alimentou Zeus quando criana e um dos cornos da qual se tornou o corno da abundncia. 72.5-8 ?A memria do dia renovava /... / Em que Aquele ... / O selo ps a quanto tinha feito?:pr o selo, pr a marca. 73.6 ?A corpurprea ao longe aparecia?: latinismo. 74.3 ?Gente mais verdadeira e mais humana?: mais civilizada, mais polida (latinismo). 75.6 ?Que ospeitos generosos ennobrece?: nobre de sentimentos. 76.2-5 ?... no dobradas?: no fingidas; ?... langeros carneiros?: latinismo. 93 ----------------------- Page 141----------------------- OS LUSADAS 78.1-7 ?... na prtica elegante?: eloquente; ?Como na terra ...?: logo que na terra ... ; ?Com estilo que Palas ...?: Palas, epteto da deusa Atenas, conhecida, frequentemente, com o nome de Palas Ateneia. 80.6 ?Imos buscando ...?: forma antiga e popular, por vamos. 81.1 ?... h i de gente?: forma arcaica, por a (no tempo de Cames junto do verbo haver); ?Mas inda o hospcio da deserta areia?: v. Virglio, E, I.540: ?Hospitio prohibemur harenae.? 82.1-5 ?Mas tu ... A teu porto seguros navegamos?: anacoluto; ?Que teve o perdido taco em Alcino?: o perdido taco ? Ulisses ? acolhido por Alcino, rei dos Fecios, que habitavam uma ilha que se pretendeu identificar com Corcira (hoje Corfu) (v. Odisseia, VII). A filha do rei que acolheu Ulisses aps o naufrgio era Nausica (v. Odisseia, VI). 82.6 ?Conduzidos do intrprete divino?: o ?intrprete divino?, ou mensageiro, que apareceu em sonhos ao Gama. Na En., IV.356, Mercrio o interpres divum (ED). 85.2 ?Louvavam muito o estmago da gente?: o nimo, o valor. 87.1-2 ?De no sair em terra toda a gente / Por observar a usada preminncia?: tem sido muito discutido o significado do segundo verso, a meu ver sem razo. Na est. 75, VV. 7 e 8, o Rei de Melinde mandara rogar ?que sassem / Pera que de seus reinos se servissem?. O Capito, porm, para guardar o regimento, no quis sair; portanto, no saiu ningum ?para se respeitar a preeminncia?. 88.1 Porm, como a luz crstina chegada?: crstino latinismo e significa o dia seguinte; como, assim que; almadia, v. I.92.1. 94 ----------------------- Page 142----------------------- OS LUSADAS 89.2 ?O filho de Latona ...?: Apolo, filho deJpiter e de Latona (ou Leto). 90.5-8 ?Mostra-se dos Ciclopas o exerccio?: os Ciclopes eram ferreiros de Vulcano; ?Nas bombas que de fogo esto queimando?: por ?Nas bombas de fogo que ...?; ?Instrumentos altssonos latinismo (que tm som alto, ressoantes). 92.1-4 ?Mas j o Cu inquieto, revolvendo,?: ?o cu vai volvendo sem descanso; desfazem-se por fim as trevas da noite, rompendo de novo a luz da madrugada? (LPS, AL); ?E j a me de Menon, a luz trazendo?: Mmnon, o filho de os (a Aurora) e de Titono. Foi criado pelas Hesprides e reinava sobre os Etipios; ?... punha certo atalho?: punha atalho certo, que se repete todos os dias. 93.1-3 ?... ferver as praias?: estar em grande animao; ?Luzem de fina prpura as cabaias?: vestidura de mangas compridas e aberta ao lado. 94.1-8 ?Um batel grande e largo, que toldado?: Castanheda, I.XII: ?A derradeira oytava de Pascoa, despois de comer foy el rey de Melinde em hua almadia grde juto da nossa frota, & levava vestida hua cabaya de damasco carmesim, forrada de ceti verde: & na cabea hua touca muyto rica. Vinha ass?tado ? hua cadeira despaldas ao modo tigo, & era darame muyto bem lavrada & fermosa, & nela hua almofada de seda: & outra tal como essa juto coele: cobriase c hu sombreiro de p de ceti carmesim, & ya junto coele como paj?hu hom? velho que lhe levava hu terado rico c a bainha de prata. Trazia muytos anafis, & duas bozinas de marfim de cprim?to doyto palmos cada hua, & ero muyto lavradas: & tgise per hu buraco q} tinho no meyo: & ccertavo c os anafis. Vinho c elrey obra de vite mouros fidalgos ataviados todos ricam?te.? 95.1-8 ?... rico e dino?: de grande valor; ?Da Tria cor...?; Tiro, antiga cidade da Fencia, clebre pela sua indstria da prpura; ?Onde a matria da 95 ----------------------- Page 143----------------------- OS LUSADAS obra superada?: semelhana com este verso de Ovdio: ?materiam superabat opus? (M, 11.5). 96.6 ?De spero som, horrssono ao ouvido?: a edioprinceps tem horrisomo, que, segundo JMR, seria haplologia de horridissimo. Ns adoptmos a correco horrssono, por ser frequente em Cames esta forma. 98.4 ?Do metal que Fortuna ...?: de ouro; ?Os golpes do gibo ...?: vestidura que cobria o corpo at cintura, por baixo da roupa, ou vestidura externa; ?Ao Itlico modo a urea espada?: parece significar segura a talabarte. Ort.:pruma (porpluma). 99.2-3 ?Da tinta que d o mrice excelente / A vria cor ...?: molusco gasterpode que d a prpura; da tinta pertence para a vria cor. 99.7-8 ?Qual aparece o arco rutilante / Da bela ninfa filha de Taumante?: a filha de Taumante (ou Taumas) ris. O Poeta designa o arco-ris. 100.1-7 ?Sonorosas trombetas incitavam?: v. comentrio a I.5.1; ?Os nimos alegres ressoando?: ressoando pertence para sonorosas trombetas (vrias edies transformam o resoando da edioprinceps em resonando); ?Os toldos pelas guas arrojando?: arrojando um dos muitos casos de acrescentamento prottico que se verificam em Cames; arrojando est por rojando; ?As bombardas horrssonas ...?: v. nosso comentrio a II.96.6; ?Amidam-se os brados acendidos?: os estrondos das bombardas. 101.1 ?J no batel entrou do Capito?: Castanheda, I.XII: ?E ?chegdo el rey perto dele, disselhe q} lhe queria falar no seu batel pera o ver de mais perto: & logo se meteo no batel, & fezlhe tamanha cortesia como se fora rey como ele, & oulhava parele & pera os outros como pera cousa estranha.? 96 ----------------------- Page 144----------------------- OS LUSADAS 102.8 ?... tivesse guerra?: por tivera. 103.1-4 ?E como por toda frica se soa?: so soados; ?Do Reino onde as Hespridas viveram?: Hespridas, ?filhas da noite? em Hesodo, que ?para l do ilustre oceano cuidam das belas mas de oiro e das rvores que tm tal fruto? (Tb., vv. 215 a 218). Nesta est. evidente que o Poeta coloca as Hespridas em Marrocos. Na Elegia II o Poeta escreveu: ?Dali [do monte bila, em Ceuta] estou tenteando aonde viu [Hrcules Tebano] / o pomar das Hespridas, matando / a serpe que a seu passo resistiu.? Para Estrabo (Geografia, 7.3.6), Hespridas e Grgonas eram invenes. 105.1-4 ?Tu s, de todos quantos queima Apolo?: todos os africanos do costa oriental; ?... dos ventos hrridos de Eolo?: hrridos latinismo; olo, rei dos ventos e das tempestades; ?Refgio ...fido ejocundo ?: fido (fiel) ejocundo (alegre) so latinismos. 106.3-7 ?Vo as naus hua e hua rodeando?: Castanheda, I.XII: ?E despois de acabar?de falar & cfirmar amizade antreles, dou el rey folgdo por antre a nossa frota, dde travo muytas bbardadas, q} ele folgava muyto douvir tirar?; ?... pera o Cu Vulcano fuzilando?: a artilharia; ?... trombetas canoras ...?: canoras (melodiosas) latinismo. 107.2-3 ?Dogeneroso Mouro ...?: magnnimo; ?Ouvindo o instrumento inusitado?: ouvindo os tiros das bombardas. Inusitado (desusado) latinismo. 108.6 ?De toda a Hespria ltima, onde mora?: Gaspar Barreiros, Chor., p. 197: ?E porque tambm Hespanha foi chamada dos Graegos Hesperia da mesma strella, lhe chamou Horatio Hesperia ultima, por diferena de Italia, que respecto dos Graegos primeira.? 109.1-8 Prepara-se a conversa do Capito e do rei de Melinde, que tem 97 ----------------------- Page 145----------------------- OS LUSADAS pequena base histrica; ?Da terra tua o clima e regio?: a palavra clima tinha sentido diferente no sculo XVI. Assim ?Portugal estendia-se na Europa sobre o clima de Roma ao norte de Lisboa, e ao sul sobre o clima de Rodes? (v. LPS, AL, p. 100). 110.5 ?Conta, que agora vm cos ureos freios?: vem rompendo a manh. 111.1 ?E no menos co tempo se parece?: ?o desejo de ouvir o que contares no menor que o tempo de que dispomos, pois vem rompendo a aurora? (v. MR, comentrio est. 111). 112.1-8 ?Cometeram soberbos os Gigantes?: os Gigantes, filhos da Terra (Gaia), quiseram combater os deuses olmpicos, escalando o cu, e foram derrotados; ?Tentou Perito e Teseu, de ignorantes?: Teseu e Pirtoo tinham jurado darem-se mtuamente como esposa uma filha de Zeus. Nessa inteno Teseu acompanhou Pirtoo aos Infernos para raptarem Persfone (Prosrpina). Chegaram aos Infernos, mas no puderam sair de l. Foram guardados como prisioneiros at vinda de Hracles. Este conseguiu trazer Teseu luz do dia, mas quando tentou libertar Pirtoo a terra tremeu e Hracles, tendo compreendido que os deuses no queriam libertar o culpado, abandonou o intento e Pirtoo ficou nos Infernos; ?O Reino de Pluto, horrendo e escuro?: Pluto o deus dos Infernos; ?Tentou Pirito e Teseu ...?; o verbo, no singular, concorda com um dos elementos do sujeito; ?... a fria de Nereu?: a fria do Oceano. 113.1-4 ?Queimou o sagrado templo de Diana?: o templo de rtemis (Diana), em feso, foi incendiado por um louco de origem cretense, que supunha assim imortalizar o seu nome. Diz-se que o incndio teve lugar na prpria noite em que nasceu Alexandre Magno (356 a. C.). O primeiro arquitecto foi Chersiphron (o ?Ctesifnio? de Cames). O templo foi reconstrudo com maior grandeza (Estrabo, Geografia, 14, I, 22). Plnio, escrevendo muito mais tarde, descreve o templo e diz: ?opere praefuit Chersiphron architectus? (XXXVI.XXI.95). Plnio diz ainda: ?Graecae magnificentiae vera admiratio exstat templum Ephesiae Dianae CXX annis factum a tota Asia? (XXXVI.XXI.95). 98 ----------------------- Page 146----------------------- OS LUSADAS III 1 AGORA tu, Calope, me ensina O que contou ao Rei o ilustre Gama; Inspira imortal canto e voz divina Neste peito mortal, que tanto te ama. Assi o claro inventor da Medicina, De quem Orfeu pariste, o linda Dama, Nunca por Dafne, Clcie ou Leucotoe, Te negue o amor devido, como soe. 2 Pe tu, Ninfa, em efeito meu desejo, Como merece a gente Lusitana; Que veja e saiba o mundo que do Tejo O licor de Aganipe corre e mana. Deixa as flores de Pindo, que j vejo Banhar-me Apolo na gua soberana; Seno direi que tens algum receio Que se escurea o teu querido Orfeio. 3 Prontos estavam todos escuitando O que o sublime Gama contaria, Quando, despois de um pouco estar cuidando, Alevantando o rosto, assi dizia: ? Mandas-me, Rei, que conte declarando De minha gente a gro genealogia; No me mandas contar estranha histria, Mas mandas-me louvar dos meus a glria. 99 ----------------------- Page 147----------------------- OS LUSADAS 4 Que outrem possa louvar esforo alheio, Cousa que se costuma e se deseja; Mas louvar os meus prprios, arreceio Que louvor to suspeito mal me esteja; E, pera dizer tudo, temo e creio Que qualquer longo tempo curto seja; Mas, pois o mandas, tudo se te deve; Irei contra o que devo, e serei breve. 5 Alm disso, o que a tudo enfim me obriga no poder mentir no que disser, Porque de feitos tais, por mais que diga, Mais me h-de ficar inda por dizer. Mas, porque nisto a ordem leve e siga, Segundo o que desejas de saber, Primeiro tratarei da larga terra, Despois direi da sanguinosa guerra. 6 Entre a Zona que o Cancro senhoreia, Meta Setentrional do Sol luzente, E aquela que por fria se arreceia Tanto, como a do meio por ardente, Jaz a soberba Europa, a quem rodeia, Pela parte do Arcturo e do Ocidente, Com suas salsas ondas o Oceano, E, pela Austral, o Mar Mediterrano. 7 Da parte donde o dia vem nascendo, Com sia se avizinha; mas o rio Que dos Montes Rifeios vai correndo Na alagoa Metis, curvo e frio, As divide, e o mar que, fero e horrendo, Viu dos Gregos o irado senhorio, Onde agora de Tria triunfante No v mais que a memria o navegante. 100 ----------------------- Page 148----------------------- OS LUSADAS 8 L onde mais debaxo est do Plo, Os Montes Hiperbreos aparecem E aqueles onde sempre sopra Eolo, E co nome dos sopros se ennobrecem. Aqui to pouca fora tm de Apolo Os raios que no mundo resplandecem, Que a neve est contino pelos montes, Gelado o mar, geladas sempre as fontes. 9 Aqui dos Citas grande quantidade Vivem, que antigamente grande guerra Tiveram, sobre a humana antiguidade, Cos que tinham anto a Egpcia terra; Mas quem to fora estava da verdade (J que o juzo humano tanto erra), Pera que do mais certo se informara, Ao campo Damasceno o perguntara. 10 Agora nestas partes se nomeia A Lpia fria, a inculta Noruega, Escandinvia Ilha, que se arreia Das vitrias que Itlia no lhe nega. Aqui, enquanto as guas no refreia O congelado Inverno, se navega Um brao do Sarmtico Oceano Pelo Brs[s]io, Sucio e frio Dano. 11 Entre este Mar e o Tnais vive estranha Gente, Rutenos, Moscos e Livnios, Srmatas outro tempo; e na montanha Hircnia os Marcomanos so Polnios. Sujeitos ao Imprio de Alemanha So Saxones, Bomios e Pannios E outras vrias naes, que o Reno frio Lava, e o Danbio, Amsis e lbis rio. 101 ----------------------- Page 149----------------------- OS LUSADAS 12 Entre o remoto Istro e o claro Estreito Aonde Hele deixou, co nome, a vida, Esto os Traces de robusto peito, Do fero Marte ptria to querida, Onde, co Hemo, o Rdope sujeito Ao Otomano est, que sometida Bizncio tem a seu servio indino: ? Boa injria do grande Costantino! 13 Logo de Macednia esto as gentes, A quem lava do xio a gua fria; E vs tambm, terras excelentes Nos costumes, engenhos e ousadia, Que criastes os peitos eloquentes E os juzos de alta fantasia, Com quem tu, clara Grcia, o Cu penetras, E no menos por armas, que por letras. 14 Logo os Dlmatas vivem; e no seio Onde Antenor j muros levantou, A soberba Veneza est no meio Das guas, ? que to baxa comeou. Da terra um brao vem ao mar, que, cheio De esforo, naes vrias sujeitou; Brao forte, de gente sublimada No menos nos engenhos que na espada. 15 Em torno o cerca o Reino Neptunino, Cos muros naturais por outra parte; Pelo meio o divide o Apenino, Que to ilustre fez o ptrio Marte; Mas, despois que o Porteiro tem divino, Perdendo o esforo veio e blica arte; Pobre est j de antiga potestade. Tanto Deus se contenta de humildade! 102 ----------------------- Page 150----------------------- OS LUSADAS 16 Glia ali se ver, que nomeada Cos Cesreos triunfos foi no mundo; Que do Squana e Rdano regada E do Garuna frio e Reno fundo. Logo os montes da Ninfa sepultada, Pirene, se alevantam, que, segundo Antiguidades contam, quando arderam, Rios de ouro e de prata anto correram. 17 Eis aqui se descobre a nobre Espanha, Como cabea ali de Europa toda, Em cujo senhorio e glria estranha Muitas voltas tem dado a fatal roda; Mas nunca poder, com fora ou manha, A Fortuna inquieta pr-lhe noda Que lha no tire o esforo e ousadia Dos belicosos peitos que em si cria. 18 Com Tingitnia entesta; e ali parece Que quer fechar o Mar Mediterrano Onde o sabido Estreito se ennobrece Co extremo trabalho do Tebano. Com naes diferentes se engrandece, Cercadas com as ondas do Oceano; Todas de tal nobreza e tal valor Que qualquer delas cuida que milhor. 19 Tem o Tarragons, que se fez claro Sujeitando Partnope inquieta; O Navarro, as Astrias, que reparo J foram contra a gente Mahometa; Tem o Galego cauto e o grande e raro Castelhano, a quem fez o seu Planeta Restituidor de Espanha e senhor dela; Btis, Lio, Granada, com Castela. 103 ----------------------- Page 151----------------------- OS LUSADAS 20 Eis aqui, qusi cume da cabea De Europa toda, o Reino Lusitano, Onde a terra se acaba e o mar comea E onde Febo repousa no Oceano. Este quis o Cu justo que florea Nas armas contra o torpe Mauritano, Deitando-o de si fora; e l na ardente frica estar quieto o no consente. 21 Esta a ditosa ptria minha amada, qual se o Cu me d que eu sem perigo Torne, com esta empresa j acabada, Acabe-se esta luz ali comigo. Esta foi Lusitnia, derivada De Luso ou Lisa, que de Baco antigo Filhos foram, parece, ou companheiros, E nela anto os ncolas primeiros. 22 Desta o pastor nasceu que no seu nome Se v que de homem forte os feitos teve; Cuja fama ningum vir que dome, Pois a grande de Roma no se atreve. Esta, o Velho que os filhos prprios come, Por decreto do Cu, ligeiro e leve, Veio a fazer no mundo tanta parte, Criando-a Reino ilustre; e foi destarte: 23 Um Rei, por nome Afonso, foi na Espanha, Que fez aos Sarracenos tanta guerra, Que, por armas sanguinas, fora e manha, A muitos fez perder a vida e a terra. Voando deste Rei a fama estranha Do Herculano Calpe Cspia Serra, Muitos, pera na guerra esclarecer-se, Vinham a ele e morte oferecer-se. 104 ----------------------- Page 152----------------------- OS LUSADAS 24 E com um amor intrnseco acendidos Da F, mais que das honras populares, Eram de vrias terras conduzidos, Deixando a ptria amada e prprios lares. Despois que em feitos altos e subidos Se mostraram nas armas singulares, Quis o famoso Afonso que obras tais Levassem prmio dino e des iguais. 25 Destes Anrique (dizem que segundo Filho de um Rei de Hungria exprimentado) Portugal houve em sorte, que no mundo Ento no era ilustre nem prezado; E, pera mais sinal de amor profundo, Quis o Rei Castelhano que casado Com Teresa, sua filha, o Conde fosse; E com ela das terras tomou posse. 26 Este, despois que contra os descendentes Da escrava Agar vitrias grandes teve, Ganhando muitas terras adjacentes, Fazendo o que a seu forte peito deve, Em prmio destes feitos excelentes Deu-lhe o supremo Deus, em tempo breve, Um filho que ilustrasse o nome ufano Do belicoso Reino Lusitano. 27 J tinha vindo Anrique da conquista Da cidade Hieroslima sagrada, E do Jordo a areia tinha vista, Que viu de Deus a carne em si lavada (Que, no tendo Gotfredo a quem resista, Despois de ter judeia sojugada, Muitos que nestas guerras o ajudaram Pera seus senhorios se tornaram); 105 ----------------------- Page 153----------------------- OS LUSADAS 28 Quando, chegado ao fim de sua idade, O forte e famoso Hngaro estremado, Forado da fatal necessidade, O esprito deu a Quem lho tinha dado. Ficava o filho em tenra mocidade, Em quem o pai deixava seu traslado, Que do mundo os mais fortes igualava: Que de tal pai tal filho se esperava. 29 Mas o velho rumor ? no sei se errado, Que em tanta antiguidade no h certeza ? Conta que a me, tomando todo o estado, Do segundo himeneu no se despreza. O filho rfo deixava deserdado, Dizendo que nas terras a grandeza Do senhorio todo s sua era, Porque, pera casar, seu pai lhas dera. 30 Mas o Prncipe Afonso (que destarte Se chamava, do av tomando o nome), Vendo-se em suas terras no ter parte, Que a me com seu marido as manda e come, Fervendo-lhe no peito o duro Marte, Imagina consigo como as tome: Revolvidas as causas no conceito, Ao propsito firme segue o efeito. 31 De Guimares o campo se tingia Co sangue prprio da intestina guerra, Onde a me, que to pouco o parecia, A seu filho negava o amor e a terra. Co ele posta em campo j se via; E no v a soberba o muito que erra Contra Deus, contra o maternal amor; Mas nela o sensual era maior. 106 ----------------------- Page 154----------------------- OS LUSADAS 32 Progne crua, o mgica Medeia! Se em vossos prprios filhos vos vingais Da maldade dos pais, da culpa alheia, Olhai que inda Teresa peca mais! Incontinncia m, cobia feia, So as causas deste erro principais: Cila, por ua, mata o velho pai; Esta, por ambas, contra o filho vai. 33 Mas j o Prncipe claro o vencimento Do padrasto e da inica me levava; J lhe obedece a terra, num momento, Que primeiro contra ele pelejava; Porm, vencido de ira o entendimento, A me em ferros speros atava; Mas de Deus foi vingada em tempo breve. Tanta venerao aos pais se deve! 34 Eis se ajunta o soberbo Castelhano Pera vingar a injria de Teresa, Contra o, to raro em gente, Lusitano, A quem nenhum trabalho agrava ou pesa. Em batalha cruel, o peito humano, Ajudado da Anglica defesa, No s contra tal fria se sustenta, Mas o inimigo asprrimo afugenta. 35 No passa muito tempo, quando o forte Prncipe em Guimares est cercado De infinito poder, que desta sorte Foi refazer-se o imigo magoado; Mas, com se oferecer dura morte O fiel Egas amo, foi livrado; Que, de outra arte, pudera ser perdido, Segundo estava mal apercebido. 107 ----------------------- Page 155----------------------- OS LUSADAS 36 Mas o leal vassalo, conhecendo Que seu senhor no tinha resistncia, Se vai ao Castelhano, prometendo Que ele faria dar-lhe obedincia. Levanta o inimigo o cerco horrendo, Fiado na promessa e conscincia De Egas Moniz; mas no consente o peito Do moo ilustre a outrem ser sujeito. 37 Chegado tinha o prazo prometido, Em que o Rei Castelhano j aguardava Que o Prncipe, a seu mando sometido, Lhe desse a obedincia que esperava. Vendo Egas que ficava fementido O que dele Castela no cuidava, Determina de dar a doce vida A troco da palavra mal cumprida. 38 E com seus filhos e mulher se parte A alevantar co eles a fiana, Descalos e despidos, de tal arte Que mais move a piedade que a vingana. ? Se pretendes, Rei alto, de vingar-te De minha temerria confiana (Dizia) eis aqui venho oferecido A te pagar co a vida o prometido. 39 Vs aqui trago as vidas inocentes Dos filhos sem pecado e da consorte; Se a peitos generosos e excelentes Dos fracos satisfaz a fera morte, Vs aqui as mos e a lngua delinquentes: Nelas ss exprimenta toda sorte De tormentos, de mortes, pelo estilo De Snis e do touro de Perilo. 108 ----------------------- Page 156----------------------- OS LUSADAS 40 Qual diante do algoz o condenado, Que j na vida a morte tem bebido, Pe no cepo a garganta e j entregado Espera pelo golpe to temido: Tal diante do Prncipe indinado Egas estava, a tudo oferecido. Mas o Rei vendo a estranha lealdade, Mais pde, enfim, que a ira, a piedade. 41 gro fidelidade Portuguesa De vassalo, que a tanto se obrigava! Que mais o Persa fez naquela empresa Onde rosto e narizes se cortava? Do que ao grande Dario tanto pesa, Que mil vezes dizendo suspirava Que mais o seu Zopiro so prezara Que vinte Babilnias que tomara. 42 Mas j o Prncipe Afonso aparelhava O Lusitano exrcito ditoso, Contra o Mouro que as terras habitava De alm do claro Tejo deleitoso; J no campo de Ourique se assentava O arraial soberbo e belicoso, Defronte do inimigo Sarraceno, Posto que em fora e gente to pequeno, 43 Em nenhua outra cousa confiado, Seno no sumo Deus que o Cu regia, Que to pouco era o povo bautizado, Que, pera um s, cem Mouros haveria. Julga qualquer juzo sossegado Por mais temeridade que ousadia Cometer um tamanho ajuntamento, Que pera um cavaleiro houvesse cento. 109 ----------------------- Page 157----------------------- OS LUSADAS 44 Cinco Reis Mouros so os inimigos, Dos quais o principal Ismar se chama; Todos exprimentados nos perigos Da guerra, onde se alcana a ilustre fama. Seguem guerreiras damas seus amigos, Imitando a fermosa e forte Dama De quem tanto os Troianos se ajudaram, E as que o Termodonte j gostaram. 45 A matutina luz, serena e fria, As Estrelas do Plo j apartava, Quando na Cruz o Filho de Maria, Amostrando-se a Afonso, o animava. Ele, adorando Quem lhe aparecia, Na F todo inflamado assi gritava: ? Aos Infiis, Senhor, aos Infiis, E no a mi, que creio o que podeis! 46 Com tal milagre os nimos da gente Portuguesa inflamados, levantavam Por seu Rei natural este excelente Prncipe, que do peito tanto amavam; E diante do exrcito potente Dos imigos, gritando, o cu tocavam, Dizendo em alta voz: ? Real, real, Por Afonso, alto Rei de Portugal! 47 Qual cos gritos e vozes incitado, Pela montanha, o rbido moloso Contra o touro remete, que fiado Na fora est do corno temeroso; Ora pega na orelha, ora no lado, Latindo mais ligeiro que foroso, At que enfim, rompendo-lhe a garganta, Do bravo a fora horrenda se quebranta: 110 ----------------------- Page 158----------------------- OS LUSADAS 48 Tal do Rei novo o estmago acendido Por Deus e polo povo juntamente, O Brbaro comete, apercebido Co animoso exrcito rompente. Levantam nisto os Perros o alarido Dos gritos; tocam a arma, ferve a gente, As lanas e arcos tomam, tubas soam, Instrumentos de guerra tudo atroam! 49 Bem como quando a flama, que ateada Foi nos ridos campos (assoprando O sibilante Breas), animada Co vento, o seco mato vai queimando; A pastoral companha, que deitada Co doce sono estava, despertando Ao estridor do fogo que se ateia, Recolhe o fato e foge pera a aldeia: 50 Destarte o Mouro, atnito e torvado, Toma sem tento as armas mui depressa; No foge, mas espera confiado, E o ginete belgero arremessa. O Portugus o encontra denodado, Pelos peitos as lanas lhe atravessa; Uns caem meios mortos e outros vo A ajuda convocando do Alcoro. 51 Ali se vm encontros temerosos, Pera se desfazer ua alta serra, E os animais correndo furiosos Que Neptuno amostrou, ferindo a terra; Golpes se do medonhos e forosos; Por toda a parte andava acesa a guerra; Mas o de Luso arns, couraa e malha, Rompe, corta, desfaz, abola e talha. 111 ----------------------- Page 159----------------------- OS LUSADAS 52 Cabeas pelo campo vo saltando, Braos, pernas, sem dono e sem sentido, E doutros as entranhas palpitando, Plida a cor, o cesto amortecido. J perde o campo o exrcito nefando; Correm rios do sangue desparzido, Com que tambm do campo a cor se perde, Tornado carmesi, de branco e verde. 53 J fica vencedor o Lusitano, Recolhendo os trofus e presa rica; Desbaratado e roto o Mauro Hispano, Trs dias o gro Rei no campo fica. Aqui pinta no branco escudo ufano, Que agora esta vitria certifica, Cinco escudos azuis esclarecidos, Em sinal destes cinco Reis vencidos. 54 E nestes cinco escudos pinta os trinta Dinheiros por que Deus fora vendido, Escrevendo a memria, em vria tinta, Daquele de Quem foi favorecido. Em cada um dos cinco, cinco pinta, Porque assi fica o nmero cumprido, Contando duas vezes o do meio, Dos cinco azuis que em cruz pintando veio. 55 Passado j algum tempo que passada Era esta gro vitria, o Rei subido A tomar vai Leiria, que tomada Fora, mui pouco havia, do vencido. Com esta a forte Arronches sojugada Foi juntamente; e o sempre ennobrecido Scabelicastro, cujo campo ameno Tu, claro Tejo, regas to sereno. 112 ----------------------- Page 160----------------------- OS LUSADAS 56 A estas nobres vilas sometidas Ajunta tambm Mafra, em pouco espao, E, nas serras da Lua conhecidas, Sojuga a fria Sintra o duro brao; Sintra, onde as Naiades, escondidas Nas fontes, vo fugindo ao doce lao Onde Amor as enreda brandamente, Nas guas acendendo fogo ardente. 57 E tu, nobre Lisboa, que no mundo Facilmente das outras s princesa, Que edificada foste do facundo Por cujo engano foi Dardnia acesa; Tu, a quem obedece o Mar profundo, Obedeceste fora Portuguesa, Ajudada tambm da forte armada Que das Boreais partes foi mandada. 58 L do Germnico lbis e do Reno E da fria Bretanha conduzidos, A destruir o povo Sarraceno Muitos com teno santa eram partidos. Entrando a boca j do Tejo ameno, Co arraial do grande Afonso unidos, Cuja alta fama anto subia aos cus, Foi posto cerco aos muros Ulisseus. 59 Cinco vezes a Lua se escondera E outras tantas mostrara cheio o rosto, Quando a cidade, entrada, se rendera Ao duro cerco que lhe estava posto. Foi a batalha to sanguina e fera Quanto obrigava o firme pros[s]uposto De vencedores speros e ousados, E de vencidos j desesperados. 113 ----------------------- Page 161----------------------- OS LUSADAS 60 Destarte, enfim, tomada se rendeu Aquela que, nos tempos j passados, grande fora nunca obedeceu Dos frios povos Cticos ousados, Cujo poder a tanto se estendeu Que o Ibero o viu e o Tejo amedrontados; E, enfim, co Btis tanto alguns puderam Que terra, de Vandlia nome deram. 61 Que cidade to forte porventura Haver que resista, se Lisboa No pde resistir fora dura Da gente cuja fama tanto voa? J lhe obedece toda a Estremadura, bidos, Alanquer, por onde soa O tom das frescas guas entre as pedras, Que murmurando lava, e Torres Vedras. 62 E vs tambm, terras Transtaganas, Afamadas co dom da flava Ceres, Obedeceis s foras mais que humanas, Entregando-lhe os muros e os poderes; E tu, lavrador Mouro, que te enganas, Se sustentar a frtil terra queres: Que Elvas e Moura e Serpa, conhecidas, E Alcare do Sal esto rendidas. 63 Eis a nobre cidade, certo assento Do rebelde Sertrio antigamente, Onde ora as guas ntidas de argento Vm sustentar de longo a terra e a gente Pelos arcos reais, que, cento e cento, Nos ares se alevantam nobremente, Obedeceu por meio e ousadia De Giraldo, que medos no temia. 114 ----------------------- Page 162----------------------- OS LUSADAS 64 J na cidade Beja vai tomar Vingana de Trancoso destruda Afonso, que no sabe sossegar, Por estender co a fama a curta vida. No se lhe pode muito sustentar A cidade; mas, sendo j rendida, Em toda a cousa viva a gente irada Provando os fios vai da dura espada. 65 Com estas sojugada foi Palmela E a piscosa Sesimbra e, juntamente, Sendo ajudado mais de sua estrela, Desbarata um exrcito potente (Sentiu-o a vila e viu-o a serra dela), Que a socorr-la vinha diligente Pela fralda da serra, descuidado Do temeroso encontro inopinado. 66 O Rei de Badajoz era, alto Mouro, Com quatro mil cavalos furiosos, Inmeros pees, de armas e de ouro Guarnecidos, guerreiros e lustrosos; Mas, qual no ms de Maio o bravo touro, Cos cimes da vaca, arreceosos, Sentindo gente, o bruto e cego amante, Salteia o descuidado caminhante: 67 Destarte Afonso, sbito mostrado, Na gente d, que passa bem segura; Fere, mata, derriba, denodado; Foge o Rei Mouro e s da vida cura; Dum pnico terror todo assombrado, S de segui-lo o exrcito procura; Sendo estes que fizeram tanto abalo N mais que s sessenta de cavalo. 115 ----------------------- Page 163----------------------- OS LUSADAS 68 Logo segue a vitria, sem tardana, O gro Rei incansbil, ajuntando Gentes de todo o Reino, cuja usana Era andar sempre terras conquistando. Cercar vai Badajoz e logo alcana O fim de seu desejo, pelejando Com tanto esforo e arte e valentia, Que a fez fazer s outras companhia. 69 Mas o alto Deus, que pera longe guarda O castigo daquele que o merece, Ou pera que se emende, s vezes tarda, Ou por segredos que homem no conhece, Se at qui sempre o forte Rei resguarda Dos perigos a que ele se oferece, Agora lhe no deixa ter defesa Da maldio da me que estava presa: 70 Que, estando na cidade que cercara, Cercado nela foi dos Lioneses, Porque a conquista dela lhe tomara, De Lio sendo, e no dos Portugueses. A pertincia aqui lhe custa cara, Assi como acontece muitas vezes, Que em ferros quebra as pernas, indo aceso batalha, onde foi vencido e preso. 71 famoso Pompeio, no te pene De teus feitos ilustres a runa, Nem ver que a justa Nmesis ordene Ter teu sogro de ti vitria dina, Posto que o frio Fsis ou Siene, Que pera nenhum cabo a sombra inclina, O Bootes gelado e a linha ardente Temessem o teu nome geralmente. 116 ----------------------- Page 164----------------------- OS LUSADAS 72 Posto que a rica Arbia e que os feroces Henocos e Colcos, cuja fama O Vu dourado estende, e os Capadoces E Judeia, que um Deus adora e ama, E que os moles Sofenos e os atroces Cilcios, com a Armnia, que derrama As guas dos dous rios cuja fonte Est noutro mais alto e santo monte, 73 E posto, enfim, que desd? o mar de Atlante At o Ctico Tauro, monte erguido, J vencedor te vissem, no te espante Se o campo Emtio s te viu vencido; Porque Afonso vers, soberbo e ovante, Tudo render e ser despois rendido. Assi o quis o Conselho alto, celeste, Que vena o sogro a ti e o genro a este! 74 Tornado o Rei sublime, finalmente, Do divino Juzo castigado, Despois que em Santarm soberbamente, Em vo, dos Sarracenos foi cercado, E despois que do mrtire Vicente O santssimo corpo venerado Do Sacro Promontrio conhecido cidade Ulisseia foi trazido; 75 Por que levasse avante seu desejo, Ao forte filho manda o lasso velho Que s terras se passasse d? Alentejo, Com gente e co belgero aparelho. Sancho, d? esforo e d? nimo sobejo, Avante passa e faz correr vermelho O rio que Sevilha vai regando, Co sangue Mauro, brbaro e nefando. 117 ----------------------- Page 165----------------------- OS LUSADAS 76 E, com esta vitria cobioso, J no descansa o moo, at que veja Outro estrago como este, temeroso, No Brbaro que tem cercado Beja. No tarda muito o Prncipe ditoso Sem ver o fim daquilo que deseja. Assi estragado, o Mouro na vingana De tantas perdas pe sua esperana. 77 J se ajuntam do monte a quem Medusa O corpo fez perder que teve o Cu; J vm do promontrio de Ampelusa E do Tinge, que assento foi de Anteu. O morador de Abila no se escusa, Que tambm com suas armas se moveu, Ao som da Mauritana e ronca tuba, Todo o Reino que foi do nobre Juba. 78 Entrava, com toda esta companhia, O Miralmomini em Portugal; Treze Reis mouros leva de valia, Entre os quais tem o ceptro Imperial. E assi, fazendo quanto mal podia, O que em partes podia fazer mal, Dom Sancho vai cercar em Santarm; Porm no lhe sucede muito bem. 79 D-lhe combates speros, fazendo Ardis de guerra mil, o Mouro iroso; No lhe aproveita j trabuco horrendo, Mina secreta, arete foroso; Porque o filho de Afonso, no perdendo Nada do esforo e acordo generoso, Tudo prov com nimo e prudncia, Que em toda a parte h esforo e resistncia. 118 ----------------------- Page 166----------------------- OS LUSADAS 80 Mas o velho, a quem tinham j obrigado Os trabalhosos anos ao sossego, Estando na cidade cujo prado Enverdecem as guas do Mondego, Sabendo como o filho est cercado, Em Santarm, do Mauro povo cego, Se parte diligente da cidade; Que no perde a presteza co a idade. 81 E co a famosa gente, guerra usada, Vai socorrer o filho; e assi ajuntados, A Portuguesa fria costumada Em breve os Mouros tem desbaratados. A campina, que toda est coalhada De marlotas, capuzes variados, De cavalos, jaezes, presa rica, De seus senhores mortos cheia fica. 82 Logo todo o restante se partiu De Lusitnia, postos em fugida; O Miralmomini s no fugiu, Porque, antes de fugir, lhe foge a vida. A Quem lhe esta vitria permitiu Do louvores e graas sem medida; Que, em casos to estranhos, claramente Mais peleja o favor de Deus que a gente. 83 De tamanhas vitrias triunfava O velho Afonso, Prncipe subido, Quando quem tudo enfim vencendo andava, Da larga e muita idade foi vencido. A plida doena lhe tocava, Com fria mo, o corpo enfraquecido; E pagaram seus anos, deste jeito, triste Libitina seu direito. 119 ----------------------- Page 167----------------------- OS LUSADAS 84 Os altos promontrios o choraram, E dos rios as guas sadosas Os semeados campos alagaram, Com lgrimas correndo piadosas; Mas tanto pelo mundo se alargaram, Com fama suas obras valerosas, Que sempre no seu reino chamaro Afonso! Afonso! os ecos; mas em vo. 85 Sancho, forte mancebo, que ficara Imitando seu pai na valentia, E que em sua vida j se exprimentara Quando o Btis de sangue se tingia E o brbaro poder desbaratara Do Ismaelita Rei de Andaluzia, E mais quando os que Beja em vo cercaram Os golpes de seu brao em si provaram; 86 Despois que foi por Rei alevantado, Havendo poucos anos que reinava, A cidade de Silves tem cercado, Cujos campos o Brbaro lavrava. Foi das valentes gentes ajudado Da Germnica armada que passava, De armas fortes e gente apercebida, A recobrar Judeia j perdida. 87 Passavam a ajudar na santa empresa O roxo Federico, que moveu O poderoso exrcito, em defesa Da cidade onde Cristo padeceu, Quando Guido, co a gente em sede acesa, Ao grande Saladino se rendeu, No lugar onde aos Mouros sobejavam As guas que os de Guido desejavam. 120 ----------------------- Page 168----------------------- OS LUSADAS 88 Mas a fermosa armada, que viera Por contraste de vento quela parte, Sancho quis ajudar na guerra fera, J que em servio vai do santo Marte. Assi como a seu pai acontecera Quando tomou Lisboa, da mesma arte Do Germano ajudado, Silves toma E o bravo morador destrui e doma. 89 E se tantos trofus do Mahometa Alevantando vai, tambm do forte Lions no consente estar quieta A terra, usada aos casos de Mavorte, At que na cerviz seu jugo meta Da soberba Tu, que a mesma sorte Viu ter a muitas vilas suas vizinhas, Que por armas tu, Sancho, humildes tinhas. 90 Mas, entre tantas palmas salteado Da temerosa morte, fica herdeiro Um filho seu, de todos estimado, Que foi segundo Afonso e Rei terceiro. No tempo deste, aos Mauros foi tomado Alcare do Sal, por derradeiro; Porque dantes os Mouros o tomaram, Mas agora estrudos o pagaram. 91 Morto despois Afonso, lhe sucede Sancho segundo, manso e descuidado; Que tanto em seus descuidos se desmede Que de outrem quem mandava era mandado. De governar o Reino, que outro pede, Por causa dos privados foi privado, Porque, como por eles se regia, Em todos os seus vcios consentia. 121 ----------------------- Page 169----------------------- OS LUSADAS 92 No era Sancho, no, to desonesto Como Nero, que um moo recebia Por mulher e, despois, horrendo incesto Com a me Agripina cometia; Nem to cruel s gentes e molesto Que a cidade queimasse onde vivia; Nem to mau como foi Heliogabalo, Nem como o mole Rei Sardanapalo. 93 Nem era o povo seu tiranizado, Como Siclia foi de seus tiranos; Nem tinha, como Flaris, achado Gnero de tormentos inumanos; Mas o Reino, de altivo e costumado A senhores em tudo soberanos, A Rei no obedece nem consente Que no for mais que todos excelente. 94 Por esta causa, o Reino governou O Conde Bolonhs, despois alado Por Rei, quando da vida se apartou Seu irmo Sancho, sempre ao cio dado. Este, que Afonso o Bravo se chamou, Despois de ter o Reino segurado, Em dilat-lo cuida, que em terreno No cabe o altivo peito, to pequeno. 95 Da terra dos Algarves, que lhe fora Em casamento dada, grande parte Recupera co brao, e deita fora O Mouro, mal querido j de Marte. Este de todo fez livre e senhora Lusitnia, com fora e blica arte, E acabou de oprimir a nao forte, Na terra que aos de Luso coube em sorte. 122 ----------------------- Page 170----------------------- OS LUSADAS 96 Eis despois vem Dinis, que bem parece Do bravo Afonso estirpe nobre e dina, Com quem a fama grande se escurece Da liberalidade Alexandrina. Co este o Reino prspero florece (Alcanada j a paz urea divina) Em constituies, leis e costumes, Na terra j tranquila claros lumes. 97 Fez primeiro em Coimbra exercitar-se O valeroso ofcio de Minerva; E de Helicona as Musas fez passar-se A pisar de Mondego a frtil erva. Quanto pode de Atenas desejar-se Tudo o soberbo Apolo aqui reserva. Aqui as capelas d tecidas de ouro, Do bcaro e do sempre verde louro. 98 Nobres vilas de novo edificou, Fortalezas, castelos mui seguros, E qusi o Reino todo reformou Com edifcios grandes e altos muros; Mas despois que a dura tropos cortou O fio de seus dias j maduros, Ficou-lhe o filho pouco obediente, Quarto Afonso, mas forte e excelente. 99 Este sempre as soberbas Castelhanas Co peito desprezou firme e sereno, Porque no das foras Lusitanas Temer poder maior, por mais pequeno; Mas porm, quando as gentes Mauritanas, A possuir o Hesprico terreno, Entraram pelas terras de Castela, Foi o soberbo Afonso a socorr-la. 123 ----------------------- Page 171----------------------- OS LUSADAS 100 Nunca com Semirmis gente tanta Veio os campos Idspicos enchendo, Nem tila, que Itlia toda espanta, Chamando-se de Deus aoute horrendo, Gtica gente trouxe tanta, quanta Do Sarraceno brbaro, estupendo, Co poder excessivo de Granada, Foi nos campos Tarts[s]ios ajuntada. 101 E, vendo o Rei sublime Castelhano A fora inexpugnbil, grande e forte, Temendo mais o fim do povo Hispano, J perdido ua vez, que a prpria morte, Pedindo ajuda ao forte Lusitano Lhe mandava a carssima consorte, Mulher de quem a manda e filha amada Daquele a cujo Reino foi mandada. 102 Entrava a fermosssima Maria Polos paternais paos sublimados, Lindo o gesto, mas fora de alegria, E seus olhos em lgrimas banhados; Os cabelos anglicos trazia Pelos ebrneos ombros espalhados. Diante do pai ledo, que a agasalha, Estas palavras tais, chorando, espalha: 103 ? Quantos povos a terra produziu De frica toda, gente fera e estranha, O gro Rei de Marrocos conduziu Pera vir possuir a nobre Espanha: Poder tamanho junto no se viu Despois que o salso mar a terra banha; Trazem ferocidade e furor tanto Que a vivos medo e a mortos faz espanto! 124 ----------------------- Page 172----------------------- OS LUSADAS 104 Aquele que me deste por marido, Por defender sua terra amedrontada, Co pequeno poder, oferecido Ao duro golpe est da Maura espada; E, se no for contigo socorrido, Ver-me-s dele e do Reino ser privada; Viva e triste e posta em vida escura, Sem marido, sem Reino e sem ventura. 105 Portanto, Rei, de quem com puro medo O corrente Muluca se congela, Rompe toda a tardana, acude cedo miseranda gente de Castela. Se esse gesto, que mostras claro e ledo, De pai o verdadeiro amor assela, Acude e corre, pai, que, se no corres, Pode ser que no aches quem socorres. 106 No de outra sorte a tmida Maria Falando est que a triste Vnus, quando A Jpiter, seu pai, favor pedia Pera Eneias, seu filho, navegando; Que a tanta piedade o comovia Que, cado das mos o raio infando, Tudo o clemente Padre lhe concede, Pesando-lhe do pouco que lhe pede. 107 Mas j cos esquadres da gente armada Os Eborenses campos vo coalhados; Lustra co Sol o arns, a lana, a espada; Vo rinchando os cavalos jaezados; A canora trombeta embandeirada Os coraes, paz acostumados, Vai s fulgentes armas incitando, Polas concavidades retumbando. 125 ----------------------- Page 173----------------------- OS LUSADAS 108 Entre todos no meio se sublima, Das insgnias Reais acompanhado, O valeroso Afonso, que por cima De todos leva o colo alevantado, E somente co gesto esfora e anima A qualquer corao amedrontado. Assi entra nas terras de Castela Com a filha gentil, Rainha dela. 109 Juntos os dous Afonsos, finalmente Nos campos de Tarifa esto defronte Da grande multido da cega gente, Pera quem so pequenos campo e monte. No h peito to alto e to potente Que de desconfiana no se afronte, Enquanto no conhea e claro veja Que co brao dos seus Cristo peleja. 110 Esto de Agar os netos qusi rindo Do poder dos Cristos, fraco e pequeno, As terras como suas repartindo, Antemo, entre o exrcito Agareno, Que, com ttulo falso, possuindo Est o famoso nome Sarraceno. Assi tambm, com falsa conta e nua, nobre terra alheia chamam sua. 111 Qual o membrudo e brbaro Gigante, Do Rei Saul, com causa to temido, Vendo o Pastor inerme estar diante, S de pedras e esforo apercebido, Com palavras soberbas, o arrogante, Despreza o fraco moo mal vestido, Que, rodeando a funda, o desengana (Quanto mais pode a F que a fora humana!) 126 ----------------------- Page 174----------------------- OS LUSADAS 112 Destarte o Mouro prfido despreza O poder dos Cristos, e no entende Que est ajudado da alta Fortaleza A quem o Inferno horrfico se rende. Co ela o Castelhano, e com destreza, De Marrocos o Rei comete e ofende; O Portugus, que tudo estima em nada, Se faz temer ao Reino de Granada. 113 Eis as lanas e espadas retiniam Por cima dos arneses ? bravo estrago! ?; Chamam (segundo as Leis que ali seguiam), Uns Mafamede e os outros Santiago. Os feridos com grita o cu feriam, Fazendo de seu sangue bruto lago, Onde outros, meios mortos, se afogavam, Quando do ferro as vidas escapavam. 114 Com esforo tamanho estrui e mata O Luso ao Granadil, que em pouco espao Totalmente o poder lhe desbarata, Sem lhe valer defesa ou peito de ao. De alcanar tal vitria to barata Inda no bem contente o forte brao, Vai ajudar ao bravo Castelhano, Que pelejando est co Mauritano. 115 J se ia o Sol ardente recolhendo Pera a casa de Ttis, e inclinado Pera, o Ponente, o vspero trazendo, Estava o claro dia memorado, Quando o poder do Mauro, grande e horrendo, Foi pelos fortes Reis desbaratado, Com tanta mortindade que a memria Nunca no mundo viu to gro vitria. 127 ----------------------- Page 175----------------------- OS LUSADAS 116 No matou a quarta parte o forte Mrio Dos que morreram neste vencimento, Quando as guas co sangue do adversrio Fez beber ao exrcito sedento; Nem o Peno, asperssimo contrrio Do Romano poder, de nascimento, Quando tantos matou da ilustre Roma, Que alqueires trs de anis dos mortos toma. 117 E se tu tantas almas s pudeste Mandar ao Reino escuro de Cocito, Quando a santa Cidade desfizeste Do povo pertinaz no antigo rito, Permisso e vingana foi celeste, E no fora de brao, nobre Tito; Que assi dos Vates foi profetizado, E despois por JESU certificado. 118 Passada esta to prspera vitria, Tornado Afonso Lusitana terra, A se lograr da paz com tanta glria Quanta soube ganhar na dura guerra, O caso triste, e dino da memria Que do sepulcro os homens desenterra, Aconteceu da msera e mesquinha Que despois de ser morta foi Rainha. 119 Tu s, tu, puro Amor, com fora crua, Que os coraes humanos tanto obriga, Deste causa molesta morte sua, Como se fora prfida inimiga. Se dizem, fero Amor, que a sede tua Nem com lgrimas tristes se mitiga, porque queres, spero e tirano, Tuas aras banhar em sangue humano. 128 ----------------------- Page 176----------------------- OS LUSADAS 120 Estavas, linda Ins, posta em sossego, De teus anos colhendo doce fruto, Naquele engano da alma, ledo e cego, Que a Fortuna no deixa durar muito, Nos sadosos campos do Mondego, De teus fermosos olhos nunca enxuto, Aos montes ensinando e s ervinhas O nome que no peito escrito tinhas. 121 Do teu Prncipe ali te respondiam As lembranas que na alma lhe moravam, Que sempre ante seus olhos te traziam, Quando dos teus fermosos se apartavam; De noite, em doces sonhos que mentiam, De dia, em pensamentos que voavam; E quanto, enfim, cuidava e quanto via Eram tudo memrias de alegria. 122 De outras belas senhoras e Princesas Os desejados tlamos enjeita, Que tudo, enfim, tu, puro amor, desprezas Quando um gesto suave te sujeita. Vendo estas namoradas estranhezas, O velho pai sesudo, que respeita O murmurar do povo e a fantasia Do filho, que casar-se no queria, 123 Tirar Ins ao mundo determina, Por lhe tirar o filho que tem preso, Crendo co sangue s da morte indina Matar do firme amor o fogo aceso. Que furor consentiu que a espada fina Que pde sustentar o grande peso Do furor Mauro, fosse alevantada Contra ua fraca dama delicada? 129 ----------------------- Page 177----------------------- OS LUSADAS 124 Traziam-a os horrficos algozes Ante o Rei, j movido a piedade; Mas o povo, com falsas e ferozes Razes, morte crua o persuade. Ela, com tristes e piedosas vozes, Sadas s da mgoa e sadade Do seu Prncipe e filhos, que deixava, Que mais que a prpria morte a magoava, 125 Pera o cu cristalino alevantando, Com lgrimas, os olhos piedosos (Os olhos, porque as mos lhe estava atando Um dos duros ministros rigorosos); E despois nos mininos atentando, Que to queridos tinha e to mimosos, Cuja orfindade como me temia, Pera o av cruel assi dizia: 126 ? Se j nas brutas feras, cuja mente Natura fez cruel de nascimento, E nas aves agrestes, que somente Nas rapinas areas tm o intento, Com pequenas crianas viu a gente Terem to piadoso sentimento Como co a me de Nino j mostraram, E cos irmos que Roma edificaram: 127 tu, que tens de humano o gesto e o peito (Se de humano matar ua donzela, Fraca e sem fora, s por ter subjeito O corao a quem soube venc-la), A estas criancinhas tem respeito, Pois o no tens morte escura dela; Mova-te a piedade sua e minha, Pois te no move a culpa que no tinha. 130 ----------------------- Page 178----------------------- OS LUSADAS 128 E se, vencendo a Maura resistncia, A morte sabes dar com fogo e ferro, Sabe tambm dar vida com clemncia A quem pera perd-la no fez erro. Mas, se to assi merece esta inocncia, Pe-me em perptuo e msero desterro, Na Ctia fria ou l na Lbia ardente, Onde em lgrimas viva eternamente. 129 Pe-me onde se use toda a feridade, Entre lies e tigres, e verei Se neles achar posso a piedade Que entre peitos humanos no achei. Ali, co amor intrnseco e vontade Naquele por quem mouro, criarei Estas relquias suas, que aqui viste, Que refrigrio sejam da me triste. 130 Queria perdoar-lhe o Rei benino, Movido das palavras que o magoam; Mas o pertinaz povo e seu destino (Que desta sorte o quis) lhe no perdoam. Arrancam das espadas de ao fino Os que por bom tal feito ali apregoam. Contra ua dama, peitos carniceiros, Feros vos amostrais ? e cavaleiros? 131 Qual contra a linda moa Policena, Consolao extrema da me velha, Porque a sombra de Aquiles a condena, Co ferro o duro Pirro se aparelha; Mas ela, os olhos com que o ar serena (Bem como paciente e mansa ovelha) Na msera me postos, que endoudece, Ao duro sacrifcio se oferece: 131 ----------------------- Page 179----------------------- OS LUSADAS 132 Tais contra Ins os brutos matadores, No colo de alabastro, que sustinha As obras com que Amor matou de amores Aquele que despois a fez Rainha, As espadas banhando, e as brancas flores, Que ela dos olhos seus regadas tinha, Se encarniavam, frvidos e irosos, No futuro castigo no cuidosos. 133 Bem puderas, Sol, da vista destes, Teus raios apartar aquele dia, Como da seva mesa de Tiestes, Quando os filhos por mo de Atreu comia! Vs, cncavos vales, que pudestes A voz extrema ouvir da boca fria, O nome do seu Pedro, que lhe ouvistes, Por muito grande espao repetistes! 134 Assi como a bonina, que cortada Antes do tempo foi, cndida e bela, Sendo das mos lacivas maltratada Da minina que a trouxe na capela, O cheiro traz perdido e a cor murchada: Tal est, morta, a plida donzela, Secas do rosto as rosas e perdida A branca e viva cor, co a doce vida. 135 As filhas do Mondego a morte escura Longo tempo chorando memoraram, E, por memria eterna, em fonte pura As lgrimas choradas transformaram. O nome lhe puseram, que inda dura, Dos amores de Ins, que ali passaram. Vede que fresca fonte rega as flores, Que lgrimas so a gua e o nome Amores! 132 ----------------------- Page 180----------------------- OS LUSADAS 136 No correu muito tempo que a vingana No visse Pedro das mortais feridas, Que, em tomando do Reino a governana, A tomou dos fugidos homicidas; Do outro Pedro crussimo os alcana, Que ambos, imigos das humanas vidas, O concerto fizeram, duro e injusto, Que com Lpido e Antnio fez Augusto. 137 Este, castigador foi rigoroso De latrocnios, mortes e adultrios; Fazer nos maus cruezas, fero e iroso, Eram os seus mais certos refrigrios. As cidades guardando, justioso, De todos os soberbos vituprios, Mais ladres, castigando, morte deu, Que o vagabundo Alcides ou Teseu. 138 Do justo e duro Pedro nasce o brando (Vede da natureza o desconcerto!), Remisso e sem cuidado algum, Fernando, Que todo o Reino ps em muito aperto; Que, vindo o Castelhano devastando As terras sem defesa, esteve perto De destruir-se o Reino totalmente; Que um fraco Rei faz fraca a forte gente. 139 Ou foi castigo claro do pecado De tirar Lianor a seu marido E casar-se com ela, de enlevado Num falso parecer mal entendido, Ou foi que o corao, sujeito e dado Ao vcio vil, de quem se viu rendido, Mole se fez e fraco; e bem parece Que um baxo amor os fortes enfraquece. 133 ----------------------- Page 181----------------------- OS LUSADAS 140 Do pecado tiveram sempre a pena Muitos, que Deus o quis e permitiu: Os que foram roubar a bela Helena, E com pio tambm Tarquino o viu. Pois por quem David Santo se condena? Ou quem o Tribo ilustre destruiu De Benjamim? Bem claro no-lo ensina Por Sarra Fara, Siqum por Dina. 141 E pois, se os peitos fortes enfraquece Um inconcesso amor desatinado, Bem no filho de Almena se parece Quando em nfale andava transformado. De Marco Antnio a fama se escurece Com ser tanto a Clepatra afeioado. Tu tambm, Peno prspero, o sentiste Despois que ua moa vil na Aplia viste. 142 Mas quem pode livrar-se, porventura, Dos laos que Amor arma brandamente Entre as rosas e a neve humana pura, O ouro e o alabastro transparente? Quem, de ua peregrina formosura, De um vulto de Medusa propriamente, Que o corao converte, que tem preso, Em pedra, no, mas em desejo aceso? 143 Quem viu um olhar seguro, um gesto brando, Ua suave e anglica excelncia, Que em si est sempre as almas transformando, Que tivesse contra ela resistncia? Desculpado por certo est Fernando, Pera quem tem de amor experincia; Mas antes, tendo livre a fantasia, Por muito mais culpado o julgaria. 134 ----------------------- Page 182----------------------- OS LUSADAS NOTAS 1.1-6 ?Agora tu, Calope, me ensina?: Calope, uma das Nove Musas, a da eloquncia e da poesia herica, a primeira de todas em dignidade; ?Assi o claro inventor da Medicina?: Apolo (?Inventum medicina meum est?, Ov., M, I.521); ?De quem Orfeu pariste ...?: Orfeu passa por filho de Calope e o Poeta aceita a verso que o faz filho de Apolo. Na Buclica IV, Virglio tambm segue esta verso (IV.56-57). Orfeu o cantor por excelncia, o msico e o poeta. 1.7 ?Nunca por Dafne, Clcie ou Leucotoe?: Dafne signfica ?loureiro? em grego. Foi amada de Apolo. Perseguida por este, acabou por pedir a seu pai, o rio Peneu, que a metamorfoseasse em loureiro (v. Ov., M, 1.452-565); Clcie, ocenide amada de Apolo, metamorfoseada em heliotrpio; Leucotoe, que nasceu no pas ?de onde nos vm os perfumes?, filha de rcamo, que ?rexit Achaemenias urbes?, amada de Apolo, transformada na rvore do incenso. A histria de Leucotoe e Clcie vem em Ov., M, IV.190-271. Apolo aqui identificado ao Sol. Soer, verbo arcaico que significa costumar. 2.3-5 ?... que do Tejo / O licor de Aganipe corre e mana?: licor aqui a gua da fonte. Sobre Aganipe, v. nosso comentrio a I.4.8; ?Deixa as flores de Pindo ...?: sobre o Pindo, v. nosso comentrio a I.4.8. 3.5 Ort.: escuitar (por escutar). Cames escreveu geanalosia (porgenealogia). 6.1-8 ?Entre a Zona que o Cancro senhoreia /... / E aquela que por fria se arreceia?: o trpico de Cncer e o crculo polar rctico; ?pela parte do Arcturo e do Ocidente?: Arcturo est aqui pelo Norte. Sobre o Arcturo, v. nosso comentrio a I.21.1-8. Ort.: Mediterrano (por Mediterrneo) 135 ----------------------- Page 183----------------------- OS LUSADAS 7.2-4 ?... mas o rio / Que dos Montes Rifeios vai correndo / Na alagoa Metis ...?: Montes Rifeios so montes fabulosos da regio hiperbrea. J assim os considerava Estrabo (Geografia, 7.3.1 e 7.3.6). Aplica-se vagamente a todas as cordilheiras do Norte da Europa e da sia. interessante a opinio de Gaspar Barreiros, na sua Chorograpbia (M.D.LXI), fls. 17 v. e 18: ?& como outros cuidaram que o Caspio era navegvel com o Oceano Septentrional, com as fabulas dos montes Ripheos & Hiperboreos & nacimento do Tanais, & de outras muitas cousas em que o mundo esteve enganado por spao de muitos annos ...? Diz Plnio, IV.XII.78: ?Lacus ipse Maeotis Tanain amnem ex Ripaeis montibus defluentem accipiens, novissimum inter Europam Asiamque finem.? A alagoa Metis o mar de Azove; o Tnais o Dom. 7.5-6 ?... e o mar que ... / Viu dos Gregos o irado senhorio?: o mar Egeu. 8.2-4 ?Os Montes Hiperbreos aparecem?: os Montes Hiperbreos tm uma localizao to indefinida como os montes Rifeus (v. Estrabo, G, 7.3.1); ?E aqueles onde sempre sopra Eolo / E co nome dos sopros se ennobrecem?: olo, o rei dos ventos; o nome de Rifeus ou Ripeus pode traduzir-se por impulso, jacto ou sopro. So os montes Rifeus. Na edioprinceps, do sopros est por dos sopros, que para JMR seria um dos muitos casos de fontica sintctica. Ort.: contino (por contnuo). 9.1-2 ?Aqui dos Citas grande quantidade / Vivem ...?: vasto pas ao norte do mundo conhecido dos Antigos. Referindo-se s populaes ao norte do Danbio, diz Plnio: ?Ab eo in plenum quidem omnes Scytharum sunt gentes? (IV.XII.80). O verbo do plural concorda com sujeito colectivo. 9.8 ?Ao campo Damasceno o perguntara?: ?Muyto mais verdadeiramente parece q} se pode afirmar que a terra que primeiro se povoou estaa entre estas ambas: a qual he ho campo Damasceno & os lugares circujeitos a elle. Esta foy a primeira terra que foy 136 ----------------------- Page 184----------------------- OS LUSADAS povoada: & assi o mostra a sagrada scriptura porque ho trato dessa terra ... he livre dos dnos que t? a do Egipto & a dos Scythas? (Sablico, Enneades, pp. 13-15 do t. I da traduo empreendida por D. Leonor de Noronha, in JMR, FL, p. 258). O Poeta aceitava, pois, a tradio de que a criao do primeiro homem fora em Damasco. 10.1-4 ?A Lpia fria ...?: a Lapnia; ?Escandinvia Ilha, que se arreia / Das vitrias que Itlia no lhe nega?: Sablico diz o seguinte: ?Fuit gens ipsa [trata-se dos Lombardos] ex Scandinavia oriunda. Est insula haec Germanici Oceani ... Multae in eo insulae; Scandinavis omnium maxima ...? (V. in JMR, FL, p. 259.) O comentador J. D. M. Ford diz, em nota a estes versos, o seguinte: ?O historiador Jordanes (sculo VI a. C.), no seu livro De rebus Geticis, declara que os Godos vieram originariamente de Scanzia ou Sucia, e o nosso Poeta pode ter querido aqui falar das conquistas gticas em Itlia.? Veja, no entanto, este comentrio de Gaspar Barreiros: ?Pella qual desposiam da terra fezeram sempre nella seu assento os reis godos, & despois d? elles os Langobardos, todo tempo que possuiram a Gallia Cisalpina chamada d? elles Lbardia. Cousa muito digna de notar, ver hua gente nacida & criada dentro no pego do Oceano Germanico, em hua ilha per nome Scdinavia, nam somente barbara, mas fera sem nenhua cultura de costumes polticos, obscura & pouco conhecida do mundo ...q} tevesse tanto poder & fortuna q} viesse regnar. cc. & XXX annos, na mais illustre & delectosa provncia do mudo ...? (Chorographia, fl. 228.) 10.5-8 ?... se navega / Um brao do Sarmtico Oceano?: se navega navegado; o Sarmtico Mar ou Sarmtico Oceano o mar Bltico; ?Pelo Brs[s]sio, Sucio e frio Dano?: O Brsio, os Prussianos; o Sucio, os Suecos; ofrio Dano, os Dinamarqueses. 11.1-4 ?Entre este Mar e o Tnais ...?: este Mar, o mar Bltico; o Tnais, o Dom; ?... Rutenos, Moscos e Livnios, / Srmatas outro tempo; ...?: regio que ocupava toda a rea da actual Rssia meridional, entrando a noroeste pela Polnia e a sueste at quase ao mar Cspio. O seu centro fixado ao norte do Cucaso. Seu limite ao norte do Ponto Euxino; ... e na montanha / Hircnia os Marcomanos so Polnios?: a Floresta Hircnia identifica-se hoje com a Floresta Negra, 137 ----------------------- Page 185----------------------- OS LUSADAS ainda que o antigo termo, segundo Elton, abranja tambm as florestas do Hartz e os bosques da Vesteflia e de Nassau. Strabo, traduzido por H. L. Jones, vol. III, p. 154, nota 5; ?os Marcomanos so Polnios?: os Marcomanos so de origem germnica, e no polaca. JMR cr que, de harmonia com a sua fonte, Sablico, Cames teria escrito ?os Massovitas so Polnios?. 11.6-8 ?... Pannios?: ?Quae pars ad mare Hadriaticum spectat appellatur Delmatia et Illyricum supra dictum; ad septentriones Pannonia vergit: finitur inde Danuvio?, Plnio, III.XXV.147; ?... Amsis e lbis rio?: Amsis, o Ems; lbis, o Elba. 12.1-4 ?Entre o remoto Istro e o claro estreito / Aonde Hele deixou, co nome, a vida?: Istro era o nome do Danbio inferior. Hele, irm de Frixo, fugiu com este num carneiro voador que deveria salv-los da morte e do dio da sua madrasta, Ino. Enquanto Frixo chegava Clquida, Hele caa no mar que veio a receber o seu nome: Helesponto, ou mar de Hele; ?Esto os Traces de robusto peito, / Do fero Marte ptria to querida?: Ares (ou Marte) passa por ter vivido na Trcia, num pas semi-selvagem, de clima rude, rico em cavalos e percorrido por populaes guerreiras. ?Ita [a Trcia] finit Hister [Danbio] a septentrione, ab ortu Pontus [mar Negro] ac Propontis [mar da Mrmara], a meridie Aegaeum mare [mar Egeu] ...? (Plnio, IV.XI.42). 12.5-8 ?Onde, co Hemo, o Rdope sujeito?: Hemo e Rdope, montanhas da Trcia; ?Bizncio tem a seu servio indino?: Bizncio Constantinopla (cidade de Constantino); ? ? Boa injria do grande Costantino!?: boa injria sofrida pelo grande Constantino. Ort.: indino (por indigno); Costantino (por Constantino), sendo o mesmo em I.60.8. 13.1-2 ?Logo de Macednia esto as gentes?: Macednia, regio no Norte da Grcia, ptria de Filipe (ou Filipo, como diz o Poeta) e de Alexandre (ou Alexandro) Magno; ?A quem lava doxio a gua fria?: o rio xio, da Macednia. 138 ----------------------- Page 186----------------------- OS LUSADAS 14.1-5 ?Logo os Dlmatas vivem; ...?: hoje regio da Jugoslvia, ao longo do Adritico; ?... e no seio / Onde Antenor j muros levantou?: v. nosso comentrio a II.45.3, ?Da terra um brao vem ao mar...?: a Pennsula Itlica. 15.1-5 ?Em torno o cerca o Reino Neptunino, / Cos muros naturais por outra parte?: a Itlia cercada por mar menos pelo norte, em que ?os muros naturais? (os Alpes) a limitam; ?Pelo meio o divide o Apenino / Que to ilustre fez o ptrio Marte?: certamente pela opinio pouco fundamentada de que os Poenos (Peninos) e Anbal tinham passado por estas montanhas. Sobre este ponto v. Gaspar Barreiros, Chorographia, fls. 184 e segs.; ?Mas, despois que o Porteiro tem divino?: os sucessores de S. Pedro, os papas. Potestade latinismo. 16.1-8 ?Glia ali se ver, que nomeada / Cos Cesreos triunfos ...?: certamente os triunfos de Jlio Csar (De bello Gallico); ?Squana?, ?Rdano?, ?Garuna? e ?Reno?: Sena, Rdano, Garona e Reno; ?Logo os montes da Ninfa sepultada?: Gaspar Barreiros, na sua Chorographia, fl. 141, fala nas duas lendas que o Poeta recolheu: a do grande fogo que fez descobrir muitas minas de prata e de outros metais (Diodoro Sculo, na sua Biblioteca Historica, 1.5) e a da morte de Pirene, filha de Hrcules, de que fala Slio Itlico na sua Pnica III. No fala, porm, de rios de ouro. 17.4 ?... a fatal roda?: a roda do destino. Ort.: noda (por ndoa). 18.1-4 ?Com Tingitnia entesta ...?: com a Mauritnia Tingitana (Marrocos); ?... Mar Mediterrano?: por mar Mediterrneo; ?Onde o sabido Estreito se ennobrece / Co extremo trabalho do Tebano?: refere-se ao estreito de Gibraltar. No seu 10. trabalho (para alguns o extremo trabalho do Tebano), Hrcules conduziu os rebanhos de Grion, monstro de trs corpos que vivia na ilha Eritreia, situada nas brumas do Ocidente ?para l do imenso oceano?. Hrcules levou os bois e matou o co e o boieiro. O prprio Grion foi morto por 139 ----------------------- Page 187----------------------- OS LUSADAS Hrcules. No regresso Grcia, Hrcules passa por vrias aventuras, entre as quais a da abertura do estreito que separa a Lbia da Europa - as colunas de Hrcules. Hrcules nasceu, embora acidentalmente, em Tebas. Por isso lhe chamam o Tebano. 19.1-8 ?Tem o Tarragons ...?: epteto dado a Afonso V de Arago, que se fez ?claro?, que se fez ilustre, conquistando Npoles; ?Sujeitando Partnope inquieta?: Partnope foi o anterior nome de Npoles. A sereia Partnope lanou-se ao mar com suas irms; as ondas atiraram o seu corpo para o litoral napolitano, onde lhe ergueram um monumento; inquieta, por pouco dcil ao domnio de Afonso V; ?O Navarro, as Astrias, que reparo / J foram contra a gente Mahometa?: a Navarra ligada s Astrias na sua defesa contra os rabes. Os restos dos Godos, depois da derrota do exrcito de Rodrigo, refugiaram-se nas Astrias e da recomeou a Reconquista; ?Tem o Galego cauto e ogrande e raro / Castelhano ...?: cauto, precavido, desconfiado; grande e raro Castelhano: admirvel, ilustre; ?... a quem fez o seu Planeta / Restituidor de Espanha ...?: a quem o seu destino fez restaurador de Espanha. Restituidor latinismo. ?Btis, ...?: Btis, por Btica ou Andaluzia. Btis o Guadalquivir. 20.1-4 ?Eis aqui, qusi cume ...?: como se fosse cume; ?Onde a terra se acaba e o mar comea / E onde Febo repousa no Oceano?: sobre Febo, v. nosso comentrio em I.4.5-7; repousa no Oceano: sobre o Oceano que os raios solares brilham, entrando Portugal na sombra e, com ele, a Europa inteira (v. VII.60.2-3). 21.5-8 ?Esta foi Lusitnia, derivada / De Luso ou Lisa ...?: ?Igitur tam a Luso, quam a Lysia, regio nomen adcepit. Et a Luso quidem, Lusitania dicta est. A Lysia vero Lysitania. Utroque enim modo adpellatur, teste Stephano.? (in Vincent., ?Adnotationes?, II.24.) 22.1-6 ?Desta o pastor nasceu que no seu nome / Se v que de homem forte os feitos teve?: Desta (Lusitnia) nasceu Viriato, que o Poeta deriva de vir; ?Pois a grande de Roma ...?: a grande (fama); ?Esta, o velho que os filhos prprios come / Veio a fazer no mundo tanta parte?: o velho (Cronos, o Tempo, identificado com Saturno) veio a 140 ----------------------- Page 188----------------------- OS LUSADAS fazer que esta (Lusitnia) fosse no mundo tanta parte (to grande parte); ?Por decreto do Cu, ligeiro e leve?: o primeiro mbil, definido como em X.85.7 - ?ligeiro e leve?. 23.1 ?Um Rei, por nome Afonso ...?: Afonso VI de Leo e I de Castela (1065-1109). Ort.: sanguinas (por sanguneas). 23.6 ?Do Herculano Calpe Cspia Serra?: Calpe (Gibraltar), uma das colunas de Hrcules; Cspia Serra, montes vizinhos do mar Cspio. 24.1 ?E com um amor intrnseco ...?: com um amor profundo. Ort.: dino (por digno); des (por dons). 25.1-2 ?Destes Anrique (dizem que segundo / Filho de um Rei de Hungria exprimentado)?: ?E com o conde Dom reim de Tolosa veio a casa delrej D. a hu seu sobrinho f de hua sua irmam que era casada com elrej de Ungria que avia nome Dom Henrique e era o segundo f lidimo de elrej de Ungria e de sua irmam do Conde de Tolosa? (Crnica de Cinco Reis, p. 43); ?Entre os quaes vieram tres mui principaes senhores, o Conde D. Reymo de Tolosa, grande senhor em Frana e o conde D. Reymo de S. Gil de Proena; e D. Hanrique, sobrinho deste conde de Tolosa, filho segundo gnito da uma sua irm, e del Rei d? Hungria, com que era casada ...? (Duarte Galvo, Crnica de D. Afonso Henriques, p. 12.) ?Nostri historici Pannoniae regis filium fuisse dicunt, Hispani Lotharingum faciunt? (L. Andr. Resend., in Vincent., ?Adnotationes?, II.24). As histrias modernas fazem Henrique, primo de Raimundo, quarto filho de Henrique, neto de Roberto, duque de Borgonha, e bisneto de Roberto II, rei de Frana. 26.1 ?Este, despois que contra os descendentes / Da escrava Agar ...?: os Ismaelitas. ?Este ... deu-lhe? (v. 6): anacoluto. 141 ----------------------- Page 189----------------------- OS LUSADAS 27.1-5 ?J tinha vindo Anrique da conquista / Da cidade Hieroslima sagrada?: D. Henrique estava de volta de Jerusalm em 1105; ?E do Jordo a areia tinha vista?: rio da Palestina; tinha vista, concordncia do particpio com o complemento directo ? areia; ?Que viu de Deus a carne em si lavada?: Jesus Cristo foi baptizado nas guas do Jordo por S. Joo Baptista; ?Que, no tendo Gotfredo a quem resista?: Godofredo de Bulho (1061-1100), duque da Baixa Lorena, chefe da 1. Cruzada. Ort.: sojugada (por subjugada). 28.5-6 ?Ficava o filho em tenra mocidade?: o conde D. Henrique, falecido em 1 de Maio de 1114, deixou o filho, D. Afonso Henriques, com 2 ou 3 anos de idade; ?Em quem o pai deixava seu traslado?: uma cpia das suas qualidades. 29.4 ?Do segundo himeneu no se despreza?: no histrico o segundo matrimnio da me de D. Afonso Henriques com Fernando Prez, conde de Trava e Trastmara. 30.5 ?Fervendo-lhe no peito o duro Marte?: ardendo na nsia de combater ?a me e o marido?. 31.1 ?De Guimares o campo se tingia?: as hostes de D. Teresa e de D. Afonso Henriques encontraram-se no campo de S. Mamede, junto de Guimares, em 1128. 32.1 ? Progne crua, mgica Medeia!?: Progne, para se vingar de seu marido, Tereu, que atentou contra a virgindade de sua irm, Filomela, matou o filho daquele, tis, e deu-o a comer ao prprio pai. Perseguidas por Tereu, conseguiram, merc dos deuses, transformar- se Progne em andorinha e Filomela em rouxinol. (Ov., M, VI.440-673). Dos vrios crimes cometidos por Medeia, mulher deJaso, chefe dos Argonautas, conta-se o de, para se vingar de seu marido, infiel, ter 142 ----------------------- Page 190----------------------- OS LUSADAS degolado em Corinto os filhos que teve dele (v. Ov., M, VII.350- 403). 32.7 ?Cila, por ua, mata o velho pai?: Cila, filha do rei de Mgara, Nisos, apaixonou-se por Minos, quando este veio cercar a sua ptria para punir o assassnio de Andrgeo. A filha de Nisos, traindo a sua ptria, disps-se a cortar um cabelo fatal de seu pai, um cabelo com o brilho da prpura, garantia da sua autoridade suprema e que o tornava invencvel, com a promessa de casar com Minos. Mgara foi com efeito tomada, mas, horrorizado com o crime de Cila, Minos abandonou-a (v. Ov., M, VIII.8-152). 33-2-8 ?... e da inica me . . .?: inica, por ter lutado contra o filho por ?incontinncia m? e ?cobia feia? (32.5); ?A me em ferros speros atava?: ?& o Principe Dom Afonsso henrriquez pos ento sua madre em ferros ...? (Crnica de Cinco Reis, p. 55); ?Tanta venerao aos pais se deve!?: D. Galvo, cap. XLV: ?Por onde os filhos devem muito fazer por acatar sempre seus pais e mes, segundo por Deus lhes estreitamente mandado ...? Ort.: inica (por inqua). 34.8 ?Mas o inimigo asprrimo afugenta?: refere-se ao encontro na veiga de Valdevez (1128), em que D. Afonso VII de Leo e II de Castela, que acudiu por D. Teresa, teve de retirar-se para Toledo (D. Galvo, cap. VII). Asprrimo latinismo. 35-1-2 ?No passa muito tempo, quando o forte / Prncipe em Guimares est cercado?: por intermdio de Egas Moniz, aio de D. Afonso, conseguiu-se o descerco, mas D. Afonso no se disps a cumprir as promessas de seu aio (1129). Ort.: imigo (por inimigo). 37.5 ?Vendo Egas que ficava fementido?: sobre este episdio, a que o Poeta consagra as est. 37-40, v. o cap. X da Crnica de Duarte Galvo (o episdio refere-se a 1129). 143 ----------------------- Page 191----------------------- OS LUSADAS 39.3-8 ?Se a peitosgenerosos e excelentes?:generosos, nobres; ?... pelo estilo / De Sinis e do touro de Perilo?: Sinis, um dos salteadores mortos por Teseu; dobrava pinheiros, entre os quais ligava um homem; depois libertava os pinheiros e o homem era esquartejado no ar (v. Apollodoro, Biblioteca, III, 16, e Plutarco, Teseu, VIII). Perilo, ateniense, inventou para Flaris, tirano de Agrigento, um touro de bronze. Metendo um homem dentro do touro e acendendo um lume por baixo o homem mugiria como um touro. Flaris comeou por experimentar aquele novo meio de tortura no prprio Perilo (Textor, Officina, fl, CCLXXV, cita como fonte Ov., 1.2, De Ponto). Ov. no nomeia Perilo: saevior illo (Ov., Tristia, III.XI-39), 40.5 Ort.: indinado (por indignado). 41.7 ?Que mais o seu Zopiro so prezara?: Zpiro, strapa persa, levado pela sua dedicao a Dario I, cortou o nariz e as orelhas e introduziu-se em seguida em Babilnia, cercada pelo Grande Rei, para mostrar aos habitantes que Dario era o autor daquele cruel tratamento. Tendo conquistado a confiana dos Babilnios, Zpiro aproveitou-se dela para fazer entrar o exrcito de Dario na cidade (519 a. C.) (v. Justino, I, X, 15, cit. por ED). 42.5 ?J no campo de Ourique se assentava?: v. Duarte Galvo, Cr. cit., caps. XIII a XVII. 43.3 Ort.: bautizado (por baptizado). 44.1-7 ?Cinco Reis Mouros so os inimigos?: v. Duarte Galvo, cap. XIII, p. 68; ?Seguem guerreiras damas seus amigos?: id., ibid.; ?De quem tanto os Troianos se ajudaram?: depois da morte de Heitor, Pentesileia tinha vindo em socorro de Pramo frente de um contingente de Amazonas. Foi morta por Aquiles (Apollodoro, Eptome, V.1). A fonte da narrativa de Pentesileia Pausnias. 144 ----------------------- Page 192----------------------- OS LUSADAS 44.8 ?E as que o Termodonte j gostaram ?: as Amazonas, mulheres guerreiras que habitavam a regio do Ponto. O Termodonte era o rio nas margens do qual elas viviam. Os Argonautas, na sua viagem, passaram perto delas. J gostaram : j provaram. 45.3 ?Quando na Cruz o Filho de Maria?: v. Duarte Galvo, Crnica de D. Afonso Henriques, cap. XV, p. 79: ?E o Prncipe saiu-se fora de sua tenda, e segundo ele mesmo disse e deu testemunho em sua histria, viu nosso Senhor em Cruz na maneira que dissera o Ermito. E adorou-o com lagrimas de grande prazer, confortado e animado com tal enlevamento e confirmao do Espirito Santo, que se afirma, tanto que viu Nosso Senhor, haver entre outras palavras falado algumas sobre corao e esprito humano, dizendo: ? ?Senhor! Aos hereges, aos hereges faz mester apareceres, que eu sem nenhuma dvida creio e espero em ti firmemente!? 46.7-8 ?Dizendo em alta voz: - ?Real, real, / Por Afonso, alto Rei de Portugal?: ?o Prncipe, vendo-se to aficado deles, disse que pois assim era, que fizessem o que lhes bem parecesse. E ento todos o levantaram por Rei, bradando com grande prazer e alegria: ? ?Real, Real, por el-Rei D. Afonso Hanriques de Portugal!? (Duarte Galvo, cap. XVI, no fim.) 47.2 ?... o rbido moloso?: molosso, co de caa, originrio da Molssia, parte do Epiro. 48.1-6 ?Tal do Rei novo o estmago acendido?: estmago, o nimo; ?Levantam nisto os Perros o alarido?: os ces, injria vulgar dirigida aos Muulmanos; ?... o alarido / Dos gritos; tocam a arma ...?: apelidar arma! arma!, com que se d rebate ao inimigo, e da tocar a arma; ?... ferve a gente?: como em II.24.3-5. 49.8 ?Recolhe ofato ...?: aqui significa rebanho [da pastoral companha]. 145 ----------------------- Page 193----------------------- OS LUSADAS 50.4 ?... belgero ...?: latinismo. 51.3-4 ?E os animais correndo furiosos / Que Neptuno amostrou, ferindo a terra?: ?E tu, Neptuno, cujo tridente temvel fez saltar do seio da terra o corcel fremente? (Virglio, G, I.12-14). 53.5 ?Aqui pinta no branco escudo ufano?: escudo das armas de Portugal. 54.1-8 ?E nestes cinco escudos ...?: Duarte Galvo, cap. XVIII: ?Primeiramente, porque lhe nosso Senhor aparecera no Cu em Cruz, ps, sobre o campo branco que dantes no Escudo trazia, por armas uma cruz toda azul, partida em cinco Escudos, pelos Cinco Reis que vencera; e meteu trinta dinheiros de prata em cada um dos Escudos, em renembrana damorte e paixo do nosso Senhor, vendido por trinta dinheiros. E os reis de Portugal, que depois vieram, vendo que no se podiam meter tantos dinheiros em pequenos Escudos d? armas, poseram em cada um dos cinco Escudos, cinco dinheiros em aspa, e assim contando por si cada uma carreira da Cruz de longo e atravez, metendo sempre no conto, de ambas as vezes, o Escudo da metade, fazem trinta dinheiros, e desta maneira se trazem agora.? (Duarte Galvo, Crnica de D. Afonso Henriques, cap. XVIII.) 55.1-7 Tambm o bom do Homero s vezes dormita: Passado j algum tempo quepassada Era esta gro vitria, o Rei subido A tomar vai Leiria, que tomada 55.4-7 ?Fora, mui pouco havia, do vencido?: o rei Ismar; ?Scabelicastro ...?: por Scalabicastro (Santarm). Ort.: sojugada (por subjugada). 146 ----------------------- Page 194----------------------- OS LUSADAS 56.2-5 ?... em pouco espao?: em pouco tempo, como em I.91.4-8; ?E, nas serras da Lua conhecidas?: ?Lunae mons est, is quem nostra aetas Sintriensem ab oppido adpellat, ad cuujus promontorii radices, in litore templum olim fuit Solis & Lunae, summa religione cultum. De quo in Antiquitatibus Lusitaniae aliquando, Deo favente, dicemus? (L. Andr. Resend., in Vincent., ?Adnotationes?, II.39); ?Sintra, onde as Naiades, escondidas / Nas fontes ...?: as Niades so as ninfas dos rios e das fontes, como as Nereides so as ninfas do mar. Ov., M, I.1.691, chama a Siringe uma Niade. Ort.: Sometidas (por submetidas); sojuga (por subjuga). 57.3-8 ?Que edificada foste dofacundo ?: Ulisses; ?Por cujo engano foi Dardnia acesa?: por cujo estratagema (a inveno do cavalo de pau); Dardnia toma-se por Tria, de Drdano, filho de Zeus e de Electra, fundador da dinastia real de Tria; ?Ajudada tambm da forte armada?: o exrcito cristo da Segunda Cruzada na Primavera de 1147 largava do porto ingls de Dartmouth para a Terra Santa. Compunha-se de alemes, flamengos, franceses e ingleses, que foram persuadidos no Porto, de acordo com D. Afonso Henriques, a prestar a sua colaborao conquista de Lisboa, que estava ainda em poder dos infiis. Entraram no Tejo a 28 de Junho e a cidade capitulou em 23 ou 24 de Outubro de 1147; ?Que das Boreais partes foi mandada?: de Inglaterra. 58.1-8 ?L do Germnico lbis ...?: lbis, o Elba; ?aos muros Ulisseus?: a cidade fundada por Ulisses, Lisboa. 59.1-2 ?Cinco vezes a Lua se escondera / E outras tantas mostrara cheio o rosto?: o Poeta exprime em lunaes a durao do cerco de Lisboa: perto de cinco meses, como diz Duarte Galvo, Crnica de D. Afonso Henriques, cap. XXXIV. Ort.: sanguina (por sangunea). 60.3-8 ? grande fora nunca obedeceu / Dosfrios povos Cticos ousados?: os frios povos Cticos so os Alanos, Vndalos e Suevos, que em 411 se distriburam por diversas regies da Pennsula, ocupando os Alanos 147 ----------------------- Page 195----------------------- OS LUSADAS a Lusitnia e a Cartaginense, os Vndalos e Suevos a Galiza e a tribo vndala dos Silingos a Btica. Quer o Poeta que Lisboa nunca se tenha rendido a estes; ?Que o Ibero o viu ...?: o Ebro; ?E, enfim, co Btis tanto alguns puderam / Que terra, de Vandlia o nome deram?: os vndalos da Galcia passaram para a Btica at 429. A regio da Btica (Guadalquivir) por eles ocupada foi a Vandalicia (nos poetas Vandlia), hoje Andaluzia. 61.6-8 ?... por onde soa / O tom das frescas guas entre as pedras, / Que murmurando lava ...?: h quem d a lava o sujeito tom. A gua no lava o tom, mas sim aspedras. O Poeta tinha no pensamento as frescas guas do pequeno rio chamado mesmo Alenquer, que vem do Montejunto e lava as pedras. 62.1-2 ?E vs tambm, terras Transtaganas?: ?Tagus autem mediam secat Lusitaniam, Anas vero Lusitaniam a Baetica separat. Regio inter utrumque amnem, optima Lusitaniae pars, Allentagio vulgo dicitur. Nos Transtaganam fecimus, & populos Transtaganos ...? (L. Andr. Resend., in Vincent., ?Adnotationes?, II.25); ?...flava Ceres ?: flava dourada; Ceres, deusa da agricultura. O Poeta pensa nos trigais do Alentejo. 63.1-8 ?Eis a nobre cidade, certo assento / Do rebelde Sertrio ...?: vora (1165); certo assento: assento certo, inegvel, indiscutvel. O Poeta segue a opinio de Andr Resende, que reforou a prova com inscries por ele mesmo forjadas; ?Onde ora as guas ntidas de argento?: o aqueduto chamado gua de Prata. Comearam os trabalhos de edificao do aqueduto sobre o antigo aqueduto, chamado de Sertrio, depois de 1531, durando as obras sete anos; ?Vm sustentar de longo a terra e a gente?: por alongado caminho; ?Obedeceu ...?: rendeu-se a Geraldo Sem-Pavor. Repare-se na construo: ?Eis a nobre cidade ... Obedeceu?; ?De Giraldo, que medos no temia?: um antigo bandoleiro, que escolheu o Alentejo como valhacouto e que um dia resolveu fazer uma proeza que o reabilitasse. Em Setembro ou Outubro de 1165 tomou, ou melhor, assaltou vora, feito de incrvel audcia nas condies em que foi realizado; medos, perigos. 148 ----------------------- Page 196----------------------- OS LUSADAS 64.1-5 ?J na cidade Beja ...?: Beja, aposto; ?No se lhe pode muito sustentar?: a cidade de Beja, que foi definitivamente tomada em 30 de Novembro de 1162. ?[D. Afonso] ... passou-se a Alentejo ... at chegar a Beja. A qual tendo cercada entrou gram poder de Mouros pela comarca da Beira a fim de retraer e fazer cessar o dano que el- Rei neles fazia em Alentejo, e cercaram Trancoso; e depois de combatido e tomado por fora, destruiram o lugar ...? (Duarte Galvo, Cap. XLI.) 65.5 ?(Sentiu-o a vila e viu-o a serra dela)?: a consulta da fonte (Duarte Galvo) prova que o Poeta se refere vila de Palmela e serra de Azeito, onde derrotou um exrcito do rei de Badajoz (Balhadouce). Ort.: sojugada (por subjugada). 65.6 ?Que a socorr-la vinha diligente?: ?[os Mouros] vinham longa sem ordem a gram pressa para socorrer Cezimbra ...? (Duarte Galvo, cap. XLIII.) 66.1-4 ?O Rei de Badajoz era, alto Mouro?: o rei de Badajoz, alto Mouro, isto , de alta dignidade; ?Inmeros pees, de armas e de ouro / Guarnecidos ...?: ?de armas e de ouro guarnecidos? no pertence a ?inmeros pees?, mas a ?cavalos [por cavaleiros] furiosos?. 67.2-8 ?Na gente d, que passa bem segura?: desprevenida (v. igual sentido em I.99.2 e II.46.5; ?N mais que sessenta de cavalo?: ?levando consigo [D. Afonso] sessenta bons cavaleiros e alguma gente de p e besteiros? (Duarte Galvo, Cap. LXIII). N mais empregado tambm na lrica (v. X.145.1). 68.2 ?... incansbil ...?: latinismo. 69.4 ?Ou por segredos que homem no conhece?: homem empregado com sentido indefinido. 149 ----------------------- Page 197----------------------- OS LUSADAS 70.7 ?Que em ferros quebra as pernas, ...?: ?... e aconteceu que o cabo do ferrolho no ficara bem colhido ao abrir das portas, e o cavalo assim como ia correndo, topou nele com uma ilharga, de guisa que se feriu muito e quebrou a perna acerca de todo a el-Rei ...? (Duarte Galvo, cap. XLIV.) 71.1-5 e 72.1-6 ? famoso Pompeio, no te pene?: Pompeu, o Magno (107-48 a. C.). Distinguiu-se nas campanhas de frica. Em 60 formou, contra o Senado, com Csar e Crasso, o primeiro triunvirato. Sustentado pelo Senado, entrou em rivalidade com Csar e foi nomeado em 52 cnsul nico. Depois de longas lutas foi vencido em Farsalo (48) e assassinado ordem do rei Ptolemeu, rei do Egipto, quando procurava refgio junto dele; ?... a justa Nmesis ...?: deusa que personifica a vingana divina; ?Posto que ofrio Fsis ou Siene,?: o Fsis, rio da antiga Clquida, que desce do Cucaso e tem a sua foz no Ponto Euxino. actualmente o Rion: Siene, cidade do antigo Egipto, nos confins da Etipia. hoje Assuo; em 71.1-5 e 72.1-6 o Poeta teve sob os olhos os vv. 583-594 do liv. II de Civilis Belli sive Pharsaliae, de Lucano: ?Nenhuma terra do mundo existe onde eu no tenha tido vitrias, antes, por onde quer que o sol aquente, est cheio dos meus trofus e triunfos. O norte conhece-me por vencedor pelas guas geladas do rio Fsis; no curso meridional a quente Egipto at Siene, onde as sombras no se rodeiam por parte alguma; os Ocidentais viram e temem o meu poder; e o espanhol rio Btis, que o ltimo que alcana a fugidora Ttis. Os rabes conheceram o meu jugo e os fortes guerreiros Henocos; e os Colcos to nomeados pelo velo de ouro que perderam. Os Capadoces temem as minhas bandeiras e Judeia, dada aos sacrifcios do deus no conhecido e os afeminados Sofenos. Eu sujeitei os Armnios e os feros Cilcios, com os moradores do spero monte Tauro: de modo que fiz a guerra contra todas as estranhas gentes e as hei vencido; e meu sogro toma a guerra civil, que eu no fiz.? Foi MC o primeiro a citar Lucano. 