{\pwi, TahomaCourier New/=  =@>jj@76##$#&#######&###&# ##6##B#D#@###)# ##########&##0#2#D# ## ######$##5#!###7#####*##6####L#U#>#A#X#C#Q#X#C#A#B#D#S#U#Y#A#S#F#A#O#X#N#O#Q#G#D#U#W#C#[###L#<#K#M#J##/##6##F#<##U#V#C#W#X#?#F#R#@##F#V#V#E#A#T#W#W#B#U#X#G#X#S#V#B#/#1#E#E#E#R##D#C#D# ##,##6##T#D#Z#Y#O#C#?#U#U#F#X###D#R#H#?#Q#C#Z#H#X#N#8#V#H#D#X#Y#U##P#C#[#S#V#T#D#P#Y#Y##-##6##D#P#D#P##E#F#X#A#D#G#V#M#D#E###D#W#V#X#E#A#B#H#U#E#K#V#B#W#C#N#S#R#T#,#@#B#D##-##6##U#(#F#U#T#C#1#M#G#C#=#V#E#C#T#S#C#C#P#P#8##O#######<#C#@#I###B#K##,##6##G####K#C#D#?#I#E#>#B#F#;######@#I#A#F####C#=##,##6##-##-##*##U#E#O#P#V#I#Q#[#H#X#V#F#W#B#?#S#F#V#T#B#D#A#E#D#Z#A#W#Q#D#V#F#G##,##7##-##X#V#I#N#O#R#Q#V#H#C##X#D#E#H#E#A#F#A#X#D#2#Z#@#V#U#B#E#X#B#G#T#E#S#X#B#X#V#D#D##-##7##-#]#E##<#K#F#G#9#5#6#:#=#?#=#8#;#H#C#W#H##E#)#%#4##N#=#9#U#S#W#X#F#V#B#M#C#U#P#A##.##7##-#C#F#4#7#6#T#B#%#<#/#V#%#C#Q#F#W# #B#C#E#U#W#L#G#B#X#T#D#X#F#1#H#C#[#E#F#[#U#X#W#-##7##,##Y#P#G##U#P#P##E#A#D#!#9#?#=#;#=#C#X#C#V#E#V#B#9#C#U#7#T#D#C#B#N#G#D#D#A###,##7##-##U#X#A#W#:#B#I#?#X#F#W#D#[#U#Y#C#?#F#W#D#F##=#5#=#:#:#;#<#;#S#?#R#R##B#O#D#&##-##7##.#=#>#8#A#D#I#-#D#Y#Z#F#D##;#>#?##(#;#?#F#X#C#G#A#C#C#V#T#E#C#E#B##;#:#;#9#?#;#>#;#.##7##0#=#?#8#@#<#;#<#<#8#6#=#?#=#;#<#A#[#S#]#4#=#C#C#1#D#S#R#^#C#C#Z##X#Z# #B#@#B#=#?#9##2##7##-#?#;#?#?#;#@#7#:#8#:#E#8#:#9#9#9#<#<#8#C#8#;#;#:#>#9#<#:##9#8#9#>#<#=#?#A#C#C#W#!##-##7##-#7#?#6#;#8#<#<#;#:#V#G#$#?#>#C#:#S# #@#=#=#E#<#B#D#Q#T#V# #W##F#F#A#D#H#H#J#W#A#U##,##7##-##X#V#W#W#G#B#I#G#L#D#T#E#I##E#D#V#F#S#V##D#S#T#?#X#W#X# #V#W#U#U#W#U#D#D#T#W##,##7##-##X#U#@#E#Y#C#A#W#W#W#W#D#A#A#C#C#Q#X#V#5#B#P#I#U#Z#B#S#V#C#2#W#A#E#>#F#E##V#C##-##7##-#B#A#V#V#>#:#7#:#:#=#:#W#F#F#O#G##8#<#>#C#W#E#H#D#,#>#<#5#=#>#%#B#D#9#>#<#;#<#<#@##-##7##.#=#6#S#>#3#A#B#>#@#C#Y#X#?#F#X#W#W#C#\#F#B#Q#Q#A#V#E#O#W#R#X#Z#D#Y#B#Z##C#P#C#C##.##7##.#@#S#Z#N#S#Y#U#T#H#O#Y#F#[#C#Y##>#9#=#@#@#?#>#@#:#>#<#<#8#=##<#<#>#?#@#-#?#A#<#9#?#-##7##.#C# #:#<#8#U#S#W#)#9#?#7#7#5#9#<#>#*##/##,##X#S#Z#U#B#Z#Y##D#X##-##7##-##D#W#D#D#C#V#C#F#D#U#G#E#/#Y#Z#0#G#E#C#H#K#E#W#R#Z#Y#C#W#D#F#F#D#L#]#M#P#E#H#R##.##7##,##J#M#O#T#E#E#D#F#O#O#-#U#R#E#C#>#E##;#O# #6#O#8#P# #;#O#<#Q# #;#O#6#P# #2#O#%#9#8#-##7##+#N# #8#N#;#M# #5##N#2#N# #1#M#<#P# #8#M#6#P# #4#M#3#M# #5#M#2#O# #5#M#-#O# #0#M#4#O# #*##7##-#6#P#5#S# #:#P#8#R# #7#P#6#Q# #7#P#7#P# #7#Q##X#Y#D#V# #V#B#H#X#I#T#W#W#V#C#;#U#U#,##7##-#D#V#S#C#2#7#6#2#7#3#6#;#Q##V#`#E#A#D#I#G#G#G#S#G#W#>##;#P# #6#P#>#P# #:#P#<#Q# #9#,##7##*#L#C#O# #@#L#8#O# #5#L#8#M# #4#L#<#O# #:#L#;#M# #8#L#:#L# #6#L#6#L# #3#L#9#L# #5#L#<#*##7##+#M# #:#M#9#M# #2#M#)#H##N# #3#M#9#N# #5#M#H#N# #>#M#7#N# #4#M#:#N# #6#M#=#M# #9#M##+##7##-#9#R# #5#Q##E#=#D#U#&#P#G#H# #G#Y#E#U#W#X#U#R#V#F#Z#S#T#+#D#W#C#E#T#U#R#G#W#C##,##7##,##F#W#H#T#E#V#G#S#U#D#D#V#@#U#E#G###-##+##E#B#B#S#R#D#U#B#U#C#G#Q##,##7##+#T#P#)#1#O#>#>##C#M##$##+##7##+##D#T#T##5#M##9#O##6##:#=##:#N##H#I#T#A#F#6#H#<#C# #2#N##<#M##:#P#G#8##+##7##-#C#X#J#C###:#T#S#H##8#Q##7#=#8#S##;#S##7##:#W#W#C#I#F#C#S#V#X#X#G#_#Y#X##:##-##7##2##Q#_#`#U#^# #Y# #Q#"#a#R#M#_#-#(##N##7#L#"#2#a#b## #b#7#^#d##c# # #+##F#"##1##7##.##+#[#M#W#Y#^#P#L#5#D#L#2#W#Y#X#Y#W#F#E#W#'##:##2#F#?#F#Y##[#^#]#X##V#V###<##-##7##,#P##7#P#C##T#C#&#=#R#2#<#U#S#I#T#Q#/#V#A#D#?#A#S#@#S#G#V#W##;##C#B#U#F#V#K#U#J#,##7##+##T#Q#D#Q#E#G#K#D#'##*##7####L#D#8#J#N#J# ##"#####7##,##\#A#B#U#J#D#A#W#E#O#_#E#E#D#C#D#B#U#C#F#W#B#W#D#D#A#D#T#F#G##+##7##+##E#B#T#B#V#D#D#S#R#A#V#T#D#@#A#4##A#9##+##7##,#####I#=#F#=#C#>#D#?#!###K#!###B#>#*######E#####L#/##,##7##-#"#3##.#####-#+#!#2##6###0###>#D#D# ###D#$###D#M#B#C#D#=#3###:###"#,##7##*##I#B# ###B#7#####?#)###B#H#=#8######C#L#G#=###=#C####>##*##7##*#B####C#B######:### #####)##7##'## ##'##-#,#/#.#,#1#,#.##,#.#2#4#.#/#0#3##0#/#.#-#3#/#2#3##'##7##$##/#1#0#,#1#,#/#2##/#2#*#5#3#1#2#/##+#)#,#.#-#+#5#2#####7##'##/#/#,#.#2#.#/#/##2#2#/#.#0#*#*#0##/#1#4#3#)#2#2#+##/#4#/#0#-#2#/#2##&##7##&##4#/#1#0#/#0#2#1##/#3#1#*#0#3#0#/##7#0#/#1#1#5#,#4##1#0#.#-#/#4#0#5##%##7##$##<#5#/#0#*#.#-#6##.#,#,#2#)#-#1#-##/#.#(#.#*#*#0#,##1#0#.#4#0#/#/#-##"##7##&##+#*#.#1#3#1#,#0##2#1#-#0#.#,#-#/##/#1#-#2#.#/#3#5##1#1#0#/#-#0#-#4##&##7##&##/#5#/#/#1#3#/#4##-#-#.#.#,#3#/#3##3#1#.#0#0#1#7#2##2#1#+#.#1#.#0#-##%##7##%##,#*#.#7#5#/#+#-##0#0#.#0#1#-#,#-##1#*#/#+#-#-#.#.##*#4#,#.#*#,#1#*##$##7##'##.#+#-#.#*#5#.#0##,#.#.#0#*#/#2#/##/#'#,#.#3#.#1#4##+#4#1#.#5#2#-#.##'##7##&##5#.#1#,#0#8#,#3##0#-#0#/#3#)#/#1##+#.#.#.#*#.#/#1##6#-#6#-#.#2#2#2##&##7##&##4#(#3#3#-#1#+#4##/#,#3#+#/#0#3#2##0#+#*#+#)#/#,#-##/#/#+#2#.#2#/#0##&##7##&##2#-#2#.#-#.#4#4##-#0#,#,#-#.#+#.##,#1#.#1#/#2#5#5##,#0#2#/#*#.#3#1##&##7##'##2#2#0#.#/#-#0#*##-#1#4#0#.#4#1#2##0#,#.#*#.#-#3#2##/#/#3#1#-#1#1#0##'##7##'##.#1#+#0#.#.#3#1##3#.#,#.#-#2#6#2##4#0#2#+#.#+#/#0##0#.#0#/#/#2#0#2##'##7##'##.#4#0#,#.#5#1#/##-#0#*#,#*#.#-#0##.#0#,#*#0#,#2#2##.#.#.#-#*#,#-#,##'##7##'##0#)#2#.#2#,#-#-##,#.#2#,#2#+#,#,##*#*#/#/#5#-#.#/##+#/#-#1#0#5#+#-##'##7##%##2#2#-#/#-#'#2#+##*#2#1#1#-#,#.#1##3#+#/#2#-#1#.#2##1#/#1#0#4#+#5#4##%##7##'##/#-#-#,#,#0#)#.##1#/#.#1#/#0#1#3##1#1#-#)#2#0#-#1##*#1#/#.#-#+#0#+##(##7##&##/#/#,#.#*#-#/#/##5#.#,#.#+#.#0#1##5#.#+#/#1#,#3#.##+#0#+#+#/#-#.#3##&##7##%##/#*#*#-#0#0#0#)##6#+#+#1#,#,#-#2##0#.#3#*#0#)#/#0##;#'#/#/#/#.#0#4##$##7##'##6#2#/#1#/#2#-#+##/#1#-#/#2#1#/#)##0#-#+#1#.#2#0#/##-#3#,#.#,#/#2#0##'##7##'##2#2#2#3#2#1#1#,##)#*#-#0#-#.#.#2##2#.#3#/#0#3#&#/##3#.#1#3#0#/#0#/##'##7##'##/#)#1#-#-#4#2#2##3#+#.#1#1#.#3#2##.#*#2#,#/#1#-#-##1#4#-#.#/#2#/#5##&##7##%##0#1#2#,#3#+#1#6##-#-#/#1#*#-#0#,##-#.#,#-#)#0#-#.##.#*#+#2#,#2#.#0##$##7##'##2#-#0#,#.#-#2#/##0#+#-#+#,#1#-#0##0#.#/#3#-#0#2#,##1#.#1#0#1#,#/#7##&##7##'##-#4#-#/#/#2#1#.##0#-#,#/#1#/#-#0##.#+#,#.#5#.#2#1##0#/#1#,#2#0#2#0##'##7##&##/#/#$#+#+#0#/#2##.#.#+#-#/#2#/#/##.#-#1#-#-#+#0#.##1#-#1#*#2#+#6#2##%##7########D#C##5#C#G#B#?#@#H#>#?#D#=#D#@#&###C#G#F#A#J#?#<#C#E#E#G#B#@#B##!##7####B#F#?# ###C#D#C#A#C#@#?#B#G#>#B#?###B#I#M#A#D#C####C#?#B#H#?#C#E#D#A#B##!##7#####E#C#H#@#?#E#C#J#E#@#E#B#>####>#D#F#=#A#A#B#B#E#=#B#+#B#A#@#C#D##.#0##3##!##7####D#7###H#F#A#D#;#H#A#A#C#D#C#?#D#@#A#G#6####K#H#>#2##=#-##0##D#H#A#I#F#:##"##7##$#B#D#?#D#F#D# ###A#I#D#G#%#7###7#A#E#E#D#F#D#B#<#A#I#D#B#;#F####E#B#?#G#?#I#####7####8###2#0#4#1##O#L###F#G#G#A#I#=#+###G#O#D#D#D#9###E#E#D#D#A#D#@#H##"##7##$#B#J###B#@#C#F#K#;###H#D#@#E#E#A#F###7#D# ###I#>#>#B#G#M#C#A###F#;#B##"##7####;####I#>#=#G#C#J#G#D#####M#>####?###D#:###E#@#C#B#A#B#C#D#>#E#>#B##"##7####E#E#G# ## #D#B#B#E#I#D#.## #A#E#F#D#C#H## #=#I## #M#E#C#D#E##2## #?#F#G###"##7#####K#F#B#4###@#J#F#@#=#?#1###C#D#H#E#K####F#?#D#D#J#A#E#4###G#I####!##7########H#D#1###2###F#@#%###<#>#A#?#C#C#1###A#J#@#?#?###E#C#@#1###D##"##7####C# ####G#H#D#F####H#B###D#@#E#F#F#-###E#=#C#?#D#.###B#?#E#A#E#@#!##!##7#### #E#F#D#C#D#D#E#G#=## #D#E#F#C#J# #,###G# ###A#A#I#?#E#C#?####G#A#G#@#I#'#"##7#####B#.###E#G#B#E#>#?#C#(#(###C#D#>#<###H####B#G#G#?#@#@#F#C#;#>#-###"##7#####D#D#=#B#G#*###E#"###9#?#B#C#D#@#A#1####B#C#@#@#E#L# ###=#C#G####C##"##7####?#0####@####K#E#D#D#B#A#F#C####F# ###@#B#B#@#?#:###H#A#<#B#A#1##"##7#####?#C#.###<#@#E#9###<#A#=#!###D#H#>## ###F#@#?#<#7#B#,#####C#D#A###"##7##$##B#D#E#K#C#D#0#E## #E#B#I#1#!###B#D# ## #F### #F#H####D#+## #F#C#C#H##"##7####F#J#C#J#E##@###B#?#A####E#(###H#C#$# ###D#F#<#$###D#F#<#@#?#D#C#@#>##!##7####(#$###J####;#B#%#####;####?#H#######;#F####=#?#H# ###G#F#2#"##7##$##D### #I#@#C#@#D###1## #I#H#># ## #G#C# ###G#C#(#### #H#F# ####B#C#####7##$# #D#K#F#F# #?#,## #A#E#B#H#G#5####### #M#D#6## #B#D#-###2###D#E#D######7##$##=#<#B#@####D#C# #$## #A#!### #B#@#/##### #E#@# #$#####7##%##$##+#1#,#/#&#7#0#3##1#+#,#0#1#+#1#/##/#*#)#/#*#+#.#.##$##7##&##+#,#.#-#+#,#*#/##/#,#7#/#3#0#-#5##4#/#/#8#.#.#+#,##%##8##'##0#1#-#,#0#/#.#3##1#/#1#4#-#2#.#1##/#0#)#-#2#0#4#0##.#1#0#+#'#/#.#,##'##8##%##+#/#(#.#+#,#3#.##2#.#3#/#.#*#,#-##-#0#6#1#.#0#(#+##0#0#1#2#+#)#1#.##$##8##$##7#*#-#1#.#-#.#0##)#-#)#/#-#3#,#+##,#.#+#*#(#/#1#1##,#*#0#,#.#-#0#+#####8##$##.#.#.#+#0#*#3#*##8#2#,#0#+#2#.#-##6#&#.#-#.#-#0#1##1#-#.#8#0#-#0#+#####8##&##5#,#-#*#.#.#.#.##/#0#0#6#2#(#*#4##+#-#5#,#.#3#0#4##,#/#-#2#2#0#1#/##%##8##&##+#1#-#/#2#.#3#1##/#1#/#1#0#,#-#3##2#2#-#2#1#2#/#/##7#-#+#.#*#.#,#-##&##8##'##2#-#/#1#0#/#.#2##,#*#0#0#+#.#2#0##/#)#2#+#.#+#-#0##.#-#4#,#3#+#/#/##(##8##&##,#4#3#/#3#/#0#-##2#,#3#1#.#,#-#1##0#/#0#1#3#0#2#.##/#+#0#-#6#.#3#2##%##8##$##3#7#0#4#2#0#(#.##4#/#7#-#0#-#1#0##9#4#/#/#4#(#0#1##/#1#1#-#/#1#.#(#####8##&##0#/#*#5#2#0#/#2##0#/#.#0#2#,#1#/##0#2#+#*#*#/#/#2##0#0#+#.#0#-#0#0##&##8##%##2#1#+#.#,#7#2#3##3#5#-#.#3#*#+#0##.#.#,#)#&#-#6#/##-#4#.#2#*#/#0#.##%##8##(##1#/#,#.#.#+#/#4##/#2#,#,#-#0#.#3##2#3#0#.#1#/#,#2##0#2#3#.#1#+#1#0##(##8##$##0#/#.#)#-#,#5#/##0#0#*#/#/#+#6#+##(#-#)#/#/#.#)#-##.#.#6#.#0#,#,#1#####8##&##+#-#1#1#0#1#/#2##0#2#+#-#*#,#0#-##4#.#.#1#3#+#2#,##-#0#*#.#)#.#1#.##&##8##&##3#3#1#0#,#1#&#2##0#5#.#+#,#/#3#7##6#3#3#4#*#5#-#2##1#2#0#2#-#0#.#0##%##8##&##.#,#2#*#.#.#4#/##/#,#.#0#1#1#/#0##1#/#)#/#,#1#2#-##+#.#5#.#2#1#0#0##&##8##%##/#,#.#/#,#-#*#2##0#/#5#,#%#2#2#-##0#,#-#0#/#-#*#/##,#/#0#3#*#*#2#3##$##8##&##,#1#,#.#-#/#.#2##+#/#5#1#/#+#4#*##*#,#0#,#-#,#-#/##1#2#1#2#1#2#/#/##&##8##&##3#*#)#.#/#)#0#0##1#.#4#2#.#.#1#3##2#/#1#2#6#0#2#/##2#1#1#0#+#-#5#4##&##8##%##1#'#1#/#4#+#3#7##0#2#4#-#.#3#5#2##,#.#.#1#.#/#/#/##0#5#1#0#0#1#-#+##$##8##&##1#.#-#/#2#0#/#.##1#-#,#1#*#,#,#-##1#/#-#/#2#+#/#-##3#*#.#0#0#4#3#-##%##8##'##0#*#0#-#2#,#0#.##0#/#1#.#1#6#2#-##3#1#.#-#,#-#.#.##2#.#/#2#,#.#*#4##(##8##&##,#/#/#/#.#0#2#-##1#0#.#2#2#1#-#4##/#1#*#.#0#1#*#2##5#1#-#0#.#0#,#0##&##8##%##-#/#/#,#+#.#*#.##*#*#2#-#.#1#+#3##*#1#+#0#1#1#1#2##/#4#-#0#2#.#0#1##%##8##&##,#3#)#1#*#-#0#.##/#,#0#1#,#5#1#3##4#1#/#2#,#4#6#/##1#2#*#/#.#.#0#-##&##8##'##0#+#-#/#,#3#-#2##,#,#/#0#,#2#.#+##-#.#*#1#,#0#0#5##2#/#1#0#3#.#0#3##'##8#####,#0#0#,#*#-#0#2##-#1#1#1#3#0#-#/##0#)#/#)#/#+#2#1#####K##"##8##$#I#E#?#E#F#E#D#I#####L####H#E###A#>#D#(###A# ###G###L#D#C###A#B#B##"##8####@#B#E#G#$###H#E#B#C#D#A#B#C####C###H#A#@#E#F#E#F####D#G#,##6#4##!##8####5#6###=#J#)###E#D####-###G#B#?#D#E#=#?###L#+###C#J#C#A###E#G#L##!##8#####<#H#E#?#B####C###C###B#A#B####G#@###G#D#?#E#H#*###>#B#C#>#I#B#A##!##8####?#?####D# ###H#<#<#B#(###D#D#5###0###@#B#?#)###N#/###C#@#F#=#?#C##"##8####D# ###H####A#=# ###D####A###J#G#&###>#F#@#-###@#D#F#F#D#F#E#>##!##8##$#;#,###G#F#E#$###L#H#?#C#C####H#1###C#,###>#F######A#E#J######9#####8##$##D#H# ###F#J#C#G#E#@#E#C#D#@###A####>##F#B#B#8##0###H#@#F#H#B#G#@#'#####8##$##H###=#D#C#C#H##,##E##9###E#C####J#3###J#?#?#D#:#<#K#B#=#@#G#C#%#####8#####B####;#C#3###>#E#C#;#B#F#A#C#G#A####G#E#E#B# ###?#@#;###F#A#D#8#D##!##8####<#;#@#?#H#3###C#D#F#C#@#>####A#E#E#G#A#G####A#H#J# # ###>#=#A#@##"##8#####D#!##B#G###1###G#B#G#E#G#L###E###4###A#>#.###E#D#J####F#D#$##"##8#####;#H#=#G#G#E#1###G#E#2###H#A#?#D###D###B#B#@#B#B#E####H####@#B#:##!##8####A#(###;###:#A#<#E#?#!###@#E#@#A#H#>####D#/###2###E####<###K##!##8#####H#I#9###9###F#G#*###D#E#B#I#E###>#=#$###9###;#A#E#E#F#6###I#4##!##8#####H###E#=#D####?#?#A#F#I#2###B#F###?#E#C#D#B#=#D#@#A#=#@#A#?###L#G##!##8####B####>#D#D####@#D#=# ####A#C###F#D## #D#I#F#C#A#I#=# ###D#J#A#C###!##8######## #@#D#A#H#>#B#A#F#'## #?#J#L#*## #A#E#B#D#L## #;#D# ###E#8#D#@## #?##"##8####D#>#C#6###A###<#<#4## #@#C#C#A#D#A#C#C#G#C#G#H#E### #:#D#A#C#?#B#H#8#@#B##!##8##$#####)#/#.#1#.#0#0#-##1#)#0#,#1#-#-#1##-#*#7#,#5#-#3#3#####8##&##6#0#2#3#-#1#1#3##7#.#6#0#3#,#.#0##3#.#.#/#0#1#,#0##1#,#0#,#5#-#+#3##&##8##'##0#+#.#0#.#0#2#4##/#1#1#2#0#1#1#-##,#-#-#2#0#+#)#0##6#/#0#1#,#,#4#3##(##8##%##5#/#.#.#,#)#/#/##0#,#.#.#.#*#7#3##/#,#)#/#5#0#,#2##1#0#*#0#4#3#/#0##%##8##'##-#0#-#+#/#/#1#4##4#,#/#1#2#,#1#1##3#.#0#+#1#-#-#3##1#+#/#.#1#1#2#/##'##8##%##,#-#1#*#-#/#2#/##1#3#/#)#(#/#2#.##3#4#-#0#6#/#.#5##6#1#5#1#,#.#1#/##%##8##&##1#2#.#6#2#/#0#0##0#5#2#/#1#-#2#.##7#3#/#2#/#4#1#(##2#+#-#1#5#,#1#.##&##8##$##2#/#)#0#-#/#1#1##5#5#3#/#,#-#(#2##1#/#2#5#/#)#-#.##,#2#0#0#,#/#0#)##$##8##&##.#5#2#-#+#1#,#1##3#/#1#.#2#+#4#.##1#-#3#3#.#(#1#.##4#/#/#,#.#*#4#+##&##8##&##-#2#-#.#0#,#4#2##/#1#2#1#,#,#)#-##2#*#.#4#4#)#-#.##0#1#/#.#6#,#1#,##&##8##'##0#/#2#*#,#+#1#4##+#1#1#-#/#,#.#-##2#(#2#-#0#*#+#4##.#0#0#1#+#,#,#2##'##8##'##1#2#,#7#1#,#3#/##-#-#-#/#-#/#1#1##1#.#/#1#)#1#0#/##0#+#-#-#-#.#4#4##'##8##'##2#-#*#*#/#5#1#0##2#.#*#1#-#-#.#1##3#2#+#+#.#2#/#+##.#,#+#4#0#4#2#1##(##8##%##.#4#/#.#0#.#4#/##*#0#0#/#.#.#.#1##4#1#2#,#/#0#+#7##0#0#*#/#0#3#,#-##%##8##'##-#2#-#/#0#1#-#.##/#/#+#0#/#+#+#0##.#+#(#3#.#0#1#0##-#4#1#0#.#2#-#+##'##8##&##0#0#*#-#+#5#4#1##.#*#+#*#.#+#5#2##3#,#2#2#2#0#3#.##0#-#1#5#3#.#(#-##&##8##'##*#+#+#1#,#-#/#1##-#0#/#*#4#-#-#,##0#-#/#1#4#,#3#-##0#/#+#0#/#/#0#/##'##8##%##1#-#0#2#.#+#1#1##4#,#3#3#4#.#*#1##1#+#0#2#-#,#7#0##+#-#/#-#-#3#.#+##%##8##%##6#(#2#/#0#1#-#1##8#.#1#1#2#.#1#5##0#&#1#0#-#(#*#*##0#.#3#.#2#.#+#0##%##8##%##+#0#.#,#-#-#/#/##2#.#-#1#-#/#-#/##/#&#,#1#-#,#.#+##.#/#2#)#2#.#-#9##%##8##%##4#+#(#+#.#,#)#0##2#3#(#0#-#*#+#/##,#+#'#4#,#-#3#4##,#,#3#/#'#/#-#*##%##8##%##/#(#(#+#.#*#,#2##/#)#0#.#)#*#5#2##1#,#+#+#+#,#/#)##0#&#*#*#3#)#.#/##%##8##%##-#0#.#1#*#.#+#-##-#,#,#0#+#-#1#6##/#,#,#2#1#,#.#*##.#/#2#3#0#/#+#.##$##8##&##1#+#4#(#.#/#.#-##-#.#,#*#/#*#+#2##/#-#/#3#0#-#/#2##2#,#,#.#-#0#/#5##'##8##&##4#2#/#)#-#.#/#0##3#*#1#.#-#/#0#/##-#.#*#1#2#+#/#2##2#/#.#1#4#+#.#/##'##8##&##.#/#0#1#.#-#+#2##0#2#0#4#,#.#1#.##+#.#0#/#(#.#0#4##/#3#,#.#+#3#,#5##&##8##&##.#0#(#0#-#3#3#1##5#*#.#*#5#-#4#3##0#4#,#/#*#0#/#/##4#/#6#/#+#,#.#+##&##8##$##-#,#+#,#.#+#,#,##0#/#-#1#/#/#-#0##0#3#+#.#,#)#/#,##0#.#/#.#/#.#.#7##$##8##$##/#/#.#0#0#.#1#-##.#4#5#.#.#-#3#/##/#3#-#1#.#0#+#,##/#-#0#(#7#.#.#0#####8##%##4#.#3#*#-#+#0#8##-#-#,#,#-#/#/#+##0#,#/#/#,#1#+#0##3#1#,#)#/#/#-#.##%##8##&##5#.#1#1#,#1#/#0##0#3#3#3#3#/#2#+##3#*#6#.#/#-#,#/##-#1#0#.#2#-#-#+##&##8##%##-#,#,#,#.#)#2#4##0#,#8#.#,#2#+#(##2#+#,#-#.#(#0#-##8#.#2#.#-#0#*#3##%##8##&##2#0#/#/#3#2#2#/##2#*#+#0#.#,#2#1##/#.#.#6#-#3#2#0##1#-#2#/#2#/#1#+##'##8##&##4#/#2#-#6#2#0#,##3#+#*#5#0#.#3#0##.#0#.#.#4#/#.#1##2#,#1#0#/#2#2#5##&##8##&##4#1#3#+#1#1#0#2##,#1#2#2#-#-#3#.##3#/#3#2#/#/#/#6##-#)#,#-#1#2#.#3##&##8##$##-#/#.#-#1#,#/#-##4#*#,#1#/#0#0#4##2#/#0#.#,#/#2#/##8#+#9#/#/#.#.#.#####8########C#C#E#D#I#F#,###E#D#E#@#?#B#G#E#-###J#H#<###L###F#G#B#*#&##"##8#####I#D#E#C#A#C#>#:#?#A#8#?#!###B####A#C#B#D#H#B#3####E#?#=#@####0#E#A#D#"##8####D#B#D#D#@###H#H#B#D#A#B#H#C#D#;#E#?#B#?#B#>#B#>#1###G#H#J####G#E#F#C#C#9#I##"##8####<#D#E#=#=#4###C#G#G####B#D#D#@#;#B#C#B#G#@#?####@#H#F#*#I# ###D#G#?######8#####G#G#<####?#C#A#@#@#@#I#3####?#F#;#?#H#A#H#L#####(####:#B#@#G#A#H#B#@#"##8####F#G#F#&###C#D#I#D#B#B#=#A#=#B#D#H#G#K#2###B#>#D#B#/###E#<#@#D###=#F#G#A#D#"##8####C#C#-###A######A#C###7#*###A#@#E#?#>#A#A#:#C#E#C#D#F#=#<####F#3##"##8#####>#C#K#C#G#A#B##!###C#B#?####A#>####;####B#>####C#G#>#D#F#D#F##"##8####B####H#C#I#@#?#C#@#&###F#E#<#G#D#B######D#C#F#####@#@#C#####A#@#'##"##8#####L#F#B#=#D#D#>#>#<#E#@###!###D#=#A#A#B#D#2###D####"###C#D#<#=#=#A##"##8#####=#D#@#2###D#E#D#>#>#=#A#<#E#2###@#D#C#D#D####F####;#H#A#F#/###F##"##8#####"###A#G#2###:# ###:#=#B#A#D#;#A#;#9#D#B#E#@####*##.#0#+###H##!##"##8#### #C#C#D#E#D#H#I#D#'#:## #K#G#F#A#C#B#E#<#C#E#B### #G#&## #E#D#E##"## #H#F#E#"##8####G#A#G#>#B#C#(###D#C#?#>#!###B#A#C#A#J#D# ###B#G#B#B#:#>#B#C#=#A#A#>#@#D###"##8#####?#D#D#A#F#?#?####G#D#D#!###A#=####C#B#C#>###E#A#E#=# ###$###>###"##8#####G#G#E#F# ###B#?#E#<#D#<#D#F#E#@#E#I#C#C#;#B#C#C#?#D#;#B#B#?#A#E####I###J##"##8####E# ###C#A#>#E#H#F#B#2###;#D#D#B#A#B#=#C#@#####<#$###O#C#1###'###B##"##8####=#F#:#C#A#?#@#=#3###9#B#:#D#C#B#?#A#F#A#J#E#?####?#F#>#?#?#C#F#C#2###J#D#C##"##8####H####C#;#C#E#J####6#A####D#A#F#A####J#D#E#<####H##"###9######8#### #@#>#E#;# ## #D#C#G#G#B## #H#G####B#<###F#B#A#&#$## #?#C#'## #B#=#F#D##"##8####=#A#8#A#B#9#I#<#B#C#D#<#<#4###F#># ###<#>#>#A#$###E#E#A#C#@#<#C#F#D#E#D#)##"##8##$##?#C###D#A# ###A#C#<#<#>#G#E#F#F#C#B#A#G#?# ###I####H#E#<#A#D#$## #B#####8####G#E#I#9#@#H# ## #E#;#E# ###7## #A#9#9#A#C#E#### #G#*## #I#,## #@#B#D#>##"##8##$#C#=#C## #C#C#B#E### #@#D#@#F#C#@#E########C# ## #H#@#-## #K#B#=#B#H#E#####8####F#>#E#C#D#G#@#G#D#$## #@#C#D#:#F#A#>#F#1## #=#B#E#=#B### #;#E#B#D#E#H#B#A###"##8#### #A#D#B#8#A#F#@#C#F#=# ## #C#H# ## #@#@#D#;#;#A# #/## #B#.# ## #A#D#C#A#J#G##"##8####J#F###J#G#=####E####H###7#9###@#D#!#### #F#E#=#F#A#F#D#C#G#D#B##"##8#####B#E#G#B#### #C#B#J#D#G#J#J####G#$## #G#C#H#D#%## #F#?#E#A#>### #E#E##"##8####?#C#@#F#3## #F#B#D#D#F#G#D#C#?#B####C#C#C#3## #B#F#I#@#E### #C#A#B###"##8#### #?#@#B#B#@#A#B#:#D#B#C#*###C#E#9#B#4###B#=#=#A#E#+## #>#>#E#A# ## #A#?#B#?#"##8####A#>#D#F#A#D####E#@#A#A#?#B#B#E### #C#:#?#C#D#C#H#>#B#>#!## #E#A#B#B#B#;#D#A##"##8####?#I#?#F####>## #F#F#H##"##8##'##%##.#/#+#-#-#-#*#0##3#0#1#-#1#/#2#-##1#0#0#*#5#0#2#-##'##8##&##1#1#*#1#*#+#1#/##3#,#3#4#.#3#3#2##1#-#/#0#.#/#.#1##.#1#,#.#-#2#1#/##&##8##%##5#.#2#/#+#.#+#0##-#)#)#0#,#1#.#/##/#3#/#1#1#,#1#.##5#)#1#/#0#1#-#3##%##8##%##6#/#-#1#/#2#4#6##4#-#1#*#2#0#1#1##6#2#8#1#,#3#2#0##2#4#0#4#.#6#0#0##%##8##&##6#.#3#0#3#*#3#/##.#/#.#1#4#4#0#2##6#1#0#1#3#-#-#1##2#2#/#.#0#+#/#5##&##8##&##4#0#.#,#1#0#0#0##5#2#-#/#-#/#4#3##0#3#,#2#.#+#0#1##/#0#/#/#)#1#*#1##&##8##%##/#+#/#+#,#1#+#0##5#.#6#0#-#+#0#2##,#,#5#)#,#+#2#+##1#+#,#.#+#0#5#,##%##8##&##/#0#0#.#5#+#6#/##1#1#.#/#0#.#5#1##3#4#2#.#6#0#6#3##0#0#.#2#4#2#-#/##&##8##&##1#6#.#6#*#2#6#8##1#/#2#+#,#-#1#0##6#,#/#,#-#0#6#4##2#.#5#3#0#0#1#0##&##8##&##1#+#.#.#,#3#4#/##3#1#-#5#0#1#4#.##6#5#/#/#-#/#/#.##3#/#0#,#3#2#.#4##&##8##'##2#5#,#*#2#-#-#2##4#3#.#2#1#*#*#.##.#4#+#2#3#+#,#-##0#/#0#0#-#-#/#3##'##8##'##2#1#,#+#1#0#2#1##.#3#.#2#3#1#.#2##-#2#4#2#-#.#4#+##2#+#0#.#1#-#,#2##'##8##'##7#/#6#,#2#0#0#/##2#'#1#2#/#.#.#,##0#0#-#.#.#1#2#-##/#.#2#1#1#2#.#*##'##8##&##4#1#-#0#0#.#2#3##5#1#3#/#2#+#3#0##3#4#/#/#.#2#+#1##0#0#/#,#3#/#,#.##&##8##(##5#+#.#.#,#,#/#-##/#/#,#/#)#/#)#0##0#,#*#2#1#1#-#-##2#/#0#0#,#2#/#.##(##8##'##7#-#1#-#-#2#2#4##3#.#0#-#1#1#2#.##,#0#,#0#3#-#+#2##0#1#1#1#*#3#2#2##'##8##&##4#-#0#6#-#4#,#0##2#.#2#,#/#,#.#0##.#)#0#-#(#0#,#1##/#-#/#0#.#2#1#,##&##8##&##1#.#+#0#/#)#1#1##.#0#,#4#-#3#5#0##/#,#2#3#/#2#5#/##2#2#2#5#-#2#-#4##&##8##'##0#0#.#1#0#,#2#.##4#0#,#1#-#.#2#/##4#.#4#2#1#0#0#1##4#.#,#.#.#/#2#.##'##8##%##0#-#/#/#*#*#3#.##3#.#2#.#4#2#1#-##-#6#5#2#*#-#4#2##0#0#1#3#7#1#0#,##$##8##&##*#0#+#0#3#2#2#9##0#0#/#-#-#+#0#,##0#.#.#-#,#,#3#/##,#3#*#/#,#0#0#/##&##8##%##0#+#0#+#0#+#0#0##/#/#.#.#0#*#1#7##2#.#,#5#1#-#,#+##.#1#2#2#2#,#,#4##%##8##$##,#1#.#-#*#)#/#-##-#0#*#2#0#-#&#0##;#,#+#1#1#.#*#,##7#3#,#0#*#1#0#4##$##8##'##3#-#/#/#0#+#1#3##3#3#/#)#0#*#1#3##2#2#-#.#/#/#0#2##0#0#.#2#.#1#4#/##'##8##%##0#.#(#1#1#.#.#3##.#/#2#+#/#2#5#4##/#(#)#4#3#-#+#2##*#*#,#-#-#*#/#+##%##8##&##2#3#3#-#1#.#+#0##0#0#1#4#0#2#1#3##4#.#-#5#0#.#-#2##.#0#/#5#.#.#1#1##&##8#####+#/#0#4#-#0#-#-#####A#-#=###C#E#9###B#;#;#@#H#A#A#@####H#E####=##"##8####H#A#L#D#D#,###B#F#F#E#D#C#2###H#C####G#A###@#;#G#E#<#E#&###B#B#?#C###<#"##8####C#<#;#@#F###F#@#G#@#H#D#B#E#F#(###D#>#@#>#F#C####=#<#D#A####@#B#H#C#F#?##"##8####@# ###B#E#C#<#?# ###C####F#C##!###@#D#G#;#?# ###J####B#C####?#C#?#"##8####D#B#=#@#D# ###B#D#?#A#C####A#B#A#@#@#>#G# ###E#A#E#B#C#A#-###I#I#A#>#A#E#E#"##8####D####<#B#=#F#E#F######B#G#C#@#A#D#4#+###:#?#9#C#J#=#@#=#'###7###A#B#A#C#"##8####>#=#@#?#D#F#9#D#!###I#<#F#A#>#C#G#F#A#B#=#C#D#F#C#K####J#F####@#C#F#@#B#F##"##8####=# ###!###C#?#=#E#K#L#>###9#E#F#Q#M#D####=#F#B#;#@#@#9#@###E#>#<#=#@#A#?#"##8##$#A#F####A#H#C#B#>#E#<###C#D#>#@#K#F#F###7###9####K#E#F#3###G#F#E#######8#### #H#M#B#F#G#B#E#F#G#D#B#?#?## #C#G#P#/###D#@#?#=#D##2## #@#F#D#E#E#@#?#>#B#?#%#"##8#####>#>#?#A#@#E#>#<#=#@#>#B#C#D####I#D#A#?#E#4###<#:#?###G#D#=#B#?#D#D#># ##!##8#####?#-#5###?#A#=#@#6###D#D#G# ###H#D#@#A#D#H####>#F#@##9###G#E#9#@#:#?#@#"##8####C#@#7#B#8#E####G#E#H#C#B#D#>###?#>#D#>#=#H#A#E#?#?###?#E#?#A#>#B#C#=#K#?#I#C#!##8####>#I#D#A####B#@#C#<#<#B#7###@#G#'####H#A#F#F#G#F#@#9#@#B#D#:#(###F#A#>#F##!##8#####@#D#C#N####C#8#+###D#J####C#F#I#?#@#?#B#G#E#D###C#F#C#C#<#>#F# ###A##"##8####=#;#@#?#B#=#D#C#.###F#@#=#D#C#?#(###C#?#@####E#E#E#A#;#<#@#B#D#F#>#B#8###"##8##$##&###A#### #>#D#A#?#E#@#A#B#5#B#A#D#*###H#G#D#G#C#D#9## #>#H#A#F#H#D#!#D##"##8##$###;#;####I#"###@#@#B#=#C# #E#A###E#H#)###?###:#G########?#F###"##8#####>#3###B#A#=#L####,###G#D#8#F#6###C#E####E#H#.####E#@#P###C###"##8#####D#(###/## #4###@#B#A### #D#G#E#G#C#D#H#C#C#;#G#A#E# ##!##8##'##&##3#/#*#2#/#0#3#/##0#)#0#4#-#/#4#0##5#2#0#5#-#2#0#2##'##8##&##0#(#1#/#/#/#3#1##1#1#-#0#4#0#0#-##4#/#4#3#5#3#.#.##,#4#,#-#.#-#0#/##&##8##&##3#-#.#4#-#-#-#.##.#*#0#0#0#,#/#2##.#-#-#/#1#-#0#0##-#2#0#/#1#+#-#1##&##8##%##8#.#,#2#+#3#/#0##3#1#2#)#0#)#.#-##,#0#5#.#)#1#/#1##,#,#0#-#2#0#,#-##%##8##$##/#6#(#0#0#4#1#-##4#3#3#1#2#1#0#0##/#/#1#1#+#5#1#,##/#1#,#+#/#0#+#*#####8##&##/#5#5#5#,#0#.#2##/#5#.#4#6#2#3#/##2#-#.#4#/#1#/#.##3#3#3#2#1#2#5#0##&##8##%##2#,#,#6#3#6#/#/##,#1#+#-#0#/#1#-##,#1#-#.#.#2#/#-##,#,#1#1#/#0#3#.##%##8##'##0#2#2#0#.#.#/#+##4#/#/#/#.#0#3#.##6#0#,#3#/#4#4#+##)#1#4#2#0#0#/#/##&##8##&##-#1#*#1#4#5#6#2##0#1#2#2#,#+#5#2##0#/#0#/#/#*#0#1##2#+#2#-#6#1#2#5##%##8##'##3#1#/#2#/#.#1#0##0#/#0#0#2#(#+#*##.#2#2#1#.#.#1#1##,#3#0#2#,#3#2#.##'##8##$##6#0#+#2#7#-#-#2##:#.#5#0#/#.#8#6##2#-#-#/#/#+#-#4##/#0#'#.#-#-#-#-#####8##'##3#0#-#*#4#2#1#3##3#/#+#+#+#-#*#,##2#+#+#3#1#2#0#-##5#-#/#.#/#5#/#/##'##8#####0#-#+#,#0#/#'#*##3#0#:#.#.#0#0#-##1#1#4#1#+#-#1#-##0#.#0#3#-#0#/#/##"##8##%##,#-#-#-#/#*#*#5##/#,#+#*#2#.#3#1##-#0#5#/#.#3#0#,##1#)#-#,#.#.#0#0##$##8##%##2#3#,#0#0#1#3#/##0#0#0#2#0#.#0#6##-#1#3#.#1#4#,#-##3#,#2#1#.#)#4#1##%##8##&##2#0#2#,#1#0#/#1##1#/#5#2#,#-#/#,##.#*#)#5#/#-#/#1##2#.#0#/#1#.#,#+##&##8##%##/#-#-#.#4#,#2#/##2#.#,#.#+#.#-#/##/#/#,#/#/#-#/#.##+#+#.#1#$#0#+#3##$##8##(##+#4#1#4#.#1#1#0##1#/#0#0#2#-#-#)##.#,#2#1#0#0#1#*##1#1#2#3#4#,#-#4##(##8##&##2#1#*#.#4#4#/#,##3#0#.#0#1#0#/#.##-#*#3#-#5#,#,#)##4#0#0#,#/#+#1#1##%##8##$##+#-#+#.#+#-#2#0##/#1#7#2#2#9#1#0##0#2#.#-#.#-#-#'##3#,#/#1#/#.#/#.#####8##%##7#3#,#+#+#-#*#+##/#0#7#-#1#3#+#+##*#2#+#-#6#,#0#/##1#0#5#/#/#7#2#1##%##8##&##0#0#/#2#1#*#+#1##1#,#4#2#.#*#6#.##3#1#1#/#/#5#8#6##2#/#1#*#1#,#2#/##&##8##$##7#/#-#.#/#1#0#.##1#,#0#.#4#1#/#-##'#.#+#0#)#2#.#*##2#,#/#+#1#.#2#4#####8##&##3#4#3#4#4#/#+#4##4#.#0#0#.#0#-#2##0#3#.#5#2#4#)#+##*#0#0#0#1#.#4#3##&##8##%##,#1#1#,#.#.#-#0##+#1#-#-#1#1#0#5##1#0#-#*#.#.#/#5##+#2#0#.#7#*#0#4##%##8#####/#*#1#/#3#3#4#.#####I###F#C#C#G#C#=#C#F#######=#A#%##"##8#####D#D#C#E#C#E#C#,###@#?#F#=####F#B#B#D#C#F#A#I#=#9#4###E#H#C# ###H#9#@#F#"##8####F####F#F#B#B#B#C#E#C#A#=#D#D#A#E#C#H#C#C####C#A#F#F#)###D#B#K#?#D#D#G#@#G##"##8####:#.###F#B#9#D#E#B#@#I#H#@#?# ###8#E#B#C####@#F#@#=#B#C#A#(###;#8#=#C#E#B#!##8####@#F#C#1## #C#C#C#E#I#H#1## #A#F#D#A#D#H#D#L#M## ## #H#H#H#A#I#C#F#A## #>#A#J#D#"##8##$#;#A#I#?#C#>###$###E#E#B#H#H#D#?###H#K#####7#"#=###=#0###F# ###"##8##$##A#F#I#@#####>#I#E#<#F#?#@#0###?#=#C#G#E#I# ####C#D#4#/####>#@#G#G#@#"##8####=####D#F#H####J#A#-###F#;#)###?#0###J###@#@#B#B#?#E#D#B#?#G###C##"##8####B#<#<#C#9#D#C#B#B#F#>#C#C#@#5###@#C####G####A#@#A#B#E#F####E###0###"##8#####@#E#E#?#<#E#@#D#,### ###H#?#+## #E#@#<#B#>#F#@#C# #L#O#9###B#:# ###:##"##8####>#@#>#F#C#@#=#D#@#@#C###D#C#?#C#A#=#A#<#:#:###<###D#F#/###C#F####*##!##8####F#*###.## #I#'###-### #@#D#G#"## #>#>#D#D## #D#A### #A#E#@#E#F#C#D##"##8####># ###'###@#A#?#A#C#A#=#F#F#6###A#;###D#C#<####A#G#G#=#=#H# ###H# ##!##8######C#A#>#B####A# ####@#:####)###F###?#>#C#D# ###;# ###=###"##8#####D#I###@#D#?#E#E####D#A#1###A#8###>#C#B#E#?#2### #D#B#D#># ###;##"##8##$#F#J###9###@####!## #E#F#J#I#;###@#>#B#<#9##<#C## #E#B#>#?#C#>## #E#"##8####A#E#>#B#<#=#D#A#:#>#E#C#B#@#I#?#B#A#A#C#H#C#7#:#K#####B#D#D#D#A#F#A#?#I#B#F# ###!##8#####>#@#C#@#F#E#D#D#>#>###?#?#E#H#9###*###>#D#C#F####=#B#:#9###F#C#B#C##"##8####H#E#@#<#K#E#@#9#@#H####D#####F#A#B#?#@#E#A#G#?#@###;#?#E#####<#E#%##"##8##$#####E#@#9###G#J#>###8#####8##&##$##-#.#,#6#2#,#.#3##2#+#*#6#+#*#/#1##0#2#.#.#4#0#+#,##%##8##'##1#-#.#6#6#)#,#4##0#/#0#4#)#/#.#0##,#0#1#/#3#1#*#.##.#*#0#-#/#0#3#0##'##8##'##1#3#.#4#-#2#-#0##/#)#3#.#1#*#0#1##3#2#1#0#.#.#4#*##2#/#0#2#+#,#3#.##&##8##%##0#/#,#)#.#1#-#4##4#0#-#5#.#2#0#*##*#0#.#1#+#1#.#3##5#.#1#2#0#8#.#1##%##8##&##+#-#6#2#/#+#.#/##0#-#5#0#.#3#.#,##0#.#*#2#0#,#0#/##.#-#-#1#,#/#2#1##&##8##'##/#0#1#.#.#,#*#.##2#/#1#1#'#)#1#2##0#/#1#2#1#2#/#/##0#/#0#+#.#4#3#,##'##8##%##4#+#0#*#-#/#2#1##+#,#.#-#-#.#.#5##+#.#.#/#,#0#/#.##1#0#5#,#+#/#-#0##$##8##%##3#0#2#2#0#/#,#2##2#+#)#.#+#1#0#0##)#,#(#-#,#1#,#.##6#0#.#0#.#1#3#6##$##8##&##2#-#1#.#2#.#+#-##7#/#/#3#0#2#.#1##,#3#.#3#1#5#1#4##+#0#1#2#-#/#4#1##%##8##%##-#0#.#)#,#)#-#.##/#+#,#1#/#6#/#/##-#1#,#.#-#+#/#2##3#-#.#2#0#2#2#1##%##8##$##1#0#-#0#)#*#1#0##0#/#3#,#.#.#2#4##0#/#4#-#6#1#-#0##1#+#0#.#0#)#,#/#####8##$##4#,#/#,#/#.#1#0##9#-#0#1#,#4#,#-##2#0#/#-#.#2#3#0##0#.#-#0#.#*#/#0##$##8##&##0#2#3#-#,#/#/#2##4#/#1#0#1#/#4#4##4#+#0#4#/#1#6#2##0#.#0#1#/#-#)#,##&##8##%##*#.#+#.#1#2#2#.##/#+#/#/#)#.#,#,##0#2#6#1#*#7#2#3##0#/#1#.