71.7 ?O Bootes gelado ...?: Bootes a constelao do Boieiro (v. I.21.1-8). 72.7-8 ?As guas dos dous rios ...?: o Tigre e o Eufrates. Atroces latinismo; 150 ----------------------- Page 198----------------------- OS LUSADAS ?... cuja fonte / Est noutro mais alto e santo monte?: no Paraso, segundo o ?Gnesis?, II.10.14. 73.1-8 ?... desde o mar de Atlante / At o Ctico Tauro?: desde o oceano Atlntico at cadeia de montanhas da pennsula da sia Menor, marginando o Mediterrneo diante de Rodes e de Chipre; ?Se o campo Emtio ...?: a Macednia, mas aqui abrange a Tesslia, onde fica a cidade de Farsalo; ?Que vena o sogro a ti e ogenro a este!?: o sogro Jlio Csar, que venceu Pompeu; ogenro Fernando II, rei de Leo, porque a filha de D. Afonso Henriques, D. Urraca, casou em 1165 com o rei de Leo. Este repudiou-a em 1175. 74.3-5 ?Despois que em Santarm ... / Em vo, dos Sarracenos foi cercado?: Duarte Galvo, no cap. XLVI, fala de ?Alboiaque?, rei de Sevilha; que veio cercar D. Afonso, em Santarm, e foi destroado. O rei de Leo chegou a entrar em Portugal para auxiliar o sogro, mas no foi necessrio o seu auxlio; ?E despois que do mrtire Vicente?: Duarte Galvo, no cap. XLVII, trata de como o corpo de S. Vicente foi achado no Sacro Promontrio (hoje cabo de S. Vicente). No cap. XLVIII, de como o corpo de S. Vicente foi posto na S de Lisboa. S. Vicente foi martirizado sob Diocleciano em Valncia, em 304. Ort.: mrtire (por mrtir). 74.7-8 ?Do Sacro Promontrio?: hoje cabo de S. Vicente; ? cidade Ulisseia ...?: cidade de Lisboa. 75.1-8 ?... o lasso velho?: lasso (cansado) latinismo; ?... co belgero aparelho?: com os aprestos de guerra; ?O rio que Sevilha vai regando?: o rio Guadalquivir (v. 85.4-5). Belgero latinismo. 76.2 ?... at que veja?: enquanto no vir. 77.1 ?J se ajuntam do monte a quem Medusa?: juntam-se os naturais do 151 ----------------------- Page 199----------------------- OS LUSADAS monte Atlas. A lenda diz que Perseu mudou Atlas em rochedo, apresentando-lhe a cabea de Medusa. Esta era uma das trs Grgonas, que habitavam no Extremo Ocidente, no longe do pas das Hespridas. Os olhos destes trs monstros eram to faiscantes e o olhar to penetrante que quem quer que o visse ficava mudado em pedra. Como gigante, Atlas entrou na luta dos gigantes e Zeus castigou-o, fazendo-o ?ter o Cu?, isto , sustentar a abbada celeste, at que foi convertido em pedra. Estrabo chama s Hespridas e s Grgonas uma inveno (G, 7.3.6). 77.3-8 ?J vm do promontrio de Ampelusa / E do Tinge ...?: o promontrio de Ampelsia o cabo Espartel, entre Ceuta e Tnger (Tinge). Diz Plnio, V.I.2 ?promontorium Oceani extremum Ampelusiae nominatur a Graecis?; ?... que assento foi de Anteu?: o gigante Anteu foi casado com Tinge e teve um filho desta, de nome Sfax, que reinou na Mauritnia. Sfax fundou a cidade de Tngis (hoje Tnger) em honra de sua me; ?O morador de bila no se escusa?: bila uma das colunas de Hrcules. Olivar, em nota a Mela, De situ orbis, edio de 1748, p. 36 (I, V, 17), diz: ?Abylam] Nunc Aceuta: oppidum etiam Lusitanorum. hinc sumit initium mons ille, qui nunc dicitur La Siera dal Marca: Siera Hispanice sonat montem: plenus est hic simiis?; ?Todo o reino que foi do nobre Juba?: Juba, rei da Mauritnia. natural que se trate de Juba II, que foi historiador e gegrafo. 78.1-7 ?Entrava, com toda esta companhia / O Miralmomini em Portugal / Treze Reis mouros leva de valia?: a Crnica de Cinco Reis e Duarte Galvo chamam-lhe ?Almiramolim?, imperador dos crentes; ?Dom Sancho vai cercar em Santarm?: ?Outro dia, quinta-feira pela manh, vspera de S. Pedro e S. Paulo, abalou Almiramolim com toda a sua gente e chegou a Santarm? (Duarte Galvo, cap. LVII). A auxiliar D. Sancho, saiu D. Afonso, de Coimbra. o que diz a est. 80. Duarte Galvo conta ainda: ?E foi ali mui ferido Almiramolim? ? o que suscita o comentrio do Poeta em 82.3-4. 79.2-6 ?No lhe aproveita j trabuco horrendo, / Mina secreta, areteforoso ?: trabuco, instrumento de guerra com que se atiravam grandes pedras; arete, mquina de bater muralhas ou portas, terminando em cabea 152 ----------------------- Page 200----------------------- OS LUSADAS de carneiro; arete foroso, arete possante; ?... e acordo generoso?: presena de esprito. 80.1-8 ?Mas o velho ...?: o Poeta insiste na avanada idade de D. Afonso (v. III.75.2), mas pode ser que queira referir-se a homem experimentado; ?... na cidade cujo prado / Enverdecem as guas do Mondego?: perfrase para indicar Coimbra; ?... do Mauro povo cego?: cego por no ter a f crist; ?Que no perde a presteza co a idade?: que conclusivo:pois . 81.4-6 ?... os Mouros tem desbaratados?: concordncia com o complemento directo; ?De marlotas ...? vestido mourisco com que se cinge e aperta o corpo. 82.1-3 ?Logo todo o restante se partiu / De Lusitnia,postos em fugida?: concordncia depostos com uma palavra de sentido colectivo ? o restante; ?O Miralmomini s no fugiu, / Porque, antes de fugir, lhe foge a vida?: o Almiramolim ficou muito ferido em Santarm, mas veio a morrer. 83.2-8 ?... Prncipe subido,?: Prncipe eminente; ?Aplida doena lhe tocava / com fria mo ...?: o Poeta objectiva aplida doena que vem tocar com fria mo o corpo enfraquecido; ?A triste Libitina ...?: a deusa dos mortos. D. Afonso Henriques morreu em 6 de Dezembro de 1185. 84.2 ?E dos rios as guas sadosas?: a edioprinceps tem e do rios, com supresso do s antes do r. Ort.: valerosas (por valorosas). 85.4-5 ?Quando o Btis de sangue se tingia / E o brbaro poder desbaratava?: v. III.75.5-8. 153 ----------------------- Page 201----------------------- OS LUSADAS 86.3-4 ?A cidade de Silves tem cercado?: com o auxlio da ?Germnica armada? (flamengos e alemes) que formou a Terceira Cruzada (1189-1192) os Portugueses atacaram Silves, que caiu em 6 de Julho de 1189; ?Cujos campos o Brbaro lavrava?; o Brbaro o Muulmano. 87.1-5 ?O roxo Federico, ...?: Frederico I, imperador da Alemanha (1123- 1190), o Barba-Roxa ou Barba-Ruiva; ?Quando Guido, co a gente em sede acesa?: Guido de Lusignan, ltimo rei de Jerusalm, rendeu-se a Saladino, sulto do Egipto e da Sria, porque as suas tropas morriam de sede. A batalha de Tiberade terminou pela captura de Guido. 88.1-4 ?Mas afermosa armada, ... / J que em servio vai do santo Marte?: a fermosa armada quis ajudar Sancho porque ia pelejar na Guerra Santa. Ort.:fermosa (porformosa ). 89.6 ?Da soberba Tu ...?: nas lutas com a monarquia de Leo (Afonso IX) os Portugueses tomaram Tui e outras terras na Galiza. 90.6 ?Alcare do Sal, por derradeiro?: Alccer do Sal tinha sido tomada por D. Afonso Henriques em 24 de Junho de 1157, mas foi perdida pouco depois e reconquistada definitivamente, com o auxlio de cruzados, em 18 de Outubro de 1217. Ort.: estrudos (por destrudos). 91.4-5 ?Que de outrem quem mandava era mandado?: que, quem mandava, de outrem era mandado; ?De governar o Reino, que outro pede?: de governar o Reino que pede outro rei. 92.2-8 Nero (54-68 d. C.) foi um imperador cruel e depravado. Enquanto Roma ardia, viram-no cantar ao som da lira um hino sobre o incndio de Tria. Revoltas no Imprio levaram sua proscrio por um decreto. Perseguido, fez-se matar por um liberto; ?Nem to mau 154 ----------------------- Page 202----------------------- OS LUSADAS como foi Heliogabalo?: Heliogbalo o cognome do imperador romano Vario Avito Bassiano, aclamado pelos soldados sob o nome Marco Aurlio Antonino (n. em 204 e m. 222). No houve extravagncia nem devassido que no inventasse. Os pretorianos assassinaram-no e lanaram o seu cadver ao Tibre. Viveu dezoito anos e teve o Imprio quatro anos; ?Nem como o mole Rei Sardanapalo?: o ltimo rei do imprio assrio, Nnive. Ignora-se a data do nascimento, mas morreu em 625 a. C. Foi um conquistador militar, dspota e cruel na vitria. Apoderando-se de Babilnia, praticou os maiores horrores para atemorizar o povo. Mas h outro aspecto em Sardanapalo: o da sua devassido. Diz Textor, Officina: ?Omnium (quos enervavit mollicies & deliciae corrumperunt) principem locum maioremque apud posteros ignominiam mervit Assyriorum rex Sardanapalus.? Textor cita justino. 93.3 ?Nem tinha, como Flaris, ...?: um exemplo dos tiranos da Siclia, no pior sentido do termo. Houve outros de quem o povo colheu benefcios. 94.4-5 ?Seu irmo Sancho, sempre ao cio dado?: morreu exilado em Toledo, a 4 de Janeiro de 1248; ?Este, que Afonso o Bravo se chamou?: costuma-se dar o cognome de Bravo a D. Afonso IV, e no a D. Afonso III. O cognome de D. Afonso IV posterior a Os Lusadas. V. JMR, FL, pp. 115-117. 95.1-7 ?Da terra dos Algarves, que lhe fora / Em casamento dada, ...?: nas pazes entre o rei de Portugal e o de Castela e apesar de a condessa Matilde de Bolonha ser ainda viva, ajustou-se o casamento de D. Afonso III com D. Beatriz, filha ilegtima de Afonso X e de Maria Guilhen de Gusman em Maio de 1253. Outra condio de pazes era que o rei de Portugal cederia temporariamente a Afonso X o usufruto do Algarve e das terras a oriente do Guadiana, at que o seu primeiro filho, se os houvesse de D. Beatriz, completasse 7 anos de idade, e ento seria dado coroa portuguesa o domnio pleno do Algarve. O Poeta simplifica as circunstncias histricas; ?E acabou de oprimir a naoforte ?: alude aos Mouros. Oprimir no sentido de submeter. Forte no sentido depertinaz . 155 ----------------------- Page 203----------------------- OS LUSADAS 96.4 ?Da liberalidade Alexandrina?: altura de Alexandre Magno. A contrafaco de Os Lusadas imprimiu: ?Da liberdade Alexandrina!? 97.2 ?O valeroso ofcio de Minerva?: Minerva identificava-se com Atena. Atena preside actividade intelectual, principalmente escolar. Ort.: valeroso (por valoroso). 97.3-8 ?E de Helicona as Musas fez passar-se?: sobre Hlicon, v. nosso comentrio em I.4.8. A forma ?Helicona? de Virglio, na Eneida, em duas situaes idnticas: ?Pandite nunc Helicona, deae? (VII.641) e ?Pandite nunc Helicona, deae? (X.163); ?Tudo o soberbo Apolo aqui reserva?: a montanha do Hlicon ficava na Becia e era consagrada a Apolo e s Musas; ?Aqui as capelas d ...?: capelas, grinaldas de flores (neste caso do bcaro e do louro); ?Do bcaro e do sempre verde louro?: na gloga VII, Vrglio faz dizer a Thirsis: ?Aut, si ultra placitum laudarit, baccare frontem cingite?. Portanto, com o bcaro cingia-se a fronte. O bcaro uma planta, mas a sua identificao tem sido muito discutida. o Gnaphalium Sanguineum L. CF, FL, p. 25 supe que Cames cita o bcaro como reminiscncia clssica. Nunca o ter visto. Bailly cita-o como planta cuja raiz fornece um leo aromtico. Identifica-o com o nardo silvestre. 98.5 ?Mas, despois que a dura tropos cortou?: Atropos , das trs Parcas, a que corta o fio da vida. 99.1-4 ?... as soberbas Castelhanas?: o desprezo votado por el-rei de Castela Afonso XI a sua esposa, D. Maria, filha do nosso rei Afonso IV, e o embargo posto passagem de D. Constana, filha de D. Joo Manuel, para casar com D. Pedro, obrigaram D. Afonso IV a novas guerras. Depois de repetidas correrias de um lado e do outro a paz foi restabelecida em 1339 ou 1340. 100.1-8 ?Nunca com Semirmis gente tanta?: Semirmis aqui evocada pela 156 ----------------------- Page 204----------------------- OS LUSADAS expedio ndia; v. nosso comentrio a III.126.1-3; ?Veio os campos Idspicos enchendo: sobre o Hidaspe, v. nosso comentrio a I.55.2; ?Nem tila ... /... / Gtica gente trouxe tanta ...?: tila era rei dos Hunos (437-453). Os Hunos eram de raa monglica, e no germnica. Ou generalizao do Poeta ou lapso; ?Foi nos campos Tarts[s]ios ajuntada?: antiga cidade, na foz do Btis (Guadalquivir), conhecida pelas suas riquezas. 101.4-6 ?J perdido ua vez, ...?: com o fim do imprio visigtico e invaso muulmana em 711; ?Lhe mandava a carssima consorte?: uma mentira potica. V. o nosso comentrio a III.99.1-4. Inexpugnbil latinismo. 102.6 ?Pelos ebrneos ombros espalhados?: da cor do marfim. 105-2-6 ?O corrente Muluca se congela?: MC: ?Mulucha he rio do Reyno de Fez, como quer Ptolomeo na primeira tavoa de Mauritania Tingitana, lib. 4. Os Mouros lhe chamam hoje Munzemar?. Modernamente identifica-se com o Moluia. Nasce no Mdio Atlas e desagua no Mediterrneo. Corre entre a Arglia e Marrocos. Note o gnero de ?corrente?; ?De pai o verdadeiro amor assela?: certifica, promete com segurana. Ort.: acude (por acode). 106.1-6 ?No de outra sorte ...?: v. Virglio, E, I.227-296; o raio infando?: terrvel, horrvel. Infando latinismo. 108-3-5 ?... por cima / De todos leva o colo alevantado?: o busto; ?... esfora e anima ...?: palavras de sentido prximo. 109.2-3 Nos campos de Tarifa esto defronte?: cidade do extremo sul da Espanha. O rei de Marrocos e o rei de Granada tinham posto cerco cidade de Tarifa. vista dos exrcitos cristos descercaram-na, preparando-se assim para uma batalha campal. Entretanto 1000 157 ----------------------- Page 205----------------------- OS LUSADAS cavaleiros cristos e 4000 infantes entraram, apesar dos esforos contrrios, em Tarifa, para agirem no momento oportuno; ?Da grande multido da cega gente?: v. nosso comentrio a III.80.1-8. 110.1-6 ?Esto de Agar os netos qusi rindo?: os Agarenos, procedentes de Ismael, filho de Agar, escrava de Abrao, que apoucaram as foras crists; ?... possuindo / Est o famoso nome Sarraceno?: o Poeta deriva os Agarenos da escrava Agar e Sarracenos de Sara (ou Sarra), legtima esposa de Abrao. 111.1-3 ?Qual o membrudo e brbaro Gigante?: Golias; ?Do Rei Saul, com causa to temido?: Saul, o primeiro rei dos Hebreus, que reinou na segunda metade do sculo XI a. C. Encontrando-se o rei Saul em guerra com os Filisteus, o gigante Golias desafiava todos os dias os Israelitas para um combate singular; ?Vendo o Pastor inerme ...?: David, sucessor de Saul. David com uma funda atirou uma grande pedra que, batendo na fronte de Golias, o matou. Inerme (desarmado) latinismo. 112.4 ?... horrfico ...?: latinismo. 113.6 ?Fazendo de seu sangue bruto lago?: feio lago. Talvez do italiano brutto. 114.1-7 ?Com esforo tamanho estrui ...?: ou estri (por destri); ?... que em pouco espao?: v. III56.2; ?Vai ajudar ao bravo Castelhano?: duvidoso que tal ajuda se tenha verificado. 115.1-4 ?J se ia o Sol ardente recolhendo / Pera a casa de Ttis ...?: a casa de Ttis o Oceano. No confundir Tethys, filha do Cu e da Terra, esposa do Oceano, com Thetis, filha de Nereu e de Dris, e, portanto, uma das Nereidas; ?... e inclinado / Pera o Ponente, o vspero trazendo?: vspero o nome da segunda das divises da noite e equivale a vespora empregada por Rui de Pina ao descrever a Batalha 158 ----------------------- Page 206----------------------- OS LUSADAS do Salado: ?que sem sessar da hora de tera durou at vespora? (cap. LIX). A batalha comeou duas horas depois do nascer do Sol e durou at noitinha (v. AFGV, NC, fasc. 2., p. 32). tradicional considerar-se este verso como referente a Vnus, Estrela da Tarde (Vspero); ?Estava o claro dia memorado?: a integrao deste verso nos anteriores suscita dificuldade e FS viu isso e procurou explicar. Segundo penso, s isto: ?o claro dia memorado (ou memorvel) estava j inclinado para o poente, trazendo o vspero, isto , o cair da noite?. Alm de ?memorado?, o dia foi ?claro?, isto , insigne. Ort.: mortindade (por mortandade). 116.1-6 ?No matou a quarta parte o forte Mrio?: vitria de C. Marius sobre os Ambres e Teutes, tribos germnicas, em Aix, no ano 101 a. C. Os soldados romanos tiveram de beber a gua de um ribeiro na posse do adversrio, em que havia muito sangue derramado (Plutarco, Marius, XVI-XX); ?Nem o Peno, ...?: Poenus, cartagins. Anbal, clebre inimigo dos Romanos, a quem ganhou a batalha de Canas, na Aplia, 216 a. C. (T. Lvio, XXII.XLIII-LII); ?... asperssimo contrrio ... / ... de nascimento?: o dio de Anbal aos Romanos tinha sido herdado de seu pai, Amlcar. 117.2-4 ?Mandar ao Reino escuro de Cocito?: o ?Rio dos Gemidos?, um afluente do Aqueronte, um dos rios dos Infernos; ?Quando a santa Cidade desfizeste / ... / ... nobre Tito?: Tito, futuro imperador romano (79 a 81), tomou e arruinou Jerusalm (70); ?Do povo pertinaz no antigo rito?: que no se convertia ao ?novo rito?, o Cristianismo. 117.7-8 ?Que assi dos Vates foi profetizado, / E despois por JESU certitificado?: vrios profetas do Antigo Testamento profetizaram a destruio de Jerusalm, entre eles Daniel e Zacarias. E no Novo Testamento o prprio Jesus Cristo disse: ?Quando virdes, pois, que Jerusalm sitiada por um exrcito, ento sabei que est prxima a sua desolao ... E cairo ao fio da espada e sero levados captivos a todas as naes, e Jerusalm ser pisada dos gentios, at que os tempos das naes acabem de cumprir-se? (v. ?S. Lucas?, XXI.20- 24). 159 ----------------------- Page 207----------------------- OS LUSADAS 118-5-8 ?... dino da memria / Que do sepulcro os homens desenterra?: a fama; ?Aconteceu da msera e mesquinha?: em IV.90 repete os mesmos adjectivos com a mesma significao de infeliz, desgraada; ?Que despois de ser morta foi Rainha?: em Junho de 1360, em Cantanhede, D. Pedro declarou perante testemunhas que havia uns sete anos recebera como legtima mulher, por palavras de presente, a D. Ins de Castro. Em Coimbra as pretensas testemunhas do acto depuseram. E na esttua jacente do tmulo de D. Ins o rei imps- lhe a coroa de rainha como se rainha tivesse sido. esta desvairada paixo que o Poeta vai narrar-nos em um dos seus mais belos episdios. 119.3-4 ?Deste causa molesta morte sua / Como se fora prfida inimiga?: molesto (l. molestus), penoso, chocante; como se ela fosse tua prfida inimiga. 120.1-5 ?Estavas, linda Ins, posta em sossego?: este trgico episdio aconteceu em 7 de Janeiro de 1355, tendo sido protagonistas da tragdia D. Afonso IV, o prncipe D. Pedro, D. Ins de Castro e os conselheiros lvaro Gonalves, Pedro Coelho e Diogo Lopes Pacheco; ?Nos saudosos campos do Mondego?: nos campos que inspiram saudades pelos aspectos particulares da paisagem ou da natureza. Ort.:fructo , na edioprinceps (porfruto ). 121.1-2 ?Do teu Prncipe ali te respondiam / As lembranas ...?: s tuas lembranas correspondiam as do teu Prncipe. Ort.:fermosos (porformosos ). 122.2-7 ?Os desejados tlamos enjeita?: tlamo, leito nupcial. D. Pedro recusava todos os casamentos; ?Vendo estas namoradas estranhezas / O velho pai sesudo, ...?: namoradas estranhezas, demonstraes de exaltado amor; sesudo, prudente, sensato; ?... que respeita / O murmurar do povo e a fantasia / Do filho ...?: o murmurar do povo, opovo de que fala o Poeta nas est. 124 e 130 foi estranho a esta deciso; a 160 ----------------------- Page 208----------------------- OS LUSADAS fantasia, o capricho;fantasia pertence para vendo: o velho pai sesudo, vendo estas namoradas estranhezas e (vendo) a fantasia do filho ... 123.5 ?Quefuror consentiu que a espadafina ?:furor, delrio, loucura; neste lugarfuror sinnimo defria; fina, cortante. O Poeta entrega aos cavaleiros a morte de Ins, o que embelezamento potico. Ort.: indina (por indigna). 124.1 ?Traziam-a os horrficos algozes?: horrficos, que inspiram horror (latinismo). 125.1 ?Pera o cu cristalino alevantando?: imitao de Virglio, E, II.405- 406: ad caelum tendens ardentia lumina frustra, lumina, nam teneras arcebant vincula palmas. 125.4 ?Um dos duros ministros rigorosos?: sobre ministros, v. nosso comentrio a I.67.2; duros, que no se deixam comover fcilmente; rigorosos, severos em demasia. Ort.: orfindade (por orfandade). 126.1-3 ?... cuja mente?: ndole, condio; ?E nas aves agrestes ...?: aves bravias, de rapina; ?Como co a me de Nino j mostraram?: na Sria havia uma deusa de nome Drceto, que teve uma menina de um jovem srio, Caistro. Mas depois de ela nascer a deusa envergonhou- se, abandonou a filha e fez morrer o pai desta. Pombas criaram miraculosamente a criana, furtando aos pastores o leite e o queijo necessrios. Os pastores acabaram por descobrir a menina, que era de uma grande beleza. Levaram-na ao chefe, que lhe deu o nome de Semramis, isto , ?que vem das pombas?. a me de Nino. Ninos, rei de Babilnia, desposou Semramis. O filho chamou-se Nnias (e no Nino). A histria de Semramis foi relatada por Diodoro Sculo. 161 ----------------------- Page 209----------------------- OS LUSADAS 126.8 ?E cos irmos que Roma edificaram?: Rmulo e Remo, filhos de Rea Slvia, uma vestal, e de Marte. Amlio, tio de Rea, mandou expor as crianas ao p do Palatino, junto ao Tibre. A as duas crianas foram amamentadas por uma loba, se que esta loba no era uma mulher, Acca Larentia. Ort.:piadoso (porpiedoso). 127.3-8 ?Fraca e sem fora ...?: aparentemente a expresso pleonstica. Pode pensar-se, porm, que o Poeta, chamandofraca a Ins tem em vista o seu carcter feminil; sem fora, por se ver indefesa. O Poeta em vrios lugares procura tirar efeito da expresso da mesma ideia em forma positiva e negativa (v. II.76.2, VIII.75.2, X.144.2 e X.148.8); ?... s por ter subjeito?: submetido (subjeito latinismo); ?Pois o no tens morte escura dela?: inditosa; ?... a culpa que no tinha?: em vez de tenho, por causa da rima. 128.7 ?Na Ctia fria ou l na Lbia ardente?: entre os brbaros das regies boreais ou na frica Setentrional. 129.5-7 ?Ali, co amor intrnseco e vontade?: amor intrnseco, muito interior, oculto a todos (v. III-24.1); ?Naquele por quem mouro, indicativo presente do verbo morrer; ?Estas relquias suas coisa preciosa e rara, parte pequena de um todo que se no pode possuir. Ins contenta-se em ficar com os filhos de D. Pedro. 130.1-5 ?... o Rei benino?: por benigno; ?Arrancam das espadas de ao fino?: segundo os dados histricos fornecidos pelo Doutor Antnio de Vasconcelos, Ins de Castro foi julgada pelo rei, ouvidos os de seu Conselho, e condenada morte. Em consequncia, foi degolada no prprio Pao da Rainha Santa Isabel, em Coimbra, no dia 7 de Janeiro de 1355. 131.1-4 ?Qual contra a linda moa Policena?: numa tradio tardia admite-se que Policena, uma das filhas de Pramo e de Hcuba, foi sacrificado 162 ----------------------- Page 210----------------------- OS LUSADAS sobre o tmulo de Aquiles. Este sacrifcio tinha por fim quer favorecer uma feliz travessia dos navios aqueus, quer apaziguar a sombra de Aquiles, que apareceu em sonhos a seu filho para lhe ordenar esta oferenda. O Poeta segue esta ltima verso; ?Co ferro o duro Pirro se aparelha?: Pirro, filho de Aquiles. 132.2-6 ?No colo de alabastro, que sustinha / As obras ...?: as obras so os seios, sustidos pelo colo. Ins foi cognominada a Colo de Gara; ?Aquele que despois a fez Rainha?: verso semelhante ao da estncia III.118.5-8. Ver a o nosso comentrio; ?As espadas banhando, e as brancas flores, / Que ela dos olhos seus regadas tinha?: banhando as espadas no colo de alabastro e (banhando) as brancasflores. Talvez a pele dos seios, como pretendeu Afrnio Peixoto (v. AP, EC, pp. 268 e segs., e do mesmo ?Brancas flores?, in Lusitania, II, pp. 209 e segs.); ?Que ela dos olhos seus regadas tinha?: particpio em concordncia com o complemento directo. J se esclareceu que no houve morte pela espada. 133.3 ?Como da seva mesa de Tiestes / Quando os filhos por mo de Atreu comia!?: Atreu, rei de Micenas, vingou-se de agravos que tinha de seu irmo Tiestes, expulsando-o de Micenas e dando-lhe num festim os trs filhos a comer. Seva (cruel) latinismo. 134.2-4 ?Assi como a bonina, que cortada / Antes do tempo foi, cndida e bela?: cndida e bela pertencem para bonina; ?Sendo das mos lacivas maltratada?: lacivas, brincalhonas, travessas. Lacivas (por lascivas) latinismo; ?... que a trouxe na capela?: v. nosso comentrio a III.97.3-8; ?Tal est morta a plida donzela?: no sentido de mulher ainda jovem. 135.1-8 ?As filhas do Mondego ...?: esta estncia recordao pessoal do Poeta dos seus tempos de Coimbra. Repare-se naquele ?O nome lhe puseram, que inda dura, / Dos amores de Ins ...?. Durava e dura ainda. 163 ----------------------- Page 211----------------------- OS LUSADAS 136.3-8 ?Que, em tomando do Reino a governana, / A tomou dos fugidos homicidas?: foi um escambo vergonhoso e afrontoso. D. Pedro de Portugal deu a D. Pedro de Castela os inimigos deste que estavam em Portugal e este deu a D. Pedro de Portugal os conselheiros de seu pai, menos Diogo Lopes Pacheco, que conseguiu fugir. Assim lhe vieram s mos Pedro Coelho e lvaro Gonalves. Ao primeiro mandou D. Pedro arrancar o corao pelo peito e ao segundo pelas costas; ?Que com Lpido e Antnio fez Augusto?: alude ao triunvirato que Antnio, Augusto (Octvio) e Lpido fizeram contra Bruto e Cssio. Para se vingarem de seus inimigos publicaram uma lista dos mesmos, que haviam de ser mortos. Ccero foi entregue a Octvio, apesar de ser seu amigo ntimo. 137.8 ?Que o vagabundo Alcides ou Teseu?: vagabundo, errante. Alcides Hrcules, por ser descendente de Alceu. Teseu o heri da tica. O istmo de Corinto estava infestado de salteadores: matou sucessivamente Perifetes (apoderando-se da sua cacheira), Snis, Sciron, Cercyon, Damastes, cognominado Procrustes. 138.5 ?Que, vindo o Castelhano devastando?: houve correrias de parte a parte em 1369 com cerco a Guimares pelo rei D. Henrique de Castela. No contrato de pazes D. Fernando devia casar com a infanta D. Leonor, filha do rei de Castela. Em 1372 e 1373 nova invaso do rei de Castela, que chegou a entrar em Lisboa (1373). D. Fernando permaneceu inactivo em Santarm. 139.2-4 ?De tirar Lianor a seu marido?: Leonor Teles, mulher de Joo Loureno da Cunha. El-rei D. Fernando promoveu a anulao do casamento e casou com ela; ?... de enlevado / Num falso parecer mal entendido?: enlevado, extasiado numa opinio desarrazoada e mal entendida. 140.3-4 ?Os que foram roubar a bela Helena?: Helena, mulher de Menelau, raptada por Pris, filho de Pramo, rei de Tria; ?E com pio tambm Tarquino o viu?: Numa longa narrativa T. Lvio (III.XLIV- LVIII) historia a aco de pio Cludio, que procurou meio de 164 ----------------------- Page 212----------------------- OS LUSADAS atentar contra o pudor de uma donzela de nome Virgnia, por fim apunhalada pelo pai, L. Verginius, centurio graduado. pio, acusado pelos tribunos da plebe, sendo decnviro, suicidou-se (449 a. C.). Sexto Tarqunio, filho de Tarqunio, o Soberbo, rei de Roma, ultrajou Lucrcia, dama romana, que se matou de desespero. Este acontecimento serviu de pretexto abolio da monarquia em 510 a. C. 140.5 ?Pois por quem David Santo se condena??: David, 2. rei dos Hebreus (entre 1055 e 1014 a. C.), sucessor de Saul. Nasceu em Belm e pertencia a uma famlia importante da tribo de Jud. No meio do esplendor do seu reino, David cometeu um crime de adultrio com Betsab, mandando matar o marido, rias. O filho do adultrio morreu. Sucederam-se os crimes na sua casa e famlia. Uma grande fome assolou o reino nos ltimos anos da sua vida e uma terrvel peste. Por ltimo, a rebelio de Adnias, seu filho primognito; se condena: condenado. 140.6-8 ?Ou quem o Tribo ilustre destruiu / De Benjamim? ...?: A tribo de Benjamim foi destruda por outras tribos de Israel pelas desonestidades praticadas pelos moradores de Gabaa, cidade da tribo de Benjamim, na pessoa de uma mulher da tribo de Levi; ?Por Sarra Fara, Siqum por Dina?: Sara, no Egipto, foi chamada para o harm do rei por ter dito que era irm de Abrao. A casa do Fara teria sido afligida com grandes pragas por causa deste facto; a paixo de Siqum, filho de Hemor, por Dina, filha de Jacob e de sua mulher, Lia, provocou a morte, pelos cunhados de Siqum e Hemor, dos indivduos do sexo masculino que havia na cidade (tambm chamada Siqum), que saquearam. 141.2-7 ?Um inconcesso amor ...?: proibido. Inconcesso latinismo; ?Bem no filho de Almena se parece?: Hrcules foi escravo em casa de uma rainha da Ldia, filha do rei Iardanos, de nome nfale. Enquanto esteve em casa desta, Hrcules usava vestidos de senhora e fiava linho aos ps de nfale. Esta, pelo contrrio, revestia-se com a famosa pele de leo do heri; ?De Marco Antnio a fama se escurece?: Foi a ligao de Marco Antnio com Clepatra, rainha do Egipto, que levou aquele runa. Derrotado na batalha naval de 165 ----------------------- Page 213----------------------- OS LUSADAS ccio, contra Csar (31 a. C.), suicidou-se; ?Tu tambm, Peno prspero, ...?: Peno Anbal, general cartagins. Ter-se-ia apaixonado por uma moa da Aplia e isto teria provocado o seu atraso no ataque a Roma e consequente perda da Itlia. Sobre a possvel fonte, v. JMR, FL, p. 441. 142.6 ?De um vulto de Medusa ...?: v. nosso comentrio a III.77.1. 143-1-8 ?Quem viu um olhar seguro ...?: seguro, constante; ?Mas antes, tendo livre a fantasia, / Por muito mais culpado o julgaria?: mas antes de ter essa experincia, com o esprito livre, t-lo-ia por mais culpado. 166 ----------------------- Page 214----------------------- OS LUSADAS IV 1 DESPOIS de procelosa tempestade, Nocturna sombra e sibilante vento, Traz a manh serena claridade, Esperana de porto e salvamento; Aparta o Sol a negra escuridade, Removendo o temor ao pensamento: Assi no Reino forte aconteceu Despois que o Rei Fernando faleceu. 2 Porque, se muito os nossos desejaram Quem os danos e ofensas v vingando Naqueles que to bem se aproveitaram Do descuido remisso de Fernando, Despois de pouco tempo o alcanaram, Joane, sempre ilustre, alevantando Por Rei, como de Pedro nico herdeiro (Ainda que bastardo) verdadeiro. 3 Ser isto ordenao dos Cus divina Por sinais muito claros se mostrou, Quando em vora a voz de ua minina, Ante tempo falando, o nomeou. E, como cousa, enfim, que o Cu destina, No bero o corpo e a voz alevantou: ? Portugal, Portugal (alando a mo, Disse) polo Rei novo, Dom Joo! 167 ----------------------- Page 215----------------------- OS LUSADAS 4 Alteradas ento do Reino as gentes Co dio que ocupado os peitos tinha, Absolutas cruezas e evidentes Faz do povo o furor, por onde vinha; Matando vo amigos e parentes Do adltero Conde e da Rainha, Com quem sua incontinncia desonesta Mais (despois de viva) manifesta. 5 Mas ele, enfim, com causa desonrado, Diante dela a ferro frio morre, De outros muitos na morte acompanhado, Que tudo o fogo erguido queima e corre: Quem, como Astians, precipitado, Sem lhe valerem ordens, de alta torre; A quem ordens, nem aras, nem respeito; Quem nu por ruas, e em pedaos feito. 6 Podem-se pr em longo esquecimento As cruezas mortais que Roma viu, Feitas do feroz Mrio e do cruento Sila, quando o contrrio lhe fugiu. Por isso Lianor, que o sentimento Do morto Conde ao mundo descobriu, Faz contra Lusitnia vir Castela, Dizendo ser sua filha herdeira dela. 7 Beatriz era a filha, que casada Co Castelhano est que o Reino pede, Por filha de Fernando reputada, Se a corrompida fama lho concede. Com esta voz Castela alevantada, Dizendo que esta filha ao pai sucede, Suas foras ajunta, pera as guerras, De vrias regies e vrias terras. 168 ----------------------- Page 216----------------------- OS LUSADAS 8 Vm de toda a provncia que de um Brigo (Se foi) j teve o nome derivado; Das terras que Fernando e que Rodrigo Ganharam do tirano e Mauro estado. No estimam das armas o perigo Os que cortando vo co duro arado Os campos Lioneses, cuja gente Cos Mouros foi nas armas excelente. 9 Os Vndalos, na antiga valentia Ainda confiados, se ajuntavam Da cabea de toda Andaluzia, Que do Guadalquibir as guas lavam. A nobre Ilha tambm se apercebia Que antigamente os Trios habitavam, Trazendo por insgnias verdadeiras As Hercleas colunas nas bandeiras. 10 Tambm vm l do Reino de Toledo, Cidade nobre e antiga, a quem cercando O Tejo em torno vai, suave e ledo, Que das serras de Conca vem manando. A vs outros tambm no tolhe o medo, srdidos Galegos, duro bando, Que, pera resistirdes, vos armastes, queles cujos golpes j provastes. 11 Tambm movem da guerra as negras frias A gente Bizcainha, que carece De polidas razes, e que as injrias Muito mal dos estranhos compadece. A terra de Guipscua e das Astrias, Que com minas de ferro se ennobrece, Armou dele os soberbos moradores, Pera ajudar na guerra a seus senhores. 169 ----------------------- Page 217----------------------- OS LUSADAS 12 Joane, a quem do peito o esforo crece, Como a Sanso Hebreio da guedelha, Posto que tudo pouco lhe parece, Cos poucos do seu Reino se aparelha; E, no porque conselho lhe falece, Cos principais senhores se aconselha, Mas s por ver das gentes as sentenas, Que sempre houve entre muitos diferenas. 13 No falta com razes quem desconcerte Da opinio de todos, na vontade; Em quem o esforo antigo se converte Em desusada e m deslealdade, Podendo o temor mais, gelado, inerte, Que a prpria e natural fidelidade. Negam o Rei e a Ptria e, se convm, Negaro (como Pedro) o Deus que tm. 14 Mas nunca foi que este erro se sentisse No forte Dom Nuno lveres; mas antes, Posto que em seus irmos to claro o visse, Reprovando as vontades inconstantes, quelas duvidosas gentes disse, Com palavras mais duras que elegantes, A mo na espada, irado e no facundo, Ameaando a terra, o mar e o mundo: 15 ? Como? Da gente ilustre Portuguesa H-de haver quem refuse o ptrio Marte? Como? Desta provncia, que princesa Foi das gentes na guerra em toda parte, H-de sair quem negue ter defesa? Quem negue a F, o amor, o esforo e arte De Portugus, e por nenhum respeito O prprio Reino queira ver sujeito? 170 ----------------------- Page 218----------------------- OS LUSADAS 16 Como? No sois vs inda os descendentes Daqueles que, debaixo da bandeira Do grande Henriques, feros e valentes, Vencestes esta gente to guerreira, Quando tantas bandeiras, tantas gentes Puseram em fugida, de maneira Que sete ilustres Condes lhe trouxeram Presos, afora a presa que tiveram? 17 Com quem foram contino sopeados Estes, de quem o estais agora vs, Por Dinis e seu filho sublimados, Seno cos vossos fortes pais e avs? Pois se, com seus descuidos ou pecados, Fernando em tal fraqueza assim vos ps, Torne-vos vossas foras o Rei novo, Se certo que co Rei se muda o povo. 18 Rei tendes tal que, se o valor tiverdes Igual ao Rei que agora alevantastes, Desbaratareis tudo o que quiserdes, Quanto mais a quem j desbaratastes. E se com isto, enfim, vos no moverdes Do penetrante medo que tomastes, Atai as mos a vosso vo receio, Que eu s resistirei ao jugo alheio. 19 Eu s, com meus vassalos e com esta (E dizendo isto arranca meia espada), Defenderei da fora dura e infesta A terra nunca de outrem sojugada. Em virtude do Rei, da ptria mesta, Da lealdade j por vs negada, Vencerei no s estes adversrios, Mas quantos a meu Rei forem contrrios! 171 ----------------------- Page 219----------------------- OS LUSADAS 20 Bem como entre os mancebos recolhidos Em Cansio, relquias ss de Canas, J pera se entregar qusi movidos fortuna das foras Africanas, Cornlio moo os faz que, compelidos Da sua espada, jurem que as Romanas Armas no deixaro, enquanto a vida Os no deixar ou nelas for perdida: 21 Destarte a gente fora e esfora Nuno, Que, com lhe ouvir as ltimas razes, Removem o temor frio, importuno, Que gelados lhe tinha os coraes. Nos animais cavalgam de Neptuno, Brandindo e volteando arremesses; Vo correndo e gritando, a boca aberta: ? Viva o famoso Rei que nos liberta! 22 Das gentes populares, uns aprovam A guerra com que a ptria se sustinha; Uns as armas alimpam e renovam, Que a ferrugem da paz gastadas tinha; Capacetes estofam, peitos provam, Arma-se cada um como convinha; Outros fazem vestidos de mil cores, Com letras e tenes de seus amores. 23 Com toda esta lustrosa companhia Joane forte sai da fresca Abrantes, Abrantes, que tambm da fonte fria Do Tejo logra as guas abundantes. Os primeiros armgeros regia Quem pera reger era os mui possantes Orientais exrcitos sem conto Com que passava Xerxes o Helesponto; 172 ----------------------- Page 220----------------------- OS LUSADAS 24 Dom Nuno lveres digo: verdadeiro Aoute de soberbos Castelhanos, Como j o fero Huno o foi primeiro Pera Franceses, pera Italianos. Outro tambm, famoso cavaleiro, Que a ala direita tem dos Lusitanos, Apto pera mand-los e reg-los, Mem Rodrigues se diz de Vasconcelos. 25 E da outra ala, que a esta corresponde, Anto Vasques de Almada capito, Que despois foi de Abranches nobre Conde; Das gentes vai regendo a sestra mo. Logo na retaguarda no se esconde Das Quinas e Castelos o pendo, Com Joane, Rei forte em toda parte, Que escurecendo o preo vai de Marte. 26 Estavam pelos muros, temerosas E de um alegre medo qusi frias, Rezando, as mes, irms, damas e esposas, Prometendo jejuns e romarias. J chegam as esquadras belicosas Defronte das imigas companhias, Que com grita grandssima os recebem; E todas grande dvida concebem. 27 Respondem as trombetas mensageiras, Pfaros sibilantes e atambores; Alfrezes volteiam as bandeiras, Que variadas so de muitas cores. Era no seco tempo que nas eiras Ceres o fruto deixa aos lavradores; Entra em Astreia o Sol, no ms de Agosto; Baco das uvas tira o doce mosto. 173 ----------------------- Page 221----------------------- OS LUSADAS 28 Deu sinal a trombeta Castelhana, Horrendo, fero, ingente e temeroso; Ouviu-o o monte Artabro, e Guadiana Atrs tornou as ondas de medroso. Ouviu[-o] o Douro e a terra Transtagana; Correu ao mar o Tejo duvidoso; E as mes, que o som terrbil escuitaram, Aos peitos os filhinhos apertaram. 29 Quantos rostos ali se vm sem cor, Que ao corao acode o sangue amigo! Que, nos perigos grandes, o temor maior muitas vezes que o perigo. E se o no , parece-o; que o furor De ofender ou vencer o duro imigo Faz no sentir que perda grande e rara Dos membros corporais, da vida cara. 30 Comea-se a travar a incerta guerra: De ambas partes se move a primeira ala; Uns leva a defenso da prpria terra, Outros as esperanas de ganh-la. Logo o grande Pereira, em quem se encerra Todo o valor, primeiro se assinala: Derriba e encontra e a terra enfim semeia Dos que a tanto desejam, sendo alheia. 31 J pelo espesso ar os estridentes Farpes, setas e vrios tiros voam; Debaxo dos ps duros dos ardentes Cavalos treme a terra, os vales soam. Espedaam-se as lanas, e as frequentes Quedas co as duras armas tudo atroam. Recrecem os imigos sobre a pouca Gente do fero Nuno, que os apouca. 174 ----------------------- Page 222----------------------- OS LUSADAS 32 Eis ali seus irmos contra ele vo (Caso feio e cruel!); mas no se espanta, Que menos querer matar o irmo, Quem contra o Rei e a Ptria se alevanta. Destes arrenegados muitos so No primeiro esquadro, que se adianta Contra irmos e parentes (caso estranho), Quais nas guerras civis de Jlio [e] Magno. 33 tu, Sertrio, nobre Coriolano, Catilina, e vs outros dos antigos Que contra vossas ptrias com profano Corao vos fizestes inimigos: Se l no reino escuro de Sumano Receberdes gravssimos castigos, Dizei-lhe que tambm dos Portugueses Alguns tredores houve alguas vezes. 34 Rompem-se aqui dos nossos os primeiros, Tantos dos inimigos a eles vo! Est ali Nuno, qual pelos outeiros De Ceita est o fortssimo lio Que cercado se v dos cavaleiros Que os campos vo correr de Tutuo: Perseguem-no com as lanas, e ele, iroso, Torvado um pouco est, mas no medroso; 35 Com torva vista os v, mas a natura Ferina e a ira no lhe compadecem Que as costas d, mas antes na espessura Das lanas se arremessa, que recrecem. Tal est o cavaleiro, que a verdura Tinge co sangue alheio; ali perecem Alguns dos seus, que o nimo valente Perde a virtude contra tanta gente. 175 ----------------------- Page 223----------------------- OS LUSADAS 36 Sentiu Joane a afronta que passava Nuno, que, como sbio capito, Tudo corria e via e a todos dava, Com presena e palavras, corao. Qual parida lioa, fera e brava, Que os filhos, que no ninho ss esto, Sentiu que, enquanto pasto lhe buscara, O pastor de Masslia lhos furtara, 37 Corre raivoso e freme e com bramidos Os montes Sete Irmos atroa e abala: Tal Joane, com outros escolhidos Dos seus, correndo acode primeira ala: ? fortes companheiros, subidos Cavaleiros, a quem nenhum se iguala, Defendei vossas terras, que a esperana Da liberdade est na nossa lana! 38 Vedes-me aqui, Rei vosso e companheiro, Que entre as lanas e setas e os arneses Dos inimigos corro e vou primeiro; Pelejai, verdadeiros Portugueses! Isto disse o magnnimo guerreiro E, sopesando a lana quatro vezes, Com fora tira; e deste nico tiro Muitos lanaram o ltimo suspiro. 39 Porque eis os seus, acesos novamente Dua nobre vergonha e honroso fogo, Sobre qual mais, com nimo valente, Perigos vencer do Mrcio jogo, Porfiam; tinge o ferro o fogo ardente; Rompem malhas primeiro e peitos logo. Assi recebem junto e do feridas, Como a quem j no di perder as vidas. 176 ----------------------- Page 224----------------------- OS LUSADAS 40 A muitos mandam ver o Estgio lago, Em cujo corpo a morte e o ferro entrava. O Mestre morre ali de Santiago, Que fortssimamente pelejava; Morre tambm, fazendo grande estrago, Outro Mestre cruel de Calatrava. Os Pereiras tambm, arrenegados, Morrem, arrenegando o Cu e os Fados. 41 Muitos tambm do vulgo vil, sem nome, Vo, e tambm dos nobres, ao Profundo, Onde o trifauce Co perptua fome Tem das almas que passam deste mundo. E por que mais aqui se amanse e dome A soberba do imigo furibundo, A sublime bandeira Castelhana Foi derribada s ps da Lusitana. 42 Aqui a fera batalha se encruece Com mortes, gritos, sangue e cutiladas; A multido da gente que perece Tem as flores da prpria cor mudadas. J as costas do e as vidas; j falece O furor e sobejam as lanadas; J de Castela o Rei desbaratado Se v e de seu propsito mudado. 43 O campo vai deixando ao vencedor, Contente de lhe no deixar a vida. Seguem-no os que ficaram, e o temor Lhe d, no ps, mas asas fugida. Encobrem no profundo peito a dor Da morte, da fazenda despendida, Da mgoa, da desonra e triste nojo De ver outrem triunfar de seu despojo. 177 ----------------------- Page 225----------------------- OS LUSADAS 44 Alguns vo maldizendo e blasfemando Do primeiro que guerra fez no mundo; Outros a sede dura vo culpando Do peito cobioso e sitibundo, Que, por tomar o alheio, o miserando Povo aventura s penas do Profundo, Deixando tantas mes, tantas esposas, Sem filhos, sem maridos, desditosas. 45 O vencedor Joane esteve os dias Costumados no campo, em grande glria; Com ofertas, despois, e romarias, As graas deu a Quem lhe deu vitria. Mas Nuno, que no quer por outras vias Entre as gentes deixar de si memria Seno por armas sempre soberanas, Pera as terras se passa Transtaganas. 46 Ajuda-o seu destino de maneira Que fez igual o efeito ao pensamento, Porque a terra dos Vndalos, fronteira, Lhe concede o despojo e o vencimento. J de Sevilha a Btica bandeira, E de vrios senhores, num momento Se lhe derriba aos ps, sem ter defesa, Obrigados da fora Portuguesa. 47 Destas e outras vitrias longamente Eram os Castelhanos oprimidos, Quando a paz, desejada j da gente, Deram os vencedores aos vencidos, Despois que quis o Padre omnipotente Dar os Reis inimigos por maridos s duas Ilustrssimas Inglesas, Gentis, fermosas, nclitas princesas. 178 ----------------------- Page 226----------------------- OS LUSADAS 48 No sofre o peito forte, usado guerra, No ter imigo j a quem faa dano; E assi, no tendo a quem vencer na terra, Vai cometer as ondas do Oceano. Este o primeiro Rei que se desterra Da ptria, por fazer que o Africano Conhea, pelas armas, quanto excede A lei de Cristo lei de Mafamede. 49 Eis mil nadantes aves, pelo argento Da furiosa Ttis inquieta, Abrindo as pandas asas vo ao vento, Pera onde Alcides ps a extrema meta. O monte Abila e o nobre fundamento De Ceita toma, e o torpe Mahometa Deita fora, e segura toda Espanha Da Juliana, m e desleal manha. 50 No consentiu a morte tantos anos Que de Heri to ditoso se lograsse Portugal, mas os coros soberanos Do Cu supremo quis que povoasse. Mas, pera defenso dos Lusitanos, Deixou Quem o levou, quem governasse E aumentasse a terra mais que dantes: nclita gerao, altos Infantes. 51 No foi do Rei Duarte to ditoso O tempo que ficou na suma alteza, Que assi vai alternando o tempo iroso O bem co mal, o gosto co a tristeza. Quem viu sempre um estado deleitoso? Ou quem viu em Fortuna haver firmeza? Pois inda neste Reino e neste Rei No usou ela tanto desta lei? 179 ----------------------- Page 227----------------------- OS LUSADAS 52 Viu ser cativo o santo irmo Fernando (Que a to altas empresas aspirava), Que, por salvar o povo miserando Cercado, ao Sarraceno se entregava. S por amor da ptria est passando A vida, de senhora feita escrava, Por no se dar por ele a forte Ceita. Mais o pblico bem que o seu respeita. 53 Codro, por que o inimigo no vencesse, Deixou antes vencer da morte a vida; Rgulo, por que a ptria no perdesse, Quis mais a liberdade ver perdida. Este, por que se Espanha no temesse, A cativeiro eterno se convida! Codro, nem Crcio, ouvido por espanto, Nem os Dcios leais, fizeram tanto. 54 Mas Afonso, do Reino nico herdeiro, Nome em armas ditoso em nossa Hespria, Que a soberba do Brbaro fronteiro Tornou em baxa e humlima misria, Fora por certo invicto cavaleiro, Se no quisera ir ver a terra Ibria, Mas frica dir ser impossbil Poder ningum vencer o Rei terrbil. 55 Este pde colher as mas de ouro Que somente o Tirntio colher pde. Do jugo que lhe ps, o bravo Mouro A cerviz inda agora no sacode. Na fronte a palma leva e o verde louro Das vitrias do Brbaro, que acode A defender Alccer, forte vila, Tngere populoso e a dura Arzila. 180 ----------------------- Page 228----------------------- OS LUSADAS 56 Porm elas, enfim, por fora entradas, Os muros abaxaram de diamante s Portuguesas foras, costumadas A derribarem quanto acham diante. Maravilhas em armas, estremadas E de escritura dinas elegante, Fizeram cavaleiros nesta empresa, Mais afinando a fama Portuguesa. 57 Porm despois, tocado de ambio E glria de mandar, amara e bela, Vai cometer Fernando de Arago, Sobre o potente Reino de Castela. Ajunta-se a inimiga multido Das soberbas e vrias gentes dela, Desde Cliz ao alto Perineu, Que tudo ao Rei Fernando obedeceu. 58 No quis ficar nos Reinos occioso O mancebo Joane, e logo ordena De ir ajudar o pai ambicioso, Que ento lhe foi ajuda no pequena. Saiu-se, enfim, do trance perigoso, Com fronte no torvada, mas serena. Desbaratado o pai sanguinolento, Mas ficou duvidoso o vencimento; 59 Porque o filho, sublime e soberano, Gentil, forte, animoso cavaleiro, Nos contrrios fazendo imenso dano, Todo um dia ficou no campo inteiro. Destarte foi vencido Octaviano, E Antnio vencedor, seu companheiro, Quando daqueles que Csar mataram Nos Filpicos campos se vingaram. 181 ----------------------- Page 229----------------------- OS LUSADAS 60 Porm, despois que a escura noite eterna Afonso apousentou no Cu sereno, O Prncipe que o Reino ento governa Foi Joane segundo e Rei trezeno. Este, por haver fama sempiterna, Mais do que tentar pode homem terreno Tentou, que foi buscar da roxa Aurora Os trminos, que eu vou buscando agora. 61 Manda seus mensageiros, que passaram Espanha, Frana, Itlia celebrada E l no ilustre porto se embarcaram Onde j foi Partnope enterrada: Npoles, onde os Fados se mostraram, Fazendo-a a vrias gentes subjugada, Pola ilustrar, no fim de tantos anos, Co senhorio de nclitos Hispanos. 62 Polo mar alto Sculo navegam; Vo-se s praias de Rodes arenosas; E dali s ribeiras altas chegam Que com morte de Magno so famosas; Vo a Mnfis, e s terras que se regam Das enchentes Nilticas undosas; Sobem Etipia, sobre Egipto, Que de Cristo l guarda o santo rito. 63 Passam tambm as ondas Eritreias, Que o povo de Israel sem nau passou; Ficam-lhe atrs as serras Nabateias, Que o filho de Ismael co nome ornou. As costas odorferas Sabeias, Que a me do belo Adnis tanto honrou, Cercam, com toda a Arbia descoberta, Feliz, deixando a Ptrea e a Deserta. 182 ----------------------- Page 230----------------------- OS LUSADAS 64 Entram no Estreito Prsico, onde dura Da confusa Babel inda a memria; Ali co Tigre o Eufrates se mistura, Que as fontes onde nascem tm por glria. Dali vo em demanda da gua pura (Que causa inda ser de larga histria) Do Indo, pelas ondas do Oceano, Onde no se atreveu passar Trajano. 65 Viram gentes incgnitas e estranhas Da ndia, da Carmnia e Gedrosia, Vendo vrios costumes, vrias manhas, Que cada regio produze e cria. Mas de vias to speras, tamanhas, Tornar-se facilmente no podia. L morreram, enfim, e l ficaram, Que desejada ptria no tornaram. 66 Parece que guardava o claro Cu A Manuel e seus merecimentos Esta empresa to rdua, que o moveu A subidos e ilustres movimentos; Manuel, que a Joane sucedeu No Reino e nos altivos pensamentos, Logo como tomou do Reino cargo, Tomou mais a conquista do mar largo. 67 O qual, como do nobre pensamento Daquela obrigao que lhe ficara De seus antepassados, cujo intento Foi sempre acrecentar a terra cara, No deixasse de ser um s momento Conquistado, no tempo que a luz clara Foge, e as estrelas ntidas que saem A repouso convidam quando caem, 183 ----------------------- Page 231----------------------- OS LUSADAS 68 Estando j deitado no ureo leito, Onde imaginaes mais certas so, Revolvendo contino no conceito De seu ofcio e sangue a obrigao, Os olhos lhe ocupou o sono aceito, Sem lhe desocupar o corao; Porque, tanto que lasso se adormece, Morfeu em vrias formas lhe aparece. 69 Aqui se lhe apresenta que subia To alto que tocava prima Esfera, Donde diante vrios mundos via, Naes de muita gente, estranha e fera. E l bem junto donde nace o dia, Despois que os olhos longos estendera, Viu de antigos, longincos e altos montes Nacerem duas claras e altas fontes. 70 Aves agrestes, feras e alimrias Pelo monte selvtico habitavam; Mil rvores silvestres e ervas vrias O passo e o trato s gentes atalhavam. Estas duras montanhas, adversrias De mais conversao, por si mostravam Que, ds que Ado pecou aos nossos anos, No as romperam nunca ps humanos. 71 Das guas se lhe antolha que saam, Par' ele os largos passos inclinando, Dous homens, que mui velhos pareciam, De aspeito, inda que agreste, venerando. Das pontas dos cabelos lhe saam Gotas, que o corpo todo vo banhando; A cor da pele, baa e denegrida; A barba hirsuta, intonsa, mas comprida. 184 ----------------------- Page 232----------------------- OS LUSADAS 72 D' ambos de dous a fronte coroada Ramos no conhecidos e ervas tinha. Um deles a presena traz cansada, Como quem de mais longe ali caminha; E assi a gua, com mpeto alterada, Parecia que doutra parte vinha, Bem como Alfeu de Arcdia em Siracusa Vai buscar os abraos de Aretusa. 73 Este, que era o mais grave na pessoa, Destarte pera o Rei de longe brada: ? tu, a cujos reinos e coroa Grande parte do mundo est guardada, Ns outros, cuja fama tanto voa, Cuja cerviz bem nunca foi domada, Te avisamos que tempo que j mandes A receber de ns tributos grandes. 74 Eu sou o ilustre Ganges, que na terra Celeste tenho o bero verdadeiro; Estoutro o Indo, Rei que, nesta serra Que vs, seu nascimento tem primeiro. Custar-t' -emos contudo dura guerra; Mas, insistindo tu, por derradeiro, Com no vistas vitrias, sem receio A quantas gentes vs pors o freio. 75 No disse mais o Rio ilustre e santo, Mas ambos desparecem num momento. Acorda Emanuel cum novo espanto E grande alterao de pensamento. Estendeu nisto Febo o claro manto Pelo escuro Hemisprio somnolento; Veio a manh no cu pintando as cores De pudibunda rosa e roxas flores. 185 ----------------------- Page 233----------------------- OS LUSADAS 76 Chama o Rei os senhores a conselho E prope-lhe as figuras da viso; As palavras lhe diz do santo velho, Que a todos foram grande admirao. Determinam o nutico aparelho, Pera que, com sublime corao, V a gente que mandar cortando os mares A buscar novos climas, novos ares. 77 Eu, que bem mal cuidava que em efeito Se pusesse o que o peito me pedia, Que sempre grandes coisas deste jeito, Pres[s]ago, o corao me prometia, No sei por que razo, por que respeito, Ou por que bom sinal que em mi se via, Me pe o nclito Rei nas mos a chave Deste cometimento grande e grave. 78 E com rogo e palavras amorosas, Que um mando nos Reis que a mais obriga, Me disse: ? As cousas rduas e lustrosas Se alcanam com trabalho e com fadiga; Faz as pessoas altas e famosas A vida que se perde e que periga, Que, quando ao medo infame no se rende, Ento, se menos dura, mais se estende. 79 Eu vos tenho entre todos escolhido Pera ua empresa, qual a vs se deve, Trabalho ilustre, duro e esclarecido, O que eu sei que por mi vos ser leve. No sofri mais, mas logo: ? Rei subido, Aventurar-me a ferro, a fogo, a neve, to pouco por vs que mais me pena Ser esta vida cousa to pequena. 186 ----------------------- Page 234----------------------- OS LUSADAS 80 Imaginai tamanhas aventuras Quais Euristeu a Alcides inventava: O lio Cleonu, Harpias duras, O porco de Erimanto, a Hidra brava, Decer, enfim, s sombras vs e escuras Onde os campos de Dite a Estige lava; Porque a maior perigo, a mor afronta, Por vs, Rei, o esprito e carne pronta. 81 Com mercs sumptuosas me agardece E com razes me louva esta vontade; Que a virtude louvada vive e crece E o louvor altos casos persuade. A acompanhar-me logo se oferece, Obrigado d' amor e d' amizade, No menos cobioso de honra e fama, O caro meu irmo Paulo da Gama. 82 Mais se me ajunta Nicolau Coelho, De trabalhos mui grande sofredor. Ambos so de valia e de conselho, D' experincia em armas e furor. J de manceba gente me aparelho, Em que crece o desejo do valor; Todos de grande esforo; e assi parece Quem a tamanhas cousas se oferece. 83 Foram de Emanuel remunerados, Por que com mais amor se apercebessem, E com palavras altas animados Pera quantos trabalhos sucedessem. Assi foram os Mnias ajuntados, Pera que o Vu dourado combatessem, Na fatdica nau, que ousou primeira Tentar o mar Euxnio, aventureira. 187 ----------------------- Page 235----------------------- OS LUSADAS 84 E j no porto da nclita Ulisseia, Cum alvoroo nobre e cum desejo (Onde o licor mistura e branca areia Co salgado Neptuno o doce Tejo) As naus prestes esto; e no refreia Temor nenhum o juvenil despejo, Porque a gente martima e a de Marte Esto pera seguir-me a toda a parte, 85 Pelas praias vestidos os soldados De vrias cores vm e vrias artes, E no menos de esforo aparelhados Pera buscar do mundo novas partes. Nas fortes naus os ventos sossegados Ondeiam os areos estandartes; Elas prometem, vendo os mares largos, De ser no Olimpo estrelas, como a de Argos. 86 Despois de aparelhados, desta sorte, De quanto tal viagem pede e manda, Aparelhmos a alma pera a morte, Que sempre aos nautas ante os olhos anda. Pera o sumo Poder, que a etrea Corte Sustenta s co a vista veneranda, Implormos favor que nos guiasse E que nossos comeos aspirasse. 87 Partimo-nos assi do santo templo Que nas praias do mar est assentado, Que o nome tem da terra, pera exemplo, Donde Deus foi em carne ao mundo dado. Certifico-te, Rei, que, se contemplo Como fui destas praias apartado, Cheio dentro de dvida e receio, Que apenas nos meus olhos ponho o freio. 188 ----------------------- Page 236----------------------- OS LUSADAS 88 A gente da cidade, aquele dia, (Uns por amigos, outros por parentes, Outros por ver somente) concorria, Sadosos na vista e descontentes. E ns, co a virtuosa companhia De mil Religiosos diligentes, Em procisso solene, a Deus orando, Pera os batis viemos caminhando. 89 Em to longo caminho e duvidoso Por perdidos as gentes nos julgavam, As mulheres cum choro piadoso, Os homens com suspiros que arrancavam. Mes, Esposas, Irms, que o temeroso Amor mais desconfia, acrecentavam A desesperao e frio medo De j nos no tornar a ver to cedo. 90 Qual vai dizendo: ? filho, a quem eu tinha S pera refrigrio e doce emparo Desta cansada j velhice minha, Que em choro acabar, penoso e amaro, Porque me deixas, msera e mesquinha? Porque de mi te vs, o filho caro, A fazer o funreo encerramento Onde sejas de pexes mantimento? 91 Qual em cabelo: ? doce e amado esposo, Sem quem no quis Amor que viver possa, Porque is aventurar ao mar iroso Essa vida que minha e no vossa? Como, por um caminho duvidoso, Vos esquece a afeio to doce nossa? Nosso amor, nosso vo contentamento, Quereis que com as velas leve o vento? 189 ----------------------- Page 237----------------------- OS LUSADAS 92 Nestas e outras palavras que diziam, De amor e de piadosa humanidade, Os velhos e os mininos os seguiam, Em quem menos esforo pe a idade. Os montes de mais perto respondiam, Qusi movidos de alta piedade; A branca areia as lgrimas banhavam, Que em multido com elas se igualavam. 93 Ns outros, sem a vista alevantarmos Nem a me, nem a esposa, neste estado, Por nos no magoarmos, ou mudarmos Do propsito firme comeado, Determinei de assi nos embarcarmos, Sem o despedimento costumado, Que, posto que de amor usana boa, A quem se aparta, ou fica, mais magoa. 94 Mas um velho, d' aspeito venerando, Que ficava nas praias, entre a gente, Postos em ns os olhos, meneando Trs vezes a cabea, descontente, A voz pesada um pouco alevantando, Que ns no mar ouvimos claramente, Cum saber s d' experincias feito, Tais palavras tirou do experto peito: 95 ? glria de mandar, v cobia Desta vaidade a quem chamamos Fama! fraudulento gosto, que se atia Cua aura popular, que honra se chama! Que castigo tamanho e que justia Fazes no peito vo que muito te ama! Que mortes, que perigos, que tormentas, Que crueldades neles experimentas! 190 ----------------------- Page 238----------------------- OS LUSADAS 96 Dura inquietao d' alma e da vida Fonte de desemparos e adultrios, Sagaz consumidora conhecida De fazendas, de reinos e de imprios! Chamam-te ilustre, chamam-te subida, Sendo dina de infames vituprios; Chamam-te Fama e Glria soberana, Nomes com quem se o povo nscio engana! 97 A que novos desastres determinas De levar estes Reinos e esta gente? Que perigos, que mortes lhe destinas, Debaixo dalgum nome preminente? Que promessas de reinos e de minas D' ouro, que lhe fars to facilmente? Que famas lhe prometers? Que histrias? Que triunfos? Que palmas? Que vitrias? 98 Mas, tu, gerao daquele insano Cujo pecado e desobedincia No somente do Reino soberano Te ps neste desterro e triste ausncia, Mas inda doutro estado mais que humano, Da quieta e da simpres inocncia, Idade d' ouro, tanto te privou, Que na de ferro e d' armas te deitou: 99 J que nesta gostosa vadade Tanto enlevas a leve fantasia, J que bruta crueza e feridade Puseste nome, esforo e valentia, J que prezas em tanta quantidade O desprezo da vida, que devia De ser sempre estimada, pois que j Temeu tanto perd-la Quem a d: 191 ----------------------- Page 239----------------------- OS LUSADAS 100 No tens junto contigo o Ismaelita, Com quem sempre ters guerras sobejas? No segue ele do Arbio a lei maldita, Se tu pola de Cristo s pelejas? No tem cidades mil, terra infinita, Se terras e riqueza mais desejas? No ele por armas esforado, Se queres por vitrias ser louvado? 101 Deixas criar s portas o inimigo, Por ires buscar outro de to longe, Por quem se despovoe o Reino antigo, Se enfraquea e se v deitando a longe; Buscas o incerto e incgnito perigo Por que a Fama te exalte e te lisonje Chamando-te senhor, com larga cpia, Da ndia, Prsia, Arbia e de Etipia. 102 Oh, maldito o primeiro que, no mundo, Nas ondas vela ps em seco lenho! Dino da eterna pena do Profundo, Se justa a justa Lei que sigo e tenho! Nunca juzo algum, alto e profundo, Nem ctara sonora ou vivo engenho Te d por isso fama nem memria, Mas contigo se acabe o nome e glria! 103 Trouxe o filho de Jpeto do Cu O fogo que ajuntou ao peito humano, Fogo que o mundo em armas acendeu, Em mortes, em desonras (grande engano!). Quanto milhor nos fora, Prometeu, E quanto pera o mundo menos dano, Que a tua esttua ilustre no tivera Fogo de altos desejos, que a movera! 192 ----------------------- Page 240----------------------- OS LUSADAS 104 No cometera o moo miserando O carro alto do pai, nem o ar vazio O grande arquitector co filho, dando Um, nome ao mar, e o outro, fama ao rio. Nenhum cometimento alto e nefando Por fogo, ferro, gua, calma e frio, Deixa intentado a humana gerao. Msera sorte! Estranha condio! NOTAS 1.3-6 ?Traz a manh serena claridade?: traz claridade a manh serena; ?Removendo o temor ...?: afastando o temor. Ort.: despois (por depois). Cames no conhece outra forma. 2.4-8 ?Do descuido remisso de Fernando?: froixo no proceder; ?... nico herdeiro / ... verdadeiro?: a expresso ?nico herdeiro? moderada pelo outro adjectivo ?verdadeiro?. Remisso latinismo. 3.3-8 ?Quando em vora a voz de ua minina, / Ante tempo falando, ...?: ?Quem constrangeo a boca da filha d' Esteveannes Dereado, morador em Evora, moa pequena de oyto meses nada, que no bero homde jazia se levantou em cuu tres vezes, dizemdo com a mao alada: Portugall, Portugall, por el Rey Dom Joham.? (Discurso de Frei Pedro, da Ordem de S. Francisco, em Lisboa, no recebimento das bandeiras tomadas aos Castelhanos. Crnica de D. Joo I, de Ferno Lopes, 2. parte, cap. XLVIII, p. 117, Lisboa, Imprensa Nacional, MCMLXVIII.) 4.6-7 ?Do adltero Conde e da Rainha?: o adltero Conde era o fidalgo galego Joo Fernandes Andeiro; ? Com quem sua incontinncia ...?: com quem pertence para Conde. 5.5 ?Quem, como Astians, precipitado?: um ou uns. D. Martinho, 193 ----------------------- Page 241----------------------- OS LUSADAS castelhano, bispo de Lisboa, foi precipitado da torre da S de Lisboa. Depois de morto, foi arrastado, nu, pela cidade. (Ferno Lopes, Crnica de D. Joo I, 1. parte, cap. XII, pp. 23 e segs., ed. do Arquivo Histrico, 1915.) Astians, filho de Heitor e de Andrmaca. Depois da morte de Heitor e da queda de Tria, foi reclamado pelos chefes gregos e precipitado do alto de uma torre. 5.8 ?Quem nu por ruas e em pedaos feito?: a abadessa do Mosteiro de S. Bento, no longe de vora. ?E assi [desvestida] a tirarom fora da See desomrradamente, e a llevarom pella rrua da Sellaria ataa Praa; e naquell logar lhe deu huu delles huua cuitellada pella cabea, de que cahiu morta em terra, e desi os outros comearam de acuitellar per ella, cada huu como lhe prazia.? (Ferno Lopes, Crnica de D. Joo I, 1. parte, cap. LXXIX, p. 80, ed. cit.) 6.3-4 ?Feitas do feroz Mrio e do cruento / Sila ...?: v. Plutarco nas Vidas respectivas. JMR e ALV, EN, p. CXVI, citam as Enadas de Sablico como fonte deste passo. 7.1-4 ?Beatriz era a filha, que casada / Co Castelhano est ...?: D. Joo I de Castela; ?Se a corrompida fama ...?: se o segredo divulgado. 8.1-3 ?Vm de toda a provncia que de um Brigo?: de Castela-a-Velha, pois, segundo autores suspeitos, Castilla la Vieja vem de Castillabrigia, de um rei Brigo, bisneto de Tubal. O Poeta acrescenta ?(Se foi)?; ?Das terras que Fernando e que Rodrigo?: JMR, EN, supe que se trata de Fernando III (S. Fernando), que conquistou Crdova, Mrcia, Xam e Sevilha; Rodrigo Rui Dias de Bivar, o Cid Campeador, que conquistou Valncia. 9.3-6 ?Da cabea de toda Andaluzia?: Hspalis (Sevilha); ?A nobre Ilha tambm se apercebia / Que antigamente os Trios habitavam?: ilha de Cdis (Clis). O Poeta segue aqui a tradio dos feitos de Hrcules em Gadira, Eriteia, ou Cdis. Os Trios so os Fencios. 10.6 ? srdidos Galegos, duro bando?: que sentido deu Cames a 194 ----------------------- Page 242----------------------- OS LUSADAS ?srdidos?, ele que era de ascendncia galega? Em V.79.4 temos as naus ?srdidas e imundas?, em que ?srdidas? sinnimo de ?imundas?. Em VI.78.3, ?o gro ferreiro srdido? tambm sinnimo de ?imundo?, em virtude do ofcio. No verso 10.6 deve tratar-se da sordidez proveniente da indigncia, misria ou avareza. 11.2-7 ?A gente Bizcainha, que carece / De polidas razes, ...?: refere-se, por um lado, ininteligibilidade do biscainho, por ser um dos principais dialectos da lngua vasca, e, por outro, ao seu sentimento muito vivo de autonomia (v. CB, ?Acerca de alguns versos de Os Lusadas?, in RL, vol. 38., n.os 1-4, 1940-1943, pp. 87-99); ?A terra de Guipscua e das Astrias?: a terra de Guipscoa pertence, com a Biscaia, s provncias vascongadas. Astrias, regio do Norte da Espanha, limitada ao N. pelo mar Cantbrico, a E. pela provncia de Santander, ao S. pela de Leo e a O. pela de Lugo; ?Armou dele ...?: do ferro (de que fala no v. anterior). 12.2-5 ?Como a Sanso Hebreio da guedelha?. Sanso, juiz de Israel, tinha a fortaleza nos cabelos da cabea, como diz MC. Uma cortes, Dalila, acabou por ter a revelao deste segredo e cortou-lhos enquanto ele dormia, ficando temporariamente outro homem e merc dos Filisteus. Fala dele o Livro dos Juzes, XIII-XVII; ?Posto que tudo pouco lhe parece?: Pois que ... ; ?E no porque conselho lhe falece?: lhe falea. 13.1-8 ?No falta com razes quem desconcerte?: no falta quem com razes; ?Negaro (como Pedro) o Deus que tm?: ?E Pedro se lembrou da palavra que Jesus lhe dissera: ?Antes que o galo cante, trs vezes me negars?. E saindo para fora chorou amargamente.? (?S. Mateus?, XXVI.75.) 15.1-2 ?Como? Da gente ilustre Portuguesa?: o Poeta tem certamente em vista o conselho de que fala Ferno Lopes no cap. XXX da Crnica de D. Joo I, 2. parte, e do qual o Condestvel saiu ?muito anojado?, indo ao outro dia s com suas gentes a caminho de Tomar, disposto a dar batalha ao rei de Castela. O discurso fantasiado pelo Poeta. Seus irmos estavam j na hoste de Castela; ?H-de haver quem 195 ----------------------- Page 243----------------------- OS LUSADAS refuse o ptrio Marte??: h-de haver quem recuse combater pela Ptria? 16.1-8 ?Como? No sois vs inda os descendentes?: refere-se ao recontro da veiga de Valdevez, que teve talvez lugar nos princpios de 1128, segundo AB, em CH. Foi derrotado el-rei de Castela e diz DG, cap. VII: ?Prenderam-lhe na batalha sete Condes e outros muitos cavaleiros, e mataram-lhe muita gente.? (Crnica de D. Afonso Henriques.) 18.7 ?Atai as mos a vosso vo receio?: ficai imveis, presos do vosso medo. 19.3-5 ?Defenderei da fora dura e infesta?: infesta (inimiga) latinismo; ?Em virtude do Rei, da ptria mesta?: mesta (latinismo), abatida, mergulhada em aflio. Ort.: sojugada (por subjugada). 20.1-2 ?Bem como entre os mancebos recolhidos / Em Cansio, relquias ss de Canas?: Em Cansio (Canusium, cidade da Aplia, hoje Canosa da Aplia) Pblio Cornlio Cipio, Africanus major, ento (216 a. C.) de cerca de 19 anos, demoveu os combatentes derrotados de deporem as armas (v. T. Lvio, XXII.LIII). Derrotou Anbal em Zama (202). 21.4-5 ?... lhe ...?: por lhes; ?Nos animais cavalgam de Neptuno?: v. III.51.3- 4. 22.3-4 ?Uns as armas alimpam e renovam, / Que a ferrugem da pazgastadas tinha?: o particpio concorda com armas. Aproximar aqueles vv. de Virglio, VII.623-640. 23.1-8 ?Com toda esta lustrosa companhia / Joane forte sai da fresca Abrantes?: o Poeta simplifica muito a aco. O exrcito portugus saiu de Abrantes, passou a Tomar, de Tomar a Ourm e Porto de 196 ----------------------- Page 244----------------------- OS LUSADAS Ms; ?Os primeiros armgeros regia?: os primeiros homens de armas, a vanguarda, regida por Nuno lvares (v. est. seg.). Armgeros latinismo; ?Orientais exrcitos sem conto / Com que passava Xerxes o Helesponto?: em 480 a. C. Xerxes passava o Helesponto numa ponte de barcas frente de ?exrcitos sem conto? para atacar os Gregos. 24.3 ?Como j o fero Huno o foi primeiro?: refere-se a tila, rei dos Hunos (432-453), que trouxe a assolao Europa at ser derrotado nos chamados ?Campos Catalunicos?, no longe de Chlons-sur- Marne (451), por Acio (general romano), Meroveu (rei franco) e Teodorico (rei dos Visigodos de Espanha), que morreu na batalha?. V. III.100.1-8. 25-1-3 ?E da outra ala, ... / Anto Vasques de Almada capito, / Que despois foi de Abranches nobre Conde?: lapso do Poeta. Quem teve o ttulo de Conde de Abranches (na Normandia) foi lvaro Vaz de Almada, amigo do infante D. Pedro, que morreu em Alfarrobeira. Segundo Ferno Lopes, o comandante da ala esquerda, ?da sestra mo?, foi Anto Vasques, que mais tarde entrar por Castela, recolhendo grande despojo (Crnica de D. Joo I, 2. parte, cap. LIX, p. 144). 26-1-7 ?Estavam pelos muros, temerosas / E de um alegre medo qusi frias?: aparentemente, o Poeta faz assistir as abrantinas ?mes, irms, damas e esposas? ao prlio e deixa indeterminado o verdadeiro local do combate. Alegre medo, medo cheio de esperana na vitria; ?J chegam as esquadras belicosas / Defronte das imigas companhias, / Que com grita grandssima os recebem;?: silepse. O Poeta tem no seu pensamento os guerreiros das esquadras. 27.3-8 ?Alfrezes volteiam as bandeiras?: alfrezes, plural antigo de alferes; ?Era no seco tempo que nas eiras?: Ceres, filha de Saturno e de Cbele, deusa da agricultura, identificada mais tarde com a Demter dos Gregos. Astreia, antigo nome da constelao da Virgem. O Sol entrava no signo da Virgem a 14 de Agosto de 1385; na imagem ou constelao entra mais tarde. Na Chronographia, de Jernimo Chaves, l-se: ?Entra el sol en el signo de Virgo comunmente a los quatorze 197 ----------------------- Page 245----------------------- OS LUSADAS de Agosto, comiena a entrar en la imagen al fin de Agosto.? (Cit. por LPS, AL, p. 90.) 28.3-8 ?Ouviu-o o monte Artabro, e Guadiana?: identificam Artabro actualmente com o cabo Ortegal, no extremo noroeste da Galiza. A trombeta ouvida do extremo noroeste da Espanha ao extremo sueste: ?Ouviu[-o] o Douro e a terra Transtagana?: v. III.62.1-2; ?E as mes, que o som terrbil escuitaram, / Aos peitos ...?: aproxime de Virglio, E, VII.518: ?... et trepidae matres pressere ad pectora natos.? Terrbil latinismo. Ort.: escuitaram (por escutaram). 29.1-8 ?O sentido desta estncia muito obscuro e tem suscitado vrias interpretaes. Para ns o sentido este: ?Quantos rostos ali se vm sem cor, / Pois ao corao acode o sangue amigo! Que, nos perigos grandes, o temor / maior muitas vezes que o perigo. / E se o temor no maior do que o perigo, aparenta-o; mas o furor / De ofender ou vencer o duro imigo / Faz no sentir que perda grande e rara / [a] Dos membros corporais, da vida cara.? Ort.: Imigo, forma arcaica (por inimigo). 30.2 ?De ambas partes se move a primeira ala?: os Castelhanos ?moveram-se? primeiro, segundo Ferno Lopes: ?Emtom, dando as trombetas muy rijamente, com grandes apupos e allarydos braadando todos: A elhos! A elhos!, comeou a desaparecer o campo so a grande espessura delles.? (Crnica de D. Joo I, 2. parte, p. 97); ?Os portugueses, como os virom aballar, comearam avyvar os coraooens pera os receber, e com esforo damdo aas trombetas, moverom passo e passo em sua boa hordenana, o Condestabre ante a sua bamdeira ...? (Id., ibid.) 31 Ort.: debaxo (por debaixo); recrecem (por recrescem). 32.1-8 ?Eis ali seus irmos contra ele vo?: D. Pedro lvares Pereira, mestre de Calatrava, e Diogo lvares; ?Destes arrenegados muitos so / No primeiro esquadro, ...?: ?os portugueses vinham todos nesta aaz deanteira ... assy como o conde dom Joham Afomsso Tello 198 ----------------------- Page 246----------------------- OS LUSADAS ...,.e dom Pedralvarez e Diegoalvarez seu irmo, e Gomallo Vaasquez d? Azevedo e Alvaro Gomallvez seu filho, e Garcia Rodriguez Taborda, alcayde de Leyrea, Vaasquo Perez de Cames, Joham Gonallvez, alcaide d? Obidos e outros.? (Ferno Lopes, Crnica de D. Joo I, 2. parte, cap. XXXVIII, p. 87); ?Quais nas guerras civis de Jlio [e] Magno?: de Jlio Csar e Pompeu, o Magno. O Poeta conheceu o poema De bello civili, de Lucano, e, naturalmente, As Vidas (de Pompeu e de Csar), de Plutarco. Sobre a morte de Magno, v. IV.62.3-8. 33.1 ? tu, Sertrio, nobre Coriolano, / Catilina, ...?: Sertrio, general romano, falecido em 72 a. C. Alcanara na Pennsula grande prestgio, onde exercera os cargos de tribuno militar e propretor da Espanha citerior. Era partidrio de Mrio e adversrio de Sila. Comandou os Lusitanos e ops-se aos partidrios de Sila. Foi assassinado num banquete por Perpena, seu capito, no j referido ano de 72 (v. Plutarco, Sertorius). Mrcio Coriolano, general romano, que viveu no sculo V a. C. Vencedor de Corolos (no Lcio), capital dos Volscos, em 493. Condenado ao exlio, refugiou-se junto dos Volscos e levou-os guerra contra Roma. Resistiu aos pedidos do Senado para depor as armas contra os Romanos. S acedeu aos pedidos de sua me, Vetria, e de sua esposa, Volmnia (T. Lvio, II.XL). Lcio Srgio Catilina, patrcio romano (por 109-63 a. C.), partidrio de Sila, adversrio do Senado. Ficaram clebres as quatro oraes proferidas por Ccero contra Catilina, em 63 a. C. (v. L. Catilinam, ?Orationes IV?). Salstio escreveu De conjuratione Catilinae. Nobre Coriolano: clebre. 33.4-5 ?... comprofano / Corao ...:profano (latinismo) no sentido de mpio; ?Se l no reino escuro de Sumano?: Sumano, deus infernal, que alguns assimilam a Pluto. 34.1-6 ?Rompem-se aqui dos nossos os primeiros?: a az de Nuno lvares foi rota em primeiro lugar ante a presso do inimigo. ?E seemdo a az grossa daquella maneira e a dos portugueses pequena e simgella, e nom a podemdo soffrer, foy rota per fora a ssua avamguarda, e emtrada poderosamente dos emmigos.? (Ferno Lopes, Crnica de D. Joo I, 2. parte, cap. XLIII, p. 98); ?Que os campos vo correr de 199 ----------------------- Page 247----------------------- OS LUSADAS Tutuo?: Tetuo, cidade marroquina, tomada por D. Duarte de Meneses. 35.4 Ort.: recrecem (por recrescem). 36.1-8 ?Sentiu Joane a afronta que passava / Nuno, ...?: ?El-Rey, quando vyo a avanguarda rota e o Conde em tamanha pressa, com gramde cuydado e todos com elle abalou rijamente com sua bamdeira, dizemdo altas vozes com gram esforo: Avamte, senhores, avamte! Sam Jorge, Sam Jorge! Portugall, Portugall, ca eu som el-Rey!? (Ferno Lopes, Crnica de D. Joo I, 2. parte, cap. XLII, p. 99); ?O pastor de Masslia ...?: Masslia, terra dos Massilos, povo vizinho da Numdia. 37.2 ?Os montes Sete Irmos atroa e abala?: MC escreveu: ?Na Mauritania, q} atras chamey Massilia, esto sete montes, dos quaes Pomponio Mella diz: Ex his tamen, quae commemorare non piget, montes sunt alti, qui ctinenter, & quasi de industria in ordinem expositi, ob numerum septem, ob similitudinem fratres vocantur.? Na ed. de 1748 do De Situ Orbis de Pompnio Mella a transcrio termina: ?ob similitudinem Fratres nuncunpantur?. 39.4-5 ?Perigos vencer do Mrcio jogo?: jogo de Marte ? a guerra; ?Porfiam; tinge o ferro ofogo ardente?: vrias edies, desde 1597, substituram no texto ?fogo? por ?sangue?. ED adoptou ?sangue?. JMR, na EN, nem sequer alude ao problema e pe ?fogo?. CB mantm ?fogo? e, como MC, entende que est em sentido figurado e o ?honroso fogo? do v. 2. SJ mantm ?fogo?, assim como FC. MR mudou para ?sangue?. MM mantm ?fogo?. A expresso audaciosa: o ferro no tinge o sangue, mas o fogo que o anima. 40.1-6 ?A muitos mandam ver o Estgio lago?: lagoa do Inferno (Estige); ?O Mestre morre ali de Santiago?: no h notcia de o mestre de Santiago ter estado em Aljubarrota; ?Outro Mestre cruel de Calatrava?. No v. 7 o Poeta diz que morrem ?os Pereiras ... arrenegados?; mas um deles, Pedro lvares Pereira, que era o mestre de Calatrava. Morreu na batalha. Diogo Pereira foi feito prisioneiro e, depois, deixado por D. Joo I guarda de Egas 200 ----------------------- Page 248----------------------- OS LUSADAS Coelho. Mas ?villaos alguuns vemdo-lhe as armas de Castella?, mataram-no, sem mais razes (Ferno Lopes, Crnica de D. Joo I, 2. parte, cap. XLV, p. 107). 41.1-8 Muitos tambm do vulgo vil, sem nome?: no sentido de no nobre; ?Vo, e tambm dos nobres, ao Profundo, / Onde o trifauce Co ...?: o Profundo o Inferno, o Co de trs fauces o Crbero, guarda do Inferno; ?A sublime bandeira Castelhana / Foi derribada ...?: ?E ssendo a batalha cada vez mayor e muy feryda danbas partes, prougue a Deus que a bandeira de Castella foy derybada ...? (Ferno Lopes, Crnica de D. Joo I, 2. parte, cap. XLII, p. 99.) 43.1-7 ?O campo vai deixando ao vencedor?: ?El-Rey de Castella oolhando a batalha e veendo que Fortuna de todo em todo era favoravell aos portugueses ... trigou-sse como quem nom sente door por logo partir ante que mais visse como sse perdia a batalha de todo.? (Ferno Lopes, Crnica de D. Joo I, 2. parte, cap. XLIII, p. 99); ?Lhe d, no ps, mas asas ...?: por lhes (os que ficaram); ?Encobrem no profundo peito ...?: no fundo do peito; e triste nojo?: dor, pesar. 44.6 ?... aventura s penas doprofundo ?: como em 41.1-8. 45.8 ?Pera as terras se passa Transtaganas?: v. III.62.1-2. Ort.: despois (por depois). 46.3-7 ?Porque a terra dos Vndalos, ...?: a Andaluzia; ?J de Sevilha a Btica bandeira, / E de vrios senhores, num momento / Se lhe derriba aos ps, sem ter defesa?: derriba concorda com Btica bandeira e sem ter defesa pertence igualmente para Btica bandeira. 47.6-7 ?Dar os Reis inimigos por maridos / s duas Ilustrssimsa Inglesas?: as duas filhas do duque de Lencastre, Filipa e Catarina, casaram, a primeira, com o rei de Portugal e, a segunda, com o rei de Castela. 48.2 Ort.: imigo (por inimigo). 201 ----------------------- Page 249----------------------- OS LUSADAS 49.1-8 ?Eis mil nadantes aves, ...? : numerosa frota; ?... pelo argento / Da furiosa Ttis inquieta ?: pelo oceano agitado; ?... aspandas asas ...?: as inchadas velas; ?Pera onde Alcides ps a extrema meta?: Alcides (Hrcules) ? para o estreito de Gibraltar; ?O monte Abila e o nobre fundamento / De Ceita ...?: v. III.77.3-8. Ceuta foi tomada em 21 de Agosto de 1385; ?... e segura toda a Espanha / Da Juliana, m e desleal manha?: o conde Julio era governador cristo de Ceuta nos primeiros anos do sculo VIII. Julio era partidrio de Vitiza (rei visigodo da Pennsula). No se tratando de monarquia hereditria, os nobres visigodos no reconheceram o filho como sucessor de Vitiza e elegeram Rodrigo. Por este motivo, o conde Julio solicitou o apoio de Mua Ibne Noir, governador da frica muulmana, e abriu-lhe as portas de Ceuta para uma expedio Pennsula. 50.1-8 ?No consentiu a morte ...?: D. Joo I faleceu a 14 de Agosto de 1433, aniversrio da Batalha de Aljubarrota; ?nclita gerao, altos Infantes?: o Poeta refere-se em especial aos filhos de D. Joo I ? D. Duarte, D. Pedro, D. Henrique e D. Fernando. 52.1 ?Viu ser cativo o santo irmo Fernando?: a desastrada expedio a Tnger em 1437 trouxe como consequncia o infante D. Fernando ficar como refm at que se entregasse Tnger ? no que nunca consentiu o infante D. Henrique. D. Fernando foi chamado o ?Infante Santo?. Morreu em Fez, minado de desgostos e de torturas (5 de Junho de 1448). Ort.:pbrico , na edioprinceps (porpblico). 53.1-2 ?Codro, por que o inimigo no vencesse?: Codro, ltimo rei de Atenas, evitou o triunfo dos Drios quando estes invadiram a tica, entrando, disfarado, no campo inimigo e deixando-se matar. Desta forma cumpriu-se o orculo que predizia que ficaria vencedor o que no matasse o rei; ?Rgulo por que a ptria no perdesse?: Rgulo, prisioneiro em Cartago, tendo sido mandado a Roma para que se fizesse um tratado de paz ou se permutassem os prisioneiros, aconselhou o Senado a no aceitar nenhuma das propostas. De regresso a Cartago foi morto (T. Lvio, sumrio do liv. XVIII). Horcio consagrou a Rgulo a Ode V do liv. III, e Ccero, um trecho do De Officiis, III.27.100. 202 ----------------------- Page 250----------------------- OS LUSADAS 53.7 ?Codro, nem Crcio, ouvido por espanto?: hoje dir-se-ia: nem Codro, nem Crcio. MC diz que, segundo escreve Tito Lvio na Primeira Dcada, ao tempo que os Romanos tinham guerra com os Hrnicos, ?apareceo subitamente na praa de Roma hua muy grande abertura, a qual os Romanos nunca podero serrar, antes quanto mais elles mais o procuravo tanto ella mais se abria. Consultado o Oraculo, respondeo, que aquella abertura queria dentro em si aquillo, com que Roma era mais poderosa. E como neste caso variassem os Romanos, & nenhum soubesse dar no entendimento da resposta, Curcio os reprendeo muy asperamente, notandoos de fraco juizo, & dizendo que homens & armas fazio a republica Romana muy poderosa, & que assi se avio de entender as palavras do Oraculo: pelo que se armou, & posto a cavallo, se lanou muyto alvoroado dentro naquella abertura, a qual logo se serrou? (v. T. Lvio, VII.VI). 53.8 ?Nem os Dcios leais, fizero tanto?: Dcios Mus, nome de trs ilustres romanos que se sacrificaram pela ptria: o pai, em Vseris (rio de Campnia, ao p do Vesvio), numa batalha contra os Latinos (T. Lvio, VIII.IX), em 340 a. C.; o filho, em Sentino (cidade da mbria), contra os Gauleses (T. Lvio, X.XXVIII), em 295, e o neto, em sculo, cidade do Piceno, contra Pirro, em 279. 54.1-2 ?Mas Afonso, do Reino nico herdeiro?: D. Afonso V, na sua qualidade de primognito; ?Nome em armas ditoso em nossa Hespria?: v. II.108.6. Impossbil e terrbil so latinismos. 55.1-2 ?Este pde colher as mas de ouro?: este D. Afonso V. Trata-se das mas dojardim das Hespridas . As Hespridas habitavam no extremo ocidente, no longe da ilha dos Bem-Aventurados, beira do Oceano. Acabaram por situ-las junto do monte Atlas. As mas de ouro, aqui, designam Marrocos; ?Que somente o Tirntio colher pde?. O Tirntio Hrcules, por seu av Alceu, rei de Tirinto. O seu pai putativo, Anfitrio, era rei de Tebas, pelo que Hrcules tambm chamado o Tebano. Ovdio e Virglio chamam Tirntio a Hrcules. 203 ----------------------- Page 251----------------------- OS LUSADAS 56.2-8 ?Os muros abaxaram de diamante?: duros como o diamante; ?Mais afinando a fama Portuguesa?: mais apurando. Ort.: abaxaram (por abaixaram); dinas (por dignas). 57.3-7 ?Vai cometer Fernando de Arago?: D. Afonso V, pretendente ao trono de Castela por parte de sua sobrinha, D. Joana, teve como competidor Fernando de Arago. D. Afonso V para defender os direitos da sobrinha entrou em Castela em Maio de 1475; ?Desde Cliz ao alto Perineo?: desde Cdis ao alto Pireneu. 58.1 ?No quis ficar nos Reinos occioso?: o prncipe D. Joo (futuro D. Joo II) foi encontrar-se em Touro com o pai (em Janeiro de 1476). Ort.: occioso, na edioprinceps, ou, como o Poeta escreve em outros lugares, oucioso (por ocioso). 59-4-6 ?Todo um dia ficou no campo inteiro?: alis, toda uma noite; ?Destarte foi vencido Octaviano, / E Antnio vencedor, ...?: o Poeta compara a sorte de D. Afonso V e do Prncipe D. Joo II (um vencido, o outro vencedor) sorte de Marco Antnio e de Octaviano, que em 42 a. C. venceram os assassinos de Jlio Csar, Bruto e Cssio, na batalha de Filipos, tendo Octaviano sido infeliz (v. Plutarco, Brutus, XXXVIII-LIII). 60.7-8 ?... que foi buscar da roxa Aurora / Os trminos, que eu vou buscando agora?: foi buscar a meta oriental. Nas estncias seguintes o Poeta ocupa-se das viagens de Pro da Covilh e de Afonso de Paiva. Ort.: despois (por depois); apousentou (por aposentou). 61.1 ?Manda seus mensageiros ...?: a fantasia do Poeta alterou a histria, incluindo no itinerrio a Frana. Despediram-se do rei em Santarm, em 7 de Maio de 1487. Seguindo por Valncia, chegaram a Barcelona em 14 de Junho e da a Npoles, que alcanaram em 24 do mesmo ms, donde passaram ilha de Rodes. Fazendo de mercadores, passaram Alexandria, no Egipto. Como mercadores seguiram para o Cairo e da para Tor. Embarcados em Tor, foram 204 ----------------------- Page 252----------------------- OS LUSADAS pelo mar Vermelho (ou Roxo) at Suaqum, na costa africana, e da para Adm. Aqui separaram-se: Afonso de Paiva para a Etipia e Pro da Covilh para a ndia. Afonso de Paiva morreu, provavelmente, no Cairo. Depois de vrias viagens e exploraes, Pro da Covilh, tendo sabido no Cairo da morte do seu companheiro, resolveu entrar na Abissnia, ou Etipia-a-Alta, donde no mais o deixaram sair. 61.4-8 ?Onde j foi Partnope enterrada?: Partnope foi uma das sereias que, quando Ulisses se lhes escapou, se lanaram ao mar; o seu corpo deu costa no local onde, mais tarde, foi construda a cidade de Npoles. ?Litore autem Neapolis Chalcidensium et ipsa, Parthenope a tumulo Sirenis appellata.? (Plnio, III.V.62); ?Co senhorio de nclitos Hispanos?: a partir de Afonso V, de Arago (Afonso I, de Npoles). No tempo de Cames, Npoles pertencia monarquia espanhola. 62.3-8 ?E dali s ribeiras altas chegam / Que com morte de Magno so famosas?: para pedir asilo a Ptolemeu, rei do Egipto, Pompeu dirigiu-se a Pelsio (ou Pelusa), hoje Tin, cidade do Egipto, nas vizinhanas de Porto Saida. Os nossos viajantes foram para a Alexandria e da ao Cairo; ?Vo a Mnfis, ...: o Poeta quis provvelmente identificar o Cairo; ?... e s terras que se regam / Das enchentes Nilticas undosas?: as terras do Nilo so regadas por enchentes revoltas (undosas). ?Sobem Etipia, sobre Egipto, / Que de Cristo l guarda o santo rito?: s Pro da Covilh subiu Abissnia; ?que l guarda o santo rito?: o culto monofisista. 63.1-8 ?Passam tambm as ondas Eritreias?: o mar Vermelho (ou Roxo); ?Que o povo de Israel sem nau passou?: a clebre travessia do mar Vermelho por Moiss e pelos Hebreus, que deixaram o Egipto em direco ao monte Sinai; ?Ficam-lhe atrs as serras Nabateias?: ?deinde Nabataei oppidum incolunt Petram nomine in convalle, paulo minus II p. amplitudinis, circumdatum montibus inaccessis, amne interfluente? (Plnio, VI.XXXII.144); ?Que o filho de Ismael co nome ornou?: Nabateias, de Nabath; ?As costas odorferas Sabeias?: a Sabeia parte da Arbia Feliz: ?principalia ergo in illa tus atque murra? (Plnio, XII.XXIX.52); ?Que a me do belo Adnis tanto honrou?: Cniras, rei de Chipre, teve uma filha que quis praticar incesto com ele. Depois de algumas noites descobriu-se o crime. A 205 ----------------------- Page 253----------------------- OS LUSADAS jovem foge e encontra deuses propcios, que a transformam na rvore da mirra. Feita rvore, gera Adnis, fruto do seu crime (v. Ov., M, X.491 e segs.); ?Feliz, deixando a Ptrea e a Deserta?: JMR, in BCL, XIII, p. 697, nota, queria que se lesse Petra, com acento medieval 4-7-10. 64.1-8 ?Entram no Estreito Prsico, onde dura / Da confusa Babel inda a memria?: entram no Golfo Prsico e o Poeta lembra-se da Torre de Babel e de Babilnia; ?Ali co Tigre o Eufrates se mistura?: os dois rios renem-se na Mesopotmia e formam juntos o Chate Alrabe, que desagua no Golfo Prsico; ?Que as fontes onde nascem tm por glria?: o Paraso (cf. III.72.7-8); ?Onde no se atreveu passar Trajano?: v. nosso comentrio a I.3.3. 65.1-2 ?Viram gentes incgnitas e estranhas / Da ndia, da Carmnia e Gedrosia?: Gedrsia, provncia da Prsia, entre a Carmnia e a ndia. Carmnia, tambm provncia da Prsia. Ort.:produze (porproduz ). 67.6-8 ?... no tempo que a luz clara / Foge, e as estrelas ntidas que saem / A repouso convidam quando caem?: ?sair, falando das estrelas, surgir no horizonte, comear a subir, nascer, enfim. As estrelas que nascem de dia no se vem; s as que nascem de noite saem ntidas. O adjectivo ntidas importante, porque indica que o Poeta se refere a estrelas de nascimento crnico. Define-se, pois, nos ltimos versos, a parte da noite em que as estrelas, que j de noite nasceram, convidam a repouso, pela sua queda do lado ocidental do meridiano? (LPS, AL, p. 37). AFGV, a p. 36 do fasc. 2. de NC, afirma: ?As estrelas ntidas que saem? podem ser as estrelas de nascimento helaco vespertino. Elas aparecem a ocidente, depois do sol-posto e, pouco depois caem, isto , tm o seu ocaso, desaparecendo no horizonte ocidental. 68.8 ?Morfeu em vrias formas lhe aparece?: Morfeu um dos mil filhos do Sono. A sua funo consiste em tomar a forma de seres humanos e de se mostrar aos homens adormecidos durante os seus sonhos. Possui grandes asas rpidas e silenciosas, que o levam a toda parte. 206 ----------------------- Page 254----------------------- OS LUSADAS 69.1-6 ?Aqui se lhe apresenta que subia / To alto que tocava a prima Esfera?: a esfera da Lua; ?Despois que os olhos longos estendera?: estendera ao largo os olhospara ver ao longe o objecto desejado. Ort.: nace e nacerem (por nasce e nascerem); despois (por depois); longincos (por longnquos). 70.1-6 ?Aves agrestes, feras e alimrias?: aves agrestes, feras e outros animais; ?Estas duras montanhas, adversrias / De mais conversao, ...?: de outra frequentao. 71.5-8 ?Das pontas dos cabelos lhe saam?: lhe, por lhes; ?Barba hirsuta, intonsa, ...?: hirsuta (eriada) e intonsa (no aparada) so latinismos. Ort.: aspeito (por aspecto). 72.7-8 ?Bem como Alfeu de Arcdia em Siracusa / Vai buscar os abraos de Aretusa?: Alfeu, rio do Peloponeso; Arcdia, planalto do Peloponeso; Siracusa, cidade principal da Siclia. ?Mas da observao d? este rio & d? outros semelhantes, nos no devemos muito maravilhar do q} disser os antigos acerca do rio Alpheo, o qual despois q} na provincia do Pelopneso passa por a cidade de Pisa & entra no Mediterraneo, screv? ? que n mixtura suas agoas c as salgadas, mas q} por baixo d? este mar se vai meter na fonte Arethusa, juto da cidade Syracusa chamada oje Saragoa em Sicilia, & q saindo d? esta fonte entra no mar.? (GB, Ch., fl. 12 e v.) V. Ov., M, V.572-642. 74.1-4 ?... que na terra / Celeste tenho o bero verdadeiro?: no paraso terreal; ?Estoutro o Indo, Rei que, nesta serra / Que vs ...?: ED diz que Cames chama ?Rei? ao Indo por ser o rio da ndia de mais longo curso. JMR, BCL, 13, p. 688, pensa que ?Rei? um vocativo, que o o do Indo absorveu o o do vocativo (teoria que lhe particularmente favorita) e que como se estivesse escrito: ?Estoutro he o Indo, Rey?. Na edioprinceps est: ?Estoutro he o Indo Rey?. 75.5-6 ?Estendeu nisto Febo o claro manto?: o Sol rompeu; ?Pelo escuro 207 ----------------------- Page 255----------------------- OS LUSADAS Hemisprio somnolento?: AP e PAP, no seu DL, afirmam que no poema se grafa de quatro maneiras a palavra ?Hemisfrio?: ?Hemispherio? em I.8, ?Emispherio? em I.38 e I.65, ?Emisperio? em IV.75 e VI.38 e ?Hemisperio? em V.14 (e, acrescente-se, em X.93). Cames talvez fosse o primeiro que, em portugus, tivesse escrito o vocbulo com forma semelhante latina e grega. ?Hemisperio? l-se no Esmeraldo e ?Imisperyo? na Crnica da Guin. Ort.: desparecem (por desaparecem, por causa da medida do verso); Emanuel, do latim Emmanuel, nome do Messias. 76.2-8 ?E prope-lhe as figuras da viso?: refere, apresenta; ?Determinam o nutico aparelho?: ordenam que as naus se aparelhem; ?A buscar novos climas, novos ares?: Portugal ? como escreveu LPS ? ?estendia-se na Europa sobre o clima de Roma ao norte de Lisboa, e ao sul sobre o clima de Rodes? (v. II.109.1-8). As navegaes dos Portugueses ao longo da costa africana foram, porm, recuando aquele limite, como se diz em IV.76.8. 77.3-4 Que sempre grandes coisas deste jeito, / Pres[s]ago, o corao me prometia?: talvez o pensamento de Virglio em E, IX.186: ?Aut pugnam aut aliquid iamdudum invadere magnum / mens agitat mihi ...? 80.1-8 ?Imaginai tamanhas aventuras / Quais Euristeu a Alcides inventava?: Euristeu, rei de Micenas. Alcides o primeiro nome de Hrcules (v. III.137.8). Nos vv. 3 a 6 recordam-se algumas faanhas de Hrcules: a morte do leo Cleoneu (de Cleona, nome de lugar); as ?Harpias duras?: as aves monstruosas do lago Estinfalo, que Cames confundiu neste lugar com as ?Harpias?; a captura do porco monstruoso que vivia no Erimanto; ?a Hidra brava?, ou Hidra de Lerna, monstro de vrias cabeas, decepadas por Hrcules a poder de largos esforos; ?Decer, enfim, s sombras vs e escuras / Onde os campos de Dite a Estige lava?: Dis Pater ou Ditis foi desde muito cedo identificado a Pluto. Styx, rio dos Infernos, tambm feminino em latim; ?Por vs, Rei, o esprito e carne pronta?: concordncia do verbo com um dos elementos do sujeito. Ort.: decer (por descer). 208 ----------------------- Page 256----------------------- OS LUSADAS 81.2 ?E com razes ...?: e com palavras. 82.3 ?Ambos so de valia e de conselho?: ambos so de merecimento e bom conselho. Ort.: crece (por cresce). 83.5-6 ?Assi foram os Mnias ajuntados?; este verso e os seguintes aproximam Os Lusadas da Argonautica, de Valrio Flacco (v. sobre este ponto ?Os Lusadas e o Tema das Argonuticas?, por SJ, in Ocidente, vol. XL, 1951, pp. 261-284). Cames leu o poema de Valrio Flacco, Argonautica, onde os Argonautas so os Mnias, povo da Grcia continental, que tinha fundado um pequeno imprio a noroeste da Becia. Vencidos pelos Becios, depois da guerra de Tria, os Mnias ficaram na sua dependncia. Mnias era tambm o rei de Orcmeno, na Becia; ?Pera que o Vu dourado combatessem?: o Poeta chama Vu ao Velo. A conquista do Velo de oiro foi narrada por Apolnio Rdio, serviu para um episdio a Pndaro e fez o assunto da Medeia, de Eurpedes. Como j dissemos, Valrio Flacco tambm tratou do assunto. 83.7 ?Na fatdica nau que ousou primeira?:fatdica no sentido latino, que prediz o futuro. A nau Argo foi construda num porto da Tesslia com a ajuda da deusa Atena. A madeira proveio do Plion, com excepo da pea de proa, trazida pela deusa, e que era um pedao de carvalho sagrado de Dodona. Ela mesma a talhara e lhe dera o dom da fala, alm do poder de profetizar; ?Tentar o mar Euxnio, aventureira?: dirigiram-se Clquida, no mar Euxino (ou mar Negro). 84.1-6 Pela ordem directa os quatro primeiros versos deveriam ter a seguinte redaco: ?E j no porto da nclita Ulisseia, / (Onde o doce Tejo mistura o licor e branca areia / Co salgado Neptuno) / Cum alvoroo nobre e cum desejo / As naus prestes esto ...?; Ulisseia, cidade de Ulisses, Lisboa; o salgado Neptuno, o Oceano; as naus: a S. Gabriel, a S. Rafael, a Brrio e uma de mantimentos; ?... juvenil despejo?: juvenil desembarao. Na edioprinceps: ?a toda parte?, e no como, por lapso, saiu no texto. 209 ----------------------- Page 257----------------------- OS LUSADAS 85.7-8 ?Elas prometem, vendo os mares largos, / De ser no Olimpo estrelas, como a de Argos?: a nau Argo foi posta entre as constelaes por Minerva. 86.5-8 ?... que a etrea Corte / Sustenta ...?: a corte celeste; ?E que nossos comeos aspirasse?: favorecesse. 87.1-8 ?Partimo-nos assi do santo templo?: de Nossa Senhora de Belm; ?Que o nome tem da terra, ...?: Jesus nasceu em Belm; ?... se contemplo?: se contemplo na memria, se recordo; ?Como fui ...?: quando fui; ?Que apenas nos meus olhos ponho o freio?: Que, anacoluto. Com dificuldade retenho as lgrimas. Cf. Ov., Tristia, I.III.3-4: cum repeto noctem, qua tot mibi cara reliqui, labitur ex oculis nunc quoque gutta meis. 88.1-4 ?A gente da cidade, ... /... / ... concorria, / Sadosos na vista e descontentes?: concordncia de sadosos e descontentes com gente; ?Uns por amigos, ...?: uns por serem amigos. 89 Ort.:piadoso (porpiedoso); acrecentavam (por acrescentavam). 90.5 ?Porque me deixas, msera e mesquinha??: v. III.118.5-8. Ort.: emparo (por amparo); pexes (porpeixes). O Poeta nunca escreveu de outro modo; amaro latinismo. 91.3 ?Porque is ...?: ides. 92.7-8 ?A branca areia as lgrimas banhavam?: as lgrimas banhavam a branca areia; ?Que em multido com elas se igualavam?: Com elas, com as areias, e no com a areia. 210 ----------------------- Page 258----------------------- OS LUSADAS 93.1-5 ?Ns outros, ... /... / Determinei de assi nos embarcarmos?: determinei que ns outros assi nos embarcssemos. 94.1-8 ?Mas um velho d? aspeito venerando?: desta estncia at final do canto o episdio do Velho do Restelo, eloquente, filosfico e tambm poltico. Pela boca do Velho, Cames manifesta a sua predileco pela poltica africana; ?... experto peito?: peito experiente. Ort.: aspeito (por aspecto). 95.3 ? fraudulento gosto ...?: gosto enganoso. 96.5-8 ?Na edioprinceps o Poeta escreveu: ?Chaman-te ilustre?, ?chaman-te subida?, ?chaman-te fama?, por causa da encltica; ?Nomes com quem se o povo nscio engana!?: o pronome quem empregava-se indiferentemente em relao a pessoas e a coisas: nscio, ignorante. Ort.: desemparos (por desamparos); dina (por digna). 97.4-6 ?Debaixo dalgum nomepreminente? ?: preeminente; ?Que promessas de reinos e de minas / D? ouro, que lhe fars ... ?: este ltimo que pleonstico. 98.1-7 ?Mas, tu, gerao daquele insano?: Ado; ?... do Reino soberano?: do Paraso; ?Da quieta e da simpres inocncia, / Idade d? ouro, ... ?: sobre as quatro idades, v. Ov., M, I.90-150. Ort.: simpres (por simples). 99.7-8 ?... pois que j / Temeu tanto perd-la Quem a d?: v. ?S. Mateus?, XXVI.39: ?E adiantando-se um pouco, se prostrou com o rosto em terra, orando e dizendo: ? Pai meu, se possvel passe de mim este clix ...? 100.1 ?No tens junto contigo o Ismaelita?: refere-se aos muulmanos da frica do Norte. 211 ----------------------- Page 259----------------------- OS LUSADAS 101.4 ?Se enfraquea e se v deitando a longe?: se v deitando a perder. Longe rima com longe do segundo verso. 101.7 ?... com larga cpia?: com grande abundncia. 102.3-5 ?Profundo (Inferno) rima comprofundo (adjectivo). 103.1 ?Trouxe o filho de Jpeto do Cu / O fogo que ajuntou ao peito humano?: sobre o roubo do fogo por Prometeu, filho de Jpeto, v. Hesodo, Theogonia, vv. 554-556. A expresso do Poeta est mais prxima de Horcio, O, I.III. 104.1-5 ?No cometera o moo miserando / O carro alto do pai ...?: Feton, filho de Hlio (o Sol), foi autorizado por seu pai a guiar o carro do Sol, mas esteve a pontos de, por inexperincia, abrasar o Universo. Zeus (Jpiter), irritado, fulminou-o e precipitou-o no Erdano (o rio P); ?... nem o ar vazio / O grande arquitector co filho, dando / Um, nome ao mar, e o outro, fama ao rio?: Ddalo, arquitecto grego que construiu o labirinto de Creta, no qual foi encerrado o Minotauro. Ddalo tambm l ficou aprisionado por ordem de Minos, mas fugiu, fazendo umas asas de penas e de cera. caro fugiu do labirinto de Creta com o pai com asas ligadas com cera. Aproximando-se demasiado do Sol, a cera derreteu-se, as asas soltaram-se e caro foi cair no mar Egeu, perto da ilha Icria (no mar Icrio); ?Nenhum cometimento alto e nefando?: nefando no sentido latino de nefandus, abominvel. 212 ----------------------- Page 260----------------------- OS LUSADAS V 1 ESTAS sentenas tais o velho honrado Vociferando estava, quando abrimos As asas ao sereno e sossegado Vento, e do porto amado nos partimos. E, como j no mar costume usado, A vela desfraldando, o cu ferimos, Dizendo: ? Boa viagem!; logo o vento Nos troncos fez o usado movimento. 2 Entrava neste tempo o eterno lume No animal Nemeio truculento; E o Mundo, que co tempo se consume, Na sexta idade andava, enfermo e lento. Nela v, como tinha por costume, Cursos do Sol catorze vezes cento, Com mais noventa e sete, em que corria, Quando no mar a armada se estendia. 3 J a vista, pouco e pouco, se desterra Daqueles ptrios montes, que ficavam; Ficava o caro Tejo e a fresca serra De Sintra, e nela os olhos se alongavam; Ficava-nos tambm na amada terra O corao, que as mgoas l deixavam; E, j despois que toda se escondeu, No vimos mais, enfim, que mar e cu. 213 ----------------------- Page 261----------------------- OS LUSADAS 4 Assi fomos abrindo aqueles mares, Que gerao algua no abriu As novas Ilhas vendo e os novos ares Que o generoso Henrique descobriu; De Mauritnia os montes e lugares, Terra que Anteu num tempo possuiu, Deixando mo esquerda, que direita No h certeza doutra, mas suspeita. 5 Passmos a grande Ilha da Madeira, Que do muito arvoredo assi se chama; Das que ns povomos a primeira, Mais clebre por nome que por fama. Mas, nem por ser do mundo a derradeira, Se lhe aventajam quantas Vnus ama; Antes, sendo esta sua, se esquecera De Cipro, Gnido, Pafos e Citera. 6 Deixmos de Masslia a estril costa, Onde seu gado os Azenegues pastam, Gente que as frescas guas nunca gosta, Nem as ervas do campo bem lhe abastam; A terra a nenhum fruto, enfim, disposta, Onde as aves no ventre o ferro gastam, Padecendo de tudo extrema inpia, Que aparta a Barbaria de Etipia. 7 Passmos o limite aonde chega O Sol, que pera o Norte os carros guia; Onde jazem os povos a quem nega O filho de Climene a cor do dia. Aqui gentes estranhas lava e rega Do negro Sanag a corrente fria, Onde o Cabo Arsinrio o nome perde, Chamando-se dos nossos Cabo Verde. 214 ----------------------- Page 262----------------------- OS LUSADAS 8 Passadas tendo j as Canrias ilhas, Que tiveram por nome Fortunadas, Entrmos, navegando, polas filhas Do velho Hesprio, Hespridas chamadas; Terras por onde novas maravilhas Andaram vendo j nossas armadas. Ali tommos porto com bom vento, Por tomarmos da terra mantimento. 9 quela ilha apartmos que tomou O nome do guerreiro Santiago, Santo que os Espanhis tanto ajudou A fazerem nos Mouros bravo estrago. Daqui, tanto que Breas nos ventou, Tornmos a cortar o imenso lago Do salgado Oceano, e assi deixmos A terra onde o refresco doce achmos. 10 Por aqui rodeando a larga parte De frica, que ficava ao Oriente (A provncia Jalofo, que reparte Por diversas naes a negra gente; A mui grande Mandinga, por cuja arte Logramos o metal rico e luzente, Que do curvo Gambeia as guas bebe, As quais o largo Atlntico recebe), 11 As Drcadas passmos, povoadas Das Irms que outro tempo ali viviam, Que, de vista total sendo privadas, Todas trs dum s olho se serviam. Tu s, tu, mujas tranas encrespadas Neptuno l nas guas acendiam, Tornada j de todas a mais feia, De bvoras encheste a ardente areia. 215 ----------------------- Page 263----------------------- OS LUSADAS 12 Sempre, enfim, pera o Austro a aguda proa, No grandssimo glfo nos metemos, Deixando a Serra asprrima Lioa, Co Cabo a quem das Palmas nome demos. O grande rio, onde batendo soa O mar nas praias notas, que ali temos, Ficou, co a Ilha ilustre, que tomou O nome dum que o lado a Deus tocou. 13 Ali o mui grande reino est de Congo, Por ns j convertido f de Cristo, Por onde o Zaire passa, claro e longo, Rio pelo antigos nunca visto. Por este largo mar, enfim, me alongo Do conhecido Plo de Calisto, Tendo o trmino ardente j passado Onde o meio do Mundo limitado. 14 J descoberto tnhamos diante, L no novo Hemisprio, nova estrela, No vista de outra gente, que, ignorante, Alguns tempos esteve incerta dela. Vimos a parte menos rutilante E, por falta de estrelas, menos bela, Do Plo fixo, onde inda se no sabe Que outra terra comece ou mar acabe. 15 Assi, passando aquelas regies Por onde duas vezes passa Apolo, Dous Invernos fazendo e dous Veres, Enquanto corre dum ao outro Plo, Por calmas, por tormentas e opresses, Que sempre faz no mar o irado Eolo, Vimos as Ursas, a pesar de Juno, Banharem-se nas guas de Neptuno. 216 ----------------------- Page 264----------------------- OS LUSADAS 16 Contar-te longamente as perigosas Cousas do mar, que os homens no entendem, Sbitas trovoadas temerosas, Relmpados que o ar em fogo acendem, Negros chuveiros, noites tenebrosas, Bramidos de troves, que o mundo fendem, No menos trabalho que grande erro, Ainda que tivesse a voz de ferro. 17 Os casos vi, que os rudos marinheiros, Que tm por mestra a longa experincia, Contam por certos sempre e verdadeiros, Julgando as cousas s pola aparncia, E que os que tm juzos mais inteiros, Que s por puro engenho e por cincia Vm do mundo os segredos escondidos, Julgam por falsos ou mal entendidos. 18 Vi, claramente visto, o lume vivo Que a martima gente tem por santo, Em tempo de tormenta e vento esquivo, De tempestade escura e triste pranto. No menos foi a todos excessivo Milagre, e cousa, certo, de alto espanto, Ver as nuvens, do mar com largo cano, Sorver as altas guas do Oceano. 19 Eu o vi certamente (e no presumo Que a vista me enganava): levantar-se No ar um vaporzinho e sutil fumo E, do vento trazido, rodear-se; De aqui levado um cano ao Plo sumo Se via, to delgado, que enxergar-se Dos olhos facilmente no podia; Da matria das nuvens parecia. 217 ----------------------- Page 265----------------------- OS LUSADAS 20 Ia-se pouco e pouco acrecentando E mais que um largo masto se engrossava; Aqui se estreita, aqui se alarga, quando Os golpes grandes de gua em si chupava; Estava-se co as ondas ondeando; Em cima dele ua nuvem se espessava, Fazendo-se maior, mais carregada, Co cargo grande d' gua em si tomada. 21 Qual roxa sangues[s]uga se veria Nos beios da alimria (que, imprudente, Bebendo a recolheu na fonte fria) Fartar co sangue alheio a sede ardente; Chupando, mais e mais se engrossa e cria, Ali se enche e se alarga grandemente: Tal a grande coluna, enchendo, aumenta A si e a nuvem negra que sustenta. 22 Mas, despois que de todo se fartou, O p que tem no mar a si recolhe E pelo cu, chovendo, enfim voou, Por que co a gua a jacente gua molhe; s ondas torna as ondas que tomou, Mas o sabor do sal lhe tira e tolhe. Vejam agora os sbios na escritura Que segredos so estes de Natura! 23 Se os antigos Filsofos, que andaram Tantas terras, por ver segredos delas, As maravilhas que eu passei, passaram, A to diversos ventos dando as velas, Que grandes escrituras que deixaram! Que influo de sinos e de estrelas! Que estranhezas, que grandes qualidades! E tudo, sem mentir, puras verdades. 218 ----------------------- Page 266----------------------- OS LUSADAS 24 Mas j o Planeta que no Cu primeiro Habita, cinco vezes, apressada, Agora meio rosto, agora inteiro, Mostrara, enquanto o mar cortava a armada, Quando da etrea gvea, um marinheiro, Pronto co a vista: Terra! Terra! brada. Salta no bordo alvoroado a gente, Cos olhos no horizonte do Oriente. 25 A maneira de nuvens se comeam A descobrir os montes que enxergamos; As ncoras pesadas se adeream; As velas, j chegados, amainamos. E, pera que mais certas se conheam As partes to remotas onde estamos, Pelo novo instrumento do Astrolbio, Inveno de sutil juzo e sbio, 26 Desembarcamos logo na espaosa Parte, por onde a gente se espalhou, De ver cousas estranhas desejosa, Da terra que outro povo no pisou. Porm eu, cos pilotos, na arenosa Praia, por vermos em que parte estou, Me detenho em tomar do Sol a altura E compassar a universal pintura. 27 Achmos ter de todo j passado Do Semcapro Pexe a grande meta, Estando entre ele e o crculo gelado Austral, parte do mundo mais secreta. Eis, de meus companheiros rodeado, Vejo um estranho vir, de pele preta, Que tomaram per fora, enquanto apanha De mel os doces favos na montanha. 219 ----------------------- Page 267----------------------- OS LUSADAS 28 Torvado vem na vista, como aquele Que no se vira nunca em tal extremo; Nem ele entende a ns, nem ns a ele, Selvagem mais que o bruto Polifemo. Comeo-lhe a mostrar da rica pele De Colcos o gentil metal supremo, A prata fina, a quente especiaria: A nada disto o bruto se movia. 29 Mando mostrar-lhe peas mais somenos: Contas de cristalino transparente, Alguns soantes cascavis pequenos, Um barrete vermelho, cor contente; Vi logo, por sinais e por acenos, Que com isto se alegra grandemente. Mando-o soltar com tudo e assi caminha Pera a povoao, que perto tinha. 30 Mas, logo ao outro dia, seus parceiros, Todos nus e da cor da escura treva, Decendo pelos speros outeiros, As peas vm buscar que estoutro leva. Domsticos j tanto e companheiros Se nos mostram, que fazem que se atreva Ferno Veloso a ir ver da terra o trato E partir-se co eles pelo mato. 31 Veloso no brao confiado E, de arrogante, cr que vai seguro; Mas, sendo um grande espao j passado, Em que algum bom sinal saber procuro, Estando, a vista alada, co cuidado No aventureiro, eis pelo monte duro Aparece e, segundo ao mar caminha, Mais apressado do que fora, vinha. 220 ----------------------- Page 268----------------------- OS LUSADAS 32 O batel de Coelho foi depressa Polo tomar; mas, antes que chegasse, Um Etope ousado se arremessa A ele, por que no se lhe escapasse; Outro e outro lhe saem; v-se em pressa Veloso, sem que algum lhe ali ajudasse; Acudo eu logo, e, enquanto o remo aperto, Se mostra um bando negro, descoberto. 33 Da espessa nuvem setas e pedradas Chovem sobre ns outros, sem medida; E no foram ao vento em vo deitadas, Que esta perna trouxe eu dali ferida. Mas ns, como pessoas magoadas, A reposta lhe demos to tecida Que em mais que nos barretes se suspeita Que a cor vermelha levam desta feita. 34 E, sendo j Veloso em salvamento, Logo nos recolhemos pera a armada, Vendo a malcia feia e rudo intento Da gente bestial, bruta e malvada, De quem nenhum milhor conhecimento Pudemos ter da ndia desejada Que estarmos inda muito longe dela. E assi tornei a dar ao vento a vela. 35 Disse ento a Veloso um companheiro (Comeando-se todos a sorrir): ? Oul, Veloso amigo! Aquele outeiro milhor de decer que de subir! ? Si, (responde o ousado aventureiro); Mas, quando eu pera c vi tantos vir Daqueles ces, depressa um pouco vim, Por me lembrar que estveis c sem mim. 221 ----------------------- Page 269----------------------- OS LUSADAS 36 Contou ento que, tanto que passaram Aquele monte os negros de quem falo, Avante mais passar o no deixaram, Querendo, se no torna, ali mat-lo; E tornando-se, logo se emboscaram, Por que, saindo ns pera tom-lo, Nos pudessem mandar ao reino escuro, Por nos roubarem mais a seu seguro. 37 Porm j cinco Sis eram passados Que dali nos partramos, cortando Os mares nunca d' outrem navegados, Prosperamente os ventos assoprando, Quando ua noute, estando descuidados Na cortadora proa vigiando, Ua nuvem que os ares escurece, Sobre nossas cabeas aparece. 38 To temerosa vinha e carregada, Que ps nos coraes um grande medo; Bramindo, o negro mar de longe brada, Como se desse em vo nalgum rochedo. ? Potestade (disse) sublimada: Que ameao divino ou que segredo Este clima e este mar nos apresenta, Que mor cousa parece que tormenta? 39 No acabava, quando ua figura Se nos mostra no ar, robusta e vlida, De disforme e grandssima estatura; O rosto carregado, a barba esqulida, Os olhos encovados, e a postura Medonha e m e a cor terrena e plida; Cheios de terra e crespos os cabelos, A boca negra, os dentes amarelos. 222 ----------------------- Page 270----------------------- OS LUSADAS 40 To grande era de membros, que bem posso Certificar-te que este era o segundo De Rodes estranhssimo Colosso, Que um dos sete milagres foi do mundo. Cum tom de voz nos fala, horrendo e grosso, Que pareceu sair do mar profundo. Arrepiam-se as carnes e o cabelo, A mi e a todos, s de ouvi-lo e v-lo! 41 E disse: ? gente ousada, mais que quantas No mundo cometeram grandes cousas, Tu, que por guerras cruas, tais e tantas, E por trabalhos vos nunca repousas, Pois os vedados trminos quebrantas E navegar meus longos mares ousas, Que eu tanto tempo h j que guardo e tenho, Nunca arados d' estranho ou prprio lenho; 42 Pois vens ver os segredos escondidos Da natureza e do hmido elemento, A nenhum grande humano concedidos De nobre ou de imortal merecimento, Ouve os danos de mi que apercebidos Esto a teu sobejo atrevimento, Por todo o largo mar e pola terra Que inda hs-de sojugar com dura guerra. 43 Sabe que quantas naus esta viagem Que tu fazes, fizerem, de atrevidas, Inimiga tero esta paragem, Com ventos e tormentas desmedidas; E da primeira armada que passagem Fizer por estas ondas insofridas, Eu farei de improviso tal castigo Que seja mor o dano que o perigo! 223 ----------------------- Page 271----------------------- OS LUSADAS 44 Aqui espero tomar, se no me engano, De quem me descobriu suma vingana; E no se acabar s nisto o dano De vossa pertinace confiana: Antes, em vossas naus vereis, cada ano, Se verdade o que meu juzo alcana, Naufrgios, perdies de toda sorte, Que o menor mal de todos seja a morte! 45 E do primeiro Ilustre, que a ventura Com fama alta fizer tocar os Cus, Serei eterna e nova sepultura, Por juzos incgnitos de Deus. Aqui por da Turca armada dura Os soberbos e prsperos trofus; Comigo de seus danos o ameaa A destruda Quloa com Mombaa. 46 Outro tambm vir, de honrada fama, Liberal, cavaleiro, enamorado, E consigo trar a fermosa dama Que Amor por gro merc lhe ter dado. Triste ventura e negro fado os chama Neste terreno meu, que, duro e irado, Os deixar dum cru naufrgio vivos, Pera verem trabalhos excessivos. 47 Vero morrer com fome os filhos caros, Em tanto amor gerados e nacidos; Vero os Cafres, speros e avaros, Tirar linda dama seus vestidos; Os cristalinos membros e perclaros calma, ao frio, ao ar, vero despidos, Despois de ter pisada, longamente, Cos delicados ps a areia ardente. 224 ----------------------- Page 272----------------------- OS LUSADAS 48 E vero mais os olhos que escaparem De tanto mal, de tanta desventura, Os dous amantes mseros ficarem Na frvida, implacbil espessura. Ali, despois que as pedras abrandarem Com lgrimas de dor, de mgoa pura, Abraados, as almas soltaro Da fermosa e misrrima priso. 49 Mais ia por diante o monstro horrendo, Dizendo nossos Fados, quando, alado, Lhe disse eu: ? Quem s tu? Que esse estupendo Corpo, certo me tem maravilhado! A boca e os olhos negros retorcendo E dando um espantoso e grande brado, Me respondeu, com voz pesada e amara, Como quem da pergunta lhe pesara: 50 ? Eu sou aquele oculto e grande Cabo A quem chamais vs outros Tormentrio, Que nunca a Ptolomeu, Pompnio, Estrabo, Plnio e quantos passaram fui notrio. Aqui toda a Africana costa acabo Neste meu nunca visto Promontrio, Que pera o Plo Antrtico se estende, A quem vossa ousadia tanto ofende. 51 Fui dos filhos asprrimos da Terra, Qual Enclado, Egeu e o Centimano; Chamei-me Adamastor, e fui na guerra Contra o que vibra os raios de Vulcano; No que pusesse serra sobre serra, Mas, conquistando as ondas do Oceano, Fui capito do mar, por onde andava A armada de Neptuno, que eu buscava. 225 ----------------------- Page 273----------------------- OS LUSADAS 52 Amores da alta esposa de Peleu Me fizeram tomar tamanha empresa; Todas as Deusas desprezei do Cu, S por amar das guas a Princesa. Um dia a vi, co as filhas de Nereu, Sair nua na praia e logo presa A vontade senti de tal maneira Que inda no sinto cousa que mais queira. 53 Como fosse impossbil alcan-la, Pola grandeza feia de meu gesto, Determinei por armas de tom-la E a Dris este caso manifesto. De medo a Deusa ento por mi lhe fala; Mas ela, cum fermoso riso honesto, Respondeu: ? Qual ser o amor bastante De Ninfa, que sustente o dum Gigante? 54 Contudo, por livrarmos o Oceano De tanta guerra, eu buscarei maneira Com que, com minha honra, escuse o dano. Tal resposta me torna a mensageira. Eu, que cair no pude neste engano (Que grande dos amantes a cegueira), Encheram-me, com grandes abondanas, O peito de desejos e esperanas. 55 J nscio, j da guerra desistindo, Ua noite, de Dris prometida, Me aparece de longe o gesto lindo Da branca Ttis, nica, despida. Como doudo corri de longe, abrindo Os braos pera aquela que era vida Deste corpo, e comeo os olhos belos A lhe beijar, as faces e os cabelos. 226 ----------------------- Page 274----------------------- OS LUSADAS 56 Oh que no sei de nojo como o conte! Que, crendo ter nos braos quem amava, Abraado me achei cum duro monte De spero mato e de espessura brava. Estando cum penedo fronte a fronte, Qu' eu polo rosto anglico apertava, No fiquei homem, no; mas mudo e quedo E, junto dum penedo, outro penedo! 57 Ninfa, a mais fermosa do Oceano, J que minha presena no te agrada, Que te custava ter-me neste engano, Ou fosse monte, nuvem, sonho ou nada? Daqui me parto, irado e qusi insano Da mgoa e da desonra ali passada, A buscar outro mundo, onde no visse Quem de meu pranto e de meu mal se risse. 58 Eram j neste tempo meus Irmos Vencidos e em misria extrema postos, E, por mais segurar-se os Deuses vos, Alguns a vrios montes sotopostos. E, como contra o Cu no valem mos, Eu, que chorando andava meus desgostos, Comecei a sentir do Fado imigo, Por meus atrevimentos, o castigo: 59 Converte-se-me a carne em terra dura; Em penedos os ossos se fizeram; Estes membros que vs, e esta figura, Por estas longas guas se estenderam. Enfim, minha grandssima estatura Neste remoto Cabo converteram Os Deuses; e, por mais dobradas mgoas, Me anda Ttis cercando destas guas. 227 ----------------------- Page 275----------------------- OS LUSADAS 60 Assi contava; e, cum medonho choro, Sbito d' ante os olhos se apartou; Desfez-se a nuvem negra, e cum sonoro Bramido muito longe o mar soou. Eu, levantando as mos ao santo coro Dos Anjos, que to longe nos guiou, A Deus pedi que removesse os duros Casos, que Adamastor contou futuros. 61 J Flgon e Piris vinham tirando, Cos outros dous, o carro radiante, Quando a terra alta se nos foi mostrando Em que foi convertido o gro Gigante. Ao longo desta costa, comeando J de cortar as ondas do Levante, Por ela abaixo um pouco navegmos, Onde segunda vez terra tommos. 62 A gente que esta terra possua, Posto que todos Etiopes eram, Mais humana no trato parecia Que os outros que to mal nos receberam. Com bailos e com festas de alegria Pela praia arenosa a ns vieram, As mulheres consigo e o manso gado Que apacentavam, gordo e bem criado. 63 As mulheres, queimadas, vm em cima Dos vagarosos bois, ali sentadas, Animais que eles tm em mais estima Que todo o outro gado das manadas. Cantigas pastoris, ou prosa ou rima, Na sua lngua cantam, concertadas Co doce som das rsticas avenas Imitando de Ttiro as Camenas. 228 ----------------------- Page 276----------------------- OS LUSADAS 64 Estes, como na vista prazenteiros Fossem, humanamente nos trataram, Trazendo-nos galinhas e carneiros A troco doutras peas que levaram; Mas como nunca, enfim, meus companheiros Palavra sua algua lhe alcanaram Que desse algum sinal do que buscamos, As velas dando, as ncoras levamos. 65 J aqui tnhamos dado um gro rodeio costa negra de frica, e tornava A proa a demandar o ardente meio Do Cu, e o Plo Antrtico ficava. Aquele ilhu deixmos onde veio Outra armada primeira, que buscava O Tormentrio Cabo e, descoberto, Naquele ilhu fez seu limite certo. 66 Daqui fomos cortando muitos dias, Entre tormentas tristes e bonanas, No largo mar fazendo novas vias, S conduzidos de rduas esperanas. Co mar um tempo andmos em porfias, Que, como tudo nele so mudanas, Corrente nele achmos to possante, Que passar no deixava por diante: 67 Era maior a fora em demasia, Segundo pera trs nos obrigava, Do mar, que contra ns ali corria, Que por ns a do vento que assoprava. Injuriado Noto da porfia Em que co mar (parece) tanto estava, Os assopros esfora iradamente, Com que nos fez vencer a gro corrente. 229 ----------------------- Page 277----------------------- OS LUSADAS 68 Trazia o Sol o dia celebrado Em que trs Reis das partes do Oriente Foram buscar um Rei, de pouco nado, No qual Rei outros trs h juntamente; Neste dia outro porto foi tomado Por ns, da mesma j contada gente, Num largo rio, ao qual o nome demos Do dia em que por ele nos metemos. 69 Desta gente refresco algum tommos E do rio fresca gua; mas contudo Nenhum sinal aqui da ndia achmos No povo, com ns outros csi mudo. Ora v, Rei, quamanha terra andmos, Sem sair nunca deste povo rudo, Sem vermos nunca nova nem sinal Da desejada parte Oriental. 70 Ora imagina agora quo coitados Andaramos todos, quo perdidos De fomes, de tormentas quebrantados, Por climas e por mares no sabidos, E do esperar comprido to cansados Quanto a desesperar j compelidos, Por cus no naturais, de qualidade Inimiga de nossa humanidade! 71 Corrupto j e danado o mantimento, Danoso e mau ao fraco corpo humano; E, alm disso, nenhum contentamento, Que sequer da esperana fosse engano. Crs tu que, se este nosso ajuntamento De soldados no fora Lusitano, Que durara ele tanto obediente, Porventura, a seu Rei e a seu regente? 230 ----------------------- Page 278----------------------- OS LUSADAS 72 Crs tu que j no foram levantados Contra seu Capito, se os resistira, Fazendo-se piratas, obrigados De desesperao, de fome, de ira? Grandemente, por certo, esto provados, Pois que nenhum trabalho grande os tira Daquela Portuguesa alta excelncia De lealdade firme e obedincia. 73 Deixando o porto, enfim, do doce rio E tornando a cortar a gua salgada, Fizemos desta costa algum desvio, Deitando pera o pego toda a armada; Porque, ventando Noto, manso e frio, No nos apanhasse a gua da enseada Que a costa faz ali, daquela banda Donde a rica Sofala o ouro manda. 74 Esta passada, logo o leve leme Encomendado ao sacro Nicolau, Pera onde o mar na costa brada e geme, A proa inclina dua e doutra nau; Quando, indo o corao que espera e teme E que tanto fiou dum fraco pau, Do que esperava j desesperado, Foi dua novidade alvoroado. 75 E foi que, estando j da costa perto, Onde as praias e vales bem se viam, Num rio, que ali sai ao mar aberto, Batis vela entravam e saam. Alegria mui grande foi, por certo, Acharmos j pessoas que sabiam Navegar, porque entre elas espermos De achar novas alguas, como achmos. 231 ----------------------- Page 279----------------------- OS LUSADAS 76 Etopes so todos, mas parece Que com gente milhor comunicavam; Palavra algua Arbia se conhece Entre a linguagem sua que falavam; E com pano delgado, que se tece De algodo, as cabeas apertavam; Com outro, que de tinta azul se tinge, Cada um as vergonhosas partes cinge. 77 Pela Arbica lngua que mal falam E que Ferno Martins mui bem entende, Dizem que, por naus que em grandeza igualam As nossas, o seu mar se corta e fende; Mas que, l donde sai o Sol, se abalam Pera onde a costa ao Sul se alarga e estende, E do Sul pera o Sol, terra onde havia Gente, assi como ns, da cor do dia. 78 Mui grandemente aqui nos alegrmos Co a gente, e com as novas muito mais. Pelos sinais que neste rio achmos O nome lhe ficou dos Bons Sinais. Um padro nesta terra alevantmos, Que, pera assinalar lugares tais, Trazia alguns; o nome tem do belo Guiador de Tobias a Gabelo. 79 Aqui de limos, cascas e d' ostrinhos, Nojosa criao das guas fundas, Alimpmos as naus, que dos caminhos Longos do mar vm srdidas e imundas. Dos hspedes que tnhamos vizinhos, Com mostras aprazveis e jocundas, Houvemos sempre o usado mantimento, Limpos de todo o falso pensamento. 232 ----------------------- Page 280----------------------- OS LUSADAS 80 Mas no foi, da esperana grande e imensa Que nesta terra houvemos, limpa e pura A alegria; mas logo a recompensa A Ramnsia com nova desventura. Assi no Cu sereno se dispensa; Co esta condio, pesada e dura, Nacemos: o pesar ter firmeza, Mas o bem logo muda a natureza. 81 E foi que, de doena crua e feia, A mais que eu nunca vi, desampararam Muitos a vida, e em terra estranha e alheia Os ossos pera sempre sepultaram. Quem haver que, sem o ver, o creia, Que to disformemente ali lhe incharam As gingivas na boca, que crecia A carne e juntamente apodrecia? 82 Apodrecia cum ftido e bruto Cheiro, que o ar vizinho inficionava. No tnhamos ali mdico astuto, Cirurgio sutil menos se achava; Mas qualquer, neste ofcio pouco instruto, Pela carne j podre assi cortava Como se fora morta, e bem convinha, Pois que morto ficava quem a tinha. 83 Enfim que nesta incgnita espessura Deixmos pera sempre os companheiros Que em tal caminho e em tanta desventura Foram sempre connosco aventureiros. Quo fcil ao corpo a sepultura! Quaisquer ondas do mar, quaisquer outeiros Estranhos, assi mesmo como aos nossos, Recebero de todo o Ilustre os ossos. 233 ----------------------- Page 281----------------------- OS LUSADAS 84 Assi que deste porto nos partimos Com maior esperana e mor tristeza, E pela costa abaixo o mar abrimos, Buscando algum sinal de mais firmeza. Na dura Moambique, enfim, surgimos, De cuja falsidade e m vileza J sers sabedor, e dos enganos Dos povos de Mombaa, pouco humanos. 85 At que aqui, no teu seguro porto, Cuja brandura e doce tratamento Dar sade a um vivo e vida a um morto, Nos trouxe a piedade do alto Assento. Aqui repouso, aqui doce conforto, Nova quietao do pensamento, Nos deste. E vs aqui, se atento ouviste, Te contei tudo quanto me pediste. 86 Julgas agora, Rei, se houve no mundo Gentes que tais caminhos cometessem? Crs tu que tanto Eneias e o facundo Ulisses pelo mundo se estendessem? Ousou algum a ver do mar profundo, Por mais versos que dele se escrevessem, Do que eu vi, a poder d' esforo e de arte, E do que inda hei-de ver, a oitava parte? 87 Esse que bebeu tanto da gua Ania, Sobre quem tm contenda peregrina, Entre si, Rodes, Smirna e Colofnia, Atenas, Ios, Argo e Salamina; Essoutro que esclarece toda Ausnia, A cuja voz, altssona e divina, Ouvindo, o ptrio Mncio se adormece, Mas o Tibre co som se ensoberbece: 234 ----------------------- Page 282----------------------- OS LUSADAS 88 Cantem, louvem e escrevam sempre extremos Desses seus Semideuses e encaream, Fingindo magas Circes, Polifemos, Sirenas que co canto os adormeam; Dm-lhe mais navegar vela e remos Os Ccones e a terra onde se esqueam Os companheiros, em gostando o loto; Dm-lhe perder nas guas o piloto; 89 Ventos soltos lhe finjam e imaginem Dos odres, e Calipsos namoradas; Harpias que o manjar lhe contaminem; Decer s sombras nuas j passadas: Que, por muito e por muito que se afinem Nestas fbulas vs, to bem sonhadas, A verdade que eu conto, nua e pura, Vence toda grandloca escritura! 90 Da boca do facundo Capito Pendendo estavam todos, embebidos, Quando deu fim longa narrao Dos altos feitos, grandes e subidos. Louva o Rei o sublime corao Dos Reis em tantas guerras conhecidos; Da gente louva a antiga fortaleza, A lealdade d' nimo e nobreza. 91 Vai recontando o povo, que se admira, O caso cada qual que mais notou; Nenhum deles da gente os olhos tira Que to longos caminhos rodeou. Mas j o mancebo Dlio as rdeas vira Que o irmo de Lampcia mal guiou, Por vir a descansar nos Ttios braos; E el-Rei se vai do mar aos nobres paos. 235 ----------------------- Page 283----------------------- OS LUSADAS 92 Quo doce o louvor e a justa glria Dos prprios feitos, quando so soados! Qualquer nobre trabalha que em memria Vena ou iguale os grandes j passados. As envejas da ilustre e alheia histria Fazem mil vezes feitos sublimados. Quem valorosas obras exercita, Louvor alheio muito o esperta e incita. 93 No tinha em tanto os feitos gloriosos De Aquiles, Alexandro, na peleja, Quanto de quem o canta os numerosos Versos: isso s louva, isso deseja. Os trofus de Milcades, famosos, Temstocles despertam s de enveja; E diz que nada tanto o deleitava Como a voz que seus feitos celebrava. 94 Trabalha por mostrar Vasco da Gama Que essas navegaes que o mundo canta No merecem tamanha glria e fama Como a sua, que o Cu e a Terra espanta. Si; mas aquele Heri que estima e ama Com des, mercs, favores e honra tanta A lira Mantuana, faz que soe Eneias, e a Romana glria voe. 95 D a terra Lusitana Cipies, Csares, Alexandros, e d Augustos; Mas no lhe d contudo aqueles des Cuja falta os faz duros e robustos. Octvio, entre as maiores opresses, Compunha versos doutos e venustos (No dir Flvia, certo, que mentira, Quando a deixava Antnio por Glafira). 236 ----------------------- Page 284----------------------- OS LUSADAS 96 Vai Csar sojugando toda Frana E as armas no lhe impedem a cincia; Mas, nua mo a pena e noutra a lana, Igualava de Ccero a eloquncia. O que de Cipio se sabe e alcana nas comdias grande experincia. Lia Alexandro a Homero de maneira Que sempre se lhe sabe cabeceira. 97 Enfim, no houve forte Capito Que no fosse tambm douto e ciente, Da Lcia, Grega ou Brbara nao, Seno da Portuguesa to somente. Sem vergonha o no digo: que a razo De algum no ser por versos excelente no se ver prezado o verso e rima, Porque quem no sabe arte, no na estima. 98 Por isso, e no por falta de natura, No h tambm Virglios nem Homeros; Nem haver, se este costume dura, Pios Eneias nem Aquiles feros. Mas o pior de tudo que a ventura To speros os fez e to austeros, To rudos e de engenho to remisso, Que a muitos lhe d pouco ou nada disso. 99 s Musas agardea o nosso Gama O muito amor da ptria, que as obriga A dar aos seus, na lira, nome e fama De toda a ilustre e blica fadiga; Que ele, nem quem na estirpe seu se chama, Calope no tem por to amiga Nem as filhas do Tejo, que deixassem As telas d' ouro fino e que o cantassem. 237 ----------------------- Page 285----------------------- OS LUSADAS 100 Porque o amor fraterno e puro gosto De dar a todo o Lusitano feito Seu louvor, somente o pros[s]uposto Das Tgides gentis, e seu respeito. Porm no deixe, enfim, de ter disposto Ningum a grandes obras sempre o peito: Que, por esta ou por outra qualquer via, No perder seu preo e sua valia. NOTAS 1.2-6 ?... quando abrimos / As asas ...?: as velas; o cuferimos ?: cortmos. 2.1-7 ?Entrava neste tempo o eterno lume / No animal Nemeio truculento?: o animal Nemeio recordao das faanhas de Hrcules; truculento feroz. Aqui trata-se do signo do Leo. Entrava quer aqui dizer ia entrar. A entrada do Sol no signo do Leo ia ter lugar a 14 de Julho. A partida de Lisboa fez-se a 8 de Julho, a um sbado; ?E o Mundo, que co tempo se consume, / Na sexta idade andava, enfermo e lento?: a sexta idade comeou com o nascimento de Cristo; ?Cursos do Sol catorze vezes cento, / Com mais noventa e sete ...?: 1497 foi o ano da partida. 3.7 Ort.: despois (por depois). 4.4 ?Que o generoso Henrique descobriu?: o magnnimo infante D. Henrique (n. no Porto, em 4 de Marco de 1394, e fal. na Vila do Infante, a 13 de Novembro de 1460). 238 ----------------------- Page 286----------------------- OS LUSADAS 5.1 ?Passmos a grande Ilha da Madeira?: o autor do Dirio de Vasco da Gama e os cronistas Castanheda e Barros so mudos a respeito desta passagem. JMR pensou na existncia de duas rotas entrelaadas. Em minha opinio, o Poeta (que era sobretudo poeta!) quis aproveitar o itinerrio para apresentar aquela ilha como digna morada de Vnus (Afrodite). Anteu um gigante, filho de Posdon e de Gaia (a maior parte dos autores diz que habitava em Marrocos). Perdendo a fora no ar foi fcilmente vencido por Hrcules. 5.2 ?Que do muito arvoredo assi se chama?: ?... qual chamaram de Madeira por causa do grande & muy espesso arvoredo de que era cuberta? (Barros, I.I.III). Foi descoberta por Joo Gonalves (Zarco de alcunha) e Tristo Vaz em 1419 e comeada a povoar pelos mesmos a partir de 1425. 5.4-5 ?Mais clebre por nome que por fama?: cf. Barros, loc cit.: ?Nome j muy celebrado & sabido por toda a nossa Europa, & assi em muitas partes de Africa & de Asia, por os fructos da terra de que todas participam: & ella tam nobre, fertil & generosa em seus moradores, que tirando Inglaterra ... em todo o mar Oceano occidental a esta nossa Europa, ella [a ilha] se pode chamar princisa [sic] de todas?. Baseado nestes textos, JMR pretendeu modificar este verso para: Mais clebre por nome e pela fama (v., por ex., LP, II, pp. 172 a 176). Entenda-se que Cames no estava a pensar, como Barros, nos ?frutos da terra?, quando escreveu aquele verso, mas no desconhecimento em que dela esteve o mundo antigo. 5.5 ?Mas, nem por ser do mundo a derradeira?: ?derradeira por estar nos confins ocidentais do mundo antigo? (JMR, id., ibid., p. 176, nota 1), e no propriamente ?derradeira (em celebridade)?, como diz ED, ou ?(em fama)?, como escreveu CB. 5.8 ?De Cipro, Gnido, Pafos e Citera?: as ilhas que Vnus (Afrodite) ama e que lhe foram especialmente consagradas: Cipro, ilha do Mediterrneo Oriental, ao sul da sia Menor; Gnido (ou Cnido), antiga cidade de Cria, antiga regio da sia Menor, no Egeu, Pafos, 239 ----------------------- Page 287----------------------- OS LUSADAS antiga cidade da ilha de Chipre; Citera, antigo nome de Cerigo, ilha do mar Egeu. 6.1 ?Deixmos de Masslia a estril costa?: deixmos, passmos ao largo. Masslia deve aqui identificar-se com o Sara costeiro, onde vivem os Azenegues. Na Crnica dos Feitos de Guin diz Zurara, II, p. 78: ?mandarom a aquelle alarve, que Nuno Tristam levava comsigo, que fallasse com aquelles Mouros, e nunca o poderom entender, porque a linguagem daquelles nom he mourisca, mas azaneguya de Zaara, ca assy chamam a aquella terra?. A p. 343: ?E he bem que saibaaes, que em toda a terra d' Africa, que he des o Egipto atees o poente, os Mouros nom teem mais regno que o regno de Fez, no qual jaz o de Marrocos e de Tafellete, e o regno de Tunez, em que he o de Tremecem e de Bugya; e toda a outra terra possuuem estes Alarves e Azanegues, que som pastores de cavallo e de pee, e que andam sobre os campos ...? O infante D. Henrique inquiria sempre dos Mouros de Ceuta ?as cousas de d?tro do serto da terra?. E esta diligncia aproveitou-lhe ?porque veo saber por elles no somente das terras dos Alarves q} sam vezinhos dos desertos de Africa a q} elles chamam ahar, mas ainda das q} habito os povos Azenegues que confinam com os negros de Ialof [Jalofo]: onde se comea a regiam de Guin ...? (Barros, I.I.II). 6.6-8 ?Onde as aves no ventre o ferro gastam?: com pouca exactido diz- se que as avestruzes digerem o ferro; ?Que aparta a Barbaria de Etipia?: a Barbaria ou Berberia. A Etipia a Etipia inferior. Em V.76.1 diz o Poeta: ?Etopes so todos, mas parece?. E j dissera em V.62.2: ?Posto que todos Etiopes eram?. 7.1-7 ?Passmos o limite aonde chega / O Sol, que para o Norte os carros guia?: passaram o trpico de Cncer; ?Onde jazem os povos a quem nega / O filho de Climene a cor do dia?: o filho de Climene ... Feton, porque numa das verses da fbula Climene desposou Hlios, de quem teve um filho e vrias filhas. Trata-se dos povos negros. Diz Barros, I.III.VIII: ?Eeste rio anag per a diviso nossa he o que aparta a terra dos Mouros dos negros ...?; ?Do negro Sanag ...?: o rio Senegal; ?Onde o Cabo Arsinrio nome perde?: de acordo com Joo de Barros, o Poeta identifica o Arsinrio promontrio com o cabo 240 ----------------------- Page 288----------------------- OS LUSADAS Verde (Ptolemeu). E as nossas ilhas de Cabo Verde so as Hespridas de Ptolemeu (Barros, I.III.VIII). 8.1-4 ?Passadas tendo j as Canrias ilhas?: o Poeta atrasou-se no relato, pois as ilhas Canrias estavam muito antes do trpico de Cncer; ?Entrmos, navegando, polas filhas / Do velho Hesprio, Hespridas chamadas?: so as ilhas de Cabo Verde. Ainda no Tratado dos Descobrimentos (1563), Antnio Galvo escreve que ?algus querem dizer que [as ilhas do Cabo Verde] fossem aquelas que os antigos chamaram Gorganas, Esperidas, Orcadas ...? Gaspar Frutuoso, no Livro Primeiro das Saudades da Terra (publ. em 1966), em vrios lugares diz: ?... os quais pediram licena ao Infante D. Henrique e ele a deu. Alguns querem dizer que fossem aquelas que os antigos chamavam Grgonas, Hespridas e rcadas? (p. 176). Cames no faz esta confuso. 9.1-5 ?quela ilha aportmos que tomou / O nome do guerreiro Santiago?: lapso do Poeta. Por ter sido descoberta em 1 de Maio a ilha de Santiago foi consagrada a Santiago Menor; ?... tanto que Breas nos ventou?: assim que tiveram vento norte para prosseguir para o Sul ... 10.3-7 ?A provncia Jalofo, que reparte / Por diversas naes a negra gente?: Barros, em I.III.VIII, no ttulo, diz: ?Em que se descreve a terra que jaz entre os dous rios Canag, & Gambea [Gmbia]?. E comea: ?Eesta terra que per cmum vocabulo dos naturaes he chamada Ialofh, jaz entre estes dous rios, Canag, & Gambea?; ?A mui grande Mandinga, ...?: o planalto de Mandinga, grande emprio do ouro; ?Que do curvo Gambeia as guas bebe?: pertence para ?A mui grande Mandinga?. Gambeia, Gmbia. 11.1-2 ?As Drcadas passmos, povoadas / Das Irms ...?: Plnio, VI.XXXVI.200: ?Contra hoc quoque promunturium (Hesperu Ceras) Gorgades Insulae narrantur, Gorgonum quondam domus?. ?A Phorkys Kt ... gerou igualmente as Grgonas que habitam para l do ilustre Oceano, na fronteira da noite, no pas das Hespridas sonoras, Esteno, Eurale e Medusa de atrs destino? (H, Th., vv. 241 ----------------------- Page 289----------------------- OS LUSADAS 270-276). Em vez de Grgades tambm se escreveu Drcades. Com que ilhas o Poeta identificou as Drcades? Talvez com o arquiplago dos Bijags, pois no aparecem no rumo seguido outras ilhas e na altura da Guin. Alis, Cames diz ?passmos?. 12.2-8 ?No grandssimo glfo nos metemos, / Deixando a serra asprrima Lioa, / Co Cabo a quem das Palmas nome demos?: a Serra Leoa fica entre a Guin e a Libria, e o cabo das Palmas, entre a Costa da Pimenta e a Costa do Marfim, no extremo sul da Libria; ? O grande rio, ... /... / Ficou, co a Ilha ilustre, que tomou / O nome dum que o lado a Deus tomou?: o grande rio o Nger; a Ilha ilustre S. Tom; ficou, passaram o grande rio e a Ilha ilustre. 13.1-8 ?Ali o mui grande reino est de Congo?: antigo reino da frica Ocidental, limitado ao norte pelo rio Zaire e confinando ao sul com o reino de Angola. Os nossos contactos com o Manicongo (potentado indgena) estabeleceram-se muito antes de 1490. Os nossos reis prestaram todo o interesse missionao daquele reino; ?Por este largo mar, enfim, me alongo / Do conhecido Plo de Calisto, / Tendo o trmino ardente j passado / Onde o meio do Mundo limitado?: me alongo, me afasto; do conhecido Plo de Calisto, do Plo Norte, onde est Calisto (Ursa Maior); tendo o trmino ardente j passado, tendo j passado o Equador. 14.1-8 ?J descoberto tnhamos ... / L no novo Hemisprio, nova estrela?: o Hemisfrio indica geralmente o hemisfrio celeste que assenta sobre o horizonte; a palavra estrela tomada aqui no sentido de constelao. A nova constelao era o Cruzeiro do Sul; ?Vimos a parte menos rutilante / E, por falta de estrelas, menos bela, / Do Plo fixo, onde inda se no sabe / Que outra terra comece ou mar acabe?: o Poeta comea por designar o plo celeste austral (que achou mais pobre de estrelas) e acaba por designar os pases vizinhos do Plo Sul. 15.1-8 ?Assi, passando aquelas regies / Por onde duas vezes passa Apolo?: a zona trrida, onde duas vezes por ano o Sol passa no znite de cada lugar, dois Invernos Jazendo e dois Veres; ?... o irado Eolo?: rei dos ventos e das tempestades; ?Vimos as Ursas, a pesar 242 ----------------------- Page 290----------------------- OS LUSADAS de Juno, / Banharem-se nas guas de Neptuno?: Calisto foi transformada em Ursa Maior e seu filho Arcas em Ursa Menor, por Zeus.Juno desce ao mar e vai visitar Ttis e o Oceano e pedir-lhes que ?nunca uma concubina (Calisto, pelos seus amores com Zeus) se banhe nas guas puras do mar?. Portanto, os nautas viram as Ursas mergulhadas na gua a pesar de Juno (v. Ov., M, II.401-530). 16.4 Ort.: relmpados (por relmpagos). 17.1 ?Os casos vi ...?: o Poeta vai opor autoridade estabelecida pelos textos dos sbios a experincia dos ?rudos marinheiros?. Nos quatro primeiros versos da est. 18 trata do vulgarmente chamadofogo-de- santelmo ou corpo-santo; nos quatro ltimos versos da mesma estncia e nas seguintes at est. 22 o Poeta descreve a tromba-marinha. O Poeta insiste no testemunho dos olhos: ?Os casos vi ...? (est. 17), ?Vi, claramente visto? (est. 18) e ?Eu o vi certamente? (est. 19). 19.1-3 ?Eu o vi certamente ...?: pronome demonstrativo; refere-se a levantar- se e a rodear-se; ?E, do vento trazido, rodear-se?: circundar-se, tomar a forma espiral. Ort.: sutil (por subtil). 20.5 ?Estava-se co as ondas ondeando?: o balouo do ?cano? acompanhava o balouo das ondas. Ort.: acrecentando (por acrescentando); masto (por mastro). 21.1 ?Qual roxa sangues[s]uga se veria?: o Poeta chama-lhe roxa, considerando o sangue que ela avidamente bebe. 22.4 ?Por que co a gua ajacente gua molhe?: que fica por baixo, a gua do mar. Ort.: despois (por depois). 243 ----------------------- Page 291----------------------- OS LUSADAS 23.3-6 ?As maravilhas que eu passei,passaram ?: tivessem passado; ?Que grandes escrituras que deixaram!?: teriam deixado; ?Que influo de sinos e de estrelas?: que influncia de signos e de estrelas. No sculo XVI o termo estrela inclua tambm os planetas, de uma maneira geral. Ort.: sino (por signo). 24.1-5 ?Mas j o Planeta que no Cu primeiro / Habita, cinco vezes, apressada, / Agora meio rosto, agora inteiro, / Mostrara, ...?: o Poeta diz que desde a partida de Lisboa (8 de Julho) at chegada baa ou angra de Santa Helena (4 de Novembro) cinco vezes a Lua (?Planeta no Cu primeiro?) passara de quarto crescente a lua cheia. Alguns comentadores escreveram ?a Planeta?; mas nunca o Poeta usou do feminino para ?Planeta?. Apressada concorda certamente com Lua; ?Quando da etrea gvea, ...?: area. 25.1-7 ?A maneira de ...?: sem artigo, como Barros, por exemplo; ?As ncoras pesadas se adeream?: preparam-se as ncoras para o fundeio (Brs da Silva); ?Pelo novo instrumento do Astrolbio?: o que era novo e ?inveno de sutil juzo e sbio? era o uso nutico do aparelho. Gama vai a terra (onde havia mais firmeza) tomar a altura do Sol, elemento para determinao do ponto, isto , do local em que se encontra. Ort.: sutil (por subtil). 26.8 ?E compassar a universal pintura?: calculada a posio da armada, era marcada na carta ou no plano (na ?pintura universal? por ser a do mundo ento conhecido), com auxlio do compasso (?compassar?), o stio em que se encontravam. Ort.: sutil (por subtil) 27.2-8 ?Do Semcapro Pexe a grande meta?: o trpico de Capricrnio; ?Estando entre ele e o crculo gelado?: encontravam-se na zona temperada austral, entre o trpico de Capricrnio e o crculo glacial antrctico; ?Vejo um estranho vir, ...?: o Poeta fala de ?um estranho de pele preta?; Barros fala de ?dous negros baixos?, dos quais 244 ----------------------- Page 292----------------------- OS LUSADAS tomaram um (I.IV.II); Castanheda fala de ?um homem dos seus moradores? (I.II). 28.4-6 ?Selvagem mais que o bruto Polifemo?: o Ciclope, que desempenha um papel na Odisseia, o mais selvagem de todos os Ciclopes; ?Comeo-lhe a mostrar da rica pele / De Colcos o gentil metal ...?: o ouro. Aluso ao ?vu dourado?. 29.2-4 ?Contas de cristalino ...?: contas de cristal; ?Alguns soantes cascveis pequenos?: pequenos globos de metal com uma bola dentro para os fazer soar; ?... cor contente?: cor alegre. 30.4-7 ?As peas vm buscar que estoutro leva?: iguais s que o outro leva; ?Ferno Veloso ...?: personagem histrico, homem de armas (Barros, I.IV.III, e Castanheda, I.II). 35.1-8 ?A rplica de Veloso no vem nem em Barros nem em Castanheda. Ort.: milhor (por melhor); decer (por descer). 36.7 ?Nos pudessem mandar ao reino escuro?: ao reino de Pluto, aos Infernos. 37.1 ?Porm j cinco Sis eram passados?: Barros e Castanheda dizem que a armada passou o cabo da Boa Esperana em 20 de Novembro. Castanheda acrescenta: ?quarta-feira?. O dirio de Vasco da Gama diz: ?E ao domingo pela manh, que foram dezanove dias do ms de Novembro, fomos outra vez com o cabo, e no o pudemos dobrar, porque o vento era su-sueste e o dito cabo jaz nordeste-sudoeste; e em este dia mesmo virmos em a volta do mar, e noite de segunda- feira viemos em a volta da terra. E quarta-feira, ao meio-dia, passmos pelo dito cabo ao longo da costa, com vento popa.? (DVVG, vol. I, pp. 12 e 13, da transcrio, Livr. Civilizao, 1945.) 37.5 ?Quando ua noute, ...?: o Poeta coloca a apario do Adamastor na 245 ----------------------- Page 293----------------------- OS LUSADAS noite de 21 para 22 de Novembro de 1497. Estamos perante a maior criao camoniana. Nela simboliza o Poeta o termo do mundo desconhecido. No podendo vencer os Portugueses, o gigante anuncia-lhes vinganas. O nome de Adamastor parece ter tido o seu princpio na forma Damastor, usada por Claudiano na sua Gigantomachia. Sidnio Apolinrio num epitalmio escreve Adamastor (v. ED, 2. ed., V.51.3) e assim registado em Gaffiot, que cita Sidnio. Sucede, porm, que Ravisio Textor, na sua Officina (ed. MDXXXII), atribui a forma Adamastor a Claudiano (fl. CXLII) e em Epithetorum opus (1580) regista a formaAdamastor e regista o epteto da Gigantomaquia: saevusque Adamastor. Em esclio esclarece: Adamastor gigas immanis statura. Que pensar? Cames criou a forma mais sonora, ou foi busc-la a Sidnio Apolinrio ou a Textor? V. sobre o nome ?Adamastor? o trabalho do Doutor Amrico da Costa Ramalho, in Garcia de Orta, n. esp., Lisboa, 1972. 38.4-7 ?Como se desse em vo ...?: no vo; ?Este clima e este mar nos apresenta?: clima no sentido que tinha no sculo XVI. V. LPS, AL, pp. 98 e segs. 39.2-4 ?... vlida?: forte (latinismo); ?... a barba esqulida?: desgrenhada (latinismo). 40.2-4 ?... que este era o segundo / De Rodes estranhssimo Colosso, / Que um dos sete milagres foi do mundo?: o Colosso de Rodes era uma das sete ?maravilhas? do Mundo. Erguia-se no fundo do porto de Rodes. Era toda de bronze e media 31 m. Foi obra de Chars de Lindos, discpulo de Lisipo. Foram precisos doze anos para a erguer (de 292 a 280 a. C.). Caiu no ano de 228 a. C. devido a um tremor de terra; milagre, maravilha. 41.3-4 ?Tu, quepor guerras cruas ... / E por trabalhos ...?: por meio de. 42.5-6 ?... que apercebidos / Esto ...?: preparados. Ort.: sojugar (por subjugar). 246 ----------------------- Page 294----------------------- OS LUSADAS 43.7-8 ?Eu farei de improviso tal castigo / Que seja mor o dano que o perigo!?: vindo do Brasil para o Cabo, foram os navios da armada de que era capito-mor Pedro lvares Cabral, em 1500, salteados de to furiosa e sbita tempestade que se afundaram quatro deles. Um destes barcos era o de Bartolomeu Dias, que morreu. A esta vingana do Gigante alude ele nos dois primeiros versos da estncia seguinte. O Gigante diz ?de improviso? porque a tempestade foi sbita e diz que foi ?mor o dano que o perigo? porque os nufragos mal tiveram tempo de saber que iam morrer. 44.4 Ort.:pertinace (porpertinaz). 45.1 ?E do primeiro Ilustre, ...?: D. Francisco de Almeida, 1. vizo-rei da ndia, morto num combate contra os Cafres ao norte do cabo da Boa Esperana, no dia 1 de Maro de 1510. 46 a 48 ?Outro tambm vir, de honrada fama?: nestas trs estncias trata o Poeta comovedoramente do naufrgio do galeo S. Joo, em 24 de Junho de 1552, e dos padecimentos grandes por que passaram Manuel de Sousa Seplveda, sua esposa e filhos de tenra idade. O galeo vinha da ndia e naufragou junto da terra do Natal. A narrativa do naufrgio foi publicada em folha volante e, mais tarde, na Histria Trgico-Martima. Jernimo Corte Real consagrou um poema a este trgico sucesso. Cames d ao episdio um final mais potico. Ort.:fermosa (porformosa ); nacidos (por nascidos); perclaros, latinismo (porpreclaros); despois (por depois); implacbil, latinismo (por implacvel). Concordncia: ter pisada concorda com o compl. directo. 50.2 O nome de cabo das Tormentas foi-lhe posto pelo seu descobridor, Bartolomeu Dias. D. Joo II mudou-lhe o nome para da Boa Esperana. 50.3-4 ?Que nunca a Ptolomeu, Pompnio, Estrabo, / Plnio ...?: 247 ----------------------- Page 295----------------------- OS LUSADAS Ptolemeu, gegrafo e astrnomo dos meados do sculo II d. C. Nasceu em Ptolomais (Alto Egipto). A Geografia de Ptolemeu fez autoridade durante toda a Idade Mdia; Estrabo, ou Estrabo, gegrafo nascido na Capadcia. Viveu entre 58 a. C. e 25 d. C. Autor de uma notvel Geografia; Plnio, o Velho (Caius Plinius Secundus Major), naturalista romano, nasceu em Como, no ano 23 da nossa era, morto na erupo do Vesvio em 79, quando ia estudar o fenmeno e ajudar os habitantes. Autor de uma Histria Natural, em 37 livros, verdadeira enciclopdia do saber da poca; Pompnio Mela, gegrafo do sculo I d. C. Nasceu em Tingitera, perto do Calpe, na Espanha Btica. A sua obra intitula-se De Chorographia. 51.1-2 ?Fui dos filhos asprrimos da Terra?: fui Gigante; ?Qual Enclado, Egeu e o Centimano?: a Eneida conta que o corpo de Enclado, meio fulminado, ficou sob a matria vomitada pelo Etna, e que esta montanha, pesando sobre ele, deixava passar pelas fendas das suas fornalhas as chamas que ele respirava (V, E, III.578-580); Egeo (Egon), outro nome de Briareu. ?Aegaeon qualis, centum cui bracchia dicunt / centenasque manus? (E, X.565-566); Centmano, que tem cem mos (H, O, 11.XVII: ?centimanus gigas?). Como Briareu tambm tem cem mos, sugeriu-se que Cames tenha escrito: ?Qual Enclado e Egeu, o centimano? (JN, DGdL). 51.3 ?Contra o que vibra os raios de Vulcano?: contra Jpiter . 52 ?Amores da alta esposa de Peleu?: Peleu desposou Ttis (Thetis), a nereida, filha de Nereu. No confundir com Tethys, esposa do Oceano. Cames escreveu os dois nomes da mesma forma. 53.2-4 ?Pola grandeza feia de meu gesto?: por causa da fealdade da minha aparncia; ?E a Dris este caso manifesto?: Dris, filha do Oceano e esposa de Nereu. 54.5-7 ?Eu, ... /... / Encheram-me?: anacoluto. 248 ----------------------- Page 296----------------------- OS LUSADAS Ort.: resposta (por reposta). o nico caso em que o Poeta escreve resposta; abondanas (por abundncias). 55.4 ?Da branca Ttis, nica, despida?: sem par. 56.1-6 ?Oh que no sei de nojo ...?: de tristeza; ?Qu? eupolo rosto anglico apertava?: em vez do rosto anglico. 57.5 ?... irado e qusi insano?: como em I.77.1 Ort.:fermosa (porformosa ). 58.1-2 ?Eram j neste tempo meus irmos / Vencidos ...?: a lenda dos Gigantes dominada pela histria do seu combate contra os Deuses e da sua derrota. A Terra gerou-os para que eles vingassem os Tits, encerrados por Zeus no Trtaro. 59-1-7 Diz ED que, com muita probabilidade, a narrativa que vem em Ovdio (M, IV.655-661, cit. por FS), da converso de Atlas, agigantado rei da Mauritnia, no monte que tomou dele o nome, foi a que sugeriu primordialmente a Cames a sua grandiosa concepo. 60.7-8 ?A Deus pedi que removesse os duros / Casos, que Adamastor contou futuros ?: a Deus pedi que afastasse os duros casosfuturos que Adamastor contou. 61.1-8 ?J Flgon e Piris vinham tirando, / Cos outros dois, o carro radiante, / Quando a terra alta ...?: quando rompeu a madrugada de 22 de Novembro os nautas comearam a ver o Cabo. Por economia potica, Cames cita s dois cavalos que tiravam (puxavam) o carro radiante (do Sol). Os outros dois so Eo e ton. ?Interea volucres Pyrois et Eous et Aethon, / Solis equi, quartus que Phlegon ...? (Ov., M, II.153-154); ?Onde segunda vez terra tommos?: os nautas 249 ----------------------- Page 297----------------------- OS LUSADAS chegaram aguada de S. Brs no dia de Santa Catarina (25 de Novembro). 62 Ort.: apacentavam (por apascentavam). 63.1-8 ?As mulheres, queimadas, vm em cima / Dos vagarosos bois, ali sentadas ...?: ?porque algus boies, mochos, que os nossos viro andavo gordos & limpos, & vinho as molheres sobre elles com hua albardas da tabua [d?atabua]? (Barros, I.IV.III); ?Cantigas pastoris, ou prosa ou rima, / Na sua lngua cantam, concertadas?: ?& como os nossos foro a terra comearo eles de tanger quatro frautas acordadas a quatro vozes da musica, q} pera negros ccertavo b?? (Castanheda, I.III); ?Imitando de Ttiro as Camenas?: imitando os cantos de Ttiro, personagem da gloga I de Virglio. As Camenas foram desde cedo identificados com as Musas. 64.8 ?As velas dando, as ncoras levamos?: as ncoras levantamos. Os nautas vo a caminho do rio do Infante aos 8 de Dezembro. 65.2-5 ?... e tornava / A proa a demandar o ardente meio / do Cu ...?: a armada tornava a caminho do Equador; ?Aquele ilhu deixmos ...?: refere-se ao ilhu da Cruz, onde Bartolomeu Dias ps o seu derradeiro padro. 66.7 ?Corrente nele achmos to possante?: ?E neste mesmo dia tornou a frota a passar a mesma carreira q} tinha passada levdo muyto veto a popa q} lhe durou tres ou quatro dias com q} rpeo as corr?tes q} avio grde medo de no poder? passar & assi y todos muyto alegres por passarem donde Bertolameu diaz tinha chegado, & Vasco da gama os esforava, diz?do q} assi quereria Deos q} achassem a India.? (Castanheda, I.III.) 67.5 ?Injuriado Noto da porfia?: noto, o vento do sul, naquele caso o vento de popa. 250 ----------------------- Page 298----------------------- OS LUSADAS 68.1-2 ?Trazia o Sol o dia celebrado / Em que trs Reis ...?: ?& dia dos Reys entraro no rio delles, & alguns lhe chamo do cobre por o resgate delle em manilhas, & assi marfim, & mantimentos ...? (Barros, I.IV.III.) Vasco da Gama lhe ps o nome deAguada da Boa Paz. 69.1 ?Desta gente refresco algum tommos?: desta gente tommos algum refresco. Ort.: csi (por quase). 70.5-8 ?E do esperar comprido ...?: e do longo esperar; ?Por cus no naturais, ...?: por serem de ?qualidade inimiga de nossa humanidade?. 71.7 ?Que durara ele ...?: repetio do que. 72.2 ?Contra seu Capito, se os resistira?: emprego transitivo antiquado. 73.1-8 ?Deixando o porto, enfim, do doce rio?: vendo ?Vasco da Gamma }q as agoas o apanhavo pera dentro, temeo ser algua enseada penetrante donde no pudesse sair. O qual temor lhe fez dar tanto resguardo por fugir a terra, que passou sem aver vista da povoao de ofala? (Barros, I.IV.III). 74.2 ?Encomendado ao sacro Nicolau?: S. Nicolau, protector dos navegantes. 75.3 ?Num rio, que ali sai ao mar aberto?: chegaram a um rio que chamaram ?dos Bons Sinais?. 251 ----------------------- Page 299----------------------- OS LUSADAS 76.7 ?Com outro, que de tinta azul se tinge?: ?& os maes delles trazio derredor de si hus panos d? algodo tintos de azul? (Barros, I.IV.III). 77.3 ?Dizem que, por naus que em grandeza igualam / As nossas,...?: ?C os quaes sinaes & outros que elles dero, dizendo que contra o nacimento do sol avia gente branca que navegavo em naos como aquellas suas, as quaes elles vio passar pera baixo & pera cima d? aq} lla costa: pos Vasco da Gamma nome a este rio dos bons sinaes.? (Barros, I.IV.III.) 78.5 ?Um padro nesta terra alevantmos?: o Padro S. Rafael. O anjo S. Rafael guiou Tobias, que ia cobrar de Gabelo uma importncia em dinheiro devida a seu pai (v. o liv. ?Tobias?). 79.3 ?Alimpmos as naus, ...?: ?Quis elle [Vasco da Gama] dar pendor aos navios por virem j mui ujos? (Barros, I.IV.III). 80.1-3 ?Mas no foi, da esperana grande e imensa / Que nesta terra houvemos, limpa e pura / A alegria; ...?: Ramnsia a Nmesis de Ramnunte, burgo da tica, clebre pelo culto de Nmesis (Ov., M, XIV.694). Nmesis, deusa vingadora dos crimes e, na maior parte dos casos, a deusa que se encarrega de abater tudo o que excede a medida, como o excesso de felicidade num mortal. Ort.: nacemos (por nascemos). 81 e 82 Nestas estncias Cames, seguindo Barros, descreve o escorbuto: ?A maior parte foi de herisipolas & de lhe crecer tanto a carne das gengivas, q} quasi no cabia na boca aos homes, & assi como crecia apodrecia & cortavo nella como em carne morta ...? (Barros, I.IV.III). 82.3-4 ?... mdico astuto?: sagaz; ?Cirurgio sutil ...?: hbil. 252 ----------------------- Page 300----------------------- OS LUSADAS Ort. das est. 81 e 82: desamperaram (por desampararam); crecia (por crescia); cirurgio (na edioprinceps, sururgio); sutil (por subtil). 83.4 ?Foram sempre connosco aventureiros?: amigos do risco. 84.1 ?Assi que deste porto nos partimos?: partiram do rio dos Bons Sinais a 24 de Fevereiro. 85.4 ?... do alto Assento?: do Cu. 86.1-5 ?Julgas agora, Rei, se ...?: esta construo estranha e h quem proponha a substituio dajulgas por julga. JMR, na EN, diz que h contaminao dejulgas que e julga se; ?Crs tu que tanto Eneias e o facundo / Ulisses ...?: como em II.45.1 e III.57.3; ?Ousou algum a ver ...?: no portugus antigo este verbo construa-se com a. 87.1 ?Esse que bebeu tanto da gua Ania?: Homero bebeu da gua da fonte de Aganipe, na Ania, nome mitolgico da Becia: ?Nam neque Parnassi vobis juga, nam neque Pindi / Ulla moram fecere, neque Aonie Aganippe? (V, B, X.11-12). Os vv. 3-4 so uma traduo literal deste dstico, citado por Aulo Glio: Septem urbes certant de stirpe insignis Homeri: Smyrna, Rhodes, Colophon, Salamin, Ius, Argos, Athenae 87.5-8 ?Essoutro que esclarece toda Ausnia?: Ausnia, antigo nome de uma parte da Itlia e poticamente tomada por toda a Itlia. ?Magna dicione jubeto / Karthago premat Ausoniam? (V, E, X.53-54). Quem esclarece toda a Ausnia Virglio; ?Ouvindo, o ptrio Mncio se adormece?: rio que passa em Mntua, terra de Virglio; ?Mas o Tibre co som se ensoberbece?: rio que passa em Roma. 88 e 89 Nestas estncias o Poeta alude s aventuras de Ulisses e de Eneias 253 ----------------------- Page 301----------------------- OS LUSADAS (dos poemas Odisseia e Eneida). Note-se que JMR faz de Magas um atributo de Circes, escrevendo: ?Fingindo magas Circes, Polifemos?. Isto est mais de acordo com a redaco camoniana: ?Fingindo Magas Circes, Polifemos?. ED escreve ?magas Circes?; CB, ?Magas, Circes?; MR, o mesmo; MC e FS pem vrgula, mas consideram Circe maga. Diz FS, a propsito de Magas: ?Porque Homero, i Virgilio, fingieron que Ulisses, i Eneas encontraron encantadoras, como Circe?; Ao chegarem ilha Aea Ulisses manda metade da sua tripulao em reconhecimento sob a direco de Eurloco. Penetraram numa floresta e avistam um palcio brilhante. a morada de Circe. Todos entram no palcio, excepto o chefe, que fica espreita. So bem acolhidos, mas assim que provam os manjares e as bebidas so tocados com uma varinha pela maga e transformados em animais diversos: porcos, lees, ces ... Esta lenda vem na Odisseia. A histria de Polifemo tambm vem da Odisseia: Ulisses e mais doze companheiros foram capturados e encerrados na caverna do Ciclope, para serem devorados. Tendo adormecido sob a influncia do vinho que Ulisses lhe tinha dado, no pde ver que este e os sobreviventes aguavam uma enorme estaca, endurecida pelo fogo, com que furaram o nico olho do gigante. Para fugir da caverna os prisioneiros ligaram-se ao ventre dos carneiros que saam. As Sereias, em nmero de duas, so mencionadas pela primeira vez na Odisseia: ?So demnios marinhos, meio mulheres, meio pssaros. Encantavam com a sua msica e atraam com o seu canto os viajantes aos escolhos do mar da Siclia. Ulisses foi insensvel aos seus cantos e elas deitaram-se ao mar. 88.6-8 ?Os Ccones ...?: os Ccones eram uma tribo da Trcia e intervm sobretudo na Odisseia. Foram atacados por Ulisses depois da tomada de Tria e pelos seus soldados. Tendo recebido alguns reforos, os Ccones obrigaram Ulisses a fugir; ?Os companheiros, em gostando o loto?: Ulisses, tendo sido desviado do seu caminho por um forte vento do norte, que o arrastou para o Sul da ilha de Chipre, foi ter ao pas dos lotfagos. Os companheiros de Ulisses, tendoprovado (gostado, como diz Cames) o fruto chamado loto, no mais se lembraram de voltar a taca, e foi necessrio que Ulisses os levasse fora; Dm-lhe perder nas guas o piloto: Palinuro, piloto que figura na Eneida, adormeceu ao leme e caiu ao mar. (v. En., final do Canto V). Ort.: dm-lhe (por dem-lhe). 254 ----------------------- Page 302----------------------- OS LUSADAS 89.1 ?Ventos soltos lhe finjam e imaginem / Dos odres, e Calipsos namoradas?: finjam ventos soltos dos odres e imaginem Calipsos namoradas. Os ventos foram metidos por olo na visita que Ulisses lhe fez num odre feito com a pele de um touro de nove anos e o odre foi posto a bordo do navio. A tripulao ao cabo de nove dias e nove noites quis desatar o n do odre, donde se soltaram as rajadas de vento, que levaram o navio para o largo. A ninfa Calipso reteve Ulisses, naufragado. A Odisseia conta como ela o amou e o guardou durante dez (sete, ou mesmo um ano), oferecendo-lhe em vo a imortalidade. Foi por ordem de Zeus que Ulisses foi liberto. 89.3-4 ?Harpias que o manjar lhe contaminem?: as Harpias repugnantes sujaram o jantar de Eneias e dos seus companheiros; ?Decer s sombras nuas j passadas?: a descida de Eneias ao reino das sombras contada no liv. V da Eneida, e a de Ulisses, no liv. XI da Odisseia. Ort.: decer (por descer); grandloca (por grandloqua). 90.5 ?... o sublime corao?: nimo, coragem. 91.2-7 ?O caso cada qual que mais notou?: cada qual o caso que mais notou; ?Mas j o mancebo Dlio as rdeas vira?: Dlio Apolo, que nasceu em Delos; ?Que o irmo de Lampcia mal guiou?: refere-se a Feton; ?Por vir a descansar nos Ttios braos?: nos braos de Ttis (Tethys), mulher do Oceano. 92.3 ?Qualquer nobre trabalha que em memria?: qualquer homem de elevados pensamentos esfora-se por que ?em memria?, isto , em lembrana dos psteros, vena ou iguale os antepassados. Ort.: envejas (por invejas); valerosas (por valorosas). 93-1-8 ?No tinha em tanto os feitos gloriosos / De Aquiles ...?: Alexandre preferia Homero aos feitos de Aquiles. Conta Plutarco, na Vida de Alexandre (XXVI), que Alexandre, querendo dar o melhor uso a um cofre precioso apreendido no despojo de Dario, lhe meteu dentro a 255 ----------------------- Page 303----------------------- OS LUSADAS Ilada. No n. VIII Plutarco diz que Alexandre estimava a Ilada e lhe chamava ?uma proviso de virtude militar?, e recebeu de Aristteles uma edio corrigida deste poema, chamada a ?edio do cofre?. Tinha-a sempre cabeceira com a sua espada (testemunho de Onescrito); ?... numerosos / Versos ...?: melodiosos versos; ?Os trofus de Milcades, famosos, / Temstocles despertam s de enveja?: ainda jovem, os triunfos militares de Milcades deixavam-no absorto. Deixando de comer e de beber uma noite, como costumava, respondeu aos seus amigos: ?Os trofus de Milcades impedem-me de dormir.? A esta frase alude Cames (v. Plutarco, Temstocles, III). Ort.: envejas (por invejas). 94.1-5 ?Si; mas aquele Heri ...?: o imperador Augusto; ?A lira Mantuana, ...?: as poesias de Virglio. Ort.: des (por dons). 95.1-7 ?D a terra Lusitana Cipies, / Csares, Alexandros, e d Augustos?: Pblio Cornlio Cipio, vencedor de Zama (em 202 a. C.); Pblio Cornlio Cipio Emiliano, vencedor de Cartago (em 146); Augusto, o clebre imperador romano; Alexandre, o grande conquistador. Octvio, o imperador Caio Jlio Csar Octaviano, comps versos doutos e venustos, isto , graciosos. FS refere-se a um epigrama de Octaviano Augusto, includo nos Epigramas de Marcial, em que se fala de Glfira, de Antnio e de Flvia; ?No dir Flvia, certo, que mentira?: o Poeta teve naturalmente conhecimento de Glfira atravs daquele epigrama. Se no se trata de um pseudnimo ... 96.1 ?Vai Csar sojugando toda Frana?: segundo ED, durante as campanhas da Glia Csar ia compondo uma obra filosfica ? De Analogia. Vem a notcia na obra de Suetnio Tranquillo sobre Csar. Ort.: sojugando (por subjugando). 96.5 ?O que de Cipio se sabe e alcana / nas comdias grande experincia?: que tinha grande experincia de comdias, pois se diz que ajudava Terncio a escrev-las. 256 ----------------------- Page 304----------------------- OS LUSADAS 96.7 V. V.93.1-8. 98.1-7 ?Por isso, e no por falta de natura?: de qualidades naturais; ?To speros os fez e to austeros?: to rudes. Como rudos do verso seguinte; ?... de engenho to remisso?: to descuidado. 99.7 ?Nem asfilhas do Tejo, que deixassem / As telas d? ouro fino e que o cantassem?: nem as Tgides. As telas (teias) d? ouro fino: v. gloga III de Garcilaso, possvel fonte do Poeta (vv. 53-56 e 105-106). 100.3 ?... smente o pros[s]uposto?: smente o desgnio. 