#/#4#/#3##$##8##&##.#.#/#0#,#3#8#4##3#.#1#3#5#.#0#-##0#5#-#4#7#-#0#3##3#1#/#.#1#2#1#4##&##8##&##.#6#3#3#5#5#0#2##.#3#.#0#0#*#4#.##.#+#/#.#0#7#0#1##5#2#5#4#1#.#2#.##&##8##%##,#3#-#0#.#2#4#7##,#1#1#-#0#2#0#4##0#-#-#/#2#.#/#/##0#1#+#*#1#0#,#+##%##8##%##5#.#/#.#*#2#3#,##/#+#0#3#/#,#,#4##3#3#/#.#0#0#6#-##/#0#8#2#+#3#(#.##$##8##&##2#*#3#/#0#1#2#-##.#2#/#2#0#*#3#4##1#0#*#)#0#)#5#1##5#-#.#.#0#.#0#4##&##8##$##,#*#)#-#1#(#*#/##+#,#/#/#-#,#0#4##+#.#-#*#/#-#-#7##2#*#-#/#+#0#-#6##$##8##(##/#-#2#.#0#,#0#1##2#4#0#-#0#0#0#0##-#1#-#-#1#.#3#0##-#.#0#.#2#/#3#3##(##8##&##1#-#1#,#.#1#0#/##0#/#*#4#.#-#2#/##3#2#.#3#.#.#.#0##1#+#1#0#,#+#2#6##&##8##&##2#,#0#-#0#/#0#+##6#1#5#/#2#0#2#5##+#-#1#.#3#1#3#2##/#,#0#,#0#-#1#,##%##8##&##0#.#1#.#/#-#-#4##5#.#-#/#.#3#0#-##3#1#2#2#,#0#-#3##/#/#/#0#.#1#4#+##%##8##%##2#/#1#.#-#2#4#0##3#2#.#0#.#.#,#/##1#,#/#4#3#/#0#0##3#.#0#,#/#.#0#/##%##8########J#E#E#=##'###8#C#?#A#H#?#A#C#@#E#B#?#F#:#G#C#F#C####G#D#E##!##8##$#G####)###A####I#I#7###D#C#1#+###A#C#5###P#F###H#F#A#3##=#3#"##"##8##$##B#1###F#@#B#B#I#B#7#C###6######G#D#E#@#A#G#*###/####<#&###G#J#####8##$#?#C#C#E###C#?#F##/###C#A#L#H#@#E#!##-#.#*#2#0#.#/#1##B###@#D#@#?#A#-######8##$##A#G#F# ###E#E#G#I#D#G#C#C#+###D#C#>#A#E#=#F#####A#D#G#J#E#J#D#7###=#F#"##8####D#B#D#D#<#E#H####G#B#B#E# ###@####D#B#####B#E# ###C#C###<#B# ##!##8#####E#H#C#E#K#%###?#<####B#>#;#?#K#-####D#A#C#-###E#7###E#D#D#7#I##"##8#####B#@#@#A#D#G#B#?#E#C# ###<#1###B#<#/###7###;#E#=#A#G#C#F#C#G#>#E#?#>#G##!##8#####;###>#?#F#F#G#)### ###B#=###E#=#H#D#G#D#E#?###:#D#E#?#;#:#G#(##"##8#####G#:###A#=#"###0###G#G#J#I#1###C#?#A#D#4###C#+###G#C#@#@# ####=##"##8####B#C#B##7###G#>#E# ###A#D#<# #4###C#>#@###C#H#B#0###/###A#G#G####"##8#####C#E####F#A####1######C#@#A#A#C#@#D#D#?#E#H#I#C#;#A#E#$###<#=#;#A##!##8####9#D#A#5###G#A#>#G#@#D#D#B#)########?###?#B#G#C#;#:#B#<#@#D#C#!#####"##8#####D#####@#D#(###K#F#C#?#C#?#A#+###G#E#D#C#I#D#D#?#=#?#D#># #######@##!##8#####/###H#D#E#C#B#B#A#4###;#C#;#;#C#>###E#D#F#5###?#;#;# #-###A#B#<#F##!##8##$#G#4###D#D#%####D#3#4## ####K#H#A#<###F#@#####E#D#<###B#B#H#A#####8####B#<###D##8###E###@#A#<####K####*#0##"##8##'##%##.#,#6#1#0#-#/#+##-#1#1#2#1#.#/#4##5#0#7#+#/#2#/#6##&##8##&##-#3#+#.#.#4#/#+##0#.#,#4#/#-#0#/##3#+#0#+#0#2#/#2##1#8#0#+#3#5#1#7##%##8##%##5#2#1#,#+#1#.#2##-#2#4#1#)#2#/#,##1#2#)#7#/#,#0#3##+#1#/#*#7#0#/#2##$##8##&##/#2#-#0#3#/#,#-##3#0#4#2#+#1#/#6##/#4#/#)#.#/#0#2##.#,#2#0#3#0#,#+##%##8##&##1#,#1#,#1#3#+#,##/#1#1#/#/#,#-#4##2#1#/#/#-#-#0#.##6#/#,#1#.#,#1#2##&##8##'##-#.#3#3#,#0#2#6##)#2#*#6#/#1#/#+##3#/#/#)#0#+#/#/##/#.#)#-#+#7#3#/##&##8#####1#-#'#)#*#'#.#3##/#3#:#.#4#-#1#0##+#-#0#*##5#,#.#,##3#-#(#)#0#*#,#6##"##8##&##+#/#-#.#+#3#.#+##/#/#4#/#3#-#.#3##2#.#2#1#3#1#1#.##9#.#/#0#7#,#-#.##%##8##&##/#-#-#0#0#1#*#5##5#0#/#2#0#/#3#2##/#*#*#2#.#2#2#3##-#4#0#7#1#4#+#.##%##8#####-#3#)#0#*#1#,#1##/#*#,#0#1#.#-#-##9#/#.#0#0#-#1#1##.#*#-#.#-#/#1#6##!##8##%##.#0#-#0#.#3#*#/##1#.#,#.#.#*#5#7##.#(#1#+#-#*#2#,##/#)#/#+#)#.#'#.##$##8##'##1#3#,#-#-#.#3#0##2#2#-#1#,#3#1#.##+#1#4#/#)#+#0#2##0#/#2#,#.#0#1#1##'##8##&##.#/#2#/#0#*#.#,##*#&#2#0#.#0#+#.##9#-#5#1#0#/#.#-##/#-#/#0#*#/#2#.##%##8##&##1#0#.#/#+#-#4#5##.#2#(#.#/#-#0#/##.#-#.#-#,#)#2#.##2#'#3#-#/#/#4#/##%##8##%##-#/#.#5#3#1#/#/##.#*#.#/#*#+#.#*##0#5#3#0#*#-#4#1##0#4#-#0#0#/#-#+##$##8##&##5#.#5#4#-#,#-#-##.#/#7#0#,#2#0#3##0#.#.#-#2#3#.#3##2#,#-#3#2#1#0#.##%##8##&##*#*#-#-#+#,#,#1##/#2#1#3#1#/#1#.##*#.#.#.#)#/#1#4##3#1#,#0#.#1#6#3##%##8##%##.#,#2#)#4#-#2#5##.#-#2#1#.#.#/#/##4#,#+#,#/#0#0#.##4#6#/#.#5#0#6#.##$##8##'##3#0#1#2#6#-#*#.##-#1#5#/#1#1#-#0##5#.#/#0#/#+#4#,##.#.#/#+#,#/#-#1##'##8##&##4#1#,#0#.#/#5#'##1#1#,#3#+#3#3#/##2#0#2#2#*#2#4#2##4#0#+#1#-#+#1#5##%##8##$##+#,#-#-#-#*#/#1##0#/#4#3#/#2#1#3##3#(#4#/#.#,#+#,##2#-#0#,#2#5#/#+#####8##$##5#,#,#)#)#-#.#0##0#*#2#0#2#3#0#+##6#0#1#0#5#3#1#/##.#4#2#+#2#*#0#1#####8########F#># ###@#>#?#.###>###H#E#@#F#7#D#E#D#E#E###D#B#D#:#=##"##8#####C#D#I#9#B##4###H#?#B#F#A#J#:#E#H#)###H#H#G#F##C###C#B#E#B#8#=#>#=#>#C#D##"##8####D#D#@#F#?####D#J#####I#H#G#@####A#C#C#F#?#E####B#?#?#E#I####D#G##!##8####@#F###C#A#A# #I###C#@#C###B#>#F#F#F####>#?#>#>#E#<#C#H# ###E#G#B#F#D##"##8##%#C# ##&#'#%#(#&#&#"#'#(#'##5##:#B#A#>#C#2###K#H#D#-###:#>#E#<#?#=#=#E#E#?##$##8####B#@#>#?#9#6###G#O#;###A#>#B#E# ###E#?#A#%###C#;#C#C#H#D###A#>#?#C#C#B##!##8##%#B# ###!###G#$####D#B#@#F####I######D#B#># ####@#4##6#.#0#A#0##$##8####/#,##3##,######I#E#A#A#?#D#####?#8# ###F#E#@#E#E#;####=#F#E#A#5##!##8####@#J#G#B# ###C#D#C##&###C#A#E#A#A#A#C#@#?#H# ###?#E#>#>#@#A#4###>#D#A#N##"##8####C#=# ###<#C###C#8#A#A#B#C#C#=###D#?#C#B#;#H#@#@####A# ##=#>##1###@##"##8##$#>#>#@#A#E#*###B#B#<#9###;#?#D#A#H#=#A##<###=#E#E#2#I# ###G#I#D#>#:#2#####8#####D#C#@#A#A#?#B#E#E#C#H#E#@#I#A###:#8###D#H####C#?#@#F#<###<#D#:#@#A#<#A#"##8######F####I#A#H#C#D#E#A#<#=#$###>#?#H#D#?#+###:#E#C#?#<#>#B#F#A#@#E#D#I#C#C#F#!##8####I#!###F#I# ###D# #;###F#B#H#E#?##1###?#=###G#G#G#B#D#D#F#@#D#A#@#A#F##"##8########=####F#?#C####D##%###F# ###,#>###,###C#C#A#=#8#># #!##!##8#### #F#K#'###*## #J#=#D#B### #>#>#A#J#-## #=#H#=#E#M#@#C#@#### #I#G###"##8##$# #E#D#E#E#C#A#F#D#=#E### #D#D#G#E#5#"## #C#G#@#E### #F# ## #F#A#J#F#?####"##8#####B#D#'###C#?#E#@#A#?# ###D#A#F#D##+###=#@# #"###C#B#B#C#####G#H#D##"##8####?#F### #D#4#%## #D#####8##%##$##*#-#1#.#2#,#.#.##2#2#2#/#/#7#/#-##0#0#.#1#.#-#3#1##%##8#####-#-#0#2#/#.#)#2##.#-#3#/#7#-#.#6##/#2#(#.#)#(#1#.##1#.#;#.#7#+#0#/##"##8##%##4#+#3#0#+#1#)#/##2#1#-#3#0#*#0#5##8#-#3#1#.#.#1#2##8#.#0#0#1#.#2#-##$##8##&##2#0#.#/#4#1#4#5##3#.#1#1#0#-#/#/##5#0#0#/#1#-#.#3##1#3#1#*#+#3#/#2##&##8##%##-#2#3#+#.#3#2#)##.#,#.#/#3#.#4#1##4#.#/#,#,#/#/#/##1#4#.#2#,#)#-#2##$##8##&##/#2#/#1#3#3#2#0##/#,#3#-#,#.#0#/##3#2#/#,#,#0#4#0##0#5#0#6#3#1#2#5##%##8#####3#4#.#3#2#0#,#+##1#.#+#/#5#1#,#+##4#5#*#0#:#+#*#,##0#/#,#2#,#0#*#,##"##8##'##2#/#5#0#2#0#1#1##0#2#/#.#4#3#0#3##/#,#.#3#1#0#/#6##0#0#0#+#2#+#1#5##&##8##$##9#*#.#5#-#6#*#+##1#,#.#,#4#3#*#)##+#,#3#-#0#/#.#.##+#.#0#6#0#0#0#0#####8##$##/#,#.#+#*#/#7#/##6#'#-#5#.#,#,#2##1#/#1#0#-#+#/#.##3#,#3#5#*#.#3#*##$##8##$##0#0#,#-#2#2#/#0##3#3#2#:#2#3#,#*##4#+#1#-#0#-#3#.##3#0#6#+#-#.#,#-##"##8##&##0#1#-#(#/#/#,#/##.#1#.#.#1#/#3#6##2#+#,#,#1#2#.#3##1#*#,#1#-#2#/#0##&##8##%##:#.#-#3#1#,#2#0##1#2#4#1#3#2#/#5##4#,#1#,#5#.#+#.##1#-#1#,#4#.#2#6##%##8##%##,#0#-#+#/#+#3#0##0#.#.#.#-#2#*#2##2#4#/#-#.#,#-#0##/#3#5#/#6#1#-#2##%##8##(##(#.#-#-#/#0#0#-##.#4#+#0#0#-#3#/##,#2#-#0#2#2#2#2##2#0#.#2#1#2#0#1##(##8##&##3#-#1#-#-#1#0#,##2#4#6#/#2#0#2#,##/#-#/#-#0#-#0#,##0#0#-#4#/#4#1#+##%##8##%##1#/#*#-#-#-#+#/##3#*#0#,#)#/#+#.##6#4#1#1#-#-#0#2##2#-#-#0#4#,#,#0##$##8##$##5#+#8#/#/#6#,#,##*#5#-#0#2#(#.#+##4#-#,#5#,#+#2#.##-#.#.#*#3#0#0#8##$##8##$##3#.#1#8#.#5#/#0##1#)#/#'#0#0#.#1##2#2#5#1#+#-#.#-##4#3#,#-#+#0#,#2#####8##'##/#0#*#/#.#,#+#/##.#,#*#/#,#1#2#0##4#.#-#3#*#/#,#1##5#/#-#.#3#1#1#0##&##8##'##0#1#.#+#-#,#3#.##0#+#/#+#-#.#/#+##-#5#0#)#2#*#3#/##,#/#-#*#/#0#3#3##&##8##&##3#0#4#-#5#-#-#.##,#.#5#2#.#3#4#/##-#1#0#/#.#+#4#.##+#2#-#.#,#(#)#1##%##8##&##(#/#,#0#*#2#+#/##7#-#-#+#.#-#1#.##.#2#1#+#1#/#2#0##,#0#.#2#/#/#0#1##%##8##%##1#.#1#6#0#.#-#0##/#.#1#4#'#,#0#,##.#(#(#/#4#-#3#,##2#,#,#.#.#/#2#,##$##8##%##/#/#*#.#&#0#-#/##+#1#,#3#-#3#.#0##+#,#1#,#,#7#.#1##0#/#1#.#,#+#3#1##$##8########I#=#F#B#D#>#"###B#C#=#!###B#<#I#D#A#A#F#K#E#D#B#4###<#@#?#D##"##8##$#B####F#?#D#H#?#H#/###@#B#F#B#G#2###G#F#B#G#D#>#F#C####@#D#C#C#C##$##"##8#####A#.###@####C#?#@#A#?#E#F#@####F#@#A#D#E#>#E#@####*###B#7####>##"##8####B#A###>#C#E#?#<#H#@#>#C##0###C#D#####C#D#B#;###B#C#F#C#@# ###B#C#@##"##8####E#?#B######G#A#D#D#:#A# ###@#G#A#<####E#F#>#>#B#<#?#C#D#C#C#,###@#=#C##"##8####=####A#C#C#E#E#A#D#B####C#G#C#C#F#@#>#E#A#?#D#C#G#C#D#B#?# ####=#C#@#B#C##"##8####A#B#C###C#?#@#D#D#@#A#>#>#"####B#E####>#?#F#?#D#<#D#E##*###E#B#@#D#D#<#"##8####<#B#.#8###F#F#?# ###A#>####<#F#C#E####B#D#E#=#@#?#F#8###C#@#># ##"##8#####>#@#B#A#9#B####B#H#E#<#F#F####F#?#E#B#F#C#J#<#E#!###@#B#D#A#C#E#<#D#$##"##8#####<#?#####C#?#@#A#@#E#?#F#3###=#D#C#B#C#;###B#;#E#;#=###G# ###F#B##"##8##$#;#8###H# #"###B#J#1###D#B#G#I#J####A#?#@#D#J#A#:# ###I#@#J#8###B#####8####G####F#=#?#"####>#D#E#J#,###@#$###D#E#J#:###E#B#<###@#B#B#F#D#A#B##"##8####F#B#C#F#H#<#A#:#B###G#I#@#I#>#A#A# ###I#J###F#G#A#G#D#?#<#C#@#B####E####"##8#####9###F#@#3###K#E#E####C#=#@#D#?#:#A#E#J#@#F####A#J#D#)#!###F#C#<#E##"##8####C#F#A#D#A#A#"#"###C####F#>#E####@#F#G#?#;#=#F#D#C#A#:#=# ###C#F#K###"##8#####E#B# ###B#B#A#D#B#A#=#4###G#B#E####*###B#=#F#I#B#A#B#J#A#B#E# ###@##!##8####E#B#F#B#?#F#F#C#H####<#+###I#H#C#9###A#H#E#J#D#?#A#H#C#F## #F#H#H#D#C#H##"##8##$#A####J#F#9#,###D#9#:#@#?#A#E#1#!###D#C#H#D#B#-###F#F# ###>#J####H##"##8##$#I#D#A### #A#B#<#B# #"## #G#9###C#H#A#9## #<#J#F#*## #F#D#E#F#B#C#-###9#####8#####B#3##8#9#8#5##/##4###0###*###A###C# ###,###D#:####@#A##"##8#####C####C#B#G#I###D#H#H#F#K#@#C#A#C#C#G#A#?#D#B#@#*###C#G#I###E#A#$##!##8##&##%##*#7#3#2#-#+#-#6##.#,#/#/#-#,#.#)##1#.#1#-#.#+#1#,##&##8##%##0#2#/#/#)#2#0#2##0#.#-#0#'#0#*#*##5#/#0#/#2#+#/#*##-#.#2#-#/#0#+#+##%##8##'##,#0#+#2#5#5#.#0##1#.#1#-#,#,#3#-##+#*#3#2#2#/#2#2##1#.#4#1#0#1#/#3##'##8##'##.#.#*#1#3#,#3#5##2#0#0#/#2#,#1#1##.#1#2#0#,#1#,#3##0#/#3#4#0#/#0#,##'##8##&##-#/#-#.#,#+#/#-##/#-#+#0#/#2#0#4##0#+#3#2#.#.#1#0##/#0#/#-#+#/#6#2##&##8##'##3#)#0#3#-#,#/#.##+#.#,#0#0#)#*#/##0#*#/#0#/#(#.#/##1#0#-#0#1#-#2#3##'##8##&##1#1#/#-#.#0#0#.##/#1#2#&#3#2#/#-##-#.#1#/#/#.#.#5##.#/#-#8#1#0#.#/##%##8##'##0#-#+#-#*#+#1#,##4#,#/#-#0#)#1#-##,#/#,#0#3#-#)#-##0#1#0#.#0#-#.#2##'##8##&##.#.#,#/#/#,#1#2##1#0#/#/#,#0#4#-##-#5#-#+#1#1#/#1##.#/#1#2#2#-#/#3##&##8##%##/#0#.#+#3#.#+#,##3#.#0#-#6#2#)#)##-#/#1#2#,#.#3#/##-#+#,#1#-#0#/#0##$##8##&##.#/#-#/#-#0#%#1##1#+#-#3#2#+#1#-##1#2#0#/#1#2#/#1##1#/#.#3#1#0#-#-##&##8##&##/#*#6#1#*#-#3#-##-#-#,##6#-#0#.#0##1#0#3#1#+#/#.#+##1#1#+#0#0#.#3#0##&##8##'##/#3#2#4#.#0#/#/##0#/#3#0#-#,#.#+##-#,#-#/#.#3#1#-##.#0#-#-#0#-#,#+##'##8##&##3#-#0#3#5#+#.#0##0#2#.#0#-#*#.#/##2#+#2#1#-#/#-#'##4#/#/#.#-#2#0#4##&##8##&##/#*#-#/#1#+#.#,##2#1#2#-#.#0#,#0##.#-#,#/#/#1#.#-##0#5#6#5#/#/#/#-##&##8##&##*#0#/#+#0#+#/#5##.#5#1#1#/#+#.#.##,#-#5#-#/#,#2#+##3#+#4#.#+#/#+#,##&##8##&##.#/#+#2#+#.#2#0##4#2#3#,#,#-#+#/##2#.#4#/#4#-#+#.##5#-#-#*#8#*#2#1##&##8#####,#1#/#1#,#/#.#.##2#5#.#,#2#-#2#7##+#0#.#.#5#0#3#/##2#6#*#/#-#2#1#-##"##8##&##0#2#*#0#(#0#3#1##0#*#6#0#2#3#2#2##2#0#2#/#1#1#2#/##-#+#0#.#/#+#/#0##&##8##%##-#*#3#0#,#.#/#2##1#.#.#4#-#4#9#*##4#2#6#0#/#0#-#8##2#(#.#-#2#+#5#.##%##8##%##0#1#0#0#2#.#.#/##1#0#-#0#/#0#/#5##-#3#.#*#0#+#/#-##1#)#4#0#3#.#0#5##%##8##&##7#/#+#4#2#0#*#1##/#.#1#+#3#-#2#3##4#4#/#/#/#/#,#-##/#1#/#3#.#0#-#6##&##8##'##0#,#/#1#2#3#.#2##4#-#0#/#,#*#4#.##-#0#1#,#+#.#0#3##1#-#2#/#1#/#+#/##'##8##%##0#0#,#-#3#0#0#0##-#2#1#.#5#-#+#+##6#5#/#0#2#0#+#7##2#-#-#2#)#4#0#/##%##8########<#>#B#0###B#D#G#@#?#C#B#B#G#D#E#D#A#<#A#D#6###@#F#B#>#8###>##!##8####=#<#A#G#@# ###>####E####>#<###H#@#-###B#D#E#G#B#=#D#A#A#$#M####E##!##8####H#E#C#D####H#C#>#D#?###D#@#G#A#E#E#C#@#E#<# ####B#C#C#C#B#E#I#D#<#B#A#?##"##8####B#D#B#F#>#B#A#F#B#=#A#A#?####J#I#E#/###?#?#D#C#G#;#A#E#H#@#A#D#E#B#G#F###!##8#####K#C#@#5#A####D#B#=#D#E#E#H#A#=#H####F#E#C#F#=#<#F#K#G#)###F#F#F#@#!##!##8#####E#D#D#E#H#A#># ###>#E#D#E#B####G#?#;#E#H#E#># ####H#C#?#D#>#B#P#A#@#@#@##"##8####B#D#>#A###9#3###@#<#?####E#E#F#F#D#A#A#@#D#E#.####A#C#<#D#D#>#>#D#@# ##"##8##$##G#D#4####C#>#G#>#<##4#9#8##B#B#8#?#;#G#D#D#A#+##5#.##C#?#@#B#A#D#;#C#D##"##8##$#?#E#G#=#B#C#I###1#0#D##E#@#>#D#D#:##3#)##G#C# ##=#C#A#<#B#D#$##B#K##"#####8#####C#E##;###D#%###B#H#F####H#;#F#A####J#;###F#D#B#?#C#####C#=#=##"##8##$#;#@#D#B#A#H#@#B#@#>#2###?#>#E#=#C#B#B#$###G#F#E#####G#+##9#8#8##2##"##8####E#!###A#1###<#D#A#>#(###K#F#A#D#C#.###F#(#D###>#A#=#E#D#@#>#H##I#F##"##8##$#A####D#H#F#G#7#1###E#F#E#'###D#E#F#?#A#7##5#8#8##A#A#@####E#>#;#B#D#####8####D#;#E######H#D#)###A#A#@#F#D#J#B###G#C#@#@#B#G#>#E#H####G#K#E#B####!##8#####F#@#B#F#?#>#C#A# ####D#@#A#G#C#B#=#F#?#A#B#@# ###C#C#E#F#B#I#@#-###C#B#A##!##8####D#D#F#A#E#D#<#<#E#H#<#A#,###A#I#,###A#F#?#A###=#D#E#A#B#A#>#H#!###A#F#.##!##8####6#7###B#>#@#H#C#@#?#"##2#/##4###?#;#>#E#=#?###D#B##2#5###J#=#A#G#=#G##"##8##%#># ##2#0#-#.##1###B#Q#####C#G#E#.##&###'#*#+#(#)##8##E####"#/#/##"##$##8#####K#B#G#H#D#C#G#E#>#D#B#@#<####7#;#=#F#?#D#A#?#D#G#F#E#B#B#@#E#A#*##?#<#@#B#D##"##8##%#C#?#C#A#D#A#@#E#F#H#A#A#=#D#A#=#H#L#J#O#G#D#A###G#B#<#B# ##,#-#3#-#2#1#&#!###/##$##8##$#(#+##0##4##D#A#C#E#E#@#C#B#>#D#>#?#C#F#E#?#B#;#A#<#B#E#C#D#B#@#F#D#####G#B##"##8####B#G#B#G#F#A#C#>#C#E#G#?#C#;#D###?#D#E#D#H#B####E#;#D#E#0#E#6###?#I#8###"##8##$##G#@#!###G#G# ####D#?#I####J#&# ###=#F#I#A# ###C#>#H#C#E#####E#####8####H#G#8#?#1###?#?#@#C#F####B#A#B#=#E#G#1###@#G#A#A#:#%###H#M#8###A#B##"##8##$#A#1## #J#A#B#G#L#C## #<#@#>#E### #L#Q### #>#E#C#F#G#D#E#=### #G#M#H#H#%#####8##$# #E#C#M#O#Q#M#F#+##'#;#-## #B#G####=#C#>#### #A#H#D#F#A## #E#<#?#H#E#E#F#####8##$#####A#C#F#E#<# ####B#A#F####=#C#D#D#B#A#B#<#E#@#C#"##+#6##/##6#E#<##"##8####B#*#;#A# ###H#-#B###H#D#A#=###B#C#F####H#D#D#J####G#;####D###!##8#####P#D#E#C# ##"##8##'##%##/#*#-#,#2#.#0#5##4#0#+#,#/#/#2#+##2#4#1#/#*#4#1#.##&##8##%##,#+#2#.#3#2#)#/##-#/#7#,#-#6#-#(##1#-#0#.#0#)#*#(##-#4#*#,#+#0#.#3##$##8##%##1#2#.#1#*#3#7#2##/#-#,#1#.#0#2#2##,#0#-#-#0#/#,#0##.#+#2#.#+#2#,#0##$##8##$##*#*#0#-#-#-#6#+##/#(#/#-#+#,#1#1##/#-#2#,#1#+#2#/##,#3#-#+#.#,#-#4#####8##&##1#7#2#0#6#-#2#/##3#6#-#2#,#2#/#4##0#-#2#2#4#.#,#1##-#2#.#1#2#.#4#2##&##8##&##2#2#2#1#+#1#+#-##/#2#2#+#/#0#2#4##3#0#4#-#/#1#2#2##5#-#.#1#4#2#,#6##&##8##&##2#2#0#1#5#1#/#1##3#3#3#-#)#,#8#*##1#-#0#/#1#-#,#+##2#-#1#-#6#,#3#.##&##8##%##3#7#1#,#1#,#2#.##2#4#.#1#3#/#/#.##-#7#1#2#,#4#/#-##4#/#.#.#1#.#,#+##%##8##&##:#-#6#2#2#1#/#,##2#1#4#-#-#0#2#4##0#0#0#4#.#/#+#+##/#2#2#1#*#4#0#.##%##8##$##2#,#+#3#-#/#/#-##1#0#-#0#-#-#0#2##+#-#+#/#*#2#0#.##5#/#1#0#0#0#6#7#####8##%##/#3#6#1#*#0#2#2##/#.#4#,#0#.#+#-##-#0#3#,#/#)#8#1##3#/#5#-#*#.#.#,##$##8##&##0#1#1#%#,#1#.#-##/#3#3#1#0#4#1#4##1#1#-#,#+#-#,#4##0#1#+#3#4#.#0#2##&##8##%##*#3#/#2#/#1#1#.##3#7#-#0#+#,#7#1##5#/#)#*#,#2#.#/##/#*#,#*#(#1#1#1##%##8##&##2#+#4#.#0#2#+#/##/#2#/#/#1#/#4#0##+#2#,#/#+#/#0#-##0#+#3#1#1#0#/#3##&##8##&##7#,#/#/#+#3#.#.##3#.#/#3#*#4#3#,##.#/#,#/#.#2#0#/##1#4#.#/#)#/#-#.##&##8##$##.#1#0#0#1#1#*#/##&#.#-#,#'#0#0#+##2#+#/#0#3#5#,#-##/#/#,#+#/#.#3#1#####8##%##0#'#0#,#0#/#0#,##)#3#-#'#)#,#-#-##2#0#1#0#.#*#1#0##.#,#1#5#6#,#*#6##$##8##%##.#,#0#1#3#1#3#,##*#-#,#4#+#/#5#5##6#-#/#1#4#-#3#-##7#+#3#*#1#4#.#7##%##8##$##3#3#2#+#.#+#.#3##7#,#.#.#,#1#1#9##5#.#-#/#5#+#0#*##/#,#*#/#/#/#/#*#####8##$##0#,#-#*#2#1#-#0##0#2#2#+#/#)#3#.##0#0#/#5#2#8#3#3##/#1#-#-#5#*#3#0#####8##$##1#-#/#0#/#.#8#8##3#2#/#2#,#)#5#/##-#3#*#-#+#/#/#0##3#.#/#-#+#2#0#2#####8##%##0#,#-#-#-#/#-#2##5#-#0#*#/#.#/#4##/#0#3#0#0#.#4#1##1#-#.#/#.#2#)#)##$##8##&##/#3#/#5#)#-#/#4##.#/#)#+#4#1#.#/##.#4#,#.#/#3#3#1##1#3#1#1#3#.#2#0##%##8##&##3#2#0#-#0#3#0#1##1#-#+#)#/#.#+#-##3#3#'#*#)#6#-#.##.#/#,#0#.#-#2#0##%##8##&##.#3#0#2#.#/#,#4##,#-#*#2#*#5#-#*##2#.#6#2#2#3#/#2##3#+#-#0#3#/#/#/##&##8##&##4#/#0#.#3#4#*#,##/#2#.#2#3#1#3#0##/#.#0#3#4#3#2#0##5#1#1#4#/#0#2#0##&##8##'##,#3#2#/#-#/#0#2##4#-#/#.#*#0#.#0##5#+#3#/#/#,#2#2##0#+#+#3#+#.#-#2##&##8##%##6#2#,#/#,#.#,#2##.#-#'#/#.#2#-#2##2#+#-#+#0#,#0#8##.#1#-#0#2#4#.#1##$##8##%##.#1#.#8#+#.#1#+##/#1#1#5#4#3#1#.##2#1#0#.#.#1#0#0##/#.#/#2#-#)#0#-##%##8##&##/#3#1#0#3#2#1#0##2#/#0#2#,#.#6#2##3#0#1#2#3#/#.#1##1#,#1#+#0#/#/#-##&##8##&##.#)#*#.#-#-#/#,##2#/#3#1#,#/#2#2##3#/#0#4#-#.#0#2##-#2#.#/#.#,#0#*##&##8##&##4#+#2#-#2#0#/#.##0#7#/#5#1#6#-#1##2#0#1#4#1#4#*#3##0#1#0#3#0#/#5#-##&##8##&##/#1#1#,#3#+#'#*##6#0#2#/#1#.#/#3##2#7#+#.#1#4#+#-##3#1#0#,#/#3#-#0##&##8##'##-#+#-#0#/#0#2#0##6#1#.#.#0#0#0#0##2#,#1#,#3#+#2#2##2#/#1#2#7#1#2#/##&##8##%##6#8#.#1#.#,#-#*##3#+#/#.#,#0#.#-##1#/#1#-#/#.#2#.##.#1#-#2#+#/#3#,##$##8##%##4#/#,#1#-#,#/#-##0#/#(#.#2#.#0#3##,#,#0#0#,#/#*#+##3#2#,#,#.#&#3#5##$##8##%##.#2#-#-#-#0#2#-##5#/#1#/#5#5#+#0##1#3#-#.#0#2#5#.##2#3#.#0#.#.#*#/##%##8##%##0#0#0#1#0#2#-#1##,#.#+#4#/#.#/#6##-#,#(#,#1#2#+#1##1#4#/#.#/#0#0#5##$##8##&##3#/#0#2#0#1#2#/##,#+#-#/#+#1#/#/##4#.#/#/#1#-#3#2##4#2#+#.#6#/#-#/##&##8#####1#.#.#,#*#1#1#-#####C#G#H#F#C#F#?#D#E# ######L#B#D#E#B# ##!##8##$##D#A#?####C#F#G#E#G#G#5#5###7###G#A#;#F###I#K#D#D#A#@#F#J#C####C#A##"##8####B#6###E#-###;#G#>#6###B#B#:#C#C#E#B#@###F#D#>#@#=#B#<# ###?#A#8#B#E##!##8####E#-###5###A####B#E#E#D#D#D#@#B#E#9#?#(###7#D#E#'###D#C#F#1###G#F##"##8##$#K# ###E#E#>#G#D#?#C#F#I#?#E#A#D####E#:#D#B#5#M###E#B#C# ###G#E#A#E#H#;#0####8#### #=#D#K#;## #?#D#@#D#E#C#A#=## #D#<#5#@#D#=#D## #?#J#D#B#@#@#<## #A#>#@#E#F##"##8####<#D#B####C# ###J#B#G#B#?####;#?#@#8#F# ####C#?#;# #)###B#8#D#F#E#=##"##8####C#,###7#;#8#>#<#####D#>#>#;#D#E#=#B#D#E#5###D#G#@###>#C#A#@#C#@#E#:#@#@#"##8####D#H#C#=#C####@#>#;#2###I#C#B#A#G#@#B#$###C#C#?#E#@#C#A#H#G#D##G###A#<##!##8####C#:#@#E#=#?###G#E#?#1####A#C#?#D#?#D#?#?#D#D#>## #;#B#?#B#A#?#;#A#B#B#/##"##8#####<#!###F#D#####M#A####@#=#C#B#F#F#B#E#G#>#@#B#F# ###G#?#G#K#J#D#D####!##8#####B#C#F#C#=#C#A#H#:###@#D#@#>#<#<#F#C##$###E#B#B#?#>#C# ###D#D#B#:#A#J#G##"##8####B####E#@#D#E# ###B#E#C#A#A#?#;#C#;#!###C#E#E#F#G#D#G#D#"###F#C# ###F##!##8####D#A#B#;#E#B#B#@###F#D#E#F#>#E#C#D#C#=#F#@#E#B#@####@#B#I#G#B#E#?#A#<#A###!##8#####D#?#A#F#A#@#B#F#A#J#B# ###?#A#'###F#B#;#A#=#B#!#F#C#@#####C#A#A#@#<#B#E##"##8####A#,## #>#E#I#@#:#F#H#G#C#J# # ## #D#E#B#D## #A#<#?#>#B#?#>#A#B#@#B#@#=#C#-##"##8##$###=#@#C#<#@#D#>#E#E#C#;#A###@#@#G#F#B#E#<#?# ##'#'#)#!#$#8###<#?#B#F#># #####8#### #C#H#C#D#A#@#:#C#A#C#B#B#A#=#@#@# ## #A#E#?#A#A#F#B#C#=#E#?#B#A#E#B#E#D#?#8#C##"##8####E# ###H#D#@#E#B#A#;#>#A#A####=#C#D#@#>#@#A#C#?#G#&###D#=#D#7#@#F#@#:# ##!##8#####B#9#@#@#D#H#C#@#.###A#@#B#F#B#G####B#=#=#A#B#A#C#B#?###B#?#?#E#@#<#F#E#?##!##8####J#D#D#F#E#>#A#A#@#;#D#D#F#@#A#B#C#?#E#>#?#@#<#B#<#D#D#A#>#C#=#@#E#=#E#A#H####L##!##8##$#H#F#I#F#F#A#?#C#H# ###I#@#<#?#D#E#E#?#C# #1###D#B#?#B#E#G#C#B#C#D#G#A#=##/##"##8#####D#A#>#=#?#A#H#<#@#A#?#H#A#A#?#?#@#F#=#F#D#D#A#C#C#=#B#>#A#C#C#B#8#8####E#E#;##"##8####C#B#=#;#:#G#D#F#B#D#?#>#@#G#6#E#D#F#B#B###<#D#'###?#?#I#?#A#E#=#=#A#C#6##"##8#####B####H#>#>#E#E#C####A#C#1###@#B#B#B#@#>#A#F#C#>#+###G#E#A####F#?##"##8####<#E#;#B#E#F#A#E#E#D#E#F####B#C#B#A#H#G#?#D#D#D#4###C#A#A#?#>#?#B#@#@####B##!##8####D#B#E#C#A#D#B#>#A#E#B#?#E#>#C#C#F#C#B# ###>#?#D####@#A#F#?#5###J#D#D#H#A#D##!##8####F#>#E# ###H#D#>###D#F#G#@#I#.###E#I#I#A#?#<#;#"###;#@#A#@#E#G#B#<#D####!##8#####D#C#@#A#D#A#?#D#>#D####A#A#B#9#=###3#0##$##;#G#C#A#K#F#?#?#@####C#I##!##8####B#I#B#?#A#G#B#8#?#D#F#E#)####E#=#B#7###A#A#C#E#B#B#D#A#B#B#A#B#;#C#?###@#D##"##8####@#C#C#:######E#F#B#C#B#E#F#G#D#@#D#2###=#C#C#A#F#C#####>#E#?#?#E#?#@#E#H##"##8####E#6#;#D#E#=#E#D#@#E#E#C#F#@#C#A#C#@#:###8#G#D#H#D#B#F#<###B#G#D#1#<###D#@##!##8####B#3###4#C#8#@#E#F#C#>#E#>#B#A#F#@#####E#B#F#I#D#B#5###D#D#C#C# ####C#E#"##8####B#D#=#C#B#J#E#K#C#E#E#?#F#B####D#@#@#F#E#B#E#A#F#2###@#B#=#D#>#E#F####A#B##!##8####B#<#F#B#C#A###=#E#F###/#1#(##E###C#;#D#H#E#;#C####C#E#H#>#B#G#D#?#A#C##!##8####C#C#@#@#####D#6#?#E#J#####>#E#D#<#C#;#8#E#A#>#?#>#C#<#B#B####E#B#E#A#E#?##"##8##$#F#H#I#<### #I#F#C#>#A#%### #C#@#E#D#H#B#F#?#=#C#J#F# ###C#;#<#D#@#9#?#;#D#F##"##8####E#D#@#B#B#B#@#D#G#@#B#D#H# ## #?#C#A#A#A#B#F#J#C#/## #B#B#B#D#A#?#;#F#>## #C#A##!##8####>#=#?#E#E#C#F#=#=#@#?#H#E#@#C#C#H### #J#H#=#E#B#G#;#@#?####=#D#E#;#C#D#C#E#B##!##8####C#9#,## #F#F#D#@#:#>#?#>#A#@# ###<#@#A## #B#>#E#@# ## #B#=#B##4###C#B##"##8#####"## #J#:## #?#D#E#4## #A#C### #A#E#@####;#"###;####F## #@#J#B#C#"##8####G#D#A#(## #@#C#<#F#?#C#=#H### #E#B#D#G#<###E#C#D#D#E#D#B#D#G#D#B#;#C#C#;#E##!##8####=# ## #?#=#C#F#A#@#-## #J#F#E#@#C### #B#B#A#G#C#D#C#B#=#=#?#F#A#C### #A#C#?#"##8####E#C#J#>#5#?#F#2#!## #B#B#C#@#B#F#?#@#9## #=#C#B#D#B#=# ## #<#A#E#D#E#E#>#F#>#D##"##8####B#A#E#D###E#5### #F#I#D#'#G## #?#?#C#F#B#B#A#C#E#E#>###E#F#E#B#E#E#D#F#8##!##8##$# #D#B#C#C#D# ## #@#?#D#D#C#I#<#D#E##"###"#%#%## #?#?#D#C#G#=#E#H#E#F#@#E#E#?#####8####I#E#B#F#1## #A#C#D#D#E#C#?#:#G#F#G#-#.## #B#>#J#E#=#@#H#.## #>#E#?#A# ## #E#<#!##8####A#D#%#1## #?#F#E#D#F#F#F#B#5## #@#@#C#B#D#:#B#A#E#G#%## #E#;#=#A#@#B#E#G#E#!##!##8#####6## #@#E#F#D#B#A#C#=#@#D#H#I#F#=## #C#C#>#E#B#F#/## #D#### #E#;#.## #?##"##8####G#># ## #A#C## #=#C#@#D#8###%## #J#?### #D#B#D###A#>## #D#O#?#=###!##8#### #I#A#?## #>#D#E#=#B# ##!##8##)#(##I#J#5#L#'##C#G#C#D#H#G#&#I#:##D#0##G#K#7##I#7##D#*##:##H#C##B##+##8##D#.##E#4#0##H#C#>#K#H#C##-##F##I#4##I#J#E#M#$##:#D#@##5#I#H#H##I#H#$##*##8##I#G#C#E#$##J#H#H#-##F#D#<###=#C#5##K#M#F##E#F#<##I#K#$##E#I##J#&#C#K#L#?##*##8## #F#F#<##M#J##D#G##H#C#D#M#H#D#D#@#7##H#8##K#D#>#;#@#-##I#>#0##J#D#A#D#J#%##*##8##E#?#D#L#H#.#?##C#G#F#@###K#C#?#A#C#A#:#'##J#F#E##K#%##I#J#H##G#E#5#B#I#A##*##8##S#P#3##c#R#[#d#c#b#a#N#P#L#S#R#Q#M#8#a#b#@#R#d#d#c#L#c#c#_##d#c#T###3##8##&#)##C#Q#P#J#R#Q#D#J#C#S#$##M#@#H#<##E#M#7#I#I#M#P#L#M#M#O#N#L#L#E#M#M#I##*##8##D#A#N#@#F#?#K#=#J#?#C#>#A#H#7#H#?#6#G#C#@#7#H#A#;#D#K#K#F#@#7#A#G#>#8#B#L#J#F#K#B#A#*##8##A#D#A#E#I#@#?#K#L#E#E#M#J#I#E#7#F#J#F#?#7#C#=#@#>#H#F#G#E#J#M#B#H#D#F#I#H#K#L#I#H#?#)##8##G#D#6#B#8#E#A#F#G#?#A#=#<#C#M#L#=#H#G#F#?#?#B#5#?#A#6#@#G#H#F#6#I#L#@#F#?#@#G#G#>##*##8##L#L#O#G#K#K#J#K#D#G#L#I#C#7#B#6#F#?#I#3#@#F#G#D#G#@#C#G#B#I#H##B#E#H#E##G#D#5#I#<#@#@##*##8##D#G#A#G#H#A#@#<#?#?#### #?###D#E#A#J#K#F#H#K#E#6#J#L#J#E#J#@#@#D#F#J#H#A#7#E#;#D##*##8##K#L#D#L#D#B#A#I#A#K#E#D#>#A#<#=#@#H#G#7#H#H#G#7#A#@#H#6#F#N#H#H#<#A#O#H#N#J#3#E#5##*##8##>#B#5#H#?#>#C#B#?#D#J#3#F#F#G#>#E#@#@#>#C#D#C#F#F#N#>#F#<#A#=#E#I#C#I#E#@#B#4#I#@#H#*##8##@#G#B#E#>#E#G#K#@#>#G#M#B#D#5#E#K#=#A#>#D#J#F#A#I#6#E#A#@#F#A#9#F#6#G#A#G#6#A#?#>#6#*##8##G#?## # #@###F#D#G#B#K#I#4##=##H#:#E#A##E#"#A#D#E#:#C#J#L#E#H#C#F#@#G#C#8#D#C#<#G#N#D##*##8##J#A#F#B#J#F#F#G#>#B#@#I#I#9#@#H#J#L#J#A#@#A#E#B#6#<#E#>#?#I#H#F#=#A#>#A#<#A#J#6###*##8##E#>#?#A#>#G#H#G#J#L#G#C#A#L##?#=#E#7#C#8#B#F#J#J#K#G#L#K#H#6#D#@#E#7#G#8#B#C#I#G#J#:##*##8##G#L#B#G#F#M#A#?#A#@#F#L#F#F#6#A#5#?#>#D#>#D#N####?###G#L#3#E#<#F#H#I#K#C#E#5#@##*##8##G#I#E#J#>#F#@#E#D#?#E#G#B#7#@#J#K#8#A#B#G#E#K#C#H#O#C#?#9#@#G#9#I#F#G#G#D#C#D#G#C##*##8##3#G#@#F#5#F#K#B#H#E#E#M#H#H#C#I#L#L#L#M#K#H#K#L#G#L#J#F#H#F#H#L#L#M#L#K#M#I#H#L#N#I##*##8##L#I#K#J#I#F#G#F#:#D#7#G#E#5#D#C#B#8#A#8#A#B#6#D#E#I#K#<#G#H#4#C#;#@#9#B#A#B#<#C#K#G#*##8##6#@#####?###G#5#D#H#@##N#J#A#F#J#8#8#H#6#@#H#C#D##?##L#B#G#?#:#F#E#D#A#F#B#J#K#C#K##*##8##5#@#?#B#5#G#?#E#7#@#>#C#A#K#I#F#A#B#8#E#E#F#L#6#H#G#C#7#?#F#G#E#B#F#E#F#H#M#D#H#:#H#*##8##E#B#I#C#K#F#H#H#I#7#I#@#E#I#M#:#F#>#8#A#B#C#L#H#K#J#N#K#K#G#G#J#L#F#H#K#J#I#J#H#H#6##*##8##5#H#I#J#B#?#K#F#9#F#6#B#J#C#D#A#J#=#B#H#@#J#G#J#K#J#I#7#D#B#D#7#G#@#B#@#G#####@##*##8##J#I#G#J#C#C#K#K#J#L#I#J#F#J#A#=#L#A#F#I#B#H#I#M#D#?#I#E#F#K#D#J#3#H#=#G#J#6#G#F#F##*##8##A#D#9#C#F#A#?#G#M#A#H#G#A#9#D#I#M#5#>#G#F#E#B#B#D#N#6#D#C#A#M##L#L#=#?#B#K#E#B#F#K#?##*##8##H#J#I#I#J#G#J#G#O#G#A#?#H#J#5#C#=#6#E#J#;#G#O#L#J#G#G#I#I#I#M#A#7#H#D#D#6#D#N#M#I##)##8##3#E#J#>#D#D#6#>#<#F#D#D#L#6#F#G#?#F#K#E#K#=#H#E#?#6#K#?##B#A#B#H#G#D#J##L#L#K#3#B#I#C##*##8##I#H#=#B#5#E#F#>#?#E#E#C#D#7#E#K#C#C#F#L#J#@#B#6#F#M#L#J#L#?#G#H#G#I#E#K#B#G#H#K#F#G#*##8##D#D#E#C#L#G#H#A#8#E#I#J#N#G#I#C#H#H#F#B#F#A#B#I#N#@#J#C#>#C#I#C#A#I#F#9#>#7#E#I#;#A#)##8##H#F#H#L#J#6#D#H#A#D#>#C#@#D#M#I#F#5#E#J#G#I#6#?#5#B#K#?#5#A#C#I#>#F#8#F#K#5#>#E#J#C#*##8##=#>#H#@#D#L#P#M#L#C#I#F#J#J#B#K#G#K#H#J#L#K#N#F#5#E#D#I#A#E#?#E#E#F#K#9#A#I#H#I#5##*##8##L#L#M#G#G#G#I#L#G#G#J#I#J#L#L#K#3#E#F#6#I#7#>#=#I#?#B#F#5#I#K#J#@#E#D#6#G##>#H#2#I#<##*##8##:#?#=#J#I#M#D#D#K#D#D#G#7#F#G#E#A#D#6#=#<#E#E#H#F#A#=#<#I#J#K#6#@#B#6#K#E#B#>#H#5#E#*##8##A#6#I#G#I#J#F#9#K#H#K#;#J#K#3#?#6#I#6#D#B#B#C#I#C#J#I#@#D#F#?#E#C#?#A##?#A#>#E#F#C#J##*##8##F#A#C#3#F#F#D#D#J#D#>#N#L#D#G#H#F#<#G#H#;#H#6#F#J#H#K#F#8#E#A#8#D#@#A#J#F#A#D#E#H#G#*##8##7#G#6#E#G#I#7#@#D#8#G#?#F#@#G#G#G#F#G#3#G#F#F#;#B#;#A#F#J#@#A#6#D#C#7#<#F#?#<#5#F#K#*##8##G#M#H#A#B#<#C#H#A#@#9#B#D#H#D#B#;#F#F#K#I#E#@#J#A#E#>#?#I#=#C#G#=#E#D#F#J#5#>#L#6#E#)##8##E#A#D#G#7#?#I#I#B#C#B#D#@#7####@###@#7# #B#@#I#>#E#C#E#K#E#6#@#F#N#D#<#D#6#F#@#I##*##8##L#>#C#?#B#I#G#J#:#D#M#O#L#N#N#L#M#K#4#D#I#>#E#F#E#A#8#?#B#7#?#A#7#A#?#8#?#7#D#;#F#4#*##8##F#=#F#5#>#G#L#N#:#H#I#A#H#A#@#E#F#@#?#I#H#I#:#A#?#>#D#J#K#F#F#B#>#8#F#>#L#G#G#G#J#=#*##8##L#B#K#J#J#M#I#K#G#C#D#;#F#@#E#N##G#I# #I##L#3#F# #J#3#<#6#@#J# #>#C#C#E#@# #G#3#A#8#@#<#C#B###*##8##<#A#F#6#?#D#F#B#L#:#H#@#A#C#I#B#I#:#D#A#L#L#8#?#<#E#6#G#;#D#6#L#?#G#B#H#=#F#5#A#A#J#*##8##E#C#K#H#K#G#E#J#A#@#D#H#G#<#C#K#7#B#I#6#### #?##!#G#M#F#>##?#I#F#?#F#D#@#G#E#A#C#8##*##8##B#@#H#7#D#E#C#?#F#J#5#E#F#H#<#F#L#J#L#K#M#<#=#>#H#7#B#J#7#F#H#M#A#?#>#H#I#E#8#B#H#7#*##8##E#L#H#8#H#0#B#A#C#F#G#J#?#K#9#A#=#B#D#A#F#5#B#H#M#I#D#7#G#####?###?##E##H#8#I#I#J##)##8##G#L#J#H#G#C#L#L#F#N#I#I#J#L#I#5#F##H#J#L#L#J#H#F#8#B#N#7#A#F#G#@#G#5##@#7#@#=#I#8#@#G##*##8##### ######!######!