257 ----------------------- Page 305----------------------- OS LUSADAS VI 1 NO sabia em que modo festejasse O Rei Pago os fortes navegantes, Pera que as amizades alcanasse Do Rei Cristo, das gentes to possantes. Pesa-lhe que to longe o apousentasse Das Europeias terras abundantes A ventura, que no no fez vizinho Donde Hrcules ao mar abriu o caminho. 2 Com jogos, danas e outras alegrias, A segundo a polcia Melindana, Com usadas e ledas pescarias, Com que a Lageia Antnio alegra e engana, Este famoso Rei, todos os dias Festeja a companhia Lusitana, Com banquetes, manjares desusados, Com frutas, aves, carnes e pescados. 3 Mas vendo o Capito que se detinha J mais do que devia, e o fresco vento O convida que parta e tome asinha Os pilotos da terra e mantimentos No se quer mais deter, que ainda tinha Muito pera cortar do salso argento. J do Pago benigno se despede, Que a todos amizade longa pede. 258 ----------------------- Page 306----------------------- OS LUSADAS 4 Pede-lhe mais que aquele porto seja Sempre com suas frotas visitado, Que nenhum outro bem maior deseja Que dar a tais bares seu reino e estado; E que, enquanto seu corpo o esprito reja, Estar de contino aparelhado A pr a vida e reino totalmente Por to bom Rei, por to sublime gente. 5 Outras palavras tais lhe respondia O Capito, e logo, as velas dando, Pera as terras da Aurora se partia, Que tanto tempo h j que vai buscando. No piloto que leva no havia Falsidade, mas antes vai mostrando A navegao certa; e assi caminha J mais seguro do que dantes vinha. 6 As ondas navegavam do Oriente, J nos mares da ndia, e enxergavam Os tlamos do Sol, que nace ardente; J qusi seus desejos se acabavam; Mas o mau de Tioneu, que na alma sente As venturas que ento se aparelhavam gente Lusitana, delas dina, Arde, morre, blasfema e desatina. 7 Via estar todo o Cu determinado De fazer de Lisboa nova Roma; No no pode estorvar, que destinado Est doutro Poder que tudo doma. Do Olimpo dece enfim, desesperado; Novo remdio em terra busca e toma: Entra no hmido reino e vai-se corte Daquele a quem o mar caiu em sorte. 259 ----------------------- Page 307----------------------- OS LUSADAS 8 No mais interno fundo das profundas Cavernas altas, onde o mar se esconde, L donde as ondas saem furibundas Quando s iras do vento o mar responde, Neptuno mora e moram as jocundas Nereidas e outros Deuses do mar, onde As guas campo deixam s cidades Que habitam estas hmidas Deidades. 9 Descobre o fundo nunca descoberto As areias ali de prata fina; Torres altas se vem, no campo aberto, Da transparente massa cristalina; Quanto se chegam mais os olhos perto Tanto menos a vista determina Se cristal o que v, se diamante, Que assi se mostra claro e radiante. 10 As portas d' ouro fino, e marchetadas Do rico aljfar que nas conchas nace, De escultura fermosa esto lavradas, Na qual do irado Baco a vista pace; E v primeiro, em cores variadas, Do velho Caos a to confusa face; Vm-se os quatro Elementos trasladados, Em diversos ofcios ocupados. 11 Ali, sublime, o Fogo estava em cima, Que em nenhua matria se sustinha; Daqui as cousas vivas sempre anima, Despois que Prometeu furtado o tinha. Logo aps ele, leve se sublima O invisbil Ar, que mais asinha Tomou lugar e, nem por quente ou frio, Algum deixa no mundo estar vazio. 260 ----------------------- Page 308----------------------- OS LUSADAS 12 Estava a Terra em montes, revestida De verdes ervas e rvores floridas, Dando pasto diverso e dando vida s alimrias nela produzidas. A clara forma ali estava esculpida Das guas, entre a terra desparzidas, De pescados criando vrios modos, Com seu humor mantendo os corpos todos. 13 Noutra parte, esculpida estava a guerra Que tiveram os Deuses cos Gigantes; Est Tifeu debaixo da alta serra De Etna, que as flamas lana crepitantes. Esculpido se v, ferindo a Terra, Neptuno, quando as gentes, ignorantes, Dele o cavalo houveram, e a primeira De Minerva pacfica ouliveira. 14 Pouca tardana faz Lieu irado Na vista destas cousas, mas entrando Nos paos de Neptuno, que, avisado Da vinda sua, o estava j aguardando, s portas o recebe, acompanhado Das Ninfas, que se esto maravilhando De ver que, cometendo tal caminho, Entre no reino d' gua o Rei do vinho. 15 ? Neptuno (lhe disse) no te espantes De Baco nos teus reinos receberes, Porque tambm cos grandes e possantes Mostra a Fortuna injusta seus poderes. Manda chamar os Deuses do mar, antes Que fale mais, se ouvir-me o mais quiseres; Vero da desventura grandes modos: Ouam todos o mal que toca a todos. 261 ----------------------- Page 309----------------------- OS LUSADAS 16 Julgando j Neptuno que seria Estranho caso aquele, logo manda Trito, que chame os Deuses da gua fria, Que o mar habitam dua e doutra banda. Trito, que de ser filho se gloria Do Rei e de Salcia veneranda, Era mancebo grande, negro e feio, Trombeta de seu pai e seu correio. 17 Os cabelos da barba e os que decem Da cabea nos ombros, todos eram Uns limos prenhes d' gua, e bem parecem Que nunca brando pntem conheceram. Nas pontas pendurados no falecem Os negros mexilhes, que ali se geram. Na cabea, por gorra, tinha posta Ua mui grande casca de lagosta. 18 O corpo nu, e os membros genitais, Por no ter ao nadar impedimento, Mas porm de pequenos animais Do mar todos cobertos, cento e cento: Camares e cangrejos e outros mais, Que recebem de Febe crecimento; Ostras e birbiges, do musco sujos, s costas co a casca os caramujos. 19 Na mo a grande concha retorcida Que trazia, com fora j tocava; A voz grande, canora, foi ouvida Por todo o mar, que longe retumbava. J toda a companhia, apercebida, Dos Deuses pera os paos caminhava Do Deus que fez os muros de Dardnia, Destrudos despois da Grega insnia. 262 ----------------------- Page 310----------------------- OS LUSADAS 20 Vinha o padre Oceano, acompanhado Dos filhos e das filhas que gerara; Vem Nereu, que com Dris foi casado, Que todo o mar de Ninfas povoara. O profeta Proteu, deixando o gado Martimo pacer pela gua amara, Ali veio tambm, mas j sabia O que o padre Lieu no mar queria. 21 Vinha por outra parte a linda esposa De Neptuno, de Celo e Vesta filha, Grave e leda no gesto, e to fermosa Que se amansava o mar, de maravilha. Vestida ua camisa preciosa Trazia, de delgada beatilha, Que o corpo cristalino deixa ver-se, Que tanto bem no pera esconder-se. 22 Anfitrite, fermosa como as flores, Neste caso no quis que falecesse; O delfim traz consigo que aos amores Do Rei lhe aconselhou que obedecesse. Cos olhos, que de tudo so senhores, Qualquer parecer que o Sol vencesse. Ambas vm pela mo, igual partido, Pois ambas so esposas dum marido. 23 Aquela que, das frias de Atamante Fugindo, veio a ter divino estado, Consigo traz o filho, belo infante, No nmero dos Deuses relatado; Pela praia brincando vem, diante, Com as lindas conchinhas, que o salgado Mar sempre cria; e s vezes pela areia No colo o toma a bela Panopeia. 263 ----------------------- Page 311----------------------- OS LUSADAS 24 E o Deus que foi num tempo corpo humano E por virtude da erva poderosa, Foi convertido em pexe, e deste dano Lhe resultou Deidade gloriosa, Inda vinha chorando o feio engano Que Circes tinha usado co a fermosa Scila, que ele ama, desta sendo amado, Que a mais obriga amor mal empregado. 25 J finalmente todos assentados Na grande sala, nobre e divinal, As Deusas em riqussimos estrados, Os Deuses em cadeiras de cristal, Foram todos do Padre agasalhados, Que co Tebano tinha assento igual; De fumos enche a casa a rica massa Que no mar nace e Arbia em cheiro passa. 26 Estando sossegado j o tumulto Dos Deuses e de seus recebimentos, Comea a descobrir do peito oculto A causa o Tioneu de seus tormentos; Um pouco carregando-se no vulto, Dando mostra de grandes sentimentos, S por dar aos de Luso triste morte Co ferro alheio, fala desta sorte: 27 ? Prncipe, que de juro senhoreias, Dum Plo ao outro Plo, o mar irado, Tu, que as gentes da Terra toda enfreias, Que no passem o termo limitado; E tu, padre Oceano, que rodeias O Mundo universal e o tens cercado, E com justo decreto assi permites Que dentro vivam s de seus limites; 264 ----------------------- Page 312----------------------- OS LUSADAS 28 E vs, Deuses do Mar, que no sofreis Injria algua em vosso reino grande, Que com castigo igual vos no vingueis De quem quer que por ele corra e ande: Que descuido foi este em que viveis? Quem pode ser que tanto vos abrande Os peitos, com razo endurecidos Contra os humanos, fracos e atrevidos? 29 Vistes que, com grandssima ousadia, Foram j cometer o Cu supremo; Vistes aquela insana fantasia De tentarem o mar com vela e remo; Vistes, e ainda vemos cada dia, Soberbas e insolncias tais, que temo Que do Mar e do Cu, em poucos anos, Venham Deuses a ser, e ns, humanos. 30 Vedes agora a fraca gerao Que dum vassalo meu o nome toma, Com soberbo e altivo corao A vs e a mi e o mundo todo doma. Vedes, o vosso mar cortando vo, Mais do que fez a gente alta de Roma; Vedes, o vosso reino devassando, Os vossos estatutos vo quebrando. 31 Eu vi que contra os Mnias, que primeiro No vosso reino este caminho abriram, Breas, injuriado, e o companheiro quilo e os outros todos resistiram. Pois se do ajuntamento aventureiro Os ventos esta injria assi sentiram, Vs, a quem mais compete esta vingana, Que esperais? Porque a pondes em tardana? 265 ----------------------- Page 313----------------------- OS LUSADAS 32 E no consinto, Deuses, que cuideis Que por amor de vs do Cu deci, Nem da mgoa da injria que sofreis, Mas da que se me faz tambm a mi; Que aquelas grandes honras que sabeis Que no mundo ganhei, quando venci As terras Indianas do Oriente, Todas vejo abatidas desta gente. 33 Que o gro Senhor e Fados, que destinam, Como lhe bem parece, o baxo mundo, Famas, mores que nunca, determinam De dar a estes bares no mar profundo. Aqui vereis, Deuses, como ensinam O mal tambm a Deuses; que, a segundo Se v, ningum j tem menos valia Que quem com mais razo valer devia. 34 E por isso do Olimpo j fugi, Buscando algum remdio a meus pesares, Por ver o preo que no Cu perdi, Se por dita acharei nos vossos mares. Mais quis dizer, e no passou daqui, Porque as lgrimas j, correndo a pares, Lhe saltaram dos olhos, com que logo Se acendem as Deidades d' gua em fogo. 35 A ira com que sbito alterado O corao dos Deuses foi num ponto, No sofreu mais conselho bem cuidado Nem dilao nem outro algum desconto: Ao grande Eolo mandam j recado, Da parte de Neptuno, que sem conto Solte as frias dos ventos repugnantes, Que no haja no mar mais navegantes! 266 ----------------------- Page 314----------------------- OS LUSADAS 36 Bem quisera primeiro ali Proteu Dizer, neste negcio, o que sentia; E, segundo o que a todos pareceu, Era algua profunda profecia. Porm tanto o tumulto se moveu, Sbito, na divina companhia, Que Ttis, indinada, lhe bradou: ? Neptuno sabe bem o que mandou! 37 J l o soberbo Hiptades soltava Do crcere fechado os furiosos Ventos, que com palavras animava Contra os vares audaces e animosos. Sbito, o cu sereno se obumbrava, Que os ventos, mais que nunca impetuosos, Comeam novas foras a ir tomando, Torres, montes e casas derribando. 38 Enquanto este conselho se fazia No fundo aquoso, a leda, lassa frota Com vento sossegado prosseguia, Pelo tranquilo mar, a longa rota. Era no tempo quando a luz do dia Do Eo Hemisprio est remota; Os do quarto da prima se deitavam, Pera o segundo os outros despertavam. 39 Vencidos vm do sono e mal despertos; Bocijando, a mido se encostavam Pelas antenas, todos mal cobertos Contra os agudos ares que assopravam; Os olhos contra seu querer abertos; Mas estregando, os membros estiravam. Remdios contra o sono buscar querem, Histrias contam, casos mil referem. 267 ----------------------- Page 315----------------------- OS LUSADAS 40 ? Com que milhor podemos (um dizia) Este tempo passar, que to pesado, Seno com algum conto de alegria, Com que nos deixe o sono carregado? Responde Leonardo, que trazia Pensamentos de firme namorado: ? Que contos poderemos ter milhores, Pera passar o tempo, que de amores? 41 ? No (disse Veloso) cousa justa Tratar branduras em tanta aspereza, Que o trabalho do mar, que tanto custa, No sofre amores nem delicadeza; Antes de guerra, frvida e robusta A nossa histria seja, pois dureza Nossa vida h-de ser, segundo entendo, Que o trabalho por vir mo est dizendo. 42 Consentem nisto todos, e encomendam A Veloso que conte isto que aprova. ? Contarei (disse) sem que me reprendam De contar cousa fabulosa ou nova; E por que os que me ouvirem daqui aprendam A fazer feitos grandes de alta prova, Dos nacidos direi na nossa terra, E estes sejam os Doze de Inglaterra. 43 No tempo que do Reino a rdea leve, Joo, filho de Pedro, moderava, Despois que sossegado e livre o teve Do vizinho poder, que o molestava, L na grande Inglaterra, que da neve Boreal sempre abunda, semeava A fera Ernis dura e m ciznia, Que lustre fosse a nossa Lusitnia. 268 ----------------------- Page 316----------------------- OS LUSADAS 44 Entre as damas gentis da corte Inglesa E nobres cortesos, acaso um dia Se levantou discrdia, em ira acesa (Ou foi opinio, ou foi porfia). Os cortesos, a quem to pouco pesa Soltar palavras graves de ousadia, Dizem que provaro que honras e famas Em tais damas no h pera ser damas; 45 E que se houver algum, com lana e espada, Que queira sustentar a parte sua, Que eles, em campo raso ou estacada, Lhe daro feia infmia ou morte crua. A feminil fraqueza, pouco usada, Ou nunca, a oprbrios tais, vendo-se nua De foras naturais convenientes, Socorro pede a amigos e parentes. 46 Mas, como fossem grandes e possantes No reino os inimigos, no se atrevem Nem parentes, nem frvidos amantes, A sustentar as damas, como devem. Com lgrimas fermosas, e bastantes A fazer que em socorro os Deuses levem De todo o Cu, por rostos de alabastro, Se vo todas ao Duque de Alencastro. 47 Era este Ingrs potente e militara Cos Portugueses j contra Castela, Onde as foras magnnimas provara Dos companheiros, e benigna estrela. No menos nesta terra exprimentara Namorados afeitos, quando nela A filha viu, que tanto o peito doma Do forte Rei, que por mulher a toma. 269 ----------------------- Page 317----------------------- OS LUSADAS 48 Este, que socorrer-lhe no queria Por no causar discrdias intestinas, Lhe diz: ? Quando o direito pretendia Do Reino l das terras Iberinas, Nos Lusitanos vi tanta ousadia, Tanto primor e partes to divinas, Que eles ss poderiam, se no erro Sustentar vossa parte a fogo e ferro; 49 E se, agravadas damas, sois servidas, Por vs lhe mandarei embaixadores, Que, por cartas discretas e polidas, De vosso agravo os faam sabedores; Tambm, por vossa parte, encarecidas Com palavras d' afagos e d' amores Lhe sejam vossas lgrimas, que eu creio Que ali tereis socorro e forte esteio. 50 Destarte as aconselha o Duque experto E logo lhe nomeia doze fortes; E por que cada dama um tenha certo, Lhe manda que sobre eles lancem sortes, Que elas s doze so; e descoberto Qual a qual tem cado das consortes, Cad' ua escreve ao seu, por vrios modos, E todas a seu Rei, e o Duque a todos. 51 J chega a Portugal o mensageiro, Toda a corte alvoroa a novidade; Quisera o Rei sublime ser primeiro, Mas no lho sofre a rgia Majestade. Qualquer dos cortesos aventureiro Deseja ser, com frvida vontade, E s fica por bem-aventurado Quem j vem pelo Duque nomeado. 270 ----------------------- Page 318----------------------- OS LUSADAS 52 L na leal cidade donde teve Origem (como fama) o nome eterno De Portugal, armar madeiro leve Manda o que tem o leme do governo. Apercebem-se os doze, em tempo breve, D' armas e roupas de uso mais moderno, De elmos, cimeiras, letras e primores, Cavalos, e concertos de mil cores. 53 J do seu Rei tomado tm licena, Pera partir do Douro celebrado, Aqueles que escolhidos por sentena Foram do Duque Ingls exprimentado. No h na companhia diferena De cavaleiro, destro ou esforado; Mas um s, que Magrio se dizia, Destarte fala forte companhia: 54 ? Fortssimos conscios, eu desejo H muito j de andar terras estranhas, Por ver mais guas que as do Douro e Tejo, Vrias gentes e leis e vrias manhas. Agora que aparelho certo vejo, (Pois que do mundo as cousas so tamanhas) Quero, se me deixais, ir s por terra, Porque eu serei convosco em Inglaterra. 55 E quando caso for que eu, impedido Por Quem das cousas ltima linha, No for convosco ao prazo institudo, Pouca falta vos faz a falta minha: Todos por mi fareis o que devido. Mas, se a verdade o esprito me adivinha, Rios, montes, Fortuna ou sua enveja No faro que eu convosco l no seja. 271 ----------------------- Page 319----------------------- OS LUSADAS 56 Assi diz e, abraados os amigos E tomada licena, enfim se parte. Passa Lio, Castela, vendo antigos Lugares que ganhara o ptrio Marte; Navarra, cos altssimos perigos Do Perineu, que Espanha e Glia parte. Vistas, enfim, de Frana as cousas grandes, No grande emprio foi parar de Frandes. 57 Ali chegado, ou fosse caso ou manha, Sem passar se deteve muitos dias. Mas dos onze a ilustrssima companha Cortam do Mar do Norte as ondas frias; Chegados de Inglaterra costa estranha, Pera Londres j fazem todos vias; Do Duque so com festas agasalhados E das damas servidos e amimados. 58 Chega-se o prazo e dia assinalado De entrar em campo j cos doze Ingleses, Que pelo Rei j tinham segurado; Armam-se d' elmos, grevas e de arneses. J as damas tm por si , fulgente e armado, O Mavorte feroz dos Portugueses; Vestem-se elas de cores e de sedas, De ouro e de jias mil, ricas e ledas. 59 Mas aquela a quem fora em sorte dado Magrio, que no vinha, com tristeza Se veste, por no ter quem nomeado Seja seu cavaleiro nesta empresa; Bem que os onze apregoam que acabado Ser o negcio assi na corte Inglesa, Que as damas vencedoras se conheam, Posto que dous e trs dos seus faleam. 272 ----------------------- Page 320----------------------- OS LUSADAS 60 J num sublime e pbrico teatro Se assenta o Rei Ingls com toda a corte; Estavam trs e trs e quatro e quatro, Bem como a cada qual coubera em sorte; No so vistos do Sol, do Tejo ao Batro, De fora, esforo e d' nimo mais forte, Outros doze sair, como os Ingleses, No campo, contra os onze Portugueses. 61 Mastigam os cavalos, escumando, Os ureos freios, com feroz sembrante; Estava o Sol nas armas rutilando, Como em cristal ou rgido diamante; Mas enxerga-se, num e noutro bando, Partido desigual e dissonante Dos onze contra os doze; quando a gente Comea a alvoroar-se geralmente. 62 Viram todos o rosto aonde havia A causa principal do rebolio: Eis entra um cavaleiro, que trazia Armas, cavalo, ao blico servio; Ao Rei e s damas fala e logo se ia Pera os onze, que este era o gro Magrio; Abraa os companheiros, como amigos A quem no falta, certo nos perigos. 63 A dama, como ouviu que este era aquele Que vinha a defender seu nome e fama, Se alegra e veste ali do animal de Hele, Que a gente bruta mais que virtude ama. J do sinal, e o som da tuba impele Os belicosos nimos, que inflama; Picam d' esporas, largam rdeas logo, Abaxam lanas, fere a terra fogo; 273 ----------------------- Page 321----------------------- OS LUSADAS 64 Dos cavalos o estrpito parece Que faz que o cho debaixo todo treme; O corao no peito que estremece De quem os olha, se alvoroa e teme. Qual do cavalo voa, que no dece; Qual, co cavalo em terra dando, geme; Qual vermelhas as armas faz de brancas; Qual cos penachos do elmo aouta as ancas. 65 Algum dali tomou perptuo sono E fez da vida ao fim breve intervalo; Correndo, algum cavalo vai sem dono, E noutra parte o dono sem cavalo. Cai a soberba Inglesa de seu trono, Que dous ou trs j fora vo do valo. Os que de espada vm fazer batalha, Mais acham j que arns, escudo e malha. 66 Gastar palavras em contar extremos De golpes feros, cruas estocadas, desses gastadores, que sabemos, Maus do tempo com fbulas sonhadas. Basta, por fim do caso, que entendemos Que com finezas altas e afamadas, Cos nossos fica a palma da vitria E as damas vencedoras e com glria. 67 Recolhe o Duque os doze vencedores Nos seus paos, com festas e alegria; Cozinheiros ocupa e caadores, Das damas e fermosa companhia, Que querem dar aos seus libertadores Banquetes mil, cada hora e cada dia, Enquanto se detm em Inglaterra, At tornar doce e cara terra. 274 ----------------------- Page 322----------------------- OS LUSADAS 68 Mas dizem que, contudo, o gro Magrio, Desejoso de ver as cousas grandes, L se deixou ficar, onde um servio Notvel Condessa fez de Frandes; E, como quem no era j novio Em todo trance onde tu, Marte, mandes, Um Francs mata em campo, que o destino L teve de Torcato e de Corvino. 69 Outro tambm dos doze em Alemanha Se lana e teve um fero desafio Cum Germano enganoso, que, com manha No devida, o quis pr no extremo fio. Contando assi Veloso, j a companha Lhe pede que no faa tal desvio Do caso de Magrio e vencimento, Nem deixe o de Alemanha em esquecimento. 70 Mas neste passo, assi prontos estando, Eis o mestre, que olhando os ares anda, O apito toca: acordam, despertando, Os marinheiros dua e doutra banda, E, porque o vento vinha refrescando, Os traquetes das gveas tomar manda. ? Alerta (disse) estai, que o vento crece Daquela nuvem negra que aparece! 71 No eram os traquetes bem tomados, Quando d a grande e sbita procela. ? Amaina (disse o mestre a grandes brados), Amaina (disse), amaina a grande vela! No esperam os ventos indinados Que amainassem, mas, juntos dando nela, Em pedaos a fazem cum rudo Que o Mundo pareceu ser destrudo! 275 ----------------------- Page 323----------------------- OS LUSADAS 72 O cu fere com gritos nisto a gente, Cum sbito temor e desacordo; Que, no romper da vela, a nau pendente Toma gro suma d' gua pelo bordo. ? Alija (disse o mestre rijamente, Alija tudo ao mar, no falte acordo! Vo outros dar bomba, no cessando; bomba, que nos imos alagando! 73 Correm logo os soldados animosos A dar bomba; e, tanto que chegaram, Os balanos que os mares temerosos Deram nau, num bordo os derribaram. Trs marinheiros, duros e forosos, A menear o leme no bastaram; Talhas lhe punham, dua e doutra parte, Sem aproveitar dos homens fora e arte. 74 Os ventos eram tais que no puderam Mostrar mais fora d' mpeto cruel, Se pera derribar ento vieram A fortssima Torre de Babel. Nos altssimos mares, que creceram, A pequena grandura dum batel Mostra a possante nau, que move espanto, Vendo que se sustm nas ondas tanto. 75 A nau grande, em que vai Paulo da Gama, Quebrado leva o masto pelo meio, Qusi toda alagada; a gente chama Aquele que a salvar o mundo veio. No menos gritos vos ao ar derrama Toda a nau de Coelho, com receio, Conquanto teve o mestre tanto tento Que primeiro amainou que desse o vento. 276 ----------------------- Page 324----------------------- OS LUSADAS 76 Agora sobre as nuvens os subiam As ondas de Neptuno furibundo; Agora a ver parece que deciam As ntimas entranhas do Profundo. Noto, Austro, Breas, quilo, queriam Arruinar a mquina do Mundo; A noite negra e feia se alumia Cos raios em que o Plo todo ardia! 77 As Alcinias aves triste canto Junto da costa brava levantaram, Lembrando-se de seu passado pranto, Que as furiosas guas lhe causaram. Os delfins namorados, entretanto, L nas covas martimas entraram, Fugindo tempestade e ventos duros, Que nem no fundo os deixa estar seguros. 78 Nunca to vivos raios fabricou Contra a fera soberba dos Gigantes O gro ferreiro srdido que obrou Do enteado as armas radiantes; Nem tanto o gro Tonante arremessou Relmpados ao mundo, fulminantes, No gro dilvio donde ss viveram Os dous que em gente as pedras converteram. 79 Quantos montes, ento, que derribaram As ondas que batiam denodadas! Quantas rvores velhas arrancaram Do vento bravo as frias indinadas! As forosas razes no cuidaram Que nunca pera o cu fossem viradas, Nem as fundas areias que pudessem Tanto os mares que em cima as revolvessem. 277 ----------------------- Page 325----------------------- OS LUSADAS 80 Vendo Vasco da Gama que to perto Do fim de seu desejo se perdia, Vendo ora o mar at o Inferno aberto, Ora com nova fria ao Cu subia, Confuso de temor, da vida incerto, Onde nenhum remdio lhe valia, Chama aquele remdio santo e forte Que o impossbil pode, desta sorte: 81 ? Divina Guarda, anglica, celeste, Que os cus, o mar e terra senhoreias: Tu, que a todo Israel refgio deste Por metade das guas Eritreias; Tu, que livraste Paulo e defendeste Das Sirtes arenosas e ondas feias, E guardaste, cos filhos, o segundo Povoador do alagado e vcuo mundo: 82 Se tenho novos medos perigosos Doutra Cila e Carbdis j passados, Outras Sirtes e baxos arenosos, Outros Acrocerunios infamados; No fim de tantos casos trabalhosos, Porque somos de Ti desamparados, Se este nosso trabalho no te ofende, Mas antes teu servio s pretende? 83 Oh ditosos aqueles que puderam Entre as agudas lanas Africanas Morrer, enquanto fortes sustiveram A santa F nas terras Mauritanas; De quem feitos ilustres se souberam, De quem ficam memrias soberanas, De quem se ganha a vida com perd-la, Doce fazendo a morte as honras dela! 278 ----------------------- Page 326----------------------- OS LUSADAS 84 Assi dizendo, os ventos, que lutavam Como touros indmitos, bramando, Mais e mais a tormenta acrecentavam, Pela mida enxrcia assoviando. Relmpados medonhos no cessavam, Feros troves, que vm representando Cair o Cu dos eixos sobre a Terra, Consigo os Elementos terem guerra. 85 Mas j a amorosa Estrela cintilava Diante do Sol claro, no horizonte, Mensageira do dia, e visitava A terra e o largo mar, com leda fronte. A Deusa que nos Cus a governava, De quem foge o ensfero Orionte, Tanto que o mar e a cara armada vira, Tocada junto foi de medo e de ira. 86 ? Estas obras de Baco so, por certo (Disse), mas no ser que avante leve To danada teno, que descoberto Me ser sempre o mal a que se atreve. Isto dizendo, dece ao mar aberto, No caminho gastando espao breve, Enquanto manda as Ninfas amorosas Grinaldas nas cabeas pr de rosas. 87 Grinaldas manda pr de vrias cores Sobre cabelos louros a porfia. Quem no dir que nacem roxas flores Sobre ouro natural, que Amor enfia? Abrandar determina, por amores, Dos ventos a nojosa companhia, Mostrando-lhe as amadas Ninfas belas, Que mais fermosas vinham que as estrelas. 279 ----------------------- Page 327----------------------- OS LUSADAS 88 Assi foi; porque, tanto que chegaram vista delas, logo lhe falecem As foras com que dantes pelejaram, E j como rendidos lhe obedecem; Os ps e mos parece que lhe ataram Os cabelos que os raios escurecem. A Breas, que do peito mais queria, Assi disse a belssima Oritia: 89 ? No creias, fero Breas, que te creio Que me tiveste nunca amor constante, Que brandura de amor mais certo arreio E no convm furor a firme amante. Se j no pes a tanta insnia freio, No esperes de mi, daqui em diante, Que possa mais amar-te, mas temer-te; Que amor, contigo, em medo se converte. 90 Assi mesmo a fermosa Galateia Dizia ao fero Noto, que bem sabe Que dias h que em v-la se recreia, E bem cr que com ele tudo acabe. No sabe o bravo tanto bem se o creia, Que o corao no peito lhe no cabe; De contente de ver que a dama o manda, Pouco cuida que faz, se logo abranda. 91 Desta maneira as outras amansavam Subitamente os outros amadores; E logo linda Vnus se entregavam, Amansadas as iras e os furores. Ela lhe prometeu, vendo que amavam, Sempiterno favor em seus amores, Nas belas mos tomando-lhe homenagem De lhe serem leais esta viagem. 280 ----------------------- Page 328----------------------- OS LUSADAS 92 J a manh clara dava nos outeiros Por onde o Ganges murmurando soa, Quando da celsa gvea os marinheiros Enxergaram terra alta, pela proa. J fora de tormenta e dos primeiros Mares, o temor vo do peito voa. Disse alegre o piloto Melindano: ? Terra de Calecu, se no me engano. 93 Esta , por certo, a terra que buscais Da verdadeira ndia, que aparece; E se do mundo mais no desejais, Vosso trabalho longo aqui fenece. Sofrer aqui no pde o Gama mais, De ledo em ver que a terra se conhece; Os giolhos no cho, as mos ao Cu, A merc grande a Deus agardeceu. 94 As graas a Deus dava, e razo tinha, Que no somente a terra lhe mostrava Que, com tanto temor, buscando vinha, Por quem tanto trabalho exprimentava, Mas via-se livrado, to asinha, Da morte, que no mar lhe aparelhava O vento duro, frvido e medonho, Como quem despertou de horrendo sonho. 95 Por meio destes hrridos perigos, Destes trabalhos graves e temores, Alcanam os que so de fama amigos As honras imortais e graus maiores; No encostados sempre nos antigos Troncos nobres de seus antecessores; No nos leitos dourados, entre os finos Animais de Moscvia zibelinos; 281 ----------------------- Page 329----------------------- OS LUSADAS 96 No cos manjares novos e esquisitos, No cos passeios moles e ouciosos, No cos vrios deleites e infinitos, Que afeminam os peitos generosos; No cos nunca vencidos apetitos, Que a Fortuna tem sempre to mimosos, Que no sofre a nenhum que o passo mude Pera algua obra herica de virtude; 97 Mas com buscar, co seu foroso brao, As honras que ele chame prprias suas; Vigiando e vestindo o forjado ao, Sofrendo tempestades e ondas cruas, Vencendo os torpes frios no regao Do Sul, e regies de abrigo nuas, Engolindo o corrupto mantimento Temperado com um rduo sofrimento; 98 E com forar o rosto, que se enfia, A parecer seguro, ledo, inteiro, Pera o pelouro ardente que assovia E leva a perna ou brao ao companheiro. Destarte o peito um calo honroso cria, Desprezador das honras e dinheiro, Das honras e dinheiro que a ventura Forjou, e no virtude justa e dura. 99 Destarte se esclarece o entendimento, Que experincias fazem repousado, E fica vendo, como de alto assento, O baxo trato humano embaraado. Este, onde tiver fora o regimento Direito e no de afeitos ocupado, Subir (como deve) a ilustre mando, Contra vontade sua, e no rogando. 282 ----------------------- Page 330----------------------- OS LUSADAS NOTAS 1.4-8 ?... das gentes topossantes ?: to poderosas; ?Pesa-lhe [a ventura] que to longe o apousentasse?: pesa-lhe que o destino o aposentasse to longe das ?Europeias terras abundantes?, que to longe o acolhesse; ?... que no no fez vizinho / Donde Hrcules ao mar abriu o caminho?: Gibraltar. Ort.: apousentasse (por aposentasse). 2.2-4 ?A segundo a polcia Melindana?: ao modo da urbanidade melindana; ?Com que a Lageia Antnio alegra e engana?: Lageia, de Lageus. Ptolemeu Lagus, dos Lgidas do Egipto. ?Marco Antnio estava uma vez pesca e no pescava nada, o que o contrariava, porque Clepatra fazia parte da assistncia. Pediu, portanto, a outros pescadores que mergulhassem e sem que os vissem prendessem ao seu anzol peixes da pesca anterior. Pde assim por duas ou trs vezes retirar a sua linha lastrada com dois ou trs peixes. Mas a manobra no escapou Egpcia. Fingindo admirar a boa sorte de Antnio, Clepatra contou a histria a seus amigos e pediu-lhes que no dia seguinte estivessem no mesmo stio. Muitos deles vieram e subiram para barcos de pesca. Quando Antnio desceu a linha a rainha disse a um dos seus servos que fosse adiante para mergulhar e atravessar o anzol com um peixe salgado do porto. Quando Antnio, certo de ter apanhado qualquer coisa, puxou a linha, a vista da sua presa suscitou naturalmente um riso geral. Disse-lhe ento Clepatra: ?Imperador, deixa-nos as linhas a ns, reis de Faros e de Canopo; a tua pesca so as cidades, os reinos e os continentes.?? (Plutarco,Ant., XXIX.) 3.3-8 ?... e tome asinha?: sem tardar (asinha, voc. arcaico); ?... do salso argento?: verso muito semelhante a I.18.5: ?J do Pago benigno se despede?: o rei de Melinde no era pago, mas no era cristo; ?Que 283 ----------------------- Page 331----------------------- OS LUSADAS a todos amizade longa pede?: o que inicial e toda a estncia seguinte tm por sujeito Pago. 4.3 ?Que nenhum outro bem ...?: que causal. 4.4 Neste lugar e em VI.33.4 o Poeta emprega a forma bares, mas em VI.37.4 emprega vares. 5.2-3 ?... e logo, as velas dando?: as velas desfraldando; ?Pera as terras da Aurora se partia?: para o Oriente. ?... partiose de Melide pera Calicut hua tera feyra XXIIIJ. Dabril? (Castanheda, I.XIII). 6.2-5 ?... e enxergavam / Os tlamos do Sol, que nace ardente?: tlamo propriamente a cmara nupcial. Aqui pode interpretar-se por bero do sol; ?Mas o mau do Tioneu, ...?: v. II.12.7. Ort.: nace (por nasce); dina (por digna). 7.4-8 ?Est doutro Poder que tudo doma?: outro poder superior aos dos deuses pagos; ?Entra no hmido reino e vai-se corte?: entra no mar; ?Daquele a quem o mar caiu em sorte?: Neptuno. 8.5-8 ?... e moram asjocundas / Nereidas ...?: as filhas de Nereu e de Dris (v. II.20.8); ?Que habitam estas hmidas Deidades?: divindades marinhas. 9.1 Baco vai entrar no pao de Neptuno, e assistimos descrio da regio elemental, esculpida nas portas do palcio de Neptuno. E aproxima-se da descrio das origens do Mundo e da separao dos elementos, segundo Ov., M, I.5-31. Sobre o Caos, diz Ovdio: Ante mare et terras et, quod tegit omnia, caelum Unus erat toto naturae vultus in orbe, Quem dixere chaos ... 284 ----------------------- Page 332----------------------- OS LUSADAS 10.7 ?Vm-se os quatro Elementos trasladados?: nas est. 11 e 12 vem a descrio do Fogo, do Ar, da Terra e das guas. 11.1-8 ?Ali, sublime, o Fogo estava em cima?: no sentido latino (sublimis), que est suspenso no ar; ?Daqui as cousas vivas sempre anima / Despois que Prometeu furtado o tinha?: tendo sido, por causa dos homens, enganado por Prometeu, Zeus recusou-se a enviar o fogo a estes. Prometeu teve artes de o roubar; ?Logo aps ele, leve se sublima / O invisbil Ar, que mais asinha?: levemente se sustm. Asinha, depressa (arcaico); ?Algum deixa ...?: algum (lugar). Ort.: despois (por depois); invisbil, latinismo (por invisvel). 12.7 ?De pescados criando vrios modos?: vrias espcies. 13.1-2 V. II.112.1-8 e V.51.1-2. 13.3-8 ?Est Tifeu debaixo da alta serra / Do Etna, ...?: outro dos Gigantes que, na sua luta com Zeus, ficou sepultado sob o Etna (v. V.51.2); ?Neptuno, quando as gentes, ignorantes, / Dele o cavalo houveram, e a primeira / De Minerva pacfica ouliveira?: sobre Neptuno, v. III.51.3-4. Minerva (ou Atena) inventou o azeite e introduziu a oliveira na tica. O Poeta no ignora que Neptuno (Posdon) e Minerva foram disputantes da soberania da tica. 14.1 ?Pouca tardana faz Lieu irado?: v. I.49.6-8. Ort.:prantado (porplantado). 15.3-7 ?... tambm cos grandes epossantes ?: poderosos; ?Vero da desventura grandes modos?: maneiras. 16.5-8 ?Trto, que de ser filho se gloria / Do Rei e de Salcia veneranda?: Trito passa em geral por ser filho de Neptuno (Posdon) e de Anfitrite. 285 ----------------------- Page 333----------------------- OS LUSADAS O Poeta d-lhe como me Salcia, tambm esposa de Neptuno. As funes de Trito esto resumidas no v. 8: ?Trombeta de seu pai e seu correio?. V. em Ov., M, I.333-338, Trito recebendo as ordens de Neptuno. O Poeta, nas est. 17 a 19, descreve a figura de Trito. 17.3-7 ?... e bem parecem / Que ...?: ED diz que h aqui contaminao da construo impessoal ?parece que conhecro? com a construo pessoal ?parecem ter conhecido?; ?Os negros mexilhes, ...?: o Poeta escreveu Misilhes. Ort.: decem (por descem); pntem (porpente). 18.1-7 ?O corpo nu, e ...?: incluindo; ?Que recebem de Febe crecimento?: irm de Febo, Diana ou a Lua: ?vento semper rubet aurea Phoebe? (V, G, I.431); ?Ostras e birbiges, ...?: o Poeta repetiu em 18.7 camares do v. 5. Vrios editores propem briguiges ou birbiges. Ainda hoje crena popular que os mariscos crescem ou minguam com as luas. Segundo JMR, em MACL, vol. III, p. 174, esta estncia deve ler-se e pontuar-se da maneira seguinte: O corpo nu, os membros genitais, Por no ter ao nadar impedimento, Mas porm de pequenos animais Do mar todos cobertos, cento e cento: Camares e cangrejos e outros mais, Que recebem de Phebe crescimento. Ostras e camares, do musco sujos, s costas, e coa casca os caramujos. Ort.: crecimento (por crescimento); cangrejos (por caranguejos). 19.7-8 ?Do Deus que fez os muros de Dardnia, / Destrudos despois da Grega insnia?: Posdon participou durante um ano na construo do muro de Tria. Laomedonte recusou-lhe o salrio convencionado. Para se vingar, Posdon suscitou um monstro que saiu do mar e assolou as populaes troianas. Dardnia, de Drdano, seu rei e fundador;grega insnia, loucura dos Gregos. Ort.: despois (por depois). 286 ----------------------- Page 334----------------------- OS LUSADAS 20.3-8 ?Vem Nereu, que com Dris foi casado?: v. II.19.1-2; ?O profeta Proteu, deixando o gado?: v. I.19.8; ?Ali veio tambm, mas j sabia?: Proteu possua o dom proftico; ?... o padre Lieu?: o padre Baco (v. VI.14.1). 21.1-2 ?Vinha por outra parte a linda esposa / De Neptuno, de Celo e Vesta filha?: grande confuso mitolgica. Ttis (Tethys) filha de rano (personificao do Cu) e de Geia (ou Gaia). De Gaia, rano teve seis Tits e seis Titnides, uma das quais Ttis, que o Poeta fez desposar com Neptuno. Ttis esposa do Oceano, seu irmo, o mais velho dos Tits, tambm filho de rano e de Gaia. Os dois geraram as Ocenides. Vesta no , no entanto, lapso do Poeta, que poderia ter lido em Ov., Fasti, VI.460: ?et Tellus Vestaque numen idem?, e em VI.267: ?Vesta eadem est et terra?. V. IX.85.2-3. 22.1-6 ?Anfitrite, fermosa como as flores?: Anfitrite uma das Nereidas, portanto uma das filhas de Nereu e de Dris. esposa de Neptuno. Anfitrite recusou-se, por pudor, a casar com o rei marinho e escondeu-se nas profundidades do Oceano, para l das Colunas de Hrcules. Encontrada pelos delfins, foi trazida por eles, em grande cortejo, a Neptuno; ?Cos olhos, que de tudo so senhores, / Qualquer parecer que o Sol vencesse?: refere-se beleza de Ttis e de Anfitrite. Ort.:fermosa (porformosa ). 23.1-8 ?Aquela que, das frias de Atamante?: Atamas, ou Atamante (como diz o Poeta), casou com Ino, filha de Cadmos, que teve dois filhos (Learco e Melicerta). Atamas enlouqueceu por obra de Tisifone e matou Learco. H vrias tradies a respeito do suicdio de Ino e de seu filho Melicerta. Vnus, dirigindo-se a Neptuno, intercede pela sua neta e torna imortais a me (Ino ou Leucotoe) e o filho (Melicerta ou Palmon), que no poema vem ao colo da bela Panopeia (v. Ov., M, IV.416-542); ?No colo a toma a bela Panopeia?: uma das Nereidas. 24.1-8 ?E o Deus que foi num tempo corpo humano / E por virtude da erva poderosa, / Foi convertido em pexe, ...?: segundo uma tradio, 287 ----------------------- Page 335----------------------- OS LUSADAS Glauco foi filho de Posdon (Neptuno) e de uma das Niades. Era de raa mortal quando nasceu; mas, tendo provado por acaso uma erva que conferia a imortalidade, converteu-se num deus do mar. A parte inferior do seu corpo tornou-se uma poderosa cauda de peixe; ?Inda vinha chorando o feio engano / Que Circes tinha usado co a fermosa / Scila, que ele ama, desta sendo amado?: desta refere-se a Circes, que de facto amava Glauco, e no a Scila (v. Ov., M, XIII.900- 968, e ainda XIV.1-74). 25.6-8 ?Que co Tebano ...?: v. I.73.1-2; ?De fumos enche a casa a rica massa / Que no mar nace e Arbia em cheiro passa?: o mbar, substncia cinzenta, aromtica, que tem origem na vescula biliar de alguns cetceos. A Arbia em cheiro passa: ultrapassa o incenso e mirra da Arbia. 26.4-8 ?A causa o Tioneu ...?: v. II.12.7; ?Co ferro alheio,...?: por interveno de outrem. 27.1-5 ?Prncipe, ...?: Baco dirige-se ao rei Neptuno e, depois, ao padre Oceano?. Na estncia seguinte (28) aos ?Deuses do Mar?, enfim, a todos os assistentes ao conselho. 28.3-8 ?Que com castigo igual vos no vingueis?: que no deixais de vos vingar com castigo condigno; ?... fracos e atrevidos??: fracos, mas atrevidos. 29.1-4 ?Vistes que, com grandssima ousadia?: v. IV.104.1-5; ?... aquela insana fantasia / De tentarem o mar com vela e remo?: v. IV.83.7. 30.2-8 ?Que dum vassalo meu o nome toma?: v. I.39.3-4; ?Os vossos estatutos vo quebrando?: vo infringindo os trminos, apesar da nossa lei. 288 ----------------------- Page 336----------------------- OS LUSADAS 31.1-5 ?Eu vi ... os Mnias, que primeiro?: os Argonautas (v. IV.83.5-6); ?Breas, injuriado, e o companheiro / quilo ...?: para Cames, Breas e quilo, embora soprando na mesma direco, so ventos distintos (v. AFGV, Elementos Astronmicos das Obras de Gil Vicente e Cames, Lisboa, 1941, e VI.76.5-6); ?Pois se do ajuntamento aventureiro ...?: so os ?Mnias ajuntados? de IV.83.5-6. 32.3-7 ?Nem da mgoa da injria que sofreis?: nem por amor da mgoa; ?Que no mundo ganhei, quando venci / As terras Indianas do Oriente?: v. I.32.1-7. 33.1-6 ?Que o gro Senhor e Fados, ...?: o gro Senhor Jpiter; ?Como lhe bem parece ...?: lhe, por lhes; ?Famas, mores que nunca, determinam?: determinam maiores famas do que nunca houve; ?Aqui vereis, Deuses, como ensinam / O mal tambm a Deuses; ...?: o sujeito de ensinam ogro Senhor e Fados; ?... que, a segundo / Se v, ...?: que, conforme se verifica, ... Ort.: baxo (por baixo). 35.2-7 ?... foi num ponto?: num instante; ?Ao grande Eolo mandam ...?: da parte de Neptuno mandam ao rei dos ventos; ?... que sem conto?: sem limite; ?Solte as frias dos ventos repugnantes?: a fria dos ventos contrrios. Repugnantes latinismo. 36.1-7 ?Bem quisera primeiro ali Proteu?: o profeta; ?Que Ttis, indinada, lhe bradou?: a esposa do rei pe termo s discusses. 37.1-5 ?J l o soberbo Hiptades soltava / Do crcere fechado os furiosos / Ventos, ...?: Hiptades, filho de Hpotes: ?Clauserat Hippotides aeterno carcere ventos? (Ov., M, IV.663); ?Sbito, o cu sereno se obumbrava?: se obumbrava (se obscurecia) latinismo. Ort.: vares no v. 4, bares em 33.4; audaces, latinismo (por audazes). 289 ----------------------- Page 337----------------------- OS LUSADAS 38.2-8 ?... a leda, lassa frota?: ia alegre, mas cansada; ?Era no tempo quando a luz do dia / Do Eo Hemisprio est remota?: quando a luz do hemisfrio oriental est remota. Em grego ??? significa Aurora; ?Os do quarto da prima se deitavam, / Pera o segundo os outros despertavam?: assiste-se neste lugar ao render do quarto de prima. O dia de bordo divide-se em quartos de servio, quer dizer: de quatro em quatro horas entram de servio novos grupos de homens. O quarto de prima vai das 20 s 24 horas. Acabava o quarto de prima, entrava-se no quarto de modorra (das 0 s 4 horas da manh), o que explica o ar sonolento dos nautas e a sua necessidade de se entreterem. 39.3-6 ?Pelas antenas ...?: vergas em que se fixam as velas; ?Mas estregando, ...?: mas esfregando-os (os olhos). 40.5 ?Responde Leonardo ...?: aparece pela primeira vez este ?soldado bem disposto / Manhoso, cavaleiro e namorado?, que vai ter importante papel no Canto IX, est. 75 e segs. 41.5 ?Antes de guerra,frvida e robusta ?: ardente e rija. 42.8 ?E estes sejam os Doze de Inglaterra?: muito duvidosa a historicidade deste episdio, mas no pode duvidar-se da existncia real do Magrio (lvaro Vaz Coutinho) na corte de Flandres, personagem que serve de ncleo ao episdio. Como elementos para o estudo deste assunto temos o Memorial das Proezas da Segunda Tvola Redonda, de Jorge Ferreira de Vasconcelos, editado em 1567, mas o episdio j seria conhecido antes de 1554. A descrio do torneio de Londres foi includa pela primeira vez em prosa na segunda edio dos Dilogos de Vria Histria, de Pedro de Mariz. Manuel Correia fez um longo comentrio em prosa est. 43. Em 1935 apareceu uma Relao ou Crnica Breve das Cavalarias dos Doze de Inglaterra (ms. quinhentista da Biblioteca Pblica do Porto), precedida de um estudo de A. de Magalhes Basto (... ) e com uma advertncia preliminar de Joaquim Costa, Porto, 1935. Talvez esta Relao tivesse 290 ----------------------- Page 338----------------------- OS LUSADAS servido de fonte a Cames. Ort.: reprendam (por repreendam); nacidos (por nascidos). 43.1-7 ?No tempo que do Reino a rdea leve, / Joo, filho de Pedro, moderava?: no tempo em que Joo conduzia com brandura a rdea do Reino ...; ?Do vizinho poder, ...?: de Castela; ? ... semeava / A fera Ernis dura e m ciznia?: lapso do Poeta. No de Ernis (uma das Frias), mas de ris (personificao da Discrdia), que se trata. Dura e m ciznia, dura e m discrdia. 44.4 ?... ou foiporfia ?: teimosia. 45.3 ?Que eles, em campo raso ou estacada ...?: o que pleonstico. Estacada, campo cercado de estacas para justas ou torneios. 46.1-2 ?Mas, como fossem grandes epossantes / No reino os inimigos, ...?: v. VI.15.3-7. O duque de Lencastre, Joo de Gaunt, filho de Eduardo III, rei de Inglaterra, cuja filha D. Filipa casou com o nosso rei D. Joo I em 2 de Fevereiro de 1387. O duque foi pretendente coroa de Castela e com esse intento aliou-se ao rei de Portugal, e os exrcitos aliados chegaram a entrar em Castela. Tendo desistido da conquista e restabelecido a paz, outra filha do duque, D. Catarina, casou com Henrique II, prncipe herdeiro da coroa de Castela. 47.3-8 ?Onde as foras magnnimas provara / Dos companheiros, e benigna estrela?: onde experimentara a generosidade das foras dos seus aliados e a sua boa sorte; ?No menos nesta terra exprimentara / Namorados afeitos, ...?: tambm viu que os Portugueses eram dados a sentimentos amorosos quando viu o rei de tal modo apaixonado pela filha do duque que com ela veio a casar. Ort.:fermosas (porformosas ); Ingrs (por Ingls); exprimentara (por experimentara); afeitos (por afectos). 291 ----------------------- Page 339----------------------- OS LUSADAS 48.1-4 ?Este, que socorrer-lhe no queria?: socorr-las (as damas inglesas); ?Do Reino l das terras Iberinas?: das terras da Ibria. 50.1-6 ?Destarte as aconselha o Duque experto?: experimentado; ?Qual a qual tem cado das consortes?: qual (cavaleiro) a qual (das companheiras) tem cado a sorte. 51.2 ?Toda a corte alvoroa a novidade?: a notcia. 52.1-7 ?L na leal cidade ...?: no Porto; ?... o que tem o leme do governo?: o rei D. Joo I; ?Apercebem-se os doze, ...?: aprestam-se; ?De elmos, cimeiras, letras e primores?: elmo, espcie de capacete de cavaleiro com viseira e crista; cimeira, ornamento do cimo do capacete; letras, motos ou palavras breves que caracterizam as divisas. 53-4-7 ?Foram do Duque Ingls exprimentado?: o experto da est. 50.1-6; ?Mas um s, que Magrio se dizia?: lvaro Gonalves Coutinho, irmo do 1. conde de Marialva e filho de Gonalo Vaz Coutinho, 1. marechal de Portugal. A famlia era de Penedono. O Magrio foi camarista de Joo, o Sem-Pavor, duque de Borgonha. 54.4-5 ?... e vrias manhas?: vrios costumes; ?Agora que aparelho certo vejo?: agora que vejo os aprestos certos. 55.1-4 E quando caso for que eu, ... / ... / No for?: assimilao de tempos por ?E quando caso for ... que eu no seja?; ?Por Quem das cousas ltima linha?: JMR, EN: ?Pela vontade de Deus?; ED, a morte; ?Poucafalta vos faz afalta minha?: ED chama a ateno para o trocadilho. Ort.: esprito (por esprito). 56.3-8 ?... vendo antigos / Lugares que ganhara o ptrio Marte?: 292 ----------------------- Page 340----------------------- OS LUSADAS impossvel de determinar a que lugares se refere o Poeta. MR diz que talvez seja aluso s vitrias dos Portugueses no tempo de D. Joo I com o duque de Lencastre; ?No grande emprio foi parar de Frandes?: a cidade de Bruges. Ort.: Perineo (por Pirenus); Frandes (por Flandres). 57.1-4 ?Ali chegado, ou fosse caso ou manha?: casualidade ou astcia; ?... a ilustrssima companha / Cortam ...?: companha, companhia. V. concordncia do predicado, no plural, com o sujeito (colectivo), no singular. 58.3-7 ?Que pelo Rei ...?: que por meio do rei; ?O Mavorte feroz ...?: simboliza os cavaleiros portugueses; ?Vestem-se elas de cores e de sedas?: vestem-se de sedas de vrias cores (JMR e ALV, EN, hendadis). Ort.: arman-se, na edio princeps (por armam-se). 59.5-7 ?... que acabado / Ser o negcio assi na corte Inglesa, / Que as damas vencedoras se conheam?: que o negcio ser acabado na corte inglesa de modo que as damas por vencedoras se conheam. 60.1-5 ?J num sublime e pbrico teatro?: j num alto palanque destinado ao pblico; ?se assenta o Rei ingls ...?: Ricardo II; ?... do Tejo ao Batro?: do Poente ao Oriente (o Bactro um afluente do Oxo, que passa por Bactra, na Bactriana). V. II.53.6-8. 61.2 ?... com feroz sembrante?: com feroz aspecto. 63.1-4 ?A dama, como ouviu ...?: a dama, assim que ouviu; ?Se alegra e veste ali do animal de Hele?: veste-se ali do velo do animal de Hele, isto , de oiro (v. III.12.1-4); ?Que a gente bruta ...?: que a gente rude, selvagem. Ort.: abaxam (por abaixam). 293 ----------------------- Page 341----------------------- OS LUSADAS 64.2-5 ?Que faz que o cho debaixo todo treme?: por todo trema; ?Qual do cavalo voa, que no dece?: qual, em vez de descer do cavalo, voa. O que de dece pleonstico. 65.6-8 ?... j fora vo do valo?: estacada que limitava o campo do torneio; ?Mais acham j que arns, escudo e malha?: acham a valentia dos Portugueses. 66.6 ?Que comfinezas altas ...?: primores de justa. 67 Ort.:fermosa (porformosa ). 68.3-8 ?... onde um servio / Notvel Condessa fez de Frandes?: vrias hipteses tm surgido sobre quem seria esta condessa, mas nada com fora probatria. MC conta que em Frana o Magrio livrou a condessa Madame Lianor de um aleive que lhe alevantou um alemo de nome Ranulfo, de Colnia, o qual matou em desafio na cidade de Dunquerque. Em Orlees tambm Magrio teria vencido em desafio Monsieur de Lansay diante de el-rei de Frana e lhe tirou um colar do pescoo; ?... que o destino / L teve de Torcato e de Corvino: Tito Mnlio na campanha contra os Gauleses em 361 a. C. matou em duelo um gauls de grande estatura, tirou-lhe o colar (?Jacentis inde corpus ab omni alia vexatione intactum uno torque spoliavit, quem respersum cruore coelo circumdedit suo.?) e adornou-se com ele, e da o cognome de Torquato (T. Lvio VII.9-10). Marco Valrio, ?tribunus militum adulescens?, no ano de 348 a. C., tambm matou em combate singular um gauls, tendo sido ajudado por um corvo que esvoaava em face do inimigo: ?Corvus repente in galea consedit, in hostem versus? (T. Lvio, VII.26). 69.1 ?Outro tambm dos doze em Alemanha?: MC diz que foi lvaro Vaz de Almada que em Basileia lutou com um alemo. O alemo saiu-se com uma arma secreta que levava escondida, com um gancho, pelo qual aferrou em um ombro de Vaz de Almada, que lhe 294 ----------------------- Page 342----------------------- OS LUSADAS rompeu o arns e o feriu na carne. Neste aperto o nosso compatriota ferrou-se com o alemo, deitou-lhe as mos s guelas e de tal modo lhas apertou que lhe fez perder a vida. Todas estas proezas ficam por conta do sentido histrico de MC. 70.1-8 ?... assi prontos estando?: estando assim atentos; ?E, porque o vento vinha refrescando?: e porque o vento se tornava mais forte; ?Os traquetes das gveas tomar manda?: ?segundo Esparteiro, DIM, antigamente as gveas eram chamadas traquetes das gveas. So as duas velas sobranceiras aos paga-figos, sendo a de vante denominada velacho, e a do grande,gvea ?; ?... tomar manda?: como a fora do vento aumentasse, o mestre mandou ferrar (colher, amarrar) as duas gveas (velacho e gvea); ?... que o vento crece / Daquela nuvem negra que aparece!?: sinal de temporal. Ort.: crece (por cresce). 71 Ort.: indinados (por indignados). 72.4 ?Toma gro suma d? gua ...?: toma grande quantidade de gua. 73.3-7 ?Os balanos que ... / Deram nau, num bordo os derribaram?: com a violncia das ondas os soldados so atirados de encontro a uma das amuradas; a nau a S. Gabriel; ?Talhas lhe punham, ...?: no chegando trs marinheiros para manter o leme nos rumos desejados, so auxiliados pelos companheiros que manobram as talhas, movimentando a cana do leme. Armando as talhas, o leme manejado com menos esforo. A talha, ou podia ser a corda que se prende cana do leme do navio, para governar melhor, ou o aparelho de fora composto por um cadernal de dois gornes e um moito (talha singela) ou por dois cadernais de dois gornes (talha dobrada). Os moites ou cadernais so ligados por cabos (cordas). Ort.: creceram (por cresceram). 74.8 ?Vendo ...?: vendo-se. 295 ----------------------- Page 343----------------------- OS LUSADAS 75.1-6 ?A nau grande, em que vai Paulo da Gama?: a nau S. Rafael; ?Toda a nau de Coelho?: a Brrio. Ort.: masto (por mastro). 76.4-5 ?As ntimas entranhas do Profundo?: do Inferno; ?Noto, Austro, Breas, quilo, ...?: Noto (??t??) e Austro, ventos do sul; Breas (???a?) e quilo, ventos do nordeste. 77.1-5 ?As Alcinias aves triste canto?: Alcone, filha de olo, rei dos ventos. Seu marido, Cece, teve de ir consultar um orculo. Surpreendido por uma tempestade, teve o navio destrudo e ele prprio se afogou. O corpo acabou por dar costa, onde sua mulher o descobriu. De desespero, ela transforma-se em alcio, enquanto descobre o corpo de seu marido. Os deuses, compadecidos, mudaram-nos em aves a ambos. A histria vem belamente contada por Ov., M, XI.410-748; ?Os delfins namorados ...?: os golfinhos. 78.3-8 ?O gro ferreiro srdido ...? Vulcano; ?... que obrou / Do enteado as armas radiantes: Eneias, filho de Anquises, que, guardando rebanhos no monte Ida, foi amado de Vnus, era enteado de Vulcano, por este ser o marido da deusa. A rogo desta, Vulcano forjou as armas para Eneias; ?No gro dilvio ...?: refere-se ao dilvio de que participaram Deucalio e Pirra. Zeus decidiu enviar ao mundo um grande dilvio, poupando os dois justos, Deucalio e Pirra. Construda a ?arca?, a conselho de Prometeu, nela flutuaram durante nove dias e nove noites, acabando por abordar s montanhas da Tesslia. Para obterem companheiros foram aconselhados por Zeus a lanar por cima dos ombros ?os ossos de suas mes?, que Deucalio interpretou as pedras da Terra, me universal. E assim nasceram homens e mulheres. 79 Ort.: indinadas (por indignadas). 80.4-6 ?Ora com nova fria ...?: ora que com nova fria; ?Onde nenhum 296 ----------------------- Page 344----------------------- OS LUSADAS ...?: quando. Ort.: impossbil, latinismo (por impossvel). 81.4-8 ?Por metade das guas Eritreias?: pelo meio das ...; ?Tu, que livraste Paulo e o defendeste?: ?E sendo o navio arrebatado, e no podendo, ir contra o vento, ramos levados, entregue o navio discrio dos ventos. E, arrojados da corrente a uma pequena ilha, que se chama Cauda, apenas nos podemos assenhorear do bote. Tendo-o trazido a ns, se valiam de todos os meios, cingindo o navio, temerosos de dar na Sirte ...? (Actos dos Apstolos, XXVII, 15-17); ?... o segundo / Povoador do alagado e vcuo mundo?: No. 82.2-4 ?Doutra Cila e Carbdis j passados?: v. II.45.6; ?Outros Acrocerunios infamados?: cordilheira ao longo da costa do Epiro. Termina em promontrio perigoso para a navegao, donde o epteto de ?infamado?, isto , de triste fama. ?A Lacinio promunturio secundus Europae sinus incipit magno ambitu flexus et Acroceraunio Epiri finitus promunturio? (Plnio, III.XI.97). 83.1-7 ?Oh ditosos aqueles ...?: recorda os versos da Eneida (I.94-96): ?O terque quaterque beati, / quis ante ora patrum Troiae sub moenibus altis / contigit oppetere!?; ?De quem se ganha a vida com perd-la?: de quem se alcana a imortalidade, perdendo a vida. 84.4-6 ?Pela mida enxrcia assoviando?: a enxrcia so os cabos que aguentam os mastros e mastarus; ?Relmpados medonhos no cessavam, / Feros troves, relmpados e feros troves no cessavam. Ort.: exos, na edioprinceps (por eixos). 85.1-6 ?Mas j a amorosa Estrela cintilava?: Vnus uma estrela. Como estrela da manh, aparece ao romper do dia: ?mensageira do dia?; ?A Deusa que nos Cus a governava?: Vnus; ?De quem foge o ensfero Orionte?: a constelao mensageira da tempestade, o Orionte 297 ----------------------- Page 345----------------------- OS LUSADAS ensfero (isto , armado de espada), foge diante de Vnus, mensageira da bonana. Oron e Orio so as formas correctas. 86.3-8 ?To danada teno ...?: to danado propsito; ?Isto dizendo, dece ao mar aberto?: ao alto mar; ?Grinaldas nas cabeas pr de rosas?: pr nas cabeas grinaldas de rosas. Ort.: dece (por desce). 87.2-6 ?Sobre cabelos louros a porfia?: diligentemente, em profuso; ?Dos ventos a nojosa companhia?: repugnante companhia. Ort.: nacem (por nascem);fermosas (porformosas ). 88.2.4.5 Lhe, por lhes. 88.8 ?Assi disse a belssima Oritia?: Oritia uma das Nereidas, e no a filha de Erecteu, rei de Atenas, raptada por Breas (v. Ov., M, VI.675-722). Hesodo no a cita entre as suas cinquenta Nereidas, mas Homero cita uma filha de Nereu com este nome (Ilada, XVIII.148). 90.1-5 ?... a fermosa Galateia?: outra das Nereidas; ?E bem cr que com ele tudo acabe?: cr conseguir de Noto o que pretende; ?No sabe o bravo ...?: o fero. Ort.:fermosa (porformosa ). 91.5-8 ?Ele lhe prometeu, ...?: lhes prometeu; ?Nas belas mos tomando-lhe homenagem / De lhe serem leais esta viagem?: os dois lhe esto por lhes. Vnus exige-lhes em juramento um preito de lealdade. 92.2-3 ?Por onde o Ganges murmurando soa?: o mais notvel rio da ndia, considerado sagrado pelos naturais; ?Quando da celsa gvea ...?: quando da alta ou area gvea (celsa latinismo). A gvea um cesto, espcie de plataforma, no alto de um mastro (de vante). A 20 de 298 ----------------------- Page 346----------------------- OS LUSADAS Maio chegavam os navegadores vista de Calecute (v. Castanheda, I.13) e dos primeiros / Mares ...?; dos mares j passados. 93.2-6 ?... que aparece?: liga-se a terra; ?De ledo em ver que a terra se conhece?: conhecida. Ort.:giolhos (porjoelhos ); agardeceu (por agradeceu). 94 Ort.: exprimentava (por experimentava). Asinha: depressa (arcaico). 95.8 ?Animais de Moscvia zibelinos?: isto , os animais de pele de zibelina. Variedade de marta, tambm chamada marta zibelina. No tempo de Cames Moscvia era certamente o centro comercial daqueles artigos. 97.5 ?... os torpes frios ...?: que entorpecem. O Poeta lembrou-se de torpidus (de torpeo) e no de turpis. 98.8 ?... virtude justa e dura?: merecimento. Ort.: baxo (por baixo); afeitos (por afectos). 299 ----------------------- Page 347----------------------- OS LUSADAS VII 1 J se viam chegados junto terra Que desejada j de tantos fora, Que entre as correntes ndicas se encerra E o Ganges, que no Cu terreno mora. Ora sus, gente forte, que na guerra Quereis levar a palma vencedora: J sois chegados, j tendes diante A terra de riquezas abundante! 2 A vs, gerao de Luso, digo, Que to pequena parte sois no mundo, No digo inda no mundo, mas no amigo Curral de Quem governa o Cu rotundo; Vs, a quem no smente algum perigo Estorva conquistar o povo imundo, Mas nem cobia ou pouca obedincia Da Madre que nos Cus est em essncia; 3 Vs, Portugueses, poucos quanto fortes, Que o fraco poder vosso no pesais; Vs, que, custa de vossas vrias mortes, A lei da vida eterna dilatais: Assi do Cu deitadas so as sortes Que vs, por muito poucos que sejais, Muito faais na santa Cristandade. Que tanto, Cristo, exaltas a humildade! 300 ----------------------- Page 348----------------------- OS LUSADAS 4 Vede'los Alemes, soberbo gado, Que por to largos campos se apacenta; Do sucessor de Pedro rebelado, Novo pastor e nova seita inventa; Vede'lo em feias guerras ocupado, Que inda co cego error se no contenta, No contra o superbssimo Otomano, Mas por sair do jugo soberano. 5 Vede'lo duro Ingls, que se nomeia Rei da velha e santssima Cidade, Que o torpe Ismaelita senhoreia (Quem viu honra to longe da verdade?), Entre as Boreais neves se recreia, Nova maneira faz de Cristandade: Pera os de Cristo tem a espada nua, No por tomar a terra que era sua. 6 Guarda-lhe, por entanto, um falso Rei A cidade Hieroslima terreste, Enquanto ele no guarda a santa Lei Da cidade Hieroslima celeste. Pois de ti, Galo indino, que direi? Que o nome Cristianssimo quiseste, No pera defend-lo nem guard-lo, Mas pera ser contra ele e derrib-lo! 7 Achas que tens direito em senhorios De Cristos, sendo o teu to largo e tanto, E no contra o Cinfio e Nilo rios, Inimigos do antigo nome santo? Ali se ho-de provar da espada os fios Em quem quer reprovar da Igreja o canto. De Carlos, de Lus, o nome e a terra Herdaste, e as causas no da justa guerra? 301 ----------------------- Page 349----------------------- OS LUSADAS 8 Pois que direi daqueles que em delcias, Que o vil cio no mundo traz consigo, Gastam as vidas, logram as divcias, Esquecidos do seu valor antigo? Nascem da tirania inimiccias, Que o povo forte tem, de si inimigo. Contigo, Itlia, falo, j sumersa Em vcios mil, e de ti mesma adversa. 9 mseros Cristos, pola ventura Sois os dentes, de Cadmo desparzidos, Que uns aos outros se do morte dura, Sendo todos de um ventre produzidos? No vedes a divina Sepultura Possuda de Ces, que, sempre unidos, Vos vm tomar a vossa antiga terra, Fazendo-se famosos pela guerra? 10 Vedes que tm por uso e por decreto, Do qual so to inteiros observantes, Ajuntarem o exrcito inquieto Contra os povos que so de Cristo amantes; Entre vs nunca deixa a fera Aleto De samear ciznias repugnantes. Olhai se estais seguros de perigos, Que eles, e vs, sois vossos inimigos. 11 Se cobia de grandes senhorios Vos faz ir conquistar terras alheias, No vedes que Pactolo e Hermo rios Ambos volvem aurferas areias? Em Ldia, Assria, lavram de ouro os fios; frica esconde em si luzentes veias; Mova-vos j, sequer, riqueza tanta, Pois mover-vos no pode a Casa Santa. 302 ----------------------- Page 350----------------------- OS LUSADAS 12 Aquelas invenes, feras e novas, De instrumentos mortais da artelharia J devem de fazer as duras provas Nos muros de Bizncio e de Turquia. Fazei que torne l s silvestres covas Dos Cspios montes e da Ctia fria A Turca gerao, que multiplica Na polcia da vossa Europa rica. 13 Gregos, Traces, Armnios, Georgianos, Bradando vos esto que o povo bruto Lhe obriga os caros filhos aos profanos Preceptos do Alcoro (duro tributo!). Em castigar os feitos inumanos Vos gloriai de peito forte e astuto, E no queirais louvores arrogantes De serdes contra os vossos mui possantes. 14 Mas, entanto que cegos e sedentos Andais de vosso sangue, gente insana, No faltaro Cristos atrevimentos Nesta pequena casa Lusitana: De frica tem martimos assentos; na sia mais que todas soberana; Na quarta parte nova os campos ara; E, se mais mundo houvera, l chegara. 15 E vejamos, entanto, que acontece queles to famosos navegantes, Despois que a branda Vnus enfraquece O furor vo dos ventos repugnantes; Despois que a larga terra lhe aparece, Fim de suas perfias to constantes, Onde vem samear de Cristo a lei E dar novo costume e novo Rei. 303 ----------------------- Page 351----------------------- OS LUSADAS 16 Tanto que nova terra se chegaram, Leves embarcaes de pescadores Acharam, que o caminho lhe mostraram De Calecu, onde eram moradores. Pera l logo as proas se inclinaram, Porque esta era a cidade, das milhores Do Malabar, milhor, onde vivia O Rei que a terra toda possua. 17 Alm do Indo jaz e aqum do Gange Um terreno mui grande e assaz famoso Que pela parte Austral o mar abrange E pera o Norte o Emdio cavernoso. Jugo de Reis diversos o constrange A vrias leis: alguns o vicioso Mahoma, alguns os dolos adoram, Alguns os animais que entre eles moram. 18 L bem no grande monte que, cortando To larga terra, toda sia discorre, Que nomes to diversos vai tomando Segundo as regies por onde corre, As fontes saem donde vm manando Os rios cuja gro corrente morre No mar ndico, e cercam todo o peso Do terreno, fazendo-o quersoneso. 19 Entre um e o outro rio, em grande espao Sai da larga terra ua longa ponta, Qusi piramidal, que, no regao Do mar, com Ceilo nsula confronta; E junto donde nasce o largo brao Gangtico, o rumor antigo conta Que os vizinhos, da terra moradores, Do cheiro se mantm das finas flores. 304 ----------------------- Page 352----------------------- OS LUSADAS 20 Mas agora, de nomes e de usana Novos e vrios so os habitantes: Os Deliis, os Patanes, que em possana De terra e gente, so mais abundantes; Decanis, Oris, que a esperana Tm de sua salvao nas ressonantes guas do Gange; e a terra de Bengala, Frtil de sorte que outra no lhe iguala; 21 O Reino de Cambaia belicoso (Dizem que foi de Poro, Rei potente); O Reino de Narsinga, poderoso Mais de ouro e pedras que de forte gente. Aqui se enxerga, l do mar undoso, Um monte alto, que corre longamente, Servindo ao Malabar de forte muro, Com que do Canar vive seguro. 22 Da terra os naturais lhe chamam Gate, Do p do qual, pequena quantidade, Se estende ua fralda estreita, que Do mar a natural ferocidade. Aqui de outras cidades, sem debate, Calecu tem a ilustre dignidade De cabea de Imprio, rica e bela; Samorim se intitula o senhor dela. 23 Chegada a frota ao rico senhorio, Um Portugus, mandado, logo parte A fazer sabedor o Rei gentio Da vinda sua a to remota parte. Entrando o mensageiro pelo rio Que ali nas ondas entra, a no vista arte, A cor, o gesto estranho, o trajo novo, Fez concorrer a v-lo todo o povo. 305 ----------------------- Page 353----------------------- OS LUSADAS 24 Entre a gente que a v-lo concorria, Se chega um Mahometa, que nascido Fora na regio da Berberia, L onde fora Anteu obedecido. (Ou, pela vezinhana, j teria O Reino Lusitano conhecido, Ou foi j assinalado de seu ferro; Fortuna o trouxe a to longo desterro). 25 Em vendo o mensageiro, com jocundo Rosto, como quem sabe a lngua Hispana, Lhe disse: ? Quem te trouxe a estoutro mundo, To longe da tua ptria Lusitana? ? Abrindo (lhe responde) o mar profundo Por onde nunca veio gente humana; Vimos buscar do Indo a gro corrente, Por onde a Lei divina se acrecente. 26 Espantado ficou da gro viagem O Mouro, que Monaide se chamava, Ouvindo as opresses que na passagem Do mar o Lusitano lhe contava. Mas vendo, enfim, que a fora da mensagem S pera o Rei da terra relevava, Lhe diz que estava fora da cidade, Mas de caminho pouca quantidade; 27 E que, entanto que a nova lhe chegasse De sua estranha vinda, se queria, Na sua pobre casa repousasse E do manjar da terra comeria; E despois que se um pouco recreasse, Co ele pera a armada tornaria, Que alegria no pode ser tamanha Que achar gente vizinha em terra estranha. 306 ----------------------- Page 354----------------------- OS LUSADAS 28 O Portugus aceita de vontade O que o ledo Monaide lhe oferece; Como se longa fora j a amizade, Co ele come e bebe e lhe obedece. Ambos se tornam logo da cidade Pera a frota, que o Mouro bem conhece. Sobem capitaina, e toda a gente Monaide recebeu benignamente. 29 O Capito o abraa, em cabo ledo, Ouvindo clara a lngua de Castela; Junto de si o assenta e, pronto e quedo, Pela terra pergunta e cousas dela. Qual se ajuntava em Rdope o arvoredo, S por ouvir o amante da donzela Eurdice, tocando a lira de ouro, Tal a gente se ajunta a ouvir o Mouro. 30 Ele comea: ? gente, que a Natura Vizinha fez de meu paterno ninho, Que destino to grande ou que ventura Vos trouxe a cometerdes tal caminho? No sem causa, no, oculta e escura, Vir do longinco Tejo e ignoto Minho, Por mares nunca doutro lenho arados, A Reinos to remotos e apartados. 31 Deus, por certo, vos traz, porque pretende Algum servio seu por vs obrado; Por isso s vos guia e vos defende Dos imigos, do mar, do vento irado. Sabei que estais na ndia, onde se estende Diverso povo, rico e prosperado De ouro luzente e fina pedraria, Cheiro suave, ardente especiaria. 307 ----------------------- Page 355----------------------- OS LUSADAS 32 Esta provncia, cujo porto agora Tomado tendes, Malabar se chama; Do culto antigo os dolos adora, Que c por estas partes se derrama; De diversos Reis , mas dum s fora Noutro tempo, segundo a antiga fama: Saram Perimal foi derradeiro Rei que este Reino teve unido e inteiro. 33 Porm, como a esta terra ento viessem De l do seio Arbico outras gentes Que o culto Mahomtico trouxessem, No qual me instituram meus parentes, Sucedeu que, prgando, convertessem O Perimal; de sbios e eloquentes, Fazem-lhe a Lei tomar com fervor tanto Que pros[s]ups de nela morrer santo. 34 Naus arma e nelas mete, curioso, Mercadoria que oferea, rica, Pera ir nelas a ser religioso Onde o Profeta jaz que a Lei pubrica. Antes que parta, o Reino poderoso Cos seus reparte, porque no lhe fica Herdeiro prprio; faz os mais aceitos Ricos, de pobres; livres, de sujeitos. 35 A um Cochim e a outro Cananor, A qual Chale, a qual a Ilha da Pimenta, A qual Coulo, a qual d Cranganor, E os mais, a quem o mais serve e contenta. Um s moo, a quem tinha muito amor, Despois que tudo deu, se lhe apresenta: Pera este Calecu smente fica, Cidade j por trato nobre e rica. 308 ----------------------- Page 356----------------------- OS LUSADAS 36 Esta lhe d, co ttulo excelente De Emperador, que sobre os outros mande. Isto feito, se parte diligente Pera onde em santa vida acabe e ande. E daqui fica o nome de potente amori, mais que todos dino e grande, Ao moo e descendentes, donde vem Este que agora o Imprio manda e tem. 37 A Lei da gente toda, rica e pobre, De fbulas composta se imagina. Andam nus e smente um pano cobre As partes que a cobrir Natura ensina. Dous modos h de gente, porque a nobre Naires chamados so, e a menos dina Poles tem por nome, a quem obriga A Lei no mesturar a casta antiga; 38 Porque os que usaram sempre um mesmo ofcio, De outro no podem receber consorte; Nem os filhos tero outro exerccio Seno o de seus passados, at morte. Pera os Naires , certo, grande vcio Destes serem tocados; de tal sorte Que, quando algum se toca porventura, Com cerimnias mil se alimpa e apura. 39 Desta sorte o judaico povo antigo No tocava na gente de Samria. Mais estranhezas inda das que digo Nesta terra vereis de usana vria. Os Naires ss so dados ao perigo Das armas; ss defendem da contrria Banda o seu Rei, trazendo sempre usada Na esquerda a adarga e na direita a espada. 309 ----------------------- Page 357----------------------- OS LUSADAS 40 Brmenes so os seus religiosos, Nome antigo e de grande preminncia; Observam os preceitos to famosos Dum que primeiro ps nome cincia; No matam cousa viva e, temerosos, Das carnes tm grandssima abstinncia. Smente no Venreo ajuntamento Tm mais licena e menos regimento. 41 Gerais so as mulheres, mas smente Pera os da gerao de seus maridos (Ditosa condio, ditosa gente, Que no so de cimes ofendidos!) Estes e outros costumes vriamente So pelos Malabares admitidos. A terra grossa em trato, em tudo aquilo Que as ondas podem dar, da China ao Nilo. 42 Assi contava o Mouro; mas vagando Andava a fama j pela cidade Da vinda desta gente estranha, quando O Rei saber mandava da verdade. J vinham pelas ru as caminhando, Rodeados de todo sexo e idade, Os principais que o Rei buscar mandara O Capito da armada que chegara. 43 Mas ele, que do Rei j tem licena Pera desembarcar, acompanhado Dos nobres Portugueses, sem detena Parte, de ricos panos adornado. Das cores a fermosa diferena A vista alegra ao povo alvoroado; O remo compassado fere frio Agora o mar, despois o fresco rio. 310 ----------------------- Page 358----------------------- OS LUSADAS 44 Na praia um regedor do Reino estava Que, na sua lngua, Catual se chama, Rodeado de Naires, que esperava Com desusada festa o nobre Gama. J na terra, nos braos o levava E num porttil leito ua rica cama Lhe oferece em que v (costume usado), Que nos ombros dos homens levado. 45 Destarte o Malabar, destarte o Luso, Caminham l pera onde o Rei o espera; Os outros Portugueses vo ao uso Que infantaria segue, esquadra fera. O povo que concorre vai confuso De ver a gente estranha, e bem quisera Perguntar; mas, no tempo j passado, Na Torre de Babel lhe foi vedado. 46 O Gama e o Catual iam falando Nas cousas que lhe o tempo oferecia; Monaide, entr' eles, vai interpretando As palavras que de ambos entendia. Assi pela cidade caminhando, Onde ua rica fbrica se erguia De um sumptuoso templo j chegavam, Pelas portas do qual juntos entravam. 47 Ali esto das Deidades as figuras, Esculpidas em pau e em pedra fria, Vrios de gestos, vrios de pinturas, A segundo o Demnio lhe fingia; Vm-se as abominveis esculturas, Qual a Quimera em membros se varia; Os cristos olhos, a ver Deus usados Em forma humana, esto maravilhados. 311 ----------------------- Page 359----------------------- OS LUSADAS 48 Um, na cabea cornos esculpidos, Qual Jpiter Amon em Lbia estava; Outro, num corpo rostos tinha unidos, Bem como o antigo Jano se pintava; Outro, com muitos braos divididos, A Briareu parece que imitava; Outro, fronte canina tem de fora, Qual Anbis Menftico se adora. 49 Aqui feita do brbaro Gentio A supersticiosa adorao, Direitos vo, sem outro algum desvio, Pera onde estava o Rei do povo vo. Engrossando-se vai da gente o fio Cos que vm ver o estranho Capito. Esto pelos telhados e janelas Velhos e moos, donas e donzelas. 50 J chegam perto, e no [com] passos lentos, Dos jardins odorferos fermosos, Que em si escondem os rgios apousentos, Altos de torres no, mas sumptuosos; Edificam-se os nobres seus assentos Por entre os arvoredos deleitosos: Assi vivem os Reis daquela gente, No campo e na cidade juntamente. 51 Pelos portais da cerca a sutileza Se enxerga da Dedlea facultade, Em figuras mostrando, por nobreza, Da ndia a mais remota antiguidade. Afiguradas vo com tal viveza As histrias daquela antiga idade, Que quem delas tiver notcia inteira, Pela sombra conhece a verdadeira. 312 ----------------------- Page 360----------------------- OS LUSADAS 52 Estava um grande exrcito, que pisa A terra Oriental que o Idaspe lava; Rege-o um capito de fronte lisa, Que com frondentes tirsos pelejava (Por ele edificada estava Nisa Nas ribeiras do rio que manava), To prprio que, se ali estiver Semele, Dir, por certo, que seu filho aquele. 53 Mais avante, bebendo, seca o rio Mui grande multido da Assria gente, Sujeita a feminino senhorio De ua to bela como incontinente. Ali tem, junto ao lado nunca frio, Esculpido o feroz ginete ardente Com quem teria o filho competncia. Amor nefando, bruta incontinncia! 54 Daqui mais apartadas, tremulavam As bandeiras de Grcia gloriosas (Terceira Monarquia), e sojugavam At as guas Gangticas undosas. Dum capito mancebo se guiavam, De palmas rodeado valerosas, Que j no de Filipo, mas, sem falta, De prognie de Jpiter se exalta. 55 Os Portugueses vendo estas memrias, Dizia o Catual ao Capito: ? Tempo cedo vir que outras vitrias Estas que agora olhais abatero; Aqui se escrevero novas histrias Por gentes estrangeiras que viro; Que os nossos sbios magos o alcanaram Quando o tempo futuro especularam. 313 ----------------------- Page 361----------------------- OS LUSADAS 56 E diz-lhe mais a mgica cincia Que, pera se evitar fora tamanha, No valer dos homens resistncia, Que contra o Cu no val da gente manha; Mas tambm diz que a blica excelncia, Nas armas e na paz, da gente estranha Ser tal, que ser no mundo ouvido O vencedor por glria do vencido. 57 Assi falando, entravam j na sala Onde aquele potente Emperador Nua camilha jaz, que no se iguala De outra algua no preo e no lavor. No recostado gesto se assinala Um venerando e prspero senhor; Um pano de ouro cinge, e na cabea De preciosas gemas se aderea. 58 Bem junto dele, um velho reverente, Cos giolhos no cho, de quando em quando Lhe dava a verde folha da erva ardente, Que a seu costume estava ruminando. Um Brmene, pessoa preminente, Pera o Gama vem com passo brando, Pera que ao grande Prncipe o apresente, Que diante lhe acena que se assente. 59 Sentado o Gama junto ao rico leito, Os seus mais afastados, pronto em vista Estava o Samori no trajo e jeito Da gente, nunca de antes dele vista. Lanando a grave voz do sbio peito, Que grande autoridade logo aquista Na opinio do Rei e do povo todo, O Capito lhe fala deste modo: 314 ----------------------- Page 362----------------------- OS LUSADAS 60 ? Um grande Rei, de l das partes onde O Cu volbil, com perptua roda, Da terra a luz solar co a Terra esconde, Tingindo, a que deixou, de escura noda, Ouvindo do rumor que l responde O eco, como em ti da ndia toda O principado est e a majestade, Vnculo quer contigo de amizade. 61 E por longos rodeios a ti manda Por te fazer saber que tudo aquilo Que sobre o mar, que sobre as terras anda, De riquezas, de l do Tejo ao Nilo, E desd' a fria plaga de Gelanda At bem donde o Sol no muda o estilo Nos dias, sobre a gente de Etipia, Tudo tem no seu Reino em grande cpia. 62 E se queres, com pactos e lianas De paz e de amizade, sacra e nua, Comrcio consentir das abondanas Das fazendas da terra sua e tua, Por que cream as rendas e abastanas (Por quem a gente mais trabalha e sua) De vossos Reinos, ser certamente De ti proveito, e dele glria ingente. 63 E sendo assi que o n desta amizade Entre vs firmemente permanea, Estar pronto a toda adversidade Que por guerra a teu Reino se oferea, Com gente, armas e naus, de qualidade Que por irmo te tenha e te conhea; E da vontade em ti sobr' isto posta Me ds a mi certssima resposta. 315 ----------------------- Page 363----------------------- OS LUSADAS 64 Tal embaxada dava o Capito, A quem o Rei gentio respondia Que, em ver embaxadores de nao To remota, gro glria recebia; Mas neste caso a ltima teno Com os de seu conselho tomaria, Informando-se certo de quem era O Rei e a gente e terra que dissera; 65 E que, entanto, podia do trabalho Passado ir repousar; e em tempo breve Daria a seu despacho um justo talho, Com que a seu Rei reposta alegre leve. J nisto punha a noite o usado atalho s humanas canseiras, por que ceve De doce sono os membros trabalhados, Os olhos ocupando, ao cio dados. 66 Agasalhados foram juntamente O Gama e Portugueses no apousento Do nobre Regedor da ndica gente, Com festas e geral contentamento. O Catual, no cargo diligente De seu Rei, tinha j por regimento Saber da gente estranha donde vinha, Que costumes, que lei, que terra tinha. 67 Tanto que os gneos carros do fermoso Mancebo Dlio viu, que a luz renova, Manda chamar Monaide, desejoso De poder-se informar da gente nova. J lhe pergunta, pronto e curioso, Se tem notcia inteira e certa prova Dos estranhos, quem so; que ouvido tinha Que gente de sua ptria mui vizinha; 316 ----------------------- Page 364----------------------- OS LUSADAS 68 Que particularmente ali lhe desse Informao mui larga, pois fazia Nisso servio ao Rei, por que soubesse O que neste negcio se faria. Monaide torna: ? Posto que eu quisesse Dizer-te disto mais, no saberia; Smente sei que gente l de Espanha, Onde o meu ninho e o Sol no mar se banha. 69 Tem a lei dum Profeta que gerado Foi sem fazer na carne detrimento Da me, tal que por bafo est aprovado Do Deus que tem do Mundo o regimento. O que entre meus antigos vulgado Deles, que o valor sanguinolento Das armas no seu brao resplandece, O que em nossos passados se parece. 70 Porque eles, com virtude sobre-humana, Os deitaram dos campos abundosos Do rico Tejo e fresca Guadiana, Com feitos memorveis e famosos; E no contentes inda, e na Africana Parte, cortando os mares procelosos, Nos no querem deixar viver seguros, Tomando-nos cidades e altos muros. 71 No menos tm mostrado esforo e manha Em quaisquer outras guerras que aconteam, Ou das gentes belgeras de Espanha, Ou l dalguns que do Pirene deam. Assi que nunca, enfim, com lana estranha Se tem que por vencidos se conheam; Nem se sabe inda, no, te afirmo e asselo, Pera estes Anibais nenhum Marcelo. 317 ----------------------- Page 365----------------------- OS LUSADAS 72 E s' esta informao no for inteira Tanto quanto convm, deles pretende Informar-te, que gente verdadeira, A quem mais falsidade enoja e ofende; Vai ver-lhe a frota, as armas e a maneira Do fundido metal que tudo rende, E folgars de veres a polcia Portuguesa, na paz e na milcia. 73 J com desejos o Idoltra ardia De ver isto que o Mouro lhe contava; Manda esquipar batis, que ir ver queria Os lenhos em que o Gama navegava. Ambos partem da praia, a quem seguia A Naira gerao, que o mar coalhava; capitaina sobem, forte e bela, Onde Paulo os recebe a bordo dela. 74 Purpreos so os toldos, e as bandeiras Do rico fio so que o bicho gera; Nelas esto pintadas as guerreiras Obras que o forte brao j fizera; Batalhas tm campais aventureiras, Desafios cruis, pintura fera, Que, tanto que ao Gentio se apresenta, A tento nela os olhos apacenta. 75 Pelo que v pergunta; mas o Gama Lhe pedia primeiro que se assente E que aquele deleite que tanto ama A seita Epicureia experimente. Dos espumantes vasos se derrama O licor que No mostrara gente; Mas comer o Gentio no pretende, Que a seita que seguia lho defende. 318 ----------------------- Page 366----------------------- OS LUSADAS 76 A trombeta, que, em paz, no pensamento Imagem faz de guerra, rompe os ares; Co fogo o diablico instrumento Se faz ouvir no fundo l dos mares. Tudo o Gentio nota; mas o intento Mostrava sempre ter nos singulares Feitos dos homens que, em retrato breve, A muda poesia ali descreve. 77 Ala-se em p, co ele o Gama junto, Coelho de outra parte e o Mauritano; Os olhos pe no blico trasunto De um velho branco, aspeito venerando, Cujo nome no pode ser defunto Enquanto houver no mundo trato humano: No trajo a Grega usana est perfeita; Um ramo, por insgnia, na direita. 78 Um ramo na mo tinha... Mas, cego, Eu, que cometo, insano e temerrio, Sem vs, Ninfas do Tejo e do Mondego, Por caminho to rduo, longo e vrio! Vosso favor invoco, que navego Por alto mar, com vento to contrrio Que, se no me ajudais, hei grande medo Que o meu fraco batel se alague cedo. 79 Olhai que h tanto tempo que, cantando O vosso Tejo e os vossos Lusitanos, A Fortuna me traz peregrinando, Novos trabalhos vendo e novos danos: Agora o mar, agora experimentando Os perigos Mavrcios inumanos, Qual Cnace, que morte se condena, Nua mo sempre a espada e noutra a pena; 319 ----------------------- Page 367----------------------- OS LUSADAS 80 Agora, com pobreza avorrecida, Por hospcios alheios degradado; Agora, da esperana j adquirida, De novo mais que nunca derribado; Agora s costas escapando a vida, Que dum fio pendia to delgado Que no menos milagre foi salvar-se Que pera o Rei Judaico acrecentar-se. 81 E ainda, Ninfas minhas, no bastava Que tamanhas misrias me cercassem, Seno que aqueles que eu cantando andava Tal prmio de meus versos me tornassem: A troco dos descansos que esperava, Das capelas de louro que me honrassem, Trabalhos nunca usados me inventaram, Com que em to duro estado me deitaram. 82 Vede, Ninfas, que engenhos de senhores O vosso Tejo cria valerosos, Que assi sabem prezar, com tais favores, A quem os faz, cantando, gloriosos! Que exemplos a futuros escritores, Pera espertar engenhos curiosos, Pera porem as cousas em memria Que merecerem ter eterna glria! 83 Pois logo, em tantos males, forado Que s vosso favor me no falea, Principalmente aqui, que sou chegado Onde feitos diversos engrandea: Dai-mo vs ss, que eu tenho j jurado Que no no empregue em quem o no merea, Nem por lisonja louve algum subido, Sob pena de no ser agradecido. 320 ----------------------- Page 368----------------------- OS LUSADAS 84 Nem creiais, Ninfas, no, que fama desse A quem ao bem comum e do seu Rei Antepuser seu prprio interesse, Imigo da divina e humana Lei. Nenhum ambicioso que quisesse Subir a grandes cargos, cantarei, S por poder com torpes exerccios Usar mais largamente de seus vcios; 85 Nenhum que use de seu pode bastante Pera servir a seu desejo feio, E que, por comprazer ao vulgo errante, Se muda em mais figuras que Proteio. Nem, Camenas, tambm cuideis que cante Quem, com hbito honesto e grave, veio, Por contentar o Rei, no ofcio novo, A despir e roubar o pobre povo! 86 Nem quem acha que justo e que direito Guardar-se a lei do Rei severamente, E no acha que justo e bom respeito Que se pague o suor da servil gente; Nem quem sempre, com pouco experto peito, Razes aprende, e cuida que prudente, Pera taxar, com mo rapace e escassa, Os trabalhos alheios que no passa. 87 Aqueles ss direi que aventuraram Por seu Deus, por seu Rei, a amada vida, Onde, perdendo-a, em fama a dilataram, To bem de suas obras merecida. Apolo e as Musas, que me acompanharam, Me dobraro a fria concedida, Enquanto eu tomo alento, descansado, Por tornar ao trabalho, mais folgado. 321 ----------------------- Page 369----------------------- OS LUSADAS NOTAS 1.3-4 ?Que entre as correntes ndicas se encerra / E o Ganges, ...?: entre o Indo e o Ganges; ?... que no Cu terreno mora?: no paraso terreal. 2.3-6 ?... no amigo / Curral de Quem governa o Cu rotundo?: ainda pequena parte dentro do ?curral do Senhor?, dentro da Igreja Catlica; ?... no smente algum perigo?: nenhum perigo; ?... conquistar o povo imundo?: o povo maometano. 3.4 ?A lei da vida eterna dilatais?: dilatais a religio crist. 4.1-8 ?Vede?losAlemes, soberbo gado?: vede(s) los, ind. pr. do v. ver com a forma antiga lo(s). Soberbo gado, soberbo pelas razes apontadas em 4.3 e 4.8; ?Do sucessor de Pedro rebelado?: revoltado contra o Pontfice romano; ?Novo pastor e nova seita inventa?: o soberbo gado inventou novo pastor (Lutero, ? 1546) e nova seita (o protestantismo); ?Vede'lo em feias guerras ocupado?: vede(s) e lo, pronome referente a gado. As ?feias guerras? explicam-se pelo v. 8; ?... co cego error?: as doutrinas de Lutero; ?Mas por sair do jugo soberano?: parece que alude guerra dos protestantes contra Carlos V. Error e superbssimo so latinismos. Cf. soberbssimo em X.64.1. 5.1-6 ?Vede?lo duro Ingls, que se nomeia?: Henrique VIII; ?Rei da velha e santssima Cidade?: no parece absolutamente certo que o cruel Henrique VIII se intitulasse ?Rei de Jerusalm?, a no ser que tal ttulo pertencesse coroa inglesa; ?Nova maneira faz de Cristandade?: Henrique VIII estabeleceu a Igreja Anglicana. 322 ----------------------- Page 370----------------------- OS LUSADAS 6.1-5 ?Guarda-lhe, por entanto, um falso Rei?: o sulto da Turquia, que no guardava ?a santa Lei? da Jerusalm celeste; ?Pois de ti, Galo indino, que direi??: a poltica de Francisco I (Liga com os Turcos) foi muito censurada na Europa e, nomeadamente, em Portugal. Francisco I disputou ainda a Carlos V a coroa da Alemanha e teve lutas com a Itlia. Ort.: terreste (talvez por influncia de celeste). 7.3-7 ?E no contra o Cinfio e Nilo rios?: o Cinfio um rio da Lbia, que corre para o Mediterrneo. Em vez de disputar os senhorios de Cristos o ?Galo indino?, deveria disputar o senhorio de Cinfio (Mouros) e do Nilo (Turcos); ?Ali se ho-deprovar da espada os fios / Em quem quer reprovar da Igrega o canto?: o Poeta joga com os verbosprovar e reprovar. Continua a censurar a poltica de Francisco I: Em vez deprovar os fios da espada em Mouros e Otomanos, pretende reprovar a pedra fundamental da Igreja (o canto), que deve ser, aqui, o Cristo; ?De Carlos, de Lus, o nome e a terra / Herdaste, ...?: Carlos Magno e Lus IX (S. Lus). 8.1-6 ?Pois que direi daqueles que em delcias?: dirige-se o Poeta Itlia; ?Gastam as vidas, logram as divcias?: as riquezas; ?Nascem da tirania inimiccias, / Que o povo forte tem, de si inimigo?: FS comenta: ?... as quais tiranias ou inimizade procedente delas tem ou torna inimigo de si o povo forte.? Ort.: sumersa (por submersa). Latinismos: divcias e inimiccias. 9.1-6 ? mseros Cristos, ... / Sois os dentes, de Cadmo desparzidos?: sois os dentes desparzidos por Cadmo? Tendo de sacrificar a vaca que lhe indicou o local da cidade a construir (Tebas), Cadmo mandou alguns companheiros Fonte de Ares, guardada por um drago, que os devorou. Cadmo matou o drago. Atena apareceu-lhe e aconselhou-o a semear os dentes do animal, o que ele fez, e imediatamente da terra brotaram homens armados. Estes homens eram ameaadores e Cadmo imaginou lanar pedras para o meio deles. No vendo quem os feria, acusaram-se recprocamente e massacraram-se. Ficaram cinco, que ajudaram Cadmo a fundar Tebas; ?Sendo todos de um ventre produzidos??: figuradamente, dado que os 323 ----------------------- Page 371----------------------- OS LUSADAS dentes nasceram na terra; ?No vedes a divina Sepultura / Possuda de Ces ...?: Jerusalm ficou na posse do imprio otomano a partir de 1517. A indignao provocada pela posse do tmulo de Cristo em mos de ?ces? um tpico da poesia italiana: Petrarca, Ariosto, etc. S de Miranda referiu-se tambm a este assunto na gloga ?Clia?. V. FS. 10.5-6 ?Entre vs nunca deixa a fera Aleto / De samear ...?: Alecto uma das trs Frias; ?... ciznias repugnantes?: repugnantes, que lutam umas contra as outras (latinismo). Ort.: samear (por semear). 11.3-4 ?No vedes que Pactolo e Hermo rios?: Pactolo, rio da Ldia; Hermo, rio da Ldia, de que o Pactolo afluente. Ldia, provncia da sia Menor; ?Ambos volvem aurferas areias??: Juvenal: ?Et rutila Pactolus volvit arena? (FS). Ariosto fala no ?ouro fino? do Pactolo e do Hermo (FS). 12.4-8 ?Nos muros de Bizncio e de Turquia?: Bizncio, Constantinopla; ?Dos Cspios montes e da Ctia fria?: povo que habitava ao norte, entre o mar Cspio e a Tartria. Regio indeterminada, assim como indeterminada a situao dos montes Cspios; ?... que multiplica / Na polcia da vossa Europa rica?: a ?polcia? europeia. A sua civilizao era maculada pela presena dos Turcos, que se difundiam cada vez mais. 13.1-8 ?Gregos, Traces, Armnios, Georgianos?: continuando a dirigir-se aos divididos povos europeus, o Poeta chama a ateno para os ?feitos inumanos? (desumanos) do ?povo bruto? (selvagem), que obriga gregos, trcios, armnios e georgianos (ao sul do Cucaso) a educarem seus filhos nos preceitos do Alcoro. Preceptos (porpreceitos) latinismo. 14.3-7 ?No faltaro Cristos atrevimentos?: ED e JMR escreveramfaltaram. Mas o Poeta escreveu andais (v. 2), e no andastes. Os ?atrevimentos? 324 ----------------------- Page 372----------------------- OS LUSADAS dos Portugueses constituem uma actividade permanente (passada, presente e futura); ?Na quarta parte nova os campos ara?: no Brasil. 15.4 ?O furor vo dos ventos repugnantes?: como em VI.35.7 e VII.10.6; mas a ?fria? dos ?ventos repugnantes? tornou-se em ?furor vo? depois que Vnus, com a sua brandura, ?enfraqueceu? a fria dos ventos. Ort.: despois (por depois); perfias (porporfias); samear (por semear). 16.1 ?Tanto que nova terra se chegaram?: ?E ho piloto Guzarate disse a Vasco da Gama que aquela gente ero pescadores? (Castanheda, I.XIII). Vasco da Gama estava em Calecute aos 20 de Maio de 1498. 17.1-7 ?Alm do Indo jaz e aqum do Gange?: o Poeta traa os limites da ndia. Para o norte o ?Emdio? (Hemodus ou Emodus), parte do Himalaia; envolve-o a oriente e a ocidente o oceano ndico (golfo de Bengala a oriente e mar Arbico a ocidente); ?... alguns o vicioso / Mahoma, ...?: corrompido (na f). Cf. em I.2.3 ?as terras viciosas?. Ort.: milhor (por melhor). 18.1-8 ?L bem no grande monte que, cortando?: s pode tratar-se do Emdio cavernoso? ou Himalaia, donde saem as fontes do Indo e do Ganges; ?... e cercam todo o peso / Do terreno, fazendo-o quersoneso?: o Indo vem de norte para ocidente e o Ganges de norte para oriente. Toda a terra da ndia abaixo desses rios at ao ndico forma uma pennsula (quersoneso). ?A qual regio as correntes destes dous rios per hua parte, & o grde Oceano Indico per outra a cerco de maneira, q} quasi fica hua chersoneso? (Barros, I.IV.Vll). 19.1-8 ?Entre um e o outro rio, ... / Sai da larga terra ua longa ponta, / Qusi piramidal, ...?: desde as margens dos dois grandes rios a terra da ndia vem-se estreitando at tomar quase a forma de pirmide, cuja ponta confronta com a ilha de Ceilo; ?... o rumor antigo conta / Que os vizinhos, ... / Do cheiro se mantm das finas flores?: na 325 ----------------------- Page 373----------------------- OS LUSADAS composioQuerendo escrever um dia o Poeta refere a lenda nestes termos: Escrevem vrios autores, que, junto da clara fonte do Ganges, os moradores vivem do cheiro das flores que nacem naquele monte. Se os sentidos podem dar mantimento ao viver, no , logo, d? espantar, se estes vivem de cheirar, que viv?eu s de vos ver. (Rimas, mihi, p. 8) ?ad extremos fines Indiae ab oriente circa fontem Gangis Astomorum gentem sine ore, corpore toto hirtam, vestiri frondium lanugine, halitu tantum viventem et odore quem naribus trahant; nullum illis cibum nullumque potum, radicum tantum florumque varios odores et silvestrium malorum, quae secum portant longiore itinere ne desit olfactus (Plnio, NH, VII.25). 20.3-7 ?Os Deliis, os Patanes ...?: os Deliis, os moradores de Deli; os Patanes, de Patna; ?Decanis, Oris, ...?: Decanis, os de Deco; Oris, povos ao longo do rio Ganges; ?... e a terra de Bengala?: a leste. Junto ao gangeticus sinus dos Antigos. Cap. Calcut. 21.1-8 ?O Reino de Cambaia belicoso?: ?Guzarate a que cmumente chamamos Cambaia? (Barros, I.IV.VII). Fica no golfo do mesmo nome; ?(Dizem que foi de Poro, Rei potente)?: Poro, rei do Panjabe, e no de Cambaia, vencido por Alexandre Magno; ?O Reino de Narsinga, poderoso?: MC diz: ?O Reyno de Narsinga chamado por outro nome Bisnag, da grandissima cidade Bisnaga cabea, & Metropoli do Reyno, pelo concurso & tratto de gente, & pela abundancia de todas as cousas necessarias ...?; ?Um monte alto, que corre longamente ...?: a cadeia do Gate, que corre de norte a sul pela costa do mar e sempre vista dele at ir acabar no cabo 326 ----------------------- Page 374----------------------- OS LUSADAS Comoti. ?Entre esta serra Gate & o mar?, diz MC, ?est uma cinta de terra que ser larga de dez Lguas (mais aqui, menos noutro lugar), a qual se chama Malabar e onde est situada a cidade Calecut.? ?Este Gate?, acrescenta MC, ?serve aos moradores do Malabar de muro & defenso contra os moradores do Reyno Bisnag (ou Canar).? Canar, reino ao sul do Deco. 22.1-3 ?Do p do qual,pequena quantidade ?: a pequena distncia; ?Se estende uafralda estreita ...?: a faixa de terra, ?ch e alagadia?, entre o p da ?corda de montes? e a costa do mar (v. Barros, I.IV.VII). 23.1-6 ?Chegada a frota ao rico senhorio / Um Portugus, mandado, logo parte?: ?Surto Vasco da Gama fora do arrecife de Calicut nas mesmas almadias que ho ali trouvero mandou hu dos degradados q} levava a Calicut? (Castanheda, I.XV); a no vista arte?: o singular aspecto. 24.1-4 ?Entre a gente que a v-lo concorria, / Se chega um Mahometa, ...?: Monaide, natural do reino de Tunes. Castanheda diz que foi o degradado que entrou em casa de Monaide (ou Btaibo); ?L onde fora Anteu obedecido?: v. III.77.4. 27.3-6 ?Na sua pobre casa repousasse / E do manjar da terra comeria; / E despois que se um pouco recreasse, / Co ele pera a armada tornaria?. ?E agasalhou ho, & mandoulhe dar de comer hus bolos de farinha de trigo, a que os Malabares chamo apas, & coeles mel. E despois que comeo, disselhe Btaibo q} se tornasse pera as naos, & q} iria coele a ver Vasco da gama, & assi ho fez? (Castanheda, I.XV). 29.1-7 ?O Capito o abraa, ...?: ?& Vasco da gama ho abraou, & o fez assentar a par de si (Castanheda, I.XV); ?... em cabo ledo?: extremamente ledo; ?Qual se ajuntava em Rdope o arvoredo?: o Poeta fala de Orfeu, marido, e no amante (?amante? no sentido de marido apaixonado), de Eurdice, que cantava de tal maneira que o arvoredo se juntava para o ouvir em Rdope (montanha da Trcia); 327 ----------------------- Page 375----------------------- OS LUSADAS ?... donzela / Eurdice ...?: o mesmo sentido que em III.127.2 e III.134.6. 30.6 Ort.: longinco (por longnquo). 31-3-7 ?Por isso s ...?: s por isso; ?Diverso povo, rico e prosperado / De ouro luzente ...?: povos diversos. Ort.: imigos (por inimigos). 32.1-7 ?Esta provncia, cujo porto agora / Tomado tendes ...?: o Monaide conta a histria de Saram Perimal, que vem em Barros, I.IX.III. Castanheda conta a histria, mas chama o rei Sarranaperima (v. I.XIII); ?Saram Perimal foi derradeiro?: devia estar ?o derradeiro? se a mtrica o consentisse. 33.2-6 ?De l do seio Arbico ...?: mar Roxo; ?... de sbios e eloquentes?: de tal modo sbios e eloquentes. Ort.:pros[s]ups (porpressups). 34.1-4 ?Naus arma e nelas mete, curioso?: cuidadoso (latinismo); ?Pera ir nelas a ser religioso / Onde o Profeta jaz que a Lei pubrica?. O Perimal determinou de ir morrer na casa de Meca (Castanheda, I.XIII). Ort.:pubrica (porpublica). 35.2 ?A qual Chale, a qual a Ilha da Pimenta?: foi a primeira aco guerreira do Poeta na ndia, como diz na Elegia I: Que ua ilha que o rei de Porc tem, que o rei da Pimenta lhe tomara, fomos tomar-lhe, e sucedeu-nos bem. ................................................... Era a ilha com guas alagada, 328 ----------------------- Page 376----------------------- OS LUSADAS de modo que se andava em almadias; enfim, outra Veneza trasladada. (Rimas, mihi, p. 236) Chale, povoao a duas lguas de Calecute. 35.4 ?E os mais, ...?: lugares? 36.4-6 ?... acabe e ande?:posterius prius: ande e acabe; ?E daqui fica o nome de potente / amori, mais que todos dino e grande?: ?esta ainda que pequena em termo [Calecute], quis dar a hum sobrinho a q} elle maior b? queria, & que de menino lhe servira de page c hu novo nome de potencia no secular sobre todolos outros, chamandolhe amorij, que entre elles quer dizer o que acerca de ns emperador? (Barros, I.IX.III). Ort.: dino (por digno). 37.1-2 ?A Lei da gente toda, rica e pobre, / De fbulas compostas se imagina?: parece composta de fbulas, parece fabulosa. Ort.: mesturar (por misturar). 38.5-7 ?Pera os Naires , certo, grande vcio / Destes serem tocados; ...?: tocados dospoles, que a raa nfima: ?E os vilos sam obrigados quando vo polas estradas de ir bradando que vo, porque se os Naires vierem lhes digo que se afastem do caminho: e se ho assi n fazem matnos os Naires? (Castanheda, I.XIIII); ?... de tal sorte / Que, quando algum se toca porventura?: que quando algum tocado por acaso. 39.1-2 ?Desta sorte o Judaico povo antigo / No tocava na gente de Samaria?: ?Veio uma mulher de Samaria a tirar gua. Disse-lhe Jesus: ? ?D-me de beber [...]? Disse-lhe logo aquela mulher samaritana: ? ?Como, tu, sendo judeu, me pedes de beber a mim, que sou mulher samaritana??, porque os judeus no comunicam com os 329 ----------------------- Page 377----------------------- OS LUSADAS samaritanos.? (?S. Joo?, IV.7-9); ?Os Naires ss so dados ao perigo / Das armas; ...?: ?A g?te de peleja q} tem el Rey de Calicut, & assi os reys do Malabar sam Naires, q} sam todos fidalgos, & no tem outro officio se no pelejar quando he necessario.? (Castanheda, I.XIIII). 40.4 ?Dum que primeiro ps nome cincia?: Pitgoras (do sculo VI a. C.), que sabedoria chamou filosofia. O Poeta diz que os Brmenes observam os preceitos em vigor entre os pitagricos, um dos quais era a abstinncia de carnes. Ort.:preminncia (porpreeminncia). 41.1-7 ?Gerais so as mulheres, mas smente / Pera os da gerao de seus maridos?: ?os quais sendo do maes nobre sangue de todo o gentio na opinio delles, podesse chamar filhos do vulgo: ca no lhe sabem certo pae, por as molheres dos Naires serem commuas aos de suas dignidades. Porem esta lei no se guarda acerca dos mui nobres, somente entre o povo delles: & he to geral que despois que hua molher deste sangue dos Naires he de idade de dez annos em que se ha por apta de ter maridos ...: pode dar entrada em sua casa a quantos Naires quiser, & tambem aos Brammanes que so os seus religiosos? (Barros, I.LIX.III); ?A terra grossa em trato, de grande comrcio. 43.1-8 ?Mas ele, que do Rei j tem licena / Pera desembarcar, ...?: ?Estando neste porto derlhe hu recado do Catual de Calicut, que he como corregedor da corte, que ele era vindo a Pandarane, com outros homes nobres por mandado del rey pera ho acompanharem ate Calicut q} podia desembarcar qudo quisesse? (Castanheda, I.XVI); ?O remo compassado ferefrio ?: com serenidade, devagar. Ort.:fermosa (porformosa ); despois (por depois). 44.1-7 ?Na praia um regedor do Reino estava?: ?embarcou-se Vasco da Gama com os doze q} ? digo ... que sempre foro tang?do ? ate ele chegar a terra de ho Catual ho estava esperando acompanhado de duzentos Naires? (Castanheda, I.XVI); ?E numporttil leito ua rica 330 ----------------------- Page 378----------------------- OS LUSADAS cama / Lhe oferece ...?: andor; ?& despois de recebido foy tomado em hu andor que lhe mandava el Rey de Calicut? (Castanheda, I.XVI). 45.8 ?Na Torre de Babel lhe foi vedado?: o povo no entendia os Portugueses, por motivo da confuso de lnguas na Torre de Babel. 46.5-6 ?Assi pela cidade caminhando?: o Poeta suprime a jornada pelo rio depois que Vasco da Gama desembarcou e comeu em terra. Embarcando-se numa jangada, tornou a desembarcar mais adiante e a retomar o andor at que o catual o levou a um pagode dos seus dolos; ?Onde ua rica fbrica se erguia?: era o pagode, tomado primeira vista por um templo cristo. ?E parecedo assi a Vasco da Gama, assentou-se em giolhos, & os nossos coele & fizero orao? a uma imagem que diziam de Santa Maria (Castanheda, I.XVI), 47.1-6 ?Ali esto das Deidades as figuras?: ?E indo por esta igreja viro muytas imag?s pintadas pelas paredes, & delas tinho tamanhos dentes que lhe sayo da boca hua polegada, & outras tinho quatro braos & eram feas do rosto que parecim diabos: o q} pos algua duvida nos nossos de crerem quee era igreja de Christos? (Castanheda, I.XVI); ?Vrios, de gestos ...?: por vrias. O Poeta teve em mente deuses; ?Qual aQuimera em membros se varia?: monstro que vomita fogo de trs cabeas, metade leo, metade cabra e a cauda de um drago. 48.1-2 ?Um, na cabea cornos esculpidos, / Qual Jpiter Amon era Lbia estava?: Duxque gregis ?dixit? fit Jupiter, unde recurvis Nunc quoque formatus Libys est cum cornibus Ammon (Ov., M, V.327-328) 48-3-8 ?Outro, num corpo rostos tinha unidos, / Bem como o antigoJano 331 ----------------------- Page 379----------------------- OS LUSADAS se pintava?:Jano, um dos mais antigos deuses de Roma, que se representava provido de dois rostos opostos, um olhando para diante e o outro para trs; ?Outro, ... / A Briareu parece que imitava?: Briareu ou Egon, gigante de cem braos; ?Qual Anbis Menftico se adora?: deus egpcio que acompanhava os mortos para as regies infernais. Menftico, de Mnfis. 49.1-2 ?Aqui feita do brbaro Gentio / A supersticiosa adorao?: ?E ho Catual & os seus como foro dite da capela deitarse no cho de bruos com as mos por dite, & isto tres vezes, & despois levtarse & fizero orao ? p.? (Castanheda, I.XVI). 50.1-5 ?J chegam perto, e no [com] passos lentos / Dos jardins odorferos fermosos?: ?Os paos tirdo ser? terreos er muyto grdes, & parecio ser hu fermoso edificio, polos muytos arvoredos }q parecio pertre as casas, & estas ero de muytos & fermosos jardins q} avia dentro, ? q} avia muytas froles & ervas cheirosas, & tanques dagoa pera recreao del rey? (Castanheda, I.XVII); ?Edificam-se os nobres seus assentos?: esto edificados os seus assentos nobres. Ort.:fermosos (porformosos ); apousentos (por aposentos). 51.1-8 ?Pelos portais da cerca a subtileza / Se enxerga da Dedlea facultade?: enxerga-se pelos portais da cerca o engenho e o talento de Ddalo; ?Em figuras mostrando, por nobreza?: pela nobreza delas; ?Pela sombra conhece a verdadeira?: pela imagem. Ort.:facultade, por influncia do latim facultas, tatis; sutileza (por subtileza). 52.1-4 ?Estava um grande exrcito, que pisa / A terra Oriental ...?: refere- se expedio de Baco ndia; ?... que o Hidaspe lava?: grande rio da ndia, afluente do Indo; ?Rege-o um capito defronte lisa?: ainda jovem; ?Que com frondentes tirsos pelejava?: o tirso, basto encimado por uma pinha e enfeitado com folhas de hera ou pmpanos de videira. O tirso atributo de Baco. 332 ----------------------- Page 380----------------------- OS LUSADAS 52.5 ?Por ele edificada estava Nisa?: ?Alexandre penetrou na regio que se estende entre o Cofen e o Indo, onde se encontra Nisa, fundada por Baco, vencedor dos ndios. Os habitantes de Nisa fizeram a Alexandre este discurso: ?Os Nseos te suplicam, Rei, que, em respeito a Dioniso, lhes permitas que vivam livres e autnomos, porque o mesmo Baco, ao regressar Grcia depois da gloriosa conquista da ndia, fundou com os aguerridos companheiros da sua viagem esta cidade, monumento perptuo de seus triunfos [...] Baco, em memria da sua ama de leite, chamou Nisa a esta cidade, Niseia a toda a comarca e ao monte que domina os seus baluartes, Mero para recordar a sua mtica gerao no msculo de Jpiter [... ] Enfim, para te provar que Baco foi o nosso fundador, citar-te-ei um s facto: a hera, desconhecida no resto da ndia, cresce abundantemente em nossa regio?? (Arriano, Histria das Expedies de Alexandre, V.I). V. ainda Plnio, VI.79, e Pompnio Mela, III.VII.51-52. Na Eneida, VI.804-805, diz Virglio: nec qui pampineis victor iuga flectit babenis Liber, agens ceiso Nysac de uertice tigris. 52.6-7 ?Nas ribeiras do rio que manava?: nas margens, certamente do Indo; ?Toprprio que, se ali estiver Semele?: to parecido. Smele, me de Baco. 53.3-5 ?Sujeita a feminino senhorio / De ua to bela como incontinente?: ?equum adamatum a Samiramide usque in coitum Juba auctor est? (Plnio, HN, VIII.155-156). ?Ad postremum cum concubitum filii petisset [Semramis], ab eodem interfecta est? (Just., 12), cit. por ED; ?Ali tem, junto ao lado nunca frio?: junto ao corao. 54-1-6 ?Daqui mais apartadas, tremulavam / As bandeiras da Grcia gloriosas / (Terceira Monarquia), ...?: tremulavam as bandeiras do imprio greco-macednio; ?... e sojugavam / At as guas Gangticas undosas?: e dominavam at as regies banhadas pelas guas agitadas do Ganges; ?Dum capito mancebo se guiavam?: (as bandeiras) eram guiadas por um capito mancebo, Alexandre, falecido com 32 anos; ?De palmas rodeado valerosas?: rodeado de 333 ----------------------- Page 381----------------------- OS LUSADAS palmas que consagram o seu valor. Ort.: sojugavam (por subjugavam); valerosas (por valorosas). O Poeta escreveu tremolavam. 54.7 ?Que j no de Filipo, ...?: filho de Filipe, Alexandre quis passar por filho de mon. ?Depois quis Alexandre visitar o templo de mon, na Lbia, para consultar o seu orculo, que passava por infalvel e ao qual haviam acudido tambm Perseu e Hrcules; aquele, enviado por Polidectes contra a Grgona; este, ao caminhar para a Lbia contra Anteu e para o Egipto contra Busris. Alexandre pretendia rivalizar em glria com estes heris, de quem descendia, e atribuir o seu nascimento a mon, j que as fbulas atribuam a Jpiter a paternidade de Hrcules e de Perseu? (Arriano, Histria das Expedies de Alexandre, III.III). 55.1-7 ?Os Portugueses vendo estas memrias, / Dizia o Catual ...?: enquanto os Portugueses viam estas memrias; ?Tempo cedo vir que outras vitrias / Estas ...?: tempo breve vir que outras vitrias abatero estas que agora olhais; ?Que os nossos sbios magos ...?: prpriamente, os sacerdotes da religio zorostrica; mgicos. Especularam, latinismo (porperscrutaram). 57.1-4 ?Assi falando, entravam j na sala / Onde aquele potente Emperador / Nua camilha jaz, que no se iguala / De outra ...?: ?De junto do qual se alevantou hu hom? de grande idade, que era o seu Brammane maior, vistido huas vestiduras brancas representando nellas & em sua idade & continncia ser homem religioso: & chegado ao meio da casa tomou Vasco da Gama pela mo & o foi appresentar ao Camorij. O qual estava no cabo da casa lanado em hua camilha cuberta de panos de seda, posto em hum leito a q} elles chamo catel: & elle vestido com hu pano d? algodo burnido com alguas rosas d? ouro batido semeadas per elle, & na cabea hua carapua de brocado alta a maneira de mitra cerrada, chea de perlas & pedraria, & per os braos & pernas q} estavo descobertos tinha braceletes d? ouro & pedraria. E a hua ilharga deste leito em q} jazia com a cabea posta sobre hua almofada de seda rasa com lavores d? ouro a maneira de broslado, estava hum homem q} parecia em trajo & officio dos maes principaes da terra: o qual tinha na mo hu prato 334 ----------------------- Page 382----------------------- OS LUSADAS d? ouro com folhas de betelle q} elles uso remoer por lhe confortar o estomago.? (Barros, I.IV.VIII.) 57.3-8 ?... que no se iguala?: que no igualada por outra; ?No recostado gesto se assinala?: na maneira como se recosta; ?... gemas ...?: pedras preciosas. 58.3 ?Lhe dava a verde folha da erva ardente?: o btele (v. Castanheda, I.XVII). Ort.:giolhos (porjoelhos ); preminente (porpreeminente). 59.1-2 ?Sentado o Gama junto ao rico leito?: o Poeta simplifica a visita. A entrevista no se verificou na mesma sala porque Vasco da Gama a isso se ops. A ela poucos assistiram, ficando as restantes pessoas na sala ao lado (v. Castanheda, I.XVII). No ponto de vista diplomtico a entrevista no foi um xito; ?... pronto em vista?: olhando atentamente. Ort.: aquista, ant. v. aquistar (por adquirir). 60.1 ?Um grande rei, de l das partes onde?: o discurso do Gama no poema apenas uma smula do que foi realmente pronunciado. 60.2 ?O Cu volbil, com perptua roda, / Da terra a luz solar com a Terra esconde?: O Cu volbil o primeiro mbil. Primeiro, terra designa a terra firme, um dos quatro elementos, e, depois, terra designa todo o globo terrqueo. ?Portugal fica l nas partes onde o cu volbil [primeiro mbil], com o seu rodar perptuo, esconde da terra-firme a luz solar com a terra-globo, cuja sombra tinge de escura ndoa a terra que a luz do Sol deixou; e esta a terra-continente, porque o globo terrqueo nunca a luz solar deixa de iluminar, por um ou outro lado. Quando, pois, em Portugal anoitece, estende-se a noite por todo o continente, o que resulta da sua situao no extremo ocidente; a escura ndoa, que com o movimento diurno do Sol se vem alastrando para ocidente sobre a Europa, acaba por cobri-la inteiramente, quando chega praia ocidental lusitana.? (LPS, AL, p. 335 ----------------------- Page 383----------------------- OS LUSADAS 69.) Ort.: noda (por ndoa). 60.5 ?Ouvindo do rumor que l responde / O eco, ...?: ouvindo do rumor que l ecoa. 61.5-7 ?E desd? a fria plaga da Gelanda?: provncia holandesa, hoje chamada Zelanda ou Zelndia; ?At bem donde o Sol no muda o estilo / Nos dias, sobre a gente de Etipia?: at ao Equador, onde os dias so iguais s noites. 62.2-6 ?... amizade, sacra e nua?: sagrada e franca; ?Por quem ...?: quem referido a coisas. Ort.: abondanas (por abundncias). 63.1-6 ?E sendo assi ...?: e se assim for; ?... de qualidade / Que ...?: de modo que. 64.5 ?... a ltima teno?: a ltima resoluo. Ort.: embaxada e embaxadores (por embaixada e embaixadores). 65.3 ?... um justo talho?: uma justa concluso. 66.1-3 ?Agasalhados foram juntamente?: ?& [ho Catual] levouho a sua casa pera descansar hu pouco ...: & assi foy ate chegar pousada onde aqueles que ho acompanhavo ho deixaro b? apousentado, & ja os seus tinham todos seu fato. Aqui descansou aquela noyte com muyto prazer de ver to b comeo naquela negoceao.? (Castanheda, I.XVIII); ?Do nobre Regedor da ndica gente?: o Catual. Ort.: apousento (por aposento). 336 ----------------------- Page 384----------------------- OS LUSADAS 67.1-5 ?Tanto que os gneos carros do fermoso / Mancebo Dlio viu, ...?: O suj. o Catual; o mancebo Dlio Apolo, nascido na ilha de Delos; ?... pronto e curioso?: rpido e curioso. 68.1 ?Que particularmente ...?: em pormenor. 69.3-5 ?Da me, ...?: liga-se a ?carne?; ?... tal que por bafo est aprovado / Do Deus que tem do Mundo o regimento?: por obra e graa do Esprito Santo; ?O que entre meus antigos he vulgado?. Divulgado, notrio. Monaide reconduz a questo para o valor guerreiro dos Portugueses. 70.1-8 ?Porque eles, com virtude sobre-humana?: com extraordinria coragem; ?Os deitaram dos campos abundosos / Do rico Tejo e fresca Guadiana?: dos campos muito frteis. Fresca Guadiana na edioprinceps; ?E no contentes inda, na Africana / Parte ...?: evoca Monaide as conquistas do Norte de frica. 71-1-8 ?No menos tm mostrado esforo e manha?: destreza; ?Ou l dalguns que do Pirene deam?: Pirene est por Pirenus. No claro o sentido destes versos. MC lembra os Catales, Biscainhos e Navarros, que vieram ajudar Castela, mas pouco provvel; ?Se tem ...?: consta; ?... te afirmo e asselo?: reforo da afirmativa; ?Pera estes Anibis nenhum Marcelo?: os Portugueses no encontraram ainda quem os derrotasse, como sucedeu a Anbal, derrotado (216 a. C.) pelo general Marco Cludio Marcelo, em Nola (Campnia). V. T. Lvio, XXIII.XV-XVII. Ort.: deam (por desam). 72.5-8 ?... e a maneira / Do fundido metal que tudo rende?: a artilharia, que tudo submete; ?E folgars de ver a polcia / Portuguesa, ...?: a sua ordem e organizao. 337 ----------------------- Page 385----------------------- OS LUSADAS 73.1-6 ?J com desejos o Idoltra ardia?: o Catual. A visita do Catual s naus fico potica e prepara a descrio das bandeiras do canto seguinte; ?Manda esquipar batis, ...?: manda preparar e guarnecer com tripulantes; ?Ambos partem ...?; o Catual e Monaide; ?A Naira gerao, que o mar coalhava?: Vasco da Gama estava em terra. Esta sada de Vasco da Gama no se verificou sem ordens rigorosas a quem ficava a substitu-lo, seu irmo Paulo da Gama: ?& que ficasse na frota por capito mr seu irmo, & que durando sua ausencia no recolhesse nela pessoa algua, & todos os que fossem a bordo estevessem ? suas almadias? (Castanheda, I.XVI). Toda esta cena , pois, imaginada pelo Poeta. 74.1-8 ?... e as bandeiras / Do rico fio so que o bicho gera?: de seda; ?Obras que o forte brao j fizera?: Paulo da Gama vai mostrar ao Catual imagens de algumas notveis figuras da histria de Portugal e de algumas das suas proezas; ?A tento nela os olhos apacenta?: com ateno nela (na ?pintura fera?) os olhos recreia. Ort.: apacenta (por apascenta). 75.1-6 ?... mas o Gama?: Paulo da Gama; ?E que aquele deleite que tanto ama / A seita Epicureia ...?: o Poeta reduz a doutrina de Epicuro ao prazer de comer e beber; ?O licor que No mostrara gente?: o vinho. Depois do Dilvio, No entregou-se agricultura e plantou a vinha. 76.3-8 ?... o diablico instrumento?: a artilharia; ?A muda poesia ...?: a pintura. 77.1-5 ?Ala-se em p, ...?: o Catual ergue-se para escutar Paulo da Gama. A seu lado, Paulo da Gama, Nicolau Coelho e Monaide. Na edio princeps, os Gamas, por lapso; ?... blico trasunto?: imagem guerreira; ?... aspeito venerando?: lapso do Poeta. Precisava de uma palavra a rimar com Mauritano e humano. Talvez soberano; ?Cujo nome no pode ser defunto?: esquecido. Ort.: aspeito (por aspecto). 338 ----------------------- Page 386----------------------- OS LUSADAS 78.1 ?Um ramo na mo tinha ...?: esta frase retomada em VIII.1.3. O Poeta aproveita o final do Canto VII para fazer um apelo s Ninfas e mostrar os seus agravos dos homens. 79.3-7 ?A Fortuna me traz peregrinando?: o ?porque ficasse a vida Pelo mundo em pedaos repartida? da Cano IX; ?Qual Cnace, que morte se condena?: filha de olo. Suicidou-se a conselho do prprio pai, por ter cometido incesto com um irmo. Quando estava para faz-lo escreve uma carta ?com a pena na mo direita e a espada desembainhada na outra?. Ov., H, XI.3: ?Dextra tenet calamum, strictum tenet altera ferrum.? 80.5-8 ?Agora s costas escapando a vida?: escapando a vida s costas (do mar). Referncia ao seu naufrgio no mar da China pelos fins de 1558; ?Que pera o Rei Judaico acrecentar-se?: Ezequias, rei de Jud, sabendo por Isaas que ia morrer, rogou a Deus mais quinze anos de vida (?Isaas?, XXXVIII). Ort.: acrecentar-se (por acrescentar-se). 82.6-7 ?Pera espertar engenhos curiosos, / Pera porem as cousas em memria?: para espertar engenhos curiosos que ponham as coisas em memria. Ort.: valoresos (por valorosos). 84.1-8 ?... que a fama desse?: em vez de ?a fama d?, por causa da rima; ?Imigoda divina e humana Lei?: imigo depende de A quem do v. 2; ?Nenhum ambicioso ...?: no cantarei nenhum ambicioso que queira subir a grandes cargos s para poder usar mais largamente de seus vcios com torpes exerccios. Ort.: imigo (por inimigo). 85.3-7 ?... por comprazer ao vulgo errante?: inconstante, verstil; ?Se muda em mais figuras que Proteio?: Proteio por causa da rima (v. I.19.1-8); ?Nem, Camenas, ...?: as Camenas foram de muito cedo assimiladas s 339 ----------------------- Page 387----------------------- OS LUSADAS Musas; ?Quem, com hbito honesto e grave, veio?: AP e PAP, em DL, do a ?hbito? os significados de ?costume? e ?aspecto?; ?... no ofcio novo?: novo no ofcio. 86.5-6 ?... com pouco experto peito?: com inexperiente conhecimento; ?... e cuida que prudente?: e cuida que competente. Ort.: rapace (por rapaz=rapinante). 87.3-6 ?Onde, ...?: com o que; ?Me dobraro a fria concedida?: v, I.5.1. 340 ----------------------- Page 388----------------------- OS LUSADAS VIII 1 NA primeira figura se detinha O Catual que vira estar pintada, Que por divisa um ramo na mo tinha, A barba branca, longa e penteada. Quem era e por que causa lhe convinha A divisa que tem na mo tomada? Paulo responde, cuja voz discreta O Mauritano sbio lhe interpreta: 2 ? Estas figuras todas que aparecem, Bravos em vista e feros nos aspeitos, Mais bravos e mais feros se conhecem, Pela fama, nas obras e nos feitos. Antigos so, mas inda resplandecem Co nome, entre os engenhos mais perfeitos. Este que vs, Luso, donde a Fama O nosso Reino Lusitnia chama. 3 Foi filho e companheiro do Tebano Que to diversas partes conquistou; Parece vindo ter ao ninho Hispano Seguindo as armas, que contino usou. Do Douro, Guadiana o campo ufano, J dito Elsio, tanto o contentou Que ali quis dar aos j cansados ossos Eterna sepultura, e nome aos nossos. 341 ----------------------- Page 389----------------------- OS LUSADAS 4 O ramo que lhe vs, pera divisa, O verde tirso foi, de Baco usado; O qual nossa idade amostra e avisa Que foi seu companheiro e filho amado. Vs outro, que do Tejo a terra pisa, Despois de ter to longo mar arado, Onde muros perptuos edifica, E templo a Palas, que em memria fica? 5 Ulisses , o que faz a santa casa Deusa que lhe d lngua facunda; Que se l na sia Tria insigne abrasa, C na Europa Lisboa ingente funda. ? Quem ser estoutro c, que o campo arrasa De mortos, com presena furibunda? Grandes batalhas tem desbaratadas, Que as guias nas bandeiras tem pintadas! 6 Assi o Gentio diz. Responde o Gama: ? Este que vs, pastor j foi de gado; Viriato sabemos que se chama, Destro na lana mais que no cajado; Injuriada tem de Roma a fama, Vencedor invencbil, afamado. No tem com ele, no, nem ter puderam, O primor que com Pirro j tiveram. 7 Com fora, no; com manha vergonhosa A vida lhe tiraram, que os espanta; Que o grande aperto, em gente inda que honrosa, s vezes leis magnnimas quebranta. Outro est aqui que, contra a ptria irosa, Degradado, connosco se alevanta; Escolheu bem com quem se alevantasse Pera que eternamente se ilustrasse. 342 ----------------------- Page 390----------------------- OS LUSADAS 8 Vs, connosco tambm vence as bandeiras Dessas aves de Jpiter validas; Que j naquele tempo as mais guerreiras Gentes de ns souberam ser vencidas. Olha to sutis artes e maneiras Pera adquirir os povos, to fingidas: A fatdica cerva que o avisa. Ele Sertrio, e ela a sua divisa. 9 Olha estoutra bandeira, e v pintado O gro progenitor dos Reis primeiros: Ns Hngaro o fazemos, porm nado Crm ser em Lotarngia os estrangeiros. Despois de ter, cos Mouros, superado Galegos e Lioneses cavaleiros, Casa Santa passa o santo Henrique, Por que o tronco dos Reis se santifique. 10 ? Quem , me dize, estoutro que me espanta (Pergunta o Malabar maravilhado), Que tantos esquadres, que gente tanta, Com to pouca, tem roto e destroado? Tantos muros asprrimos quebranta, Tantas batalhas d, nunca cansado, Tantas coroas tem, por tantas partes, A seus ps derribadas, e estandartes? 11 ? Este o primeiro Afonso (disse o Gama), Que todo Portugal aos Mouros toma; Por quem no Estgio lago jura a Fama De mais no celebrar nenhum de Roma. Este aquele zeloso a quem Deus ama, Com cujo brao o Mouro imigo doma, Pera quem de seu Reino abaxa os muros, Nada deixando j pera os futuros. 343 ----------------------- Page 391----------------------- OS LUSADAS 12 Se Csar, se Alexandre Rei, tiveram To pequeno poder, to pouca gente, Contra tantos imigos quantos eram Os que desbaratava este excelente, No creias que seus nomes se estenderam Com glrias imortais to largamente; Mas deixa os feitos seus inexplicveis, V que os de seus vassalos so notveis. 13 Este que vs olhar, com gesto irado, Pera o rompido aluno mal sofrido, Dizendo-lhe que o exrcito espalhado Recolha, e torne ao campo defendido; Torna o Moo, do velho acompanhado, Que vencedor o torna de vencido: Egas Moniz se chama o forte velho, Pera leais vassalos claro espelho. 14 V-lo c vai cos filhos a entregar-se, A corda ao colo, nu de seda e pano, Porque no quis o Moo sujeitar-se, Como ele prometera, ao Castelhano. Fez com siso e promessas levantar-se O cerco, que j estava soberano. Os filhos e mulher obriga pena: Pera que o senhor salve, a si condena. 15 No fez o Cnsul tanto que cercado Foi nas Forcas Caudinas, de ignorante, Quando a passar por baxo foi forado Do Samntico jugo triunfante. Este, pelo seu povo injuriado, A si se entrega s, firme e constante; Estoutro a si e os filhos naturais E a consorte sem culpa, que di mais. 344 ----------------------- Page 392----------------------- OS LUSADAS 16 Vs este que, saindo da cilada, D sobre o Rei que cerca a vila forte? J o Rei tem preso e a vila descercada; Ilustre feito, dino de Mavorte! V-lo c vai pintado nesta armada, No mar tambm aos Mouros dando a morte, Tomando-lhe as gals, levando a glria Da primeira martima vitria: 17 Dom Fuas Roupinho, que na terra E no mar resplandece juntamente, Co fogo que acendeu junto da serra De bila, nas gals da Maura gente. Olha como, em to justa e santa guerra, De acabar pelejando est contente. Das mos dos Mouros entra a felice alma, Triunfando nos Cus, com justa palma. 18 No vs um ajuntamento, de estrangeiro Trajo, sair da grande armada nova, Que ajuda a combater o Rei primeiro Lisboa, de si dando santa prova? Olha Henrique, famoso cavaleiro, A palma que lhe nasce junto cova. Por eles mostra Deus milagre visto; Germanos so os Mrtires de Cristo. 19 Um Sacerdote v, brandindo a espada Contra Arronches, que toma, por vingana De Leiria, que de antes foi tomada Por quem por Mafamede enresta a lana: Teotnio Prior. Mas v cercada Santarm, e vers a segurana Da figura nos muros que, primeira Subindo, ergueu das Quinas a bandeira. 345 ----------------------- Page 393----------------------- OS LUSADAS 20 V-lo c, donde Sancho desbarata Os Mouros de Vandlia em fera guerra; Os imigos rompendo, o alferes mata E Hisplico pendo derriba em terra: Mem Moniz , que em si o valor retrata Que o sepulcro do pai cos ossos cerra. Dino destas bandeiras, pois sem falta A contrria derriba e a sua exalta. 21 Olha aquele que dece pela lana, Com as duas cabeas dos vigias, Onde a cilada esconde, com que alcana A cidade, por manhas e ousadias. Ela por armas toma a semelhana Do cavaleiro que as cabeas frias Na mo levava (feito nunca feito!): Giraldo Sem Pavor o forte peito. 22 No vs um Castelhano, que, agravado De Afonso nono, Rei, pelo dio antigo Dos de Lara, cos Mouros deitado, De Portugal fazendo-se inimigo? Abrantes vila toma, acompanhado Dos duros Infiis que traz consigo; Mas v que um Portugus com pouca gente O desbarata e o prende ousadamente. 23 Martim Lopes se chama o cavaleiro Que destes levar pode a palma e o louro. Mas olha um Eclesistico guerreiro, Que em lana de ao torna o bago de ouro. V-lo, entre os duvidosos, to inteiro Em no negar batalha ao bravo Mouro; Olha o sinal no Cu, que lhe aparece, Com que nos poucos seus o esforo crece. 346 ----------------------- Page 394----------------------- OS LUSADAS 24 Vs, vo os Reis de Crdova e Sevilha Rotos, cos outros dous, e no de espao; Rotos? Mas antes mortos: maravilha Feita de Deus, que no de humano brao. Vs? J a vila de Alccere se humilha, Sem lhe valer defesa ou muro de ao, A Dom Mateus, o Bispo de Lisboa, Que a coroa de palma ali coroa. 25 Olha um Mestre que dece de Castela, Portugus de nao, como conquista A terra dos Algarves, e j nela No acha que por armas lhe resista. Com manha, esforo e com benigna estrela, Vilas, castelos, toma escala vista. Vs Tavila tomada aos moradores, Em vingana dos sete caadores? 26 Vs, com blica astcia ao Mouro ganha Silves, que ele ganhou com fora ingente: Dom Paio Correia, cuja manha E grande esforo faz enveja gente. Mas no passes os trs que em Frana e Espanha Se fazem conhecer perptuamente Em desafios, justas e tornus, Nelas deixando pblicos trofus. 27 V-los co nome vm de aventureiros A Castela, onde o preo ss levaram Dos jogos de Belona verdadeiros, Que com dano de alguns se exercitaram. V mortos os soberbos cavaleiros Que o principal dos trs desafiaram, Que Gonalo Ribeiro se nomeia, Que pode no temer a lei Leteia. 347 ----------------------- Page 395----------------------- OS LUSADAS 28 Atenta num que a fama tanto estende Que de nenhum passado se contenta; Que a Ptria, que de um fraco fio pende, Sobre seus duros ombros a sustenta. No no vs tinto de ira, que reprende A vil desconfiana, inerte e lenta, Do povo, e faz que tome o doce freio De Rei seu natural, e no de alheio? 29 Olha: por seu conselho e ousadia, De Deus guiada s e de santa estrela, S, pode o que impossbil parecia: Vencer o povo ingente de Castela, Vs, por indstria, esforo e valentia, Outro estrago e vitria, clara e bela, Na gente, assi feroz como infinita, Que entre o Tarteso e Guadiana habita? 30 Mas no vs qusi j desbaratado O poder Lusitano, pela ausncia Do Capito devoto, que, apartado, Orando invoca a suma e trina Essncia? V-lo com pressa j dos seus achado, Que lhe dizem que falta resistncia Contra poder tamanho, e que viesse Por que consigo esforo aos fracos desse. 31 Mas olha com que santa confiana, Que inda no era tempo respondia, Como quem tinha em Deus a segurana Da vitria que logo lhe daria. Assi Pomplio, ouvindo que a possana Dos imigos a terra lhe corria, A quem lhe a dura nova estava dando, Pois eu (responde) estou sacrificando. 348 ----------------------- Page 396----------------------- OS LUSADAS 32 Se quem com tanto esforo em Deus se atreve Ouvir quiseres como se nomeia, Portugus Cipio chamar-se deve; Mas mais de Dom Nuno lvares se arreia. Ditosa ptria que tal filho teve! Mas antes, pai! que, enquanto o Sol rodeia Este globo de Ceres e Neptuno, Sempre suspirar por tal aluno. 33 Na mesma guerra v que presas ganha Estoutro Capito de pouca gente; Comendadores vence e o gado apanha Que levavam roubado ousadamente; Outra vez v que a lana em sangue banha Destes, s por livrar, co amor ardente, O preso amigo, preso por leal: Pero Rodrigues do Landroal. 34 Olha este desleal e como paga O perjrio que fez e vil engano; Gil Fernandes de Elvas quem o estraga E faz vir a passar o ltimo dano: De Xerez rouba o campo e qusi alaga Co sangue de seus donos Castelhano. Mas olha Rui Pereira, que co rosto Faz escudo s gals, diante posto. 35 Olha que dezessete Lusitanos, Neste outeiro subidos, se defendem Fortes, de quatrocentos Castelhanos, Que em derredor, pelos tomar, se estendem; Porm logo sentiram, com seus danos, Que no s se defendem, mas ofendem. Dino feito de ser, no mundo, eterno, Grande no tempo antigo e no moderno! 349 ----------------------- Page 397----------------------- OS LUSADAS 36 Sabe-se antigamente que trezentos J contra mil Romanos pelejaram, No tempo que os viris atrevimentos De Viriato tanto se ilustraram, E deles alcanando vencimentos Memorveis, de herana nos deixaram Que os muitos, por ser poucos, no temamos; O que despois mil vezes amostramos. 37 Olha c dous Infantes, Pedro e Henrique, Prognie generosa de Joane; Aquele faz que fama ilustre fique Dele em Germnia, com que a morte engane; Este, que ela nos mares o pubrique Por seu descobridor, e desengane De Ceita a Maura tmida vaidade, Primeiro entrando as portas da cidade. 38 Vs o Conde Dom Pedro, que sustenta Dous cercos contra toda a Barbaria. Vs, outro Conde est, que representa Em terra Marte, em foras e ousadia; De poder defender se no contenta Alccere, da ingente companhia; Mas do seu Rei defende a cara vida, Pondo por muro a sua, ali perdida. 39 Outros muitos verias, que os pintores Aqui tambm por certo pintariam; Mas falta-lhe pincel, faltam-lhe cores: Honra, prmio, favor, que as artes criam. Culpa dos viciosos sucessores, Que degeneram, certo, e se desviam Do lustre e do valor dos seus passados, Em gostos e vaidades atolados. 350 ----------------------- Page 398----------------------- OS LUSADAS 40 Aqueles pais ilustres que j deram Princpio gerao que deles pende, Pela virtude muito anto fizeram E por deixar a casa que descende. Cegos, que, dos trabalhos que tiveram, Se alta fama e rumor deles se estende, Escuros deixam sempre seus menores, Com lhe deixar descansos corrutores! 41 Outros tambm h grandes e abastados, Sem nenhum tronco ilustre donde venham: Culpa de Reis, que s vezes a privados Do mais que a mil que esforo e saber tenham. Estes os seus no querem ver pintados, Crendo que cores vs lhe no convenham, E, como a seu contrairo natural, pintura que fala querem mal. 42 No nego que h, contudo, descendentes Do generoso tronco e casa rica, Que, com costumes altos e excelentes, Sustentam a nobreza que lhe fica; E se a luz dos antigos seus parentes Neles mais o valor no clarifica, No falta, ao menos, nem se faz escura; Mas destes acha poucos a pintura. 43 Assi est declarando os grandes feitos O Gama, que ali mostra a vria tinta Que a douta mo to claros, to perfeitos, Do singular artfice ali pinta. Os olhos tinha prontos e direitos O Catual na histria bem distinta; Mil vezes perguntava e mil ouvia As gostosas batalhas que ali via. 351 ----------------------- Page 399----------------------- OS LUSADAS 44 Mas j a luz se mostrava duvidosa, Porque a almpada grande se escondia Debaxo do Horizonte e, luminosa, Levava aos Antpodas o dia, Quando o Gentio e a gente generosa Dos Naires da nau forte se partia, A buscar o repouso que descansa Os lassos animais, na noite mansa. 45 Entretanto, os arspices famosos Na falsa opinio, que em sacrifcios Antevm sempre os casos duvidosos Por sinais diablicos e indcios, Mandados do Rei prprio, estudiosos, Exercitavam a arte e seus ofcios, Sobre esta vinda desta gente estranha, Que s suas terras vem da ignota Espanha. 46 Sinal lhe mostra o Demo, verdadeiro, De como a nova gente lhe seria Jugo perptuo, eterno cativeiro, Destruio de gente e de valia. Vai-se espantado o atnito agoureiro Dizer ao Rei (segundo o que entendia) Os sinais temerosos que alcanara Nas entranhas das vtimas que oulhara. 47 A isto mais se ajunta que um devoto Sacerdote da lei de Mafamede, Dos dios concebidos no remoto Contra a divina F, que tudo excede, Em forma do Profeta falso e noto Que do filho da escrava Agar procede, Baco odioso em sonhos lhe aparece, Que de seus dios inda se no dece. 352 ----------------------- Page 400----------------------- OS LUSADAS 48 E diz-lhe assi: ? Guardai-vos, gente minha, Do mal que se aparelha pelo imigo Que pelas guas hmidas caminha, Antes que esteis mais perto do perigo! Isto dizendo, acorda o Mouro asinha, Espantado do sonho; mas consigo Cuida que no mais que sonho usado; Torna a dormir, quieto e sossegado. 49 Torna Baco dizendo: ? No conheces O gro legislador que a teus passados Tem mostrado o preceito a que obedeces, Sem o qual freis muitos baptizados? Eu por ti, rudo, velo, e tu adormeces? Pois sabers que aqueles que chegados De novo so, sero mui grande dano Da Lei que eu dei ao nscio povo humano. 50 Enquanto fraca a fora desta gente, Ordena como em tudo se resista; Porque, quando o Sol sai, fcilmente Se pode nele pr a aguda vista; Porm, despois que sobe claro e ardente, Se agudeza dos olhos o conquista, To cega fica, quanto ficareis Se razes criar lhe no tolheis. 51 Isto dito, ele e o sono se despede. Tremendo fica o atnito Agareno; Salta da cama, lume aos servos pede, Lavrando nele o frvido veneno. Tanto que a nova luz que ao Sol precede Mostrara rosto anglico e sereno, Convoca os principais da torpe seita, Aos quais do que sonhou d conta estreita. 353 ----------------------- Page 401----------------------- OS LUSADAS 52 Diversos pareceres e contrrios Ali se do, segundo o que entendiam; Astutas traes, enganos vrios, Perfdias, inventavam e teciam; Mas, deixando conselhos temerrios, Destruio da gente pretendiam, Por manhas mais sutis e ardis milhores, Com peitas adquirindo os regedores. 53 Com peitas, ouro e ddivas secretas Conciliam da terra os principais; E com razes notveis e discretas Mostram ser perdio dos naturais, Dizendo que so gentes inquietas, Que, os mares discorrendo Ocidentais, Vivem s de pirticas rapinas, Sem Rei, sem leis humanas ou divinas. 54 Oh, quanto deve o Rei que bem governa De olhar que os conselheiros ou privados De conscincia e de virtude interna E de sincero amor sejam dotados! Porque, como est posto na superna Cadeira, pode mal dos apartados Negcios ter noticia mais inteira Do que lhe der a lngua conselheira. 55 Nem to-pouco direi que tome tanto Em grosso a conscincia limpa e certa, Que se enleve num pobre e humilde manto, Onde ambio acaso ande encoberta. E, quando um bom em tudo justo e santo, E em negcios do mundo pouco acerta; Que mal co eles poder ter conta A quieta inocncia, em s Deus pronta. 354 ----------------------- Page 402----------------------- OS LUSADAS 56 Mas aqueles avaros Catuais Que o Gentlico povo governavam, Induzidos das gentes infernais, O Portugus despacho dilatavam. Mas o Gama, que no pretende mais, De tudo quanto os Mouros ordenavam, Que levar a seu Rei um sinal certo Do mundo que deixava descoberto, 57 Nisto trabalha s; que bem sabia Que despois, que levasse esta certeza, Armas e naus e gentes mandaria Manuel, que exercita a suma alteza, Com que a seu jugo e Lei someteria Das terras e do mar a redondeza; Que ele no era mais que um diligente Descobridor das terras do Oriente. 58 Falar ao Rei gentio determina, Por que com seu despacho se tornasse, Que j sentia em tudo da malina Gente impedir-se quanto desejasse. O Rei, que da notcia falsa e indina No era de espantar se s' espantasse, Que to crdulo era em seus agouros, E mais sendo afirmados pelos Mouros, 59 Este temor lhe esfria o baixo peito. Por outra parte, a fora da cobia, A quem por natureza est sujeito, Um desejo imortal lhe acende e atia: Que bem v que grandssimo proveito Far, se, com verdade e com justia, O contrato fizer, por longos anos, Que lhe comete o Rei dos Lusitanos. 355 ----------------------- Page 403----------------------- OS LUSADAS 60 Sobre isto, nos conselhos que tomava, Achava mui contrrios pareceres; Que naqueles com quem se aconselhava Executa o dinheiro seus poderes. O grande Capito chamar mandava, A quem chegado disse: ? Se quiseres Confessar-me a verdade limpa e nua, Perdo alcanars da culpa tua. 61 Eu sou bem informado que a embaxada Que de teu Rei me deste, que fingida; Porque nem tu tens Rei, nem ptria amada, Mas vagabundo vs passando a vida. Que quem da Hespria ltima alongada, Rei ou senhor de insnia desmedida, H-de vir cometer, com naus e frotas, To incertas viagens e remotas? 62 E se de grandes Reinos poderosos O teu Rei tem a Rgia majestade, Que presentes me trazes valerosos, Sinais de tua incgnita verdade? Com peas e des altos, sumptuosos, Se lia dos Reis altos a amizade; Que sinal nem penhor no bastante As palavras dum vago navegante. 63 Se porventura vindes desterrados, Como j foram homens d' alta sorte, Em meu Reino sereis agasalhados, Que toda a terra ptria pera o forte; Ou se piratas sois, ao mar usados, Dizei-mo sem temor de infmia ou morte, Que, por se sustentar, em toda idade Tudo faz a vital necessidade. 356 ----------------------- Page 404----------------------- OS LUSADAS 64 Isto assi dito, o Gama, que j tinha Suspeitas das insdias que ordenava O Mahomtico dio, donde vinha Aquilo que to mal o Rei cuidava, Cua alta confiana, que convinha, Com que seguro crdito alcanava, Que Vnus Acidlia lhe influa, Tais palavras do sbio peito abria: 65 ? Se os antigos delitos que a malcia Humana cometeu na prisca idade No causaram que o vaso da nequcia, Aoute to cruel da Cristandade, Viera pr perptua inimiccia Na gerao de Ado, co a falsidade, poderoso Rei, da torpe seita, No conceberas tu to m suspeita. 66 Mas, porque nenhum grande bem se alcana Sem grandes opresses, e em todo o feito Segue o temor os passos da esperana, Que em suor vive sempre de seu peito, Me mostras tu to pouca confiana Desta minha verdade, sem respeito Das razes em contrrio que acharias Se no cresses a quem no crer devias. 67 Porque, se eu de rapinas s vivesse, Undvago ou da ptria desterrado, Como crs que to longe me viesse Buscar assento incgnito e apartado? Por que esperanas, ou por que interesse Viria exprimentando o mar irado, Os Antrticos frios e os ardores Que sofrem do Carneiro os moradores? 357 ----------------------- Page 405----------------------- OS LUSADAS 68 Se com grandes presentes d' alta estima O crdito me pedes do que digo, Eu no vim mais que a achar o estranho clima Onde a Natura ps teu Reino antigo; Mas, se a Fortuna tanto me sublima, Que eu torne minha ptria e Reino amigo, Ento vers o dom soberbo e rico Com que minha tornada certifico. 69 Se te parece inopinado feito Que Rei da ltima Hespria a ti me mande, O corao sublime, o rgio peito, Nenhum caso possbil tem por grande. Bem parece que o nobre e gro conceito Do Lusitano esprito demande Maior crdito e f de mais alteza, Que creia dele tanta fortaleza. 70 Sabe que h muitos anos que os antigos Reis nossos firmemente propuseram De vencer os trabalhos e perigos Que sempre s grandes cousas se opuseram; E, descobrindo os mares inimigos Do quieto descanso, pretenderam De saber que fim tinham e onde estavam As derradeiras praias que lavavam. 71 Conceito dino foi do ramo claro Do venturoso Rei que arou primeiro O mar, por ir deitar do ninho caro O morador de Abila derradeiro; Este, por sua indstria e engenho raro, Num madeiro ajuntando outro madeiro, Descobrir pde a parte que faz clara De Argos, da Hidra a luz, da Lebre e da Ara. 358 ----------------------- Page 406----------------------- OS LUSADAS 72 Crescendo cos sucessos bons primeiros No peito as ousadias, descobriram, Pouco e pouco, caminhos estrangeiros, Que, uns sucedendo aos outros, prosseguiram. De frica os moradores derradeiros Austrais, que nunca as Sete Flamas viram, Foram vistos de ns, atrs deixando Quantos esto os Trpicos queimando. 73 Assi, com firme peito e com tamanho Propsito vencemos a Fortuna, At que ns no teu terreno estranho Viemos pr a ltima coluna. Rompendo a fora do lquido estanho, Da tempestade horrfica e importuna, A ti chegmos, de quem s queremos Sinal que ao nosso Rei de ti levemos. 74 Esta e a verdade, Rei; que no faria Por to incerto bem, to fraco prmio, Qual, no sendo isto assi, esperar podia, To longo, to fingido e vo promio; Mas antes descansar me deixaria No nunca descansado e fero grmio Da madre Ttis, qual pirata inico, Dos trabalhos alheios feito rico. 75 Assi que, Rei, se minha gro verdade Tens por qual , sincera e no dobrada, Ajunta-me ao despacho brevidade, No me impidas o gosto da tomada; E, se inda te parece falsidade, Cuida bem na razo que est provada, Que com claro juzo pode ver-se, Que fcil a verdade d' entender-se. 359 ----------------------- Page 407----------------------- OS LUSADAS 76 A tento estava o Rei na segurana Com que provava o Gama o que dizia; Concebe dele certa confiana, Crdito firme, em quanto proferia; Pondera das palavras a abastana, Julga na autoridade gro valia, Comea de julgar por enganados Os Catuais corrutos, mal julgados. 77 Juntamente, a cobia do proveito Que espera do contrato Lusitano O faz obedecer e ter respeito Co Capito, e no co Mauro engano. Enfim ao Gama manda que direito s naus se v e, seguro dalgum dano, Possa a terra mandar qualquer fazenda Que pela especiaria troque e venda. 78 Que mande da fazenda, enfim, lhe manda Que nos Reinos Gangticos falea, S' algua traz idnea l da banda Donde a terra se acaba e o mar comea. J da real presena veneranda Se parte o Capito, pera onde pea Ao Catual que dele tinha cargo, Embarcao, que a sua est de largo. 79 Embarcao que o leve s naus lhe pede, Mas o mau Regedor, que novos laos Lhe maquinava, nada lhe concede, Interpondo tardanas e embaraos. Co ele parte ao cais, por que o arrede Longe quanto puder dos rgios paos, Onde, sem que seu Rei tenha notcia, Faa o que lhe ensinar sua malcia. 360 ----------------------- Page 408----------------------- OS LUSADAS 80 L bem longe lhe diz que lhe daria Embarcao bastante em que partisse, Ou que pera a luz crstina do dia Futuro, sua partida diferisse. J com tantas tardanas entendia O Gama que o Gentio consentisse Na m teno dos Mouros, torpe e fera, O que dele at' li no entendera. 81 Era este Catual um dos que estavam Corrutos pela Maumetana gente, O principal por quem se governavam As cidades do Samorim potente. Dele smente os Mouros esperavam Efeito a seus enganos torpemente; Ele, que no concerto vil conspira, De suas esperanas no delira. 82 O Gama com instncia lhe requer Que o mande pr nas naus, e no lhe val; E que assi lho mandara, lhe refere, O nobre sucessor de Perimal. Por que razo lhe impede e lhe difere A fazenda trazer de Portugal? Pois aquilo que os Reis j tm mandado No pode ser por outrem derrogado. 83 Pouco obedece o Catual corruto A tais palavras; antes, revolvendo Na fantasia algum sutil e astuto Engano diablico e estupendo, Ou como banhar possa o ferro bruto No sangue avorrecido, estava vendo, Ou como as naus em fogo lhe abrasasse, Por que nenhua ptria mais tornasse. 361 ----------------------- Page 409----------------------- OS LUSADAS 84 Que nenhum torne ptria s pretende O conselho infernal dos Maumetanos, Por que no saiba nunca onde se estende A terra Eoa o Rei dos Lusitanos. No parte o Gama, enfim, que lho defende O Regedor dos Brbaros profanos; Nem sem licena sua ir-se podia, Que as almadias todas lhe tolhia. 85 Aos brados e razes do Capito Responde o Idoltra, que mandasse Chegar terra as naus, que longe esto, Por que milhor dali fosse e tornasse. ? Sinal de inimigo e de ladro Que l to longe a frota se alargasse, (Lhe diz), porque do certo e fido amigo no temer do seu nenhum perigo. 86 Nestas palavras o discreto Gama Enxerga bem que as naus deseja perto O Catual, por que com ferro e flama Lhas assalte, por dio descoberto. Em vrios pensamentos se derrama; Fantasiando est remdio certo Que desse a quanto mal se lhe ordenava; Tudo temia, tudo, enfim, cuidava. 87 Qual o reflexo lume do polido Espelho de ao ou de cristal fermoso, Que, do raio solar sendo ferido, Vai ferir noutra parte, luminoso, E, sendo da ouciosa mo movido, Pela casa, do moo curioso, Anda pelas paredes e telhado Trmulo, aqui e ali, e dessossegado: 362 ----------------------- Page 410----------------------- OS LUSADAS 88 Tal o vago juzo fluctuava Do Gama preso, quando lhe lembrara Coelho, se por acaso o esperava Na praia cos batis, como ordenara. Logo secretamente lhe mandava Que se tornasse frota, que deixara, No fosse salteado dos enganos Que esperava dos feros Maumetanos. 89 Tal h-de ser quem quer, co dom de Marte, Imitar os Ilustres e igual-los: Voar co pensamento a toda parte, Adivinhar perigos e evit-los, Com militar engenho e sutil arte, Entender os imigos e engan-los, Crer tudo, enfim; que nunca louvarei O capito que diga: No cuidei. 90 Insiste o Malabar em t-lo preso Se no manda chegar a terra a armada; Ele, constante e de ira nobre aceso, Os ameaos seus no teme nada; Que antes quer sobre si tomar o peso De quanto mal a vil malcia ousada Lhe andar armando, que pr em ventura A frota de seu Rei, que tem segura. 91 Aquela noite esteve ali detido E parte do outro dia, quando ordena De se tornar ao Rei; mas impedido Foi da guarda que tinha, no pequena. Comete-lhe o Gentio outro partido, Temendo de seu Rei castigo ou pena Se sabe esta malcia, a qual asinha Saber, se mais tempo ali o detinha. 363 ----------------------- Page 411----------------------- OS LUSADAS 92 Diz-lhe que mande vir toda a fazenda Vendbil que trazia, pera a terra, Pera que, devagar, se troque e venda; Que, quem no quer comrcio, busca guerra. Posto que os maus propsitos entenda O Gama, que o danado peito encerra Consente, porque sabe por verdade Que compra co a fazenda a liberdade. 93 Concertam-se que o Negro mande dar Embarcaes idneas com que venha; Que os seus batis no quer aventurar Onde lhos tome o imigo, ou lhos detenha. Partem as almadias a buscar Mercadoria Hispana que convenha; Escreve a seu irmo que lhe mandasse A fazenda com que se resgatasse. 94 Vem a fazenda a terra, aonde logo A agasalhou o infame Catual; Co ela ficam lvaro e Diogo, Que a pudessem vender pelo que val. Se mais que obrigao, que mando e rogo, No peito vil o prmio pode e val, Bem o mostra o Gentio a quem o entenda, Pois o Gama soltou pela fazenda. 95 Por ela o solta, crendo que ali tinha Penhor bastante, donde recebesse Interesse maior do que lhe vinha Se o Capito mais tempo detivesse, Ele, vendo que j lhe no convinha Tornar a terra, por que no pudesse Ser mais retido, sendo s naus chegado Nelas estar se deixa descansado. 364 ----------------------- Page 412----------------------- OS LUSADAS 96 Nas naus estar se deixa, vagaroso, At ver o que o tempo lhe descobre; Que no se fia j do cobioso Regedor, corrompido e pouco nobre. Veja agora o juzo curioso Quanto no rico, assi como no pobre, Pode o vil interesse e sede imiga Do dinheiro, que a tudo nos obriga. 97 A Polidoro mata o Rei Trecio, S por ficar senhor do gro tesouro; Entra, pelo fortssimo edifcio, Com a filha de Acriso a chuva d' ouro; Pode tanto em Tarpeia avaro vcio Que, a troco do metal luzente e louro, Entrega aos inimigos a alta torre, Do qual qusi afogada em pago morre. 98 Este rende munidas fortalezas; Faz trdoros e falsos os amigos; Este a mais nobres faz fazer vilezas, E entrega Capites aos inimigos; Este corrompe virginais purezas, Sem temer de honra ou fama alguns perigos; Este deprava s vezes as cincias, Os juzos cegando e as conscincias. 99 Este interpreta mais que sutilmente Os textos; este faz e desfaz leis; Este causa os perjrios entre a gente E mil vezes tiranos torna os Reis. At os que s a Deus omnipotente Se dedicam, mil vezes ouvireis Que corrompe este encantador, e ilude; Mas no sem cor, contudo, de virtude! 365 ----------------------- Page 413----------------------- OS LUSADAS NOTAS 1.1-8 ?Na primeira figura se detinha / O Catual ...?: essa primeira figura Luso, de que o Poeta volta a tratar nas est. 2 a 4. Para o conhecimento da evoluo das relaes de Luso com Baco v. I.39.3-4, III.21 e VIII.3.1; ?Que por divisa um ramo na mo tinha?: era o tirso de Baco; ?A divisa que tem na mo tomada??: concordncia em gnero e nmero do particpio com o complemento directo; ?O Mauritano sbio ...?: Monaide. 2.2-7 ?Bravos em vista eferos nos aspeitos?: em vez de concordar com figuras, estes atributos concordam com os indivduos que o Poeta tinha na mente tratar; ?... donde a Fama?: de quem a Fama. Ort.: aspeitos (por aspectos). 3.1 ?Foi filho e companheiro do Tebano?: Plnio dissera ?lusum enim Liberi patris aut lyssam cum eo bacchantium nomen dedisse Lusitaniae? (NH, liv. III, 8). Resende, depois de transcrever o trecho de Plnio (nota 24 ao liv. II de Vincentius), acrescenta: ?Quorum verborum hic est sensus. Lusum Liberi Patris filium, non autem socium, ut quidam contra loquendi usum interpretantur, una cum Lysa nimirum Liberi socio, nomen Lusitaniae nostrae dedisse. Filium vero debere intelligi, ostendunt illa. Deiphobe Glauci, Aiex Oilei, & in sacris, Alexander Philippi. Igitur tam a Luso, quam Lysia, regio nomen adcepit. Et a Luso quidem, Lusitania dicta est. A Lysa vero Lysitania.? FC escreveu ?filho, ou companheiro? para harmonizar com o que o Poeta escreveu em I.39.3-4 e VI.30.2. 3.5 ?Do Douro, Guadiana o campo ufano?: ?De Douro, Guadiana?, um assndeto que no teve o acordo de todos os editores e que desde 1669 escrevem ?Douro e Guadiana?. FC e outros seguiram este critrio errado porque do assndeto h numerosos exemplos em 366 ----------------------- Page 414----------------------- OS LUSADAS prosa e verso. JMR, no entanto, l ?Do Dour Guadiana? (BCL, 13, pp. 689 e 690). 3.6-8 ?J dito Elsio ...?: isto no tem nada que ver com os ?doces campos Elsios?, onde est Anquises e que Eneias visita no Canto VI, acompanhado da Sibila. JMR, em BCL, p. 689, nota 1, e LP, vol. II, p. 171, diz que ?Elsio por Lsio uma das desastradas emendas feitas no manuscrito de Os Lusadas?. Parece mais natural ser ?campo lsio?, da Lusitnia; ?Que ali quis dar ...?: aproximar este verso e o seguinte do princpio do Canto VII da Eneida. 4.4-8 ?Que foi seu companheiro e filho amado?: FC no se conformou e escreveu: ?Que foi seu companheiro, ou filho amado?; ?Vs outro, ...?: Ulisses, lendrio fundador de Lisboa; ?E templo a Palas, que em memria fica??: Na nota 45 ao livro II de Vincentius diz: ?De templo vero Palladis, Strab. lib. 3. Superiora regionis montanae loca Olysseiam ostentant, inqua est Minervae templum? 5.1-8 ?Ulisses , o que faz a santa casa / A Deusa ...?: confirma os versos da estncia anterior; ?Quem ser estoutro c, que o campo arrasa?: Viriato, de quem trata nas duas estncias seguintes e de quem j falou em 1.26.3-4; ?Grandes batalhas tem desbaratadas?: batalhas aqui tem a significao de corpos de exrcito. Desbaratadas a concordar com o complemento directo; ?Que as guias nas bandeiras tem pintadas!?: que, conjuno conclusiva ?pois. As guias pintadas nas bandeiras verso do Poeta. As guias eram de metal e fixavam-se na ponta de compridas hastes. 6.4-8 ?Destro na lana mais que no cajado?: caudilho dos Lusitanos e pastor; ?O primor que com Pirro j tiveram?: Caio Fabrcio, cnsul romano, em guerra com Pirro, rei do Epiro, recebeu a visita de um enviado do mdico de Pirro, que se dispunha a envenenar o seu rei se tivesse uma recompensa. Fabrcio escreveu ao rei, a preveni-lo (Plutarco, Pyrrus, XX). Ort.: invencbil (por invencvel). 367 ----------------------- Page 415----------------------- OS LUSADAS 7.1-5 ?Com fora, no; com manha vergonhosa?: v.I.26.2-4. ?Outro est aqui ...?: Sertrio (v. I.26.6-8 e IV.33.1). 8.2 ?Dessas aves de Jpiter validas?: so ainda as guias romanas. Ort.: sutis (por subtis). 9.1 ?Olha estoutra bandeira ...?: o conde D. Henrique, de que trata o Poeta em III.25-28. Diz o Poeta em III.25.1-2: ?... dizem que segundo / Filho de um Rei de Ungria ...?, e em III.28.2 mais afirmativo: ?O forte e famoso Ungaro estremado?. Em VIII.9 diz, porm, o Poeta: ?Ns Hngaro o fazemos, porm nado / Crm ser em Lotarngia os estrangeiros.? Na nota 24 do liv. II de Vincentius escreve Resende: ?Nostri historici Pannonniae [Hungria] regis filium fuisse dicunt, Hispani Lotharingum faciunt.? (Cf. III.25.1-2.) Lotarngia a Lorena. 9.5 ?Despois de ter, cos Mouros, superado / Galegos e Lioneses ...?: diz ED: ?Cames coloca depois das guerras com os Leoneses a ida do conde Terra Santa?. No me parece ser essa a interpretao. O sentido deve ser: ?depois de ter, nas guerras cos Mouros, superado Galegos e Leoneses?, isto , depois de ter excedido nas guerras com os Mouros os feitos de Galegos e Leoneses. Dos Leoneses j o Poeta tinha dito em IV.8.7-8: ?que haviam sido nas armas excelentes com os Mouros?. Mas os Portugueses tinham sido melhores do que eles (v. MM e FC). 9.7 ? Santa Casa passa ...?: Terra Santa. 10.1 ?Quem , me dize, estoutro que me espanta?: D. Afonso Henriques, de quem se ocupou o Poeta no Canto III, est. 28 a 84. Ort.: dize (por diz). 11.1-3 ?Este o primeiro Afonso ... / Que todo Portugal aos Mouros 368 ----------------------- Page 416----------------------- OS LUSADAS toma?: todo o Portugal, sem o Algarve; ?Por quem no Estgio lago jura a Fama?: o rio dos Infernos, por quem juravam os deuses. 11.6-8 ?Com cujo brao o Mouro imigo doma, / Pera quem de seu Reino abaxa os muros, / Nada deixando j pera os futuros?: estes versos no so de fcil interpretao. O sujeito da orao ?Com cujo brao o Mouro imigo doma? ?Deus? e cujo refere-se a ?Afonso?. Ora quem ?doma o Mouro imigo? tambm lgicamente quem arrasa (?abaxa?) os muros, isto , as povoaes fortificadas ... de seu Reino (deles Mouros): logo ?Deus? o sujeito de ?abaxa?. Finalmente quem ?doma? e ?abaxa? indubitvelmente quem nada deixa aos futuros reis para conquistar. Logo ?Deus? o sujeito do gerndio ?deixando? (v. ARM, Passos). Ort.: imigo (por inimigo); abaxa (por abaixa). 12.1-5 ?Se Csar, se Alexandre Rei, tiveram?: recordados de novo como em V.95.2. Tiveram, em vez de tivessem; ?No creias que seus nomes se estenderam?: se estenderiam. Ort.: imigos (por inimigos). 13-1-2 ?Este que vs olhar ...?: Egas Moniz. A este consagrou o Poeta as est. 35 a 40 do Canto III; ?Pera o rompido aluno ...?: Egas Moniz, aio de D. Afonso. Aluno latinismo. Rompido tem o mesmo sentido de em ?Rompem-se aqui dos nossos os primeiros? (IV.34.1). 14.2 ?A corda ao colo, nu de seda e pano?: interpreta ED ?nu de panos de seda?. Seria possvel, dentro do estilo do Poeta. Deve, porm, notar-se que em III.38.3 j o Poeta dissera: ?Descalos e despidos?. Aqui no pode haver outra interpretao. Egas Moniz, sua mulher e filhos apresentaram-se com a alva dos condenados e de corda ao pescoo. 15.1 ?No fez o Cnsul tanto ...?: o episdio pouco honroso para as armas romanas de terem de passar debaixo dojugo num desfiladeiro (furculas Caudinas), junto a Caudium, por imposio das foras 369 ----------------------- Page 417----------------------- OS LUSADAS samnitas (321 a. C.). Os cnsules que tiveram de se submeter aojugo foram Titus Veturius Calvinus e Spurius Postumius Albinus (T. Lvio, IX.1-10). E pelojugo tiveram de passar os cnsules, seus subordinados e as vrias legies. Ort.: baxo (por baixo). 16.1-6 ?Vs este que, saindo da cilada ...?: este D. Fuas Roupinho. Feitos entretecidos de lendas, mas aos quais Duarte Galvo consagra os caps. LIV, LV e LVI, aproveitados pelo Poeta. Saindo da cilada, da cilada armada por ele aos Mouros; ?D sobre o Rei que cerca a vila forte??: Porto de Ms; ?No mar tambm aos Mouros dando a morte?: seria um recontro com as gals dos Mouros junto do cabo Espichel. 17.3-4 ?Co fogo que acendeu junto da serra / De bila ...?: depois de correr a costa do Algarve, sem resultado, o almirante D. Fuas foi por duas vezes a Ceuta aprisionar navios mouros, mas da segunda vez morreu l, no ano de 1182, segundo AB, CAH, cap. LXXXVIII. Ort.:felice (porfeliz ). 18.1-8 ?No vs um ajuntamento, de estrangeira / Trajo, ...?: uma armada de cruzados (2. Cruzada), de que j se ocupou o Poeta em III.57-60; ?Olha Henrique, famoso cavaleiro?: cavaleiro alemo, de nome Henrique, que morreu no cerco de Lisboa e de que se contaram vrios milagres (v. Duarte Galvo, cap. XXXVI); ?A palma que lhe nasce junto cova?: da palmeira que enverdeceu na cova de Henrique fala Duarte Galvo no cap. XXXVIII; ?Por eles mostra Deus milagre visto / Germanos so os Mrtires de Cristo?: para se entenderem estes dois versos preciso ler o final do cap. XXXVIII de Duarte Galvo, onde diz: ?Por estes milages e outros que nosso Senhor aprouve fazer pelos seus Santos Mrtires que ali morreram, tinha el-Rei neles mui grande devao ...? 19.1-8 ?Um Sacerdote v, brandindo a espada?: S. Teotnio, prior de Santa Cruz de Coimbra. Referira-se sua interveno, sem o nomear, em III.55; ?... e vers a segurana / Da figura nos muros 370 ----------------------- Page 418----------------------- OS LUSADAS que, primeira / Subindo, ergueu das Quinas a bandeira?: Mem Moniz. 20.1-6 ?V-lo c, donde Sancho desbarata / Os Mouros de Vandlia ...?: refere-se ainda a Mem Moniz. algarada de D. Sancho na Andaluzia j se tinha referido o Poeta em III.75. Mem Moniz teria abatido o pendo real dos Mouros e o alferes que levava o ?hisplico pendo?, isto , o pendo de Sevilha; ?... que em si o valor retrata / Que o sepulcro do pai cos ossos cerra?: de outro modo: reproduz-se no filho o valor do pai. Mas parece que este citado Mem Moniz no era filho de Egas Moniz. Assim o sustenta AB em CH, cap. 21. O Poeta deve ter suposto que sim. 21.1-4 ?Olha aquele que dece pela lana?: Giraldo Sem-Pavor, a quem j se referiu em III.63. O Poeta f-lo descer por fora da torre; ?Com as duas cabeas dos vigias?: estavam de atalaia na Torre de S. Bento (prximo da cidade de vora) um mouro e uma filha sua, que estava naquele momento de vigia. Atirou a filha da torre abaixo e degolou o mouro, que dormia. Degolando a filha em baixo, tomou-se com as duas cabeas aos companheiros e depois continuou a aco que levou conquista da cidade, em 1166; ?Onde a cilada esconde, ...?: Giraldo armou a sua cilada por detrs do outeiro da Torre de S. Bento. Da saram os companheiros com Giraldo para o resto da empresa (v. Andr de Resende, Historia da Antiguidade da Cidade de Evora, cap. XIV, 3. ed., Lisboa, 1783); ?... com que alcana / A cidade,por manhas e ousadias ?: por ardis e atrevimentos. Com efeito, subidos torre, fizeram durante a madrugada um fogo para a outra atalaia da cidade, como a indicar que andavam cristos no campo. E de facto fizeram essa simulao ? o que bastou para os mouros da cidade virem em sua perseguio, deixando as portas da cidade abertas. Ort.: dece (por desce). 22.1-8 ?No vs um Castelhano, ...?: D. Pedro Fernandes de Castro, considerando-se maltratado pelo rei de Castela, D. Afonso IX, por causa dos condes de Lara, bandeou-se com os Mouros; e, tomando tambm Portugal por objecto da sua inimizade, veio com os Mouros tomar Abrantes, levando muitos cativos cristos e grande despojo. 371 ----------------------- Page 419----------------------- OS LUSADAS Saiu-lhe ao encontro o cavaleiro portugus Martim Lopes, que os desbaratou e prendeu D. Pedro Fernandes de Castro. A fonte Rui de Pina, Cr. de D. Sancho I, cap. 12 (v. JMR, FL, pp. 107 e 108). 23.3-8 ?Mas olha um Eclesistico guerreiro?: no foi D. Mateus que tomou Alccer do Sal, como diz o Poeta na estncia seguinte, mas D. Soeiro Viegas, bispo de Lisboa, que estava sitiando Alccer, e aceitou a batalha que lhe ps um grande exrcito de mouros, saindo vencedor. O equvoco vem da fonte utilizada ? Cr. de D. Afonso II, de Rui de Pina (cf. JMR, FL, p. 110). Cames no se refere aos cruzados que passaram em 10 de Julho de 1217, nem ao auxlio do bispo de vora, do abade de Alcobaa e de vrios membros das Ordens do Templo e do Hospital; ?Que em lana de ao torna o bago de ouro?: o bculo de oiro. Ort.: crece (por cresce). 24.1-2 ?Vs, vo os Reis de Crdova e Sevilha / Rotos, cos outros dous, ...?: os outros dois ?Reis? (governadores) eram o de Badajoz e o de Xam. 25.1-8 ?Olha um Mestre que dece de Castela?: D. Paio Peres Correia, portugus de nascimento, mestre da Ordem de Sant?Iago e sagaz poltico; ?Vilas, castelos, toma escala vista?: de assalto, com as escadas apoiadas nos muros; ?Em vingana dos sete caadores?: para vingar a morte de uns cristos que em tempo de trguas tinham ido a uma caada. Atacados pelos Mouros, defenderam-se num palanque, mas foram todos mortos (v. Rui de Pina, Cr. de D. Afonso III, cap. VIII). Nos sete caadores est includo o mercador Garcia Rodrigues, que tambm morreu. Ort.: Tavila, forma antiga (por Tavira). 26.1-8 ?Vs, com blica astcia ao Mouro ganha / Silves, ...?: por meio de cilada. Desviando o governador de Silves para Paderne e indo por caminho desviado, foi lanar-se sobre Silves, tomando todas as portas da cidade e impedindo as foras do governador de entrarem e ele prprio (v. Cr. cit., cap. IX); ?Mas no passes os trs que em Frana e Espanha?: Gonalo Rodrigues Ribeiro, Vasco Anes e 372 ----------------------- Page 420----------------------- OS LUSADAS Fernando Martins de Santarm, que em tempo de D. Afonso IV andaram como cavaleiros andantes em justas e torneios (v. Rui de Pina, Cr. de D. Afonso IV, caps. XIV a XVI). Ort.: enveja (por inveja); tornus, por causa da rima. 27.1-8 ?V-los co nome vm de aventureiros?: cavaleiros andantes; ?... onde opreo ss levaram?: o prmio; ?Dos jogos de Belona ...?: dos jogos da guerra; ?Que pode no temer a lei Leteia?: ter ganho fama imortal. 28.1-8 ?Atenta num que a fama tanto estende?: D. Nuno lvares Pereira, de quem falou j em IV.14-46; ?No no vs, tinto de ira, que reprende?: v. IV.14-19. 29.1-8 ?Olha: por seu conselho e ousadia?: trata-se da Batalha de Aljubarrota: v. IV.28-44; ?Vs, por indstria, esforo e valentia, / Outro estrago ...?: refere-se Batalha de Valverde; ?Que entre o Tarteso e Guadiana habita??: na Andaluzia. Tartessus, cidade na foz do Baetis (Guadalquivir). 31.1 ?Mas olha com que santa confiana?: ?Leixar o negocyo da batalha na fora de seu moor trabalho, e apartar-se dos sseus a orar, ssem lhe ante dizendo nenhuma cousa! ... E duvidando se lhe falaria (Ruy Gonalvez) cobrou coraom, e chegou-sse a ell. E em pocas e breves razoes lhe disse o dano que neelles faziam. E el muyto quedo revolveo o rrostro, e mansamente respomdeo e disse: Ruy Gonalvez, amygo, ainda nom he tempo. Aguarday huum pouco e acabarey dorar.? (Crnica de D. Joo I, 2. parte, cap. LVIII.) 31.5-8 ?Assi Pomplio, ...?: Plutarco conta (Numa, XV) que Numa tinha de tal maneira posto a sua confiana em Deus que, chegando-lhe um dia a nova de uma invaso inimiga, sorriu e disse: ?Pois eu, sacrifico.? 373 ----------------------- Page 421----------------------- OS LUSADAS 32.1-7 ?Se quem com tanto esforo em Deus se atreve?: se quem tanta confiana mostra em Deus; ??Portugus Cipio? chamar-se deve?: Pblio Cornlio Cipio, vencedor de Anbal em Zama, em 202 a. C. Resistiu fortemente a Anbal mesmo quando a sua derrota parecia certa (T. Lvio, XXX.XXXI-XXXV); ?Este globo de Ceres e Neptuno?: o globo terrqueo, composto de terra slida e de gua. Aluno latinismo. 33.1-8 ?Na mesma guerra v que presas ganha?: acontecimentos anteriores Batalha de Aljubarrota. Estes vm descritos na Crnica de D. Joo I, 1. parte, cap. CI. Pro Rodrigues, alcaide-mor de Alandroal, vence dois comendadores de Castela e retoma-lhes o gado roubado; ?Outra vez v que a lana em sangue banha?: v. Crnica de D. Joo I, 1. parte, cap. CII. Pro Rodrigues liberta lvaro Gonalves Coitado das mos dos Castelhanos. 34.1-8 ?Olha este desleal o como paga?: v. Crnica de D. Joo I, 1. parte, cap. CVIII. Gil Fernandes pelejou com Pai Rodrigues Marinho e desbaratou-o; ?De Xerez rouba o campo e qusi alaga?: v. Crnica de D. Joo I, 1. parte, cap. CVII, ?Como Gil Fernandes foi prear a Castela e do que aveo?: ?E foi prear a terra de Exarez; e trouxe mui gram presa de vacas e dovelhas e de prisioneiros.?; ?Mas olha Rui Pereira, que co rosto / Faz escudo s gals, ...?: Crnica de D. Joo I, 1. parte, cap. CXXXIII, ?Como alguumas naaos de Portugall pellejaram com as de Castella, e foram tomadas tres de Portugueses, e morto o boom de Ruy Pereira?. 