##########I##8##)##]#S#I#U#G#U#O###^#\#\#Z#Z#Y#Y#X#Y#Z##J#?##.#A#6=" ----------------------- Page 1-----------------------B" ` A# " B" A#$+" Lus B"  A#&-" DE B"  A#%" Cames B" A# " B" A##*" Os B"  A#" Lusadas B" A# " B" A#&-" LEITURA, PREFCIO, E NOTAS DE B"  D A#%" LVARO JLIO DA COSTA PIMPO B" A# " B" A#&-" APRESENTAO DE B" @ A# '" ANBAL PINTO DE CASTRO B"<  A# " B" A#6=" ----------------------- Page 2-----------------------B" ` A# " B" A#BI" Os Lusadas de Lus de Cames /prefcio de lvaro Jlio da Costa B"   A#DK" Pimpo; apresentao de Anbal Pinto de Castro - 4.a ed. - Lisboa: B"<   A#@G" Ministrio dos Negcios Estrangeiros. Instituto Cames, 2000 - B"< <  A#!" LIX, 560 p.; 16 x 23 cm. B" A# " B" A#)0" ENSINO DE LNGUAS - LNGUA PORTUGUESA B"  A# " LITERATURA B"  A# " B" A# " Ttulo B" A#&" OS LUSADAS DE LUS DE CAMES B" A# " 1.a Edio, 1972 B"d A# " 2.a Edio, 1989 B"d A# " 3.a Edio, 1992 B"d A# " 4.a Edio, 2000 B"d A# " B" A# " INSTITUTO CAMES B"d A#&-" MINISTRIO DOS NEGCIOS ESTRANGEIROS B"<  A# " Instituto Cames B" A#07" Diviso de Edio, Documentao e Equipamentos B"  A#29" Rua Rodrigues Sampaio, n. 113 1159-279 LISBOA B"  A#DK" Direitos de traduo, reproduo e adaptao reservados para todos B"   A# " os pases B" h A# " B" A# " Tiragem B"  A# " 3000 exemplares B"@ A# " B" A#  " Capa B" A# " Jos Brando B" A# " B" A#$+" Composio, Impresso e Acabamento B"<   A# " B" A#5<" Estrada de Mem Martins, 4 S. Carlos, Apartado 113 B" ` A#!(" 2726-901 Mem Martins PORTUGAL B"  D A# " Tel. 219 266 600 B"d A# " Fax. 219 202 765 B"d A#7>" Internet: www.eme.pt E-mail: geral@eme.pt B" ` A# " B" A# " ISBN 972-566-187-7 B" A#&" Depsito Legal N. 156 600100 B" A# " B" A#*1" II B"   A# " B" A#6=" ----------------------- Page 3-----------------------B" ` A# " B" A# " GUISA DE APRESENTAO B"` A# " B" A#LS" No querendo ficar alheio s comemoraes do IV Centenrio B"  d A#U\" da publicao dOs Lusadas, decidira o Instituto de Alta Cultura B" `  <   A#>E" promover em 1972 uma edio do Poema e organizar um colquio B" <  D A#AH" de Estudos Camonianos. Para assumir a responsabilidade de ambas B"   A#X_" as tarefas, convidava o saudoso Professor lvaro J. da Costa B"   A#CJ" Pimpo, por carta de 10 de Setembro de 1970, subscrita pelo Prof. B"    A#QX" Eng. Manuel Jos de Castro Petrony de Abreu Faro, ao tempo B"   A#X_" esclarecido e dinmico Presidente daquela prestigiosa instituio, B"   A#CJ" cuja aco na formao dos quadros da Universidade portuguesa, ao B" <  A#AH" longo de vrias dcadas, nunca ser demais lembrar e agradecer. B"`    A#BI" Tinha j o Prof. Costa Pimpo concordado em encarregar-se da B"  d A#DK" edio, mas no aceitou a organizao do colquio, consciente como B" ` @ A#SZ" estava da magnitude do trabalho a desenvolver para a preparao B"   A#U\" crtica do texto dOs Lusadas, cuja dificuldade e delicadeza bem B"     A#Y`" conhecia. Nesse sentido e invocando essas razes, respondia ao B" <    A#AH" Prof. Abreu Faro, em carta de 18 daquele mesmo ms de Setembro. B" <  h A#SZ" A ideia da edio mereceu-lhe, porm, imediato e entusistico B" <  A#FM" aplauso e no tardou em consagrar-lhe toda a ateno que ela exigia, B"<  @ A#AH" mesmo a quem, como ele, viera acumulando um precioso cabedal de B"    A#OV" saber e de experincia no domnio dos Estudos Camonianos em B"   A#X_" geral e da crtica textual em particular, desde que, por 1942, B"   A#NU" 1 B"  d A#OV" comeara a trabalhar no estabelecimento do texto da Lrica . B"<   A#QX" Quando, no entanto, no auge desse entusiasmo, se preparava B"   A#GN" para a etapa final da tarefa, viu-se obrigado a interromp-la durante B" d  A#DK" vrios meses, em consequncia de graves perturbaes da viso, que B"    A#U\" o levariam Clnica Barraquer, de Barcelona, para, nos primeiros B"   A#W^" dias de Junho de 1972, ser operado a um descolamento de retina. B" `  `   A#CJ" Com um misto de amargura e de ironia, escrevia-me o velho Mestre, B"    A#[b" a 5 de Maio desse ano, seis escassos meses antes da sua jubilao B"  `   h A# " universitria: B" A# " B" A#LS" Vou acabar a minha vida acadmica com B" `  A#<C" Cames; e, para melhor me assemelhar ao pico, B" <  A#KR" resolvi manquejar do olho direito. S que no fui B"   A#MT" atingido pela fria rara de Marte, mas pelo B"  < A#JQ" terrvel poder dos Fados, que resolveram B"`   A# " B" A#/6" III B" @ A# " B" A#6=" ----------------------- Page 4-----------------------B" ` A# " B" A#FM" prejudicar-me quando eu me preparava para me B"    A#<C" entregar em cheio s minhas tarefas urgentes! B"  A# " B" A#U\" Vencida a crise, o trabalho iria prosseguir, sem desnimo nem B"     A#V]" interrupo, mas sob a enervante premncia do tempo. O ano B"   A#CJ" jubilar de 1972 passaria sem que o volume pudesse sair dos prelos B"   A#W^" da Imprensa Nacional; e s nas vsperas do Natal de 1973, Costa B"   A#X_" Pimpo podia acompanhar as Boas Festas dirigidas a colegas e B"   <  A#?F" amigos com os primeiros exemplares da nova e almejada edio. B"<    A#FM" Ao partir para a realizao do encargo que recebera do Instituto B"   A#RY" de Alta Cultura, no ignorava Costa Pimpo as dificuldades que o B"  ` A#@G" esperavam, independentemente dos problemas de sade que viriam B"   A#" depois apoquent-lo. B" A#FM" Apresentar uma nova edio dOs Lusadas assinalando-a com a B"   A#V]" marca visvel da forte personalidade crtica e cientfica do novo B"   A#V]" editor, depois de to longa srie de comentrios ao Poema, desde B"     A#EL" Faria e Sousa a Augusto Epifnio da Silva Dias, requeria na verdade B"< <  A#AH" uma garra e um saber difceis de reunir. O Doutor Costa Pimpo, B"    A#T[" todavia, conseguiu dar no mais uma edio, mas a sua edio da B"   A#W^" Epopeia camoniana, orientando todo o seu labor, segundo dois B"   A#W^" objectivos primaciais - o estabelecimento de um texto capaz de B"   A#BI" oferecer uma slida segurana crtica e o desenvolvimento de uma B"   A#U\" hermenutica sobre esse mesmo texto, merc da qual pudesse B"   A#X_" clarificar a sua interpretao, sem repetir coisas ditas ou sabidas, B"      A#GN" antes corrigindo, sempre que necessrio e justo, leituras deficientes B"    A#X_" ou erradas dos comentadores que o haviam antecedido, e B" `   H A#SZ" aproveitando ao mesmo tempo o ensejo para trazer a pblico as B"   A#V]" concluses a que, fundamentado na anlise intrnseca da obra B"  `   A#BI" camoniana (e de outros elementos no dispomos!) chegara quanto B" ` d A#/6" 2 B" @ A#18" poca em que o Poema fora escrito . B"  A#EL" Para o estabelecimento do texto baseou-se na edio A ou Ee, de B"   h A#EL" 1572 (aquela em cuja portada o pelicano da gravura apresenta o colo B"  d A#EL" virado para a esquerda do leitor), considerando a B ou E (que tem o B"   A#RY" pelicano com o pescoo voltado para a direita) como imperfeita B"   A#" contrafaco daquela. B" A#DK" No fez tal opo de nimo leve; bem pelo contrrio, baseou-se B"`   A#CJ" para ela num aturado cotejo das lies de ambas, e de ambas com a B"    A#DK" de Manuel Correia, de 1613, sem esquecer ainda a de Faria e Sousa, B"   D A# " de 1639. B" D A# " B" A#,3" IV B"  A# " B" A#6=" ----------------------- Page 5-----------------------B" ` A# " B" A#T[" Cabe sublinhar e louvar to flagrante preocupao de exaco, B"   A#DK" bem patente no captulo II do Prefcio, sobretudo se considerarmos B"   A#Za" a extrema raridade da edio E, que s viria ao fcil alcance dos B"   A#Y`" investigadores em 1982, quando a Comisso Camoniana da B"  `   A#OV" Academia de Cincias de Lisboa publicou na Imprensa Nacional- B"   A#CJ" Casa da Moeda a reproduo paralela das duas verses de 1572, com B"   h A#?F" uma nota preambular de Bernardo Xavier Coutinho. E convm no B"    A#U\" esquecer ainda que a exaustiva investigao posteriormente B"   d  A#U\" desenvolvida por este Professor, assinalando a existncia de vrias B"   A#FM" outras contrafaces ou, pelo menos, de diferentes tiragens, no ps B"   A#X_" em causa o essencial da posio assumida em 1972 por Costa B"   A# " 3 B" A# " Pimpo . B" A#DK" O estabelecimento do texto obedeceu finalidade primacial do B"   A#RY" colocar Os Lusadas imediata disposio do grande pblico, sem B"  ` A#HO" com isso o privar dos traos mais caractersticos do idiolecto potico B" <  A#?F" camoniano, considerado num determinado momento da histria da B"    A#QX" lngua e da linguagem potica portuguesas. Tal preocupao, que B"   A#CJ" no pode deixar de merecer incondicional aplauso, assumiu, porm, B"  @ A#Za" no esprito do Editor to grandes propores, que o levou a B"      A#HO" contrariar algumas vezes os critrios de fidelidade ao texto princeps, B"  @ A#X_" por ele prprio estabelecidos e defendidos. Rejeitou assim, sem B" <    A#NU" justificao convincente, formas como artefcio, infiado, insinar, fruito (a B"   A#8?" 4 B"  A#V]" rimar com muito!), menh, mintiroso, etc., apesar de perfeitamente B"   A#HO" intelegveis para o leitor actual; e uniformizou indevidamente grafias B"   A#DK" como dezia, em alternncia com dizia, no texto camoniano, baseado B"   A#X_" apenas nos ndices de ocorrncia, quando tal oscilao pode B"   A#Y`" significar e creio que significa uma simples hesitao na B"   A#U\" realizao fontica, prpria dos perodos de transio, na variao B"`   A#" diacrnica da lngua. B" A#PW" No obstante este seno, encontramos nesta edio um texto B"   A#CJ" inteligentemente modernizado, em funo de uma rara sensibilidade B"   A#[b" estilstica e de um slido saber lingustico. O intuito de o tornar B"   `  A#SZ" acessvel no fez perder ao responsvel por essa modernizao o B"<   A#V]" respeito pela histria da lngua, pela peculiaridade da linguagem B"     h A#T[" camoniana e pelos efeitos estilsticos obtidos pelo Poeta mediante B" < ` `  D A#DK" certos traos da fontica ou da sintaxe do portugus quinhentista. B" <  A#PW" De fundamental importncia para a qualidade e acessibilidade B"  `   A#Y`" desta lio dOs Lusadas a pontuao. Sendo impossvel e B" <   d A#Y`" contraproducente manter a pontuao original, cuja B"   A# " B" A#-4" V B"  A# " B" A#6=" ----------------------- Page 6-----------------------B" ` A# " B" A#DK" responsabilidade no pertenceu decerto, pelo menos em exclusivo, a B"  @ A#PW" Cames, Costa Pimpo conjugou de maneira exemplar o rigor, a B"   A#DK" sobriedade e a clareza, de modo a evidenciar os valores semnticos B"    A#PW" em jogo, simultaneamente com as formas de expresso que lhes B"  < A# " correspondem. B" A#EL" Por muito perfeito que o texto se apresentasse, uma edio dOs B"    A#FM" Lusadas destinada ao leitor comum estaria muito longe de satisfazer B"    A#X_" a sua curiosidade, os seus interesses, ou as suas necessidades, se B"   A#AH" aparecesse desprovida de notas e comentrios que o ajudassem no B"`   A#DK" seu trabalho de interpretao. Considerando, no entanto, o nmero, B"   A#GN" a qualidade e a variedade dos comentrios j existentes, no se torna B"   A#V]" fcil ao exegeta hodierno trazer dados originais e seguros nesse B"     A#MT" campo, sentindo embora que muitos passos do Poema continuam B"   A#DK" obscuros e que cada poca reclama explicaes novas ou diferentes, B"    A#EL" de acordo com a sua cultura, com as suas perspectivas de leitura ou B"    A##*" com a sua sensibilidade esttica. B"<  h A#DK" A forte e original personalidade do Mestre venceu, porm, esse B" <  A#W^" escolho e pde, graas a um trabalho aturado e profundo, que eu B"   A#V]" ento acompanhei com viva admirao, at pelas precrias B"   A#X_" condies de sade em que o desenvolveu, carrear novos e B"   A#EL" numerosos contributos para uma inteleco mais perfeita do texto e, B"    A#AH" por conseguinte, para a sua mais completa valorizao esttica. B"   h A#BI" A riqueza e novidade de muitos dos seus comentrios so, com B"   D A#HO" efeito, notveis. Bastar, para disso nos darmos conta exacta, atentar B"  @ A#U\" em notas como as que consagrou ao verso inicial do Poema As B"   A#EL" armas e os bares assinalados quele (I.26.8) em que o Poeta, B"  @ A#KR" referindo-se a Sertrio, afirma que Fingiu na cerva esprito divino, ou B"`   A#V]" estrofe 2 do Canto IX, onde menciona as cidades de Suez e de B"   A#BI" Meca, e comparar depois os dados a reunidos com os que, para os B"    A#W^" mesmos passos, aduzira Epifnio da Silva Dias. Pena foi que a B"      A#CJ" preocupao de originalidade o no tivesse deixado ir mais longe. B"   A#NU" Ateno muito especial lhe mereceram os intertextos histricos B"   A#SZ" de muitas sequncias do Poema, a explicao de inmeras aluses B"  ` A#RY" mitolgicas que no estavam ainda completamente clarificadas e a B"  d   A#T[" determinao das variantes estilsticas, atravs das quais Cames B"`   A#,3" exprimiu alguns dos seus temas dominantes. B"`  A#@G" O volume encerra com um ndice de nomes prprios que, alm B"   A#BI" de muito completo, oferece a grande vantagem de no se limitar a B"   h A#DK" um simples registo, para agrupar, a propsito de cada um deles, os B"`   A# " B" A#-4" VI B"  A# " B" A#6=" ----------------------- Page 7-----------------------B" ` A# " B" A#U\" adjectivos que por vezes os qualificam e as metforas ou as B"   A#(/" perfrases que no raro os substituem. B"   A#FM" Se, pela novidade e exaustividade de grande parte das suas notas B"<   A#U\" esta edio emparceira, completando-as, com outras que a B"     A#T[" precederam, em especial com a de Epifnio da Silva Dias, pela B"  <   A#CJ" mesma altura reimpressa no Brasil, graas ao empenho e devoo do B"    A#18" 5 B"  A#MT" Prof. Maximiano de Carvalho e Silva, esta edio de Costa Pimpo B"  @ A#GN" leva-lhes grande vantagem pela segurana crtica do texto, visto que, B"   A#CJ" com fidelidade e rigor, soube modernizar Cames sem o desfigurar. B" <   A#=D" 6 B"  A#V]" Apresentando-a agora de novo ao pblico em sintonia de B"   A#EL" propsitos e intenes com o Instituto de Alta Cultura que h quase B"   D A#CJ" 16 anos a patrocinou e promoveu o Instituto de Cultura e Lngua B"  d A#T[" Portuguesa averba mais um alto servio causa, que sua, de B"   A#SZ" defender e difundir os valores que melhor definem o espao B"  ` A#CJ" espiritual lusada, lembrando ao mesmo tempo o exemplo de saber e B"    A#CJ" probidade intelectual do grande camonista que foi o Doutor lvaro B"`   A#PW" J. da Costa Pimpo, para quem estudar Cames foi sempre uma B"   A#PW" tarefa to aliciante que com ela quis verdadeiramente acabar a sua B"   A#8?" operosa carreira de Mestre da Universidade portuguesa. B"  A# " B" A#OV" Anbal Pinto de Castro B" ` < A# " B" A# " Coimbra, Pscoa de 1989 B"` A# " B" A# " Notas B" A# " B" A#  " 1 B"H A#<C" Merc desse trabalho, pudera publicar em 1944 a monumental B"  A#CJ" edio das Rimas, Autos e Cartas, na Portucalense Editora, depois B" < @ A#@G" aperfeioada na edio das Rimas (Coimbra, Acta Universitatis B"   A#IP" Conimbrigensis, 1953; 2. ed., revista, ib., Atlntida Editora, 1973). B"  @ A# " B" A#  " 2 B"H A#BI" A esta questo voltou na sua lio jubilar (Cf. A Elegia segunda B"    A#KR" Aquela que de amor descomedido e a chamada gloga primeira Que grande B" `  A# " B" A#,3" VII B"  A# " B" A#6=" ----------------------- Page 8-----------------------B" ` A# " B" A#GN" variedade vo fazendo de Lus de Cames. Coimbra, Centro de Estudos B" `  A# " Romnicos, 1973). B" A# " B" A#  " 3 B"H A#KR" Cf. Nova hiptese de soluo para o problema da edio princeps de Os B"   A#CJ" Lusadas no houve duas mas quatro edies datadas de 1572, in B"   D A#DK" Revista da Universidade de Coimbra, vol. XXXIII, 1985. pp. 221- B"   D A#?F" 240. Sobre a questo das edies de 1572, veja-se ainda Roger B"` `   A#IP" Bismut, Encore le problme de ldition princeps de Os Lusadas, in B"   A#EL" Arquivos do Centro Cultural Portugus, vol. XIII, 1978, pp. 435- B"   D A#>E" 521; e Bernardo Xavier Coutinho, A edio princeps de Os B"<   A#BI" Lusadas. Um problema complexo e difcil (ou insolvel?). Muito B"   A#FM" provavelmente houve 3 edies princeps, e no apenas 2, com a data B"    A#;B" (simulada) de 1572, in ib., vol. XVI, 1981, pp. 571-720. B"  A# " B" A#  " 4 B"H A#" Cf. infra, p. LIII. B" A# " B" A#  " 5 B"l A#@G" Os Lusadas de Lus de Cames comentados por Augusto Epifnio B"<   D A#IP" da Silva Dias. 3. ed. Reproduo fac-similada da 2. ed. ... Prefcio B"<   A#AH" de Arthur Cezar Ferreira Reis. Estudos prvios de Maximiano de B" `  A#FM" Carvalho e Silva. Rio de Janeiro, Ministrio da Educao e Cultura, B"   A# " 1972. B" A# " B" A#  " 6 B"l A#CJ" O texto agora apresentado reproduz exactamente o de 1973. Apenas B"   A#=D" se corrigiram manifestos lapsos de composio tipogrfica. B"   A# " B" A#,3" VIII B"  A# " B" A#6=" ----------------------- Page 9-----------------------B" ` A# " B" A#-4" PREFCIO B"  A# " B" A#-4" I B"  A# " B" A#*1" A Elaborao do Poema B"  A# " B" A#U\" Manuel de Faria e Sousa, cuja reabilitao na Europa cis e B"  ` A#EL" transpirenaica parece iminente, escreveu, como sabido, duas vidas B"   A#OV" de Cames: uma impressa frente de Os Lusadas e outra frente B"   A#PW" das Rimas Vrias, muito modificada. (Deve dizer-se que nem em B"   A#V]" todos os exemplares das Rimas aparece esta Vida.) A primeira das B"   A#IP" Vidas notvel por diversos ttulos, e ainda pelos dislates que aquele B"   A#QX" comentador acumulou sobre o incio da redaco do Poema, pois B"   A#[b" diz (col. 35) que el creerse que la mayor parte deste Poema (la B"   A#HO" mayor parte, note-se) iva escrito de Portugal qudo pass a la India, B"   A#X_" no es difficil; i menos el ver que desde sus primeros aos le B"   A#V]" com?. E mesmo que tivesse comeado o seu Poema aos 20 B"   A#FM" (concede Faria e Sousa), trouxe-o entre mos trinta anos, pois tendo B"`  d A#W^" nascido em 1517 (Faria e Sousa mudou depois de opinio) e B"   A#BI" imprimido o Poema em 1572 ficam 55, e deduzindo os tais 20 ficam B"   D A#?F" 30 e quando menos 20. E se algum argumentar que o Poema s B"  l A#SZ" poderia ter sido comeado (ou, pelo menos, concebido) depois da B"  `   A#FM" leitura das duas primeiras Dcadas de Barros e do primeiro livro da B"   A#V]" Histria do Descobrimento e Conquista da ndia pelos Portugueses, por B"   A#T[" Castanheda, poder objectar-se com Faria e Sousa que Cames B"   A#BI" poderia ter conhecido aquelas obras em manuscrito. Mas ainda que B" `  h A#DK" no fosse assim, havendo a primeira Dcada de Barros sido impressa B"   A#AH" em 1552 e tendo o Poeta partido para a ndia em 1553 aun queda B"<    A#EL" en pie lo que diximos de q} el primero bosquejo se hizo en Portugal B"    A#DK" en este tiempo que corri desde la impression de las Decadas a sua B"   A#Za" partida; o tres aos primero que le imprimiese el de 1572; e assi B"     h A#AH" quando menos, son veinte los que truxo consigo este Poema. Uma B"    A#W^" to penetrante conjectura devia por fora ter o auxlio da B"    l A#QX" Providncia. E teve! O buen Dios, como favoreces las honestas B" <  A#DK" ocupaciones! E vieram ter-lhe s mos, ao comear a impresso dos B"   A#V]" seus Comentrios, dois manuscritos, um deles de primacial B"   A#FM" importncia para o seu ponto de vista: es una copia de los primeros B"   A#GN" seis cantos, escrita antes que el Poeta passasse a la India: con que B"  @ A# " B" A#,3" I B"  A# " B" A#7>" ----------------------- Page 10-----------------------B"  A# " B" A#-4" PREFCIO B"  A# " B" A#X_" me hallo mas contento que un ignorante; mas loco que un B"     h A#V]" enamorado, i mas sobervio que un rico (na corte de Madrid, B"   A#IP" acrescente-se). Eis como termina a cpia manuscrita: Estes seys cantos B"`   A#NU" se furtara a Luis de Cames da obra que tem comeado sobre o descubrimento, B" ` < A#OV" e conquista da India por os Portugueses: Vam todos acabados, excepto o sexto, B"   A#RY" que posto que vay aqui o fim delle, faltalhe hua historia de amores que Leonardo B"  < A#QX" contou estando vigiando, que ha de prosiguir sobre a Rima 46 onde logo se sente B"   A#V]" bem a falta della; porque fica fria, e curta a conversaam dos vigiantes, e o propio B"     D A#HO" canto mais breve que os outros (col. 37). E assim se fundamentava uma B"<  d A#CJ" redaco incompleta do Poema, antes de o Poeta ter partido para a B"   A# " ndia! B" A#X_" histria de cavalaria de Ferno Veloso faltava a histria de B" <    A#DK" amores de Leonardo, esquecendo que no fim dos Doze de Inglaterra a B"   A#EL" companha pedia a Veloso mais histrias de cavalaria! (VI.69.5-8). B"   A#HO" Na segunda Vida, frente das Rimas, dir Faria e Sousa no n. 28: B"    A#EL" En la vida del P. que escrivimos en los Comentarios a la Lusiada, B"   A#AH" desde el numero 16. hasta el 21. hemos procurado mostrar en que B"   A#FM" tiempos, y en que partes del mundo avia el P. escrito los ms de sus B"    A#AH" Poemas; y despues hallamos que en mucho nos aviamos equivocado, B" `   A#X_" porque tuvimos mejores noticias. E mais no disse! Ora o n. 16 B"   A#DK" referido justamente aquele em que se ocupa das circunstncias de B"   A#29" tempo e de lugar em que redigiu Os Lusadas! (1) B"<  A#Za" No h qualquer notcia de que o Poeta tenha tido a ideia de B"  `    A#@G" escrever um Poema sobre o descobrimento de Vasco da Gama antes B"    A#V]" de partir para a ndia. Pode supor-se, interpretando alguns versos B" `  `  A#U\" lricos, que vrias ideias hericas lhe passaram pela mente quando B"  `   A#BI" estava ainda em Lisboa, mas no concretizou nenhuma. certo que B"   h A#EL" o primeiro livro de Castanheda estava sua disposio desde 1551 e B" < ` A#X_" a primeira das Dcadas da sia desde o ano seguinte. Mas a B"   A#BI" elaborao de um plano pico no dependia apenas de duas ou trs B"    A#GN" leituras. Cames no ia escrever uma narrativa histrica; ia escrever B"<  < A#T[" uma obra de arte, servindo-se de um grande acontecimento B"   A#EL" histrico. Decidir-se a optar pela fbula pag tambm no lhe teria B"   h A#SZ" sido fcil, mas, alm do exemplo do Mantuano, havia em Cames B"   A#X_" uma verdadeira idolatria pela beleza do paganismo. Sobre esta B"     A#BI" matria estava Cames bem informado ainda antes de partir para a B" `  A#X_" ndia, mas faltava inseri-la num grande campo de aco, que s a B" `    A#V]" experincia martima lhe daria. E quando falo de experincia B"   A#DK" martima no quero referir-me apenas dura vida de bordo, nem aos B"    A#DK" grandes fenmenos presenciados, mas s imagens visuais e auditivas B"d   A# " B" A#-4" II B"  A# " B" A#7>" ----------------------- Page 11-----------------------B"  A# " B" A#-4" PREFCIO B"  A# ]d" que a prpria vida do mar ps ao alcance da sua retina e do seu B"     A#EL" ouvido e que vieram a transformar-se em versos imortais, como o B" ` d A# " famoso B" A#<C" Cortando o longo mar com larga vela B" `   A#KR" (I.45.4) B"   A#FM" analisado por Tasso da Silveira (2). A est. 19 do Canto I, que marca B"   A#GN" o incio da narrao, s poderia ter sido escrita por um nauta que v B"`  @ A#9@" de bordo as outras naus recortando-se num poente solar: B"< `  A#5<" J no largo oceano navegavam, B" ` A#6=" As inquietas ondas apartando; B"  A#:A" Os ventos brandamente respiravam, B"    A#=D" Das naus as velas cncavas inchando; B"   h A#?F" Da branca escuma os mares se mostravam B"   h A#=D" Cobertos, onde as proas vo cortando B"   D A#8?" As martimas guas consagradas, B"  A#;B" Que do gado de Prteu so cortadas, B"  A#HO" (I.19) B"    A#CJ" Nem a aluso mitolgica vem empanar a beleza do quadro. sua B" <  A#W^" experincia martima pertence a tormenta do cabo da Boa B"   A#HO" Esperana, que lhe daria a inspirao para a tormenta (irreal) sofrida B"  d A# " por Vasco da Gama. B" A#EL" Inseriram-se na sua experincia martima os ecos surdos do mar, B"<   A#)0" que depois foram transformados em arte: B"@ < A#%," Bramindo o negro mar de longe brada B"  A#4;" Como se desse em vo (= no vo) nalgum rochedo ... B" ` A# " B" A#NU" (V.38-3-4) B"  d A#=D" ... e cum sonoro B"  A#9@" Bramido muito longe o mar soou. B"<   A#U\" (V.60.3-4) B"  ` A#SZ" Em minha opinio e fossem quais fossem as meditaes do B"   A#W^" Poeta sobre o assunto , o Poema, tal como o temos, comeou a B"   A#X_" tomar forma em 1554 ou pouco depois. A Dedicatria a D. B"      A#FM" Sebastio foi redigida na hora de iniciar o seu Poema, portanto, por B"   A#V]" fins de 1554, quando chegou ndia a notcia do prodigioso B"   A#BI" nascimento do neto de D. Joo III, em 20 de Janeiro de 1554. No B" `  h A#MT" s o Poeta se dirige em toda a Dedicatria ao tenro infante [Vos B"   A#CJ" tenrro & novo ramo florecente (I.7); Que nesse tenrro gesto vos