35.1-8 ?Olha que dezessete Lusitanos?: trata-se do encontro casual de Martim Vasques da Cunha e de mais dezassete cavaleiros (um deles saiu entretanto para ir dar aviso ao arraial) com uma hoste de 400 lanas e muitos homens de p, de Castela. Defenderam-se durante toda a noite e madrugada, com os animais roda de si, atados uns aos outros e eles em meio e as costas uns contra os outros, ?no s defendendo, mas ofendendo?. Entretanto, de manh, chegou o socorro com o Condestvel, e os Castelhanos fugiram (v. Crnica de D. Joo I, 2. parte, cap. CVIII). 374 ----------------------- Page 422----------------------- OS LUSADAS 36.1-2 ?Sabe-se antigamente que trezentos / J contra mil Romanos pelejaram?: ED cita Eutrpio. Neste combate teriam morrido 70 lusitanos, mas 320 romanos. Ort.: despois (por depois). 37.1 ?Olha c dous Infantes, Pedro e Henrique?: D. Pedro viajou muito, mas no tanto como lhe atribuiu a lenda. Esteve em Inglaterra (1425) e na Flandres e foi festejado em Bruges com um torneio. Esteve depois em Gante. Em poca indeterminada, interna-se pela Alemanha e toma parte na guerra do imperador Sigismundo contra os Turcos. Esteve na Hungria e na Itlia, principalmente em Ferrara e em Roma. Em 1 de Junho de 1428 est com o papa Martinho V e em Agosto encontra-se de visita ao rei D. Joo II de Castela. Depois de visitar o rei de Navarra, regressa a Portugal. 37.4-7 ?... com que a morte engane?: com que vena o esquecimento; ?Este, que ela nos mares o pubrique?: este (o infante D. Henrique) que seja pela Fama ?publicado? nos mares. Acerca dos feitos de D. Henrique em Ceuta, v. Crnica da Tomada de Ceuta, de Gomes Eanes de Zurara; ?... e desengane / De Ceita a Maura tmida vaidade?: a orgulhosa convico da invencibilidade da terra de Ceuta. 38.1-3 ?Vs o Conde Dom Pedro, ...?: aps a tomada da cidade de Ceuta o comando da praa foi confiado por D. Joo I a D. Pedro de Meneses; ?Vs, outro Conde ...?: filho do antecedente, D. Duarte de Meneses, capito de Alccer Ceguer, tomada em 1458 por D. Afonso V. D. Duarte morreu em 1464, salvando a vida ao rei. 39.3 ?Mas falta-lhe pincel, falto-lhe cores?: por lhes, em referncia aos pintores. 40-3-7 ?Pela virtude...?: pelas honras; ?E por deixar a casa que descende?: que descende deles; ?Escuros deixam sempre seus menores?: deixam 375 ----------------------- Page 423----------------------- OS LUSADAS na obscuridade os seus descendentes. Menores latinismo. Ort.: anto (por ento); corrutores (por corruptores). 41-6-8 ?Crendo que cores vs ...?: falsas. ? pintura que fala querem mal?: a poesia. Ort.: contrairo (por contrrio). 42.2-8 ?Do generoso tronco ...? de tronco nobre; ?... a nobreza que lhe fica?: por lhes. Que lhes fica dos seus antecessores; ?... acha poucos a pintura?: a mesma ?pintura que fala?, a poesia. 43.1-5 ?Assi est declarando os grandes feitos / O Gama, ...?: entendemos assim: o Gama assi est declarando os grandes feitos que a vria tinta ali mostra e que a douta mo do singular artista ali pinta, to claros, to perfeitos; ?Os olhos tinhaprontos e direitos / O Catual na histria bem distinta?:prontos, atentos. Bem distinta, bem precisa, bem clara. 44.1-5 ?Mas j a luz se mostrava duvidosa / Porque a lmpada grande se escondia?: o Sol; ?Levava aos Antpodas o dia?: neste caso os antpodas eram os que estavam no ponto diametralmente oposto a Calecute; ?Quando o Gentio e a gente generosa / Dos Naires ...?: o Gentio o Catual e a gente generosa constituda pelos nobres Naires. No esqueamos a est. 73 do Canto VII, em que a ?Naira gerao, que o mar coalhava? acompanhou o Catual e Monaide nau capitaina. 45-1-5 ?Entretanto, os arspices famosos?: adivinhos, religiosos de profisso, encarregados de predizer o futuro pelo exame das entranhas das vtimas; ?Na falsa opinio, que em sacrifcios?: crendo falsamente; ?... estudiosos?: no sentido latino de aplicados, com zelo. 46.1-5 ?Sinal lhe mostra o Demo, verdadeiro?: sinal verdadeiro; ?Vai-se 376 ----------------------- Page 424----------------------- OS LUSADAS espantado o atnito agoureiro?: atnito o arspice pelas notcias que desentranhou das vtimas. 47.1-6 ?A isto mais se ajunta que um devoto?: para evitar o anacoluto devia estar ?a um devoto?; ?Dos dios concebidos no remoto?: no afastado; ?Em forma do Profeta falso e noto / Que do filho da escrava Agar procede?: Mafamede. Ort.: dece (por desce). 48.1-7 ?E diz-lhe assi: - ?Guardai-vos, gente minha / Do mal que se aparelha pelo imigo /... / ...??: do mal que vem por intermdio do inimigo; ?Que pelas guas hmidas caminha?: maria humida na Eneida, V.594 (ED); ?Antes que esteis ...?: forma antiga de estejais; ?... sonho usado?: sonho habitual. Asinha arcasmo. 49.7-8 ?De novo so, ...?: so pela primeira vez; ?... ao nscio povo humano?: ao ignorante povo humano. 50.2-8 ?Ordena como em tudo se resista?: toma as providncias necessrias para resistir; ?... quando o Sol sai, ...?: quando o Sol nasce; ?Se agudeza dos olhos ...?: latinismo: acies oculorum (ED); ?Se razes criar lhe no tolheis?: lhe refere-se a gente (do 1. verso). 51-1-5 ?Isto dito, ele e o sono se despede?: um conjuntamente com o outro. Ele Baco; ?Lavrando nele o frvido veneno?: o veneno instilado por Baco; ?Tanto que a nova luz ao Sol precede?: a aurora. 52.1 ?Diversos pareceres e contrrios?: Barros resume o parecer dos principais mouros de Calecute: ?Dizendo que o anno passado sobre duas naos de Mecha que tardavo em que lhe vinha fazenda, fizera perguta a alguas pessoas que uso do officio de astrologia & doutras artes que daqui dependem: hua das quaes pessoas que elle daria por testemunha como actor da obra, em hu vaso d? aguoa lhe mostrara as naos perdidas, & maes outras vela que dezia partirem de mui 377 ----------------------- Page 425----------------------- OS LUSADAS longe pera vir India, que a g?te dellas seria total destruio dos Mouros daquellas partes. E porque em verdade ellas ero perdidas como todos sabio, pois a todos tocara esta perda: podiasse tomar sospeita do maes na vinda daquelles navios ali chegados, pois a gete delles era Christa capital imiga de Mouros ... a ccluso da consulta acabou que buscassem todolos modos possveis pera sumir os nossos navios no fundo domar, & que as pessoas como ficassem em terra, hum & hum os irio gastando, com que no houvesse memoria delles nem do que tinho descoberto.? (Barros, I.IV.IX.) 53.1-5 ?Com peitas, ouro e ddivas secretas?: estas eram as peitas; ?Dizendo que so gentes inquietas?: ?O catual tanto q} vio t?po pera isso disse ao Camorij q} g?ralmete todolos homens do ponente q} estavo naquella cidade, dizio que aquelles q} ali eram vindos na sua propria terra vivio maes deste officio de cossairos q} de tracto & mercadoria: & como homens persiguidos na terra de seus naturaes se desterravo pera parte onde no fossem conhecidos.? (Barros, I.IV.IX.) 54.5 ?Porque, como est posto na superna / Cadeira, ...?: est, forma antiga do verbo estar (o mesmo que esteja). Superna (por superior) latinismo. 55.1-8 ?... que tome tanto / Em grosso ...?: to inconsideradamente; ?... a conscincia limpa e certa?: firme, segura; ?Que se enleve num pobre e humilde manto?: que se extasie num manto religioso; ?Que mal co eles poder ter conta?: eles so os negcios do mundo: que mal poder interessar-se por eles; ?A quieta inocncia, em s Deus pronta?: a tranquila inocncia s com os olhos em Deus, s a ele atenta. Cames transporta-se do mau encaminhamento dos negcios de Vasco da Gama para a m influncia dos privados e conselheiros do rei D. Sebastio. Trata-se de uma aluso a Martim Gonalves da Cmara? No esqueamos, no entanto, o sacerdote mouro da est. 47 e o seu papel. 56.3-6 ?Induzidos das gentes infernais?: induzidos dos Mouros; ?... quanto os Mouros ordenavam?: maquinavam. 378 ----------------------- Page 426----------------------- OS LUSADAS 57 Ort.: despois (por depois); someteria (por submeteria). 58.2-6 ?Por que ...?: para que; ?No era de espantar se s? espantasse?: no era de admirar que se atemorizasse (na est. 59: ?este temor?). Ort.: malina (por maligna); indina (por indigna). 59.1-8 ?[O Rei (est. 58) ...] Este temor lhe esfria o baixo peito?: anacoluto. O baixo peito, o nimo indigno; ?A quem por natureza est sujeito?: qual (cobia).Quem referia-se a pessoas e a coisas; ?Que lhe comete ...?: que lhe prope. 60.4-6 ?Executa o dinheiro seus poderes?: as peitas das est. 52 e 53; ?O grande Capito chamar mandava?: ?Porque tanto que o Camorij ccebeo o q} lhe dezio, mdou chamar Vasco da Gamma, & disse que lhe descobrisse hua verdade, que elle prometia de lha perdoar: por ser cousa natural aos homens buscarem cautelas & modos de sua abonao pera fazerem seu proveito, & que se andavo desterrados por algum caso elle os ajudaria em tudo. C segundo tinha sabido d? algus homens da parte da franquia donde dizio ser: elles no tinho rey, ou se o avia na sua patria, o seu officio maes era andar pelo mar darmada a maneira de cossairos que por razo de cmercio.? (Barros, I.IV.IX); ?A quem chegado disse: ...?: lhe disse depois que chegou. 61.1-5 ?... que a embaxada / ... que fingida?: que pleonstico; ?Mas vagabundo vs ...?: vs, forma antiga (por vais); ?Que quem da Hespria ltima alongada?: que (por pois). Da Hespria ltima, da Hispnia. Alongada, longnqua, como em ?remotas?. Ort.: embaxada (por embaixada). 62.3-8 ?Que presentes me trazes valoresos?: ?E el rey ? vez de lhe pedir as cartas, disselhe que ou ho mdava descobrir pedras ou hom?s, & se mdava descobrir hom?s como lhe no mandava algua cousa: & pois a no trazia que lhe dissero q} tinha hua sancta Maria douro 379 ----------------------- Page 427----------------------- OS LUSADAS que lha desse.? (Castanheda, I.XX); ?Com peas e des altos,...?: ?peas que sirvam de dons? (ED), hendade; ?Se lia ...?: verbo liar: se liga; ?Que sinal nem penhor no bastante / As palavras dum vago navegante?: a construo lgica seria esta: as palavras de um vago navegante no so sinal nem penhor bastante. O Poeta fez a concordncia no com o sujeito, mas com ?sinal? ou ?penhor?. FC emendou para ?no so bastante?. Ort.: valoresos (por valorosos). 63.5-7 ?... ao mar usados?: habituados, afeitos; ?... em toda idade?: em qualquer tempo (tudo faz). 64.7 ?Que Vnus Acidlia lhe influa?: Acidlia, fonte da Becia, onde se banhavam Vnus e as Graas. Virglio chama-lhe apenas matris Acidaliae (E, I.720). Vnus, protectora dos Portugueses, inspira o discurso de Vasco da Gama. 65.1-8 ?... que a malcia / Humana cometeu naprisca idade?: na idade antiqussima (de que j no h recordao). Prisca latinismo; ?No causaram que o vaso da nequcia?: nequcia est por iniquidade. ?Vasa iniquitatis? expresso bblica (?Gnesis?, XLIX.5). Para MC representa Maomete. O mesmo (Mafona) para JMR. Para ED, o Demnio. O Poeta lembrou-se de nequitia. Causaram, tivessem causado; ?Viera pr perptua inimiccia?: viera, viesse. Inimiccia, latinismo que significa inimizade, dio; ? poderoso Rei, da torpe seita?: note-se que Vasco da Gama qualifica de ?torpe? a seita de Mafoma, mesmo para os Mouros. Em III.20, para o rei de Melinde: ?torpe Mauritano? e ?torpe Mahometa?. Em VIII.65, para o Samorim: ?torpe seita?; ?No conceberas tu ...?: no terias concebido. 66.4-6 ?Que em suor vive sempre de seu peito?: que sempre mantida pelo rduo esforo do nosso corao (a esperana); ?... confiana / Desta ...?: em vez de ?confiana nesta? (como emfiducia alicujus rei, cit. por ED). 380 ----------------------- Page 428----------------------- OS LUSADAS 67.2-8 ?Undvago ...?: errante pelos mares (lat.); ?Que sofrem do Carneiro os moradores??: signo de ries. Refere-se aos habitantes da zona trrida. 68.1-8 ?Se com grandes presentes d? alta estima / O crdito me pedes do que digo?: ?Ao que Vasco da Gama respondeo, que se no esptasse de lhe no trazer nada, porque no tinha certeza de ho achar, & agora que ho achara veria o q} el rey seu senhor lhe mandava ...? (Castanheda, I.XX); ?... tanto me sublima?: tanto me engrandece; ?Com que minha tornada certifico?: com que meu regresso tomarei certo. Os ?des sumptuosos? dependiam, no fim de contas, da possibilidade de Vasco da Gama regressar ao reino. 69.8 ?Que creia dele tanta fortaleza?: o conceito em que o Lusitano tido ?demanda? maior crdito e f mais alta da que revelou o Samorim: que se possa crer dele a possibilidade de ir descobrir Calecute e a ndia, sem ser como corsrio. 70.8 ?... que lavavam?: que os mares lavavam. 71.1-8 ?Conceito dino foi do ramo claro,?: pensamento digno foi do ramo ilustre (o infante D. Henrique); ?Do venturoso Rei que arou primeiro / O mar ...?: refere-se a D. Joo I e conquista de Ceuta; ?... por ir deitar do ninho caro / O morador de Abila derradeiro?: para ir expulsar os Mouros de Ceuta (ou monte bila). Derradeiro, por estar nos confins do mundo conhecido. Na estncia seguinte, ?os moradores derradeiros austrais?, e em V.5.5, ?Mas nem por ser do mundo a derradeira? (a ilha da Madeira); ?... a parte que faz clara / De Argos, da Hidra a luz, da Lebre e da Ara?: a parte que a luz da Hidra, de Argos, da Lebre e da Ara torna clara. So constelaes austrais, que foi possvel ver depois que os Portugueses passaram o Equador. 72.3-6 ?Pouco e pouco, caminhos estrangeiros?: extraneus, de fora, do 381 ----------------------- Page 429----------------------- OS LUSADAS exterior; ? ... que nunca as Sete Flamas viram?: ?A expresso sete flamas de Cames corresponde a septem triones e designa as sete estrelas de 2. grandeza da Ursa Maior, brilhantes no cu como sete clares. O Poeta refere-se muito precisamente a esta esplndida constelao, e no Ursa Menor, cuja invisibilidade no era caracterstica do extremo sul do continente africano, pois tinha j lugar 7 ao norte do trpico de Capricrnio? (LPS, AL, p. 122). No confundir as Sete Flamas com o Sete-Estrelo (Pliades). Estas s deixam de ser visveis depois de 67 de latitude sul, na zona glacial antrctica. 72.8 ?Quantos esto os Trpicos queimando?: e que deixam atrs quantos esto queimados com os Trpicos. 73.4 ?Viemos pr a ltima coluna?: nec plus ultra: segundo a fbula, trata- se de inscrio gravada por Hrcules nas colunas do Calpe e de bila, que ele separou para ligar o Atlntico ao Mediterrneo. Talvez o Poeta se lembrasse de Hrcules ao escrever este verso. 73.5 ?Rompendo a fora do lquido estanho?: bom no esquecer que, em latim, stannum que estanho e que stagnum charco, lagoa, gua estagnada, toalha de gua (de stagno, as). Os Romanos pronunciavam stangnum, donde o francs tang (Bral e Bailly). Ov., M, I.48, fala em ?charcos imensos? (stagna inmensa), Virglio, ?abrindo um caminho nas guas? (stagna viam scindens), e Ov., P, para designar o Helesponto, ?as guas da irm de Frixo? (Hele) (Phrixae stagna sororis). Embora o Poeta no seja hostil aos pleonasmos, estranho o seu ?lquido estanho?. Mas no seria impossvel que o Poeta, que conheceu as coloraes do mar alto, se lembrasse do estanho, metal. 74.1-7 ?Esta a verdade, Rei; ...?: admire-se a simplicidade e sobriedade deste final. O Poeta diz que se no fosse verdade o que ele dizia no faria to longo, fingido e vo discurso para alcanar a segurana que o Samorim lhe prometia. T-la-ia logo aceitado como fraco prmio; ?No nunca descansado e fero grmio / Da madre Ttis, qual pirata inico?: nos mares encapelados que a deusa Ttis governa, feito pirata 382 ----------------------- Page 430----------------------- OS LUSADAS injusto e cruel. V. descansar (v. 5) e nunca descansado (v. 6). Ort.: inico (por inquo). 75.2-4 ? ... sincera e no dobrada?: e no fingida. Palavras dobradas, palavras fingidas; ?No me impidas o gosto da tornada?: tornada em VlII.68.8. So estes os dois lugares em que empregou esta palavra. Ort.: impidas, forma antiga (por impeas). 76.1-8 ?A tento estava o Rei na segurana?: ?Mui at?to esteve o Camorij a todas estas palavras de Vasco da Gamma oulhando muito a continencia com que as dizia: como homem que do fervor & constancia que lhe visse, queria conjecturar a verdade dellas? (Barros, I.IV.IX); ?Concebe dele ...?: deste (Vasco da Gama); ?Crdito firme, em quanto proferia?: em (tudo) quanto proferia; ?Pondera das palavras a abastana?: suficincia franca; ?Os Catuais corrutos, mal julgados?: mal avaliados por ele. Ort.: corrutos (por corruptos). 77.3-5 ?... e ter respeito / Co Capito, ...?: ao capito; ?Enfim ao Gama manda que direito / s naus se v ...?: ?El Rey crendo mais o que lhe ele dizia, que o que lhe os mouros tinho dito, disselhe q} fosse embora, & que levasse os seus consigo que no era necessrio ficar nenhu em terra, & que trouvesse sua mercadoria, & que a vendesse ho melhor que podesse.? (Castanheda, I.XX.) 78.1-7 ?Que mande da fazenda, enfim, lhe manda?: lhe ordena; ?... pera onde pea / Ao Catual que dele tinha cargo?: que estava encarregado dele, capito. 79.2-7 ?Mas o mau Regedor, ...?: o Catual. V. em Castanheda, I.XXI, bastante elucidativo; ?... por que o arrede / ... / Onde, ...?: para que o arrede ... de tal modo que. 80.3-7 ?Ou que pera a luz crstina do dia / Futuro, ...?: aqui h uma espcie 383 ----------------------- Page 431----------------------- OS LUSADAS de pleonasmo: luz crstina a luz do dia seguinte. Equivale a ?para a manh do dia futuro?; ?... que o Gentio consentisse / Na m teno ...?: que o Gentio consentia no mau propsito dos Mouros - m, torpe e fera. 81-2-8 ?Corrutos pela Maumetana gente?: escreve-se Maumetana, como na edioprinceps, por causa da medida do verso; ?... por quem se governavam?: por quem eram governadas; ?Dele smente ...?: smente dele; ?De suas esperanas no delira?: no desvaria, ou tresvaria. Ort.: corrutos (por corruptos). 82.3-5 ?E que assi lho mandara, ...?: lhe (ao Catual); ?O nobre sucessor de Perimal?: o Samorim; ?... e lhe difere?: e lhe retarda. 83.5 ?... o ferro bruto?: cruel. muito frequente em Cames o uso de ?bruto?: ?bruta gente?, ?bruto lago?, ?bruta crueza?, ?povo bruto? e, at, ?alegria bruta?. O sentido no o mesmo nestes exemplos. Ort.: sutil (por subtil); avorrecido (por aborrecido). 84.2-6 ?O conselho infernal dos Maumetanos?: equivale s ?gentes infernais? de VIII.56.3; ?Por que ...?: para que; ?A terra Eoa ...?: Eos a Aurora. A terra Eoa a terra oriental; ?O Regedor dos Brbaros profanos ?: no sentido latino de mpios. 85.2-6 ?... que mandasse / Chegar terra as naus ...?: ?Etanto q} tornou logo lhe Vasco da Gama pedido almadias pera se ir: & ele lhe disse que mandasse chegar mais pera terra os navios, & que ?to se iria: do que se ele agastou muyto, parecendolhe que lhe dizia, pera com a muyta gente que tinha, lhe ir tomar os navios em almadias: & por isso no quis.? (Castanheda, I.XXI); ?Que l to longe a frota se alargasse?: ficasse ao largo, a distncia. 86.7 ?... a quanto mal se lhe ordenava?: se lhe aparelhava. 384 ----------------------- Page 432----------------------- OS LUSADAS 87.1-2 ?Qual o reflexo lume do polido / Espelho ...?: quer-se ver nesta estncia sugesto dos seguintes versos da Eneida: sicut aquae tremulus labris ubi lumen anis sole repercussum aut radiantis imagine lunae omnia pervolitat late loca iamque sub auras erigitur summique ferit laquearia tecti. (VIII.22-25) Ort.:fermoso (porformoso ); ouciosa (por ociosa). 88.2 ?... quando lhe lembrara?: quando lhe lembrou. 89.7 ?Crer tudo, enfim; ...?: pensar em tudo. 90.3 ?Ele, constante e de ira nobre aceso?: com constncia de nimo. 91.2-5 ?E parte do outro dia, quando ordena?: quando determina; ?Comete- lhe o Gentio ...?: prope-lhe. 92.7 ?... porque sabe por verdade?: de certeza. 93-1-2 ?Concertam-se que o Negro mande dar?: combinam entre si. O Negro o Catual; ?Embarcaes idneas com que venha?: com que a fazenda venha. 94.2-3 ?A agasalhou ...?: a arrecadou; ?Co ela ficam lvaro e Diogo?: Diogo Dias ficou por feitor e lvaro de Braga por seu escrivo. 385 ----------------------- Page 433----------------------- OS LUSADAS 95.3-6 ?Interesse maior do que lhe vinha?: do que lhe viria;por que no pudesse?: para que. 96.3-8 ?... j do cobioso / Regedor, corrompido e pouco nobre?: regedor cobioso, corrompido e pouco nobre; ?Pode o vil interesse e sede imiga / Do dinheiro, ...?: a sede nociva porque insacivel. Seguem-se trs exemplos do que o vil interesse e a sede insacivel do dinheiro. 97.1-5 ?A Polidoro mata o rei Trecio?: Pramo, rei de Tria, confiou seu filho Polidoro a Polimnestor, rei da Trcia (o rei Trecio). Depois da queda de Tria, Polimnestor, para se apoderar do oiro, que teria vindo com o filho de Pramo, matou Polidoro e atirou com o cadver dele ao mar (v. V, E, III.49-56); ?Entra, pelo fortssimo edifcio?: Acrsio, pai de Dnae, encerrou sua filha numa torre de bronze (Apollodoro, Biblioteca, II.IV, diz: ?numa cmara subterrnea de bronze?) para impedir o cumprimento da profecia de que seria morto pelo filho que dela nascesse. MasJpiter entrou na torre sob a forma de uma chuva de oiro e tornou Dnae me de Perseu, que mais tarde veio a matar Acrsio; ?Pode tanto em Tarpeia avaro vcio?: Tarpeia, filha de Spurius Tarpeius, entregou a cidadela de Roma (o Capitlio) aos Sabinos sob promessa de eles lhe darem o que traziam no brao esquerdo (o bracelete de oiro). Tcio, rei dos Sabinos, consentiu, mas, ao entrar na cidadela, atirou-lhe no s o bracelete, mas o escudo que tinha no mesmo brao. Os soldados fizeram o mesmo e Tarpeia ficou esmagada (T. Lvio, I.XI). 98.1-3 ?Este rende munidas fortalezas?: o oiro faz render fortalezas bem fortificados. Munidas latinismo; ?Faz trdoros e falsos os amigos?: trdoros, tredos, traidores; ?Este a mais nobres ...?: aos mais nobres. 99.7 ?Que corrompe este encantador,...?: o oiro. vaga reminiscncia da Eneida, VI.621.624. Uma ode de Horcio refere-se ao episdio de Dnae e ao poder do oiro (III.16). 386 ----------------------- Page 434----------------------- OS LUSADAS IX 1 TIVERAM longamente na cidade, Sem vender-se, a fazenda os dous feitores, Que os Infiis, por manha e falsidade, Fazem que no lha comprem mercadores; Que todo seu propsito e vontade Era deter ali os descobridores Da ndia tanto tempo que viessem De Meca as naus, que as suas desfizessem. 2 L no seio Eritreu, onde fundada Arsnoe foi do Egpcio Ptolomeu (Do nome da irm sua assi chamada, Que despois em Suez se converteu), No longe o porto jaz da nomeada Cidade Meca, que se engrandeceu Com a superstio falsa e profana Da religiosa gua Maumetana. 3 Gid se chama o porto aonde o trato De todo o Roxo Mar mais florecia, De que tinha proveito grande e grato O Soldo que esse Reino possua. Daqui aos Malabares, por contrato Dos Infiis, fermosa companhia De grandes naus, pelo ndico Oceano, Especiaria vem buscar cada ano. 387 ----------------------- Page 435----------------------- OS LUSADAS 4 Por estas naus os Mouros esperavam, Que, como fossem grandes e possantes, Aquelas que o comrcio lhe tomavam, Com flamas abrasassem crepitantes. Neste socorro tanto confiavam Que j no querem mais dos navegantes Seno que tanto tempo ali tardassem Que da famosa Meca as naus chegassem. 5 Mas o Governador dos Cus e gentes, Que, pera quanto tem determinado, De longe os meios d convenientes Por onde vem a efeito o fim fadado, Influiu piadosos acidentes De afeio em Monaide, que guardado Estava pera dar ao Gama aviso E merecer por isso o Paraso. 6 Este, de quem se os Mouros no guardavam Por ser Mouro como eles (antes era Participante em quanto maquinavam), A teno lhe descobre torpe e fera. Muitas vezes as naus que longe estavam Visita, e com piedade considera O dano sem razo que se lhe ordena Pela maligna gente Sarracena. 7 Informa o cauto Gama das armadas Que de Arbica Meca vem cad' ano, Que agora so dos seus to desejadas, Pera ser instrumento deste dano; Diz-lhe que vm de gente carregadas E dos troves horrendos de Vulcano, E que pode ser delas oprimido, Segundo estava mal apercebido. 388 ----------------------- Page 436----------------------- OS LUSADAS 8 O Gama, que tambm considerava O tempo que pera a partida o chama, E que despacho j no esperava Milhor do Rei, que os Maumetanos ama, Aos feitores que em terra esto, mandava Que se tornem s naus; e, por que a fama Desta sbita vinda os no impida, Lhe manda que a fizessem escondida. 9 Porm no tardou muito que, voando, Um rumor no soasse, com verdade: Que foram presos os feitores, quando Foram sentidos vir-se da cidade. Esta fama as orelhas penetrando Do sbio Capito, com brevidade Faz represria nuns que s naus vieram A vender pedraria que trouxeram. 10 Eram estes antigos mercadores Ricos em Calecu e conhecidos; Da falta deles, logo entre os milhores Sentido foi que esto no mar retidos. Mas j nas naus os bons trabalhadores Volvem o cabrestante e, repartidos Pelo trabalho, uns puxam pela amarra, Outros quebram co peito duro a barra, 11 Outros pendem da verga e j desatam A vela, que com grita se soltava, Quando, com maior grita, ao Rei relatam A pressa com que a armada se levava. As mulheres e filhos, que se matam, Daqueles que vo presos, onde estava O Samorim se aqueixam que perdidos Uns tm os pais, as outras os maridos. 389 ----------------------- Page 437----------------------- OS LUSADAS 12 Manda logo os feitores Lusitanos Com toda sua fazenda, livremente, Apesar dos imigos Maumetanos, Por que lhe torne a sua presa gente. Desculpas manda o Rei de seus enganos; Recebe o Capito de melhormente Os presos que as desculpas e, tornando Alguns negros, se parte, as velas dando. 13 Parte-se costa abaxo, porque entende Que em vo co Rei gentio trabalhava Em querer dele paz, a qual pretende Por firmar o comrcio que tratava; Mas como aquela terra, que se estende Pela Aurora, sabida j deixava, Com estas novas torna ptria cara, Certos sinais levando do que achara. 14 Leva alguns Malabares, que tomou Per fora, dos que o Samorim mandara Quando os presos feitores lhe tornou; Leva pimenta ardente, que comprara; A seca flor de Banda no ficou; A noz e o negro cravo, que faz clara A nova ilha Maluco, co a canela Com que Ceilo rica, ilustre e bela. 15 Isto tudo lhe houvera a diligncia De Monaide fiel, que tambm leva, Que, inspirado de Anglica influncia, Quer no livro de Cristo que se escreva. Oh, ditoso Africano, que a demncia Divina assi tirou de escura treva, E to longe da ptria achou maneira Pera subir ptria verdadeira! 390 ----------------------- Page 438----------------------- OS LUSADAS 16 Apartadas assi da ardente costa As venturosas naus, levando a proa Pera onde a Natureza tinha posta A meta Austrina da Esperana Boa, Levando alegres novas e reposta Da parte Oriental pera Lisboa, Outra vez cometendo os duros medos Do mar incerto, tmidos e ledos. 17 O prazer de chegar ptria cara, A seus penates caros e parentes, Pera contar a peregrina e rara Navegao, os vrios cus e gentes; Vir a lograr o prmio que ganhara, Por to longos trabalhos e acidentes: Cada um tem por gosto to perfeito, Que o corao para ele vaso estreito. 18 Porm a Deusa Cpria, que ordenada Era, pera favor dos Lusitanos, Do Padre Eterno, e por bom gnio dada, Que sempre os guia j de longos anos, A g1ria por trabalhos alcanada, Satisfao de bem sofridos danos, Lhe andava j ordenando, e pretendia Dar-lhe nos mares tristes, alegria. 19 Despois de ter um pouco revolvido Na mente o largo mar que navegaram, Os trabalhos que pelo Deus nascido Nas Anfinias Tebas se causaram, J trazia de longe no sentido, Pera primo de quanto mal passaram, Buscar-lhe algum deleite, algum descanso, No Reino de cristal, lquido e manso; 391 ----------------------- Page 439----------------------- OS LUSADAS 20 Algum repouso, enfim, com que pudesse Refocilar a lassa humanidade Dos navegantes seus, como interesse Do trabalho que encurta a breve idade. Parece-lhe razo que conta desse A seu filho, por cuja potestade Os Deuses faz decer ao vil terreno E os humanos subir ao Cu sereno. 21 Isto bem revolvido, determina De ter-lhe aparelhada, l no meio Das guas, algua nsula divina, Ornada d' esmaltado e verde arreio; Que muitas tem no reino que confina Da primeira co terreno seio, Afora as que possui soberanas Pera dentro das portas Herculanas. 22 Ali quer que as aquticas donzelas Esperem os fortssimos bares (Todas as que tm ttulo de belas, Glria dos olhos, dor dos coraes) Com danas e coreias, porque nelas Influr secretas afeies, Pera com mais vontade trabalharem De contentar a quem se afeioarem. 23 Tal manha buscou j pera que aquele Que de Anquises pariu, bem recebido Fosse no campo que a bovina pele Tomou de espao, por sutil partido. Seu filho vai buscar, porque s nele Tem todo seu poder, fero Cupido, Que, assi como naquela empresa antiga A ajudou j, nestoutra a ajude e siga. 392 ----------------------- Page 440----------------------- OS LUSADAS 24 No carro ajunta as aves que na vida Vo da morte as exquias celebrando, E aquelas em que j foi convertida Perstera, as boninas apanhando; Em derredor da Deusa, j partida, No ar lascivos beijos se vo dando; Ela, por onde passa, o ar e o vento Sereno faz, com brando movimento. 25 J sobre os Idlios montes pende, Onde o filho frecheiro estava ento, Ajuntando outros muitos, que pretende Fazer ua famosa expedio Contra o mundo revelde, por que emende Erros grandes que h dias nele esto, Amando cousas que nos foram dadas, No pera ser amadas, mas usadas. 26 Via Acton na caa to austero, De cego na alegria bruta, insana, Que, por seguir um feio animal fero, Foge da gente e bela forma humana; E por castigo quer, doce e severo, Mostrar-lhe a formosura de Diana. (E guarde-se no seja inda comido Desses ces que agora ama, e consumido). 27 E v do mundo todo os principais Que nenhum no bem pbrico imagina; V neles que no tm amor a mais Que a si smente, e a quem Filucia ensina; V que esses que frequentam os reais Paos, por verdadeira e s doutrina Vendem adulao, que mal consente Mondar-se o novo trigo florecente. 393 ----------------------- Page 441----------------------- OS LUSADAS 28 V que aqueles que devem pobreza Amor divino, e ao povo caridade, Amam smente mandos e riqueza, Simulando justia e integridade; Da feia tirania e de aspereza Fazem direito e v severidade; Leis em favor do Rei se estabelecem, As em favor do povo s perecem. 29 V, enfim, que ningum ama o que deve, Seno o que smente mal deseja. No quer que tanto tempo se releve O castigo que duro e justo seja. Seus ministros ajunta, por que leve Exrcitos conformes peleja Que espera ter co a mal regida gente Que lhe no for agora obediente. 30 Muitos destes mininos voadores Esto em vrias obras trabalhando: Uns amolando ferros passadores, Outros hsteas de setas delgaando. Trabalhando, cantando esto de amores, Vrios casos em verso modulando; Melodia sonora e concertada, Suave a letra, anglica a soada. 31 Nas frguas imortais onde forjavam Pera as setas as pontas penetrantes, Por lenha coraes ardendo estavam, Vivas entranhas inda palpitantes; As guas onde os ferros temperavam, Lgrimas so de mseros amantes; A viva flama, o nunca morto lume, Desejo s que queima e no consume. 394 ----------------------- Page 442----------------------- OS LUSADAS 32 Alguns exercitando a mo andavam Nos duros coraes da plebe ruda; Crebros suspiros pelo ar soavam Dos que feridos vo da seta aguda. Fermosas Ninfas so as que curavam As chagas recebidas, cuja ajuda No smente d vida aos mal feridos, Mas pe em vida os inda no nascidos. 33 Fermosas so alguas e outras feias, Segundo a qualidade for das chagas, Que o veneno espalhado pelas veias Curam-no s vezes speras triagas. Alguns ficam ligados em cadeias Por palavras sutis de sbias magas; Isto acontece s vezes, quando as setas Acertam de levar ervas secretas. 34 Destes tiros assi desordenados, Que estes moos mal destros vo tirando, Nascem amores mil desconcertados Entre o povo ferido miserando; E tambm nos heris de altos estados Exemplos mil se vm de amor nefando, Qual o das moas Bbli e Cinireia, Um mancebo de Assria, um de Judeia. 35 E vs, poderosos, por pastoras Muitas vezes ferido o peito vedes; E por baixos e rudos, vs, senhoras, Tambm vos tomam nas Vulcneas redes. Uns esperando andais nocturnas horas, Outros subis telhados e paredes; Mas eu creio que deste amor indino mais culpa a da me que a do minino. 395 ----------------------- Page 443----------------------- OS LUSADAS 36 Mas j no verde prado o carro leve Punham os brancos cisnes mansamente; E Dione, que as rosas entre a neve No rosto traz, decia diligente. O frecheiro que contra o Cu se atreve O receb-la vem, ledo e contente; Vm todos os Cupidos servidores Beijar a mo Deusa dos amores. 37 Ela, por que no gaste o tempo em vo, Nos braos tendo o filho, confiada Lhe diz: ? Amado filho, em cuja mo Toda minha potncia est fundada; Filho, em quem minhas foras sempre esto, Tu, que as armas Tifeias tens em nada, A socorrer-me a tua potestade Me traz especial necessidade. 38 Bem vs as Lusitnicas fadigas, Que eu j de muito longe favoreo, Porque das Parcas sei, minhas amigas, Que me ho-de venerar e ter em preo. E porque tanto imitam as antigas Obras de meus Romanos, me ofereo A lhe dar tanta ajuda, em quanto posso, A quanto se estender o poder nosso. 39 E porque das insdias do odioso Baco foram na ndia molestados, E das injrias ss do mar undoso Puderam mais ser mortos que cansados, No mesmo mar, que sempre temeroso Lhe foi, quero que sejam repousados, Tomando aquele prmio e doce glria Do trabalho que faz clara a memria. 396 ----------------------- Page 444----------------------- OS LUSADAS 40 E pera isso queria que, feridas As filhas de Nereu no ponto fundo, D' amor dos Lusitanos incendidas Que vm de descobrir o novo mundo, Todas nua ilha juntas e subidas, (Ilha que nas entranhas do profundo Oceano terei aparelhada, De des de Flora e Zfiro adornada); 41 Ali, com mil refrescos e manjares, Com vinhos odorferos e rosas, Em cristalinos paos singulares, Fermosos leitos, e elas mais fermosas; Enfim, com mil deleites no vulgares, Os esperem as Ninfas amorosas, D' amor feridas, pera lhe entregarem Quanto delas os olhos cobiarem. 42 Quero que haja no reino Neptunino, Onde eu nasci, prognie forte e bela; E tome exemplo o mundo vil, malino, Que contra tua potncia se rebela, Por que entendam que muro Adamantino Nem triste hipocrisia val contra ela; Mal haver na terra quem se guarde Se teu fogo imortal nas guas arde. 43 Assi Vnus props; e o filho inico, Pera lhe obedecer, j se apercebe: Manda trazer o arco ebrneo rico, Onde as setas de ponta de ouro embebe. Com gesto ledo a Cpria, e impudico, Dentro no carro o filho seu recebe; A rdea larga s aves cujo canto A Faetonteia morte chorou tanto. 397 ----------------------- Page 445----------------------- OS LUSADAS 44 Mas diz Cupido que era necessria Ua famosa e clebre terceira, Que, posto que mil vezes lhe contrria, Outras muitas a tem por companheira: A Deusa Giganteia, temerria, Jactante, mentirosa e verdadeira, Que com cem olhos v, e, por onde voa, O que v, com mil bocas apregoa. 45 Vo-a buscar e mandam-a diante, Que celebrando v com tuba clara Os louvores da gente navegante, Mais do que nunca os d' outrem celebrara. J, murmurando, a Fama penetrante Pelas fundas cavernas se espalhara; Fala verdade, havida por verdade, Que junto a Deusa traz Credulidade. 46 O louvor grande, o rumor excelente, No corao dos Deuses que indinados Foram por Baco contra a ilustre gente, Mudando, os fez um pouco afeioados. O peito feminil, que levemente Muda quaisquer propsitos tomados, J julga por mau zelo e por crueza Desejar mal a tanta fortaleza. 47 Despede nisto o fero moo as setas, Ua aps outra: geme o mar cos tiros; Direitas pelas ondas inquietas Alguas vo, e alguas fazem giros; ? Caem as Ninfas, lanam das secretas Entranhas ardentssimos suspiros; Cai qualquer, sem ver o vulto que ama, Que tanto como a vista pode a fama. 398 ----------------------- Page 446----------------------- OS LUSADAS 48 Os cornos ajuntou da ebrnea Lua, Com fora, o moo indmito, excessiva, Que Ttis quer ferir mais que nenhua, Porque mais que nenhua lhe era esquiva. J no fica na aljava seta algua, Nem nos equreos campos Ninfa viva; E se, feridas, inda esto vivendo, Ser pera sentir que vo morrendo. 49 Dai lugar, altas e cerleas ondas, Que, vedes, Vnus traz a medicina, Mostrando as brancas velas e redondas, Que vm por cima da gua Neptunina. Pera que tu recproco respondas, Ardente Amor, flama feminina, forado que a pudiccia honesta Faa quanto lhe Vnus amoesta. 50 J todo o belo coro se aparelha Das Nereidas, e junto caminhava Em coreias gentis, usana velha, Pera a ilha a que Vnus as guiava. Ali a fermosa Deusa lhe aconselha O que ela fez mil vezes, quando amava; Elas, que vo do doce amor vencidas, Esto a seu conselho oferecidas. 51 Cortando vo as naus a larga via Do mar ingente pera a ptria amada, Desejando prover-se de gua fria Pera a grande viagem prolongada, Quando, juntas, com sbita alegria, Houveram vista da Ilha namorada, Rompendo pelo cu a me fermosa De Mennio, suave e deleitosa. 399 ----------------------- Page 447----------------------- OS LUSADAS 52 De longe a Ilha viram, fresca e bela, Que Vnus pelas ondas lha levava (Bem como o vento leva branca vela) Pera onde a forte armada se enxergava; Que, por que no passassem, sem que nela Tomassem porto, como desejava, Pera onde as naus navegam a movia A Acidlia, que tudo, enfim, podia. 53 Mas firme a fez e imbil, como viu Que era dos Nautas vista e demandada, Qual ficou Delos, tanto que pariu Latona Febo e a Deusa caa usada. Pera l logo a proa o mar abriu, Onde a costa fazia ua enseada Curva e quieta, cuja branca areia Pintou de ruivas conchas Citereia. 54 Trs fermosos outeiros se mostravam, Erguidos com soberba graciosa, Que de gramneo esmalte se adornavam, Na fermosa Ilha, alegre e deleitosa. Claras fontes e lmpidas manavam Do cume, que a verdura tem viosa; Por entre pedras alvas se deriva A sonorosa linfa fugitiva. 55 Num vale ameno, que os outeiros fende, Vinham as claras guas ajuntar-se, Onde ua mesa fazem, que se estende To bela quanto pode imaginar-se. Arvoredo gentil sobre ela pende, Como que pronto est pera afeitar-se, Vendo-se no cristal resplandecente, Que em si o est pintando propriamente. 400 ----------------------- Page 448----------------------- OS LUSADAS 56 Mil rvores esto ao cu subindo, Com pomos odorferos e belos; A laranjeira tem no fruito lindo A cor que tinha Dafne nos cabelos. Encosta-se no cho, que est caindo, A cidreira cos pesos amarelos; Os fermosos limes ali cheirando, Esto virgneas tetas imitando. 57 As rvores agrestes, que os outeiros Tm com frondente coma ennobrecidos, lemos so de Alcides, e os loureiros Do louro Deus amados e queridos; Mirtos de Citereia, cos pinheiros De Cibele, por outro amor vencidos; Est apontando o agudo cipariso Pera onde posto o etreo Paraso. 58 Os des que d Pomona ali Natura Produze, diferentes nos sabores, Sem ter necessidade de cultura, Que sem ela se do muito milhores: As cereijas, purpreas na pintura, As amoras, que o nome tm de amores, O pomo que da ptria Prsia veio, Milhor tomado no terreno alheio; 59 Abre a rom, mostrando a rubicunda Cor, com que tu, rubi, teu preo perdes; Entre os braos do ulmeiro est a jocunda Vide, cuns cachos roxos e outros verdes; E vs, se na vossa rvore fecunda, Peras piramidais, viver quiserdes, Entregai-vos ao dano que cos bicos Em vs fazem os pssaros inicos. 401 ----------------------- Page 449----------------------- OS LUSADAS 60 Pois a tapearia bela e fina Com que se cobre o rstico terreno, Faz ser a de Aquemnia menos dina, Mas o sombrio vale mais ameno. Ali a cabea a flor Cifsia inclina Sbolo tanque lcido e sereno; Florece o filho e neto de Ciniras, Por quem tu, Deusa Pfia, inda suspiras. 61 Pera julgar, difcil cousa fora, No cu vendo e na terra as mesmas cores, Se dava s flores cor a bela Aurora, Ou se lha do a ela as belas flores. Pintando estava ali Zfiro e Flora As violas da cor dos amadores, O lrio roxo, a fresca rosa bela, Qual reluze nas faces da donzela; 62 A cndida cecm, das matutinas Lgrimas rociada, e a manjerona; Vm-se as letras nas flores Hiacintinas, To queridas do filho de Latona. Bem se enxerga nos pomos e boninas Que competia Clris com Pomona. Pois, se as aves no ar cantando voam, Alegres animais o cho povoam. 63 Ao longo da gua o nveo cisne canta; Responde-lhe do ramo filomela; Da sombra de seus cornos no se espanta Acteon n' gua cristalina e bela. Aqui a fugace lebre se levanta Da espessa mata, ou tmida gazela; Ali no bico traz ao caro ninho O mantimento o leve passarinho. 402 ----------------------- Page 450----------------------- OS LUSADAS 64 Nesta frescura tal desembarcavam J das naus os segundos Argonautas, Onde pela floresta se deixavam Andar as belas Deusas, como incautas. Alguas, doces ctaras tocavam; Alguas, harpas e sonoras frautas; Outras, cos arcos de ouro, se fingiam Seguir os animais, que no seguiam. 65 Assi lho aconselhara a mestra experta: Que andassem pelos campos espalhadas; Que, vista dos bares a presa incerta, Se fizessem primeiro desejadas. Alguas, que na forma descoberta Do belo corpo estavam confiadas, Posta a artificiosa formosura, Nuas lavar se deixam na gua pura. 66 Mas os fortes mancebos, que na praia Punham os ps, de terra cobiosos (Que no h nenhum deles que no saia), De acharem caa agreste desejosos, No cuidam que, sem lao ou redes, caia Caa naqueles montes deleitosos, To suave, domstica e benina, Qual ferida lha tinha j Ericina. 67 Alguns, que em espingardas e nas bestas Pera ferir os cervos, se fiavam, Pelos sombrios matos e florestas Determinadamente se lanavam; Outros, nas sombras, que de as altas sestas Defendem a verdura, passeavam Ao longo da gua, que, suave e queda, Por alvas pedras corre praia leda. 403 ----------------------- Page 451----------------------- OS LUSADAS 68 Comeam de enxergar subitamente, Por entre verdes ramos, vrias cores, Cores de quem a vista julga e sente Que no eram das rosas ou das flores, Mas da l fina e seda diferente, Que mais incita a fora dos amores, De que se vestem as humanas rosas, Fazendo-se por arte mais fermosas. 69 D Veloso, espantado, um grande grito: ? Senhores, caa estranha (disse) esta! Se inda dura o Gentio antigo rito, A Deusas sagrada esta floresta. Mais descobrimos do que humano esprito Desejou nunca, e bem se manifesta Que so grandes as cousas e excelentes Que o mundo encobre aos homens imprudentes. 70 Sigamos estas Deusas e vejamos Se fantsticas so, se verdadeiras. Isto dito, veloces mais que gamos, Se lanam a correr pelas ribeiras. Fugindo as Ninfas vo por entre os ramos, Mas, mais industriosas que ligeiras, Pouco e pouco, sorrindo e gritos dando, Se deixam ir dos galgos alcanando. 71 De ua os cabelos de ouro o vento leva, Correndo, e da outra as fraldas delicadas; Acende-se o desejo, que se ceva Nas alves carnes, sbito mostradas. Ua de indstria cai, e j releva, Com mostras mais macias que indinadas, Que sobre ela, empecendo, tambm caia Quem a seguiu pela arenosa praia. 404 ----------------------- Page 452----------------------- OS LUSADAS 72 Outros, por outra parte, vo topar Com as Deusas despidas, que se lavam; Elas comeam sbito a gritar, Como que assalto tal no esperavam; Uas, fingindo menos estimar A vergonha que a fora, se lanavam Nuas por entre o mato, aos olhos dando O que s mos cobiosas vo negando; 73 Outra, como acudindo mais depressa vergonha da Deusa caadora, Esconde o corpo n' gua; outra se apressa Por tomar os vestidos que tem fora. Tal dos mancebos h que se arremessa, Vestido assi e calado (que, co a mora De se despir, h medo que inda tarde) A matar na gua o fogo que nele arde. 74 Qual co de caador, sagaz e ardido, Usado a tomar na gua a ave ferida, Vendo [] rosto o frreo cano erguido Pera a garcenha ou pata conhecida, Antes que soe o estouro, mal sofrido Salta n' gua e da presa no duvida, Nadando vai e latindo: assi o mancebo Remete que no era irm de Febo. 75 Leonardo, soldado bem disposto, Manhoso, cavaleiro e namorado, A quem Amor no dera um s desgosto Mas sempre fora dele mal tratado, E tinha j por firme pros[s]uposto Ser com amores mal afortunado, Porm no que perdesse a esperana De inda poder seu fado ter mudana, 405 ----------------------- Page 453----------------------- OS LUSADAS 76 Quis aqui sua ventura que corria Aps Efire, exemplo de beleza, Que mais caro que as outras dar queria O que deu, pera dar-se, a natureza. J cansado, correndo, lhe dizia: ? formosura indina de aspereza, Pois desta vida te concedo a palma, Espera um corpo de quem levas a alma! 77 Todas de correr cansam, Ninfa pura, Rendendo-se vontade do inimigo; Tu s de mi s foges na espessura? Quem te disse que eu era o que te sigo? Se to tem dito j aquela ventura Que em toda a parte sempre anda comigo, Oh, no na creias, porque eu, quando a cria, Mil vezes cada hora me mentia. 78 No canses, que me cansas! E se queres Fugir-me, por que no possa tocar-te, Minha ventura tal que, inda que esperes, Ela far que no possa alcanar-te. Espera; quero ver, se tu quiseres, Que sutil modo busca de escapar-te; E notars, no fim deste sucesso, ?Tra la spica e la man qual muro he messo.? 79 Oh! No me fujas! Assi nunca o breve Tempo fuja de tua formosura; Que, s com refrear o passo leve, Vencers da fortuna a fora dura. Que Emperador, que exrcito se atreve A quebrantar a fria da ventura Que, em quanto desejei, me vai seguindo, O que tu s fars no me fugindo? 406 ----------------------- Page 454----------------------- OS LUSADAS 80 Pes-te da parte da desdita minha? Fraqueza dar ajuda ao mais potente. Levas-me um corao que livre tinha? Solta-mo e corrers mais levemente. No te carrega essa alma to mesquinha Que nesses fios de ouro reluzente Atada levas? Ou, despois de presa, Lhe mudaste a ventura e menos pesa? 81 Nesta esperana s te vou seguindo: Que ou tu no sofrers o peso dela, Ou na virtude de teu gesto lindo Lhe mudars a triste e dura estrela. E se se lhe mudar, no vs fugindo, Que Amor te ferir, gentil donzela, E tu me esperars, se Amor te fere; E se me esperas, no h mais que espere. 82 J no fugia a bela Ninfa tanto, Por se dar cara ao triste que a seguia, Como por ir ouvindo o doce canto, As namoradas mgoas que dizia. Volvendo o rosto, j sereno e santo, Toda banhada em riso e alegria, Cair se deixa aos ps do vencedor, Que todo se desfaz em puro amor. 83 Oh, que famintos beijos na floresta, E que mimoso choro que soava! Que afagos to suaves! Que ira honesta, Que em risinhos alegres se tornava! O que mais passam na manh e na sesta, Que Vnus com prazeres inflamava, Milhor expriment-lo que julg-lo; Mas julgue-o quem no pode expriment-lo. 407 ----------------------- Page 455----------------------- OS LUSADAS 84 Destarte, enfim, conformes j as fermosas Ninfas cos seus amados navegantes, Os ornam de capelas deleitosas De louro e de ouro e flores abundantes. As mos alvas lhe davam como esposas; Com palavras formais e estipulantes Se prometem eterna companhia, Em vida e morte, de honra e alegria. 85 Ua delas, maior, a quem se humilha Todo o coro das Ninfas e obedece, Que dizem ser de Celo e Vesta filha, O que no gesto belo se parece, Enchendo a terra e o mar de maravilha, O capito ilustre, que o merece, Recebe ali com pompa honesta e rgia, Mostrando-se senhora grande e egrgia. 86 Que, despois de lhe ter dito quem era, Cum alto exrdio, de alta graa ornado, Dando-lhe a entender que ali viera Por alta influo do imbil fado, Pera lhe descobrir da unida esfera Da terra imensa e mar no navegado Os segredos, por alta profecia, O que esta sua nao s merecia, 87 Tomando-o pela mo, o leva e guia Pera o cume dum monte alto e divino, No qual ua rica fbrica se erguia, De cristal toda e de ouro puro e fino. A maior parte aqui passam do dia, Em doces jogos e em prazer contino. Ela nos paos logra seus amores, As outras pelas sombras, entre as flores. 408 ----------------------- Page 456----------------------- OS LUSADAS 88 Assi a fermosa e a forte companhia O dia qusi todo esto passando Nua alma, doce, incgnita alegria, Os trabalhos to longos compensando. Porque dos feitos grandes, da ousadia Forte e famosa, o mundo est guardando O prmio l no fim, bem merecido, Com fama grande e nome alto e subido. 89 Que as Ninfas do Oceano, to fermosas, Ttis e a Ilha anglica pintada, Outra cousa no que as deleitosas Honras que a vida fazem sublimada. Aquelas preminncias gloriosas, Os triunfos, a fronte coroada De palma e louro, a glria e maravilha, Estes so os deleites desta Ilha. 90 Que as imortalidades que fingia A antiguidade, que os Ilustres ama, L no estelante Olimpo, a quem subia Sobre as asas nclitas da Fama, Por obras valerosas que fazia, Pelo trabalho imenso que se chama Caminho da virtude, alto e fragoso, Mas, no fim, doce, alegre e deleitoso, 91 No eram seno prmios que reparte, Por feitos imortais e soberanos, O mundo cos vares que esforo e arte Divinos os fizeram, sendo humanos. Que Jpiter, Mercrio, Febo e Marte, Eneas e Quirino e os dous Tebanos, Ceres, Palas e Juno com Diana, Todos foram de fraca carne humana. 409 ----------------------- Page 457----------------------- OS LUSADAS 92 Mas a Fama, trombeta de obras tais, Lhe deu no Mundo nomes to estranhos De Deuses, Semideuses, Imortais, Indgetes, Hericos e de Magnos. Por isso, vs que as famas estimais, Se quiserdes no mundo ser tamanhos, Despertai j do sono do cio ignavo, Que o nimo, de livre, faz escravo. 93 E ponde na cobia um freio duro, E na ambio tambm, que indignamente Tomais mil vezes, e no torpe e escuro Vcio da tirania infame e urgente; Porque essas honras vs, esse ouro puro, Verdadeiro valor no do gente: Milhor merec-los sem os ter, Que possu-los sem os merecer. 94 Ou dai na paz as leis iguais, constantes, Que aos grandes no dem o dos pequenos, Ou vos vesti nas armas rutilantes, Contra a lei dos imigos Sarracenos: Fareis os Reinos grandes e possantes, E todos tereis mais e nenhum menos: Possuireis riquezas merecidas, Com as honras que ilustram tanto as vidas. 95 E fareis claro o Rei que tanto amais, Agora cos conselhos bem cuidados, Agora co as espadas, que imortais Vos faro, como os vossos j passados. Impossibilidades no faais, Que quem quis, sempre pde; e numerados Sereis entre os Heris esclarecidos E nesta Ilha de Vnus recebidos. 410 ----------------------- Page 458----------------------- OS LUSADAS NOTAS 1.4 ?Fazem que no lha comprem mercadores?: ?E no lhe podendo fazer outro mal zombavo da mercadoria que deixara ? terra & fazio que no se vendesse? (Castanheda, I.XXII). Inicialmente a mercadoria no se estava a vender em Calecute. 2.1-8 ?L no seio Eritreu, ...?: no mar Roxo (hoje mar Vermelho); ?... onde fundada / Arsnoe foi do Egpcio Ptolomeu?: Arsnoe, princesa egpcia, filha de Ptolemeu Lagos, nascida por 316 a. C. Depois de ter sido esposa de Lismaco, rei da Trcia, e de Ptolemeu Cerauno, casou com Ptolemeu Filadelfo, seu irmo germano, o qual deu o nome de Arsnoe a vrias cidades. Arsnoe foi adorada no Egipto e na Grcia sob o nome de Vnus Zefirtis; ?Que despois em Suez se converteu?: Arsnoe foi fundada perto da actual Suez. O Poeta em X.98.2 mais dubitativo: ?Dizem ...?; ?No longe o porto jaz ...?: a seguir, na est. 3, fala deste porto; ?Cidade Meca, ...?: como urbs Roma. Capital do Hedjaz, na Arbia; ?... que se engrandeceu / Com a superstio falsa e profana / Da religiosa gua Maumetana?: aluso ao poo de Zenzm, junto mesquita denominada, por extenso, a Caaba, a cuja gua, dotada de propriedades miraculosas, os Maometanos atribuem a virtude de purificar de todos os pecados. Segundo a lenda, a fonte deste poo a mesma que Jeov fez brotar para Agar e Ismael quando foram expulsos por Abrao. 3.1-4 ?Gid se chama o porto aonde o trato?: Gid (Djedd) uma das principais cidades do Hedjaz. Era, e , escala martima de Meca; ?De todo o Roxo Mar mais florecia?: o ?seio Eritreu? da est. 2; ?O Soldo ...?: forma antiga de Sulto, o imperador dos Turcos. Ort.:florecia (porflorescia );fermosa (porformosa ). 4.3-8 ?Aquelas que o comrcio lhe tomavam, / Com flamas abrasassem 411 ----------------------- Page 459----------------------- OS LUSADAS crepitantes?: esperavam as naus turcas para abrasar as naus portuguesas, que ?o comrcio lhes tomavam?; ?Que da famosa Meca as naus chegassem?: ?Vasco da Gama, posto que sentisse que todos estes artifcios ero dilaes pera o deter t a vinda das naos de Mecha, segundo lhe tinha dito o Mouro Moaide ...? (Barros, I.IV.X.) 5.5 ?Influiu piadosos acidentes?: inspirou piedosos sentimentos. Ort.:piadosos (porpiedosos). 6.1-7 ?Este ...?: Monaide; ?O dano ... que se lhe ordena?: o dano que se lhe prepara. 7.6-8 ?E dos troves horrendos de Vulcano?: de bombardas; ?Segundo estava mal apercebido?: tambm o ltimo verso de III.35. 8.6-7 ?... e, por que a fama / Desta sbita vinda os no impida?: e para que os feitores (portugueses) no sejam impedidos de regressar aos navios. Impida, como em VIII.75.4: impidas. 9.1-7 ?Porm no tardou muito que, voando, / Um rumor no soasse ...?: ?Torndo Diogo dias c esta reposta acpanharno muytos naires, q} ele cuydou q} era por b?: mas chegdo feitoria eles se posero porta, guardando q} no saisse ele n? outrem? (Castanheda, I.XXIII); ?Faz represria nuns que s naus vieram?: Vasco da Gama procedeu aqui com ?manha?. No prendeu os que vinham nau, de pouco preo; ?ate q} ao domingo seguinte foro seys homes honrrados com dezanove que levavo csigo em hua almadia. E parecendo a Vasco da Gama que por estes averia ho feitor & ho escrivo, fez neles represaria? (Castanheda, I.XXIII). Ort.: milhor (por melhor); represria (por represlia). Castanheda e Barros tambm escrevem ?represria?. 10.6-8 ?Volvem o cabrestante ...?: fazem rodar o cabrestante para arrancar 412 ----------------------- Page 460----------------------- OS LUSADAS a ncora do fundo e traz-la para cima. O ?trabalho? (faina) de iar a ncora foi repartido: ?... uns puxam pela amarra [corrente de ferro ligada ncora] / Outros quebram [vergam com o esforo] co peito duro a barra [pea de madeira que se mete na abertura do chapu do cabrestante]?. 11.1-4 ?Outros pendem da verga ej desatam / A vela, ...?: no alto, soltando as velas, os marinheiros parecem pender das vergas (onde as velas estavam enroladas) (BS, CM). E j desatam a vela, soltam-na, desfraldam-na; ?... que com grita se soltava?: era desenrolada; ?A pressa com que a armada se levava?: largava, se fazia vela. 12.1-8 ?Manda logo os feitores Lusitanos?: o Samorim liberta Diogo Dias e lvaro de Braga para que o Gama ?lhe torne a sua presa gente?, como diz o Poeta no v. 4; ?... e, tornando / Alguns negros, se parte, as velas dando?: Vasco da Gama devolve alguns naturais da terra que tinha a bordo logo que lhe restituram o feitor e o escrivo. A simulao da partida das naus no teve outro propsito. Azedadas as relaes por causa das intrigas dos Mouros, ?Vasco da gama que ja no se fiava del rey, no quis respder a seus offrecim?tos, & mandoulhe os seus Naires & os outros deixou, diz?do q} ficavo ate lhe trazerem a mercadoria que ficava em terra (Castanheda, I.XXIII.) Ort.: imigos (por inimigos). 13-1-4 ?Parte-se costa abaxo, ...?: Vasco da Gama desiste da mercadoria que eles dizem trazer nas almadias sob os alambis. Pedem eles ao Gama ?que mandasse ele tamb? poer os Malabares q} tinha presos?. Deve entender-se que Vasco da Gama no restituiu toda a gente que tinha a bordo e a prova que, segundo Castanheda, a resposta de Vasco da Gama foi esta: ?E parecendolhe a ele [Capito] que isto [a entrega das mercadorias] era engano disselhes q} se fossem, porq} no queria mercadoria se n levar pera Portugal aqueles Malabares pera testemunhas de seu descobrim?to.? (Castanheda, I.XXIV.) E, pensando que os que viessem depois tinham necessidade da amizade do Samorim, ?hua segunda feyra dez dias de Set?bro que escreveo hua carta em arabigo feyta por Bontaibo, em q} dizia que lhe 413 ----------------------- Page 461----------------------- OS LUSADAS perdoasse de lhe levar os Malabares, porque os no levava se no pera testemunhas do que tinha discuberto ...? (Castanheda, I.XXV.) No pode haver dvida a respeito das intenes de Vasco da Gama. No Dirio da Viagem de Vasco da Gama, p. 96, diz-se: ?... e como no podamos acabar de nos despedir da terra com paz e amigos da gente, houve por conselho o capito-mor, com os outros capites, de nos partirmos e levarmos aqueles homens que tnhamos, porque aqueles, tornando a Calecut, fariam fazer as amizades?. E Barros diz tambm: ?... mas c tudo recolhidos todolos nossos, por causa d? algua fazenda que lhe no quizeram entregar, Vasco da Gamma reteve certos Indios que trouxe consigo & assi o fiel Monaide, partindo logo aquelle dia que ero vinte nove de Agosto, avendo setenta & quatro dias que chegara quella cidade de Calecut.? (Barros, I.IV.X.) 13.5-8 ?Mas como aquela terra, que se estende / Pela Aurora, sabidaj deixava?: se estende pela Aurora o mesmo que se estende pelo Oriente. Sabida j deixava quer dizer que obtivera o conhecimento dela; ?Certos sinais levando ...?: levando sinais certos, seguros. 14.1-6 ?Leva alguns Malabares, ...?: o Poeta supe que o Gama reteve aqueles Malabares que o Samorim mandou com os feitores. Muita gente acompanhou os feitores portugueses s naus em sete almadias, ?de q} nenhua no ousou d?trar nos navios? (Castanheda, I.XXIV); ?Leva a pimenta ardente, ...?: o Piper nigrum, L., diferente da que menciona em X.123, fruto do Piper officinarum, C. DC., do arquiplago Malaio (pimenta-longa). O Piper nigrum um arbusto trepador, indgena do Malabar, cujo fruto se estende bastante pelas regies orientais. Escreveu CF, FL, p. 67, que foi esta especiaria que os nossos procuraram com mais ardor. O seu estabelecimento nos mercados de Flandres e outros foi um grande xito comercial; ?A seca flor de Banda ...?: o Poeta chama imprpriamente ?flor? (como Barros e Castanheda) ?arilha? que envolve a noz-moscada das ilhas de Banda; ?A noz e o negro cravo, ...?: a noz a ?noz-moscada?, semente da Myristica fragrans, Houttuyn (v. X.133). O negro cravo o ?cravo-da-ndia?, o boto do Caryophyllus aromaticus, L. (v. X.132). Ort.: abaxo (por abaixo). 414 ----------------------- Page 462----------------------- OS LUSADAS 14.6-7 ?... quefaz clara / A nova ilha Maluco ...?:faz clara, torna clebre. A nova ilha: refere-se o Poeta ao recente conhecimento de Moluco. O arquiplago das Molucas foi descoberto em 1511 por uma pequena armada de trs navios que, por mandado de Afonso de Albuquerque, partira de Goa sob o comando de Antnio de Abreu e Francisco Serro. 15.1-4 ?Isto tudo lhe houvera a diligncia / De Monaide fiel, que tambm leva?: ?tera-feira [28 de Agosto de 1498], estando ns pousados pela manh, se veio meter connosco em os navios um mouro de Tunes ... dizendo-nos que lhe tomaram quanto tinha e que no sabia se lhe fariam mais mal; que estava nesta ventura! E que os da terra diziam que ele era cristo e que viera a Calecut por mandado de el- rei de Portugal; pelo qual ante[s] se queria vir com eles que estar em terra, onde esperava que cada dia o matassem? (DVVG, I, p. 95). Monaide, a quem os Portugueses chamavam Bontaibo; ?Quer no livro de Cristo que se escreva?: que seja inscrito no livro de Cristo, isto , entre os seus fiis. 16.1-8 ?Apartadas assi da ardente costa / As venturosas naus, ...?: diz JMR em BCL, 13, p. 707: ?Um dos quatro particpios [desta estncia] tem de equivaler a um verbo no modo indicativo, pois os factos de que se fala nesta estncia no so circunstncias do pensamento expresso na estncia seguinte.?; ?A meta Austrina da Esperana Boa?: perfrase para designar o cabo da Boa Esperana. Austrina, meridional. (Cf. X.92.5-6); ?Outra vez cometendo os duros medos?: de novo cometem (afrontam) os duros perigos; ?... tmidos e ledos?: tmidos, por irem afrontar os mares incertos; ledos, por regressarem ? ptria cara. A edioprinceps tem ?temidos?. 17.1-8 Note-se a proximidade de ?cara? e ?caros?; ?... a peregrina e rara / Navegao, ...?: navegao que os levou (aos Portugueses) a terras e a mares longnquos. Peregrina latinismo; ?Que o corao para ele vaso estreito?: como se dissssemos em linguagem corrente ?o corao saltava-lhes no peito?. 415 ----------------------- Page 463----------------------- OS LUSADAS 18.1-8 ?Porm a Deusa Cpria, ...?: a primeira vez que o Poeta se lembra de dar a Vnus o cognome de Cpria (de Chipre, onde era venerada). F-lo- de novo neste canto em 43.5. E mais nenhuma vez; ? ... que ordenada / Era, pera favor dos Lusitanos / Do Padre Eterno, ...?: o Padre Eterno (Jpiter, certamente) ordenara a Vnus que favorecesse os Lusitanos e, ?dada por bom gnio?, lhes andava j preparando ?a glria alcanada por trabalhos? e a ?satisfao de danos bem sofridos?. 19.3-4 ?Os trabalhos pelo que Deus nascido / Nas Anfinias Tebas se causaram?: considerando o plural Thebae, em latim, o Poeta no teve dvida em escrever tambm ?Tebas anfinias?. Anfon, filho de Zeus e de Antope. Com seu irmo Zeto construiu Tebas. Zeto transportava as pedras s costas e Anfon movia-as ao som da sua lira. O Deus nascido Baco. 20.2-6 ?Refocilar a lassa humanidade / Dos navegantes seus, ...?: restaurar, reconstituir a cansada natureza humana. Como escreveu Camilo: ?no poema os cansados navegadores refocilam-se nos braos deleitosos das ninfas? (Vingana, cap. VI, p. 54); ?Do trabalho que encurta a breve idade?: a vida, j de si curta, ainda abreviada pelo trabalho; ?... que conta desse / A seu filho, ...?: Cupido, deus do amor. Potestade (poder) pode no ser um latinismo criado por Cames. Ort.: decer (por descer). 21.2-6 ?... l no meio / Das guas, algua nsula divina?: note-se que o Poeta localiza com extrema vaguidade a posio da ilha; ?Da primeira co terreno seio?: este certamente o verso mais discutido de Os Lusadas. E j o era antes de 1613, embora MC no tenha aceitado a emenda j proposta: ?Da [me] primeira co terreno seio?. Sem aquela slaba o verso est errado e, alm disso, no faz sentido algum: ter muitas ilhas no reino que confina co terreno seio da primeira no nada. No pode haver dvidas de que o ?terreno seio? a ?muyto grande enseada? (Castanheda, I.13) que rodeia o ?golfo de 750 lguas? (Castanheda, id., ibid., cit. por JMR) entre Melinde e Calecute, portanto no oceano ndico. Pensa JMR que as palavras 416 ----------------------- Page 464----------------------- OS LUSADAS que ?foram substitudas no texto? deviam indicar essa curvatura: ?De frica e de sia co terreno seio.? ?A me primeira? a Terra. ?Que confina da me primeira co terreno seio? quer dizer que confina com a grande enseada (o terreno seio) da sia e frica. 21.7-8 ?Afora as que possui soberanas / Pera dentro das portas Herculanas?: afora as que possui no Mediterrneo. 22.5-8 ?Com danas e coreias?: com danas e danas em coro; ?Influir secretas afeies / Pera com mais vontade trabalharem / De contentar a quem se afeioarem?: afeies ... afeioarem. o objectivo de Vnus. 23.1-4 ?Tal manha buscou j pera que aquele / Que de Anquises pariu, ...?: Eneias, filho de Vnus e de Anquises, afeioar-se a Dido, rainha de Cartago, por intermdio de Cupido, que, tomando a figura de Ascnio, filho de Eneias, conseguiu que Dido se apaixonasse por Eneias (V, E, I.657-688); ?... bem recebido / Fosse no campo que a bovina pele / Tomou de espao, por sutil partido?: Dido, ao aportar frica, conseguiu do rei Iarbas que lhe desse o terreno que pudesse ser abrangido por um couro de boi. Claro que recortando o couro do boi em tiras finssimas pde abranger um espao muito maior. Foi o ?sutil partido?, visto que deu sua proposta uma interpretao que o rei no podia adivinhar (V, E, I.367-368). Ort.: sutil (por subtil). 24.1-6 ?No carro ajunta as aves que na vida / Vo da morte as exquias celebrando?: so os cisnes dos quais se diz que cantam muito mais suavemente quando esto para morrer (Plnio, NH, X.63); ?E aquelas em que j foi convertida / Perstera, ...?: so as pombas. Perstera era uma ninfa. Eros ficou irritado por aquela procurar a vantagem de Afrodite quando se divertiam a apanhar flores, e transformou a ninfa em pomba ; ?No ar lascivos beijos se vo dando?: pintura digna de pincel de um mestre: em volta do carro de Vnus, puxado pelos cisnes, adejam as pombas trocando lascivos beijos. 417 ----------------------- Page 465----------------------- OS LUSADAS 25.1-2 ?J sobre os Idlios montes pende?: Idlio, cidade da ilha de Chipre, clebre pelo culto de Vnus. Pende, desce; ?Onde o filho frecheiro estava ento?: Cupido, munido de carcs e flechas. Ort.: revelde (por rebelde). 26.1 ?Via Acton na caa to austero?: no tenho notcia de que Acton fugisse ?da gente e bela forma humana?; que fosse misgino e misgamo. Ovdio, que conta esta interessante histria (III.138-252), mostra Acton a divertir-se na caa com os companheiros, mas descansando quando surpreendeu Diana numa gruta, no banho: Ecce nepos Cadmi, dilata parte laborum, Per nemus ignotum non certis passibus errans Pervenit in lucum; sic illum lata ferebant. A deusa, em castigo, transformou Acton em veado, que foi depois devorado pelos seus prprios ces. Foi FS quem trouxe a novidade da identificao de Acton com D. Sebastio: ?Sosp?cho verdaderamente aver provado c novedad, que el Poeta derecha, aunque reboadamete, habla en estas estncias del Rey Don Sebastian ...? Por outro lado, mostra-se afrontado de uma tal censura sem que o Poeta tivesse sido castigado. ? que no o entenderam!?, remata ele. Pois grande castigo merecia por ter feito de Acton um habitante da Ilha dos Amores, nada espantado da sombra dos seus cornos, entre aves e animais inofensivos: Da sombra dos seus cornos no se espanta Acteon n? gua cristalina e bela. O Doutor Aguiar e Silva, na sua lio sobre ?Funo e significado do episdio da ?Ilha dos Amores? na estrutura de Os Lusadas? (1972), supe que ?Acton aparece cabea dos desconcertos do mundo porque ele ru, efectivamente, do primeiro e fundamental pecado contra o amor: a repulsa do prprio amor, corporizada na repulsa da mulher, donde procede a derrogao do ?princpio ntimo de uma conexo universal e dinmica do mundo?. Acton a negao da universalidade do amor, e por isso tem de ser punido?. Tudo isto estaria muito certo se no se desse uma circunstncia em 418 ----------------------- Page 466----------------------- OS LUSADAS que h que atentar: na chamada ?gloga dos Faunos? (?As doces cantilenas que cantavam?), a p. 378 da minha nova edio das Rimas, fala o Poeta de Acton em trs oitavas. Mas devia ter falado em cinco oitavas (o que denota uma grande preocupao com o filho de Apolo). E como se pode afirmar isto com certeza? que depois da primeira oitava, em que se trata de Acton, vem esta advertncia: ?(Daqui se tiraram duas oitavas)?. E, voltando a falar de Acton, diz o Poeta: Tudo isto Acton viu na fonte clara, Onde a si de improviso em cervo viu ....................................................... As oitavas que se tiraram respeitavam, portanto, ao banho de Diana. Em que termos o fazia o Poeta, no se pode saber, mas houve um censor (o organizador da edio de 1595) que entendeu no as publicar. (V. neste sentido Doutor Costa Ramalho, O mito de Acton em Cames, p. 59. Coimbra, 1968.) E, continuando a ler a oitava de que demos os dois versos, deparamos com mais estes dois: Mas, como o triste amante em si notara A desusada forma, se partiu. O triste amante! Pela primeira vez se nota que Acton foi capaz de se interessar por uma ?bela forma humana?, como se supe que seria a de Diana. No estudo de Aguiar e Silva pode o leitor ver um resumo das opinies sobre a localizao da ?Ilha dos Amores? e das possveis fontes da criao camoniana at mais recente, a do Sr. Doutor Costa Ramalho, no estudo ainda agora citado. Admitamos, no entanto, que D. Sebastio estava a necessitar de uma frechada de Cupido, bem como todos aqueles validos e privados, muito carecidos de amor do prximo (est. 27 e 28). Na edioprinceps o Poeta escreveu no 6. verso mostra-lhe (por mostrar-lhe) que JMR, fiel sua teoria dos casos de fontica sintctica, manda ler mostr-lhe. Ort.:fermosura (porformosura ). 419 ----------------------- Page 467----------------------- OS LUSADAS 27.4-8 ?... e a quem Filucia ensina?: presuno arrogante; ?... que mal consente / Mondar-se o novo trigo florecente?: separar facilmente o trigo do joio. Ort.:pbrico (porpblico);florecente (porflorescente ). 28.6-8 ?... e v severidade?: falsa; ?As em favor do povo s perecem?: s (as leis) em favor do povo perecem. 29.2 ?Seno o que smente o mal deseja?: o que deseja o que no deve. Cupido vai reconstituir a sociedade sob a lei do amor. Para isso rene os seus ministros (servidores), que vo formar um exrcito contra ?a mal regida gente?. 30.1-8 ?Muitos destes mininos voadores?: os Amores, ministros de Cupido; ?Uns amolando ferros passadores?: amolando flechas (ferros que atravessam); ?Trabalhando, ...?: enquanto trabalham; ?Suave a letra, anglica a soada?: toada de anjos. Sobre possveis sugestes de outros poetas, v. FS. 32.3-7 ?Crebros suspiros ...?: frequentes. latinismo; ?... cuja ajuda?: a das Ninfas; ?... d vida aos mal feridos?: aos muito feridos. 33.1-4 ?Fermosas so alguas e outras feias?: claro que se refere s Ninfas. Na estncia antecedente falava de ?fermosas Ninfas?; agora diz que ?Fermosas so alguas e outras feias?. Podem estas curar feridas? Parece que sim, visto que ?s vezes speras triagas? curam ?o veneno espalhado pelas veias?. Estes quatro versos no me parecem um modelo de clareza. Ort.: sutis (por subtis). 34.1-8 ?Destes tiros assi desordenados / Que estes moos mal destros vo tirando?: no se v a ordem que Cupido vinha impor ao mundo rebelde. Que ?nasam amores mil desconcertados entre o povo 420 ----------------------- Page 468----------------------- OS LUSADAS ferido miserando? no se poder negar. Mas daqui ao ?amor nefando? vai uma certa distncia, e deste ?amor nefando? vai o Poeta dar quatro exemplos: Bbli (por Biblis) apaixonou-se por seu irmo Cauno (v. Ov., M, IX.418-665): v. 467: ?Byblida iam mavolt quam se nocet ille sororem?; Cinereia Mirra (por ser filha de Ciniras). Apaixonou-se por seu pai (v. Ov., M, X.298-519); Antoco (o mancebo de ?Sria?, e no de ?Assria?), filho do rei Seleuco, apaixonou-se pela madrasta, Estratonice (ED cita como fonte Val. Mx., V.7). Cames escreveu o Auto del-Rei Seleuco; Amnon (um mancebo de Judeia), filho de David, teve amores com sua irm Tmar (MC chama-lhe meia-irm) (v. Reis, II.13). 35.1-8 ?E vs, poderosos, por pastoras?: a concluso a tirar desta estncia que o amor no conhece distncias sociais e que o exrcito de Cupido vai ter muito que fazer para endireitar o mundo; ?Tambm vos tomam nas Vulcneas redes?: so as redes em que Vulcano envolveu Marte e sua mulher, Vnus, culpada de adultrio, para que todos os deuses pudessem ser testemunhas do espectculo (Ov., M, IV.167-189); ? mais culpa a da me que a do minino?: mais culpa de Vnus que de Cupido. 36.1-5 ?Mas j no verde prado o carro leve?: deve ligar-se esta estncia com a est. 25. Sobre Dione, v. II.21.2; ?O frecheiro que contra o Cu se atreve?: Cupido, que dispara as suas setas mesmo contra os deuses e deusas do Olimpo. Ort.: decia (por descia). 37.3-8 ?Tu, que as armas Tifeias tens em nada?: os seis ltimos versos desta estncia tm por fonte evidente Virglio: Nate, meae vires, mea magna potentia, solus, nate, patris summi qui tela Typhoea temnis, ad te confugio et supplex tua numina posco. (En., I.664-666) 421 ----------------------- Page 469----------------------- OS LUSADAS Tifeu foi um dos Gigantes sepultados sob o Etna.Jpiter fulminou-o com os raios (?armas Tifeias?). 38.3-4 ?Porque das Parcas sei, minhas amigas?: v. I.34.2 e I.33.1-4. A edioprinceps tem han-de (por ham-de=ho-de). 39.5-8 ?No mesmo mar, que sempre temeroso / Lhe foi, ...?: no h indcio de que o Poeta se refira apenas ao oceano ndico, mas tudo leva a crer que a criao da Ilha dos Amores teve por quadro as vagas ?undosas? daquele oceano; ?Do trabalho que faz clara a memria?: que torna ilustre a memria. 40.1-8 ?... feridas / As filhas de Nereu no ponto fundo?: as filhas de Nereu, as Nereidas. No ponto fundo, no mar profundo. (Ponto latinismo); ?Que vm de descobrir o novo mundo?: que voltam de descobrir; ?Todas nua ilha juntas e subidas?: reunidas e vindas do ponto fundo?; ?De des de Flora e Zfiro adornadas?: Flora, a deusa da vegetao, e Zfiro, vento de oeste que sopra suavemente. 41.4 ?Fermosos leitos, e elas mais fermosas?: Vnus no esquece os leitos em que ninfas e nautas se encontraro. Ort.:fermosos, fermosas (porformosos, formosas ); lhe (por lhes). 42.1-8 ?Quero que haja no reino Neptunino / Onde eu nasci, prognie forte e bela?: estes dois versos parecem-me fundamentais para a compreenso das intenes de Vnus; ?E tome exemplo o mundo vil, malino / Que contra tua potncia se rebela?: Vnus dirige-se a seu filho Cupido e diz-lhe que desde agora vai o mundo saber que em vo que se rebela contra a fora do amor; ?Por que entendam que muro Adamantino?: que nem muro de diamante; ?Se teu fogo imortal nas guas arde?: a prova final e decisiva fazer arder o fogo do amor nas guas do mar. Ort.: malino (por maligno); a edio princeps tem revela (por rebela). Aquela forma estaria mais de acordo com revelde, mas prestar-se-ia a 422 ----------------------- Page 470----------------------- OS LUSADAS confuso semntica. Alm de que o Poeta tambm escreve rebelado (VII.4.3) e rebelde. 43.1-8 ?Assi Vnus props; e o filho inico: hostil aos homens; ?Com gesto ledo a Cpria, e impudico?: Cpria, a Vnus honrada na ilha de Chipre. Gesto impudico, ar impudente; ?... s aves cujo canto / A Faetonteia morte chorou tanto?: Cicno, rei da Ligria, filho de Estnelo, sentiu tanto a queda de Feton que os deuses, por compaixo, transformaram-no em cisne (Ov., M, II.368-580). 44.1-6 ?Mas diz Cupido que era necessria / Ua famosa e clebre terceira?: terceira, medianeira; ?A Deusa Giganteia ...? a irm dos Gigantes, a Fama, descrita por Virglio na Eneida, IV.174-188; ?Jactante, ...?: jactante ou jactanciosa, blasonadora. 45.2-8 ?... com tuba clara?: com tuba ressoante; ?Mais do que nunca os d? outrem celebrara?: melhor do que j celebrara algum dia os louvores de outrem; ?J, murmurando, a Famapenetrante ?: sussurrando, a Fama, que penetra; ?Fala verdade, havida por verdade, / Que junto a Deusa traz Credulidade?: v. em Ovdio a descrio do Palcio da Fama (IV.39-63). So desse texto os seguintes versos: Illic Credulitas, illic temerarius Error Vanaque Laetitia est consternatique Timores Seditioque recens dubioque auctore Susurri. ?A habitam a Credulidade, o Erro temerrio, a Falsa Alegria, o Terror de ar consternado, a Sedio pronta a desencadear-se, os cochichos de origem duvidosa?; ?Que junto a Deusa ...?: porque junto a Deusa ... 46.1-6 ?O louvor grande, o rumor excelente?: verso acentuado na 4., 7. e 10. slabas; ?Mudando...?: operando mudana (no corao dos deuses); ?O peito feminil, que levemente / Muda quaisquer propsitos tomados?: v. En., 569-570: ?Varium et mutabile semper / femina?. ?Souvent femme varie / Bien fol qui s? y fie? (V. Hugo, 423 ----------------------- Page 471----------------------- OS LUSADAS Le Roi s? amuse, acto IV, c. 2). O mesmo pensamento do Classicismo ao Romantismo. MC j incluiu no seu comentrio o verso de Virglio e juntou-lhe esta verso: ?A molher he hum animal vario, & que nunca est em hum ser.? Ort.: indinados (por indignados). 47.5-7 ?... lanam das secretas / Entranhas ...?: das ntimas entranhas; ?Cai qualquer, ...?: cai uma e outra. Cai deve ler-se como um disslabo para que a medida do verso se mantenha. 48.1-6 ?Os cornos ajuntou da ebrnea Lua?: juntou as pontas do arco de marfim. o ?arco ebrneo? da est. 43. Em II.93.7-8 h um verso semelhante. Ovdio usou o verbo lunare para designar o acto de vergar o arco. O facto de ?Lua? estar em posio de rima esclarece evidncia a necessidade de escrever ?nenhua? e ?algua?; ?Que Ttis ...?: porque Ttis; ?Nem nos equreos campos ...?: equreo o aequoreus latino (marinho, martimo). Equreos campos, superfcie marinha. 49-1-8 ?... cerleas ondas?: v. I.16.5; ?Que, vedes, Vnus traz a medicina?: Vnus traz o remdio para as ninfas desfalecidas de amor. E como? A resposta vem nos vv. 3 e 4; ?... a gua Neptunina?: o mar, senhorio de Neptuno; ? forado que a pudiccia honesta / Faa quanto lhe Vnus amoesta?: como ?el oficio de Venus en la fabula es quitar a las Virgenes la cinta de la pureza? (FS), preciso que o pudor feminino (?a pudiccia honesta?) se submeta a todas as advertncias de Vnus, que tem a experincia. S assim conquistaro o amor dos Portugueses. O v. 7 acentuado na 3., 8. e 10. slabas. Ort.: amoesta (por admoesta). 50.1-8 ?J todo o belo coro se aparelha / Das Nereidas, ...?: j todo o belo coro das Nereidas se aparelha; ?Em coreias gentis, ...?: v. IX.22.5; ?Ali a fermosa Deusa lhe aconselha / O que ela fez mil vezes?: as Ninjas ?oferecem-se? a todos os conselhos de Vnus, como adiante se v. Lhe por lhes. Ort.:fermosa (porformosa ). 424 ----------------------- Page 472----------------------- OS LUSADAS 51.1-8 ?Cortando vo as naus a larga via / Do mar ingente ...?: as naus vo abrindo os largos caminhos do mar imenso. Ingente latinismo; ?Desejando prover-se de gua fria?: os nautas necessitavam de ir fazer aguada (prover-se de gua doce) a algures; ?Quando, juntas ... / Houveram vista da Ilha namorada?: todas as naus avistaram a ?Ilha Namorada? com grande alegria; ?Rompendo pelo cu a me fermosa / de Mennio, ...?: ao romper da manh; ?a me de Mennio [Mmnon]? a Aurora. Em X.143,4 o Poeta fala da ?Ilha alegre e namorada?. Ort.:fermosa (porformosa ). 52.1-2 ?De longe a Ilha viram ... / Que Vnus pelas ondas lha levava?: os que preconizam a identificao da ?Ilha de Vnus? com qualquer ilha do ndico ou do Atlntico parece no terem reparado que se trata de uma ilha errtica, levada ao sabor das guas, para se tornar ?firme ... e imbil? quando os nautas a avistaram. A Acidlia (v. VIII.64.7) foi movendo a ilha ?para onde as naus navegam?, a fim de que nela no passassem sem tomar porto. Alm disso, era, evidentemente, desabitada, a no ser pelas Nereidas. Rica dos ?des? de Pomona e de Flora, no h nela vestgios de seres humanos. Convivem as aves e os bichos com animais de maior porte, como a gazela. Nem de outro modo poderia Vnus ?licenciar as Ninfas? (a expresso de FS) para o enamoramento que vai seguir-se sob a orientao da ?Deusa experta?. 53.3-8 ?Qual ficou Delos, tanto que pariu / Latona Febo e a Deusa caa usada?: Delos, segundo a lenda, uma ilha errante, tornou-se firme quando nela Latona deu luz Apolo (Febo) e Diana (?a Deusa caa usada?). Immotamque coli dedit, como diz Virglio na Eneida, III.77. Segundo ED, tambm Ovdio se refere lenda (M, VI.186-191 e VI- 332-334). ?Pera l logo a proa o mar abriu?: as proas; ?... cuja branca areia / Pintou de ruivas conchas Citereia?: matizou, marchetou (Morais). De Citereia falou-se em I.34-1-3. 54.1 ?Trs fermosos outeiros se mostravam?: o Poeta comea a descrio da Ilha dos Amores, adornando-a sobretudo com espcies vegetais. Ora concluiu o conde de Ficalho: ?Em resumo, das vinte e quatro 425 ----------------------- Page 473----------------------- OS LUSADAS plantas de que, na descrio de Cames, se compe a flora da ilha, no h uma que no seja espontnea em Portugal e regies vizinhas, ou a introduzida e cultivada j antes do seu tempo. Ainda mais, so todas escolhidas entre as vulgares, e que do cunho vegetao mediterrnica.? (FL, p. 43.) E na p. 44 esta observao definitiva: ?Os materiais botnicos, com que Cames edifica a vegetao da sua ilha, so essencialmente portugueses; encontrou-os, quando estudante, nas hortas das margens do Mondego; observou-os, quando desterrado, nas lezrias do Tejo; porventura lhos depararam, fora da Ptria, os jardins de algum frtil vale dos arredores de Ceuta ou de Tetuo.? Destas palavras se colhe o esprito com que apreciamos a descrio da Ilha, ainda que AFGV, FH, p. 7, tenha formulado algumas dvidas opinio de CF. 54.3-8 ?Que de gramneo esmalte se adornavam?: do matiz da grama; ?Por entre pedras alvas se deriva / A sonorosa linfa fugitiva?: se deriva, trazida (Morais) a gua rumorosa que foge. 55.3-8 ?Onde ua mesa fazem ...?: uma lagoa; ?Como que pronto est pera afeitar-se?: como se estivesse pronto para enfeitar-se; ?Vendo-se no cristal resplandecente?: da lagoa; ?Que em si o est pintando prpriamente?: que em si est reflectindo o arvoredo fielmente. 56.1-6 ?Mil rvores esto ao cu subindo, / Com pomos odorferos e belos?: o Poeta d na mesma estncia exemplos de pomos: a laranja, a cidra, os limes; na est. 59.7 recorda outro pomo ? o pssego; ?A cor que tinha Dafne nos cabelos?: eram louros como os frutos da laranjeira. Sobre a metamorfose de Dafne em loureiro, v. Ov., M, I.452-567; ?A cidreira cos pesos amarelos?: a cidreira est to carregada que o Poeta, em vez de ?pomos?, lhe chama ?pesos?. Ort.:fruito (porfruto ). a nica vez que a palavra aparece sob esta forma;fermosos (porformosos ). 57.3 ?lemos so de Alcides, ...?: sobre a flora conhecida de Cames influa a cultura clssica e mitolgica. Segundo os Antigos, o lamo era consagrado a Hrcules (V, B, VII.61-62): 426 ----------------------- Page 474----------------------- OS LUSADAS Populus Alcidae gratissima, vitis Baccho, Formosae myrtus Veneri, sua laurea Phoebo. 