B"  d A#U\" contemplo (I.9); Que afeioada ao gesto bello & tenro (I.16)], B" `  A#PW" mas circunstncia para mim muito importante no procurou B"     D A#AH" alinh-la na esfera temporal com o ano em que acabou o Poema. A B"   D A# " B" A#.5" III B"  A# " B" A#7>" ----------------------- Page 12-----------------------B"  A# " B" A#-4" PREFCIO B"  A#CJ" Dedicatria ficou como foi escrita, a marcar um acontecimento que B"   A#FM" teve foros de miraculoso para os Portugueses (maravilha fatal) - e B"    A#4;" s o poderia ter sido no longe de 1554. Os versos B"  A#7>" E vs, bem nascida segurana B" ` A#6=" Da lusitana antiga liberdade, B"  A#T[" (I.6.1-2) B"  < A#BI" marcam uma segurana presente, que acaba de surgir. Muito mais B"   A#%," tarde, em 1575, dir a D. Sebastio B"  h A#<C" Assi vs, Rei, que fostes segurana B"   h A#/6" da nossa liberdade ... B"  A#V]" Eram j outros os termos dessa segurana, que o prprio rei, B"   A#%," alis, se encarregaria de destruir. B"  h A#CJ" No me resta dvida de que foi por 1554 que o Poeta tratou de B"   h A#QX" elaborar o plano da epopeia (poderia escrever-se um poema sem B"     A#FM" plano?) e de delinear os principais episdios que, entressachados no B"`   A#W^" Poema, mas fazendo corpo com ele, o encheriam de atractivos B"   A# " estticos. B"  A#BI" Dizer quando o Poeta pousou pela primeira vez a pena sobre o B"`   A#CJ" papel no parece muito difcil; mas a quando remonta o pensamento B"   A#EL" da epopeia? Para Storck o propsito de cantar os feitos hericos do B"    A#U\" seu povo e da Ptria tomou, contudo, forma decisiva e amadureceu B"   A#W^" durante os seis meses de vida no oceano (3). uma tese que B"   A#LS" podemos aceitar. E acrescenta o historiador alemo: Se o grmen B"`   A#GN" da epopeia ainda no estendera at ento razes vivazes e tenazes, se B"   A#BI" na mente do Poeta ainda no se definira claramente o descobridor B" `   A#X_" do caminho da ndia como figura principal, se a primeira e feliz B"   A#T[" navegao ao Oriente, a empresa do forte capito, ainda no se B" `  A#DK" revelara no seu esboo e na primeira traa como ponto culminante e B"   A#X_" foco de irradiao, no qual convergem as aces hericas dos B"     A#FM" Portugueses, foi, sem dvida alguma, durante a travessia que o gnio B"    A#18" criador do Poeta tomou o seu voo de guia. (4) B"  A#HO" Infelizmente, Storck terou armas pela criao de dois poemas: B"   A#CJ" um, histrico, elaborado ainda em Portugal e em Lisboa e de que o B"`    A#[b" Poeta teve quase prontos os Cantos III e IV, e, depois, a epopeia B"      A#EL" martima, em que vem entretecer-se a histria do Reino. Mas isto, a B"   A#FM" meu ver, destruir a unidade dos Cantos III, IV e V, que constituem B"    A#[b" a narrativa dos feitos do Reino ao rei de Melinde e inserem-se na B"   A#U\" epopeia martima. Tal narrativa tem muito pouco de histrica: foi B"   A#X_" sobretudo ideada pelo Poeta. Cames aproveitou muito bem o B"  <  l A#W^" momento em que aparece pela primeira vez um rei amigo, o de B"    l A#-4" IV B"  A# " B" A#7>" ----------------------- Page 13-----------------------B"  A# " B" A#,3" PREFCIO B"  A# " B" A#Y`" Melinde, para iniciar a narrativa pica desde as origens at aquele B"   A#PW" momento em que chegou a Melinde. No se v como se podem B"   A#GN" separar estes trs cantos e inserir os dois primeiros numa epopeia do B"  @ A# " Reino. B" A#U\" Prefiro ver a elaborao da epopeia segundo um plano B"   A#PW" preestabelecido, apenas modificado nesta ou naquela estncia por B"   A#PW" acontecimento posterior navegao e portanto tendo o seu lugar B"   A#" em qualquer profecia. B" A#EL" No creio que o Poeta tenha levado longos anos a elaborar a sua B"   A#AH" epopeia intensamente e h uma efemride que mostra bem que em B"   A#DK" quatro ou cinco anos o Poeta avanara bastante. O trecho insere-se B"   h A#!(" na descrio do orbe terrestre: B"   A#9@" Este receber, plcido e brando, B"  A#?F" No seu regao os cantos que, molhados, B"   h A#=D" Vm do naufrgio triste e miserando, B"  A#;B" Dos procelosos baxos escapados ... B"   A#=D" (X.128.1-4) B"  A#CJ" Refere-se ao rio Mecom, que recolheu os nufragos do navio de B"   D A#X_" Leonel de Sousa, que se afundou nos mares da China nos fins de B"   A#CJ" 1558 (ou princpios de 1559). Entre eles contava-se Cames (5). O B"   A#V]" Poeta fala dos seus cantos molhados o que significa que se B"   A#EL" tratava j de um volume aprecivel, cuja perda seria irreparvel. O B"<   A#V]" principal da obra estava feito. Mas o Poeta ainda a limou e B" `   l A#BI" testemunha do facto o historiador Diogo do Couto, seu amigo, que B"   A#9@" em Moambique o viu dedicado a essa tarefa (1568-1569). B"  A#CJ" De novo em Lisboa, em 1570, o Poeta deu-se pressa em arranjar B"    A#U\" forma de publicar o seu Poema e deve ter encontrado um B"  ` A#7>" interessado intercessor em D. Manuel de Portugal (6). B" ` A#T[" Em 23 de Setembro de 1571 a obra estava na impresso, B"   A#DK" conforme consta do alvar respectivo. No alvar que concede a Lus B"   A#CJ" de Cames uma tena de 15$000 ris pela publicao de Os Lusadas B"   D A#BI" (datado de 28 de Julho de 1572) diz-se que a merc ser dada por B"   D A#NU" trs anos, a comear em doze de maro deste ano presente de mil quinhentos B" <  A#GN" setenta e dous em diante. Esta tena foi dada pelo conhecimento que o B" `  A#DK" rei tem do engenho e habilidade do Poeta e pela suficincia que B"  d A#DK" mostrou no livro que fez das cousas da ndia (7). A data de 12 de B"   D A#AH" Maro de 1572 uma data assinalvel porque deve corresponder B"` <  A#" do lanamento da obra. B"< A# " B" A#,3" V B"  A# " B" A#7>" ----------------------- Page 14-----------------------B"  A# " B" A#-4" PREFCIO B"  A# " B" A#U\" Como que Cames, errante por tantas partes do Mundo, B"`   A#X_" dependente, como soldado, das ordens de marcha que lhe B"   A#AH" impunham e de que naturalmente descansava a bordo dos navios em B"d   A#W^" que embarcava, como pde ele arrumar no seu crebro tantos B"   A#:A" conhecimentos e servir-se deles por onde quer que andou? B" <  A#BI" Estamos mais bem informados acerca da sua despedida de amor, B" `  A#IP" em Coimbra (vo as serenas guas / do Mondego descendo ...) do que dos B"  @ A#?F" seus estudos naquela cidade. Nem mesmo sabemos quando o Poeta B"   A#X_" saiu definitivamente de Coimbra. Mas se na 1. carta da ndia se B"   A#FM" queixa de, sem pecado que o obrigasse a trs dias de Purgatrio, ter B" ` @ A#W^" passado (em Lisboa) trs mil dias de ms lnguas, piores tenes, B"   A#DK" danadas vontades, nascidas de pura inveja de verem su amada yedra B" `   A#[b" de si arrancada, y en otro muro asida, podemos admitir que chegou a B"      A#U\" Lisboa por 1546. Cames deve ter assistido a certos conflitos de B"  ` A#Y`" jurisdio entre os cnegos regrantes de Santa Cruz e a B"   A#CJ" Universidade, transferida de Lisboa para Coimbra. Impossvel me B"  @ A#?F" afirmar (porque a presena de Cames em Coimbra coincidiu com B"   A#FM" uma fase de transio) se Cames j foi ouvir o ensino artstico B"   A#W^" Universidade ou se se manteve nos colgios de Santa Cruz, B"  <   A#DK" protegido por algum parente daquela congregao (8). curioso que B"    A#FM" na narrativa ao rei de Melinde (III.97), falando das obras do rei D. B"  @ A#!" Dinis, o Poeta escreveu: B" A#=D" Fez primeiro em Coimbra exercitar-se B"   A#5<" O valeroso ofcio de Minerva B"`  A#=D" E de Helicona as Musas fez passar-se B"   h A#:A" A pisar do Mondego a frtil erva. B"`   A#:A" Quanto pode de Atenas desejar-se, B"  A#;B" Tudo o soberbo Apolo aqui reserva, B"  A#<C" Aqui as capelas d tecidas de ouro, B" `  A#;B" Do bcaro e do sempre verde louro. B" `  A#SZ" Vasco da Gama quem informa, mas a verdade que nesse B"   A#?F" momento (em 1497-1498) a Universidade estava em Lisboa. Vasco B"`   A#RY" da Gama transmite ao rei de Melinde uma impresso de Cames, B"   A#RY" que aproveitara com o estudo de Coimbra e com a reforma do B"  < A#" ensino ali operada. B" A#BI" Os poetas lidos por Cames foram numerosos. Nem s Virglio, B"<   A#OV" nem s Homero, ainda que do primeiro teve um conhecimento B"   A#DK" profundo, que se revela no nmero de passos imitados, s vezes por B"   h A#&-" forma bastante literal. Por exemplo: B"  D A# " B" A#-4" VI B"  A# " B" A#7>" ----------------------- Page 15-----------------------B"  A# " B" A#.5" PREFCIO B"  A#=D" Como isto disse, manda o consagrado B"    A#>E" Filho de Maia Terra, por que tenha B" `  A#8?" Um pacfico porto e sossegado, B"  A#AH" (II.56.1-3) B"    A#DK" Haec ait et Maia genitum demittit ab alto, B"   D A#IP" Ut terrae utque novae pateant Karthaginis arces B"   A#-4" hospitio Teucris... B"<  A#DK" (En., I.297-299) B"    A#Y`" Quando a me de Eneias interroga ansiosamente o Pai dos B"     A#Za" deuses sobre o futuro do filho, Jpiter oscula libavit natae e B" <     A#FM" diz-lhe: Parce metu, Cytherea, manent immota tuorum / fata tibi ... B" < < A#DK" (I.256-258). Em Os Lusadas tambm Jpiter, ainda mais aceso de B" `  A#  " amor B" A#;B" As lgrimas lhe alimpa, e acendido B"   D A#>E" Na face a beija e abraa o colo puro B"   A#?F" (II.42.5-6) B"    A# " para lhe dizer B" A#(/" ... no temais B"   A#;B" Perigo algum nos vossos Lusitanos B"< <  h A#?F" (II.44.1-2) B"    A#FM" No entanto, se Cames reconhece a suserania destes dois (V.94.7 B"   A#X_" e V.98.2), no desconheceu nem deixou de aproveitar outros: B"      A#CJ" Ovdio, Horcio, Valrio Flacco, Lucano, Claudiano e quantos mais B"`   A#GN" ... Conhece-ospor dentro e invoca-os com toda a preciso. A primeira B"   A#AH" vez que Eneias invocado o Troiano. Em I.12.8 compara-o ao B"   A#CJ" Gama; em II.45.5 lembra que o piadoso Eneias navegou / de Cila B"    A#CJ" e de Carbdis o mar bravo; em III.106.1-8 compara a tmida Maria B" `  A#V]" implorando o favor do rei de Portugal a Vnus quando implora a B"   A#T[" Jpiter o favor para seu filho Eneias, navegando. Cames recorda B" <  A#EL" mesmo a pele bovina (IX.23) que, cortada em tiras finssimas, fez o B"   A#CJ" permetro de Cartago, por indstria de Vnus. E de Ovdio no tem B" `  A#EL" apenas o conhecimento das Metamorfoses. No incio da Elegia III d- B"   A#BI" nos um belo retrato moral de Ovdio desterrado, em confronto com B"   A#" o seu caso pessoal: B" A#;B" O Sulmonense Ovdio, desterrado B"  A#:A" na aspereza do Ponto, imaginando B"  A#;B" ver-se de seus parentes apartado; B"< <  h A#9@" sua cara mulher desamparando, B"  A#?F" seus doces filhos, seu contentamento, B" d  A#;B" de sua ptria os olhos apartando; B"    A#>E" no podendo encobrir o sentimento, B"    A#;B" aos montes e s guas se queixava B"  A#.5" VII B"  A# " B" A#7>" ----------------------- Page 16-----------------------B"  A# " B" A#07" PREFCIO B" d A#=D" de seu escuro e triste nacimento. B"    A#?F" O curso das estrelas contemplava, B"   A#8?" como por sua ordem discorria B"  A#@G" o cu, o ar e a terra adonde estava. B"    A#<C" Os pexes pelo mar nadando via, B"   A#;B" as feras pelo monte, procedendo B"  A#<C" com o seu natural lhes permitia. B"  A#<C" De sua fonte via estar nacendo B"    A#8?" os sadosos rios de cristal, B"  A#6=" a sua natureza obedecendo. B"  A#=D" Assi s, de seu prprio natural B" <   A#?F" apartado, se via em terra estranha, B"   h A#=D" a cuja triste dor no acha igual. B" `  A#;B" S sua doce Musa o acompanha, B"  A#<C" nos versos sadosos que escrevia B"  A#AH" e lgrimas com que ali o campo banha. B"   A#[b" ............................................................... B"     A#SZ" E que leu dos prosadores? Plutarco, com certeza. Em grego? B"   A# ]d" Conheceu a Bblia. Dos gegrafos e naturalistas algum B" <    A#4;" conhecimento teria. Pelo menos, cita-os em fiada: B"  A#=D" Eu sou aquele oculto e grande cabo B"   A#CJ" Que nunca a Ptolomeu, Pompnio, Estrabo, B"   D A#CJ" Plnio, e quantos passaram, fui notrio. B"`   A#18" Acerca de Plnio parece no haver dvidas. B"  A#DK" Da histria geral tambm no estamos bem informados. Utilizou B"   D A#SZ" a Enneades ou Rhapsodiae historiarum, de Sablico, volumoso tratado B"      A#RY" que foi parcialmente traduzido em portugus por D. Leonor de B"  < A# ^e" Noronha, prima co-irm do amigo e protector do poeta D. B"     A#CJ" Francisco de Noronha, 2. conde de Linhares (9). Da traduo s B"    A#CJ" so conhecidos os dois primeiros volumes, impressos em Coimbra B"    A#Za" (1., 1550; 2., 1553). A obra geral de Sablico foi continuada por B" <    A#" Paulo Jove e outros. B" A#X_" notvel a prontido e a frequncia com que o Poeta invoca B"     A#Za" paralelos para pr em evidncia os feitos dos Lusitanos ou os seus B"   A# '" defeitos em relao a outros: B"   A#BI" Codro, por que o inimigo no vencesse, B"   h A#@G" Deixou antes vencer da morte a vida; B"    A#BI" Rgulo, por que a ptria no perdesse, B"   h A#=D" Quis mais a liberdade ver perdida. B"  A#?F" Este, por que a Espanha no temesse, B"`   D A#9@" A cativeiro eterno se convida! B"  A# " B" A#29" VIII B"  A# " B" A#7>" ----------------------- Page 17-----------------------B"  A# " B" A#-4" PREFCIO B"  A#?F" Codro, nem Crcio, ouvido por espanto, B"   D A#;B" Nem os Dcios leais fizeram tanto. B"  A#?F" (IV.53.1-8) B"    A#?F" No matou a quarta parte o forte Mrio B"   A#;B" Dos que morreram neste vencimento, B"    A#@G" Quando as guas co sangue do adversrio B"    A#7>" Fez beber ao exrcito sedento; B"  A#:A" Nem o Peno, asperssimo contrrio B"  A#8?" Do romano poder, de nascimento, B"  A#:A" Que tantos matou da ilustre Roma, B"  A#EL" Que alqueires trs de anis dos mortos toma; B"   A#8?" E se tu tantas almas s pudeste B"  A#:A" Mandar ao Reino escuro do Cocito, B"  A#9@" Quando a santa cidade desfizeste B"  A#9@" Do povo pertinaz no antigo rito, B"  A#9@" Permisso e vingana foi celeste B" `   A#<C" E no fora de brao, nobre Tito, B"  A#<C" Que assi dos vales foi profetizado, B"   A#8?" E despois por JESU certificado. B"`  A#CJ" (III.116 e 117) B"   A#8?" Do pecado tiveram sempre a pena B"  A#;B" Muitos que Deus o quis e permitiu: B"  A#;B" Os que foram roubar a bela Helena, B"  A#:A" E com pio tambm Tarquino o viu; B"  A#>E" Pois por quem David santo se condena? B" <  D A#9@" Ou quem o tribo ilustre destruiu B"  A#<C" De Benjamim? Bem claro no-lo ensina B"   A#:A" Por Sarra Fara, Siqum por Dina. B"  A# " B" A#9@" E, pois, se os peitos enfraquece B"  A#8?" Um inconcesso amor desatinado, B"  A#9@" Bem no filho de Almena se parece B"  A#>E" Quando em nfale andava transformado. B" @  A#<C" De Marco Antnio a fama se escurece B" <  D A#=D" Com ser tanto a Clepatra afeioado. B"    A#?F" Tu, tambm, Peno prspero, o sentiste, B" `  h A#AH" Despois que ua moa vil na Aplia viste. B"   A#CJ" (III.140 e 141) B"   A#CJ" Teve muita influncia no Poeta o poema Argonautica de Valrio B"    A#W^" Flacco e talvez o de Apolnio Rdio. A partida dos mercantes de B"  `  l A#!(" Belm associada dos Mnias: B"<   A# " B" A#-4" IX B"  A# " B" A#7>" ----------------------- Page 18-----------------------B"  A# " B" A#-4" PREFCIO B"  A#7>" "Foram de Emanuel remunerados, B" ` A#?F" Por que com mais amor se apercebessem, B"   A#6=" E com palavras altas animados B" ` A#;B" Pera quantos trabalhos sucedessem. B"  A#8?" Assi foram os Mnias ajuntados, B"  A#<C" Pera que o Vu dourado combatessem, B" d  A#<C" Na fatdica nau, que ousou primeira B" <  D A#;B" Tentar o mar Euxnio, aventureira. B"  A#:A" (IV.83) B"  A#V]" Os Portugueses so os segundos Argonautas (IX.64). No B"  <   A#GN" faltam as referncias ao Veo (=Velo) dourado (III.72 e IV.83), nem B"   A#$+" rica pele de Colcos (V.28) (10). B"  A#?F" A partida das naus de Belm suscita ao Poeta este smile: B"    A#>E" Elas prometem, vendo os mares largos, B" `   A#CJ" De ser no Olimpo estrelas, como a de Argos B"   A#:A" (IV.85) B"  A#SZ" E efectivamente a constelao Argo figura, entre outras, nestes B"   A# " versos: B"  A#@G" Este, por sua indstria e engenho raro, B"   A#=D" Num madeiro ajuntando outro madeiro, B" <  D A#=D" Descobrir pde a parte que faz clara B"   h A#EL" De Argos, da Hidra a luz, da Lebre e da Ara. B"  @ A#<C" (VIII.71) B"  A#BI" Dos poetas estrangeiros no pode negar-se-lhe o conhecimento B" <  A#DK" de Petrarca, Ariosto, Tasso, Sannazaro, Garcilaso, Boscn. Teve de B"    A#QX" munir-se de livros auxiliares de estudo, como as Genealogiae deorum, B"`   A#T[" de Boccacio, o Dictionarium poeticum, de Tormentino, a Officina, de B"    l A#V]" Ravisio Textor, os Lectionum antiquarum libri triginta, de Clio B"   A# " Rhodigino. B"  A#W^" Conhecia bem as lendas mitolgicas e a histria geral da B"   A# " B" A#FM" Antiguidade, mas no fcil determinar as suas fontes. Para alm de B"   A#FM" Sablico, que conheceu da histria romana? Para a histria geral dos B" <  A#AH" tempos posteriores queda do imprio romano ocidental lembra B"   A#DK" Epifnio (11) , valeu-se Cames dos trabalhos de vulgarizao que B" < d A#HO" j no seu tempo existiam, tais como: a Historia rerum ubique gestarum, B"  d A#HO" de Eneas Silvio, o Catalogus annorum et principum, de Valerio Ryd, que B" ` d A#JQ" chega at 1540, o De vitis ac gestis summorum pontificum, de Pltina, os B"   A#W^" Commentariorum libri, de Raffael Maffei de Volaterra, as Historie del B"  <   A#AH" mondo, de Tarchagnota. Os conhecimentos cosmogrficos podem ter B"   h A#U\" sido hauridos na enciclopdia que tem por ttulo Margarita B"   A# " B" A#,3" X B"  A# " B" A#7>" ----------------------- Page 19-----------------------B"  A# " B" A#-4" PREFCIO B"  A# " B" A#X_" philosophica . A descrio do sistema do mundo ptolemaico foi B"     A#V]" extrada do Tratado da Esfera, de Pedro Nunes (1537). Storck, B"   A#W^" referindo-se aos conhecimentos de Cames, escreve: Os seus B" <    A#W^" conhecimentos filosficos derivam, quanto a pormenores, na B"     A#GN" aparncia, da leitura de Digenes Larcio, Plutarco, Ccero, Valrio B"  @ A#BI" Mximo, Aulo Glio, Plnio Snior e das Antologias. Encontram-se B" `  A#IP" a mido reminiscncias destes escritores em passagens camonianas B"   A#GN" ... Mas os autores clssicos que enumerei no so os nicos gregos e B" < @ A#LS" romanos que Cames manuseava frequentemente. As suas poesias B"`   A#DK" so testemunho claro de como conhecia ditos e feitos de uma longa B"   h A#T[" srie de escritores ilustres: Homero, Aeliano, Xenofonte, Virglio, B"   <  h A#EL" Lucano, Ovdio, Horcio, Plauto, Lvio, Eutrpio, Justino, Ptolemeu B"` `  A#IP" e outros, ficando indecisa a questo se lia obras gregas no original. B"   A# " (12) B" A#EL" Mas, antes de tudo, Cames teve de possuir portentosa memria, B"`   A#DK" porque lhe seria difcil ter mo ao mesmo tempo tantas obras. No B"   h A#V]" naufrgio salva o Poema; mas, o material bibliogrfico de que se B" <   l A#FM" servia? E no se esquea o costume dos escolares de ento de reunir B" ` @ A#SZ" alfabticamente sentenas e exemplos em cadernos escolares que lhes B"  < A#V]" serviam pela vida fora. Muitos livros prticos desta feio foram B" `    A#" publicados na Europa. B" A#DK" Escusado seria dizer-se que Cames conheceu todas as crnicas B"   D A#SZ" do Reino, alm das ultramarinas de Castanheda, Barros e Gaspar B"     A#T[" Correia (esta em manuscrito). Conversou com Diogo do Couto. B"`   A#?F" Conheceu opsculos de Andr de Resende, mormente o seu poema B"   A#X_" Vincentius. As crnicas ultramarinas deram-lhe o fio da histria: a B"   A#W^" viagem do Gama; as crnicas do Reino deram-lhe a histria B"   A#X_" poetizada do Reino e sobretudo os episdios com que reala a B"   A# " narrativa. B"  A#V]" Muito se discutiu a legitimidade da interveno dos deuses do B"  <  l A#W^" Olimpo, mas nunca se explicou como que o Poeta havia de B"   A#U\" deificar os Lusitanos sem que os prprios deuses interviessem na B"   A#U\" aco. Os Portugueses ainda antes de Cames sentiam-se B"   A#W^" verdadeiramente ufanos da descoberta de tudo o que no era B" <    A#U\" Europa (um mundo imenso de que a Europa no tinha notcia) e B" < <   A#DK" colocavam as faanhas dos descobridores e conquistadores acima de B"  ` A#DK" tudo o que fora feito pelo mundo greco-romano. Alexandre, Csar e B"   A#T[" Trajano aparecem em Os Lusadas como grandes monarcas B"   A#W^" ofuscados pelos Portugueses. Este dado fundamental para se B" <   l A# " B" A#,3" XI B"  A# " B" A#7>" ----------------------- Page 20-----------------------B"  A# " B" A#-4" PREFCIO B"  A# " B" A#X_" entender o que o Poeta quis fazer. No basta afirmar-se que quis B" `    A#U\" exaltar os Portugueses. pouco. Quis deific-los; quis fazer deles B"     A#@G" uma nova raa de deuses. Baco magnfica aceitao por Cames B"   A#EL" dos direitos de Baco sobre a ndia ser o grande vencido e aps B"   D A#Y`" porfiada luta. Os direitos de Baco sobre a ndia vinham de longe. B" <    A#CJ" Arriano conta, a propsito da inteno de Alexandre de dominar os B" `   A#AH" rabes, que estes s adoravam dois deuses: o Cu e Baco. O Cu, B"   A#W^" porque, contendo os astros e o Sol, era causa dos maiores, mais B"   A#W^" visveis e numerosos benefcios dos homens; Baco, por ter B"  <   A#W^" conquistado os ndios. (Baco submetera a ndia pela fora das B"   A#W^" armas.) Pois eu, afirmou Alexandre, posso ser a sua terceira B"   <  D A#DK" divindade, pois as minhas faanhas de modo algum so inferiores s B"   A#AH" do semideus (13). Cames escolheu como inimigo dos Portugueses B"    A#AH" aquele mesmo que os rabes tinham adorado. E o dio de Baco aos B"   D A#CJ" Portugueses vem de saber que h-de ser destronado por eles. Todos B" `   A#CJ" os ardis postos em execuo por Baco no atingem o seu objectivo. B"    A#QX" O ltimo ter aparecido em sonhos a um sacerdote maometano B"   A#X_" para indisp-lo contra os Portugueses (VIII.47-50) precede a B"     A#V]" apoteose dos heris. Baco desaparece obscuramente antes, sem B"     A#5<" deixar qualquer rasto da sua insatisfeita vingana. B" < A#BI" Pensamos hoje que Baco no merecia tais honras, mas no tempo B"   D A#PW" de Cames Baco era uma entidade muito importante. Barros, no B" `  A#IP" princpio da sia, ao falar dos feitos dos Portugueses, diz que estes, B"   A#U\" alm do mais, foram despregar aquella divina & real bdeira da B"   A#Za" milicia de Christo (que elles fundaram para esta guerra aos infieis) B"     D A#BI" nas partes Orientaes da Asia, em meyo das infernaes mesquitas da B"   A#SZ" Arabea, & Persia, & de todolos pagdes da gentilidade da India B"   A#V]" daquem, & dalem do Gange: partes onde (segundo escriptores B"   A#CJ" Gregos & latinos) excepto a illustre Semirames, Bacho, & o grande B"   D A#29" Alexandre, ninguem ousou cometeras (I, fol. 3). B"` ` A#W^" Se Baco o grande inimigo, Vnus a grande e solcita B" `    D A#AH" companheira dos Lusitanos, seguida das suas Nereidas, no menos B"   h A#EL" solcitas e prestantes. O oceano de Cames est coalhado de ninfas. B"   A#>E" So no Poema a encarnao da beleza pag. Obedecem a Vnus e B"  H A#FM" substituem-se no Poema s foras naturais, e com to invisvel traa B"  @ A#EL" que os Nautas s se daro conta da sua existncia muito mais tarde, B"    A#" na Ilha dos Amores. B" A#V]" A presena de Vnus no sexto cu, queixando-se a Jpiter das B"     A#CJ" insdias de Baco, a interveno de Vnus e das suas Nereidas para B"   A# " B" A#-4" XII B"  A# " B" A#7>" ----------------------- Page 21-----------------------B"  A# " B" A#-4" PREFCIO B"  A#BI" impedir a entrada das naus em Mombaa, onde seriam destrudas, a B"   A#AH" seduo dos Ventos para os impedir de prosseguirem a tempestade B"    A#V]" so trechos de uma beleza formal insupervel, em que a pena do B"  d   h A#V]" Poeta atinge a visualizao de um verdadeiro pintor. Com que B"     A#>E" simplicidade o Poeta une a realidade e o mito nestes versos: B"    A#:A" Destarte despedida a forte armada B"   A#7>" As ondas de Anfitrite dividia, B"  A#:A" Das filhas de Nereu acompanhadas, B"  A#:A" Fiel, alegre e doce companhia ... B"  A#=D" (I.96.1-4) B"  A#:A" Um mundo familiar, a facilitar a empresa dos nautas! B"` <   A#W^" Com a Ilha dos Amores Cames atinge o clmax da B"   A#FM" voluptuosidade pag. Creio no ser preciso subtilizar a exegese para B"   A#FM" converter o deleite carnal em gozo filosfico. Vnus no Plato! A B"   h A#OV" Ilha levada por Vnus ao encontro dos mareantes, os segundos B"  ` A#GN" Argonautas, para que estes possam refocilar a lassa humanidade B"   A#$" (IX.20) porque a deusa quer B" A#8?" ... que haja no reino neptunino B"  A#<C" (onde nasceu) prognie forte e bela B"  A#>E" (IX.42.1-2) B"    A#CJ" S possvel dar origem a novos seres pela gerao. Uma raa B"   D A#W^" valorosa vai nascer deste conbio entre os fortes bares e as B"   A#EL" nereidas. Sou dos que pensam que o Poeta, no seu regresso Ptria, B"   h A#HO" foi convidado pela censura a dar um sentido espiritual (as deleitosas B"    A#DK" honras) s delcias carnais da Ilha de Vnus. A verdade, porm, B"   D A#,3" que no Poema tudo toma um ar esponsalcio: B"  A#>E" As mos alvas lhe davam como esposas; B"   D A#<C" Com palavras formais e estipulantes B"   A#5<" Se prometem eterna companhia B"  A#=D" Em vida e morte, de honra e alegria. B" `  D A#>E" (IX-84.5-8) B"    A#%," Ainda no aparecera a alegoria. B"  h A#BI" O mito no se corrompe pelo facto de o Poeta ter sublimado a B"    A#DK" carnalidade do episdio, como no se corrompe o sentido da palavra B"    A#9@" amante pelo facto de se tratar de uma unio sensvel: B"  A#>E" Quando as fermosas ninfas cos amantes B"    A#<C" Pela mo, j conformes e contentes, B"    A#;B" Subiam pera os paos radiantes ... B"  A#<C" (X.2.1-3) B"  A#<C" Ali em cadeiras ricas, cristalinas, B"  A#@G" Se assentam dous e dous, amante e dama; B"    A# " B" A#-4" XIII B"  A# " B" A#7>" ----------------------- Page 22-----------------------B"  A# " B" A#.5" PREFCIO B"  A#=D" (X.3.1-2) B"  A#6=" O mundo antigo continuava-se na gente lusitana! B"   h A#SZ" E no esqueamos que ao despedirem-se da Ilha de Vnus os B"   A#>E" nautas, entre eles os j nossos conhecidos Veloso e Leonardo B"`   D A#3:" Levam a companhia desejada B"  A#AH" Das ninfas, que ho de ter eternamente, B"   A#BI" Por mais tempo que o sol o mundo aquente. B"   D A#>E" (X.143.64) B"    A#@G" O eixo do Poema evidentemente a viagem do Gama, mas Os B"   A#CJ" Lusadas no so a viagem do Gama. Os Lusadas so todos os seus B"    A#Y`" reis, todos os seus heris, todos os seus gloriosos bares. Ora o B"   A#X_" Gama, na sua notcia ao rei de Melinde, s poderia dar conta dos B"   A#?F" que enobreceram a Nao at aquele momento em que fazia a sua B"   A#FM" exposio ao rei de Melinde, comeando naturalmente pelos reis e B"<   A#X_" pelos que estiveram mais prximos dos reis. Foi uma narrativa B"   A#W^" poetizada da histria antiga de Portugal, a comear em Luso e a B"   A#W^" acabar em 1497, com D. Manuel! Ficariam esquecidos muitos B"   A#CJ" bares. Tal como Virglio, Cames aproveitar os rogos de Vnus B"   D A#\c" a Jpiter, a favor do seu Eneias, para que o pai dos deuses possa B"   `  A#FM" predizer alguns feitos hericos (II.44-54); vir depois o Adamastor, B"   A#BI" tambm dotado de terrfico dom proftico e que anunciar ao Gama B"    A#QX" e seus companheiros a morte de Bartolomeu Dias (1500), de D. B"   A#QX" Francisco de Almeida (1510) e o naufrgio de Manuel de Sousa B"   A#AH" Seplveda (1552). Em Calecute, o Catual ouvir de Paulo da Gama B"   A#V]" as explicaes acerca das figuras que esto pintadas nas bandeiras B"   A#EL" das naus. Aqui no se trata de predies; e curioso acentuar que, B"   A#OV" comeando nos fabulosos Luso e Ulisses, como antepassados dos B"   A#W^" Portugueses, se estender at os condes D. Pedro e D. Duarte de B"   A#RY" Meneses, fronteiros de Ceuta, ficando includas na descrio uma B"   A#X_" srie de figuras medievais. Mais tarde, uma ninfa vai vaticinar os B"     A#Za" feitos futuros dos Portugueses, particularmente dos heris e B"  d   A#DK" governadores da ndia (at D. Joo de Castro e seus filhos). Com a B"   A#Y`" descrio do orbe terrestre, especialmente as terras de frica e da B" <    A#BI" sia que os Portugueses viro a possuir, ficam nomeados todos os B"   D A#Za" grandes ilustres e os lugares que foram teatro de seus feitos. So B"  <   A# " estes Os Lusadas. B" A#CJ" Georg Weise, professor emrito de Tubinga, publicou em 1965, B"   D A#PW" em Itlia, L'ideale eroico del Rinascimento Diffusione europea e tramonto, B"   A#CJ" em dois volumes. Neste excelente livro no se pronuncia o nome de B"   A#CJ" Cames. Mas no nos devemos considerar afligidos por isso, porque B" `  A# " B" A#.5" XI V B"  A# " B" A#7>" ----------------------- Page 23-----------------------B"  A# " B" A#.5" PREFCIO B"  A#@G" os Espanhis tambm l no esto. O mesmo acontece no livro de B"   D A#SZ" Robert M. Durling, professor da Cornell University, intitulado The B"`   A#Za" Figure of the Poet in Renaissance Epic, 1965 (14). Cames tardio em B"   A#NU" relao ao que costuma considerar-se como Renascimento e que B" < < A#SZ" Weise adopta: Ne consegue che di Rinascimento si suole parlare B" <     A#Y`" soltanto a partire dal passaggio al secolo XV (II.1). O poema de B"    l A#U\" Cames veio luz em 1572! No entanto, parece-nos que a raa B" `  A#T[" forte e bela que Vnus deseja procriar (mticamente, embora) se B"   A#HO" ajusta a esse ideal herico que Weise formula: ... mi sembra sia da B"   A#OV" considerarsi, gi nel Petrarca, l'aspirazione ad innalzare a un livello B"  < A#Y`" semidivino gli uomini e le gesta dell'antichit, a prenderli come B"  d   A#FM" modello di una idealizzazione croicheggiante, conferira persino alle B"   A#[b" persone del proprio tempo (II.5-6). Cames quer que os B"    l A#CJ" Portugueses se tornem divinos no s pela fortaleza de nimo, mas B" `   A#Y`" pelo exerccio das mais altas virtudes. No s pela coragem fsica, B"   A# " diante do inimigo B" A#>E" ... com forar o rosto que se enfia, B"   A#9@" A parecer seguro, ledo, inteiro B"  A#=D" Pera o pelouro ardente, que assovia B"    A#@G" E leva a perna ou brao ao companheiro B" `   A#@G" (VI.98.1-4) B"    A#?F" mas pela lealdade firme e obedincia (V.72) para com o rei: B"   A#>E" Olhai que ledos vo por vrias vias, B" `  A#@G" Quais rompantes lies e bravos touros, B" `   A#:A" Dando os corpos a fome e vigias, B"  A#>E" A ferro, a fogo, a setas e pelouros, B" `  h A#<C" A quentes regies, a plagas frias, B"   A#<C" A golpes de Idolatras e de Mouros, B" `   A#8?" A perigos incgnitos do mundo, B"  A#=D" A naufrgios, a pexes, ao profundo, B" <  h A# " B" A#<C" Por vos servir a tudo aparelhados, B" d  A#<C" De vs to longe sempre obedientes B"    A#>E" A quaisquer vossos speros mandados, B" `  h A#?F" Sem dar reposta, prontos e contentes. B"    A#@G" (X.147-148) B"    A#-4" E j o Gama dissera ao rei de Melinde: B" @ A#?F" Grandemente por certo esto provados, B"<   h A#AH" Pois que nenhum trabalho grande os tira B"   A#<C" Daquela portuguesa alta excelncia B"< <   A#9@" De lealdade firme e obedincia. B"  A#?F" (V.72.5-8) B"    A#-4" XV B"  A# " B" A#7>" ----------------------- Page 24-----------------------B"  A# " B" A#.5" PREFCIO B"  A#CJ" Por esta via tomaro lugar no Olimpo estelante, empalidecendo B"`   A# " o fulgor de B"  A#:A" Jpiter, Mercrio, Febo, e Marte, B"   A#<C" Eneias e Quirino e os dous Tebanos, B"  A#8?" Ceres, Palas e Juno com Diana. B"< <  A#U\" Os Lusadas esto destinados a substituir a fama dos Antigos, B"   A#SZ" porque as suas proezas os excedem. O culto da Antiguidade no B"  < A#W^" cega o Poeta ao ponto de lhes sotopor os feitos dos Portugueses B"   A#)0" como pedestal dos heris mediterrneos: B"`  A#9@" Que se o facundo Ulisses escapou B"  A#?F" De ser na Oggia ilha eterno escravo, B"   D A#7>" E se Antenor os seios penetrou B"  A#7>" Ilricos e a fonte de Timavo; B"<  A#5<" E se o piadoso Eneas navegou B"  A#9@" De Cila e Caribdis o mar bravo, B"  A#<C" Os vossos, mores cousas atentando, B"    A#>E" Novos mundos ao mundo iro mostrando. B"    A#*1" E tudo sem mentir, puras verdades. B"   A# " B" A#/6" II B" @ A# " B" A#,3" A Edio Princeps B"`  A# " B" A#X_" Para compreenso do que se segue fixe-se desde j que B"   A#SZ" designamos por A a edio que apresenta o pelicano com o colo B"`   A#Za" para a nossa esquerda, e por B a que apresenta o pelicano com o B"  <    A#U\" colo para a nossa direita. A edio A tambm pode ser designada B"     h A#BI" por Ee (em lembrana do penltimo verso da 1. estncia do poema B"<   A#Za" que em A E entre gente remota edificaro) e a edio B por E (em B"     A#Y`" virtude de o mesmo verso ser s Entre gente remota edificaram). B"   A#" Portanto, A=Ee e B=E. B" A#DK" H sculos que se discute o problema das duas edies de 1572. B"   D A#X_" Faria e Sousa, na segunda vida que escreveu de Cames e que B"  <   A# " B" A#-4" XVI B"  A# " B" A#7>" ----------------------- Page 25-----------------------B"  A# " B" A#-4" PREFCIO B"  A# " B" A#DK" paradoxalmente se encontra frente de alguns exemplares das Rimas B"   h A#W^" Vrias (no de todos), diz no n. 27 o seguinte: Aviendo, pues, B"   A#DK" llegado el P. a Lisboa el ao de 1569 el de 1572 public por medio B"   h A#DK" de la Estampa su Lusiada, aviendosele concedido privilegio Real en B"   A#CJ" 4 de Setiembre de 1571. Di con el un gran estallido en todos los B"   h A#V]" oidos, y un resplendor grande a todos los ojos ms capazes de B"   A#CJ" Europa. El gasto desta impression fue de manera, que el mismo ao B"   A#FM" se hizo otra, Cosa que aconteci rara vez en el Mundo; en Portugal e B" `  A#DK" ninguna ms de esta. Y porque esto ha de parecer nuevo, y no facil B"   D A#U\" de creer, yo asseguro que lo he examinado bien las mismas ds B"   A#GN" ediciones que yo tengo; por diferencias de caracteres; de ortografia; B"    A#EL" de erratas que ay en la primera, y se ven em?dadas en la segunda; y B"<   A#/6" de algunas palabras con que mejor lo dicho. B"  A#Y`" Portanto, em 1685 havia duas edies diferentes de 1572: a B"   A#Za" difuso da obra tinha sido to grande que o editor se lanara ao B"   A#07" empreendimento de uma nova tiragem, melhorada. B"  A#GN" Mas nas suas Lusadas comentadas (1639), em comentrio est. 21 B"   A#EL" do Canto IX (col. 31), Faria e Sousa diz isto: Es verdad que en la B"   h A#CJ" primera impression deste Poema, a la qual yo llamo original (como B"`   A#HO" dize Correa) falta el madre [trata-se do clebre verso Da my primeyra B"   A#KR" co'o terreno seyo]. Dirn agora los escrupolosos; con que autoridad se le B"   A#EL" aadi despues? Yo no s quin lo hizo, pero s que est bien hecho: B"    A#W^" i assi presumo que la segunda impression se bolvi a hazer por el B"   A#RY" manuscrito del Poeta, o por alguno de los impressos enmendados B"  < A#Za" por ele, no solamente en este lugar, sino en otros muchos en que B"     A#Y`" avia sobra, i falta de palabras evid?te. Lo mismo sucedi a la B"   A#CJ" impression de las Rimas, que la primera vez truxeron muchas cosas B" <  A#W^" diferentes del manuscrito del Poeta, i en la segunda salieron muy B"   A#DK" mejoradas. Per viniendo a los yerros deste Poema, cometidos en la B" < @ A#FM" estampa por falta, o sobra de palavras, har alguna observacion para B"  d A#FM" que se vea claro, que pudo salir esta enmienda de donde salieron las B"   A#DK" otras no menos acertadas que ella. Empecemos por las sobras. En la B" <  A#LS" est. 54 del c. 2 dezia; Idololatra por Idolatra en la 56, de Maria, por de B"<   A# ]d" Maia. En la 53 del c. 5 dezia un verso, Como fosse cousa impossibil B"      A#MT" alcanala, por Como possibil alcala; en la 38 del c. 6, Eolo, por Eoo. En B"   A#PW" la 30 del 8, Que lhe dizem que lhe falta: por que lhe dizem que falta i en la B"  ` A#EL" 32 (de 8), Capitam, por Cipiam. Las faltas, que es exemplo que hazo B"<  d A#HO" ms a mi proposito. En la 75 del c. 1, E Romano, por e co'o Romano; en B"  @ A#RY" la 89, Nos bateis fogo, por nos bateis o fogo. En la 17 del ct. 2, e nesta, por B"   A# " B" A#.5" X VII B"  A# " B" A#7>" ----------------------- Page 26-----------------------B"  A# " B" A#,3" PREFCIO B"  A# " B" A#JQ" e com esta. En la 103, Que de Luso, por que os de Luso; en la 95 del 3, B"  @ A#MT" Liberdade, por liberalidade; en la 70 del 7, Rio Tejo, por rico Tejo. En la B"  d A#OV" 11 del 8, No Estigio jura a fama, por no Estigio lago jura, etc., faltando el B"  ` A#T[" lago, que devi aadirse por el original(1) i yo le aado, B" < <   A#EL" conformandome con el verso 1 de la estanc. 40 del ct. 4 y es falta B"   D A#EL" pontualmente, como esta del madre aqui. i no ay duda que este madre B"    A#DK" se aadi por el mismo original que se aadieron, o quitaron essas B"   A#FM" palabras, i otras que omito(2): dexando a parte las introduzidos por B"  d A#OV" otras, como en la est. 34 del c. 3, trabalha, por batalha; i en la 65, serras B"   A#OV" della, por senhor della; i en la 41 del 6, nam fosse, por nam sofre; en la 30 B"   A#-4" deste [IX], ondas, por obras: & otras ... B"  A#U\" Esta enorme e enredada transcrio no pode deixar de B"   A#RY" apresentar-se ao leitor como um indecifrvel quebra-cabeas. B" < `  @ A#EL" Refere-se a falta e sobra de palavras nos versos, mas onde? Tivemos B" `  A#CJ" algum trabalho, mas encontrmos tudo o que pretendamos: trata-se B"  < A#>E" de emendas, ou de Manuel Correia (1613) ou da edio B (=E). B"`   A#EL" De Manuel Correia, Faria e Sousa registou as seguintes emendas: B"   D A# " B" A#;B" Que eu co gro Macedonio, & co Romano, B"  A#OV" (I.75) B"   A# " em vez de: B"  A#6=" Queu co gram Macedonio, & Romano, B"  A#OV" (Ed.A) B"   A#8?" Levando o Idolatra & o Mouro preso B"  A#PW" (II.54) B"   A# " em vez de: B"  A#;B" Levando o Idololatra, & o Mouro preso B"  A#OV" (Ed.A) B"   A#<C" Sentio o a villa, & vio o senhor della B"  A#QX" (III.65) B"   A# " em vez de: B"  A#;B" Sentio o a Villa, & vio a serra della B"  A#OV" (Ed.A) B"   A#6=" E com esta treio determinavo, B"  A#PW" (II.17) B"   A# " em vez de: B"  A#29" E nesta treio determinavam B"  A#OV" (Ed.A) B"   A#%," Da edio B, Faria e Sousa regista: B"  D A#9@" ...manda o consagrado B"  A#8?" Filho de Maria aa terra, porque tenha B"  A#-4" X VIII B"  A# " B" A#7>" ----------------------- Page 27-----------------------B"  A# " B" A#+2" PREFCIO B"   A#NU" (II.56) B"  d A# " em vez de: B"  A#8?" Filho de Maia aa terra porque tenha B"  A#NU" (Ed. A) B"  d A#;B" Como fosse cousa impossibil alcanalla B"  A#MT" (V.53) B"  @ A# " em vez de: B"  A#5<" Como fosse impossibil alcanalla B"  A# " B" A#NU" (Ed. A) B"  d A#29" Do Eolo Emisperio est remota B"  A#NU" (VI.38) B"  d A# " em vez de: B"  A#18" Do Eoo Emisperio est remota B"  A#MT" (Ed.A) B"  @ A#<C" Que lhe dizem que lhe falta resistencia B"    A#PW" (VIII.30) B"   A# " em vez de: B"  A#8?" Que lhe dizem que falta resistncia B"  A#MT" (Ed.A) B"  @ A#6=" Portugues Capitam chamar se deve. B" ` A#PW" (VIII-32) B"   A# " em vez de: B"  A#4;" Portugus Cipio chamar se deve B"  A#MT" (Ed.A) B"  @ A#3:" Eis nos bateis fogo se levanta B" < A#MT" (I.89) B"  @ A# " em vez de: B"  A#5<" Eis nos bateis o fogo se levanta B"  A#MT" (Ed.A) B"  @ A#29" O menos que de Luso mereceram B"  A#OV" (II-103) B"   A# " em vez de: B"  A#5<" O menos que os de Luso merecero B"  A#MT" (Ed.A) B"  @ A#-4" Da liberdade alexandrina B"  A#OV" (III.96) B"   A# " em vez de: B"  A#07" Da liberalidade alexandrina B"  A#MT" (Ed.A) B"  @ A#4;" Do rio Tejo, & fresca Goadiana, B"  A#OV" (VII.70) B"   A# " em vez de: B"  A#*1" XIX B"   A# " B" A#7>" ----------------------- Page 28-----------------------B"  A# " B" A#-4" PREFCIO B"  A#6=" Do rico Tejo, & fresca Goadiana, B"  A#PW" (Ed.A) B"   A#5<" Por quem no Estigio jura a fama B" < A#SZ" (VIII.11) B"   A# " em vez de: B"  A#:A" Por quem no Estigio lago jura a fama B"  A#PW" (Ed.A) B"   A#8?" Em trabalho cruel, o peito humano, B" <   A#RY" (III.34) B"   A# " em vez de: B"  A#7>" Em batalha cruel, o peito humano, B"    A#PW" (Ed.A) B"   A#6=" Nam fosse amores, nem delicadeza B" < A#QX" (VI.41) B"   A# " em vez de: B"  A#7>" No soffre amores, nem delicadeza B"<  A#PW" (Ed.A) B"   A#7>" Esto em varias ondas trabalhando B"  A#PW" (I.30) B"   A# " em vez de: B"  A#7>" Esto em varias obras trabalhando B"  A#QX" (Ed. A) B"   A# " B" A#X_" Todas estas emendas so da edio B (colo do pelicano para a B"   A#Y`" direita). Apesar de ser esta, para o Morgado de Mateus, a edio B"  `   A#DK" princeps, nenhuma das emendas citadas passou para o seu texto! As B"   A#V]" lies adaptadas foram as lies de A o nosso verdadeiro texto B"   A# " princeps. B" h A#V]" O Sr. Dr. Francisco Dias Agudo, que ltimamente se tem B"     A#BI" ocupado deste assunto e ainda agora publicou uma brochura com o B"` `  A#HO" ttulo expressivo de A Edio d'Os Lusadas de 1572, diz o seguinte: B"<  d A#X_" A palavra QUE, mudada em QUT, figura tanto em 1P (colo do B" ` <    A#IP" pelicano para a direita) como em 3P (p. 178 v., est. 108, verso 8) e B"   A#T[" inicial de um verso. Ns consideramos francamente improvvel B" `  A#W^" repetir por cpia aquele t, autntica espada de guerra ofensiva da B" < `   A#W^" nossa inteligncia. Esta no admite que, finda uma edio e B"   A#V]" destrudo este tropeo, ele seja restaurado na edio seguinte. A B"   A#CJ" palavra profundo, mudada em profnndo do mesmo modo figura em 1P B" <  A#;B" e 3P (p. 185, est. 147, verso 8) e final de um verso. B"` `   A#U\" Devo dizer que o Sr. Dr. Dias Agudo foi muito moderado na B"  ` A#U\" escolha dos seus exemplos. Poderia oferecer aos seus leitores um B" <  <  A#,3" XX B"  A# " B" A#7>" ----------------------- Page 29-----------------------B"  A# " B" A#-4" PREFCIO B"  A#DK" pradrupedante, X.72 (assim em A e B); um Vam, IX.62 por Tam (em B"   D A#V]" A e B); poderia oferecer-lhe o caso de palavra comeada em B" `   l A#SZ" princpio de verso por minscula em A e B (nuas, IX.66). Poderia B"   A#CJ" oferecer uma estncia mal revista em A e fielmente copiada em B: B" `  A#29" Pois a tapearia bella & fina, B"` ` A#7>" Com que se cobre a rustico terreno, B"  A#6=" Faz ser a de Achemenia menos dina: B"  A#29" Mas o sombrio valle mais ameno: B"  A#7>" Ali a cabea o flor Cyfisia inclina, B" ` A#3:" Sobollo tanque lucido & sereno, B" ` A#6=" Florece o filho & neto de Cyniras, B"  A#;B" Por quem tu Deosa Paphia inda suspiras. B"  A#QX" (IX.60) B"   A# " B" A#V]" Infelizmente o tipgrafo nem sempre se lembrou de que a sua B" <    A# `g" obrigao era copiar o que lia; se o tivesse feito, a edio B teria B"  <    A#EL" sado igual a A e ns poderamos servir-nos dela com confiana. Em B"   A#AH" X.6 o compositor de B d-nos uma Minfa por Nimpha (na edio A B"   D A#DK" Ninfa). Sendo pexe forma sistemtica em Cames, o compositor de B B" ` @ A#IP" traiu-se com a formapeixe em I.42 e IV.90. Para diante reabilitou-se: B"   A#GN" ou ele ou outro mais atilado! Cames escreveu sempre apousentar (3); B" ` < A#GN" mas em B, IV.60, figura aposentou! E que fazermos a cilado (I.80) por B"<   A#GN" cilada (em A), a Neptonino (IX.42) por Neptunino (em A), a Maurilano B"    A#SZ" (VIII.20) por Mauritano, a perjuro (VIII.34) porperjurio (em A), a tom B"     A#GN" (IX.17) por tam (em A), a horendo (X.43) por horrendo? O compositor B"   A#W^" de B foi um operrio desatento. No tm limite as diferenas que B"  `   A#>E" estabeleceu com o texto de A. Vejamos mais alguns exemplos: B"   h A# " B" A#;B" 1) Comeram a seguir sua longa rota B"<   A#PW" (I.29) B"   A# " em vez de: B"  A#6=" Tornaro a seguir sua longa rota B" ` A#PW" (Ed.A) B"   A#>E" 2) Quando as fingidas gentes se chegaro B"   D A#PW" (II.1) B"   A# " em vez de: B"  A#:A" Quando as infidas gentes se chegro B"  A#PW" (Ed.A) B"   A#<C" 3) Como j o forte Huno o foy primeiro B"   D A#QX" (IV.24) B"   A# " em vez de: B"  A#9@" Como j o fero Huno o foy primeiro B"  A#,3" XXI B"  A# " B" A#7>" ----------------------- Page 30-----------------------B"  A# " B" A#*1" PREFCIO B"   A#LS" (Ed.A) B"   A#CJ" 4) Se quem com tanto esforo em Deas se atreve B"   A#OV" (VIII.32) B"   A# " em vez de: B"  A#@G" Se quem com tanto esforo em Deos se atreve B"   A#LS" (Ed.A) B"   A#8?" 5) Que as almdias todas lhe tolhia B"  A#OV" (VIII.84) B"   A# " em vez de: B"  A#5<" Que as almdias todas lhe tolhia B"  A#LS" (Ed.A) B"   A#8?" 6) Os mouros de Marrocos & Trudante B"`  A#MT" (X.156) B"  @ A# " em vez de: B"  A#4;" Os muros de Marrocos & Trudante B" < A#LS" (Ed.A) B"   A#<C" 7) Lhe andar armada, que por em ventura B" `   A#OV" (VIII.90) B"   A# " em vez de: B"  A#:A" Lhe andar armando, que por em ventura B"  A#LS" (Ed.A) B"   A#;B" 8) Pera lhe descobrir da vinda esphera B"    A#MT" (IX.86) B"  @ A# " em vez de: B"  A#8?" Pera lhe descobrir da unida esphera B"  A#LS" (Ed.A) B"   A#:A" 9) Cantando a bella Deosa, que viriam B"   A#LS" (X.10) B"   A# " em vez de: B"  A#6=" Cantava a bella Deosa, que virio B" ` A#LS" (Ed.A) B"   A#6=" 10) Todos fars ao Luso obedentes B" ` A#LS" (X.44) B"   A# " em vez de: B"  A#3:" Todos fars ao Luso obedientes B"`  A#LS" (Ed.A) B"   A#9@" 11) De seres de Candace & Sob ninho B"  A#LS" (X.52) B"   A# " em vez de: B"  A#5<" De seres de Candace & Sab ninho B" ` A#LS" (Ed.A) B"   A#<C" 12) Mas alembrote hua yra que o condena B" <   A#*1" XXII B"   A# " B" A#7>" ----------------------- Page 31-----------------------B"  A# " B" A#+2" PREFCIO B"   A#MT" (X.45) B"  @ A# " em vez de: B"  A#:A" Mas alembroulhe hua yra que o condena B"    A#MT" (Ed.A) B"  @ A#9@" 13) Batical, que vir ja de Beadala B" `   A#MT" (X.66) B"  @ A# " em vez de: B"  A#29" Batical, que vir ja Beadala B"  A#MT" (Ed.A) B"  @ A#)0" 14) Este erro grave: B"   A#HO" Responde lhe do ramo Philomena (a rimar com bella e B" `  A#$" gazella) B" A#NU" (IX.63) B"  d A# " em vez de: B"  A#3:" Responde lhe do ramo Philomela B"  A#MT" (Ed.A) B"  @ A#9@" 15)Qual ferida lha tinha ja Eiricina B"  A#NU" (IX.66) B"  d A# " em vez de: B"  A#5<" Qual ferida lha tinha ja Ericina B"<  A#MT" (Ed.A) B"  @ A#HO" 16) Que o mundo encobre aos homes imprud?t s B" <  A#NU" (IX.69) B"  d A# " em vez de: B"  A#>E" Que o mundo encobre aos hom ?s imprud?tes B"` `   A#MT" (Ed.A) B"  @ A#7>" 17) Por feitos mortais & soberanos B"  A#NU" (IX.91) B"  d A# " em vez de: B"  A#4;" Por feitos imortais & soberanos B"  A#MT" (Ed.A) B"  @ A#:A" 18) Dividos os fizeram, sendo humanos B"    A#NU" (IX.91) B"  d A# " em vez de: B"  A#6=" Divinos os fizeram, sendo humanos B" < A#MT" (Ed.A) B"  @ A#=D" 19) De sangue o tingir no andar sublime B"    A#MT" (X.17) B"  @ A# " em vez de: B"  A#9@" De sangue o tingir no andor sublime B"  A#MT" (Ed.A) B"  @ A# " B" A#+2" XXIII B"   A# " B" A#7>" ----------------------- Page 32-----------------------B"  A# " B" A#-4" PREFCIO B"  A#9@" 20) Sabia bem que se com fe formoda B"  A#RY" (X.112) B"   A# " em vez de: B"  A#5<" Sabia bem que se com fe formada B"  A#QX" (Ed.A) B"   A# " B" A#EL" At nas cabeas de pgina se revelou o dedo do contrafactor: na B"  d A#=D" edio A a cabea CANTO QUINTO transitou para o canto sexto B"<   A#DK" nos flios 97 r. e 103 r.; na ed. B encontra-se CANTO QUINTO B" `  A#U\" nos f1ios 97 r., 99 r., 100 r. e 103 r! No se pode conceber B"   A#&-" mistificao mais grosseira . . .