57.3-6 ?... e os loureiros / Do louro Deus amados e queridos?: v. o 2. verso citado. O ?louro Deus? Febo ou Apolo. O Poeta admite conexo etimolgica entre louro e loureiro (v. ED); ?Mirtos de Citereia, ...?: referido no 2. verso de cima; ?... cos pinheiros / De Cibele, por outro amor vencidos?: tis, formoso pastor, no soube corresponder paixo casta que lhe consagrava Cbele, e esta, reconhecendo a sua infidelidade, metamorfoseou-o em pinheiro. Cames tem um soneto que comea: Despois que viu Cibele o corpo humano do fermoso tis seu verde pinheiro (Rimas, mihi, P. 192) 57.7-8 ?Est apontando o agudo cipariso?: o cipreste. O belo e jovem Ciparisso, habitante de Ceos, ilha do mar Egeu, matou por inadvertncia um grande veado consagrado s ninfas da terra. Pedindo aos deuses para derramar lgrimas eternas, foi-se a pouco e pouco transformando numa rvore, que veio a ser o cipreste, smbolo da tristeza. Ovdio conta a histria em M, X.106-142. 58.1 ?Os des que d Pomona ali Natura / Produze, ...?: Pomona, a deusa da fruta. Ovdio conta a sua histria em M, XIV.626-627 e segs.: Pomona ... non silvas illa nec amnes, Rus amat et ramos leticia poma ferentes. 58.5-6 ?As cereijas,purpreas na pintura ?: esclarlates na cor; ?As amoras, que o nome tm de amores?: diz ED que, ? ?amora?, que se prende etimolgicamente ao latim morum, nada tem com a palavra ?amor?; mas esta ideia foi sugerida ao Poeta pela histria de Pramo e Tisbe, contada por Ovdio (M, IV.55-166)?; e manda ver a gloga de Cames As doces cantilenas que cantavam. Nesta gloga, Cames associa 427 ----------------------- Page 475----------------------- OS LUSADAS por forma bem explcita as ?amoras? aos ?amores? pela cor do sangue: Vereis tambm, se fordes atembradas, Como a cor das amoras de amores; o sangue dos amantes na verdura Testemunha de Tisbe a sepultura. (ed. 1598) 58.7 ?O pomo que da Ptria Prsia veio?: o pssego (Persicum malum). Ort.: des (por dons); produze (porproduz ); cereijas (por cerejas); milhor e milhores (por melhor e melhores). 59.1-4 ?Abre a rom, mostrando a rubicunda / Cor, ...?: mostrando a sua cor vermelha (em latim, rubicundus); ?Entre os braos do ulmeiro est a jocunda / Vide, cuns cachos roxos e outros verdes?: v. estes sete versos da dcima seguinte, de S de Miranda: Direis dos vinhos azedos O que j disse Cineas A quem, nos convites dado A provar, se lhe aprouvesse, Despois, nos olmos mostrando, Nunca vi (disse) enforcado Que a forca assi merecesse. (Da Carta a Antnio Pereira) Cames tambm conheceu o vinho de enforcado e confirma-o na gloga As doces cantilenas que cantavam: No esto carregados os ulmeiros das vides retorcidas, onde o cacho enforcado amadurece? Jocundo (agradvel) latinismo. 428 ----------------------- Page 476----------------------- OS LUSADAS 59.5-8 ?E vs, ... / Peras piramidais,...?:peras piramidais sero umas pras de feitio cnico, as mesmas que seriam conhecidas no sculo XVI por ?reais? ou ?rgias? (v. AFGV, FC, VII); o sentido destes versos seria este: ?vs estais maduras, peras piramidais; se no cas (se quereis viver na rvore), sereis condenadas a ser comidas pelos pssaros?. Esta interpretao parece-me suficiente, mas o passo tem parecido to difcil de interpretar que vale a pena dar uma explicao que tem o consenso de vrias pessoas: ?Certas peras grandes ? as piramidais de Cames ? no logram a maturidade nos ramos, porque, antes disso, de pesadas, se desprendem dos talos: subsistem, entretanto, aquelas que, bicadas dos pssaros, ?dessoram? e, aliviadas desse excesso de peso, conseguem amadurar no p? (DL); ?... pssaros inicos?: pssaros injustos e nocivos, porque fazem ?dano?. Ort.: inico (por inquo). 60.3-8 ?Faz ser a de Aquemnia menos dina?: Aquemnia vem de Aqumenes, fundador da dinastia persa dos Aquemnidas. Os tapetes persas tornaram-se afamados em todo o Mundo; ?Ali a cabea a flor Cifsia inclina?: Cefsio, rio que nasce na Fcida, no monte Parnaso, e vai desaguar no lago Copais, fez violncia a Lirope, rio da Becia. Deste par nasceu Narciso, que se apaixonou de si mesmo e morreu; ?Florece o filho e neto de Ciniras, / Por quem tu, Deusa Pfia, inda suspiras?: Ciniras, tendo cometido incesto involuntrio, com Esmirna (ou Mirra), sua filha, gerou com ela Adnis (filho e neto). Estes versos indicam que o Poeta seguiu o relato de Ovdio (M, X.519-739). Adnis, tendo ferido mal um javali, foi perseguido por este, que o deixou moribundo, estendido no solo. Vnus, que acabara de o deixar, volta, derrama sobre o sangue do jovem um nctar balsmico e, no espao de uma hora, desse sangue nasce uma flor, da mesma cor, semelhante da romeira, mas to frgil que cai da a pouco tempo, desprendida por aquele que lhe d o nome, o vento. Trata-se, pois, da anmona, cujo nome em grego est em relao com o do vento (??e??). No estudo sobre ?O ?adnis? de Cames?, publicado no t. XI da RUC, pp. 1009 a 1019, AFGV afirma que ?Ovdio canta ... um ?adnis? vermelho como o sangue ou a rom, ao passo que Cames se refere a um de flor branca ou pelo menos clara, e onde alguma coisa existe que a sua imaginao assemelha s feridas feitas pelo 429 ----------------------- Page 477----------------------- OS LUSADAS javali?. Infelizmente, a Sr. Dr. Augusta Gerso Ventura assenta essa distino numa Elegia VI de Cames, que leu nas Obras de Cames da edio de Hamburgo (1834), t. III, p. 178. Esta Elegia, com o n. VI, tambm se pode ler nas Rimas Vrias de Cames, t. IV, p. II, comentadas por Faria e Sousa, a pp. 41 e segs. Nem JMR- ALV, nem o autor deste comentrio a inserimos na obra lrica de Cames. E a razo disso encontra-se em FS, logo aps os quatro primeiros tercetos da elegia: ?Las cinco Elegias antecedentes andan en las Ediciones de la Parte I destas Rimas; y en la segunda, la que aqui es undecima. Todas las otras (que son esta, y las 7.8.9.10.12) he yo hallado en diferentes manuscritos. Aquel, en que estava esta Elegia 6 y la 7, se descubri en Escalona [Escalona uma terra banhada pelas guas do rio Alberche, a sudoeste de Madrid]. Contena primeiro un Sermon Portugues: luego la descripcion que el Doctor Juan de Barros hizo de la Comarca de Entre Duero y Mio: y despues varias Poesias las ms dellas malas, y algunas en Castellano. Todo escrito de una misma letra; y alfin de la descripcion esto: Acabouse de trasladar a 29. de Julho de 1593; em Evora por Francisco Alvares, de alcunha o Socio, por huma copia de Manoel Godinho, que diz a tirou do proprio Original anno 1562. Se aqui ouver erros, eu o trasladei assi como estava, porque o Godinbo no sabia Latim.? No h, pois, nenhuma certeza de se tratar de uma elegia camoniana e teremos de aguardar nova demonstrao de que o ?adnis? de Cames no o ovidiano. 61 ?Pintando estava ali Zfiro e Flora / As violas da cor dos amadores?: sobre Zfiro e Flora, v. IX.40.8. Na apreciao deste intrincado problema, em que tm a palavra os tcnicos, esqueceu-se um testemunho de Cames, que me parece decisivo. A estrofe pertence gloga I: As Tgides no rio e na aspereza do monte as Oreadas, conhecendo quem te obrigou ao duro e fero Marte, como geral sentena vo dizendo que no pode no mundo haver tristeza em cuja causa Amor no tenha parte. Porque assi, desta arte, nos olhos sadosos, nos passos vagarosos, no rosto, que o Amor e a fantasia 430 ----------------------- Page 478----------------------- OS LUSADAS da plida viola lhe tingia, a todos de si dava sinal certo do fogo que trazia que nunca soube Amor ser incoberto. (Rimas, mihi, p. 312) No h, pois, dvida de que o Poeta se refere a uma flor ?plida?. Vejamos alguns empregos de ?plido? e de ?amarelo? em Cames: ?plida? a cor e o ?gesto? amortecido ?dos combatentes, feridos e mortos na Batalha de Ourique? (III.52.3); ?plida? a doena de D. Afonso Henriques quando ela lhe toca com ?fria mo? (III.83.5-6); ?plida? a cor de Ins, ?morta?, ?secas do rosto e as rosas? e perdida ?a branca e viva cor? (III.134.6-8); , enfim, ?plida? e ?terrena? a cor do rosto do Adamastor (V.39.6). Faamos idntico inventrio para ?amarelo?. Torna-se ?amarelo? o mar Roxo, de enfiado (II.49.2); so ?amarelos? os dentes do Adamastor (V.39.8); so ?amarelos? os pomos da cidreira (IX.56.6); torna a ficar ?amarelo? o mar Roxo com medo (X.62.8). Em II.49 e em X.62 h um jogo de palavras ou trocadilho: em vez de Roxo o mar, torna-se o mar Amarelo (penso ser esta a interpretao). Pelo que respeita ao Adamastor, o Poeta faz distino entre o rosto, que ?plido? e os dentes, que so ?amarelos?. A cidreira d um exemplo claro da distino entre o ?amarelo? e o ?plido?. A morte e a doena so ?plidos?. O ?amarelo? tem em Cames uma significao bem distinta como se v na Lrica numas trovas ?a ua Senhora a quem deram um pedao de cetim amarelo?. O ?plido? tambm no precisamente o ?branco?, porque Ins de Castro tinha perdido com a morte a ?branca e viva cor?. ?Palidez? e ?palor? significam a cor desmaiada, simplesmente. Por outro lado, quer-me parecer que tudo o que seja comparar a ?viola? ?palidez dos amantes? se baseia no v. 14 da Ode III.10 de Horcio: ?tinctus viola pallor amantium?. Resta saber o que Horcio entendia por ?viola?: um tradutor do meu Horcio chama-lhe ?goivo?. Seria, pois, o ?goivo? a flor da Ilha dos Amores, mas no o amarelo (se os historiadores da Botnica do licena a um intruso...). Ort.: reluze (por reluz). 62.1-4 ?A cndida cecm ...?: agora que temos (merc do latim candidus, a, um) a brancura viva, brilhante, como realmente a das aucenas, 431 ----------------------- Page 479----------------------- OS LUSADAS nome que sucedeu cecm, um e outro de provenincia rabe ? o Lilium candidum, L. (v. CF, FL, pp. 42-43); ?... a manjerona?: planta aromtica, da famlia das Labiadas. Segundo CF, FL, a Origanum majorane, L. (p. 43); ?Vm-se as letras nas flores Hiacintinas, / To queridas do filho de Latona?: o filho de Latona (Apolo) apaixonou-se por Jacinto , um jovem espartano jogavam o disco, quando Apolo, lanando-o com fora e destreza, fez ressaltar o disco no preciso momento em queJacinto corria a apanh-lo. O amigo de Apolo, gravemente ferido, morreu. Do sangue vertido surge uma flor, mais brilhante ?do que a prpura de Tiro?, e Apolo, desejando que a flor recorde os gemidos deJacinto, inscreve sobre as ptalas as letras ?AI AI? (Ov., M, X.162-219). CF, FL, supe tratar-se do Gladiolus segetum, Gawl ? opinio que AFGV, FH, contraria, afirmando que as ?flores Hiacintias? so as ?esporas? (Delphinium ajacis). Ort.: a edioprinceps tem manjarona e no 3. verso l-se Ven-se. 62.5-6 ?Bem se enxerga nos pomos e boninas / Que competia Clris com Pomona?: Clris, esposa de Zfiro e deusa das flores. Competiam os frutos com as flores. Clris Flora. Ovdio ligou ao nome de Flora um mito helnico. Sups que Flora era na realidade uma ninfa grega chamada Clris (Grimal) (v. Ov., Fast., V. 20 e segs.). Termina aqui a descrio da flora da Ilha. A transio faz-se por intermdio da partcula ?Pois? (FS e ED). 63.2-4 ?Responde-lhe do ramofilomela ?: Filomela, filha de Pandon, rei de Atenas. Foi metamorfoseada em rouxinol depois de ter sido violentada por seu cunhado Tereu (v. Ov., M., VI.412-674); ?Acteon n? gua cristalina e bela?: o Poeta substituiu o veado pelo nome do caador que em veado foi convertido por Diana. Ort.: na edioprinceps est a longo da gua, mas em II.63, IX.63, IX.67 e X.140, ao longo da gua;fugace (porfugaz ). 64.2-7 ?... os segundos Argonautas?: os primeiros foram os que foram conquistar o velo de oiro, os Mnias; ?... se fingiam? do se, dativo de proveito, veio o se expletivo. JMR, EN, aduz exemplos. Ort.:frautas (porflautas ). 432 ----------------------- Page 480----------------------- OS LUSADAS 65.1-7 ?... a mestra experta?: Vnus experiente na arte de seduzir; ?Posta a artificiosa formosura?: algumas puseram de parte a artificiosa formosura, isto , os vestidos. 66.8 ?Qual ferida lha tinha j Ericina?: sobre a Ericina, v. II.18.5. Esta tinha ?ferido? a caa; por isso esta se apresentava ?suave, domstica e benina?. Ort.: benina (por benigna). 67.5-7 ?Outros, nas sombras, que de as altas sestas / Defendem a verdura, ...?: outros passeavam nas sombras que defendem a verdura dos grandes calores da tarde (sesta, da hora sexta dos Latinos, ou seja, do meio-dia em diante). 68.3-5 ?Cores de quem a vista julga e sente?: de quem, acerca das quais; ?... e seda diferente?: e sedas variegadas. Ort.:fermosas (porformosas ). 69.1-8 ?D Veloso, espantado, um grande grito?: Veloso, o homem de armas j nosso conhecido (v. V.30 e segs.); ?A Deusas sagrada esta floresta?: as ninfas da floresta eram as Hamadradas, e as das rvores, as Dradas; ?... aos homens imprudentes?: aos homens ignorantes (Morais). 70.3-8 ?... veloces mais quegamos?: gamo, mamfero ruminante, semelhante ao veado, com a parte superior dos galhos achatada e a cauda comprida; ?... pelas ribeiras?: pela borda das praias (v. 1.87, IV.62, VII.52, etc.); ?... mais industriosas que ligeiras?: correndo com indstria, com habilidade; ?... dos galgos alcanando?: dos nautas, evidentemente. Ort.: veloces (por velozes). 71.1-7 ?... o vento leva?: levanta; ?Acende-se o desejo, que se ceva / Nos 433 ----------------------- Page 481----------------------- OS LUSADAS alvas carnes, ...?: o desejo sacia-se nas belas formas humanas; ?Ua de indstria cai, e j releva?: de caso pensado, advertidamente. Releva, desculpa; ?Que sobre ela, empecendo, ...?: tropeando. Ort.: na edioprinceps escreveu-se massio, correspondente pronncia do tempo; indinadas (por indignadas). 73.1-8 ?... acudindo mais despressa / vergonha da Deusa caadora?: nova recordao de Acton. Uma das Ninfas envergonhou-se mais depressa do que Diana, ?escondendo o corpo n? gua?. Diana no escondeu o corpo na gua, mas foi rodeada logo pelas Ninfas; ?... (que, co a mora / De se despir, ... )?: com a demora; ?A matar ... o fogo?: a apag-lo. 74.1-8 ?. . . sagaz e ardido?: corajoso; ?Vendo [] rosto o frreo cano erguido?: procurei resolver assim o problema suscitado por este verso. A edioprinceps tem ?vendo rosto?. JMR, em BCL, 13, pp. 690 e 691, e em LP, II, p. 170, sugere, como habitualmente, ?Vend?; ?Pera agarcenha ...?: espcie de gara pequena; ?Remete que no era irm de Febo?: a irm (gmea) de Febo (Apolo) era rtemis (ou Diana), filhos de Leto e de Zeus (Jpiter). 75-1-5 ?Leonardo, soldado bem disposto?: j o conhecemos do Canto VI, quando queria ouvir histrias de amores (v. V.40); ?Manhoso, ...?: de boas partes, habilidoso; ?A quem Amor no dera um s desgosto?: no dera s um desgosto, mas muitos; ?Mas sempre fora dele pois sempre ... ; ?... firme pros[s]uposto?: firme preveno. Ort.: Lionardo, na edioprinceps . 76.1-2 ?Quis aqui sua ventura que corria?: sua m ventura. ?Que corria?, hoje ?que corresse?; ?Aps Efire ...?: fire, ninfa, filha do Oceano e de Ttis. Ort.:fermosura (porformosura ); indina (por indigna). 77.3-5 ?Tu s de mi s foges ...?: s tu no fazes seno fugir de mim; ?Quem te disse que eu era o que te sigo??: quem te disse que era 434 ----------------------- Page 482----------------------- OS LUSADAS Leonardo, o homem mais desventurado em amores, que te seguia?; ?... aquela ventura?: o mesmo sentido de 76.1. 78.2-8 ?... por que . . .?: para que; ?Minha ventura tal ...?: no sentido de 76.1 e 77.5; ?Espera; quero ver, ... / Que sutil modo busca de escapar-te?: espera que eu quero ver que subtil modo a minha m ventura descobre para te livrares de mim (se tu quiseres esperar por mim); ?Tra la spica e la man ...?: 8. verso do soneto Se col cieco desir che?l cor distrugge (n. LVI, Zingarelli), das Rime de Petrarca. 79.1-4 ?Oh! No me fujas! Assi nunca o breve / Tempo fuja de tua formosura!?; Oh, no me fujas! Tempus fugit, mas nunca da tua formosura; ?Que, s com refrear o passo leve, / Vencers da fortuna a fora dura?: que s com moderares a tua corrida vencers a fora dura do destino. 79-5-8 O sentido este: nenhum imperador ou exrcito se atrever a quebrantar a fria da sua m ventura (que o vai seguindo em tudo quanto desejou) se no for ela, no lhe fugindo. 80.2-8 ?Fraqueza dar ajuda ao mais potente?: neste caso sua m ventura; ?No te carrega essa alma to mesquinha [?]?: no te pesa essa alma (a de Leonardo) to infeliz?; ?Que nesses fios de ouro reluzente / Atada levas? ...?; que levas atada (essa alma) nos teus cabelos de oiro?; ?... Ou, despois de presa, / Lhe mudaste a ventura e menos pesa??: o Poeta (ou seja, Leonardo) procura uma transio do infortnio para a esperana. Por isso pergunta se depois de ter presa a sua m ventura esta no ter mudado (para melhor). Ort.: despois (por depois). 81.3-8 ?... na virtude de teu gesto lindo?: pela nobreza ou generosidade do teu lindo modo; ?... a triste e dura estrela?: a triste e dura sorte; ?... no vs fugindo?; escusas de fugir; ?E se me esperas, no h mais que espere?: esperas e espere em sentidos diferentes: se me esperas, nada mais tenho a esperar (ou desejar). 435 ----------------------- Page 483----------------------- OS LUSADAS 82.1-5 ?J no fugia a bela Ninfa tanto?: os comentadores tm achado este passo muito embrulhado, mas eu, talvez inconsideradamente, acho-o claro. E seno vejamos: a bela Ninfa continuava a fugir, mas fazia-o agora no tanto para se dar cara ao triste que a seguia (como at a), mas para ir ouvindo ?o doce canto?, isto , a linguagem da seduo, ?as namoradas mgoas?, que ele, Leonardo, iaproferindo. Se h dificuldade, no a vejo. Poder-se- ia manter o ?Como? do 3. verso; ?... sereno e santo?: termo potico muito empregado. Virglio, E, XI.158-159: ... o sanctissima coniux, felix morte tua neque in bunc seruata dolorem! (E tu, minha santa mulher, ...) 83.2-5 ?E que mimoso choro que soava!?: o segundo que desnecessrio; ?... Que ira honesta?: que ira decorosa; ?O que mais passam na manh e na sesta?: e na tarde. 84 Os Portugueses aparecem como triunfadores com grinaldas de louro, de ouro e flores abundantes. ?As mos alvas lhe davam como esposas?. Nos trs ltimos versos o contrato nupcial ?com palavras formais e estipulantes?. 85.1-8 ?Ua delas, maior, a quem se humilha / Todo o coro das Ninfas e obedece?: Ttis; ?Que dizem ser de Celo e Vesta filha?: v. VI.21.1- 2; ?O que no gesto belo se parece?: bem se mostra; ?Recebe ali com pompa honesta e rgia / Mostrando-se senhora grande e egrgia?: com magnificncia e decoro. Senhora egrgia, superior na distino. 86.1-6 ?Que, ...?: e assim; ?Por alta influo do imbil fado?: por alta influncia do fado imvel. Na oitava n. 26 das oitavas ao ?desconcerto do mundo? (?Quem pode ser no mundo to quieto?) o Poeta escreveu: ?por alta influo de minha estrela?, e na est. 28 do Canto I diz: ?Prometido lhe est do Fado eterno?. Parece-me que todas estas transcries se conjugam; ?Pera lhe descobrir da unida esfera / Da terra imensa e mar no navegado / Os segredos, ...?: do 436 ----------------------- Page 484----------------------- OS LUSADAS globo terrqueo. Ort.: despois (por depois). 87.3-6 ?No qual ua rica fbrica se erguia, / De cristal toda ...?: uma construo artificiosa, toda de cristal e de ouro puro e fino; ?A maior parte aqui passam do dia?: passam aqui (as Ninfas e os nautas) a maior parte do dia; ?Ela nos paos logra seus amores?: Ttis frui seus amores com Vasco da Gama na grandiosa fbrica que lhe pertence. Ort.: contino (por contnuo). 88.1-3 ?Assi a fermosa e a forte companhia?: a companhia formosa (a das Ninfas); a companhia forte (a dos navegantes); ?Nua alma, doce, incgnita alegria?: numa benfica (almus latinismo), doce e ignota (aos outros) alegria. 89 Comea nesta estncia e vai at ao 4. verso da est. 92 uma explicao toda espiritual do significado da Ilha dos Amores. Mas esta continua a ser a ?ilha alegre e namorada? (X.143.4), quando a verdade que desde a est. 89 do Canto IX ela passou a ser a ?ilha anglica das honras deleitosas?. E isto apesar de as Ninfas, ?j conformes e contentes,? subirem para os paos cos amantes (X.2) para o grande banquete presidido por Ttis (que tem a seu lado o claro Gama) e em que os comensais se sentam ?dous e dous?, amante e dama, em cadeiras ricas, cristalinas. No chega, no fim, a hora da despedida porque se embarcam com os nautas ?as eternas esposas e fermosas? e aqueles muito contentes por levarem consigo a companhia desejada das Ninfas, ... que ho-de ter eternamente Por mais tempo que o Sol o Mundo aquente. (X.143.7-8) Elas vo para lhes tecer coroas gloriosas (X.142.8). A ?Ilha dos Amores? foi um sonho de artista. Fica a alegoria, feita das ?honras que a vida fazem sublimadas?, de ?preminncias 437 ----------------------- Page 485----------------------- OS LUSADAS gloriosas?, de ?triunfos com a fronte coroada de palma e louro?, enfim, de todos os deleites do esprito. Pareceu-me necessrio avanar at ao Canto X para criar a perspectiva necessria explicao das estncias que ainda nos restam. 89.2 ?... e a Ilha anglica pintada?: anglica, prpria dos anjos. Pintada, representada; ?... e maravilha?: admirao. Ort.:fermosas (porformosas ); preminncias (porpreeminncias). 90.3-5 ?... no estelante Olimpo, ...?: na brilhante morada dos deuses; ?... a quem subia / Sobre as asas nclitas da Fama, / Por obras valerosas que fazia?: (as imortalidades que a Antiguidade fazia) nas asas gloriosas da Fama por motivo das obras valorosas que fazia. 91.5-8 ?Que Jpiter, Mercrio, Febo e Marte / Eneas eQuirino e os dous Tebanos, / Ceres, Palas eJuno com Diana?:Quirino, nome de Rmulo divinizado. Os dous Tebanos, Hrcules e Baco.Juno, esposa de Jpiter e rainha dos deuses. 92.2-7 ?Lhe deu ...?: lhes deu; ?Indgetes, Hericos e de Magnos?: Indgetes, divindades primitivas e nacionais dos Romanos. No sing., ndiges aplicado a Eneias. Notar que Magnos rima com estranhos e tamanhos; ?... ser tamanhos?: ser to grandes; ?... do cio ignavo?: do cio mole. Ignavo, do latim ignavus. 93.1-5 ?E ponde na cobia ...?: avidez de riquezas, do ?ouro? de que fala no v. 5 desta estncia; ? ... esse ouro puro?: como em 87.4. Ort.: milhor (por melhor). 94.4 ?Ou vos vesti nas armas rutilantes?: vestir em, hoje vestir-se de. Ort.: imigos (por inimigos). 438 ----------------------- Page 486----------------------- OS LUSADAS 95.1-5 ?E fareis claro ...?: fareis ilustre; ?Agora ... / Agora?: ora ... ora ... ; ? ... como os vossos j passados?: como (fizeram imortais) os vossos antepassados; ?Impossibilidades no faais?: o primeiro hemistquio do v. 6 mostra que o sentido s pode ser: impossibilidades no h para vs. 439 ----------------------- Page 487----------------------- OS LUSADAS X 1 MAS j o claro amador da Larisseia Adltera inclinava os animais L pera o grande lago que rodeia Temistito nos fins Ocidentais; O grande ardor do Sol Favnio enfreia Co sopro que nos tanques naturais Encrespa a gua serena e despertava Os lrios e jasmins, que a calma agrava, 2 Quando as fermosas Ninfas, cos amantes Pela mo, j conformes e contentes, Subiam pera os paos radiantes E de metais ornados reluzentes, Mandados da Rainha, que abundantes Mesas d' altos manjares excelentes Lhe tinha aparelhados, que a fraqueza Restaurem da cansada natureza. 3 Ali, em cadeiras ricas, cristalinas, Se assentam dous e dous, amante e dama; Noutras, cabeceira, d' ouro finas, Est co a bela Deusa o claro Gama. De iguarias suaves e divinas, A quem no chega a Egpcia antiga fama, Se acumulam os pratos de fulvo ouro, Trazidos l do Atlntico tesouro. 440 ----------------------- Page 488----------------------- OS LUSADAS 4 Os vinhos odorferos, que acima Esto no s do Itlico Falerno Mas da Ambrsia, que Jove tanto estima Com todo o ajuntamento sempiterno, Nos vasos, onde em vo trabalha a lima, Crespas escumas erguem, que no interno Corao movem sbita alegria, Saltando co a mistura d' gua fria. 5 Mil prticas alegres se tocavam; Risos doces, sutis e argutos ditos, Que entre um e outro manjar se alevantavam, Despertando os alegres apetitos; Msicos instrumentos no faltavam (Quais, no profundo Reino, os nus espritos Fizeram descansar da eterna pena) Cua voz dua anglica Sirena. 6 Cantava a bela Ninfa, e cos acentos, Que pelos altos paos vo soando, Em consonncia igual, os instumentos Suaves vm a um tempo conformando. Um sbito silncio enfreia os ventos E faz ir docemente murmurando As guas, e nas casas naturais Adormecer os brutos animais. 7 Com doce voz est subindo ao Cu Altos vares que esto por vir ao mundo, Cujas claras Ideias viu Proteu Num globo vo, difano, rotundo, Que Jpiter em dom lho concedeu Em sonhos, e despois no Reino fundo, Vaticinando, o disse, e na memria Recolheu logo a Ninfa a clara histria. 441 ----------------------- Page 489----------------------- OS LUSADAS 8 Matria de coturno, e no de soco, A que a Ninfa aprendeu no imenso lago; Qual Iopas no soube, ou Demodoco, Entre os Feaces um, outro em Cartago. Aqui, minha Calope, te invoco Neste trabalho extremo, por que em pago Me tornes do que escrevo, e em vo pretendo O gosto de escrever, que vou perdendo. 9 Vo os anos decendo, e j do Estio H pouco que passar at o Outono; A Fortuna me faz o engenho frio, Do qual j no me jacto nem me abono; Os desgostos me vo levando ao rio Do negro esquecimento e eterno sono. Mas tu me d que cumpra, gro rainha Das Musas, co que quero nao minha! 10 Cantava a bela Deusa que viriam Do Tejo, pelo mar que o Gama abrira, Armadas que as ribeiras venceriam Por onde o Oceano ndico suspira; E que os Gentios Reis que no dariam A cerviz sua ao jugo, o ferro e ira Provariam do brao duro e forte, At render-se a ele ou logo morte. 11 Cantava dum que tem nos Malabares Do sumo sacerdcio a dignidade, Que, s por no quebrar cos singulares Bares os ns que dera d' amizade, Sofrer suas cidades e lugares, Com ferro, incndios, ira e crueldade, Ver destruir do Samorim potente, Que tais dios ter co a nova gente. 442 ----------------------- Page 490----------------------- OS LUSADAS 12 E canta como l se embarcaria Em Belm o remdio deste dano, Sem saber o que em si ao mar traria, O gro Pacheco, Aquiles Lusitano. O peso sentiro, quando entraria, O curvo lenho e o frvido Oceano, Quando mais n' gua os troncos que gemerem Contra sua natureza se meterem. 13 Mas, j chegado aos fins Orientais E deixado em ajuda do gentio Rei de Cochim, com poucos naturais, Nos braos do salgado e curvo rio Desbaratar os Naires infernais No passo Cambalo, tornando frio D' espanto o ardor imenso do Oriente, Que ver tanto obrar to pouca gente. 14 Chamar o Samorim mais gente nova; Viro Reis [de] Bipur e de Tanor, Das serras de Narsinga, que alta prova Estaro prometendo a seu senhor; Far que todo o Naire, enfim, se mova Que entre Calecu jaz e Cananor, D' ambas as Leis imigas pera a guerra: Mouros por mar, Gentios pola terra. 15 E todos outra vez desbaratando, Por terra e mar, o gro Pacheco ousado, A grande multido que ir matando A todo o Malabar ter admirado. Cometer outra vez, no dilatando, O Gentio os combates, apressado, Injuriando os seus, fazendo votos Em vo aos Deuses vos, surdos e imotos. 443 ----------------------- Page 491----------------------- OS LUSADAS 16 J no defender smente os passos, Mas queimar-lhe- lugares, templos, casas; Aceso de ira, o Co, no vendo lassos Aqueles que as cidades fazem rasas, Far que os seus, de vida pouco escassos, Cometam o Pacheco, que tem asas, Por dous passos num tempo; mas voando Dum noutro, tudo ir desbaratando. 17 Vir ali o Samorim, por que em pessoa Veja a batalha e os seus esforce e anime; Mas um tiro, que com zunido voa, De sangue o tingir no andor sublime. J no ver remdio ou manha boa Nem fora que o Pacheco muito estime; Inventar traies e vos venenos, Mas sempre (o Cu querendo) far menos. 18 Que tornar a vez stima (cantava) Pelejar co invicto e forte Luso, A quem nenhum trabalho pesa e agrava; Mas, contudo, este s o far confuso. Trar pera a batalha, horrenda e brava, Mquinas de madeiros fora de uso, Pera lhe abalroar as caravelas, Que at' li vo lhe fora comet-las. 19 Pela gua levar serras de fogo Pera abrasar-lhe quanta armada tenha; Mas a militar arte e engenho logo Far ser v a braveza com que venha. ? Nenhum claro baro no Mrcio jogo, Que nas asas da Fama se sustenha, Chega a este, que a palma a todos toma. E perdoe-me a ilustre Grcia ou Roma. 444 ----------------------- Page 492----------------------- OS LUSADAS 20 Porque tantas batalhas, sustentadas Com muito pouco mais de cem soldados, Com tantas manhas e artes inventadas, Tantos Ces no imbeles profligados, Ou parecero fbulas sonhadas, Ou que os celestes Coros, invocados, Decero a ajud-lo e lhe daro Esforo, fora, ardil e corao. 21 Aquele que nos campos Maratnios O gro poder de Drio estrui e rende, Ou quem, com quatro mil Lacedemnios, O passo de Termpilas defende, Nem o mancebo Cocles dos Ausnios, Que com todo o poder Tusco contende Em defensa da ponte, ou Quinto Fbio, Foi como este na guerra forte e sbio. 22 Mas neste passo a Ninfa, o som canoro Abaxando, fez ronco e entristecido, Cantando em baxa voz, envolta em choro, O grande esforo mal agardecido. ? Belisrio (disse) que no coro Das Musas sers sempre engrandecido, Se em ti viste abatido o bravo Marte, Aqui tens com quem podes consolar-te! 23 Aqui tens companheiro, assi nos feitos Como no galardo injusto e duro; Em ti e nele veremos altos peitos A baxo estado vir, humilde e escuro. Morrer nos hospitais, em pobres leitos, Os que ao Rei e Lei servem de muro! Isto fazem os Reis cuja vontade Manda mais que a justia e que a verdade. 445 ----------------------- Page 493----------------------- OS LUSADAS 24 Isto fazem os Reis quando embebidos Nua aparncia branda que os contenta: Do os prmios, de Aiace merecidos, A lngua v de Ulisses, fraudulenta. Mas vingo-me: que os bens mal repartidos Por quem s doces sombras apresenta, Se no os do a sbios cavaleiros, Do-os logo a avarentos lisonjeiros. 25 Mas tu, de quem ficou to mal pagado Um tal vassalo, Rei, s nisto inico, Se no s pera dar-lhe honroso estado, ele pera dar-te um Reino rico. Enquanto for o mundo rodeado Dos Apolneos raios, eu te fico Que ele seja entre a gente ilustre e claro, E tu nisto culpado por avaro. 26 Mas eis outro (cantava) intitulado Vem com nome real e traz consigo O filho, que no mar ser ilustrado, Tanto como qualquer Romano antigo. Ambos daro com brao forte, armado, A Quloa frtil, spero castigo, Fazendo nela Rei leal e humano, Deitado fora o prfido tirano. 27 Tambm faro Mombaa, que se arreia De casas sumptuosas e edifcios, Co ferro e fogo seu queimada e feia, Em pago dos passados malefcios. Despois, na costa da ndia, andando cheia De lenhos inimigos e artificios Contra os Lusos, com velas e com remos O mancebo Loureno far extremos. 446 ----------------------- Page 494----------------------- OS LUSADAS 28 Das grandes naus do Samorim potente, Que enchero todo o mar, co a frrea pela, Que sai com trovo do cobre ardente, Far pedaos leme, masto, vela. Despois, lanando arpus ousadamente Na capitaina imiga, dentro nela Saltando o far s com lana e espada De quatrocentos Mouros despejada. 29 Mas de Deus a escondida providncia (Que ela s sabe o bem de que se serve) O por onde esforo nem prudncia Poder haver que a vida lhe reserve. Em Chal, onde em sangue e resistncia O mar todo com fogo e ferro ferve, Lhe faro que com vida se no saia As armadas de Egipto e de Cambaia. 30 Ali o poder de muitos inimigos (Que o grande esforo s com fora rende), Os ventos que faltaram, e os perigos Do mar, que sobejaram, tudo o ofende. Aqui ressurjam todos os Antigos, A ver o nobre ardor que aqui se aprende: Outro Ceva vero, que, espedaado, No sabe ser rendido nem domado. 31 Com toda ua coxa fora, que em pedaos Lhe leva um cego tiro que passara, Se serve inda dos animosos braos E do gro corao que lhe ficara. At que outro pelouro quebra os laos Com que co alma o corpo se liara: Ela, solta, voou da priso fora Onde sbito se acha vencedora. 447 ----------------------- Page 495----------------------- OS LUSADAS 32 Vai-te, alma, em paz, da guerra turbulenta, Na qual tu mereceste paz serena! Que o corpo, que em pedaos se apresenta, Quem o gerou, vingana j lhe ordena: Que eu ouo retumbar a gro tormenta, Que vem j dar a dura e eterna pena, De esperas, basiliscos e trabucos, A Cambaicos cruis e Mamelucos. 33 Eis vem o pai, com nimo estupendo, Trazendo fria e mgoa por antolhos, Com que o paterno amor lhe est movendo Fogo no corao, gua nos olhos. A nobre ira lhe vinha prometendo Que o sangue far dar pelos giolhos Nas inimigas naus; senti-lo- o Nilo, Pod-lo- o Indo ver e o Gange ouvi-lo. 34 Qual o touro cioso, que se ensaia Pera a crua peleja, os cornos tenta No tronco dum carvalho ou alta faia E, o ar ferindo, as foras experimenta: Tal, antes que no seio de Cambaia Entre Francisco irado, na opulenta Cidade de Dabul a espada afia, Abaxando-lhe a tmida ousadia. 35 E logo, entrando fero na enseada De Dio, ilustre em cercos e batalhas, Far espalhar a fraca e grande armada De Calecu, que remos tem por malhas. A de Melique Iaz, acautelada, Cos pelouros que tu, Vulcano, espalhas, Far ir ver o frio e fundo assento, Secreto leito do hmido elemento. 448 ----------------------- Page 496----------------------- OS LUSADAS 36 Mas a de Mir Hocm, que, abalroando, A fria esperar dos vingadores, Ver braos e pernas ir nadando Sem corpos, pelo mar, de seus senhores. Raios de fogo iro representando, No cego ardor, os bravos domadores. Quanto ali sentiro olhos e ouvidos fumo, ferro, flamas e alaridos. 37 Mas ah, que desta prspera vitria, Com que despois vir ao ptrio Tejo, Qusi lhe roubar a famosa glria Um sucesso, que triste e negro vejo! O Cabo Tormentrio, que a memria Cos ossos guardar, no ter pejo De tirar deste mundo aquele esprito, Que no tiraram toda a ndia e Egipto. 38 Ali, Cafres selvagens podero O que destros amigos no puderam; E rudos paus tostados ss faro O que arcos e pelouros no fizeram. Ocultos os juzos de Deus so; As gentes vs, que no nos entenderam, Chamam-lhe fado mau, fortuna escura, Sendo s providncia de Deus pura. 39 Mas oh, que luz tamanha que abrir sinto (Dizia a Ninfa, e a voz alevantava) L no mar de Melinde, em sangue tinto Das cidades de Lamo, de Oja e Brava, Pelo Cunha tambm, que nunca extinto Ser seu nome em todo o mar que lava As ilhas do Austro, e praias que se chamam De So Loureno, e em todo o Sul se afamam! 449 ----------------------- Page 497----------------------- OS LUSADAS 40 Esta luz do fogo e das luzentes Armas com que Albuquerque ir amansando De Ormuz os Prseos, por seu mal valentes, Que refusam o jugo honroso e brando. Ali vero as setas estridentes Reciprocar-se, a ponta no ar virando Contra quem as tirou; que Deus peleja Por quem estende a f da Madre Igreja. 41 Ali do sal os montes no defendem De corrupo os corpos no combate, Que mortos pela praia e mar se estendem De Gerum, de Mazcate e Calaiate; At que fora s de brao aprendem A abaxar a cerviz, onde se lhe ate Obrigao de dar o reino inico Das perlas de Barm tributo rico. 42 Que gloriosas palmas tecer vejo Com que Vitria a fronte lhe coroa, Quando, sem sombra v de medo ou pejo, Toma a ilha ilustrssima de Goa! Despois, obedecendo ao duro ensejo, A deixa, e ocasio espera boa Com que a torne a tomar, que esforo e arte Vencero a Fortuna e o prprio Marte. 43 Eis j sobr' ela torna e vai rompendo Por muros, fogo, lanas e pelouros, Abrindo com a espada o espesso e horrendo Esquadro de Gentios e de Mouros. Iro soldados nclitos fazendo Mais que lies famlicos e touros, Na luz que sempre celebrada e dina Ser da Egpcia Santa Caterina. 450 ----------------------- Page 498----------------------- OS LUSADAS 44 Nem tu menos fugir poders deste, Posto que rica e posto que assentada L no grmio da Aurora, onde naceste Opulenta Malaca nomeada. As setas venenosas que fizeste, Os crises com que j te vejo armada, Malaios namorados, Jaus valentes, Todos fars ao Luso obedientes. 45 Mais estanas cantara esta Sirena Em louvor do ilustrssimo Albuquerque, Mas alembrou-lhe ua ira que o condena, Posto que a fama sua o mundo cerque. O grande Capito, que o fado ordena Que com trabalhos glria eterna merque, Mais h-de ser um brando companheiro Pera os seus, que juiz cruel e inteiro. 46 Mas em tempo que fomes e asperezas, Doenas, frechas e troves ardentes, A sazo e o lugar, fazem cruezas Nos soldados a tudo obedientes, Parece de selvticas brutezas, De peitos inumanos e insolentes, Dar extremo suplcio pela culpa Que a fraca humanidade e Amor desculpa. 47 No ser a culpa abominoso incesto Nem violento estupro em virgem pura, Nem menos adultrio desonesto, Mas cua escrava vil, lasciva e escura, Se o peito, ou de cioso, ou de modesto, Ou de usado a crueza fera e dura, Cos seus ua ira insana no refreia, Pe, na fama alva, noda negra e feia. 451 ----------------------- Page 499----------------------- OS LUSADAS 48 Viu Alexandre Apeles namorado Da sua Campaspe, e deu-lha alegremente, No sendo seu soldado exprimentado, Nem vendo-se num cerco duro e urgente. Sentiu Ciro que andava j abrasado Araspas, de Panteia, em fogo ardente, Que ele tomara em guarda, e prometia Que nenhum mau desejo o venceria; 49 Mas, vendo o ilustre Persa que vencido Fora de Amor, que, enfim, no tem defensa, Levemente o perdoa, e foi servido Dele num caso grande, em recompensa. Per fora, de Judita foi marido O frreo Balduno; mas dispensa Carlos, pai dela, posto em cousas grandes, Que viva e povoador seja de Frandes. 50 Mas, prosseguindo a Ninfa o longo canto, De Soares cantava, que as bandeiras Faria tremular e pr espanto Pelas roxas Arbicas ribeiras: ? Medina abominbil teme tanto, Quanto Meca e Gid, co as derradeiras Praias de Abssia; Barbor se teme Do mal de que o emprio Zeila geme. 51 A nobre ilha tambm de Taprobana, J pelo nome antigo to famosa Quanto agora soberba e soberana Pela cortia clida, cheirosa, Dela dar tributo Lusitana Bandeira, quando, excelsa e gloriosa, Vencendo se erguer na torre erguida, Em Columbo, dos prprios to temida. 452 ----------------------- Page 500----------------------- OS LUSADAS 52 Tambm Sequeira, as ondas Eritreias Dividindo, abrir novo caminho Pera ti, grande Imprio, que te arreias De seres de Candace e Sab ninho. Mau, com cisternas de gua cheias Ver, e o porto Arquico, ali vizinho; E far descobir remotas Ilhas, Que do ao mundo novas maravilhas. 53 Vir despois Meneses, cujo ferro Mais na frica, que c, ter provado; Castigar de Ormuz soberba o erro, Com lhe fazer tributo dar dobrado. Tambm tu, Gama, em pago do desterro Em que ests e sers inda tornado, Cos ttulos de Conde e d' honras nobres Virs mandar a terra que descobres. 54 Mas aquela fatal necessidade De quem ningum se exime dos humanos, Ilustrado co a Rgia dignidade, Te tirar do mundo e seus enganos. Outro Meneses logo, cuja idade maior na prudncia que nos anos, Governar; e far o ditoso Henrique Que perptua memria dele fique. 55 No vencer smente os Malabares, Destruindo Panane com Coulete, Cometendo as bombardas, que, nos ares, Se vingam s do peito que as comete; Mas com virtudes, certo, singulares, Vence os imigos d' alma todos sete; De cobia triunfa e incontinncia, Que em tal idade suma de excelncia. 453 ----------------------- Page 501----------------------- OS LUSADAS 56 Mas, despois que as Estrelas o chamarem, Suceders, forte Mascarenhas; E, se injustos o mando te tomarem, Prometo-te que fama eterna tenhas. Pera teus inimigos confessarem Teu valor alto, o fado quer que venhas A mandar, mais de palmas coroado, Que de fortuna justa acompanhado. 57 No reino de Binto, que tantos danos Ter a Malaca muito tempo feitos, Num s dia as injrias de mil anos Vingars, co valor de ilustres peitos. Trabalhos e perigos inumanos, Abrolhos frreos mil, passos estreitos, Tranqueiras, baluartes, lanas, setas: Tudo fico que rompas e sometas. 58 Mas na ndia, cobia e ambio, Que claramente pem aberto o rosto Contra Deus e Justia, te faro Vituprio nenhum, mas s desgosto. Quem faz injria vil e sem razo, Com foras e poder em que est posto, No vence; que a vitria verdadeira saber ter justia nua e inteira. 59 Mas, contudo, no nego que Sampaio Ser, no esforo, ilustre e assinalado, Mostrando-se no mar um fero raio, Que de inimigos mil ver coalhado. Em Bacanor far cruel ensaio No Malabar, pera que, amedrontado, Despois a ser vencido dele venha Cutiale, com quanta armada tenha. 454 ----------------------- Page 502----------------------- OS LUSADAS 60 E no menos de Dio a fera frota, Que Chal temer, de grande e ousada, Far, co a vista s, perdida e rota, Por Heitor da Silveira e destroada; Por Heitor Portugus, de quem se nota Que na costa Cambaica, sempre armada, Ser aos Guzarates tanto dano, Quanto j foi aos Gregos o Troiano. 61 A Sampaio feroz suceder Cunha, que longo tempo tem o leme: De Chale as torres altas erguer, Enquanto Dio ilustre dele treme; O forte Baaim se lhe dar, No sem sangue, porm, que nele geme Melique, porque fora s de espada A tranqueira soberba v tomada. 62 Trs este vem Noronha, cujo auspcio De Dio os Rumes feros afugenta; Dio, que o peito e blico exerccio De Antnio da Silveira bem sustenta. Far em Noronha a morte o usado ofcio, Quando um teu ramo, Gama, se exprimenta No governo do Imprio, cujo zelo Com medo o Roxo Mar far amarelo. 63 Das mos do teu Estvo vem tomar As rdeas um, que j ser ilustrado No Brasil, com vencer e castigar O pirata Francs, ao mar usado. Despois, Capito-mor do ndico mar, O muro de Damo, soberbo e armado, Escala e primeiro entra a porta aberta, Que fogo e frechas mil tero coberta. 455 ----------------------- Page 503----------------------- OS LUSADAS 64 A este o Rei Cambaico soberbssimo Fortaleza dar na rica Dio, Por que contra o Mogor poderosssimo Lhe ajude a defender o senhorio. Despois ir com peito esforadssimo A tolher que no passe o Rei gentio De Calecu, que assi com quantos veio O far retirar, de sangue cheio. 65 Destruir a cidade Repelim, Pondo o seu Rei, com muitos, em fugida; E despois, junto ao Cabo Comorim, Ua faanha faz esclarecida: A frota principal do Samorim, Que destruir o mundo no duvida, Vencer co furor do ferro e fogo; Em si ver Beadala o Mrcio jogo. 66 Tendo assi limpa a ndia dos imigos, Vir despois com ceptro a govern-la Sem que ache resistncia nem perigos, Que todos tremem dele e nenhum fala. S quis provar os speros castigos Batical, que vira j Beadala. De sangue e corpos mortos ficou cheia E de fogo e troves desfeita e feia. 67 Este ser Martinho, que de Marte O nome tem co as obras derivado; Tanto em armas ilustre em toda parte, Quanto, em conselho, sbio e bem cuidado. Suceder-lhe- ali Castro, que o estandarte Portugus ter sempre levantado, Conforme sucessor ao sucedido, Que um ergue Dio, outro o defende erguido. 456 ----------------------- Page 504----------------------- OS LUSADAS 68 Persas feroces, Abassis e Rumes, Que trazido de Roma o nome tm, Vrios de gestos, vrios de costumes (Que mil naes ao cerco feras vm), Faro dos Cus ao mundo vos queixumes Porque uns poucos a terra lhe detm. Em sangue Portugus, juram, descridos, De banhar os bigodes retorcidos. 69 Basiliscos medonhos e lies, Trabucos feros, minas encobertas, Sustenta Mascarenhas cos bares Que to ledos as mortes tm por certas; At que, nas maiores opresses, Castro libertador, fazendo ofertas Das vidas de seus filhos, quer que fiquem Com fama eterna e a Deus se sacrifiquem. 70 Fernando, um deles, ramo da alta pranta, Onde o violento fogo, com rudo, Em pedaos os muros no ar levanta, Ser ali arrebatado e ao Cu subido. lvaro, quando o Inverno o mundo espanta E tem o caminho hmido impedido, Abrindo-o, vence as ondas e os perigos, Os ventos e despois os inimigos. 71 Eis vem despois o pai, que as ondas corta Co restante da gente Lusitana, E com fora e saber, que mais importa, Batalha d felice e soberana. Uns, paredes subindo, escusam porta; Outros a abrem na fera esquadra insana. Feitos faro to dinos de memria Que no caibam em verso ou larga histria. 457 ----------------------- Page 505----------------------- OS LUSADAS 72 Este, despois, em campo se apresenta, Vencedor forte e intrpido, ao possante Rei de Cambaia e a vista lhe amedronta Da fera multido quadrupedante. No menos suas terras mal sustenta O Hidalco, do brao triunfante Que castigando vai Dabul na costa; Nem lhe escapou Pond, no serto posta. 73 Estes e outros Bares, por vrias partes, Dinos todos de fama e maravilha, Fazendo-se na terra bravos Martes, Viro lograr os gostos desta Ilha, Varrendo triunfantes estandartes Pelas ondas que corta a aguda quilha; E acharo estas Ninfas e estas mesas, Que glrias e honras so de rduas empresas. 74 Assi cantava a Ninfa; e as outras todas, Com sonoroso aplauso, vozes davam, Com que festejam as alegres vodas Que com tanto prazer se celebravam. ? Por mais que da Fortuna andem as rodas (Nua cnsona voz todas soavam), No vos ho-de faltar, gente famosa, Honra, valor e fama gloriosa. 75 Despois que a corporal necessidade Se satisfez do mantimento nobre, E na harmonia e doce suavidade Viram os altos feitos que descobre, Ttis, de graa ornada e gravidade, Pera que com mais alta glria dobre As festas deste alegre e claro dia, Pera o felice Gama assi dizia: 458 ----------------------- Page 506----------------------- OS LUSADAS 76 ? Faz-te merc, baro, a Sapincia Suprema de, cos olhos corporais, Veres o que no pode a v cincia Dos errados e mseros mortais. Sigue-me firme e forte, com prudncia, Por este monte espesso, tu cos mais. Assi lhe diz e o guia por um mato rduo, difcil, duro a humano trato. 77 No andam muito que no erguido cume Se acharam, onde um campo se esmaltava De esmeraldas, rubis, tais que presume A vista que divino cho pisava. Aqui um globo vm no ar, que o lume Clarssimo por ele penetrava, De modo que o seu centro est evidente, Como a sua superfcia, claramente. 78 Qual a matria seja no se enxerga, Mas enxerga-se bem que est composto De vrios orbes, que a Divina verga Comps, e um centro a todos s tem posto. Volvendo, ora se abaxe, agora se erga, Nunca s' ergue ou se abaxa, e um mesmo rosto Por toda a parte tem; e em toda a parte Comea e acaba, enfim, por divina arte, 79 Uniforme, perfeito, em si sustido, Qual, enfim, o Arquetipo que o criou. Vendo o Gama este globo, comovido De espanto e de desejo ali ficou. Diz-lhe a Deusa: ? O transunto, reduzido Em pequeno volume, aqui te dou Do Mundo aos olhos teus, pera que vejas Por onde vs e irs e o que desejas. 459 ----------------------- Page 507----------------------- OS LUSADAS 80 Vs aqui a grande mquina do Mundo, Etrea e elemental, que fabricada Assi foi do Saber, alto e profundo, Que sem princpio e meta limitada. Quem cerca em derredor este rotundo Globo e sua superfcia to limada, Deus: mas o que Deus, ningum o entende, Que a tanto o engenho humano no se estende. 81 Este orbe que, primeiro, vai cercando Os outros mais pequenos que em si tem, Que est com luz to clara radiando Que a vista cega e a mente vil tambm, Empreo se nomeia, onde logrando Puras almas esto daquele Bem Tamanho, que ele s se entende e alcana, De quem no h no mundo semelhana. 82 Aqui, s verdadeiros, gloriosos Divos esto, porque eu, Saturno e Jano, Jpiter, Juno, fomos fabulosos, Fingidos de mortal e cego engano. S pera fazer versos deleitosos Servimos; e, se mais o trato humano Nos pode dar, s que o nome nosso Nestas estrelas ps o engenho vosso. 83 E tambm, porque a santa Providncia, Que em Jpiter aqui se representa, Por espritos mil que tm prudncia Governa o Mundo todo que sustenta (Ensina-lo a proftica cincia, Em muitos dos exemplos que apresenta); Os que so bons, guiando, favorecem, Os maus, em quanto podem, nos empecem; 460 ----------------------- Page 508----------------------- OS LUSADAS 84 Quer logo aqui a pintura que varia Agora deleitando, ora ensinando, Dar-lhe nomes que a antiga Poesia A seus Deuses j dera, tabulando; Que os Anjos de celeste companhia Deuses o sacro verso est chamando, Nem nega que esse nome preminente Tambm aos maus se d, mas falsamente. 85 Enfim que o Sumo Deus, que por segundas Causas obra no Mundo, tudo manda. E tornando a contar-te das profundas Obras da Mo Divina veneranda, Debaxo deste crculo onde as mundas Almas divinas gozam, que no anda, Outro corre, to leve e to ligeiro Que no se enxerga: o Mbile primeiro. 86 Com este rapto e grande movimento Vo todos os que dentro tem no seio; Por obra deste, o Sol, andando a tento, O dia e noite faz, com curso alheio. Debaxo deste leve, anda outro lento, To lento e sojugado a duro freio, Que enquanto Febo, de luz nunca escasso, Duzentos cursos faz, d ele um passo. 87 Olha estoutro debaxo, que esmaltado De corpos lisos anda e radiantes, Que tambm nele tem curso ordenado E nos seus axes correm cintilantes. Bem vs como se veste e faz ornado Co largo Cinto d' ouro, que estelantes Animais doze traz afigurados, Apousentos de Febo limitados. 461 ----------------------- Page 509----------------------- OS LUSADAS 88 Olha por outras partes a pintura Que as Estrelas fulgentes vo fazendo: Olha a Carreta, atenta a Cinosura, Andrmeda e seu pai, e o Drago horrendo; V de Cassiopeia a formosura E do Orionte o gesto turbulento; Olha o Cisne morrendo que suspira, A Lebre e os Ces, a Nau e a doce Lira. 89 Debaxo deste grande Firmamento, Vs o cu de Saturno, Deus antigo; Jpiter logo faz o movimento, E Marte abaxo, blico inimigo; O claro Olho do cu, no quarto assento, E Vnus, que os amores traz consigo; Mercrio, de eloquncia soberana; Com trs rostos, debaxo vai Diana. 90 Em todos estes orbes, diferente Curso vers, nuns grave e noutros leve; Ora fogem do Centro longamente, Ora da Terra esto caminho breve, Bem como quis o Padre omnipotente, Que o fogo fez e o ar, o vento e neve, Os quais vers que jazem mais a dentro E tem co Mar a Terra por seu centro. 91 Neste centro, pousada dos humanos, Que no smente, ousados, se contentam De sofrerem da terra firme os danos, Mas inda o mar instbil exprimentam, Vers as vrias partes, que os insanos Mares dividem, onde se apousentam Vrias naes que mandam vrios Reis, Vrios costumes seus e vrias leis. 462 ----------------------- Page 510----------------------- OS LUSADAS 92 Vs Europa Crist, mais alta e clara Que as outras em polcia e fortaleza. Vs frica, dos bens do mundo avara, Inculta e toda cheia de bruteza; Co Cabo que at 'qui se vos negara, Que assentou pera o Austro a Natureza. Olha essa terra toda, que se habita Dessa gente sem Lei, qusi infinita. 93 V do Benomotapa o grande imprio, De selvtica gente, negra e nua, Onde Gonalo morte e vituprio Padecer, pola F santa sua. Nace por este incgnito Hemisprio O metal por que mais a gente sua. V que do lago donde se derrama O Nilo, tambm vindo est Cuama. 94 Olha as casas dos negros, como esto Sem portas, confiados, em seus ninhos, Na justia real e defenso E na fidelidade dos vizinhos; Olha deles a bruta multido, Qual bando espesso e negro de estorninhos Combater em Sofala a fortaleza, Que defender Nhaia com destreza. 95 Olha l as alagoas donde o Nilo Nace, que no souberam os antigos; V-lo rega, gerando o crocodilo, Os povos Abassis, de Cristo amigos; Olha como sem muros (novo estilo) Se defendem milhor dos inimigos; V Mroe, que ilha foi de antiga fama, Que ora dos naturais Nob se chama. 463 ----------------------- Page 511----------------------- OS LUSADAS 96 Nesta remota terra um filho teu Nas armas contra os Turcos ser claro; H-de ser Dom Cristvo o nome seu; Mas contra o fim fatal no h reparo. V c a costa do mar, onde te deu Melinde hospcio gasalhoso e caro; O Rapto rio nota, que o romance Da terra chama Obi; entra em Quilmance. 97 O Cabo v j Armata chamado, E agora Guardaf, dos moradores, Onde comea a boca do afamado Mar Roxo, que do fundo toma as cores; Este como limite est lanado Que divide sia de frica; e as milhores Povoaes que a parte frica tem Mau so, Arquico e Suaqum. 98 Vs o extremo Suez, que antigamente Dizem que foi dos Hroas a cidade (Outros dizem que Arsnoe), e ao presente Tem das frotas do Egipto a potestade. Olha as guas nas quais abriu patente Estrada o gro Mouss na antiga idade. sia comea aqui, que se apresenta Em terras grande, em reinos opulenta. 99 Olha o monte Sinai, que se ennobrece Co sepulcro de Santa Caterina; Olha Toro e Gid, que lhe falece gua das fontes, doce e cristalina; Olha as portas do Estreito, que fenece No reino da seca dem, que confina Com a serra d' Arzira, pedra viva, Onde chuva dos cus se no deriva. 464 ----------------------- Page 512----------------------- OS LUSADAS 100 Olha as Arbias trs, que tanta terra Tomam, todas da gente vaga e baa, Donde vm os cavalos pera a guerra, Ligeiros e feroces, de alta raa; Olha a costa que corrre, at que cerra Outro Estreito de Prsia, e faz a traa O Cabo que co nome se apelida Da cidade Fartaque, ali sabida. 101 Olha Dfar, insigne porque manda O mais cheiroso incenso pera as aras; Mas atenta: j c destoutra banda De Roalgate, e praias sempre avaras, Comea o reino Ormuz, que todo se anda Pelas ribeiras que inda sero claras Quando as gals do Turco e fera armada Virem de Castelbranco nua a espada. 102 Olha o Cabo Asaboro, que chamado Agora Moando, dos navegantes; Por aqui entra o lago que fechado De Arbia e Prsias terras abundantes. Atenta a ilha Barm, que o fundo ornado Tem das suas perlas ricas, e imitantes cor da Aurora; e v na gua salgada Ter o Tgris e Eufrates ua entrada. 103 Olha da grande Prsia o imprio nobre, Sempre posto no campo e nos cavalos, Que se injuria de usar fundido cobre E de no ter das armas sempre os calos. Mas v a ilha Gerum, como descobre O que fazem do tempo os intervalos, Que da cidade Armuza, que ali esteve, Ela o nome despois e a glria teve. 465 ----------------------- Page 513----------------------- OS LUSADAS 104 Aqui de Dom Filipe de Meneses Se mostrar a virtude, em armas clara, Quando, com muito poucos Portugueses, Os muitos Prseos vencer de Lara. Viro provar os golpes e reveses De Dom Pedro de Sousa, que provara J seu brao em Ampaza, que deixada Ter por terra, fora s de espada. 105 Mas deixemos o Estreito e o conhecido Cabo de Jasque, dito j Carpela, Com todo o seu terreno mal querido Da Natura e dos des usados dela; Carmnia teve j por apelido. Mas vs o fermoso Indo, que daquela Altura nace, junto qual, tambm Doutra altura correndo o Gange vem? 106 Olha a terra de Ulcinde, fertilssima, E de Jquete a ntima enseada; Do mar a enchente sbita, grandssima, E a vazante, que foge apressurada. A terra de Cambaia v, riqussima, Onde do mar o seio faz entrada; Cidades outras mil, que vou passando, A vs outros aqui se esto guardando. 107 Vs corre a costa clebre Indiana Pera o Sul, at o Cabo Comori, J chamado Cori, que Taprobana (Que ora Ceilo) defronte tem de si. Por este mar a gente Lusitana, Que com armas vir despois de ti, Ter vitrias, terras e cidades, Nas quais ho-de viver muitas idades. 466 ----------------------- Page 514----------------------- OS LUSADAS 108 As provncias que entre um e o outro rio Vs, com vrias naes, so infinitas: Um reino Mahometa, outro Gentio, A quem tem o Demnio leis escritas. Olha que de Narsinga o senhorio Tem as relquias santas e benditas Do corpo de Tom, baro sagrado, Que a Jesu Cristo teve a mo no lado. 109 Aqui a cidade foi que se chamava Meliapor, fermosa, grande e rica; Os dolos antigos adorava, Como inda agora faz a gente inica. Longe do mar naquele tempo estava, Quando a F, que no mundo se pubrica, Tom vinha prgando, e j passara Provncias mil do mundo, que ensinara. 110 Chegado aqui, prgando e junto dando A doentes sade, a mortos vida, Acaso traz um dia o mar, vagando, Um lenho de grandeza desmedida. Deseja o Rei, que andava edificando, Fazer dele madeira; e no duvida Poder tir-lo a terra, com possantes Foras d' homens, de engenhos, de alifantes. 111 Era to grande o peso do madeiro Que, s pera abalar-se, nada abasta; Mas o nncio de Cristo verdadeiro Menos trabalho em tal negcio gasta: Ata o cordo que traz, por derradeiro, No tronco, e facilmente o leva e arrasta Pera onde faa um sumptuoso templo Que ficasse aos futuros por exemplo. 467 ----------------------- Page 515----------------------- OS LUSADAS 112 Sabia bem que se com f formada Mandar a um monte surdo que se mova, Que obedecer logo voz sagrada, Que assi lho ensinou Cristo, e ele o prova. A gente ficou disto alvoraada; Os Brmenes o tm por cousa nova; Vendo os milagres, vendo a santidade, Ho medo de perder autoridade. 113 So estes sacerdotes dos Gentios Em quem mais penetrado tinha enveja; Buscam maneiras mil, buscam desvios, Com que Tom no se oua, ou morto seja. O principal, que ao peito traz os fios, Um caso horrendo faz, que o mundo veja Que inimiga no h, to dura e fera, Como a virtude falsa, da sincera. 114 Um filho prprio mata, e logo acusa De homicdio Tom, que era inocente; D falsas testemunhas, como se usa; Condenaram-no a morte brevemente. O Santo, que no v milhor escusa Que apelar pera o Padre omnipotente, Quer, diante do Rei e dos senhores, Que se faa um milagre dos maiores. 115 O corpo morto manda ser trazido, Que res[s]ucite e seja perguntado Quem foi seu matador, e ser crido Por testemunho, o seu, mais aprovado. Viram todos o moo vivo, erguido, Em nome de Jesu crucificado: D graas a Tom, que lhe deu vida, E descobre seu pai ser homicida. 468 ----------------------- Page 516----------------------- OS LUSADAS 116 Este milagre fez tamanho espanto Que o Rei se banha logo na gua santa, E muitos aps ele; um beija o manto, Outro louvor do Deus de Tom canta. Os Brmenes se encheram de dio tanto, Com seu veneno os morde enveja tanta, Que, persuadindo a isso o povo rudo, Determinam mat-lo, em fim de tudo. 117 Um dia que prgando ao povo estava, Fingiram entre a gente um arruido. (J Cristo neste tempo lhe ordenava Que, padecendo, fosse ao Cu subido); A multido das pedras que voava No Santo d, j a tudo oferecido; Um dos maus, por fartar-se mais depressa, Com crua lana o peito lhe atravessa. 118 Choraram-te, Tom, o Gange e o Indo; Chorou-te toda a terra que pisaste; Mais te choram as almas que vestindo Se iam da santa F que lhe ensinaste. Mas os Anjos do Cu, cantando e rindo, Te recebem na glria que ganhaste. Pedimos-te que a Deus ajuda peas Com que os teus Lusitanos favoreas. 119 E vs outros que os nomes usurpais De mandados de Deus, como Tom, Dizei: se sois mandados, como estais Sem irdes a prgar a santa F? Olhai que, se sois Sal e vos danais Na ptria, onde profeta ningum , Com que se salgaro em nossos dias (Infiis deixo) tantas heresias? 469 ----------------------- Page 517----------------------- OS LUSADAS 120 Mas passo esta matria perigosa E tornemos costa debuxada. J com esta cidade to famosa Se faz curva a Gangtica enseada; Corre Narsinga, rica e poderosa; Corre Orixa, de roupas abastada; No fundo da enseada, o ilustre rio Ganges vem ao salgado senhorio; 121 Ganges, no qual os seus habitadores Morrem banhados, tendo por certeza Que, inda que sejam grandes pecadores, Esta gua santa os lava e d pureza. V Catigo, cidade das milhores De Bengala provincia, que se preza De abundante. Mas olha que est posta Pera o Austro, daqui virada, a costa. 122 Olha o reino Arraco; olha o assento De Pegu, que j monstros povoaram, Monstros filhos do feio ajuntamento Dua mulher e um co, que ss se acharam Aqui soante arame no instrumento Da gerao costumam, o que usaram Por manha da Rainha que, inventando Tal uso, deitou fora o error nefando. 123 Olha Tavai cidade, onde comea De Sio largo o imprio to comprido; Tenassari, Qued, que s cabea Das que pimenta ali tm produzido. Mais avante fareis que se conhea Malaca por emprio ennobrecido, Onde toda a provncia do mar grande Suas mercadorias ricas mande. 470 ----------------------- Page 518----------------------- OS LUSADAS 124 Dizem que desta terra co as possantes Ondas o mar, entrando, dividiu A nobre ilha Samatra, que j d' antes Juntas ambas a gente antiga viu. Quersoneso foi dita; e das prestantes Veias d' ouro que a terra produziu, 'urea' por epitto lhe ajuntaram; Alguns que fosse Ofir imaginaram. 125 Mas, na ponta da terra, Cingapura Vers, onde o caminho s naus se estreita; Daqui tornando a costa Cinosura, Se encurva e pera a Aurora se endireita. Vs Pam, Patane, reinos, e a longura De Sio, que estes e outros mais sujeita; Olha o rio Meno, que se derrama Do grande lago que Chiamai se chama. 126 Vs neste gro terreno os diferentes Nomes de mil naes, nunca sabidas: Os Laos, em terra e nmero potentes; Avs, Brams, por serras to compridas; V nos remotos montes outras gentes, Que Gueos se chamam, de selvages vidas; Humana carne comem, mas a sua Pintam com ferro ardente, usana crua. 127 Vs, passa por Camboja Mecom rio, Que capito das guas se interpreta; Tantas recebe d' outro s no Estio, Que alaga os campos largos e inquieta; Tem as enchentes quais o Nilo frio; A gente dele cr, como indiscreta, Que pena e glria tm, despois de morte, Os brutos animais de toda sorte. 471 ----------------------- Page 519----------------------- OS LUSADAS 128 Este receber, plcido e brando, No seu regao os Cantos que molhados Vm do naufrgio triste e miserando, Dos procelosos baxos escapados, Das fomes, dos perigos grandes, quando Ser o injusto mando executado Naquele cuja Lira sonorosa Ser mais afamada que ditosa. 129 Ves, corre a costa que Champ se chama, Cuja mata do pau cheiroso ornada; Vs Cauchichina est, de escura fama, E de Aino v a incgnita enseada; Aqui o soberbo Imprio, que se afama Com terras e riqueza no cuidada, Da China corre, e ocupa o senhorio Desde o Trpico ardente ao Cinto frio. 130 Olha o muro e edifcio nunca crido, Que entre um imprio e o outro se edifica, Certssimo sinal, e conhecido, Da potncia real, soberba e rica. Estes, o Rei que tm, no foi nacido Prncipe, nem dos pais aos filhos fica, Mas elegem aquele que famoso Por cavaleiro, sbio e virtuoso. 131 Inda outra muita terra se te esconde At que venha o tempo de mostrar-se; Mas no deixes no mar as Ilhas onde A Natureza quis mais afamar-se: Esta, meia escondida, que responde De longe China, donde vem buscar-se, Japo, onde nace a prata fina, Que ilustrada ser co a Lei divina. 472 ----------------------- Page 520----------------------- OS LUSADAS 132 Olha c pelos mares do Oriente As infinitas Ilhas espalhadas: V Tidore e Ternate, co fervente Cume, que lana as flamas ondeadas. As rvores vers do cravo ardente, Co sangue Portugus inda compradas. Aqui h as ureas aves, que no decem Nunca terra e s mortas aparecem. 133 Olha de Banda as Ilhas, que se esmaltam Da vria cor que pinta o roxo fruto; As aves variadas, que ali saltam, Da verde noz tomando seu tributo. Olha tambm Bornu, onde no faltam Lgrimas no licor coalhado e enxuto Das rvores, que cnfora chamado, Com que da Ilha o nome celebrado. 134 Ali tambm Timor, que o lenho manda Sndalo, salutfero e cheiroso; Olha a Sunda, to larga que ua banda Esconde pera o Sul dificultoso; A gente do Serto, que as terras anda, Um rio diz que tem miraculoso, Que, por onde ele s, sem outro, vai, Converte em pedra o pau que nele cai. 135 V naquela que o tempo tornou Ilha, Que tambm flamas trmulas vapora, A fonte que leo mana, e a maravilha Do cheiroso licor que o tronco chora, ? Cheiroso, mais que quanto estila a filha De Ciniras na Arbia, onde ela mora; E v que, tendo quanto as outras tm, Branda seda e fino ouro d tambm. 473 ----------------------- Page 521----------------------- OS LUSADAS 136 Olha, em Ceilo, que o monte se alevanta Tanto que as nuvens passa ou a vista engana; Os naturais o tm por cousa santa, Pola pedra onde est a pgada humana. Nas ilhas de Maldiva nace a pranta No profundo das guas, soberana, Cujo pomo contra o veneno urgente tido por antdoto excelente. 137 Vers defronte estar do Roxo Estreito Socotor, co amaro alo famosa; Outras ilhas, no mar tambm sujeito A vs, na costa de frica arenosa, Onde sai do cheiro mais perfeito A massa, ao mundo oculta e preciosa. De So Loureno v a Ilha afamada, Que Madagscar dalguns chamada. 138 Eis aqui as novas partes do Oriente Que vs outros agora ao mundo dais, Abrindo a porta ao vasto mar patente, Que com to forte peito navegais. Mas tambm razo que, no Ponente, Dum Lusitano um feito inda vejais, Que, de seu Rei mostrando-se agravado, Caminho h-de fazer nunca cuidado. 139 Vedes a grande terra que contina Vai de Calisto ao seu contrrio Plo, Que soberba a far a luzente mina Do metal que a cor tem do louro Apolo. Castela, vossa amiga, ser dina De lanar-lhe o colar ao rudo colo. Varias provncias tem de vrias gentes, Em ritos e costumes, diferentes. 474 ----------------------- Page 522----------------------- OS LUSADAS 140 Mas c onde mais se alarga, ali tereis Parte tambm, co pau vermelho nota; De Santa Cruz o nome lhe poreis; Descobri-la- a primeira vossa frota. Ao longo desta costa, que tereis, Ir buscando a parte mais remota O Magalhes, no feito, com verdade, Portugus, porm no na lealdade. 141 Ds que passar a via mais que meia Que ao Antrtico Plo vai da Linha, Dua estatura qusi giganteia Homens ver, da terra ali vizinha; E mais avante o Estreito que se arreia Co nome dele agora, o qual caminha Pera outro mar e terra que fica onde Com suas frias asas o Austro a esconde. 142 At 'qui Portugueses concedido Vos saberdes os futuros feitos Que, pelo mar que j deixais sabido, Viro fazer bares de fortes peitos. Agora, pois que tendes aprendido Trabalhos que vos faam ser aceitos s eternas esposas e fermosas, Que coroas vos tecem gloriosas, 143 Podeis-vos embarcar, que tendes vento E mar tranquilo, pera a ptria amada. Assi lhe disse; e logo movimento Fazem da Ilha alegre e namorada. Levam refresco e nobre mantimento; Levam a companhia desejada Das Ninfas, que ho-de ter eternamente, Por mais tempo que o Sol o mundo aquente. 475 ----------------------- Page 523----------------------- OS LUSADAS 144 Assi foram cortando o mar sereno, Com vento sempre manso e nunca irado, At que houveram vista do terreno Em que naceram, sempre desejado. Entraram pela foz do Tejo ameno, E sua ptria e Rei temido e amado O prmio e glria do por que mandou, E com ttulos novos se ilustrou. 145 N mais, Musa, n mais, que a Lira tenho Destemperada e a voz enrouquecida, E no do canto, mas de ver que venho Cantar a gente surda e endurecida. O favor com que mais se acende o engenho No no d a ptria, no, que est metida No gosto da cobia e na rudeza Dua austera, apagada e vil tristeza 146 E no sei por que influxo de Destino No tem um ledo orgulho e geral gosto, Que os nimos levanta de contino A ter pera trabalhos ledo o rosto. Por isso vs, Rei, que por divino Conselho estais no rgio slio posto, Olhai que sois (e vede as outras gentes) Senhor s de vassalos excelentes. 147 Olhai que ledos vo, por vrias vias, Quais rompentes lies e bravos touros, Dando os corpos a fomes e vigias, A ferro, a fogo, a setas e pelouros, A quentes regies, a plagas frias, A golpes de Idoltras e de Mouros, A perigos incgnitos do mundo, A naufrgios, a pexes, ao profundo. 476 ----------------------- Page 524----------------------- OS LUSADAS 148 Por vos servir, a tudo aparelhados; De vs to longe, sempre obedientes; A quaisquer vossos speros mandados, Sem dar reposta, prontos e contentes. S com saber que so de vs olhados, Demnios infernais, negros e ardentes, Cometero convosco, e no duvido Que vencedor vos faam, no vencido. 149 Favorecei-os logo, e alegrai-os Com a presena e leda humanidade; De rigorosas leis desalivai-os, Que assi se abre o caminho santidade. Os mais exprimentados levantai-os, Se, com a experincia, tm bondade Pera vosso conselho, pois que sabem O como, o quando, e onde as cousas cabem. 150 Todos favorecei em seus ofcios, Segundo tm das vidas o talento; Tenham Religiosos exerccios De rogarem, por vosso regimento, Com jejuns, disciplina, pelos vcios Comuns; toda ambio tero por vento, Que o bom Religioso verdadeiro Glria v no pretende nem dinheiro. 151 Os Cavaleiros tende em muita estima, Pois com seu sangue intrpido e fervente Estendem no smente a Lei de cima, Mas inda vosso Imprio preminente. Pois aqueles que a to remoto clima Vos vo servir, com passo diligente, Dous inimigos vencem: uns, os vivos, E (o que mais) os trabalhos excessivos. 477 ----------------------- Page 525----------------------- OS LUSADAS 152 Fazei, Senhor, que nunca os admirados Alemes, Galos, talos e Ingleses, Possam dizer que so pera mandados, Mais que pera mandar, os Portugueses. Tomai conselho s d' exprimentados, Que viram largos anos, largos meses, Que, posto que em cientes muito cabe, Mais em particular o experto sabe. 153 De Formio, filsofo elegante, Vereis como Anibal escarnecia, Quando das artes blicas, diante Dele, com larga voz tratava e lia. A disciplina militar prestante No se aprende, Senhor, na fantasia, Sonhando, imaginando ou estudando, Seno vendo, tratando e pelejando. 154 Mas eu que falo, humilde, baxo e rudo, De vs no conhecido nem sonhado? Da boca dos pequenos sei, contudo, Que o louvor sai s vezes acabado. Nem me falta na vida honesto estudo, Com longa experincia misturado, Nem engenho, que aqui vereis presente, Cousas que juntas se acham raramente. 155 Pera servir-vos, brao s armas feito, Pera cantar-vos, mente s Musas dada; S me falece ser a vs aceito, De quem virtude deve ser prezada. Se me isto o Cu concede, e o vosso peito Dina empresa tomar de ser cantada, Como a pres[s]aga mente vaticina Olhando a vossa inclinao divina, 478 ----------------------- Page 526----------------------- OS LUSADAS 156 Ou fazendo que, mais que a de Medusa, A vista vossa tema o monte Atlante, Ou rompendo nos campos de Ampelusa Os muros de Marrocos e Trudante, A minha j estimada e leda Musa Fico que em todo o mundo de vs cante, De sorte que Alexandro em vs se veja, Sem dita de Aquiles ter enveja. NOTAS 1.1-6 ?Mas j o claro amador da Larisseia / Adltera ...?: Larisseu, de Larissa, na Tesslia, donde era Cornis, ninfa amada de Apolo e a ela infiel; ?L pera o grande lago que rodeia / Temistito, ...?: o grande lago que rodeia Temistito (a antiga cidade do Mxico ou o pas) nos confins ocidentais o Pacfico. O curso de gua que deu o nome principal cidade era o Tihcuco e o vale Tenochtitlan. Os Portugueses aplicaram o nome de Temistito ao pas e capital (Ford); ?O grande ardor do Sol Favnio enfreia?: o Zfiro moderava os calores do Sol; ?... nos tanques naturais?: nas guas do mar. Fins est por confins. 2.7 ?Lhe ...?: lhes. 3.3-7 ?... d? ouro finas?: de ouro fino (trajectio epithetorum); ?... A quem no chega a Egpcia antiga fama?: banquetes superiores aos dados por Clepatra (a Csar? A Marco Antnio?); ?... pratos defulvo ouro?: louro; ?Trazidos l do Atlntico tesouro?: do Jardim das Hespridas ou, mais simplesmente, dos palcios que tm nas profundidades do Oceano. 479 ----------------------- Page 527----------------------- OS LUSADAS 4.2-5 ?... do Itlico Falerno?: vinho da regio de Campnia, louvado por Horcio (O, I.XXVII.10); ?Mas da Ambrsia, ...?: ambrsia no aqui alimento, mas bebida; ?Nos vasos, onde em vo trabalha a lima?: vasos de diamante. 5.5-8 ?Msicos instrumentos no faltavam?: lembrana da msica de Orfeu nos Infernos para libertar Eurdice; ?Quais, no profundo Reino ...?: iguais queles que permitiram que Orfeu tentasse libertar Eurdice do Inferno e fizesse deter os tormentos dos ?nus espritos?. Estes dois versos esto entre parntesis porque o v. 8 liga-se ao v. 5; ?Cua voz dua anglica Sirena?: liga-se a ?Msicos instrumentos ...?. Sirena ou Sereia , aqui, uma ninfa que canta agradavelmente. Ort.: sutis (por subtis); espritos (por espritos). 6.8 ?... casas naturais?: onde dormem os animais bravios. 7.3-8 ?Cujas claras Ideias viu Proteu?: Proteu, o profeta, teve a revelao num globo queJpiter lhe deu em sonhos das ?claras Ideias? que estavam para surgir no mundo. Estes vaticnios foram logo transmitidos pela ninfa, que recolheu a ilustre histria dos feitos. 8.1-5 ?Matria de coturno, e no de soco?: coturnos, borzeguins de que usam os que se vestem trgica; matria de coturno assunto alto, levantado, grande. Contrape-se a matria de soco, que baixa (v. Morais). O verso quase textualmente reproduzido de Petrarca (v. JMR, FL, p. 449); ?Qual Iopas no soube, ou Demodoco, / Entre os Feaces um, outro em Cartago?: acerca dos cantares de Iopas em Cartago, no banquete dado por Dido a Eneias, v. V, E, I.740-746; sobre Demdoco, aedo da corte de Alcino (Alkinoos), rei dos Feaces, v. H, O, VIII.71-92, VIII.266-366, VIII.499-520 e XIII.27-28; ?Aqui, minha Calope, te invoco?: v. III.1.1. 9.3-6 ?A Fortuna ...?: a minha m ventura; ?Do qual j no me jacto nem me abono?: do qual j nem me glorio nem me prezo; ?Os desgostos 480 ----------------------- Page 528----------------------- OS LUSADAS me vo levando ao rio / Do negro esquecimento e eterno sono?: me vo levando ao rio Letes e ao ltimo sono (a morte). 10.3-8 ?... ribeiras ...?: praias ou costas; ?... que no dariam?: que no dessem; ?At render-se a ele ...?: ao jugo. 11.1-4 ?Cantava dum que tem nos Malabares / Do sumo sacerdcio a dignidade?: o rei de Cochim; ?... s por no quebrar cos singulares / Bares os ns que dera d? amizade?: teve guerra com o rei de Calecute (v. Castanheda, I.XLIX, L, LI, LII e LIII). 12.1-7 ?E canta como l se embarcaria / Em Belm o remdio deste dano?: no ano de 1503 foram para a ndia seis naus, repartidas por duas capitanias. Das primeiras trs foi capito-mor Afonso de Albuquerque e foram seus capites Duarte Pacheco Pereira e Ferno Martins de Almada; ?... quando entraria?: em vez de ?quando neles entrar?; ?Quando mais n? gua os troncos que gemerem?: os troncos o mesmo que o tenho. O valor militar de Duarte Pacheco est aqui representado pelo mergulho do casco do navio que o transporta. 13.1-6 ?Mas, j chegado aos fins Orientais?: s costas ocidentais da ndia; ?E deixado ... / ... com poucos naturais?: com poucos portugueses; ?Nos braos do salgado e curvo rio?: era um brao de mar que circundava Cochim; ?Desbaratar os Naires infernais / No passo Cambalo ...?: ?E todos confessados & comungados, se partio Duarte Pacheco pera ho passo de Cambalo em sesta feyra de ramos dezaseys Dabril de mil & quinhentos & quatro? (Castanheda, I.LXVII). 14.2 ?Viro Reis [de] Bipur e de Tanor?: ?E como amanheceo que foy domingo de ramos, abalou elrey [de Calecute] com corenta & sete mil homes de peleja antre Naires & mouros.? Castanheda (I.LXVIII) nomeia as gentes de Tanor, Bipur, serra de Narsinga e outras. ? certo q} era cousa de grande espto ver tamanha multid 481 ----------------------- Page 529----------------------- OS LUSADAS de imigos por agoa, & por terra, q} tudo cobri & todos meyos ns, & hus baos, & outros negros.? (Id., ibid.) 15.8 ?... surdos e imotos?: imveis. Imotos latinismo. 16.6-7 ?Cometam o Pacheco ... / Por dous passos num tempo; ...?: passo do vau e passo de Palurte. 17.3-7 ?Mas um tiro, que com zunido voa, / De sangue o tingir no andor sublime?: ?E nisto se avivou mais a peleja, porq} chegou el rey de Calicut, q} Duarte Pacheco conheceo por a bandeira, & sombreiro q} levava, & mandou tirar c hu bero ao lugar de parecia com teno de ho matar, & no foy morto por se ele baquear do andor em q} ho levavo, & ho pelouro matou dous hom?s juto dele ...? (Castanheda, I.LXXV); ?Inventar traies e vos venenos?: ?partiose Duarte Pacheco pera as caravelas sem querer falar ao principe de Cochim por amor da treyo que lhe fizer os seus naires ...? (Castanheda, I.LXXVI.) Cap. I.LXXXI de Castanheda: ?De como hu mouro inventou a el rey de Calicut hus castelos de madeira, com que podessem aferrar as nossas caravelas.? 18.6 ?Mquinas de madeiros fora de uso?: ?E com quanto ele dissimulava que no tinha em conta os castelos del rey de Calicut, eles lhe davo assaz de trabalho no spirito que receava muyto de ho aferrar? ...? (Castanheda, I.LXXXII.) 19.3-5 ?Mas a militar arte e engenho logo / Far ser v a braveza com que venha?: com tiros de camelo, Pacheco destruiu as ?serras de fogo? (Castanheda, I.LXXXIII); ?Nenhum claro baro no Mrciojogo ?: claro, ilustre. No Mrcio jogo, a guerra (v. IV.39.4). 20.4-5 ?Tantos Ces no imbeles profligados?: Ces, os mouros e gentios. No imbeles, no inaptos para a guerra. Profligados, abatidos. Imbeles e 482 ----------------------- Page 530----------------------- OS LUSADAS profligados so latinismos; ?... fbulas sonhadas?: v. V.89.6 e VI.66.4. Ort.: decero (por descero). 21.1-7 ?Aquele que nos campos Maratnios?: refere-se ao general ateniense Milcades e sua grande vitria sobre Dario em 490 a. C.; ?Ou quem com quatro mil Lacedemnios?: Lenidas, rei de Esparta, que tentou defender o desfiladeiro das Termpilas (na Tesslia) contra o exrcito de Xerxes, tendo perecido ele com os seus 300 espartanos (em 480 a. C.); ?Nem o mancebo Cocles dos Ausnios?: Horcio Cocles, que, segundo conta Tito Lvio, deteve szinho o exrcito etrusco (Tusco) de Porsena na Ponte Sublcia, sobre o Tibre, em 507 a. C.: ?pons sublicius iter paene hostibus dedit, ni unus vir fuisset, Horatius Cocles; id munimentum illo die fortuna urbis Romanae habuit? (T. Lvio, II.X). Ausnios, Romanos; ?... ou Quinto Fbio?: Quinto Fbio Mximo Cunctator, romano ilustre, que foi ditador depois da derrota de Trasimeno e que, sem dar batalha a Anbal, o cansou e destruiu. 22.5 ? ? Belisrio (disse) que no coro?: Belisrio (505-565), o maior general do imperador Justiniano. Venceu os Vndalos e os Ostrogodos e repeliu os Blgaros. Em 563 foi acusado de conspirar contra o imperador Justiniano. Uma lenda afirma que nos ltimos anos esteve privado da vista e na extrema penria. Ort.: abaxando, baxa (por abaixando e baixa); agardecido (por agradecido). 23.3-6 ?Em ti e nele veremos altos peitos?: homens de grande merecimento; ?Morrer nos hospitais, ...?: este verso e o imediato constituem aposto explicativo do verso precedente; ?... servem de muro?: de anteparo. 24.3-4 ?Do os prmios, de Aiace merecidos, / lngua v de Ulisses, ...?: Ulisses foi sempre para Cames o ?facundo? (II.45, III.57 e V.86), mas aqui toma o partido de Ajax (certamente porque este foi um guerreiro), talvez inspirado por Ovdio quando este diz: ?fortisqui viri tullit arma disertus? (foi um orador que alcanou as armas de um guerreiro) (XIII.383). Disputaram-se as armas de Aquiles. Ort.: D-os, na edioprinceps (por Do-os). 483 ----------------------- Page 531----------------------- OS LUSADAS 25.1-7 ?Mas tu, de quem ficou to mal pagado,?: to mal premiado; ?Enquanto for o mundo rodeado / Dos Apolneos raios, eu te fico?: enquanto o Sol iluminar o mundo, eu te certifico; ?... ilustre e claro?: reforo da afirmao com palavras de sentido semelhante. 26.1-7 ?Mas eis outro ... / Vem com nome real ...?: D. Francisco de Almeida. Foi com nome real porque foi como vizo-rei. O filho D. Loureno de Almeida. A armada largou de Lisboa em 25 de Maro de 1505; ?A Quloa frtil, spero castigo?: ?De como no querendo el rey de Quloa pagar as parias a que era obrigado, ho governador lhe tomou a cidade? (Castanheda, II.II); ?Deitado fora o prfido tirano?: ?De como ho governador fez hua fortaleza na cidade de Quloa, & de como fez nela novo Rey? (Castanheda, II.III). 27.1-6 ?Tambm faro Mombaa ..., / ... / Co ferro e fogo seu queimada e feia?: ?De como ho governador mandou por fogo a cidade de Mombaa, & de como foy queimada grande parte dela? (Castanheda, II.V); ?... andando cheia / De lenhos inimigos e artifcios?: para vingar a morte do feitor de Coulo e de quantos estavam com ele D. Francisco mandou seu filho Loureno. Em Coulo Loureno de Almeida queimou vinte e sete naus de Calecute. 28.1-8 ?Das grandes naus do Samorim potente?: ?dom Loureno ... foy abalrroar a mayor das capitainas q} trazia seiscentos homes de peleja, & tres vezes ?deytou ho arpeo, & outras ttas lho desaferraro os immigos como hom?s que receavo de pelejar c os nossos. Mas da quarta vez foy aferrada, & os nossos saltaro logo dentro muy ousadamente ... & de tal maneyra pelejaro que qutos immigos estavo na nao foro todos mortos? (Castanheda, II.XXVI). 29.5-6 ?Em Chal, onde em sangue e resistncia / O mar todo comfogo e ferro ferve ?: ?E nesta revolta foy dom Loureno ferido dhua bbardada que lhe levou hu coxa, & cayo: os seus ho levtaro muyto tristes por ho assi ver?: & ele os esforou, & mandou que ho assentassem em hu cadeira ao p do masto, & dali esforava os seus. 484 ----------------------- Page 532----------------------- OS LUSADAS E nisto lhe deu outra bombardada nos peytos que ho matou.? (Castanheda, II.LXXX) Com fogo e ferro ferve: aliteterao. Chal, cidade na costa ocidental da ndia, no muito longe para sul, da cidade de Bombaim. 30.7 ?Outro Ceva vero, que, espedaado?: centurio de Csar na guerra com Pompeu. 32.7-8 ?De esperas, basiliscos e trabucos?: esperas, canhes pequenos em que se achava gravada uma espera (hoje esfera), que era a empresa de D. Manuel. Basiliscos, peas grandes (v. X.69.1: ?basiliscos medonhos?). Trabucos, mquinas de arrojar grandes pedras; ?... e Mamelucos?: corpo de tropas, formado de escravos de pases estrangeiros e convertidos ao islamismo. 33.1-2 ?Eis vem o pai, com nimo estupendo?: ?De como ho visorey partio pera Diu em busca dos rumes: & de como chegou cidade de Dabul? (Castanheda, II.XCV). ?De como ho visorey pelejou c ho capito de Dabul & o desbaratou & q} ymou a cidade? (Castanheda, II.XCVI); ?Trazendo fria e mgoapor antolhos ?: diante da vista. Ort.:giolhos (porjoelhos ). 34.5-8 ?... no seio de Cambaia?: no golfo de Cambaia; ?... na opulenta / Cidade de Dabul, a espada afia?: afia a espada nos corpos dos inimigos; ?Abaxando-lhe a tmida ousadia?: abatendo-lhe a arrogncia. Ort.: abaxando-lhe (por abaixando-lhe). 35.1-7 ?E logo, entrando fero na enseada / De Dio ...?: D. Francisco de Almeida chegou vista de Dio em 2 de Fevereiro (1509) (Castanheda, II.XCVIII); ?... que remos tem por malhas?: as malhas da armada de Calecute so os remos, a sua defesa est na fuga; ?Far ir ver ...?: D. Francisco de Almeida ?far ir ver ...?: ?De como ho Viso rey pelejou no porto de Diu com Mirocem capito mor do 485 ----------------------- Page 533----------------------- OS LUSADAS Soldo, & com a armada del rey de Calicut, & c a de Meliquiaz: & os desbaratou a todos? (Castanheda, II.C). 