(4) B"  A#PW" Infelizmente o Morgado de Mateus, que h pouco vimos to B"   A#GN" prudente, colheu para a sua edio princeps (lio B) os exemplos de B"    A#HO" 1, 2, 3, 6, 7 e 9 dessa mesma lio, acabados de citar. Sem dvida, os B"    A# " piores! B"  A#GN" Depois desta anlise, que ainda poderia ser mais minuciosa (basta B"  d A#Y`" considerar na lio B o verso de III.113 Os feridos com grita ao B"    l A#EL" Ceo feriam que na lio A Os feridos com grita o Ceo ferio), B"   h A#U\" no podemos admitir a tese de que em 1572 saiu da oficina de B"   A#W^" Antnio Gonalves uma, e s uma, edio do famoso Poema Os B"   A#X_" Lusadas, se por tal se entender os exemplares da edio A e da B"     A#U\" edio B. Isto significa que no vemos razo para rejeitarmos as B"  ` A#RY" concluses de Tito de Noronha, que, j em 1880, estabeleceu a B"  ` A#V]" existncia de uma contrafaco, elaborada na oficina de Andrs B"   A#FM" Lobato, a seguir impresso da vergonhosa edio dos piscos (1584) B"   A#Za" (5). E no falamos do alvar e das caractersticas da data, nem do B"      A#SZ" tipo usado na composio do parecer do censor. No falamos da B"     A#T[" ortografia, nem das desinncias verbais, nem da pontuao. Isso B"  ` A#+2" poder ser objecto de um estudo especial. B"` d A#DK" A convico, em que por muito tempo se esteve, de que a edio B"   D A#W^" B que era a princeps teve desastrosas consequncias. A edio do B"     A#CJ" Morgado de Mateus o caso mais retumbante de erro na opo; e se B"    A#EL" mais grave se no tornou esse erro que o, alis benemrito, autor B"   A#T[" da edio se serviu largamente da edio A, a verdadeira princeps, B"   A#U\" ento conhecida como 2. edio. Jos do Canto, na sua coleco B"   A#RY" camoniana, fala do assunto perfeitamente s avessas, admitindo a B"`   A#GN" edio B como princeps . Tefilo Braga, na sua edio fotolitografada B"`  @ A#W^" de Os Lusadas, feita por ocasio do jubileu nacional do quarto B"   A#CJ" centenrio do descobrimento martimo para a ndia(6), leva o caso B"    A# " B" A#,3" XXIV B"  A# " B" A#7>" ----------------------- Page 33-----------------------B"  A# " B" A#,3" PREFCIO B"  A# " B" A#FM" ao ponto mais alto da confuso. Diz ele: Prova-se que a segunda, de B"   A#W^" 1572, que tem na portada a cabea do pelicano voltada para a B"    H A#HO" esquerda que a autntica, impressa sob as vistas do Poeta; e que a B"   A#T[" outra foi uma reproduo intencional para escapar s delongas da B"     A#EL" censura, e restaurar o texto deturpado na edio de 1584, designada B"   h A#V]" pelo nome de Piscos. Pois, apesar desta advertncia to clara, B"   A#GN" Tefilo Braga reproduziu a lio B (colo do pelicano para a direita)! B"  d A#SZ" Creio que fica suficientemente estabelecido que s a edio A B" ` d   D A#U\" saiu em 1572; e que a edio B uma contrafaco intencional, B"   A#DK" justificado pela inexistncia de exemplares da edio A e que deve B"   D A#DK" ter vindo luz, discretamente, em 1584 ou 1585, uma vez terminada B"@  ` A#V]" a impresso da desastrosa edio dos piscos (1584). Que tenha sido B"     A#@G" feita por Lobato, como pretendeu Tito de Noronha, ou que tenha B"   h A#U\" sido Manuel de Lira o patritico impressor da edio apcrifa, B"  ` A#EL" conforme mais tarde concluiu Eleutrio Cerdeira(7), o certo que A B" `  A#GN" e B so inconfundveis: A, a edio que Cames viu, e B, a que ele j B"    A# " no pde ver. B" A# " B" A#-4" III B"  A# " B" A#+2" O Nosso Texto B"   A# " B" A#EL" Teria sido impossvel, por escrpulo de exactido, elaborar uma B"   A#BI" edio de Os Lusadas com a pontuao e a ortografia que Cames B"   A#BI" adoptou ou deixou adoptar no seu Poema. Para se ter uma ideia da B"   D A#SZ" forma como o Poeta escreveu e pontuou existem as edies fac- B" `  A#RY" similadas. Para o pblico no podemos pensar numa edio desta B" <  `  A#DK" natureza. Quisemos, no entanto, dar-lhe uma edio fiel, em que se B"  @ A#U\" respire um ar camoniano e isso s se consegue evitando dar ao B"    l A#BI" Poeta uma linguagem que no era a sua nem a do seu tempo: se ele B"   A#U\" s conheceu a forma despois, no h que impor-lhe a forma depois. B"      A#CJ" Em segundo lugar, evitando a incongruncia, registando num lado o B"   A#GN" que se rejeita noutro, por causa da rima; em terceiro lugar, evitando B"  @ A#QX" pr na mente do Poeta uma preocupao etimologizante, que ele B"   A# " B" A#,3" XX V B"  A# " B" A#7>" ----------------------- Page 34-----------------------B"  A# " B" A#+2" PREFCIO B"   A#T[" no teve. A edio nacional elaborada por Jos Maria Rodrigues e B"   A#PW" Afonso Lopes Vieira (EN) no se preocupou em modernizar para B"  < A#)0" alm de Cames e escreveu, por exemplo: B"  A#18" Naquele por quem morro ... B"  A#OV" (III.129) B"   A#>E" forma que Cames no conheceu nem na pica, nem na lrica. B"  H A#>E" curioso, porm, que aqueles autores no modernizaram a forma B"   A#&" correspondente do conjuntivo: B" A#CJ" mas moura, enfim, nas mos das brutas gentes B"`   A#MT" (II.41) B"  @ A# " B" A#$+" Eis um caso de incoerncia ntida. B"   A# " B" A#+2" XX VI B"   A# " B" A#7>" ----------------------- Page 35-----------------------B"  A# " B" A#+2" PREFCIO B"   A# " B" A#DK" Cames escreveu sempre (com uma s excepo) inico e inica. E B"   h A#T[" quando uma vez escreveu iniqua f-lo dando a qu o valor de c e B"   A#T[" pronunciando, portanto, inica. No este o caso de EN. Onde o B"   A# " Poeta escreveu B" A#5<" O Regedor daquela inica terra B"<  A#MT" (I.94) B"  @ A#  " ou B"l A#9@" Do padastro e da inica my levava B"` <  A#OV" (III-33) B"   A#&" escreveram os editores de EN: B" A#6=" O Regedor daquela inqua terra B"<  A#  " ou B"l A#:A" Do padrasto e da inqua me levava B"` `  A#=D" Mas em posio de rima no se esqueceram, evidentemente, da B"  A# " forma camoniana: B"d A#:A" Assim Vnus props; e o filho inico B"  A#NU" (IX.43) B"  d A#%" a rimar com rico e impudico. B" A#HO" O caso do grupo -sc- (verbos latinos em -scere) mais delicado. O B"`  d A#IP" Poeta escreveu algumas vezes nascer e crescer (s uma vez em crescendo, B"   A#T[" VIII.72). Em caso algum escreveu descer e pascer (mas decer e pacer). B"  < A#AH" Mas a prova de que mesmo escrevendo nascer o Poeta pronunciava B"`    A#FM" nacer est em que rimava nascer com decer (II.19). Ora em EN fez-se B"`  d A#6=" rimar nasceu com desceu e ilgicamente nace compace! B"  A#HO" Antes de c (ce ou ci) o som surdo x do s tinha desaparecido por B" ` d A#<C" completo, ainda que o representassem por vezes na escrita. B"   D A#CJ" Temos, por exemplo, o lascivo de Cames que est representado B"   A# " com s em B" D A#29" No ar lascivos beijos dando B"  A#NU" (IX.24) B"  d A#  " ou B"l A#<C" Mas cua escrava vil, lasciva e escura B"  A#MT" (X.47) B"  @ A# " mas sem s em B" A#:A" Sendo das mos lacivas mal tratada B"  A#PW" (III.134) B"   A#GN" Em EN encontra-se, j se sabe, lascivas. O mesmo com ressuscitar, B"   A#8?" que em EN est por resucitar (resucitassem, resucite). B"  A# " B" A#+2" XXVII B"   A# " B" A#7>" ----------------------- Page 36-----------------------B"  A# " B" A#-4" PREFCIO B"  A#CJ" Em Cames a forma dino, dina muito mais frequente do que a B"   D A#X_" forma digno, digna. Nenhuma influncia esta escrita tinha na B"   A#JQ" pronncia, porque digno aparece a rimar com cristalino e divino; mas, B"`   A#CJ" embora a forma dino aparea mesmo no princpio ou meio do verso, B"   A##*" em EN foi substituda por digno: B"  A#:A" O caso triste, e digno da memoria B"  A#T[" (III.118) B"  < A#SZ" Outro caso de modernizao grave o tratamento do prefixo B"`   A#HO" sub, que no existe em submeter nem em subjugar (subjugada em IV.61). B"< `  A#!" Cames no escreveu B" A#8?" Tanto poder que tudo submetesse B"  A#QX" (I.75) B"   A#" como est em EN, mas B" A#7>" Tanto poder que tudo sometesse B"  A#=D" A EN chega a juntar as duas modernizaes na mesma estncia B"   D A#8?" A estas nobres vilas submetidas B"`  A#SZ" (III.56) B"   A#  " e B"l A#;B" Subjuga a fria Sintra o duro brao B"   A#SZ" (III.56) B"   A# " quando Cames escreveu B"` A#7>" A estas nobres vilas sometidas B"`  A#  " e B"l A#:A" Sojuga a fria Sintra o duro brao B"  A#W^" O Brasil acaba de prestar uma justa homenagem ao douto B"   A#W^" comentador de Os Lusadas Augusto Epifnio da Silva Dias, B"  <   A#CJ" publicando em edio fac-similada a segunda edio, de 1916-1918. B"   A#IP" Epifnio no seguiu a ortografia oficial, mas a que se usava antes B"   A#FM" da reforma da ortografia de 1911. As suas divergncias com a edio B"   A#CJ" princeps so muito maiores do que pode imaginar-se. Cames nunca B" `  A#SZ" escreveu damno, phantasia, accender, acceso, prophetizado, crystal, crystallino, B"  d   A#V]" blasphemo, deshonesto, deshonrado, columnas. Se alguma vez escreveu B"   A#X_" triumphar, triumpho, tropheo, socceder, occeano, tambm escreveu triumfar B"     D A#X_" (sic), trofeo, soceder ou suceder, oceano. Umas vezes a ortografia de B"   A#GN" Epifnio coincide com a do Poeta, como em cabello, capella, prompto B" ` d A# _f" (em VIII.55 o Poeta escreveu pronta), offender, offerecer, officio, bellico, B"     D A#Y`" belleza, bello, mas outras no: o Poeta escreve em geral belicoso, B" `  <  h A#X_" belacssimo, belgero, calada, Calope, Calipso, Calisto, calo, Apolo, Baco, B"     A# " ctara, Prometeo. B" A#:A" O nosso texto mantm as seguintes formas de Cames: B"  A# " B" A#-4" XXVIII B"  A# " B" A#7>" ----------------------- Page 37-----------------------B"  A# " B" A#29" PREFCIO B"  A# " B" A#QX" Abaxar, abaxo (e abaixo), acrecentar, acudir (acude, imperativo), afeito, B"   A# _f" afeitar-se, agardecer (e agradecer), lemo, algua, Alanquer, Alexandro, B"   `   A# `g" alfrezes, amoesta, anto (e ento), antre (e entre), Antrtico, apacentar, B"      A#U\" apousentar, apousento, artelharia, assi, assoviar, aspeito, aventajar, avorrecido; B" <     A# ^e" Bautizado (e baptizado), baxo/a e baixo, benino (e benigno), bvoras, B"     A# " bocijando; B"  A#Y`" Csi, ceptro, cereija, contino, contrairo, Costantino, cousa, crecer, crecimento, B"      A# " coluna; B" D A#QX" Dantre, debaxo (e debaixo), decer, desemparo, desemparar, despois, dino/a, B"   A#")" des (pl. de dom), dous, doudo; B"  A#!ah" Embaxador (e embaixador), embaxada (e embaixada), emparo, B"      A#RY" ennobrecer, enveja, escuitar, estmago, experimentar (II.104) (1), exprimentar B"      A#MT" (III.85), extremo, est, esteis (formas do v. estar), estrui (v. estruir); B"   A# _f" Federico, fermoso/a, fermosura, fermosssima, florecente, florecer, Frandes, B"     D A#-4" fruito e fruto, fuge (imperativo de fugir); B" < A#(/" Giolhos (geolhos), grandiloco/a; B"`  A# " Horrisono/a; B" A#NU" Imigo (e inimigo), impidas, indino, indinado, ingrs (e ingls), inico; B"<   A# " Jocundo/a; B"@ A#7>" Lianor, lio, lions, longinco (e longico), Lua; B"  A#LS" Mrtire, masto, mi, milhor, mortindade, mouro (morro), moura (morra); B"`  ` A#")" Nacer, nenhua, noda, noute; B"  A#29" Orfindade, oucioso (e occioso), ouliveira; B"  A#!ah" Pacer, pntem, Perineu, perclaro, perguntar, perla, pexe, piadoso/a (e B"  <  @ A#!bi" piedoso/a), pranta, prantar, prum a, produze, pubricar, pbrico (epblico) (2), B"      A#!" preminente, preminncia; B" A# " Qusi; B"  A#!bi" Razo (s num caso empregou rezo), recrecer, relmpado, reluze, B"      A#7>" reposta, reprender, represria, ressucitar, revelde; B" <  D A# ^e" Saluo, samear (e semear), sanguino, sembrante, sigue-me, simpres, sinos B"   ` d A#!dk" (por signos), somnolento, someter, sojugar, subjeito, superficia, sutil, sutileza, B"  <   A# " sutilmente; B" A#!cj" Tarquino, tarado, Tavila, trasunto, terrestre, tornu, tredores, treio, B"  `   A# " trdoros; B"  A# " Ua; B" h A#+2" Valeroso/a, val (por vale), voudas. B"  A# " B" A#FM" Devamos ter conservado a forma exos (eixos), representada uma B"  d A#")" s vez n'Os Lusadas (VI.84.7). B"   A# " B" A#18" XXIX B"  A# " B" A#7>" ----------------------- Page 38-----------------------B"  A# " B" A#.5" PREFCIO B"  A# " B" A#+2" Rejeitamos formas como as seguintes: B"  A#[b" Accidentes, adquerir, arteficio, artilheria, Balduuino, ceremonia, dereito, B"   `  D A#MT" desposto, deligencia, dezia (a forma dizia tambm camoniana), dirivar, B" `  A#W^" eccessivo, eccelencia, embarado, encenso, esperiencia, esprimentar, estremo (adj.), B" <   @ A#Y`" humicidas, hypocresia, iazmim, insinar, mesturar, mezquinha, menh, B"     A# ^e" mintiroso, misilhes, occeano, opremido, otono, plouro, porpurea, prompto/s, B"   `   A#PW" rezo, sancto/a, septima, soccedeo, soccedessem, Suamqum, succedido (ao lado B"   A#LS" das formas modernas), temido (por tmido), tremolar, vertude, vezinhana, B" <  A#5<" victorioso. Outras se encontraro do mesmo gnero. B"  A#DK" Na normalizao da ortografia tivemos de eliminar formas como B"<   A#LS" sciencia, sciente, mas n'Os Lusadas existem as formas modernas ciencia e B"   A#29" ciente. O mesmo sucedeu a Scipio, Sctia, etc. B"  A#W^" No adoptmos as formas geanalosia (que tem, alis, exemplo B"      A#Y`" literrio) e sururgio. Admitimos as formas correctas genealogia e B"   A#X_" cirurgio. Entendemos que foi desastre do compositor a forma B"   A#Y`" pradrupedante (X.72.4) e que horrissimo (II.96.6) erro por horrsono, B"      A#W^" que aparece logo em II.100. Conservmos um erro irreformvel B"   A#FM" porque deve tratar-se de um deslize do Poeta: venerando em VII.77.4, B"   A#EL" a rimar com Mauritano e humano. Alguns tm posto soberano em lugar B"` `  A#W^" de venerando. Tambm em II.100.5, a edio princeps tem bramando, B"  <   h A#'." que est evidentemente por bramavam: B"  h A# " B" A#:A" As bombardas horrsonas bramavam B"  A# " B" A#29" Em X.88 turbulento apenas rima assonante. B" < A#FM" Em X.128, molhados e escapados rimam com executado. um caso B"   A#?F" de rima imperfeita que, naquele caso, no deve ser alterada. B"`   h A#FM" Em VI.5, houve lapso do Poeta, que escreveu duas vezes camares B" `  A#Y`" numa enumerao. Uns substituem por briguiges (FS) outros por B"     A# " birbiges (MC). B"d A#[b" Conservmos todas as formas em -bil: abominbil, afbil, B"      A# ^e" inexpugnbil, impossbil, insensbil, insofrbil (insufrbil), invisbil, terrbil, B"     h A# ]d" imbil, implacbil, incansbil, instbil, invencbil, possbil, vendbil, visbil, B" < < <  A#X_" volbil. Deste grupo s abominbil apresenta uma vez a forma B"   A#" moderna (VII.47.5). B" A#V]" Mantiveram-se, principalmente no plural, os representantes B"   A#V]" latinos de -ax, -ix e -ox: audace, atroce, felice, feroce, fugace, sequace, veloce, B"  < `   A##" pertinace, rapace, tenace. B" A#" Na EN escreveu-se B"< A#<C" Mui velozes, estreitas e compridas B"   h A# " B" A#-4" XXX B"  A# " B" A#7>" ----------------------- Page 39-----------------------B"  A# " B" A#,3" PREFCIO B"  A#PW" (I.46) B"   A#  " e B"H A#7>" Sabendo ser sequazes da verdade B" ` A#PW" (I.71) B"   A#CJ" Em outros lugares manteve-se a forma directamente derivada do B"   A# " latim. B" A#T[" Cames escreve frequentemente desta arte e destarte. Se lermos B"   A#CJ" com hiato erramos a medida do verso. Julgmos por isso prefervel B" `   A#&-" uniformizar. Cames chega a escrever B"  D A#=D" Desta arte o Malabar, destarte o Luso B"   A#RY" (VII.45) B"   A#29" quando a verdade o que o verso tem de ser lido B"  A#<C" Destarte o Malabar, destarte o Luso. B"    A#U\" Em alguns casos fez-se uma opo: dino/a no s est mais B"  <   A#SZ" representado do que digno/a, mas a nica vez que digno/a est em B"`   A#IP" posio de rima esta faz-se com imagina, ensina (insina) o que mostra B"   A#T[" que a ortografia erudita no correspondia pronncia. Das cinco B"   A#QX" vezes que o Poeta escreveu Lua s uma no nasalou o u (Lua em B"  ` A#/6" III.56.3). Por lapso tipogrfico, sem dvida. B"  A#V]" E o caso de Lua serve-nos para apontar os perigos da B"  <  l A#AH" modernizao. Em IX.48.1 Lua est em posio de rima e as rimas B"   A#DK" escolhidas foram nenhua e algua. Os editores da EN foram obrigados B" ` @ A#?F" a respeitar estas formas o que no fizeram em outros casos: B"   A#AH" Alguns traidores (3) houve algumas vezes B"   A#SZ" (IV.33.8) B"   A#@G" Desta arte a Deusa a quem nenhuma iguala B"   A#SZ" (II.38.7) B"   A#GN" O que se diz para Lua diz-se para o plural antigo de dom-des. Em B"  @ A#V]" V.95 o Poeta colocando des em posio de rima serviu-se das B"   A#W^" palavras Cipies e opresses. portanto desaconselhvel utilizar a B" `   l A#" forma moderna dons. B" A#;B" Levassem prmio digno e dons iguais B"   A#!" que Cames no conhecia. B" A#CJ" evidente que h casos em que a modernizao no prejudica a B"    A#BI" rima. Por exemplo, sembrante. Mesmo que se mude em semblante no B"   A#U\" h perigo rimtico. Resta saber se moralmente legtimo faz-lo. B"  ` <  D A#FM" Quando Cames rima nace (de nascer) com pace (de pascer) e comface B"    A#V]" est dentro dos seus hbitos lingusticos. Se em vez de nace B"   A#KR" escrevesse nasce e pasce e mantivesseface, isso significaria que o grupo B"   A#U\" -sc- nenhuma influncia teria na pronncia daquele tempo. E o B" `  A#JQ" caso ... No crvel que escrevendo aqui nascido (II.10.2) e ali nacido B" < < A#,3" XXXI B"  A# " B" A#7>" ----------------------- Page 40-----------------------B"  A# " B" A#+2" PREFCIO B"   A# " B" A#T[" (V.47.2) o Poeta hesitasse na pronncia e se preocupasse com a B"    H A#QX" etimologia. Poderamos multiplicar os exemplos. Mas o nosso B"   A#DK" objectivo apenas o de defender um critrio adoptado, que poderia B"<   A#QX" ter sido levado com mais rigor ainda. Para finalizar, apresento B"   A#EL" apenas um exemplo significativo: o Poeta empregou benino e benigno. B"d   A#GN" A forma benigno foi utilizada duas vezes em rima: benigno Alcino B"   A#KR" divino; benigno destino fino. evidente que para o Poeta benigno era B"   A#DK" o mesmo que benino. A restaurao humanstica no influiu durante B"  @ A#'." muito tempo nos hbitos lingusticas. B"<  A# " B" A#*1" XXXII B"   A# " B" A#7>" ----------------------- Page 41-----------------------B"  A# " B" A# " PREFCIO B"` A# " B" A#LS" A' Luso, unde Lusitania dicta est, Lusiadas B"  @ A#DK" adpellavimus Lusitanos, & a Lysa Lysiadas, sicut ab B"    A#8?" nea neadas dixit Virgilius. Nec male subcessit. Nam B"   A#JQ" video id multis adlibuisse, prsertim autem Georgio B"  d A#NU" Clio, Lusitani nostr ornamento, sive poeticam B"  d A#JQ" facultatem, sive Ciceronian orationis mulationem B"  @ A# " spectes. B"  A# " B" A#")" In L. Andr. Resendii Vincentium B"   A#" Adnotationes (48). B" A# " B" A#!" XXXIII B" A# " B" A#7>" ----------------------- Page 42-----------------------B"  A# " B" A#,3" PREFCIO B"  A# " B" A#\c" Ev el Rey fao faber aos que efte Aluara virem que eu ey por B"     D A#AH" bem & me praz dar licena a Luis de Camo?s pera que poffa fazer B"   A#BI" imprimir nefta cidade de Lisboa, hua obra em Octaua rima chamada B"`   A#U\" Os Lufiadas, que contem dez cantos perfeitos, na qual por ordem B"  ` A#JQ" poetica em verfos fe declaro os principaes feitos dos Portuguefes B"  @ A#DK" nas partes da India depois que fe defcobrio a nauegao pera ellas B"    A#AH" por mdado del Rey dom Manoel meu vifauo que fancta gloria aja, B"   A#W^" & ifto com priuilegio pera que em tempo de dez anos que fe B"   A#EL" comearo do dia que fe a dita obra acabar de empremir em dite, fe B"   A#OV" no poffa imprimir n? vender em meus reinos & fenhorios nem B"   A# _f" trazer a elles de fora, nem leuar aas ditas partes da India pera fe B"     h A#EL" vender fem lic?a do dito Luis de Camo?s ou da peffoa que pera iffo B"   A#EL" feu poder tiuer, fob pena d? que o contrario fizer pagar cinquoenta B"    A#DK" cruzados & perder os volumes que imprimir, ou vender, a metade B"` ` d A#CJ" pera o dito Luis de Cames, & a outra metade pera quem os acufar. B"    A#DK" E antes de fe a dita obra vender lhe fera pofto o preo na mefa do B"    A#BI" defpacho dos meus Defembargadores do pao, o qual fe declarar & B"d   A#U\" por impreffo na primeira folha da dita obra pera fer a todos B"`   A#CJ" notorio, & antes de fe imprimir fera vifta & examinada na mefa do B"   A#FM" confelho geral do fanto officio da Inquifio pera c fua licena fe B"<   A#W^" auer de imprimir, & fe o dito Luis de Cames tiuer acrecentados B"   A#BI" mais algus Cantos, tambem fe imprimiro auendo pera iffo licena B"    A#W^" do fanto officio, como acima he dito. E efte meu Aluara fe B"   A#DK" imprimir outrofi no principio da dita obra, o qual ey por bem que B"   A#DK" valha & tenha fora & vigor, como fe foffe carta feita em meu nome B"   D A#AH" por mim afsinada & paffada por minha Chancellaria sem embargo B"    A#DK" da Ordenao do fegundo liuro, tit. xx. que diz que as coufas cujo B"<   A#T[" effeito ouuer de durar mais que hum ano paffem per cartas, & B"   A#FM" paffando por aluaras no valho. Gafpar de Seixas o fiz em Lisboa, a B"`  d A#GN" . xxiiij : de Setembro, de M. D. LXXI. Iorge da Cofta o fiz efcreuer. B"   h A# " B" A#+2" XXXIV B"   A# " B" A#7>" ----------------------- Page 43-----------------------B"  A# " B" A#+2" PREFCIO B"   A# " B" A#EL" VI por mandado da santa & geral inquisio estes dez cantos dos B"    A#BI" Lusiadas de Luis de Cames, dos valerosos feitos em armas que os B"   A#T[" Portugueses fizero em Asia & Europa, & no achey nelles cousa B"  ` A#BI" algua escandalosa, nem contraria fe & bs custumes, somente me B"   A#V]" pareceo que era necessrio aduertir os Lectores que o Autor pera B"     A#DK" encarecer a difficuldade da nauegao & entrada dos Portugueses na B" <  A#DK" India, vsa de hua fio dos Deoses dos Gentios. E ainda que sancto B"    A#SZ" Augustinho nas suas Retractaes se retracte de ter chamado nos B"   A#RY" liuros que compos de Ordine, aas Musas Deosas. Toda via como B" <  A#AH" isto he Poesia & fingimento, & o Autor como poeta, no pretenda B"   D A#V]" mais que ornar o estilo Poetico no tiuemos por inconueniente yr B" ` `   A#T[" esta fabula dos Deoses na obra, conhecendoa por tal. & ficando B"   A#DK" sempre salua a verdade de nossa sancta fe, que todos os Deoses dos B"    A#@G" G?tios sam Demonios. E por isso me pareceo o liuro digno de se B"   A#AH" imprimir, & o Autor mostra nelle muito engenho & muita erudio B"   D A#4;" nas sciencias humanas. Em fe do qual assiney aqui. B"  A# " B" A#AH" Frey Bertholameu B"    A#9@" Ferreira B"  A# " B" A#+2" XXX V B"   A# " B" A#7>" ----------------------- Page 44-----------------------B"  A# " B" A#,3" PREFCIO B"  A# " B" A# " Notas (parte I) B"@ A# " B" A#  " (1) B" A#IP" As estncias desprezadas ou omitidas podem ler-se no tomo I, parte 2., B"   A#=D" pp. 267 e segs., da edio de Os Lusadas de MDCCLXXXII (na B"  A#FM" offic. de Simo Thadeo Ferreira) e na ed. de Leipzig (1873), pp. 205 B"  @ A#=D" e segs. Nesta edio incluram-se as emendas de um terceiro B"   D A#CJ" manuscrito (ms. de Lus Franco). Podem ler-se tambm na edio de B"<   A#>E" Os Lusadas do Porto (MDCCCLXXX), pp. 397 e segs. Incluem-se B"    A#DK" tambm nesta edio as emendas do ms. de Lus Franco. V. a crtica B"   A#?F" feita a Manuel de Faria e Sousa pelo Morgado de Mateus na sua B"   A#!(" Advertncia, pp. XVIII a XXIII. B"`  A# " B" A#  " (2) B" A#KR" V. Miscelnea Filolgica em Honra Memria do Prof. Clovis Monteiro (Rio B" `  A#!(" de Janeiro, 1965), pp. 171-174. B"  D A# " B" A#  " (3) B" A#BI" Wilhelm Storck, Vida e Obras de Lus de Cames. Primeira parte. B"   A#>E" Verso do original alemo, anotado por Carolina Michalis de B"   A#*1" Vasconcelos, Lisboa, MDCCCXCVII, p. 460. B"  A# " B" A#  " (4) B" A#!" Id., ibid., pp. 460-461. B" A# " B" A#  " (5) B" A#EL" V. Jordo de Freitas, O Naufrgio de Cames e dos Lusadas, Lisboa, B"<   A# " 1915. B" A# " B" A#  " (6) B" A# " B" A#LS" ............................................................... B" h    A#/6" Por Mecenas a vs celebro e tenho; B" d A# " B" A#,3" XXX VI B"  A# " B" A#7>" ----------------------- Page 45-----------------------B"  A# " B" A#-4" PREFCIO B"  A#")" e sacro o nome vosso B"  A#3:" farei, se alg ua cousa em verso posso. B"  A# " B" A#.5" O rudo canto meu, que ressuscita B"  A##*" as honras sepultadas, B"   A##*" as palmas j passadas B"`  D A#-4" dos belicosos nossos Lusitanos, B"  A#+2" para tesouro dos futuros anos, B"  A#!(" Convosco se defende B"<   A#29" da lei Leteia, qual tudo se rende. B"  A# " B" A#6=" (Ode a D. Manuel de Portugal) B" < A# " B" A#  " (7) B" A#07" Juromenha, Obras ..., vol. I, Doc. F, p. 169. B"  A# " B" A#  " (8) B" A#>E" Pelo menos umprimo dos Cames de Coimbra. A tese do tio D. B"<    A#DK" Bento renasceu com o aparecimento da Cronica de Santa Cruz, de D. B"   A#DK" Fr. Timteo dos Mrtires, Coimbra, edio da Biblioteca Municipal, B"    A# " 1955-1960. B"  A# " B" A#  " (9) B" A#DK" V. Jos Maria Rodrigues, Fontes dos Lusadas, Coimbra, Imprensa da B"`    A#$+" Universidade, 1905, pp. 247 e 248. B"  A# " B" A#  " (10) B" A#DK" Sobre Os Lusadas e o tema das Argonuticas, ver Antnio Salgado B"  @ A#MT" Jnior, Ocidente, n. 38, 1950, pp. 277 e segs., e n. 40, 1951, pp. 261 e B"   A#BI" segs. Do mesmo autor, Cames e a viso humanstica da geografia B" `  h A#CJ" da Europa de Quinhentos, Ocidente, n. 36, 1949, pp. 281 e segs. B"    A#DK" Sobre o papel da Argonautica, de Valrio Flacco, ver, de H. Howens B"   A#=D" Post, A cronologia da composio de vrias passagens de Os B"  @ A#3:" Lusadas, Ocidente, Novembro de 1972 e separata. B"  A# " B" A#  " (11) B" A#:A" Introd. sua edio de Os Lusadas, p. XIX (1916-1918). B"  A# " B" A#  " (12) B" A#")" Storck, ob. cit., pp. 224 e 225. B"  A#,3" XXXVII B"  A# " B" A#7>" ----------------------- Page 46-----------------------B"  A# " B" A#*1" PREFCIO B"   A#  " (13) B" A#IP" V. Arriano, Historia de las expediciones de Alejandro, cap. XX, p. 319. B"  d A#BI" Madrid, 1897. (Trad. directa do grego por D. Federico Baraibar y B" `   A# " Zumrraga.) B"  A# " B" A#  " (14) B" A#BI" Em contraste com C. M. Bowra, autor de Virglio, Tasso, Cames e B"   D A#7>" Milton. Trad. port. por Antnio lvaro Dria em 1950. B"<  A# " B" A# " Notas (parte II) B"d A# " B" A#  " (1) B" A#?F" o caso inverso de madre: Esta falta na edio A; e lago foi B"   D A#)0" suprimido na edio B, mas existe em A. B"  A# " B" A#  " (2) B" A#BI" erro. My falta em A e em B. Manuel Correia protestou contra a B"   D A#HO" emenda, escrevendo Da primeyra co terreno seyo e acrescenta: Assi fez B"   A#=D" Luis de Cames este verso, & no como anda impresso: da my B"   A#8?" primeyra co terreno seyo. A ed. de Correia de 1613. B"  A# " B" A#  " (3) B" A#&" E uma s vez aposento (X.87). B" A# " B" A#  " (4) B" A#CJ" As modificaes ortogrficas no tm conto na ed. B: abaixo, por B" <  A#LS" abaxo (VI.63); agradeceo, por agardeceo (VI.93); baixo, por baxo (VI.99); B"   A#GN" embaixada, por embaxada (VII.64); embaixador, por embaxador (VII.64); B"<   A#=D" abaixa, por abaxa (VIII.11); este, por est (VIII.54), etc. B"   A# " B" A#  " (5) B" A#=D" Tito de Noronha, A primeira edio dos Lusadas. Com quatro B" `  A#CJ" phototypias. Livraria Internacional de Ernesto Chardron Editor. B" `  A#" Porto e Braga, 1880. B" A# " B" A#  " (6) B" A#>E" O exemplar de que me servi pertenceu a Carolina Michalis de B"   A# " B" A#*1" XXXVIII B"   A# " B" A#7>" ----------------------- Page 47-----------------------B"  A# " B" A#*1" PREFCIO B"   A#BI" Vasconcelos (exemplar n. 63), est encadernado e no tem a capa B"    A# " da prpria edio. B" A# " B" A#  " (7) B" A#CJ" Eleutrio Cerdeira, Duas Grandes Fraudes Camonianas, documentadas B"`   A#BI" com ilustraes. Edio da Companhia Editora do Minho. Barcelos, B"   h A# " 1946. B" A# " B" A#" Notas (parte III) B" A# " B" A#  " (1) B" A#:A" No nosso texto, exprimenta, por causa da medida do verso B"  A# " B" A#  " (2) B" A# '" Em IV.52.8 devia estarpbrico. B"@  A# " B" A#  " (3) B" A# " Alis, tredores. B"d A# " B" A#)0" XXXIX B"  h A# " B" A#7>" ----------------------- Page 48-----------------------B"  A# " B" A#'." OS LUSADAS B"  D A# " B" A# '" OS LUSADAS B"  D A# " B" A#'." I B"   A# " B" A#-4" 1 AS armas e os Bares assinalados B"`  A#,3" Que da Ocidental praia Lusitana B"  A#/6" Por mares nunca de antes navegados B" @ A#.5" Passaram ainda alm da Taprobana, B"  A#,3" Em perigos e guerras esforados B"<  A#18" Mais do que prometia a fora humana, B"  A#,3" E entre gente remota edificaram B"`  A#.5" Novo Reino, que tanto sublimaram; B"  A# " B" A#,3" 2 E tambm as memrias gloriosas B"<  A#.5" Daqueles Reis que foram dilatando B" @ A#29" A F, o Imprio, e as terras viciosas B"  A#4;" De frica e de sia andaram devastando, B"  A#.5" E aqueles que por obras valerosas B" @ A#/6" Se vo da lei da Morte libertando, B"  A#07" Cantando espalharei por toda parte, B"  A#3:" Se a tanto me ajudar o engenho e arte. B"`  A# " B" A#07" 3 Cessem do sbio Grego e do Troiano B"  A#/6" As navegaes grandes que fizeram; B"`  A#.5" Cale-se de Alexandro e de Trajano B" < A#-4" A fama das vitrias que tiveram; B"  A#3:" Que eu canto o peito ilustre Lusitano, B" ` A#/6" A quem Neptuno e Marte obedeceram. B"  A#29" Cesse tudo o que a Musa antiga canta, B"  A#3:" Que outro valor mais alto se alevanta. B" < A# " B" A#'." 1 B"   A# " B" A#7>" ----------------------- Page 49-----------------------B"  A# " B" A#$+" OS LUSADAS B"  D A# " B" A#/6" 4 E vs, Tgides minhas, pois criado B"  A#18" Tendes em mi um novo engenho ardente, B"  A#07" Se sempre em verso humilde celebrado B"  A#,3" Foi de mi vosso rio alegremente, B"  A#18" Dai-me agora um som alto e sublimado, B"  A#,3" Um estilo grandloco e corrente, B" < A#/6" Por que de vossas guas Febo ordene B"  A#29" Que no tenham enveja s de Hipocrene. B"` ` A# " B" A#/6" 5 Dai-me ua fria grande e sonorosa, B"  A#29" E no de agreste avena ou frauta ruda, B"  A#*1" Mas de tuba canora e belicosa, B"   A#5<" Que o peito acende e a cor ao gesto muda; B" < A#3:" Dai-me igual canto aos feitos da famosa B"  A#18" Gente vossa, que a Marte tanto ajuda; B"  A#29" Que se espalhe e se cante no universo, B"  A#/6" Se to sublime preo cabe em verso. B"`  A# " B" A#+2" 6 E vs, bem nascida segurana B"<  A#)0" Da Lusitana antiga liberdade, B"   A#,3" E no menos certssima esperana B"  A#.5" De aumento da pequena Cristandade; B"<  A#-4" Vs, novo temor da Maura lana, B" @ A#+2" Maravilha fatal da nossa idade, B"  A#5<" Dada ao mundo por Deus, que todo o mande, B" ` A#29" Pera do mundo a Deus dar parte grande; B" < A# " B" A##*" 2 B"  A# " B" A#7>" ----------------------- Page 50-----------------------B"  A# " B" A#'." OS LUSADAS B"  D A# " B" A#/6" 7 Vs, tenro e novo ramo florecente B" @ A#/6" De ua rvore, de Cristo mais amada B"  A#,3" Que nenhua nascida no Ocidente, B"  A#.5" Cesrea ou Cristianssima chamada B" < A#29" (Vede-o no vosso escudo, que presente B"  A#.5" Vos amostra a vitria j passada, B"`  A#/6" Na qual vos deu por armas e deixou B"  A#/6" As que Ele pera si na Cruz tomou); B" @ A# " B" A#29" 8 Vs, poderoso Rei, cujo alto Imprio B" < A#29" O Sol, logo em nascendo, v primeiro, B" < A#/6" V-o tambm no meio do Hemisfrio, B"  A#.5" E quando dece o deixa derradeiro; B"  A#07" Vs, que esperamos jugo e vituprio B" d A#*1" Do torpe Ismaelita cavaleiro, B"   A#*1" Do Turco Oriental e do Gentio B"   A#07" Que inda bebe o licor do santo Rio: B"  A# " B" A#/6" 9 Inclinai por um pouco a majestade B"  A#18" Que nesse tenro gesto vos contemplo, B"  A#4;" Que j se mostra qual na inteira idade, B" < A#3:" Quando subindo ireis ao eterno templo; B" ` A#)0" Os olhos da real benignidade B"   A#29" Ponde no cho: vereis um novo exemplo B" < A#29" De amor dos ptrios feitos valerosos, B"  A#+2" Em versos divulgado numerosos. B"  A# " B" A#/6" 10 Vereis amor da ptria, no movido B"  A#4;" De prmio vil, mas alto e qusi eterno; B"  A#/6" Que no prmio vil ser conhecido B"  A#07" Por um prego do ninho meu paterno. B"  A#-4" Ouvi: vereis o nome engrandecido B"  A#29" Daqueles de quem sois senhor superno, B"  A#/6" E julgareis qual mais excelente, B" @ A#29" Se ser do mundo Rei, se de tal gente. B"  A# " B" A#&-" 3 B"  A# " B" A#7>" ----------------------- Page 51-----------------------B"  A# " B" A#&-" OS LUSADAS B"  D A# " B" A#4;" 11 Ouvi, que no vereis com vs faanhas, B"  A#/6" Fantsticas, fingidas, mentirosas, B"<  A#18" Louvar os vossos, como nas estranhas B"  A#07" Musas, de engrandecer-se desejosas: B"  A#/6" As verdadeiras vossas so tamanhas B"  A#07" Que excedem as sonhadas, fabulosas, B"  A#29" Que excedem Rodamonte e o vo Rugeiro B"  A#18" E Orlando, inda que fora verdadeiro. B"  A# " B" A#/6" 12 Por estes vos darei um Nuno fero, B"  A#3:" Que fez ao Rei e ao Reino tal servio, B"  A#18" Um Egas e um Dom Fuas, que de Homero B"  A#*1" A ctara par' eles s cobio; B"   A#07" Pois polos Doze Pares dar-vos quero B"  A#3:" Os Doze de Inglaterra e o seu Magrio; B"  A#07" Dou-vos tambm aquele ilustre Gama, B"  A#/6" Que para si de Eneias toma a fama. B"  A# " B" A#7>" 13 Pois se a troco de Carlos, Rei de Frana, B"  A#07" Ou de Csar, quereis igual memria, B"< < A#/6" Vede o primeiro Afonso, cuja lana B"  A#18" Escura faz qualquer estranha glria; B"  A#18" E aquele que a seu Reino a segurana B"  A#5<" Deixou, com a grande e prspera vitria; B"`  A#,3" Outro Joane, invicto cavaleiro; B"<  A#4;" O quarto e quinto Afonsos e o terceiro. B"  A# " B" A#18" 14 Nem deixaro meus versos esquecidos B"  A#07" Aqueles que nos Reinos l da Aurora B"  A#.5" Se fizeram por armas to subidos, B"  A#-4" Vossa bandeira sempre vencedora: B"  A#/6" Um Pacheco fortssimo e os temidos B" ` A#4;" Almeidas, por quem sempre o Tejo chora, B"  A#07" Albuquerque terrbil, Castro forte, B" ` A#5<" E outros em quem poder no teve a morte. B" ` A# " B" A#%," 4 B"  A# " B" A#7>" ----------------------- Page 52-----------------------B"  A# " B" A#$+" OS LUSADAS B"  D A# " B" A#<C" 15 E, enquanto eu estes canto e a vs no posso, B"   A#5<" Sublime Rei, que no me atrevo a tanto , B"  A#/6" Tomai as rdeas vs do Reino vosso: B" @ A#07" Dareis matria a nunca ouvido canto. B"  A#*1" Comecem a sentir o peso grosso B"   A#.5" (Que polo mundo todo faa espanto) B"  A#-4" De exrcitos e feitos singulares, B"`  A#6=" De frica as terras e do Oriente os mares. B" < A# " B" A#.5" 16 Em vs os olhos tem o Mouro frio, B"  A#,3" Em quem v seu excio afigurado; B"`  A#,3" S com vos ver, o brbaro Gentio B"  A#29" Mostra o pescoo ao jugo j inclinado; B"  A#)0" Ttis todo o cerleo senhorio B" d A#-4" Tem pera vs por dote aparelhado, B" d A#18" Que, afeioada ao gesto belo e tenro, B"  A#-4" Deseja de comprar-vos pera genro. B" ` A# " B" A#/6" 17 Em vs se vm, da Olmpica morada, B" d A#.5" Dos dous avs as almas c famosas; B"  A#(/" Ua, na paz anglica dourada, B"  D A#.5" Outra, pelas batalhas sanguinosas. B"  A#*1" Em vs esperam ver-se renovada B"` @ A#*1" Sua memria e obras valerosas; B"   A#07" E l vos tm lugar, no fim da idade, B" d A#,3" No templo da suprema Eternidade. B"  A# " B" A#18" 18 Mas, enquanto este tempo passa lento B"  A#07" De regerdes os povos, que o desejam, B"`  A#.5" Dai vs favor ao novo atrevimento, B"  A#4;" Pera que estes meus versos vossos sejam, B"  A#07" E vereis ir cortando o salso argento B"  A#/6" Os vossos Argonautas, por que vejam B"  A#/6" Que so vistos de vs no mar irado, B"  A#-4" E costumai-vos j a ser invocado. B"  A# " B" A#")" 5 B" l A# " B" A#7>" ----------------------- Page 53-----------------------B"  A# " B" A#&-" OS LUSADAS B"  D A# " B" A#+2" 19 J no largo Oceano navegavam, B"<  A#*1" As inquietas ondas apartando; B"   A#.5" Os ventos brandamente respiravam, B" ` A#18" Das naus as velas cncavas inchando; B"  A#3:" Da branca escuma os mares se mostravam B"  A#18" Cobertos, onde as proas vo cortando B"  A#,3" As martimas guas consagradas, B"  A#07" Que do gado de Prteu so cortadas, B"  A# " B" A#29" 20 Quando os Deuses no Olimpo luminoso, B"  A#18" Onde o governo est da humana gente, B"  A#-4" Se ajuntam em conslio glorioso, B"`  A#07" Sobre as cousas futuras do Oriente. B"  A#.5" Pisando o cristalino Cu fermoso, B" ` A#,3" Vm pela Via Lctea juntamente, B"<  A#-4" Convocados, da parte de Tonante, B"  A#/6" Pelo neto gentil do velho Atlante. B"  A# " B" A#/6" 21 Deixam dos sete Cus o regimento, B"  A#18" Que do poder mais alto lhe foi dado, B"  A#-4" Alto poder, que s co pensamento B"  A#29" Governa o Cu, a Terra e o Mar irado. B"  A#.5" Ali se acharam juntos num momento B"  A#/6" Os que habitam o Arcturo congelado B"  A#3:" E os que o Austro tm e as partes onde B"  A#5<" A Aurora nasce e o claro Sol se esconde. B"  A# " B" A#18" 22 Estava o Padre ali, sublime e dino, B"  A#18" Que vibra os feros raios de Vulcano, B"  A#07" Num assento de estrelas cristalino, B"  A#/6" Com gesto alto, severo e soberano; B"  A#-4" Do rosto respirava um ar divino, B"  A#07" Que divino tornara um corpo humano; B" d A#-4" Com ua coroa e ceptro rutilante, B"  A#4;" De outra pedra mais clara que diamante. B"  A# " B" A#&-" 6 B"  A# " B" A#7>" ----------------------- Page 54-----------------------B"  A# " B" A#&-" OS LUSADAS B"  D A# " B" A#/6" 23 Em luzentes assentos, marchetados B"<  A#5<" De ouro e de perlas, mais abaixo estavam B"<  A#/6" Os outros Deuses, todos assentados B" d A#/6" Como a Razo e a Ordem concertavam B"  A#18" (Precedem os antigos, mais honrados, B"< ` A#3:" Mais abaixo os menores se assentavam); B" ` A#/6" Quando Jpiter alto, assi dizendo, B"  A#4;" Cum tom de voz comea grave e horrendo: B"  A# " B" A#-4" 24 Eternos moradores do luzente, B"  A#-4" Estelfero Plo e claro Assento: B"  A#.5" Se do grande valor da forte gente B"  A#.5" De Luso no perdeis o pensamento, B"  A#,3" Deveis de ter sabido claramente B"`  A#3:" Como dos Fados grandes certo intento B"  A#/6" Que por ela se esqueam os humanos B"  A#3:" De Assrios, Persas, Gregos e Romanos. B"<  A# " B" A#3:" 25 J lhe foi (bem o vistes) concedido, B"  A#18" Cum poder to singelo e to pequeno, B"` < A#.5" Tomar ao Mouro forte e guarnecido B"  A#07" Toda a terra que rega o Tejo ameno. B"  A#07" Pois contra o Castelhano to temido B"`  A#18" Sempre alcanou favor do Cu sereno: B"  A#7>" Assi que sempre, enfim, com fama e glria, B"  A#29" Teve os trofus pendentes da vitria. B"  A# " B" A#29" 26 Deixo, Deuses, atrs a fama antiga, B"  A#18" Que co a gente de Rmulo alcanaram, B"  A#+2" Quando com Viriato, na inimiga B"  A#.5" Guerra Romana, tanto se afamaram; B"  A#18" Tambm deixo a memria que os obriga B"  A#.5" A grande nome, quando alevantaram B"  A#07" Um por seu capito, que, peregrino, B"  A#-4" Fingiu na cerva esprito divino. B" d A# " B" A#%," 7 B"  A# " B" A#7>" ----------------------- Page 55-----------------------B"  A# " B" A#%," OS LUSADAS B"  D A# " B" A#,3" 27 Agora vedes bem que, cometendo B"  A#*1" O duvidoso mar num lenho leve, B"   A#.5" Por vias nunca usadas, no temendo B"`  A#7>" de frico e Noto a fora, a mais s' atreve: B"  A#5<" Que, havendo tanto j que as partes vendo B" < A#/6" Onde o dia comprido e onde breve, B" < A#+2" Inclinam seu propsito e perfia B"  A#-4" A ver os beros onde nasce o dia. B"  A# " B" A#07" 28 Prometido lhe est do Fado eterno, B"  A#07" Cuja alta lei no pode ser quebrada, B"  A#.5" Que tenham longos tempos o governo B" d A#07" Do mar que v do Sol a roxa entrada. B"  A#18" Nas guas tm passado o duro Inverno; B"< ` A#-4" A gente vem perdida e trabalhada; B"  A#,3" J parece bem feito que lhe seja B"  A#-4" Mostrada a nova terra que deseja. B"  A# " B" A#18" 29 E porque, como vistes, tm passados B"  A#*1" Na viagem to speros perigos, B"< d A#/6" Tantos climas e cus exprimentados, B"  A#+2" Tanto furor de ventos inimigos, B"` d A#-4" Que sejam, determino, agasalhados B" < A#-4" Nesta costa Africana como amigos; B"  A#.5" E, tendo guarnecido a lassa frota, B"  A#.5" Tornaro a seguir sua longa rota. B" d A# " B" A#*1" 30 Estas palavras Jpiter dizia, B"  A#4;" Quando os Deuses, por ordem respondendo, B" < A#,3" Na sentena um do outro diferia, B"  A#.5" Razes diversas dando e recebendo. B"  A#*1" O padre Baco ali no consentia B"  A#,3" No que Jpiter disse, conhecendo B"`  A#18" Que esquecero seus feitos no Oriente B"  A#*1" Se l passar a Lusitana gente. B"` @ A# " B" A#$+" 8 B"  A# " B" A#7>" ----------------------- Page 56-----------------------B"  A# " B" A#'." OS LUSADAS B"  D A# " B" A#.5" 31 Ouvido tinha aos Fados que viria B" @ A#+2" Ua gente fortssima de Espanha B"  A#-4" Pelo mar alto, a qual sujeitaria B" @ A#.5" Da ndia tudo quanto Dris banha, B"`  A#*1" E com novas vitrias venceria B"  A#5<" A fama antiga, ou sua ou fosse estranha. B" < A#.5" Altamente lhe di perder a glria B" @ A#07" De que Nisa celebra inda a memria. B" ` A# " B" A#,3" 32 V que j teve o Indo sojugado B"  A#.5" E nunca lhe tirou Fortuna ou caso B" @ A#.5" Por vencedor da ndia ser cantado B"  A#07" De quantos bebem a gua de Parnaso. B" d A#*1" Teme agora que seja sepultado B"  A#/6" Seu to clebre nome em negro vaso B"  A#29" D' gua do esquecimento, se l chegam B"  A#/6" Os fortes Portugueses que navegam. B"  A# " B" A#/6" 33 Sustentava contra ele Vnus bela, B" @ A#'." Afeioada gente Lusitana B"  D A#,3" Por quantas qualidades via nela B"  A#.5" Da antiga, to amada, sua Romana; B"  A#3:" Nos fortes coraes, na grande estrela B"  A#.5" Que mostraram na terra Tingitana, B" d A#18" E na lngua, na qual quando imagina, B"  A#4;" Com pouca corrupo cr que a Latina. B"  A# " B" A#+2" 34 Estas causas moviam Citereia, B"` d A#4;" E mais, porque das Parcas claro entende B"  A#18" Que h-de ser celebrada a clara Deia B"` < A#.5" Onde a gente belgera se estende. B"<  A#5<" Assi que, um, pela infmia que arreceia, B"  A#29" E o outro, pelas honras que pretende, B"  A#-4" Debatem, e na perfia permanecem; B"`  A#.5" A qualquer seus amigos favorecem. B"  A# " B" A#'." 9 B"   A# " B" A#7>" ----------------------- Page 57-----------------------B"  A# " B" A#&-" OS LUSADAS B"  D A# " B" A#5<" 35 Qual Austro fero ou Breas na espessura B" < A#.5" De silvestre arvoredo abastecida, B"<  A#18" Rompendo os ramos vo da mata escura B"  A#,3" Com impeto e braveza desmedida, B"<  A#07" Brama toda montanha, o som murmura, B"  A#8?" Rompem-se as folhas, ferve a serra erguida: B"<   D A#,3" Tal andava o tumulto, levantado B"<  A#3:" Entre os Deuses, no Olimpo consagrado. B"  A# " B" A#07" 36 Mas Marte, que da Deusa sustentava B" d A#-4" Entre todos as partes em porfia, B"  A#07" Ou porque o amor antigo o obrigava, B"  A#/6" Ou porque a gente forte o merecia, B" d A#3:" De antre os Deuses em p se levantava: B"  A#)0" Merencrio no gesto parecia; B"`  A#/6" O forte escudo, ao colo pendurado, B" @ A#18" Deitando pera trs, medonho e irado; B"` < A# " B" A#+2" 37 A viseira do elmo de diamante B"   A#.5" Alevantando um pouco, mui seguro, B"  A#.5" Por dar seu parecer se ps diante B"  A#.5" De Jpiter, armado, forte e duro; B"  A#*1" E dando ua pancada penetrante B"   A#.5" Co conto do basto no slio puro, B"  A#/6" O Cu tremeu, e Apolo, de torvado, B"  A#18" Um pouco a luz perdeu, como enfiado; B"  A# " B" A#6=" 38 E disse assi: Padre, a cujo imprio B"  A#-4" Tudo aquilo obedece que criaste: B"  A#6=" Se esta gente que busca outro Hemisfrio, B" ` A#-4" Cuja valia e obras tanto amaste, B"  A#.5" No queres que padeam vituprio, B"  A#29" Como h j tanto tempo que ordenaste, B"  A#29" No ouas mais, pois s juiz direito, B"  A#29" Razes de quem parece que suspeito. B" < A# " B" A#&-" 10 B"  A# " B" A#7>" ----------------------- Page 58-----------------------B"  A# " B" A#&-" OS LUSADAS B"  D A# " B" A#4;" 39 Que, se aqui a razo se no mostrasse B" < A#(/" Vencida do temor demasiado, B"   A#3:" Bem fora que aqui Baco os sustentasse, B"  A#3:" Pois que de Luso vm, seu to privado; B"  A#-4" Mas esta teno sua agora passe, B" d A#18" Porque enfim vem de estmago danado; B"  A#+2" Que nunca tirar alheia enveja B"  A#4;" O bem que outrem merece e o Cu deseja. B" < A# " B" A#/6" 40 E tu, Padre de grande fortaleza, B"  A#,3" Da determinao que tens tomada B" @ A#3:" No tornes por detrs, pois fraqueza B" ` A#+2" Desistir-se da cousa comeada. B" @ A#/6" Mercrio, pois excede em ligeireza B"  A#07" Ao vento leve e seta bem talhada, B"  A#3:" Lhe v mostrar a terra onde se informe B"  A#29" Da ndia, e onde a gente se reforme. B"  A# " B" A#07" 41 Como isto disse, o Padre poderoso, B"  A#+2" A cabea inclinando, consentiu B"  A#*1" No que disse Mavorte valeroso B"< d A#+2" E nctar sobre todos esparziu. B" @ A#)0" Pelo caminho Lcteo glorioso B"< @ A#/6" Logo cada um dos Deuses se partiu, B"  A#,3" Fazendo seus reais acatamentos, B"  A#-4" Pera os determinados apousentos. B"  A# " B" A#/6" 42 Enquanto isto se passa na fermosa B" d A#/6" Casa etrea do Olimpo omnipotente, B"  A#+2" Cortava o mar a gente belicosa B"  A#29" J l da banda do Austro e do Oriente, B"  A#.5" Entre a costa Etipica e a famosa B"`  A#29" Ilha de So Loureno; e o Sol ardente B"  A#/6" Queimava ento os Deuses que Tifeu B" d A#07" Co temor grande em pexes converteu. B" d A# " B" A#&-" 11 B"  A# " B" A#7>" ----------------------- Page 59-----------------------B"  A# " B" A#&-" OS LUSADAS B"  D A# " B" A#29" 43 To brandamente os ventos os levavam B"  A#-4" Como quem o Cu tinha por amigo; B" d A#29" Sereno o ar e os tempos se mostravam, B"  A#.5" Sem nuvens, sem receio de perigo. B"  A#-4" O promontrio Prasso j passavam B"`  A#.5" Na costa de Etipia, nome antigo, B"  A#4;" Quando o mar, descobrindo, lhe mostrava B"`  A#4;" Novas ilhas, que em torno cerca e lava. B" < A# " B" A#-4" 44 Vasco da Gama, o forte Capito, B"  A#07" Que a tamanhas empresas se oferece, B"  A#,3" De soberbo e de altivo corao, B" @ A#,3" A quem Fortuna sempre favorece, B" d A#-4" Pra se aqui deter no v razo, B"  A#.5" Que inabitada a terra lhe parece. B"  A#+2" Por diante passar determinava, B"  A#.5" Mas no lhe sucedeu como cuidava. B"  A# " B" A#,3" 45 Eis aparecem logo em companhia B"  A#18" Uns pequenos batis, que vm daquela B"< ` A#.5" Que mais chegada terra parecia, B"  A#18" Cortando o longo mar com larga vela. B"  A#/6" A gente se alvoroa e, de alegria, B" ` A#29" No sabe mais que olhar a causa dela. B"  A#5<" Que gente ser esta? (em si diziam) B" < A#5<" Que costumes, que Lei, que Rei teriam? B"  A# " B" A#,3" 46 As embarcaes eram na maneira B" @ A#07" Mui veloces, estreitas e compridas; B"< < A#29" As velas com que vm eram de esteira, B"  A#/6" Duas folhas de palma, bem tecidas; B"  A#*1" A gente da cor era verdadeira B"   A#.5" Que Fton, nas terras acendidas, B"  A#3:" Ao mundo deu, de ousado e no prudente B"  A#18" (O Pado o sabe e Lampetusa o sente). B"  A# " B" A#&-" 12 B"  A# " B" A#7>" ----------------------- Page 60-----------------------B"  A# " B" A#'." OS LUSADAS B"  D A# " B" A#29" 47 De panos de algodo vinham vestidos, B"<  A#29" De vrias cores, brancos e listrados; B"  A#07" Uns trazem derredor de si cingidos, B"  A#.5" Outros em modo airoso sobraados; B"  A#/6" Das cintas pra cima vm despidos; B"  A#-4" Por armas tm adagas e tarados; B"`  A#07" Com toucas na cabea; e, navegando, B"`  A#*1" Anafis sonorosos vo tocando. B"  A# " B" A#-4" 48 Cos panos e cos braos acenavam B" @ A#18" s gentes Lusitanas, que esperassem; B"  A#4;" Mas j as proas ligeiras se inclinavam, B" ` A#07" Pera que junto s Ilhas amainassem. B"  A#.5" A gente e marinheiros trabalhavam B" ` A#4;" Como se aqui os trabalhos s' acabassem: B" ` A#18" Tomam velas, amaina-se a verga alta, B"< ` A#29" Da ncora o mar ferido em cima salta. B"  A# " B" A#07" 49 No eram ancorados, quando a gente B"  A#,3" Estranha polas cordas j subia. B" d A#.5" No gesto ledos vm, e humanamente B"  A#*1" O Capito sublime os recebia. B"   A#.5" As mesas manda pr em continente; B"  A#-4" Do licor que Lieu prantado havia B"  A#3:" Enchem vasos de vidro; e do que deitam B" < A#29" Os de Feton queimados nada enjeitam. B"<  A# " B" A#/6" 50 Comendo alegremente, perguntavam, B"  A#/6" Pela Arbica lngua, donde vinham, B"<  A#3:" Quem eram, de que terra, que buscavam, B"  A#18" Ou que partes do mar corrido tinham? B"  A#-4" Os fortes Lusitanos lhe tornavam B" < A#18" As discretas repostas que convinham: B"< ` A#18" Os Portugueses somos do Ocidente, B"  A#07" Imos buscando as terras do Oriente. B"  A# " B" A#'." 13 B"   A# " B" A#7>" ----------------------- Page 61-----------------------B"  A# " B" A#'." OS LUSADAS B"  D A# " B" A#.5" 51 Do mar temos corrido e navegado B"  A#18" Toda a parte do Antrtico e Calisto, B"  A#+2" Toda a costa Africana rodeado; B"<  A#07" Diversos cus e terras temos visto; B"  A#.5" Dum Rei potente somos, to amado, B"  A#.5" To querido de todos e benquisto, B"  A#3:" Que no no largo mar, com leda fronte, B"  A#18" Mas no lago entraremos de Aqueronte. B"  A# " B" A#3:" 52 E, por mandado seu, buscando andamos B"  A#.5" A terra Oriental que o Indo rega; B" d A#,3" Por ele o mar remoto navegamos, B"`  A#.5" Que s dos feios focas se navega. B" d A#-4" Mas j razo parece que saibamos B"<  A#29" (Se entre vs a verdade no se nega), B"  A#6=" Quem sois, que terra esta que habitais, B"  A#29" Ou se tendes da ndia alguns sinais? B"  A# " B" A#4;" 53 Somos (um dos das Ilhas lhe tornou) B"  A#07" Estrangeiros na terra, Lei e nao; B"  A#29" Que os prprios so aqueles que criou B"  A#+2" A Natura, sem Lei e sem Razo. B"  A#.5" Ns temos a Lei certa que ensinou B"  A#+2" O claro descendente de Abrao, B" < A#/6" Que agora tem do mundo o senhorio; B"  A#07" A me Hebreia teve e o pai, Gentio. B" d A# " B" A#07" 54 Esta Ilha pequena, que habitamos, B" ` A#.5" em toda esta terra certa escala B"  A#07" De todos os que as ondas navegamos, B" d A#/6" De Quloa, de Mombaa e de Sofala; B"`  A#/6" E, por ser necessria, procuramos, B" ` A#29" Como prprios da terra, de habit-la; B"  A#07" E por que tudo enfim vos notifique, B"  A#29" Chama-se a pequena Ilha Moambique. B"  A# " B" A#'." 