36.1-8 ?Mas a de Mir Hocm, que, abalroando?: Castanheda diz ?Mirocem?; ?Raios de fogo iro representando?: os ?bravos domadores? do verso seguinte com o seu cego ardor iro ?representando? ou semelhando raios de fogo; ? ... os bravos domadores?: os que domam, os que subjugam; ? fumo, ferro, flamas ...?: aliterao. Ort.: Mir (por Amir ou Emir). 37.4-8 ?Um sucesso, que triste e negro vejo?: D. Francisco de Almeida, de regresso a Portugal (saiu de Cananor no dia 1 de Dezembro de 1509), foi morto pelos Cafres na aguada do Saldanha (em 1 de Maro de 1510): ?E perto dagoada sahio dtreles hua lana darremesso sem ferro, & deu pela garganta ao viso rey, & passoulhe a guela, que no levava barbote, & ele ajoelhou logo com as mos na lana: & sentindo que se afogava soltou as mos da lana, & levantou as pera ho ceo, como que se encomendava a nosso senhor, & assi cahio morto? (Castanheda, II.CXXII). Foi enterrado no local em que morreu (Castanheda, II.CXXIII); ?... e Egipto?: e os Turcos. Ort.: esprito (por esprito); despois (por depois). 38.3-6 ?E rudos paus tostados ...?; primitivas armas de arremesso, usadas pelos Cafres, crestadas ao fogo (v. AP, Port., XI.49); ?As gentes vs que no nos entenderam?: que no entenderam os juzos de Deus. 39.1-8 ?Mas oh, que luz tamanha que abrir sinto /... / L no mar de Melinde, ...?: Tristo da Cunha foi por capito-mor da armada que em 1506 foi para a ndia. Ia nela o futuro governador da ndia, Afonso de Albuquerque. O mau tempo levou-os costa do Brasil. No regresso descobriu um grupo de ilhas, muito a oeste do cabo da Boa Esperana, que foram chamadas Tristo da Cunha, do nome do seu descobridor. So ?as ilhas do Austro?, a que se refere o Poeta. Invernando em Moambique, aproveitou o tempo para colher notcias da ilha de S. Loureno, ou Madagscar. Finalmente, de caminho para Socotor, tomou, saqueou e incendiou Oja e Brava, 486 ----------------------- Page 534----------------------- OS LUSADAS ?no mar de Melinde?, e fez tributria Lamo (Castanheda, II.30-31 e II-36-37, e Barros, II.I.2). De Socotor (ilha do oceano ndico, perto do golfo de Adem) partiu para a ndia em 10 de Agosto de 1507. As disputas com Afonso de Albuquerque no foram to graves que Tristo da Cunha no reconhecesse a personalidade e a valentia do futuro governador da ndia. 40.1-3 ?Esta luz do fogo e das luzentes / Armas com que Albuquerque ir amansando / De Ormuz os Prseos, ...?: sobre a tomada de Ormuz, ver Castanheda, II.LX-LXIII. Prseos (termo tambm empregado pelos cronistas) o mesmo que Persas. 40.5-8 ?Ali vero as setas estridentes / Reciprocar-se, ...?: ?... ao terceyro dia despois da batalha quis nosso seor manifestar ho milagre que fizera nella por parte dos nossos. E foy que comearo daparecer sobre a agoa do mar muytos corpos de mouros, pregados de muytas frechas, ho que foy dito ao capito mor, q} espantado daquilo, mdou tomar algus daq} les corpos: & vio q} verdadeiramente ero de mouros, & as frechas taes como aquelas com que os mouros tiravo na batalha? (Castanheda, II.LXII). 41.1-8 ?Ali do sal os montes no defendem / De corrupo os corpos ...?: ?Ha nela hua pequena serra que dhua parte he hua pedreyra de sal, & de outra he de veeyros d?xofre? (Castanheda, II.LVIII); ?De Gerum, de Mazcate e Calaiate?: Gerum, a ilha de Ormuz, entrada do golfo Prsico. Mazcate (Mascate), cidade da Arbia meridional, posio chave do golfo de Om, sentinela do golfo Prsico, centro comercial de todas as permutas do Oriente, incluindo o comrcio das prolas de Ormuz. Calaiate, cidade ao sul de Mascate; ?... o reino inico?: Ormuz, reino injusto; ?Das perlas de Barm ...?: Barm, grupo de ilhas dentro do golfo Prsico, na costa de Hadjar, afamado pela pesca de prolas. Ort.: abaxar (por abaixar); inico (por inquo); perlas (porprolas). 42.1-5 ?Que gloriosas palmas tecer vejo?: em 1 de Maro de 1510 Afonso de Albuquerque tomou posse de Goa, mas teve de a abandonar 487 ----------------------- Page 535----------------------- OS LUSADAS quando apareceu o exrcito do antigo senhor, o Hidalco. Em 25 de Novembro do mesmo ano, no dia de Santa Catarina, Goa era definitivamente conquistada e viria a ser a capital do imprio portugus no Oriente: ?Com que Vitria ...?: Vitria, deusa romana; ?... sem sombra v de medo oupejo ?: ou embarao; ?Despois, obedecendo ao duro ensejo?: depois, forado pela necessidade. 43.5-8 ?... soldados nclitos ...?: soldados notveis; ?Na luz ...?: no dia; ?Ser da Egpcia Santa Caterina?: natural de Alexandria, capital do Egipto. Pelas suas censuras ao imperador Maximiano e pela sua firmeza na f, foi decapitada por volta de 307. Ort.: dina (por digna). 44.1-7 ?Nem tu menos fugir poders deste?: ?a rica urea Quersoneso? de II.54, a pennsula de Malaca, tomada por Afonso de Albuquerque em 1511, tendo sido duas vezes acometida: a primeira em 24 de Julho, ?vespera de santiago? (Castanheda, III.LVI), e a segunda no dia 10 de Agosto, ?dia do bem aventurado martir sam Loureno? (Castanheda, III.LIX); ?Os crises com que j te vejo armada?: arma malaia, do feitio de adaga ?de dous palmos & meyo at tres de comprido, direitos de dous gumes? (Barros, II.VI.I); ?Malaios namorados,Jaus valentes?: ?porm entre elles se traz em provrbio, Malayos namorados. Ios cavaleiros: & assi he na verdade? (Barros, II.VI.1).Jau (de Jaua), o mesmo quejavans (de Java). 45 a 49 O Poeta indigna-se contra o excesso de que usou Afonso de Albuquerque na punio do cavaleiro Rui Dias. Castanheda narra o motivo do castigo: ? ... soube ho governador que hum Ruy diaz natural Dalanquer filho dhum Ioo paanha escrivo da hi entrava de noyte na sua camara do leme pola parte de fora, & dormia com hua moa moura destas que digo [moas mouras tomadas em Goa], pelo que ho governador ho mandou prender pera ho castigar crimemente. E mandando proceder contrele, ordinariamente julgou com seu ouvidor, que se chamava Pero dalpoem, que Ruy diaz fosse enforcado, & mandou ao seu meirinho que ho fosse enforcar aa nao de Bernaldim freyre.? (Castanheda, 1II.XXIX.) 488 ----------------------- Page 536----------------------- OS LUSADAS 45.6 Em todo o poema Cames usou uma vez da forma mercar, ainda hoje viva na linguagem popular. 46.2-6 ?... troves ardentes?: tiros de canho; ?A sazo e o lugar, ...?: o tempo e o lugar; ?De peitos inumanos e insolentes?: desmedidos. Na edioprinceps, ?a todo? (v. 4). 47.4-5 ?... lasciva e escura?: lasciva, inconsiderada, escura, como moura que era; ?... ou de modesto?: capaz de refrear as paixes (libidinosas). Ort.: noda (por ndoa). 48.1-6 ?Viu Alexandre Apeles namorado / Da sua Campaspe ...?: Apeles, pintando Campaspe (ou Pancaspe) nua, por ordem de Alexandre Magno, apaixonou-se por ela, apesar da afeio do rei pela mesma. Vendo isso, Alexandre deu-lha. Plnio contou a histria (v. MC e ED); ?Sentiu Ciro que andava j abrasado / Araspas, de Panteia ...?: Panteia, belssima esposa de Abradatas, rei de Susa, foi aprisionada por Ciro, da Prsia, quando este venceu os Assrios, de quem era aliado. Em virtude de Araspas, amigo de Ciro, ter assegurado a este que jamais seria sensvel aos encantos de Panteia, o rei confiou-lha, mas, vendo que Araspas, contra o que prometera, ia faltar ao cumprimento do seu dever, no s lhe perdoou, como lhe confiou uma misso importante. MC cita de Xenofonte ?a Pedia de Ciro? ou Cyropaedia. FS cita Coelius Rhodiginus (Celio Rodiginio, segundo FS) (23.33). 49.3-7 ?Levemente o perdoa, ...?: fcilmente lhe perdoa. Hoje dir-se-ia ?lhe perdoa?. O Poeta empregou lhe com o mesmo verbo em III.130.1: ?Queria perdoar-lhe o Rei benino?; ?Per fora, de Judita foi marido / O frreo Balduno; ...?: Balduno I, o Brao-de-Ferro, raptou (per fora) Judite, filha de Carlos, o Calvo, rei de Frana, imperador do Ocidente. Carlos acabou por se reconciliar com a filha e investiu o genro no condado da Flandres, ento pobre e despovoada. Na edioprinceps , Balduuino (por Balduno). Ort.: Frandes (por Flandres). 489 ----------------------- Page 537----------------------- OS LUSADAS 50.2-7 ?De Soares cantava, ...?: Lopo Soares de Albergaria, sucessor de Afonso de Albuquerque, partiu para a ndia aos 7 de Abril de 1515 (Castanheda, III.152); ?Pelas roxas Arbicas ribeiras?: pelas praias do mar Roxo (Vermelho); ?Medina abominbil?: a terra que guarda o tmulo de Mafamede e lhe serviu de refgio em 622, por isto ?abominbil?; ?Quanto Meca e Gid?: Meca, a primeira cidade santa dos Muulmanos, onde nasceu Mafamede e onde est a Caaba. Gid: v. IX.3.4; ?Praias de Abssia; Barbor se teme?: Abssia ou Abissnia. Barbor ou Berber, cidade da Somlia, no golfo de Adem. 50.8 ?Do mal do que o emprio Zeila geme?: ?Zeila?, diz Castanheda: ?Esta cidade est na costa da Ethiopia a cico legoas das portas do estreito de fora delas: est em onze graos da banda do norte.? (III.XIX.) Tendo invernado em Camaro, o governador procurou mantimentos em Zeila, mas os Mouros sonegaram-lhe tudo. Em represlia, Albergaria queimou a cidade. O Poeta chama-lhe ?emprio?. Barros (III.I.V) diz: ?C antigamente esta Zeila foi maes celebre emporio & escala daquellas portas do estreito, do que era Ad??. Ort.: abominbil (por abominvel). 51.1-4 ?A nobre ilha tambm de Taprobana?: v. I.1.4; ?Pela cortia clida, cheirosa?: ?A canela a casca do Cinnamomum zeylanicum, Breyne, rvore da famlia das Laurceas, indgena da ilha de Ceilo; uma qualidade mais ordinria produzida por diversas espcies do mesmo gnero, que habitam na ndia, China e outras partes do Oriente? (CF, FL). O Poeta chama-lhe ?cortia?, pensando no latim cortex. 51.5-8 ?Dela dar tributo Lusitana / Bandeira, ...?: em 1518 Albergaria decidiu fazer uma fortaleza em Ceilo. Determinado o melhor local, o rei de Ceilo primeiro consentiu e, depois, por influncia dos Mouros, recusou a autorizao. Os Portugueses tiveram de combater e o governador tornou tributrio o rei de Ceilo. Este tributo foi de ?dez alifantes cadno, & quatroc?tos bahares de canela, & vinte aneis c senhas pedras finas das q se achav na ilha, do que el 490 ----------------------- Page 538----------------------- OS LUSADAS rey foy contente? (Castanheda, III.XLIII); ?Em Columbo, ...?: na capital da ilha. 52.1-3 ?Tambm Sequeira, as ondas Eritreias / Dividindo, ...?: o mar Roxo. Diogo Lopes Sequeira, que sucedeu a Lopo Soares de Albergaria, partiu para Goa (de Cochim) em Janeiro de 1519 (Castanheda, V.II); ?... abrir novo caminho / Pera ti, grande Imprio, ...?: o imprio abexim. 52.3-4 ?... que te arreias / De seres de Candace e Sab ninho?: o Poeta segue a tradio de fazer da ?rainha de Sab? etope ou abexim. Era na Antiguidade o nome genrico das rainhas da Etipia, e no nome prprio. Uma fez uma incurso na Tebaida, ou Alto Egipto, e foi repelida por Petrnio, governador romano. Uma outra, Candace, mencionada nos ?Actos dos Apstolos?, VIII.27, a propsito da converso de um eunuco da Etipia, valido da rainha. Deve equivaler ao nome ?fara? no Egipto. Plnio, em VI.XXXV.186, diz: ?regnare feminam Candacen, quod nomen multis iam annis ad reginas transisset? (em Mroe). 52.5 ?Mau, com cisternas de gua cheias?: ?acordaro que deixassem a viajem de Iud, & pois a deixavo fossem costa da Abexia ao porto da ilha de Mau ...? (Castanheda, V.XXIII); ?E aos dez dias Dabril [de 1520] chegou ao porto da ilha de Mau, que estar dous tiros de besta da terra firme em quinze graos da bda norte.? (id., ibid.); ?E isto feyto mdou ho dizer ao governador, que entre tanto foy ver a ilha de Mau pera repartir polas naos muytas cisternas dagoa doce q} lhe dizio q} avia nela: & assi achou q} ero XLIX? (Castanheda, V.XXIIII). V. Barros, III.III.X. 52.6 ?... e o porto Arquico, ali vizinho?: ?& foranse [os Mouros] pera hu lugar da costa chamado Arquico que estava duas legoas da ilha [de Mau]? (Castanheda, V.XXIII). 52.7 ?E far descobrir remotas ilhas?: refere-se certamente s viagens de 491 ----------------------- Page 539----------------------- OS LUSADAS Garcia Henriques e Antnio de Brito s ilhas de Banda e a Ternate. A viagem de Antnio de Brito (com seu irmo Jorge de Brito, que foi morto em combate) iniciou-se em 1521, ainda com o governador Diogo Lopes de Sequeira. Antnio de Abreu, por mandado de Afonso de Albuquerque, visitara esta regio em 1511 e 1512, mas foi Antnio de Brito que em 1522 construiu uma fortaleza em Ternate, cuja primeira pedra foi lanada em 24 de Junho. (V. Frei Lus de Sousa, Anais de D. Joo III, I.XX, ed. Clssicos S da Costa.) 53.1-2 ?Vir despois Meneses, ...?: D. Duarte de Meneses; ?... cujo ferro / Mais na frica, que c, ter provado?: o Poeta deprecia a aco de D. Duarte de Meneses no governo da ndia. Com efeito, fala dela Fr. Lus de Sousa em Anais de D. Joo III: ?Caso digno de considerao que, sendo o governador D. Duarte grandemente bem afortunado no governo que teve de Tngere em frica, se lhe trocasse a ventura na sia, de maneira que todos os trs anos que lhe durou o cargo, qusi no temos que escrever seno desbarates, mortes, desastres e sucessos avessos de mar e terra, entre aqueles que pendiam de seu governo; e sendo verdade que foi muito temido dos mouros de Berberia, vo a ser to pouco respeitado dos da India, que chegaram, em um tempo que se achou em Cochim, passarem vista da cidade e dele com seus paraus e lanarem contra a terra foguetes voadores, que subiam ao cu em modo de escrneo e desprzo nosso? (II.XI). Sequeira entregou o cargo a D. Duarte em 22 de Janeiro de 1522 (Anais, I.XVII). 53.3-8 ?Castigar de Ormuz soberba o erro / Com lhe fazer tributo dar dobrado?: ?& que pagaria a el rey de Portugal [Raix xarafo] mais corenta mil xerafins que fazio sessenta mil c os q} pagava dtes, de que pagaria logo ametade: & pagaria a valia de faz?da q} se tomara a el rey de Portugal na feytoria ... E al? disso daria duz?tos mil xerafins, pera o q} ho governador quisesse? (Castanheda, VI.XXII); ?Tambm tu, Gama, em pago do desterro / Em que ests ...?: D. Vasco da Gama sucedeu a D. Duarte de Meneses, j com os ttulos de conde da Vidigueira, almirante do mar ndico e vizo-rei (Castanheda, VI.LXXI). Partiu de Lisboa aos 9 de Abril de 1524. Desterro, ausncia da Ptria. 492 ----------------------- Page 540----------------------- OS LUSADAS 54.1-6 ?Mas aquela fatal necessidade?: D. Vasco da Gama faleceu no dia 24 de Dezembro de 1524 (Castanheda, VI.LXXVII). Barros diz 1525, mas lapso. Foi sepultado na S de Cochim. ?Outro Meneses logo ...?: D. Henrique de Meneses, a quem coube a primeira sucesso; ?... cuja idade / maior na prudncia que nos anos?: D. Henrique de Meneses nasceu em 1496 e morreu em 1526. Castanheda diz no dia da Purificao de Nossa Senhora (2 de Fevereiro) (VI.CXXXIII), e Barros, no dia 23 de Fevereiro (III.X.X). Foi sepultado na igreja de Cananor. Cames, passando por Cananor, fez-lhe o soneto Esforo grande, igual ao pensamento (mihi, n. 155, p. 194). Castanheda e Barros exaltam a sua figura moral. Cames f-lo neste lugar e no soneto citado. 55.2 ?Destruindo Panane com Coulete?: povoaes do senhorio do rei de Calecute. Coulete era o principal porto do reino. Panane foi destruda em 26 de Fevereiro de 1525. 55.3-7 ?Vence os imigos d? alma todos sete?: os sete pecados capitais; ?... incontinncia?: intemperana. ACPL, Port., I.34, interpreta: ?De modo que o Poeta achava hericos e dignos da imortalidade (perptua memria) os feitos praticados por Henrique de Meneses nas costas do Malabar, mas punha acima do risco que corre o guerreiro em frente das bombardas a vitria sobre os inimigos da alma, os sete pecados capitais. A plmbea pela vinga-se apenas daquele que se expe, ao passo que os inimigos da alma nos perseguem por toda a parte ? e se aproveitam dos descuidos remissos ou da mnima ausncia do Anjo da Guarda para nos ferir.? Ort.: imigos (por inimigos). 56.1-2 ?... despois que as Estrelas o chamarem?: os Fados; ?Suceders, forte Mascarenhas?: a segunda sucesso recaiu realmente em Pro Mascarenhas, capito de Malaca. Por motivo da sua ausncia, foi aberta a terceira sucesso, que recaiu em Lopo Vaz de Sampaio, capito de Cochim. Este deixaria o governo da ndia quando regressasse Mascarenhas. Em Malaca Mascarenhas recebeu a notcia de que era governador e agiu como tal na guerra do Binto, antes de 493 ----------------------- Page 541----------------------- OS LUSADAS regressar ndia. Sampaio tomou conta do governo da ndia em 3 de Fevereiro de 1526 (Castanheda, VII.I). 57.1-8 ?No reino de Binto, que tantos danos / Ter a Malaca muito tempo feitos?: ilha ao sul de Malaca. Da tomada da cidade de Binto diz Castanheda: ?... ate as dez horas do dia que se acabou este feyto, }q foy hu dos maravilhosos que os Portugueses fizero naquelas partes ...? (VII.XXIV.) Concordncia do particpio com o complemento directo; ?Vingars, co valor de ilustres peitos?: com a corajosa colaborao de ilustres bares; ?Abrolhos frreos mil,passos estreitos?: estrepes de ferro, envenenados nas pontas, com que o rei de Binto rodeara a cidade para evitar o avano dos Portugueses. Passos estreitos, estreitas passagens; ?Tudofico que rompas e sometas?: como em X.25.6: (eu tefico ). Ort.: sometas (por submetas). 58.1-2 ?... cobia e ambio, / Que claramente pem aberto o rosto?: vai descobertamente, sem vergonha (Morais). Na edioprinceps a forma poem corresponde ape e pem. ED e MR adoptarampe , JMR e CB, pem. evidente que neste verso a forma do plural mais lgica. 58.5-6 ?Quem faz injria vil e sem razo, / Com foras e poder em que est posto?: o Poeta toma o partido de Mascarenhas contra Sampaio. Foi um perodo conturbado da nossa administrao na ndia, em que vieram ao de cima as paixes e as ambies dos homens. Mascarenhas, no regresso, no pde desembarcar na ndia, acabando por ser preso e, por deciso arbitral, mandado para Portugal em uma das quatro naus que partiam ??tregue preso a Antonio de brito, & por amor dele se foro muytos fidalgos pera Portugal & assi outras pessoas? (Castanheda, VII.LII). Diz ainda Castanheda: ?& Pero mazcarenhas foy bem recebido del rey: que no ouve por seu servio o que lhe fora feyto. E despois de Lopo vaz de sam Payo ser em Portugal ouve sentena contrele que lhe pagasse todo ho ordenado que ouvera daver com a governana? (Castanheda, id., ibid.). Sampaio foi preso na ndia pelo futuro governador Nuno da Cunha, por ordem do rei. 494 ----------------------- Page 542----------------------- OS LUSADAS 59.3-8 ?Mostrando-se no mar umfero raio ?: em Virglio, E, VI.843: ?fulmina belli?, que faz grandes destruies com a guerra; ?Em Bacanor far cruel ensaio / No Malabar ...?: ?De como Lopo vaz de so Payo desbaratou hua armada de mouros de Calicut no rio Bacanor? (Castanheda, VII.II). A armada era de Calecute, mas o lugar era do rei de Narsinga, amigo do rei de Portugal, e por isso Sampaio no permitiu o saque. Este feito teve lugar em 25 de Fevereiro de 1526. Foi um ?ensaio? da guerra futura; ?Despois a ser vencido dele venha / Cutiale, com quanta armada tenha?: ?de q} era capito mr Cutiale de Tanr val?te cavaleyro q} tinho por sct [santo] por chegar ent da casa de Meca?; v. cap. ?como o governador desbaratou Cutiale de Cananor? (Castanheda, VII.XC). 60.1-3 ?E no menos de Dio a fera frota, / Que Chal temer ...?: ?De como ho governador pelejou com a armada de Diu & a desbaratou? (Castanheda, VII.XCIIII); ?Far, co a vista s, perdida e rota, / Por Heitor da Silveira e destroada?: Heitor da Silveira foi encarregado pelo governador de destruir a armada de Dio (em Bombaim). Heitor da Silveira foi amigo de Cames. Entrou nas trovas chamadas Convite e numas trovas mandadas por Heitor da Silveira ao conde de Redondo, D. Francisco Coutinho, vizo-rei, que teve a ajuda de Cames: Nos livros doutos se trata, que o grande Aquiles insano deu a morte a Heitor troiano; mas agora a fome mata o nosso Heitor lusitano. ............................................ 60.7-8 ?Ser aos Guzarates tanto dano?: ?Guzarate a que cmumente chamamos Cambaia? (Barros, I.IV.VII). ?Da guerra que Eytor da Silveira fez em Cambaya? (Castanheda, VII.XCVII); ?Quanto j foi aos Gregos o Troiano?: o Heitor troiano. Heitor, filho mais velho de Pramo, marido de Andrmaca e pai de Astanax. Foi morto por Aquiles. 495 ----------------------- Page 543----------------------- OS LUSADAS 61.1-8 ?A Sampaioferoz suceder / Cunha, que longo tempo teve o leme?: feroz (l.ferox ), intrpido. Nuno da Cunha, filho de Tristo da Cunha (v. X.39.1-8), governou de 1529 a 1538. Partiu de Lisboa a 18 de Abril de 1528 e surgiu na barra de Goa aos 24 de Outubro de 1529; ?De Chale as torres altas erguer, / Enquanto Dio ilustre dele treme?: no tendo conseguido tomar Dio, o novo governador foi fazer uma fortaleza em Chale, a duas lguas de Calecute (Castanheda, VIII.XLIII); ?O forte Baaim se lhe dar?: ?De como ho governador determinou de yr sobre a fortaleza de Baai ...? (Castanheda, VIII.LIX.) ?Melique toco tinha feita em Baaim hua fortaleza muyto forte & que se criava ali outro Diu ... [1532]? (Castanheda, VIII.LII); ?No sem sangue, porm, que nele geme / Melique, porque fora s de espada / A tranqueira soberba v tomada?: Melique, governador muulmano de Baaim. ?De como Diogo da silveyra, Martim Afonso de Melo jusarte: & Manuel d? Albuquerque desbarataro a trqueyra dos imigos? (Castanheda, VIII.LXI). 62.1-2 ?Trs este vem Noronha ...?: D. Garcia de Noronha, vizo-rei de 1538 a 1540; ?... cujo auspcio / De Dio os Rumes feros afugenta?: ainda no tempo de Nuno da Cunha o rei de Cambaia tinha posto cerco a Dio, sendo governador da praa Antnio da Silveira. D. Garcia de Noronha mandou a Silveira uma armada de socorro; mas quando esta l chegou o cerco j estava levantado. Rumes era o nome dado pelos maometanos da ndia aos turcos europeus. Em X.68.2 o Poeta mostra conhecer a etimologia de Rume: ?Que trazido de Roma o nome tm?. O imprio romano do Oriente tinha por capital Constantinopla. ?Os Rumes so todos aquelles naturaes da provncia de Tracia, & d? aquella parte de Cstantinopla que se chamou Romania, d? aquelle privilgio que o Papa Sylvestre concedeo ao Emperador Constantino (segudo Platina) que querendo gratificar aquelle Emperador quando lhe largou a cidade de Roma, pera n? ella assentar a cadeira de so Pedro, mudandose para Constantinopla, mandou que aquella cidade se chamasse d? ali por diante Roma. Dali por dite se ficou chamando toda aquella parte de Tracia, Romana, & seus naturaes Romanis: & os Turcos depois corrompendolhe o nome lhe chamaro Rumeli, & nos depois Rumes? (Couto, IV.VIII.IX, ?De diferena que ha entre os Rumes, & Turcos: & por 496 ----------------------- Page 544----------------------- OS LUSADAS que se chamo Rumes?). Cujo auspcio, sob cujos auspcios, sob cuja proteco. 62.3-8 ?Dio, que o peito e blico exerccio / De Antnio da Silveira...?: que a coragem e a arte da guerra. Antnio da Silveira defendeu Dio das foras do rei de Cambaia, comandadas por Coge Sofar e ajudadas pela grande armada enviada pelo sulto da Turquia Solimo II; ?Far em Noronha a morte o usado ofcio?: Garcia de Noronha (3. vizo- rei) morreu em 3 de Abril de 1540. Durara um ano e sete meses o seu governo. Foi sepultado na S de Goa (Couto, V.IV.IV); ?Quando um teu ramo, Gama ...?: Estvo da Gama; ?Com medo o Roxo Mar far amarelo?: no ano de 1541 Estvo da Gama partiu para o estreito do mar Roxo com uma grande armada. O trocadilho o mesmo de II.49.2. 63.1-7 ?Das mos do teu Estvo vem tomar / As rdeas um, ...?: D. Martim Afonso de Sousa, que servira primeiro no Brasil; ?O pirata Francs, ao mar usado?: no Brasil Martim Afonso de Sousa destrura uma armada francesa que infestava aquela costa (1531). Em 1534 chegou ndia e foi capito-mor do Mar da ndia; ?O muro de Damo, soberbo e armado, / Escala ...?: ?De como Martim Afonso de Sousa tomou a vila de Damo? (Castanheda, VIII.LXXXII). ?... hum lugar do reyno de Cambaya, situado na ponta da sua enseada da banda do sul por hu rio acima de el rey de Cmbaya tinha hua fortaleza forte & bem artilhada ...? (id., ibid.); ?Escala e primeiro entra a porta aberta?: (id., ibid.). 64.1-7 ?A este o Rei Cambaico soberbssimo / Fortaleza dar na rica Dio?: derrotado ?por el rey dos Mogores? (o gro-mogol), o rei de Cambaia colheu-se proteco dos Portugueses e permitiu a estes a construo de uma fortaleza (Castanheda, VIII.CVIII e VIII.CXXIIII); ?Depois ir com peito esforadssimo / A tolher que no passe o Rei gentio / De Calecu, ...?: ?... soube como el rey de Calicut caminhava c sua gente, c determinao de passar a Repeli pelo passo de Crganor? (Castanheda, VIII.CXXVI e VIII.CXLI). 497 ----------------------- Page 545----------------------- OS LUSADAS 65.1-8 ?Destruir a cidade Repelim?: Repelim, cidade prxima de Cochim, mas cujo rei era aliado do rei de Calecute (Castanheda, VIII.CXLIII); ?... junto ao Cabo Comorim?: no Sul da ndia; ?A frota principal do Samorim?: junto a Beadal, perto de Ceilo, conseguiu Martim Afonso de Sousa destruir a frota principal do rei de Calecute (1537); ?Em si ver Beadala o Mrcio jogo?: o mrcio jogo: v. IV.39.4 e X.19.5. Neste local foi destruda a armada do rei de Calecute por Martim Afonso de Sousa. Este ficou em Beadal por ter perto Ceilo. (Castanheda, VIII.CLXXVI.) 66.2-6 ?Vir despois com ceptro a govern-la?: todos os feitos blicos realizados at aqui por Martim Afonso de Sousa foram-no na sua qualidade de capito-mor do Mar da ndia. Regressou a Portugal e voltou ndia para a governar (1542 a 1545); ?Batical, que vira j Beadala?: sendo j governador, Martim Afonso de Sousa fez provar a Batical (na costa do Canar) os ?speros castigos? por que passara Beadal (Couto, V.9.2). 67.1-8 ?Este ser Martinho ...?: s agora a Sirene nomeia Martim Afonso de Sousa. ?Martinho? e ?Martim? so o mesmo nome, uma forma mais antiga do que a outra. Vm de Martinus, cognome romano derivado de Mars (Leite de Vasconcelos,Antroponmia Portuguesa, 1928, pp. 42 e 450); ?Suceder-lhe- ali Castro, ...?: D. Joo de Castro, governador e vizo-rei da ndia (1545 a 1548); ?Conforme sucessor ao sucedido?: acordes sucessor e sucedido; ?Que um ergue Dio, outro o defende erguido?: Martim Afonso de Sousa ergueu Dio (no governo de Nuno da Cunha) e D. Joo de Castro defendeu-o. 68 ?Persas feroces, Abassis e Rumes?: comea a narrativa do segundo cerco de Dio. Abassis: Abexins ou Abissnios. Sobre as gentes estrangeiras, v. Leonardo Nunes (1550): ?Coje ofaar, de na italiano, saguaissimo e de muito conselho ... como tivesse o animo desejoso de mudas, cobioso de tentar a fortuna por se fazer muito maior, tinha aquerido asy grandes companhas de gente estrgeira militar, .s. turcos ou Rumes, e arreneguados d? estranhas naes, que por honrras d? ellas o no diguo, pois dellas sair tam mais [ms?] sobre a face da terra, e muitos abexis e nobis, e 498 ----------------------- Page 546----------------------- OS LUSADAS fortaquis, e arabios? (Crnica de Dom Joo de Castro, p. 18). Coge Sofar entrou com o resto do seu exrcito, ?que logo se passou cidade?, em 9 de Maio de 1546 (Couto, VI.I.II). Leonardo Nunes diz: ?dia de Ramos, que foy dezoito d? abril de 1546, emtrou na idade ... Trazia csiguo a Rumeco, seu filho, comdestabre moor d? artelharia d? el- Rey de Cambaya? (p. 39). Com o primeiro socorro o governador enviava seu filho Fernando, de 18 ou 19 anos, que foi morrer no Baluarte de So Joo, do rebentamento de uma mina, no dia 10 de Agosto (Couto, VI.II.IX). Quando isto aconteceu j ia com mais socorro o outro filho do governador, D. lvaro de Castro, ?sofrendo tempestades e ondas cruas?, como diria o Poeta. Por fim, o prprio governador, que foi surgir na barra de Dio aos 7 dias de Novembro de 1546 com oitenta e tantas caravelas, trs galees reais, e outros pequenos, e caravelas, e o mais fustalha, e com mil e quinhentos portugueses (Leonardo Nunes, ob. cit., p. 116). Coge Sofar foi morto e sucedeu-lhe seu filho, o Rumeco. O ataque dos sitiados, sob a direco do governador, s estncias dos inimigos realizou-se aos 10 dias do ms de Novembro de 1546. O Rumeco procurou a salvao na fuga, despiu os trajos que trazia, enfiou no corpo uma cabaia e meteu-se num cavouco, entre alguns corpos mortos. Pois a lhe foi dar um grande penedo na cabea, que o matou. Segundo uma carta do prprio governador para o bispo de Goa, D. Joo de Albuquerque, morreram na batalha cinco mil mouros. Morreram vrios capites. Ficaram prisioneiros Iuzarcan, com muitas feridas, e perto de seiscentos homens de armas. Tomaram-se muitas bandeiras e armas (v. Couto, VI.IV.II). A cidade de Dio foi posta a saco pelos soldados. A destruio na enseada de Cambaia foi enorme. A fortaleza, por estar muito arruinada, foi reconstruda com nova traa e mais poderosamente. D. Joo de Castro mandou pedir Cmara de Goa e aos casados (carta de 23 de Novembro de 1546), para as despesas com a fortaleza, 20 000 pardaus, empenhando uns plos da sua barba. Em 1547 D. Joo de Castro voltou ao Norte. E os dois exrcitos ? o do rei do Malabar e o de D. Joo de Castro ? viram-se nos campos de Baroche. Na perseguio ao exrcito inimigo, que ia sempre recuando, D. Joo de Castro acabou por se deter (v. Couto, VI.V.VII, Leonardo Nunes, cap. 31, e Jacinto Freire de Andrade, Vida de Dom Joo de Castro, liv. IV, p. 290, ed. 1861). 69.1-8 ?Basiliscos medonhos e lies?: basiliscos: v. X.32.7. Lies, antigo canho 499 ----------------------- Page 547----------------------- OS LUSADAS de artilharia. interessante avaliar-se as espcies de que se serviam os artilheiros: ?D? artelharia de metal deixou oytenta e nove peas: basaliscos, aguias, salvajes, lies, espalhafatos, [quartos,] camellos de marca, serpes, pasamuros, esperas, camelos, falces, [ces,] meas esperas, beros e meos beros, e outras inquo peas grosas de ferro ...? (Leonardo Nunes, pp. 147 e 148); ?Trabucos feros, ...?: v. III.79.3; ?Sustenta Mascarenhas ...?: D. Joo de Mascarenhas, capito-mor de Dio; ?At que, nas maiores opresses?: nas maiores dificuldades; ?... e a Deus se sacrifiquem?: se sacrifiquem pela f de Cristo. 70.1-5 ?Fernando, um deles, ramo da alta pranta?: alta pranta, ilustre tronco. ?Estando asy neste trabalho, chegou [sic] novas de Dio, em que soubero que os mouros minaram o baluarte de Sam Joham e o arrebentaro, e mataram nelle Dom Fernando de Castro e muytos fidalguos e cavalleiros espeiaes, que seri mais de inquoenta, e outra muita gente da terra do servio do mesmo baluarte, que seriam per todos cento e vinte pessoas? (Leonardo Nunes, ob. cit., p. 90); ?lvaro, quando o Inverno o mundo espanta?: a viagem martima foi excepcionalmente tempestuosa (v. Couto, VI.II.VII, VI.III.I e VI.III.V). Ort.:pranta (porplanta); despois (por depois). 71.1-6 ?Eis vem despois o pai, ...?: D. Joo de Castro chegou a Dio aos 6 de Novembro de 1546. A gente que o governador trazia foi metida, em trs noites, na fortaleza por escadas de corda, no meio do silncio da noite, ocultando-se ao Rumeco o intento por meio de msicas, instrumentos e tiros dos navios (J. Freire de Andrade, ob. cit., p. 218); ?Batalha d felice e soberana?: decisiva; ?Uns,paredes subindo, escusam porta?: ?E levava muytas escadas pera sobirem as paredes. Foram cometidas c impetu muy esforado e tam de presa, que n curar d? escadas, hus pella ponte e outros pello mar, por cheguar de presa. E pellas paredes arriba comear de sobir no meo de todallas foras dos inimiguos? (Leonardo Nunes, ob. cit., p. 122). Asparedes so as ?estncias?; ?Outros a abrem na fera esquadra insana?: outros abrem porta atravs dos corpos dos inimigos desvairados. Ort.:felice (porfeliz ); dinos (por dignos). 500 ----------------------- Page 548----------------------- OS LUSADAS 72.1 ?Este, despois, em campo se apresenta?: depois de ter descercado a fortaleza e de deixar tudo bem provido, voltou a Goa em fins de Abril, sendo recebido com grandes solenidades. Teve mesmo um ?triunfo? romana. Tendo, porm, notcias do que era ainda governador de Dio, D. Joo de Mascarenhas, de que o sulto de Cambaia juntava todas as foras de seus reinos para pr segundo stio fortaleza, D. Joo de Castro preparou-se para voltar ao Norte, mas no o quis fazer sem deixar Goa tranquila, reduzindo o Hidalco, que queria ser senhor das terras firmes de Goa. ?E o Idalcam neste tempo [1547] mandou decer gente do Guaate e polla em Pondaa, que he hua sua villa em que tem hua fortaleza tres leguoas pella terra d?tro, opurtuno luguar pera d? aly correr a Bardes e Salsete. He hua fortaleza muy forte pello luguar em que estaa sytuaada ... A villa esta asentada num campo Raso, e fermoso, e grde antre grandes outeyros arredados d? ella, cercada de hu fermoso Ryo, e de muyto deleitosas e frescas ortas e fermosos arvoredos? (Leonardo Nunes, p. 161). D. Joo de Castro tomou a vila, lutou com foras do Hidalco e destruiu a fortaleza. Partiu de novo para o Norte com cento e vinte navios de remo e quatro galees reais, com dois mil soldados portugueses e quinhentos naires dos melhores que lhe enviou el-rei da Pimenta. Os exrcitos viram- se nos campos de Baroche, que ?hua fortissima e grande cidade, e estaa muy longe per hu rio dentro, murada de muy altos muros, e cercada de grdes cavas? (LN, p. 176). A guarnio tinha ido para junto do rei do Malabar e D. Jorge de Meneses atacou a populao, que se defendeu quanto pde, no tendo D. Jorge poupado nem homens, nem mulheres, nem crianas. A cidade foi metida a saco e cinquenta peas aproveitadas. O rei do Malabar quis conter o exrcito de D. Joo de Castro antes de ele chegar a Baroche num dos lugares do campo, que foi entrado pelo governador. Perante os recuos do rei do Malabar, D. Joo houve por bem deter-se (como j disse atrs) e reembarcar o exrcito vista do inimigo ?co suas bandeiras despreguadas pello meo do campo em vaguarosa ordenana? (LN, p. 186), tendo antes queimado o lugar. Ort.: despois (por depois). 72.3-4 ?... e a vista lhe amedrenta / Da fera multido quadrupedante?: tem sido muito discutido este passo, mas sem razo. Na Eneida, tanto em VIII.596 como em XI.614, os ?quadrupedantes designam, sem 501 ----------------------- Page 549----------------------- OS LUSADAS sombra de dvida, os cavalos. Mas no se trata aqui de cavaleiros arcdios nem das lutas entre Latinos e Etruscos. A batalha nos campos de Baroche, em Cambaia, e, na verdade, entraram nela elefantes. Antes de Baroche: ?Por estes brados cmovido o contumaz manebo [o jovem rei de Cambaia], andava c seu exrcito favorecendo os luguares e idades da fralda do mar; e trazia muyto grande poder, que seria de trinta mil homes de cavallo ... e muitos alifantes com torres e castelos de madeira e artelharia meuda em Riba? (Leonardo Nunes, p. 181). Em Baroche: ?Aly saio a fora da gente que os Recolheo, e sairam todos de cavalo, e os alifantes armados ...? (LN, p. 183.) ?Juntamente c ysto heram aquellas batalhas muy medonhas, porque Reluziam as armas c o sol que nellas dava muy grandemente, tendo os aliftes armados diante, todos cheos de guies de seda, e em alla co elles a sua artelharia de campo? (LN, P. 184), E temos ainda um documento mais expressivo, de tom irnico, escrito por D. Joo de Castro ao rei de Cambaia: ?trabalhey tanto pera cheguar a ellas [batalhas] pera que milhor as podese consirar, e esperem?tar os animos das bestas feras, que diante traziam, se deziam com as foras e grandes corpos que mostravam? (LN, p. 188). Leonardo Nunes foi testemunha de vista. 72.5-6 ?No menos suas terras mal sustenta / O Hidalco, do brao triunfante?: o Hidalco sustenta com dificuldade as suas terras do brao triunfante (D. Joo de Castro). 72.7 ?Que castigando vai Dabul na costa?: regressado das terras de Cambaia, D. Joo de Castro volta luta com Hidalco, que no desistia das terras de Bards e Salsete. Dabul, na costa, foi escalada, tendo os Mouros acabado de desamparar a cidade de todo. ?Ouve grande saco e Rica presa de muyto dinheiro e muytas mercadorias Ricas, e escravos e escravas, e peas d? ouro, de maneyra que algus soldados ficaram Ricos e muy ctentes. E no o foram todos, porque a mor parte sam honrados, que nam desemparar em tal tempo a bandeyra Real nem a pesoa do guovernador? (LN, p. 206). A costa do Malabar com esta guerra tornou-se um braseiro: ?Toda a costa ardia em grandissimas labaredas? (LN, p. 208). 502 ----------------------- Page 550----------------------- OS LUSADAS 73.1-2 ?... por vrias partes?: mritos; ?... e maravilha?: v. IX.89.7. Ort.: dino (por dignos). 74.2-6 ?Com sonoroso aplauso, ...?: sonoroso como em I.5.1, I.47.8, II.100.1, IX.54.8, X.74.2 e X.128.7; ?Por mais que da Fortuna andem as rodas?: frase proverbial j conhecida de escritores romanos: ?fortunae rotam pertimescere? (Cc., Pis., 22). Rodas no plural por causa da rima; ?(Nua cnsona voz todas soavam)?: cnsona, latinismo muito camoniano, empregado s neste lugar: consonante, que soa ao mesmo tempo. 75.3 ?Viram os altos feitos que descobre?: o sujeito a Sirena, que descobriu na harmonia e suavidade do seu canto ?os altos feitos?. Ort.: despois (por depois);felice (porfeliz ). 76.5-8 ?Sigue-me ...?: forma arcaica, em vez de ?segue-me?; ?Por este monte espesso, ...?: escreveu a propsito LPS, AL, p. 53: ?Neste monte espesso, de mato rduo, difcil a humano trato, por onde preciso seguir firme e forte com prudncia, est bem simbolizado todo esse longo trabalho de pacientes observaes e laboriosos clculos, todo esse dispndio de engenho de tantos homens de superior capacidade em procura das leis que regem os movimentos dos astros. E a teoria a que se chegou, de um subido valor, ..., o erguido cume, esmaltado de rubis e esmeraldas, cho divino, donde permitido, atravs do modelo criado, abranger a complicada variedade dos fenmenos astronmicos ...? 77.3-6 ?... tais que presume / A vista que divino cho pisava?: os que foram ao cimo do monte, os nautas, que julgaram pisar divino cho; ?... que o lume / Clarssimo por ele penetrava?: a luz clarssima. O ?globo? era translcido. 78.1-5 ?Qual a matria seja no se enxerga?: no se enxerga a matria que o compe porque a quinta essncia no pode ser apreendida pelos 503 ----------------------- Page 551----------------------- OS LUSADAS sentidos. Mas enxerga-se que est composta de vrios orbes concntricos Terra; ?... Divina verga?: a vara divina, o poder de Deus; ?... e um centro a todos s tem posto?: neste globo transparente podem distinguir-se os contornos aparentes das onze esferas, desde a da Lua at de Saturno, o firmamento, o cu queo ou cristalino, o primeiro mbil e, finalmente, o empreo; ?Volvendo, ora se abaxe, agora se erga?: no primeiro verso est resumida a definio de Euclides. A palavra volvendo indica que a esfera uma superfcie de revoluo; no se refere a movimento da esfera porque a superfcie externa do globo pertence ao undcimo cu, ao empreo imvel. A palavra volvendo, isto , curvando-se em torno do eixo do Mundo em crculos paralelos, ora se ergue, ora se abaixa, em relao a um plano horizontal. 78.6-8 ?Nunca s? ergue ou se abaxa, e um mesmo rosto / Por toda a parte tem; ...?: nestes versos est resumida a definio de Teodsio. A esfera no se ergue nem se abaixa relativamente ao seu centro. E Ttis pode bem mostrar no globo a propriedade da equidistncia, porque, sendo ele transparente, o seu centro, onde se v a Terra, est evidente, como a sua superfcie, claramente; ?... e em toda a parte / Comea e acaba, enfim,por divina arte ?: partindo de um ponto qualquer e seguindo um crculo da esfera, volta-se ao mesmo ponto. Na esfera, como no crculo, no h princpio nem fim determinados; e em qualquer ponto o princpio se une com o fim. Por divina arte, quer dizer, semelhana de Deus, por divino modo. 79.1-6 ?Uniforme, perfeito, em si sustido?: a esfera uma superfcie de curvatura constante. esta constncia da curvatura que o Poeta exprime quando diz que o globo ?um mesmo rosto por toda a parte tem? e quando lhe chama ?uniforme?; ?Qual, enfim, o Arquetipo que o criou?: ?chama-se aqui mundo arqutipo quela forma do mundo que Deus concebeu na sua mente para fazer este mundo: a qual cogitao de Deus eterna, como ele prprio.? (Em LPS, AL, p. 46, traduo de Vineto); ?... ? ?O transunto, reduzido / Em pequeno volume, aqui te dou?: o modelo do Universo, tal como o concebia a cincia do tempo. 80.1-2 ?Vs aqui a grande mquina do Mundo, / Etrea e elemental, ...?: 504 ----------------------- Page 552----------------------- OS LUSADAS ?A universal machina do Mundo se divide em duas partes. Celestial: & elemental. A parte elemental he sojeita a ctinua alterao: & dividese ? quatro. s. terra a qual est como centro do mundo no meo assentada: seguese logo a Agoa & por derredor delta ho ar. & logo ho fogo puro que chega ao ceo da lua: segudo diz Aristoteles no livro dos metheoros: porque assi os assentou deos grorioso & alto. E estes quatro sam chamados elem?tos: os quaes hus dos outros se alteram & corrompem & torn a gerar. Sam os elementos corpos simprezes que se nam podem partir em partes de diversas formas: pella mistura dos quaes se fazem diversas species das cousas que se geram. E cada hum dos tres cerca de todo a terra per derredor se no quanto a secura da terra resiste ha humidade da agoa pera vivenda de algus animaes. E todollos outros afora a terra se movem: a qual como centro do mundo com seu peso: foge igualmente de todallas partes o grande movimento dos estremos: & fica no meo da redonda Sphera. Junto da regiam dos elementos: esta logo a regiam celestial lucida: & pello seu ser imudavel he livre de toda mudana: t? contino movimento circular: & chamaranlhe os philosofos Quinta essencia.? (V. LPS, AL, pp. 56-57, trad. de Sacrobosco por Pedro Nunes.) 80.2-8 ?... que fabricada / Assi foi do Saber, alto e profundo?: da ?Sapincia suprema?, como em X.76.1-2; ?Que sem princpio e meta limitada?: que no tem princpio nem fim; ?... sua superfcie to limada?: to polida. 81.1-8 ?Este orbe que, primeiro, vai cercando?: a enumerao das onze esferas que constituem a regio etrea comea nesta estncia da periferia para o centro, pelo empreo (ou Coelum empyreum); ?... e a mente vil tambm?: a mente de baixo preo; ?De quem no h no mundo semelhana?: do qual (tem por sujeito ?Bem?). 82.1-2 ?Aqui, s verdadeiros, gloriosos / Divos esto, ...?: os divi foi ttulo dado, aps a sua morte, aos imperadores divinizados e, em primeiro lugar, a Jlio Csar: ?Hic Caesar et omnis Iuli / progenies magnum caeli ventura sub axem. / Hic vir, hic est, tibi quem promitti saepius audis, / Augustus Caesar, divi genus, ...? (V, E, VI.789792). O sistema filosfico de Evmero, mitgrafo grego cuja obra principal 505 ----------------------- Page 553----------------------- OS LUSADAS est hoje perdida, considerava que as figuras mitolgicas eram seres humanos divinizados pelos povos, que os temiam ou admiravam. Esta teoria foi utlizada pelos padres da Igreja. No Renascimento os santos foram chamados ?divos?. 82.2-8 ?... porque eu, ...?: Ttis; ?... o trato humano?: a sociedade humana; ?... s que o nome nosso / Nestas estrelas ps o engenho vosso?: estrelas em sentido geral, incluindo, portanto, os planetas. 83.1-8 ?E tambm porque a santa Providncia?: estncia subordinada est. 84: ?Quer logo aqui a pintura que varia ...?; ?Que emJpiter aqui se representa?:Jpiter, apesar de ?fabuloso?, o deus supremo, o pater deorum; ?Governa o Mundo todo que sustenta?: por intermdio de espritos mil, bons e maus. Ensina-lo (v. 5), por ensina-no-lo; ?... em quanto podem ...?: nos limites do seu poder. 84.1-5 ?Quer logo aqui a pintura que varia?: quer, portanto, a poesia, que ora deleita, ora ensina; ?Dar-lhe nomes ...?: o Poeta imita, fabulando, a antiga poesia, que se serviu dos falsos deuses ora para deleitar, ora para ensinar; ?Que os Anjos da celesta companhia?: que o ?sacro verso? (a Sagrada Escritura) tambm chama deuses aos anjos da celeste companhia e mesmo aos maus, embora falsamente. No admira, portanto, que Cames poticamente chame aos divos fabulosos, mesmo maus, ?deuses?. 85.1-8 ?Emfim que o sumo Deus, que por segundas / Causas obra no Mundo, tudo manda?: afirmao de ortodoxia plena: quem manda o ?Sumo Deus? e tudo o mais poesia ?deleitosa?; ?Debaxo deste crculo onde as mundas / Almas divinas gozam, que no anda?: o empreo no anda. Crculo o mesmo que esfera. Almas mundas, almas puras; ?Outro corre, to leve e to ligeiro / Que no se enxerga: o Mbile primeiro?: Pedro Nunes traduz Sacrobosco: ?Mas o primeiro movimento [?o Mbile primeiro?] move & leva com seu ympeto todallas outras Spheras & em hu dia c sua noite faz? per derredor da terra hua revoluo.? Ort.: debaxo (por debaixo). 506 ----------------------- Page 554----------------------- OS LUSADAS 86.1-4 ?Com este rapto egrande movimento?: com o adjectivo grande indica- se a rapidez do movimento diurno; de todos os movimentos celestes o de maior velocidade. O movimento de velocidade tal que num dia d uma volta completa (360). Nesse movimento ele arrebata, isto , leva consigo todos os cus interiores, que tm por isso um movimento alheio proveniente do primeiro mbil. Os planetas so arrastados, bem como os seus cus, nesse movimento arrebatado (nesse rapto, como ento se dizia). Assim, a esfera solar move-se, como as superiores, com o movimento de rapto de oriente para ocidente, voltando a oriente e produzindo assim o dia e a noite. A tento, como precauo. 86.5-8 ?Debaxo deste leve, anda outro lento?: nestes versos segue-se a descrio da nona esfera ou segundo mbil ou cristalino (Coelum aqueum). Alm do movimento alheio proveniente do primeiro mbil, dotado de um movimento prprio to lento que alguns o avaliaram em pouco mais de um grau em duzentos anos. Cames diz, por isso, Que enquanto Febo, de luz nunca escasso, Duzentos cursos faz, d ele um passo. um grau em duzentos cursos do Sol. Supunha-se que o cristalino era formado de guas claras e transparentes como cristal. guas diferentes das da Terra, purssimas e incorruptveis, postas debaixo do primeiro mbil para atenuar o calor produzido pelo seu arrebatado movimento. O cristalino a esfera propulsora do movimento dos auges e estrelas fixas que faz avanar lentamente de ocidente para oriente a esfera das estrelas fixas e os cus diferentes dos auges dos planetas. Executa uma revoluo completa em quarenta e nove mil anos, avanando, portanto, em duzentos anos 1 e 28?, aproximadamente, que o Poeta arredonda em 1. 87.1-2 ?Olha estoutro debaxo, que esmaltado / De corpos lisos anda ...?: nesta estncia descreve-se a oitava esfera ? ofirmamento ? , com o seu 507 ----------------------- Page 555----------------------- OS LUSADAS movimento prprio. No sculo XVI era doutrina corrente que o Sol era a nica fonte de luz celeste, a qual as estrelas reflectiam como os planetas. Eram consideradas corpos fixos e lisos embutidos nesse cu. Eram como ns do firmamento, partes mais espessas do seu cu. O Poeta diz que ofirmamento esmaltado de corpos lisos e radiantes, que representam as estrelas fixas. As estrelas tm os dois movimentos alheios, provenientes do primeiro e do segundo mbil, mas tambm tm o curso ordenado do firmamento, que o movimento regular de trepidao, sete vezes mais rpido que o movimento do cristalino, completando-se em sete mil anos. Por isso correm cintilantes em seus axes, que so os eixos prprios da oitava esfera. Com o plural axes designa o Poeta os extremos do eixo, isto , os plos do movimento de trepidao. Ort.: debaxo (por debaixo). 87.5-6 ?Bem vs como se veste e faz ornado / Co largo Cinto d? ouro, ...?: a descrio do zodaco. ?O largo cinto de ouro, com que o firmamento se veste e faz ornado, o zodaco, que o cinge com a profusa pregaria de ouro das constelaes zodiacais.? 87.6-7 ?... que estelantes / Animais doze traz afigurados?: esses doze animais ?afigurados? so as doze constelaes do zodaco. Estas estrelas fixas nofirmamento como que desenham figuras nesse cu. So essas figuras ou grupos de estrelas que a elas pertencem que se chamam constelaes ou signos (antigamente sinos); e das figuras desenhadas ? variveis com os povos ? lhes veio o nome, varivel tambm. No seu movimentoprprio ? em sentido contrrio do alheio, devido ao primeiro mbil, e que produz o dia e a noite ?, o Sol percorre anualmente as doze constelaes zodiacais, o que leva a considerar o zodaco em doze partes iguais, cada uma ocupada por uma dessas constelaes ou signos. Essas doze partes do zodaco chamam-se tambm signos e para distinguir da constelao d-se a esta o nome de imagem. O movimento do cristalino produz a deslocao dos signos relativamente s imagens, equivalendo assim ao que hoje chamamos ?movimento de precesso dos equincios?. 87.8 ?Apousentos de Febo limitados?: os aposentos de Febo limitados so os doze signos, da extenso de 30 cada um, em que se divide o 508 ----------------------- Page 556----------------------- OS LUSADAS zodaco, e a que se deram os mesmos nomes das constelaes, os quais o Sol vai sucessivamente percorrendo no seu movimento anual ao longo da eclptica, demorando-se em cada um deles um espao de tempo de cerca de um ms. Os signos do zodaco tambm se apelidam de ?casas do Sol?. Ort.: apousentos (por aposentos). 88.1 ?Olha por outras partes a pintura?: por outras partes dofirmamento, mas fora do zodaco. Esta estncia termina a descrio dofirmamento, com a enumerao das constelaes extrazodiacais e com a pintura dessas constelaes. As constelaes extrazodiacais nomeadas pelo Poeta so: Carreta (Ursa Maior); Cinosura (Ursa Menor);Andrmeda (constelao do hemisfrio boreal) (foi conhecida entre os Latinos por Virgo e Perseia e ainda conhecida por mulher encadeada); Cefeu (pai de Andrmeda); Cassiopeia (me de Andrmeda); Drago; Orion (ou Orionte); Cisne; Lebre; Ces; Nau (Argos) e Lira. Cada uma destas constelaes tem a sua lenda; ?do Orionte o gesto turbulento?: tempestuoso. O sair e o declinar de Orin coincidiam com violentas tempestades (v. H., O, III.27.17). v. VI.85.1-6. 89.1 ?Debaxo deste grande Firmamento?: ocupa-se o Poeta das sete esferas planetrias pela sua ordem: Saturno, Jpiter, Marte, Sol, Vnus, Mercrio e Lua. Como se viu, o Sol, ?o claro olho do cu?, est entre os planetas e ocupa o quarto assento. A Lua Diana, ?com trs rostos?, correspondentes s trs fases da Lua. Na lua nova no h rosto, porque a Lua se esconde. O ?Deus antigo? o pai de Jpiter ? Saturno. Ort.: debaxo (por debaixo). 90.1-2 ?Em todos estes orbes, diferente / Curso vers, nuns grave e noutros leve?: nestes versos o Poeta considera os cus excntricos. ?Sendo o cu do planeta uma camada esfrica concntrica com a Terra, temos de imaginar nesta camada esfrica uma outra, no concntrica com Terra; esta camada que leva o planeta, e por isso essa camada, ou orbe, tem o nome de deferente. E porque o seu centro no o do centro do Mundo (pelo que tambm se lhe d o nome de excntrico), resulta que o planeta, levado por este orbe de curso leve (isto , de grande velocidade, como, v. g., no caso da Lua) 509 ----------------------- Page 557----------------------- OS LUSADAS ou grave (isto , de pequena velocidade, como no caso de Saturno), nem sempre est mesma distncia da Terra, nem, por consequncia, mesma distncia dofirmamento . O ponto do deferente que mais prximo fica do 8. cu (firmamento) tem o nome de ?auge?, e esse ponto, visto da Terra, projecta-se num dos signos do zodaco, signo a que cabe tambm a designao de auge do planeta em questo. Assim, por exemplo, Cncer o ?auge? de Vnus, o que significa que, visto da Terra, o ponto do deferente de Vnus que mais prximo fica do cu das estrelas fixas se projecta em Cncer, nesse cu. Mas o deferente leva o planeta s indirectamente (excepo feita para o caso do Sol). O que ele leva uma esfera de dimetro igual sua espessura e animada de movimento de rotao; o planeta est fixo nesta esfera, que tem o nome de epiciclo? (AFGV, EA, pp. 37-39). ?Estes orbes so os excntricos deferentes dos planetas, mais afastados do centro da Terra no auge, ou apogeu, e mais perto dele no perigeu. Tm curso mais grave o deferente de Saturno em 30 anos e o de Jpiter em 12; o de Marte faz seu curso em 2 anos e os do Sol, Vnus e Mercrio em 1 ano; o curso mais leve o da Lua, em 27 dias e 8 horas? (LPS, AL, p. 66). 90.5 ?Bem como quis o Padre omnipotente?: tendo mostrado no ?transunto? a regio celeste, o Poeta vai falar da regio ?elemental? muito brevemente para depois se ocupar longamente de dois deles, a terra e a gua. Por fora e logo abaixo do cu da Lua est ofogo puro; por baixo deste, o ar, dividido em trs regies ? suprema, mdia e nfima; e no centro, os dois elementos, terra e gua, formando o globo terrqueo. O Poeta j descrevera a regio elemental, esculpida nas portas do palcio de Neptuno, em VI.1O, VI.11 e VI.12. 91.1-8 ?Neste centro, pousada dos humanos?: ?neste centro [da Terra com o mar] ... vers? (no quinto verso); ?... os insanos / Mares ...?: os mares enfurecidos; ?Vrias naes que mandam vrios Reis?: que so mandadas; ?... e vrias leis?: leis religiosas. Ort.: instbil (por instvel); apousentam (por aposentam). 92.1-8 ?... mais alta e clara?: mais insigne e ilustre; ?Que as outras em polcia ...?: cultura e urbanidade; ?Co Cabo ...?: cabo da Boa 510 ----------------------- Page 558----------------------- OS LUSADAS Esperana; ?... que se habita / Dessa gente sem Lei, ...?: que habitada de gente que desconhece a lei de Cristo. 93.1-8 ?V do Benomotapa o grande imprio?: Benomotapa ou Menomotapa. ?Toda a terra q} ctamos por Reyno de Sofala, he hua grande regio que senhorea hum Principe Gentio chamado Benomotapa? (Barros, I.X.I); ?Onde Gonalo morte e vituprio / Padecer, ...?: o venervel padre D. Gonalo da Silveira era o 10. filho de D. Lus da Silveira, conde da Sortelha, e de sua esposa, D. Brites de Noronha. Foi provincial da Companhia de Jesus na ndia, sucedendo a S. Francisco Xavier. Foi depois missionar para o Monomotapa e a foi assassinado, como feiticeiro, ordem do rei do Monomotapa, em 15 de Maro de 1561; ?Nace por este incgnito Hemisprio / O metal ...?: ?As minas desta terra, onde se tira o ouro, as maes chegadas a Sofala so aquellas a que elles chamam Manica ...? (Barros, id., ibid.); ?V que do lago donde se derrama / O Nilo, tambm vindo est Cuama?: o Cuama o Zambeze, nascido no lago Vitria. Ort.: nace (por nasce). 94.1-7 ?Olha as casas dos negros, como esto / Sem portas ...?: s aqueles a quem o rei dava essa honra que tinham portas nos portais das suas casas; ?Por que toda a outra gente no tem portas ...? (Barros, I.X.I); ?... em seus ninhos?: o sentido este: ?como esto em seus ninhos, sem portas, confiados?; ?Combater em Sofala a fortaleza?: sobre o ataque fortaleza e defesa por Pero da Nhaya castelhano (assim escreve tambm Barros) (v. Barros, I.X.III). 95.1-2 ?Olha l as alagoas donde o Nilo / Nace, ...?: o Nilo tira as suas guas principalmente do Vitria Nyanza, mas de incio recebe-as de todo o sistema hidrogrfico que rodeia e alimenta outros lagos da regio. As nascentes do Nilo Azul foram exploradas no sculo XVII por Pro Pais e Jernimo Lobo. Ort.: nace (por nasce). 95.3-4 ?V-lo rega, ..., / Os povos Abassis, de Cristo amigos?: o Nilo Azul, que rega os povos abassis. Estes eram jacobitas. Em 1541 teve 511 ----------------------- Page 559----------------------- OS LUSADAS a Inquisio oportunidade de intervir, proibindo a circulao do livro de Damio de Gis Fides, Religio, Moresque Aethiopum, pois o autor deste opsculo, baseado nas informaes do embaixador etope Zaga Zaabo, defendia prticas que vinham do judasmo. Para o conhecimento do verdadeiro estado religioso da Abissnia devem ler-se, entre outras obras, Francisco lvares, Verdadeira Informao das Terras do Prestes Joo, e a coleco Rerum Aethiopicarum scriptores occidentales inediti a saec. XVI ad XIX. Desta coleco faz parte a Hist. da Etpia, de Pedro Pais (1564-1622), espanhol, mas que escreveu em portugus. Nesta obra aparece a mais antiga descrio das fontes do Nilo (Nilo Azul), que ele visitou em 1618. Escritores da Etipia dessa mesma coleco so Manuel Barradas e Manuel de Almeida. Historiador importante da Etipia Baltasar Teles, que nos deixou a Hist. Geral da Etipia a Alta ou PresteJoo , Coimbra, 1660. Ver tambm Barros, III.IV.II. 95.7 ?V Mroe, que ilha foi de antiga fama / Que ora dos naturais Nob se chama?: ?E lanando hua linha com o entendimento, da cidade uaquem maritima que dissemos [no mar Vermelho] ao fim da ilha Meroe, que ao presente se chama Nob ...? (Barros, III.IV.I). esta talvez a fonte do Poeta. Era uma das principais cidades da Etipia. Runas perto da aldeia de Begeraouih. Entre o Nilo e o Atbara o Grande Atlas Aguilar indica uma regio intitulada Geziret el Mroe. Plnio, VI.XXXV.181 e seguintes, fala muito de Mroe. Estrabo, Geografia, 17.2, seguindo Erasttenes, fala de cidade de Mroe acima da confluncia do Asataboras (Atbara) e do Nilo. 96.1-6 ?Nesta remota terra um filho teu?: D. Cristvo da Gama, tendo sido desbaratado pelo ?rei de Zeil? com poderoso auxlio turco, acabou por ser aprisionado e degolado, depois de cruelmente martirizado (1542). Historiou a expedio Mguel de Castanhoso, que nela participou como capito de espingardeiros (1564). Couto aproveitou as notcias do ?copioso tratado? (v. Couto, V.VIII.VII); ?... ser claro?: ser ilustre; ?Melinde hospcio gasalhoso e caro?: acolhedor e desejado. 96.7-8 ?O Rapto rio nota, que o romance / Da terra chama Obi; entra em Quilmance?: diz Barros: ?nas serras do qual [Reino Ade] nasce o 512 ----------------------- Page 560----------------------- OS LUSADAS rio Obij, a q} Ptolemeu chama Raptus, q} vae sair ao Oceano na povoao Quilmance junto de Melinde? (III.IV.I). Ver ainda I.VIII.IV. Melinde, apesar de decada da sua importncia, ainda est no mapa sob a forma Malindi. Melinde pertence ao Qunia, e no Somlia. A norte de Melinde vai desaguar efectivamente um rio que tem o nome de Galana. O romance da terra, a linguagem da terra. 97.1-2 ?O Cabo v j Armata chamado, / E agora Guardaf, ...?: na pennsula da Somlia, entrada do golfo de Adem, em frente da ilha de Socotor. Cf. a cano de CamesJunto de um seco, fero e estril monte: nele aparece o Cabo com que a costa africana, que vem do Austro correndo, limite faz, Armata chamado. Ort.: Guardaf (em vez de Guardafui). Barros: Guardafu (I.VIII.IV). 97.3-8 ?... a boca do afamado / Mar Roxo, que do fundo toma as cores?: o Poeta parece seguir uma das opinies expostas por Plnio, VI.XXVIII.107-108: ?... aut, ut alii, solas repercussu talem reddi existimantes colorem, alii, ab harena terraque, alii tali aquae ipsius natura.?; ?... e as milhores / Povoaes ... / Mau so, Arquico e Suaqum?: dentro do mar Roxo. Mau e Arquico (prxima de Mau), na costa da Etipia (v. X.52.5 e X.52.6). Suaqum est na costa do Sudo. 98.1 ?Vs o extremo Suez, que antigamente / Dizem que foi dos Hroas a cidade?: extremo, por estar no fim do mar Roxo, no brao de mar que liga com Porto Saida. ?... dos Hroas a cidade?: o erro foi de Barros, fonte de Cames, que diz: ?& per hua linha que se pode com o intendimento lanar deste Nilo pela cidade do Cairo metropoli de todo este Egipto ao porto de Suez q} est no ultimo seo do mar roxo, onde antiguamente foi a cidade dos Heroas? (I.IX.1). Couto repete: ?Estrabono diz, que esta cidade [Suez] tambem fora ja chamada Cleopatrida, & que junto della era a cidade dos Heroas?; ?Neste lugar aparecem ainda grandes roinas, de hua muito fermosa cidade, 513 ----------------------- Page 561----------------------- OS LUSADAS que ja ali esteve em tempo de pagos: & muitos affirmo que foi a dos Heroas? (Couto, V.VII.IX). Mas Plnio o que escreveu foi: ?in quo Heroon oppidum est? (VI.XXXIII.165); nome de cidade, e no de um povo, que, segundo ED, ?ficava muito mais ao noroeste da moderna Suez, perto de Ismailia?. 98.3-6 ?(Outros dizem que Arsnoe), ...?: ?eae omnes viae Arsinoen ducunt conditam sororis nomine in sinu Carandra a Ptolomaeo Philadelpho? (Plnio, NH, VI.XXXIII.167). O editor H. Rackham anota: ?Ardscherd near Suez? (v. IX.2.4); ?Olha as guas nas quais abriu patente / Estrada o gro Mouss ...?: v. IV.63.2. Patente estrada: estrada franca. latinismo. Ort.: Mouss (por Moiss). 99.1-2 ?Olha o monte Sinai, que se ennobrece / Co sepulcro de Santa Caterina?: v. X.43.8. No Missel quotidien et vesperal, de D. Gaspar Lefbre, beneditino, l-se, a respeito de Santa Catarina, virgem e mrtir (25 de Novembro): ?Le mont Sina o le corps de Ste Catherine fut transporte par les Anges est aussi le lieu o, par ministre des Anges, Dieu donna sa loi Mose.? Quando o governador D. Estvo da Gama foi tomar Tor (Toro) com inteno de destruir a cidade, vieram dois frades do monte Sinai (a um dia de marcha) ?pedir misericordia aos Portugueses, pera que no dessem fogo cidade, por que tinho nella um templo?. O governador, que tudo esperava menos encontrar cristos, ficou muito satisfeito e foi em boa ordem com a tripulao orar ao templo, que era do orago de Santa Catarina. Foram dadas relquias da Santa, mas as mais estavam em cima no Mosteiro de Santa Catarina, e era uma jornada de caminho. Os frades do Mosteiro do Monte Sinai eram da Ordem de S. Baslio, da Igreja Grega (Couto, V.VII.VIII). 99.3-8 ?Olha Toro e Gid, que lhe falece / gua das fontes, ...?: Toro, na costa ocidental da pennsula do Sinai. Gid, v. IX.3.1; ?Olha as portas do Estreito ...?: era o estreito de Meca, hoje Babelmndebe; ?... que fenece / No reino da seca Adem ...?: pequena cidade da Arbia Meridional, a leste do estreito de Babelmndebe, no golfo de Adem, que se tornou porto de grande escala com a presena dos 514 ----------------------- Page 562----------------------- OS LUSADAS Portugueses, em virtude das dificuldades criadas s naus do estreito de Meca. Sobre o qualificativo seca, leia-se em Castanheda, III.104; ? ... que confina / Com a serra d? Arzira, pedra viva?: a serra de Arzira sobre Adem ?he toda de hua pedra viva sem arvore nem herva verde? (Barros, II.VII.VIII). 100.1-8 ?Olha as Arbias trs, ...?: v. IV.63.8; ?... todas de gente vaga ...?: nmada; ?Outro Estreito de Prsia, ...?: o estreito de Ormuz; ?... e faz a traa / O Cabo ... / Da cidade Fartaque, ...?: desenha-se o vulto do cabo (Ras) Fartaque, na costa sul da Arbia (a meia distncia entre Adem e Ormuz); ?... ali sabida?: ali conhecida. ?Cabea do reino? (Barros, I.IX.I). Ort.:feroces (porferozes ). 101.1-6 ?Olha Dfar, ... ?: ?... & fica neste meio [entre a cidade e cabo Fartaque e Curia Muria] a cidade Dofar ... donde ha o melhor & maes encenso de toda esta Arabia [Feliz]? (Barros, I.IX.I); ?O mais cheiroso incenso ...?: encenso, na edioprinceps (s neste verso empregou tal palavra); ?... destoutra banda / De Roalgate, ...?: para o lado de l de Roalgate (Ra?s-al-Hadd), que assinala a oeste a entrada no golfo de Om, ainda na costa da Arbia Meridional; ?... e praias sempre avaras?: pouco favorveis ao domnio portugus; ?Comea o reino Ormuz, ...?: ilha no estreito do mesmo nome (Hormoz), entre o golfo Prsico e o golfo de Om, mais prximo da costa persa; ?Pelas ribeiras que inda sero claras?: que todo se estende pelas costas do reino de Ormuz. Que inda sero claras, que ainda se ilustraro. 101.8 ?Virem de Castelbranco nua a espada?: Pedro de Castelo Branco foi para a ndia em Novembro de 1533, como capito-mor de uma armada, com quatro anos de capitania de Ormuz, onde estava Antnio da Silveira (Couto, IV.VIII.VII). As notcias de Couto no correspondem ao que geralmente se diz de Sampaio: ?Pellas naos que viero em Novembro [de 1537] de Ormuz a Diu, teve o Governador Nuno da Cunha muitos capitulos de grandes culpas & queixas, contra dom Pedro de Castello Branco, que ero de qualidade, que lhe pareceo necessrio, pera quietao da terra ... mandalo tirar da fortaleza: por que naturalm?te era um fidalgo muito 515 ----------------------- Page 563----------------------- OS LUSADAS forte de condio, & to vingativo, que no perdoava cousa algua. E assi estava a terra to escandalizada delle, que foi necessrio ao Governador acodir quelle negocio, & determinou de mandar l o Doutor Pero Fernandez Ouvidor geral pera o sospender do cargo de capito da fortaleza, & mandalo prezo India? (Couro, V.II.VI). Porm, no ano de 1538, o sucessor de Nuno da Cunha, D. Garcia de Noronha, mandou rever o seu processo pelo ouvidor geral e pelo provedor-mor e foi por eles sentenciado que D. Pedro ?fosse acabar de servir o tempo que lhe faltava de sua fortaleza? (Couto, V.V.VII). Terminado o seu tempo em 1541, D. Pedro partiu para o Reino no ano seguinte e teve a infelicidade de ser abordado por corsrios franceses ?na volta das ilhas dos Aores?, que lhe roubaram toda a sua fazenda ? o que o fez ir reclam-la ao rei de Frana (Francisco I) com cartas do rei de Portugal. 102.1-8 ?Olha o Cabo Asaboro, que chamado / Agora Moando ...?: do genitivo latino Asaborum (o promontrio dos Asabos, de Ptolemeu) fez Barros (III.VI.IV) o nominativo Asaboro, que passou para Os Lusadas (v. JMR, EN, p. CCXXIII). Moando, cidade costeira do golfo de Ormuz, do lado do golfo de Om; ?Por aqui entra o lago que fechado / De Arbia e Prsias terras abundantes?: por aqui entra o golfo Prsico (o ?lago?), fechado pelas terras abundantes da Arbia e Prsias; ?Atenta a ilha Barm, ...?: v. X.41.8; ?Ter o Tgris e Eufrates ua entrada?: os dois rios juntos formam o Chate Alrabe, que entra no golfo Prsico, abaixo de Baor. 103.2-8 ?Sempre posto no campo e nos cavalos?: os Persas viviam fora das povoaes e foram sempre apaixonados cavaleiros; ?Que se injuria de usar fundido cobre / E de no ter das armas sempre os calos?: que sente desprezo pelo uso de peas de artilharia e por no estar sempre em armas (por no ter as mos calejadas); ?Mas v a ilha Gerum, ...?: a cidade Armuza era no continente ?a promunturio Carmanis junguntur Harmozaei? (Plnio, VI.XXVIII.111). Da Carmnia trasladou-se ilha, que perdeu o seu nome antigo e ficou a nova Armuza, donde veio Ormuz (v. Barros, II.2.2 e III.6.4). 104.1-8 ?Aqui de Dom Filipe de Meneses / Se mostrar a virtude, ...?; ?De Dom Pedro de Sousa, que provara / J seu brao em Ampaza, ...?: 516 ----------------------- Page 564----------------------- OS LUSADAS ambos capites de Ormuz, mas o segundo antes do primeiro. D. Pedro de Sousa foi capito de Ormuz de 1562 a 1564 ou 1565, segundo Couto (v. Couto, VII.X.VII e VIII.I.XV). Nesta ltima Dcada citada diz Couto: ?Na entrada deste anno de sessenta & seis, foi Luiz de Mello entrar na Capitania de Ormuz, por virem novas ser falecido Dom Pedro de Souza, o qual foi enterrado entre as portas das fortalezas ...? Diz ED que D. Filipe de Meneses recebeu carta de capito de Ormuz datada de 18 de Fevereiro de 1566, segundo informao de Pedro de Azevedo; mas quem em 1566 foi para a Capitania de Ormuz, segundo Couto, foi Lus de Melo. No tenho elementos para saber se Melo foi capito interino; ?os muitos Parseos vencer de Lara?: Lara (Lr), capital do distrito do Laristo, provncia do Farsisto. Lr no cidade costeira do golfo Prsico, mas um pouco interior. Naturalmente o que o Poeta quer dizer que D. Filipe de Meneses venceu os prseos do Laristo, que chega costa do golfo Prsico. Reveses so golpes de espada, mas dados transversalmente, da direita para a esquerda. Ampaza, na ilha de Pate, na costa de Melinde. 105.1-4 ?Mas deixemos o Estreito e o conhecido / Cabo de Jasque, ...?: Estreito, o estreito de Ormuz. O cabo de Jasque (Jask) fica na costa persa, fora do estreito, no golfo de Om. Ptolemeu chamou-lhe ?Carpella promontorio? (Barros, III.6.4): ?Leixado o cabo de Isque, que he a maes notavel cousa que aquella costa tem, ainda que est fora da garganta daquelle estreito, o qual ns situamos em vinte quatro graos largos da parte do Norte, & Ptolemeu em vintedous & meyo, chamandolhe Carpell promontorio ...? (Barros, III.VI.IV); ?Com todo o seu terreno mal querido?: rido; ?Carmnia teve j por apelido?: hoje Kerman. 106.1 ?Olha a terra de Ulcinde, fertilssima?: grande confuso se estabeleceu a propsito desta ?Ulcinde? camoniana. Basta ler o que diz Couto em VII.III.XIII e VII.III.XIV para se ver que se trata do ?reino do Cinde?. E o ?Cinde? no seno o outro nome do ?Indo? (Sindh): ?& foro pello rio abaixo queimando, & destruindo todos os lugares que avia de hua & outra parte daquelle famoso rio indo?. O governador destruiu nessa altura (1556) a cidade de Tat (que ainda hoje se v no mapa beira do Indo, acima do delta). ?Da outra banda do Ponente [habitam] aquelles povos Diulis, chamados 517 ----------------------- Page 565----------------------- OS LUSADAS assi da sua principal cidade chamada Diul?. Parece que ?Dulcinda? nasceu da juno indevida de ?Diul? com ?Cinde? (Couto, VII.III.XIV). Cames escreve ?de Ulcinde?. 106.2-5 ?E de Jquete a ntima enseada?: ?& foi de longo da costa [Francisco Barreto] ate a ponta de Iaquete, onde se acaba os limites do antigo reino Guzarate? (Couto, VII.III.XIII,). Identificado com Katchh Ki Rann. ntima enseada, muito reentrante; ?E a vazante, que foge apressurada?: elevao brusca das guas do mar e vazante rapidssima?; ?A terra de Cambaia v, riqussima?: ?E do Dio situado em vinte graos & meio te a cidade Cambaya que est em vinte de dous graos, aver cinquenta & tres legoas? (Barros, III.VIII.1). Depois do Katchh Ki Rann vem o Katchh Ki Khadi e a seguir o Khambhayat Ki Khadi. No fundo deste golfo (seio) est Cambaia. 107.3 ?J chamado Cori, ...?: ED diz que o texto de Ptolemeu diz ?Komaria?, Bacon diz que Ptolemeu lhe chama ?Cori? (VII.I.II). No extremo sul da costa ocidental indiana, em frente de Ceilo. 108.1-5 ?... entre um e o outro rio?: Indo e Ganges; ?Um reino Mahometa, outro Gentio?: v. Barros, I.IV.VII e III.IV.IV; ?Olha que de Narsinga o senhorio?: o reino de Narsinga ou de Bisnaga (v. Barros, III.IV.IV). Era reino gentio. Possua grande parte da costa do Coromandel. 109.1-6 ?Aqui a cidade foi que se chamava / Meliapor, ...?: Hoje pequena povoao nos arredores de Madrasta, na costa do Coromandel. Pertencia ao reino de Narsinga ou Bisnaga; a F, que no mundo se pubrica?: a f catlica. Ort.: inica (por inqua); se pubrica (se publica). 110.1 ?Chegado aqui ...?: a fonte dos milagres de S. Tom aqui narrados vem em Barros (III.VII.XI) e abrange as est. 110 a 116. Vagando, 518 ----------------------- Page 566----------------------- OS LUSADAS boiando sobre as vagas. Ort.: alifantes (por elefantes). 111.2-8 ?Que, s pera abalar-se, ...?: s para ser movido; ?... por derradeiro?: por ltimo; ?... aos futuros por exemplo?: como exemplo. 112.1-6 ?Sabia bem que se com f formada?: ?Pois em verdade vos digo, que se tiverdes f, como um gro de mostarda, direis a este monte: Passa daqui para acol, e passar, e nada vos ser impossvel? (?S. Mateus?, XVII.19); ?Os Brmenes ...?: v. VII.40.1. 113.3-5 ?... buscam desvios?: buscam impedimentos; ?O principal, que ao peito traz os fios?: insgnia dos Brmenes trazer a tiracolo um cordo de trs fios. 114.3-4 ?... como se usa?: como costume; Na edioprinceps emprega a morte. Mas em vrios lugares aa morte. interessante este exemplo: ?Qual Canace que morte se condena? (VII.79). claro que o vale ou . 115.4 ?Por testemunho, o seu, mais aprovado?: mais digno de f. Ort.: resucite (por ressuscite). 116.2 ?Que o Rei se banha logo na gua santa?: que o rei recebe imediatamente o baptismo. 118.7 ?Pedimos-te que ... peas?: o estilo sofre um pouco com a repetio. 119.1-6 ?E vs outros que o nome usurpais / De mandados de Deus, ...?: usurpare tem antes de mais em latim o sentido defazer uso de, servir-se de. Por isso, como lembra ED, talvez a palavra no esteja em mau sentido; ?Se sois mandados ...?: enviados; ?... se sois Sal e vos 519 ----------------------- Page 567----------------------- OS LUSADAS danais?: ?Vos estis sal terrae? (?S. Mateus?, V.13); ?Na ptria, onde profeta ningum ?: ?... Propheta in sua patria honorem non habet? (?S. Joo?, IV.44). Dizem os comentadores que estas palavras se dirigem aos ?Apstolos?, aos Jesutas. 120.2-8 ?E tornemos costa debuxada?: esboada no globo; ?J com esta cidade to famosa?: Meliapor; ?Se faz curva a Gangtica enseada?: muito mais pronunciada a curva nas bocas do Ganges; ?Corre Orixa, de roupas abastada?: um distrito de Bengala a oeste das bocas do Ganges e do Bramaputra (Ford). ?& o reyno Orix, que tem o maritimo do Oriente: o qual fica entre este Reyno Bisnag, & o de Bengalla, & pelas costas vizinha c o Reyno Decan? (Barros, III.II.V); ?... o ilustre rio / Ganges vem ao salgado senhorio?: entra no golfo de Bengala. 121.5-8 ?V Catigo, cidade das milhores / De Bengala ...?: olhando-se para o delta formado pelos dois rios ? Ganges e Bramaputra ?, v-se a leste a provncia de Catigo (Chittagong); ?... Mas olha ques est posta / Pera o Austro, daqui virada, a costa?: a costa, que aqui muda de direco (do brao oriental da foz do Ganges) para sul. 122.1 ?Olha o reino Arraco; olha o assento / De Pegu, ...?: ?he do Reyno Arrac, que vizinha com o de B?galla que lhe fica ao Norte & e de Pgu q} jaz ao Sul? (Barros, III.II.V). Com esta indicao a Ninfa transporta-nos para a Birmnia. O ?reino Arraco? fica ao norte do Pegu, tendo a ocidente por linha litoral o golfo de Bengala. Para a explicao dos versos do Poeta, ver Barros: ?Este povo de Pg tem lingua propria: differente dos Siames, Bramms, Arracam, com que vizinha, por cada hum ter lingua per si. Porm quanto maneira de sua religio, templos, sacerdotes, grandeza de dolos, & cermonias de seus sacrifidos, uso de comer toda immundicia, & torpeza de trazer cascavis soldados no instrumento da grao; convem muito c os Siames. E ainda dizem elles que os Siames procedem da sua linhagem, & ser assi: porq} esta torpeza dos cascavis em todas aquellas partes no se acha em outro povo. Donde se pode crer ser verdade o que elles cto, que aquella terra se povoou do ajuntamento de hu co & ha molher ...? (Barros, III.III.IV.) Feio, 520 ----------------------- Page 568----------------------- OS LUSADAS hediondo. Soante arame, cascavis. O error nefando, o vcio monstruoso. 123.1-3 ?Olha Tavai cidade, onde comea / De Sio largo o imprio to comprido?: cidade na costa da Birmnia (mar de Andamo), em linha recta com Banguecoque; ?Tenassari, Qued, que s cabea?: Tenassari, na Baixa Birmnia, ao sul de Tavai, diante do arquiplago Mergu. Qued , povoao muito afamada pela sua pimenta, ficava depois de Tenassari e antes de Malaca, pois o Poeta diz: ?Mais avante fareis que se conhea / Malaca ...?. 124.1-8 ?Dizem que desta terra [Malaca] ... / ... / ... o mar, entrando, dividiu / A nobre ilha de Samatra, ...?: foi conhecida dos Antigos por urea Quersoneso; ?Alguns que fosse Ofir imaginaram?: Ofir tem tradies bblicas. A essa longnqua e desconhecida regio teria Salomo mandado buscar ouro. O Poeta admite que essa antiga terra pudesse ter sido Malaca. 125.1-8 ?... Cingapura?: ilha na ponta meridional de Malaca. Separa-a da terra firme o estreito de Lahore; ?... onde o caminho s naus se estreita?: por causa do estreito de Singapura; ?Daqui tomando a costa Cinosura?: daqui voltando a costa ao norte; ?Se encurva ...?: forma o golfo de Sio; ?Vs Pam, Patane, reinos, e a longura / De Sio ...?: Pam (Pahang) e Patane (Patani), na pennsula de Malaca. Pam, mais abaixo, um e outro do lado da China Meridional; ?Olha o rio Meno, ...?: o rio Meno tem a sua origem no Norte do Sio e entra no golfo do mesmo nome: ?O anno passado indo elle com Ferno Perez d? Andrade caminho da China arribou costa do Reyno de Siam, & entrou per o rio Menam, que o atravessa. Nas correntes do qual est situada a cidade Hudi.? (Barros, III.II.IV); ?Do grande lago que Chiamai se chama?: indicado pelos gegrafos antigos, ningum sabe da sua existncia. Sobre o reino Chiamai v. Barros III.II.V. 126.1-8 ?Vs neste gro terreno ...?: no reino de Sio; ?Os Laos, ...?: ?ficando entre elles os povos Laos, que cerco todo este Reyno de Sio, assi per cima do Norte, como do Oriente ao longo do rio 521 ----------------------- Page 569----------------------- OS LUSADAS Mecon? (Barros, III.II.V). ?E pela parte do Ponente ... confina com as serranias que corto de Norte Sul, onde jazem os Reynos Av, & Brem, & Iangom? (id., ibid.); ?... Gueos ...?: ?ali se atravesso huas serranias to speras, como os Alpes em que habitam os povos chamados Gueos, que pelejo a cavallo: com os quaes continuadamente elRey de Sio tem guerra, & vizinho com elle somente pela parte do Norte. Ficando entre elles os povos Laos (id., ibid.) Os ?Laos? tatuam-se e comem carne humana. Ort.: selvages (por selvagens). 127.1-8 ?Vs, passa por Camboja Mecom rio?: Camboja, reino da Indochina, a nordeste da Cochinchina. Mecom um dos maiores rios do Mundo. Desce do Tibete, atravessa uma parte da China e faz o seu caminho at ao mar da China Meridional.; ?Tantas recebe d? outro s no Estio?: caso de fontica sintctica, segundo JMR. Outro est por outros, devendo ler-se: doutro-ss; ?... como indiscreta?: com fraco discernimento; ?Que pena e glria tm, despois de morte, / Os brutos animais de toda sorte?: Cames tem provvelmente no seu esprito a crena budstica na transmigrao das almas. 128.1-8 ?Este receber, plcido e brando?: refere-se o Poeta ao seu naufrgio no mar da China, que deve ter-se verificado nos fins de 1558 ou princpios de 1559 (v. Jordo de Freitas, O Naufrgio de Cames e dos Lusadas, Lisboa, 1915); ?... quando / Ser o injusto mando executado?: este ?injusto mando? continua ignorado. Leonel de Sousa, capito do navio, trouxe-o preso. Executado, rima imperfeita. 129.1-8 ?Vs, corre a costa que Champ se chama?: ?A designao de Champ aplicava-se no tempo de Cames a uma regio assaz vasta, que abrangia uma boa parte da costa oriental do golfo de Sio? (CF, FL, p. 72); ?Cuja mata do pau cheiroso ornada?: o linalos; ?Vs Cauchichina est, de escura fama?: de fama obscura: ?... com o qual confina o Reyno a q} os nossos chamo Cauchij, China & os naturaes Cach. O qual acerca de ns he o menos sabido Reyno daquelas partes, por a sua costa ser de muitas tormentas & grandes baixos & a gente sem navegao? (Barros, I.IX.I). regada pelo Mecom e outros rios; ?E de Aino v a incgnita enseada?: uma grande ilha, 522 ----------------------- Page 570----------------------- OS LUSADAS entre o golfo de Tonquim e o mar da China Meridional. Em frente, na costa, a actual Repblica Democrtica do Vietname; ?Da China corre, e ocupa o senhorio / Desde o Trpico ardente ao Cinto frio?: refere-se o Poeta ao trpico de Cncer e ao crculo polar rctico. 130.1 ?Olha o muro e edifcio nunca crido?: o muro, a Muralha da China; e edifcio, e construo; nunca crido, inacreditvel. Ort.: nacido (por nascido). 131.5-7 ?Esta meia escondida ... / ... / Japo ...?: tambm se designam as ilhas do arquiplago japons por ilhas da prata. Foi evangelizada pelos jesutas, o primeiro dos quais foi S. Francisco Xavier. Tambm por l andou o nosso Ferno Mendes Pinto. Ort.: nace (por nasce); ilustrada, latinismo que significa iluminada. 132.3-7 ?V Tidore e Ternate, co fervente / Cume, ...?: duas ilhas no arquiplago das Molucas, noutro tempo objecto de lutas com os Portugueses. Ternate, de formao vulcnica, tem um vulco. Muito procurada pelas especiarias; ?As rvores ver do cravo ardente, / Co sangue Portugus ...?: esta especiaria, diz CF, ocupava no nosso comrcio talvez o segundo lugar. Mais tarde, depois da viagem de Ferno de Magalhes, os Espanhis tiveram pretenses ao domnio daquelas ilhas. O cravo o boto do Caryophyllus aromaticus, L., rvore indgena apenas das cinco pequenas ilhas Molucas (v. CF, FL, p. 73); ?Aqui h as ureas aves, ...?: as ?aves-do-paraso?, que se supunha no terem ps, e por isso voavam sempre at morte. 133.1 ?Olha de Banda as Ilhas, ...?: ?... assi neste nome Bda se conthem outras cinco ilhas jutas. Verdade he que a principal dellas se chama Banda ...? (Barros, III.V.VI.) ?Nestas cinco ilhas nasce toda a noz moscada & e massa, que se leva per todalas partes do mundo: como em Maluco o cravo.? (Id., ibid.) ?E quando esto em frol, que he no tempo que a tem muitas plantas & hervas, q} nasc? per entre ellas: faz-se da mistura de tanta frol, hua composio de cheiro, que no pode semelhar a nenhum dos q} c temos entre ns.? (Id., ibid.) a semente da Myrifica fragrans, Houttuyn (CF, FL, p. 76) 523 ----------------------- Page 571----------------------- OS LUSADAS 133.5-6 ?Olha tambm Bornu, onde no faltam / Lgrimas no licor ...?: a rvore da cnfora. Esta produzida pela Driobalanops aromatica, Gertn., natural de Bornu e de Samatra. O Poeta pintou muito bem a exsudao da goma para as fendas do lenho e a se solidifica em massa semicristalina, numas lgrimas ou gotas pequenas (v. CF, FL, pp. 78-80). 134.1-5 ?Ali tambm Timor, que o lenho manda?: a madeira do Santalum album, L., rvore da famlia das Santalceas, que se encontra espontnea em algumas partes da ndia, vrias ilhas do arquiplago malaio e Timor (v. CF, FL, p. 80); ?Olha a Sunda, to larga que ua banda / Esconde pera o Sul dificultoso?: ?... & passada uda est para leste a ilha da Jaoa, q} jaz leste oeste? (Castanheda, III.LXII). Em outro lugar: ?& antrelas est unda que he pedao da de amatra, em que ha muyta & muy boa pim?ta ? (id., ibid.); ?A gente do serto que as terras anda?: na Carta a ua dama escreveu o Poeta: L para onde o sol cai descobrimos, navegando, un novo rio admirando, que o lenho que nele cai, em pedra se vai tornando. 135.1-6 ?V naquela que o tempo tornou Ilha?: alude de novo ilha de Samatra (X.124.1-8); ?Que tambm flamas trmulas vapora?: tem vulces; ?A fonte que leo mana, ...?: ?alem da muita qutidade de ouro que nella ha, tambem se acha muita copia de estanh