14 B"   A# " B" A#7>" ----------------------- Page 62-----------------------B"  A# " B" A#'." OS LUSADAS B"  D A# " B" A#.5" 55 E j que de to longe navegais, B" @ A#4;" Buscando o Indo Idaspe e terra ardente, B" ` A#07" Piloto aqui tereis, por quem sejais B" ` A#,3" Guiados pelas ondas sbiamente. B"`  A#.5" Tambm ser bem feito que tenhais B"  A#5<" Da terra algum refresco, e que o Regente B"  A#18" Que esta terra governa, que vos veja B"  A#/6" E do mais necessrio vos proveja. B"  A# " B" A#-4" 56 Isto dizendo, o Mouro se tornou B" @ A#07" A seus batis com toda a companhia; B"  A#*1" Do Capito e gente se apartou B"   A#,3" Com mostras de devida cortesia. B" d A#*1" Nisto Febo nas guas encerrou B"  A#.5" Co carro de cristal, o claro dia, B"  A#-4" Dando cargo Irm que alumiasse B"  A#07" O largo mundo, enquanto repousasse. B"  A# " B" A#.5" 57 A noite se passou na lassa frota B"  A#07" Com estranha alegria e no cuidada, B"< < A#,3" Por acharem da terra to remota B" d A#*1" Nova de tanto tempo desejada. B"` @ A#07" Qualquer ento consigo cuida e nota B"  A#,3" Na gente e na maneira desusada, B"`  A#29" E como os que na errada Seita creram, B"  A#29" Tanto por todo o mundo se estenderam. B"  A# " B" A#.5" 58 Da Lua os claros raios rutilavam B" @ A#.5" Polas argnteas ondas Neptuninas; B"  A#.5" As Estrelas os Cus acompanhavam, B"  A#-4" Qual campo revestido de boninas; B"  A#*1" Os furiosos ventos repousavam B"   A#,3" Polas covas escuras peregrinas; B"  A#-4" Porm da armada a gente vigiava, B"  A#,3" Como por longo tempo costumava. B" d A# " B" A#'." 15 B"   A# " B" A#7>" ----------------------- Page 63-----------------------B"  A# " B" A#'." OS LUSADAS B"  D A# " B" A#07" 59 Mas, assi como a Aurora marchetada B"  A#)0" Os fermosos cabelos espalhou B" d A#29" No Cu sereno, abrindo a roxa entrada B" < A#.5" Ao claro Hiperinio, que acordou, B"  A#29" Comea a embandeirar-se toda a armada B"  A#,3" E de toldos alegres se adornou, B"  A#-4" Por receber com festas e alegria B" d A#-4" O Regedor das Ilhas, que partia. B"`  A# " B" A#,3" 60 Partia, alegremente navegando, B" < A#.5" A ver as naus ligeiras Lusitanas, B"`  A#29" Com refresco da terra, em si cuidando B"  A#,3" Que so aquelas gentes inumanas B" @ A#29" Que, os apousentos Cspios habitando, B"  A#+2" A conquistar as terras Asianas B"  A#,3" Vieram e, por ordem do Destino, B"`  A#,3" O Imprio tomaram a Costantino. B"  A# " B" A#*1" 61 Recebe o Capito alegremente B"   A#*1" O Mouro e toda sua companhia; B"   A#/6" D-lhe de ricas peas um presente, B"  A#/6" Que s pera este efeito j trazia; B"  A#5<" D-lhe conserva doce e d-lhe o ardente, B"  A#-4" No usado licor, que d alegria. B" @ A#.5" Tudo o Mouro contente bem recebe, B"<  A#/6" E muito mais contente come e bebe. B"<  A# " B" A#+2" 62 Est a gente martima de Luso B"` d A#/6" Subida pela enxrcia, de admirada, B" < A#-4" Notando o estrangeiro modo e uso B" < A#18" E a linguagem to brbara e enteada. B"  A#07" Tambm o Mouro astuto est confuso, B"  A#5<" Olhando a cor, o trajo e a forte armada; B" ` A#+2" E, perguntando tudo, lhe dizia B" @ A#-4" Se porventura vinham de Turquia. B"`  A# " B" A#'." 16 B"   A# " B" A#7>" ----------------------- Page 64-----------------------B"  A# " B" A#%," OS LUSADAS B"  D A# " B" A#29" 63 E mais lhe diz tambm que ver deseja B"  A#29" Os livros de sua Lei, preceito ou f, B"  A#-4" Pera ver se conforme sua seja, B"  A#/6" Ou se so dos de Cristo, como cr; B"  A#-4" E por que tudo note e tudo veja, B"  A#'." Ao Capito pedia que lhe d B"   A#29" Mostra das fortes armas de que usavam B"  A#+2" Quando cos inimigos pelejavam. B"  A# " B" A#*1" 64 Responde o valeroso Capito, B"  A#29" Por um que a lngua escura bem sabia: B"<  A#18" Dar-te-ei, Senhor ilustre, relao B"< ` A#18" De mi, da Lei, das armas que trazia. B"  A#-4" Nem sou da terra, nem da gerao B"  A#,3" Das gentes enojosas de Turquia, B"  A#.5" Mas sou da forte Europa belicosa; B" d A#18" Busco as terras da ndia to famosa. B"  A# " B" A#3:" 65 A Lei tenho d' Aquele a cujo imprio B"  A#+2" Obedece o visbil e invisbil, B"  A#/6" Aquele que criou todo o Hemisfrio, B"  A#29" Tudo o que sente e todo o insensbil; B"  A#-4" Que padeceu desonra e vituprio, B"  A#18" Sofrendo morte injusta e insofrbil, B"  A#.5" E que do Cu Terra enfim deceu, B"  A#29" Por subir os mortais da Terra ao Cu. B"<  A# " B" A#18" 66 Deste Deus-Homem, alto e infinito, B"  A#/6" Os livros que tu pedes no trazia, B"  A#18" Que bem posso escusar trazer escrito B"` < A#07" Em papel o que na alma andar devia. B"  A#4;" Se as armas queres ver, como tens dito, B"  A#+2" Cumprido esse desejo te seria; B"` d A#5<" Como amigo as vers, porque eu me obrigo B"`  A#4;" Que nunca as queiras ver como inimigo. B"<  A# " B" A#%," 17 B"  A# " B" A#7>" ----------------------- Page 65-----------------------B"  A# " B" A#'." OS LUSADAS B"  D A# " B" A#/6" 67 Isto dizendo, manda os diligentes B"  A#-4" Ministros amostrar as armaduras: B"  A#-4" Vm arneses e peitos reluzentes, B"`  A#,3" Malhas finas e lminas seguras, B" d A#,3" Escudos de pinturas diferentes, B"  A#07" Pelouros, espingardas de ao puras, B"  A#)0" Arcos e sagitferas aljavas, B"  A#.5" Partazanas agudas, chuas bravas. B"  A# " B" A#18" 68 As bombas vm de fogo, e juntamente B"  A#/6" As panelas sulfreas, to danosas; B" ` A#.5" Porm aos de Vulcano no consente B"<  A#18" Que dm fogo s bombardas temerosas; B"  A#/6" Porque o generoso nimo e valente, B" d A#07" Entre gentes to poucas e medrosas, B"  A#18" No mostra quanto pode; e com razo, B"  A#3:" Que fraqueza entre ovelhas ser lio. B" ` A# " B" A#18" 69 Porm disto que o Mouro aqui notou, B"  A#18" E de tudo o que viu com olho atento, B"  A#-4" Um dio certo na alma lhe ficou, B" @ A#)0" Ua vontade m de pensamento; B"   A#29" Nas mostras e no gesto o no mostrou, B"  A#07" Mas, com risonho e ledo fingimento, B" d A#-4" Trat-los brandamente determina, B" < A#18" At que mostrar possa o que imagina. B"  A# " B" A#*1" 70 Pilotos lhe pedia o Capito, B"   A#18" Por quem pudesse ndia ser levado; B"  A#/6" Diz-lhe que o largo prmio levaro B"`  A#.5" Do trabalho que nisso for tomado. B"  A#-4" Promete-lhos o Mouro, com teno B"  A#+2" De peito venenoso e to danado B"  A#07" Que a morte, se pudesse, neste dia, B"  A#+2" Em lugar de pilotos lhe daria. B"  A# " B" A#(/" 18 B"  D A# " B" A#7>" ----------------------- Page 66-----------------------B"  A# " B" A#&-" OS LUSADAS B"  D A# " B" A#/6" 71 Tamanho o dio foi e a m vontade B"  A#/6" Que aos estrangeiros spito tomou, B"  A#,3" Sabendo ser sequaces da Verdade B"  A#.5" Que o filho de David nos ensinou! B"  A#*1" segredos daquela Eternidade B"   A#-4" A quem juzo algum no alcanou: B"  A#/6" Que nunca falte um prfido inimigo B" @ A#/6" queles de quem foste tanto amigo! B"  A# " B" A#5<" 72 Partiu-se nisto, enfim, co a companhia, B" < A#.5" Das naus o falso Mouro despedido, B" d A#,3" Com enganosa e grande cortesia, B" d A#.5" Com gesto ledo a todos e fingido. B" d A#+2" Cortaram os batis a curta via B"   A#.5" Das guas de Neptuno; e, recebido B"<  A#07" Na terra do obseqente ajuntamento, B" ` A#18" Se foi o Mouro ao cgnito apousento. B"  A# " B" A#5<" 73 Do claro Assento etreo, o gro Tebano, B" < A#.5" Que da paternal coxa foi nascido, B"  A#+2" Olhando o ajuntamento Lusitano B"  A#/6" Ao Mouro ser molesto e avorrecido, B"<  A#18" No pensamento cuida um falso engano, B"` < A#,3" Com que seja de todo destrudo; B" @ A#3:" E, enquanto isto s na alma imaginava, B"  A#.5" Consigo estas palavras praticava: B"`  A# " B" A#+2" 74 Est do Fado j determinado B"   A#07" Que tamanhas vitrias, to famosas, B"< < A#+2" Hajam os Portugueses alcanado B"  A#+2" Das Indianas gentes belicosas; B"<  A#/6" E eu s, filho do Padre sublimado, B" d A#-4" Com tantas qualidades generosas, B"  A#.5" Hei-de sofrer que o Fado favorea B" @ A#3:" Outrem, por quem meu nome se escurea? B"  A# " B" A#&-" 19 B"  A# " B" A#7>" ----------------------- Page 67-----------------------B"  A# " B" A#%," OS LUSADAS B"  D A# " B" A#/6" 75 J quiseram os Deuses que tivesse B"  A#*1" O filho de Filipo nesta parte B"   A#*1" Tanto poder que tudo sometesse B"  A#-4" Debaixo do seu jugo o fero Marte; B"  A#07" Mas h-se de sofrer que o Fado desse B" d A#07" A to poucos tamanho esforo e arte, B" ` A#07" Qu' eu, co gro Macednio e Romano, B"  A#)0" Dmos lugar ao nome Lusitano? B"  h A# " B" A#6=" 76 No ser assi, porque, antes que chegado B"  A#+2" Seja este Capito, astutamente B"   A#+2" Lhe ser tanto engano fabricado B"` d A#18" Que nunca veja as partes do Oriente. B"  A#,3" Eu decerei Terra e o indignado B"  A#,3" Peito revolverei da Maura gente; B"  A#-4" Porque sempre por via ir direita B" @ A#29" Quem do oportuno tempo se aproveita. B"  A# " B" A#07" 77 Isto dizendo, irado e qusi insano, B"`  A#.5" Sobre a terra Africana descendeu, B"`  A#3:" Onde, vestindo a forma e gesto humano, B"  A#*1" Pera o Prasso sabido se moveu. B"< d A#07" E, por milhor tecer o astuto engano, B" d A#)0" No gesto natural se converteu B"  h A#/6" Dum Mouro, em Moambique conhecido, B"<  A#07" Velho, sbio, e co Xeque mui valido. B"  A# " B" A#;B" 78 E, entrando assi a falar-lhe, a tempo e horas, B"  A#'." A sua falsidade acomodadas, B"   A#/6" Lhe diz como eram gentes roubadoras B"  A#/6" Estas que ora de novo so chegadas; B"  A#/6" Que das naes na costa moradoras, B" d A#.5" Correndo a fama veio que roubadas B"  A#07" Foram por estes homens que passavam, B"  A#4;" Que com pactos de paz sempre ancoravam. B"  A# " B" A#$+" 20 B"  A# " B" A#7>" ----------------------- Page 68-----------------------B"  A# " B" A#'." OS LUSADAS B"  D A# " B" A#6=" 79 E sabe mais (lhe diz), como entendido B"  A#29" Tenho destes Cristos sanguinolentos, B"<  A#/6" Que qusi todo o mar tm destrudo B"  A#18" Com roubos, com incndios violentos; B"  A#/6" E trazem j de longe engano urdido B"  A#29" Contra ns; e que todos seus intentos B"  A#-4" So pera nos matarem e roubarem, B"<  A#+2" E mulheres e filhos cativarem. B"<  A# " B" A#/6" 80 E tambm sei que tem determinado B" @ A#18" De vir por gua a terra, muito cedo, B"  A#-4" O Capito, dos seus acompanhado, B"  A#/6" Que da teno danada nasce o medo. B"`  A#29" Tu deves de ir tambm cos teus armado B" < A#18" Esper-lo em cilada, oculto e quedo; B"< ` A#/6" Porque, saindo a gente descuidada, B"  A#)0" Caro facilmente na cilada. B"   A# " B" A#07" 81 E se inda no ficarem deste jeito B"  A#-4" Destrudos ou mortos totalmente, B"`  A#+2" Eu tenho imaginada no conceito B"   A#18" Outra manha e ardil que te contente: B"` < A#.5" Manda-lhe dar piloto que de jeito B"`  A#29" Seja astuto no engano, e to prudente B" < A#07" Que os leve aonde sejam destrudos, B"  A#/6" Desbaratados, mortos ou perdidos. B"`  A# " B" A#-4" 82 Tanto que estas palavras acabou B" @ A#3:" O Mouro, nos tais casos sbio e velho, B"  A#,3" Os braos pelo colo lhe lanou, B" d A#.5" Agradecendo muito o tal conselho; B" @ A#,3" E logo nesse instante concertou B"<  A#/6" Pera a guerra o belgero aparelho, B"  A#29" Pera que ao Portugus se lhe tornasse B"  A#07" Em roxo sangue a gua que buscasse. B"  A# " B" A#'." 21 B"   A# " B" A#7>" ----------------------- Page 69-----------------------B"  A# " B" A#'." OS LUSADAS B"  D A# " B" A#29" 83 E busca mais, pera o cuidado engano, B" < A#29" Mouro que por piloto nau lhe mande, B"` ` A#29" Sagaz, astuto e sbio em todo o dano, B"  A#3:" De quem fiar se possa um feito grande. B" < A#29" Diz-lhe que, acompanhando o Lusitano, B"<  A#18" Por tais costas e mares co ele ande, B"  A#18" Que, se daqui escapar, que l diante B"` < A#,3" V cair onde nunca se alevante. B"  A# " B" A#)0" 84 J o raio Apolneo visitava B"  A#*1" Os Montes Nabateios acendido, B"  A#-4" Quando Gama cos seus determinava B" d A#07" De vir por gua a terra apercebido. B"  A#-4" A gente nos batis se concertava B"  A#.5" Como se fosse o engano j sabido; B"  A#.5" Mas pde suspeitar-se fcilmente, B"  A#29" Que o corao pres[s]ago nunca mente. B"` ` A# " B" A#29" 85 E mais tambm mandado tinha a terra, B" < A#.5" De antes, pelo piloto necessrio, B"  A#3:" E foi-lhe respondido em som de guerra, B"  A#/6" Caso do que cuidava mui contrrio. B" < A#07" Por isto, e porque sabe quanto erra B" d A#3:" Quem se cr de seu prfido adversrio, B"  A#&-" Apercebido vai como podia B"   A#/6" Em trs batis smente que trazia. B"  A# " B" A#3:" 86 Mas os Mouros, que andavam pela praia B" < A#.5" Por lhe defender a gua desejada, B"  A#18" Um de escudo embraado e de azagaia, B"< ` A#3:" Outro de arco encurvado e seta ervada, B"`  A#07" Esperam que a guerreira gente saia, B"`  A#/6" Outros muitos j postos em cilada; B"  A#07" E, por que o caso leve se lhe faa, B"  A#/6" Pem uns poucos diante por negaa. B"  A# " B" A#'." 22 B"   A# " B" A#7>" ----------------------- Page 70-----------------------B"  A# " B" A#'." OS LUSADAS B"  D A# " B" A#/6" 87 Andam pela ribeira alva, arenosa, B" < A#)0" Os belicosos Mouros acenando B"< @ A#18" Com a adarga e co a hstea perigosa, B"  A#-4" Os fortes Portugueses incitando. B" < A#-4" No sofre muito a gente generosa B"  A#4;" Andar-lhe os Ces os dentes amostrando; B"  A#29" Qualquer em terra salta, to ligeiro, B"  A#29" Que nenhum dizer pode que primeiro: B"  A# " B" A#3:" 88 Qual no corro sanguino o ledo amante, B" ` A#+2" Vendo a fermosa dama desejada, B"  A#.5" O touro busca e, pondo-se diante, B" d A#18" Salta, corre, sibila, acena e brada, B"` < A#18" Mas o animal atroce, nesse instante, B"< ` A#.5" Com a fronte corngera inclinada, B"<  A#3:" Bramando, duro corre e os olhos cerra, B" ` A#29" Derriba, fere e mata e pe por terra. B"  A# " B" A#.5" 89 Eis nos batis o fogo se levanta B" @ A#*1" Na furiosa e dura artelharia; B"   A#29" A plmbea pla mata, o brado espanta; B" < A#,3" Ferido, o ar retumba e assovia. B"<  A#/6" O corao dos Mouros se quebranta, B"`  A#18" O temor grande o sangue lhe resfria. B"  A#-4" J foge o escondido, de medroso, B" < A#-4" E morre o descoberto aventuroso. B" < A# " B" A#18" 90 No se contenta a gente Portuguesa, B"  A#4;" Mas, seguindo a vitria, estrui e mata; B" ` A#-4" A povoao sem muro e sem defesa B"  A#.5" Esbombardeia, acende e desbarata. B"`  A#/6" Da cavalgada ao Mouro j lhe pesa, B"  A#29" Que bem cuidou compr-la mais barata; B" < A#/6" J blasfema da guerra, e maldizia, B"  A#5<" O velho inerte e a me que o filho cria. B"  A# " B" A#&-" 23 B"  A# " B" A#7>" ----------------------- Page 71-----------------------B"  A# " B" A#%," OS LUSADAS B"  D A# " B" A#07" 91 Fugindo, a seta o Mouro vai tirando B"  A#18" Sem fora, de covarde e de apressado, B"< ` A#29" A pedra, o pau e o canto arremessando; B"  A#,3" D-lhe armas o furor desatinado. B"`  A#3:" J a Ilha, e todo o mais, desamparando, B"  A#+2" terra firme foge amedrontado; B"  A#18" Passa e corta do mar o estreito brao B"  A#6=" Que a Ilha em torno cerca em pouco espao. B" < A# " B" A#-4" 92 Uns vo nas almadias carregadas, B"  A#-4" Um corta o mar a nado, diligente; B" d A#/6" Quem se afoga nas ondas encurvadas, B"  A#18" Quem bebe o mar e o deita juntamente. B"  A#*1" Arrombam as midas bombardadas B"   A#-4" Os pangaios sutis da bruta gente. B" @ A#07" Destarte o Portugus, enfim, castiga B"  A#,3" A vil malcia, prfida, inimiga. B"`  A# " B" A#-4" 93 Tornam vitoriosos pera a armada, B"  A#.5" Co despojo da guerra e rica presa, B"<  A#,3" E vo a seu prazer fazer aguada, B"  A#-4" Sem achar resistncia nem defesa. B" ` A#)0" Ficava a Maura gente magoada, B"`  A#07" No dio antigo mais que nunca acesa; B" d A#-4" E, vendo sem vingana tanto dano, B"  A#.5" Smente estriba no segundo engano. B" @ A# " B" A#.5" 94 Pazes cometer manda, arrependido, B"`  A#*1" O Regedor daquela inica terra, B"  A#+2" Sem ser dos Lusitanos entendido B"  A#29" Que em figura de paz lhe manda guerra; B"  A#,3" Porque o piloto falso prometido, B" d A#29" Que toda a m teno no peito encerra, B"<  A#.5" Pera os guiar morte lhe mandava, B"  A#07" Como em sinal das pazes que tratava. B"  A# " B" A#$+" 24 B"  A# " B" A#7>" ----------------------- Page 72-----------------------B"  A# " B" A#'." OS LUSADAS B"  D A# " B" A#29" 95 O Capito, que j lhe ento convinha B"  A#-4" Tornar a seu caminho acostumado, B"<  A#07" Que tempo concertado e ventos tinha B"  A#,3" Pera ir buscar o Indo desejado, B"  A#.5" Recebendo o piloto que lhe vinha, B"  A#-4" Foi dele alegremente agasalhado, B" ` A#29" E respondendo ao mensageiro, a tento, B"  A#/6" As velas manda dar ao largo vento. B" @ A# " B" A#07" 96 Destarte despedida, a forte armada B"  A#+2" As ondas de Anfitrite dividia, B"  A#-4" Das filhas de Nereu acompanhada, B"`  A#+2" Fiel, alegre e doce companhia. B" @ A#,3" O Capito, que no cala em nada B"  A#18" Do enganoso ardil que o Mouro urdia, B"  A#-4" Dele mui largamente se informava B" ` A#07" Da ndia toda e costas que passava. B"  A# " B" A#07" 97 Mas o Mouro, instrudo nos enganos B"`  A#.5" Que o malvolo Baco lhe ensinara, B"  A#/6" De morte ou cativeiro novos danos, B" < A#3:" Antes que ndia chegue, lhe prepara. B"  A#-4" Dando razo dos portos Indianos, B" d A#07" Tambm tudo o que pede lhe declara, B"  A#29" Que, havendo por verdade o que dizia, B"  A#,3" De nada a forte gente se temia. B" @ A# " B" A#18" 98 E diz-lhe mais, co falso pensamento B"  A#.5" Com que Snon os Frgios enganou, B" d A#18" Que perto est ua Ilha, cujo assento B"  A#07" Povo antigo Cristo sempre habitou. B" ` A#18" O Capito, que a tudo estava atento, B"  A#,3" Tanto co estas novas se alegrou B" d A#/6" Que com ddivas grandes lhe rogava B"  A#7>" Que o leve terra onde esta gente estava. B" ` A# " B" A#&-" 25 B"  A# " B" A#7>" ----------------------- Page 73-----------------------B"  A# " B" A#'." OS LUSADAS B"  D A# " B" A#-4" 99 O mesmo o falso Mouro determina B" @ A#4;" Que o seguro Cristo lhe manda e pede; B"`  A#-4" Que a Ilha possuda da malina B"`  A#/6" Gente que segue o torpe Mahamede. B" @ A#/6" Aqui o engano e morte lhe imagina, B"  A#29" Porque em poder e foras muito excede B"  A#18" Moambique esta Ilha, que se chama B"  A#.5" Quloa, mui conhecida pola fama. B"<  A# " B" A#07" 100 Pera l se inclinava a leda frota; B" ` A#-4" Mas a Deusa em Citere celebrada, B"  A#,3" Vendo como deixava a certa rota B"  A#/6" Por ir buscar a morte no cuidada, B"  A#18" No consente que em terra to remota B"  A#/6" Se perca a gente dela tanto amada, B"  A#-4" E com ventos contrairos a desvia B"<  A#07" Donde o piloto falso a leva e guia. B"  A# " B" A#.5" 101 Mas o malvado Mouro, no podendo B"  A#+2" Tal determinao levar avante, B"  A#,3" Outra maldade inica cometendo, B" d A#.5" Ainda em seu propsito constante, B"<  A#5<" Lhe diz que, pois as guas, discorrendo, B" < A#.5" Os levaram por fora por diante, B"  A#29" Que outra Ilha tem perto, cuja gente B"  A#18" Eram Cristos com Mouros juntamente. B"  A# " B" A#07" 102 Tambm nestas palavras lhe mentia, B"  A#/6" Como por regimento, enfim, levava; B"  A#18" Que aqui gente de Cristo no havia, B"  A#,3" Mas a que a Mahamede celebrava. B"  A#29" O Capito, que em tudo o Mouro cria, B"  A#07" Virando as velas, a Ilha demandava; B"  A#29" Mas, no querendo a Deusa guardadora, B"  A#07" No entra pela barra, e surge fora. B"  A# " B" A#'." 26 B"   A# " B" A#7>" ----------------------- Page 74-----------------------B"  A# " B" A#&-" OS LUSADAS B"  D A# " B" A#/6" 103 Estava a Ilha terra to chegada B"  A#/6" Que um estreito pequeno a dividia; B"  A#$+" Ua cidade nela situada, B"  D A#+2" Que na fronte do mar aparecia, B"  A#+2" De nobres edifcios fabricada, B"  A#07" Como por fora, ao longe, descobria, B"  A#/6" Regida por um Rei de antiga idade: B" d A#29" Mombaa o nome da Ilha e da cidade. B"  A# " B" A#.5" 104 E sendo a ela o Capito chegado, B" d A#.5" Estranhamente ledo, porque espera B"`  A#+2" De poder ver o povo baptizado, B" @ A#-4" Como o falso piloto lhe dissera, B"<  A#/6" Eis vm batis da terra com recado B" d A#29" Do Rei, que j sabia a gente que era; B" < A#/6" Que Baco muito de antes o avisara, B" d A#/6" Na forma doutro Mouro, que tomara. B"  A# " B" A#.5" 105 O recado que trazem de amigos, B"`  A#-4" Mas debaxo o veneno vem coberto, B"<  A#18" Que os pensamentos eram de inimigos, B"  A#-4" Segundo foi o engano descoberto. B"`  A#-4" grandes e gravssimos perigos, B"  A#+2" caminho de vida nunca certo, B"  A#07" Que aonde a gente pe sua esperana B"  A#.5" Tenha a vida to pouca segurana! B" d A# " B" A#18" 106 No mar tanta tormenta e tanto dano, B"` < A#-4" Tantas vezes a morte apercebida! B"  A#18" Na terra tanta guerra, tanto engano, B"  A#*1" Tanta necessidade avorrecida! B"   A#29" Onde pode acolher-se um fraco humano, B"  A#+2" Onde ter segura a curta vida, B"   A#6=" Que no se arme e se indigne o Cu sereno B" ` A#29" Contra um bicho da terra to pequeno? B"  A# " B" A#%," 27 B"  A# " B" A#7>" ----------------------- Page 75-----------------------B"  A# " B" A##*" OS LUSADAS B"`  D A# " B" A# " NOTAS B" A# " B" A#  " 1.1 B" A#DK" As armas e os bares assinalados: desde o primeiro verso o Poeta B"  < A#CJ" revela o seu grande inspirador, Virglio: arma virumque cano... B"   A# " (hendadis). B" A#5<" Cames rejeitou o emprego pouco expressivo da forma B"  A#CJ" correspondente a vir e adoptou baro (j usado na Idade Mdia B"   A#GN" barom e varom no sentido de vir). Bares no foi escolhido apenas B"  d A#BI" para designar o indivduo do sexo masculino, mas homem ilustre e B"   h A#?F" esforado (ttulo nobilirquico, provavelmente do germ. Baro: B"d   A#@G" homem livre, apto para a luta, aparentado com o escand. ant. B" <  A#HO" beriask: pelejar segundo Corominas, s. v. Barn). Cames aplicou o B"  d A#>E" termo mesmo a S. Tom, baro sagrado (X.108.7). No poema a B"  H A#?F" forma baro alterna com varo, embora esta seja usada com B"   h A#DK" menos frequncia (v. VI.37.4, IX.91.3 e X.7.2). ED escreveu sempre B"   A#=D" baro na sua ed. de Os Lusadas. Gaspar Barreiros, na sua B"`   A#DK" Chorographia, fl. 197 v., escreve: Nicolao Leoniceno, doctissimo B"    A#@G" baram e Nunca fama de baram illustre, por mais celebrado que B"   A#&-" fosse, teve tal fortuna (Hrcules). B"<  A# " B" A#  " 1.2 B" A#CJ" Que da ocidentalpraia lusitana : isto , de Portugal. O emprego B"   A#GN" ocidental refora a situao geogrfica de praia lusitana. Cames B"   A#FM" chama aos Portugueses Lusitanos (e, frequentemente, os de Luso). B"      A#AH" A que poca remonta o uso deste etnnimo? TB, na obra Cames, a B"   h A#JQ" Obra Lrica e pica, p. 401, citando Herculano, Hist. de Portugal, t. I, B"  @ A#?F" 10, lembra o discurso latino recitado pelo bispo D. Garcia de B"  l A#<C" Meneses em 1481 diante de Sisto IV (e do clebre humanista B"   h A#CJ" Pompnio Leto). Lus Anriques, poeta do Cancioneiro Geral, na sua B"   A#EL" Lamentao morte del rei D. Joo (II) (GG, III, 65-68), emprega B" < @ A#EL" Lusitnia e lusitanos. Mas muito antes, no chamada Crnica de Cinco B" < d A#GN" Reis (de 1419), escreveu-se no cap. xv: ... e quando o prior de S.ta B"   A#BI" Cruz a que chamavao D. Theotonio ... vio que lhe tomara aquelle B"  @ A#@G" lugar que lhe elrei D. A. avia dado ouve em grande pesar & se B" `   A#BI" partio do m ro [mosteiro] e foisse as terras de Lusitania que os B"   A# " B" A#!(" 28 B" l A# " B" A#7>" ----------------------- Page 76-----------------------B"  A# " B" A##*" OS LUSADAS B"`  D A#BI" mouros possuia e andou tanto ateesque filhou arrches. [Duarte B"    A#FM" Galvo, que copiou este (e outros captulos), substituiu Lusitnia B"    A#?F" por Alentejo.] Sobre a origem de Lusitnia v. VIII.2.7-8. B"` `   A# '" Ort.: valeroso (por valoroso). B"   A# " B" A#  " 1.3 B" A#CJ" Por mares nunca de antes navegados: cf. I.27.3: Por vias nunca B"    A#DK" usadas; II.45.8: Novos mundos ao mundo iro mostrando; V.4.1-2: B"`   A#CJ" Assi fomos abrindo aqueles mares / que gerao algua no abriu; B"    A#AH" V.37.3: cortando / os mares nunca doutrem navegados; V.41.8: B"    A#CJ" Nunca arados destranho ou prprio lenho; V.66.3: No largo mar B"   h A#@G" fazendo novas vias; VII.25.5-6: Abrindo, lhe responde, o mar B"  @ A#?F" profundo, / Por onde nunca veio gente humana; VII.30.7: Por B"   A#BI" mares nunca doutro lenho arados; VIII.4.6: Despois de ter to B"    A#GN" largo mar arado; IX.86.5-7. Para lhe descobrir da unida Esfera / Da B"    A#>E" terra imensa e mar no navegado / Os segredos ...; X.138.3: B"   D A#BI" Abrindo a porta ao vasto mar patente. A grandeza do feito est B"   A#?F" evidenciada nesta ideia mestra, to insistentemente repetida. B"<   h A# " B" A# " 1.4-7 B" A#BI" Passaram ainda alm da Taprobana (por Taprbana): identificada B"<   A#IP" com a ilha de Ceilo (v. X.107.4 e X.51.1). Barros, na 3. Dcada, liv. B"`  d A#MT" II, enuncia assim o seu cap. I: Em que se descreve o sitio & cousas da ilha B"  d A#AH" Ceilo a que os antigos chamo Taprobana; E entre gente remota B"<   A#DK" edificaram: sobre a conservao da copulativa inicial no v. 7 (E B"   A#CJ" entre gente), e no no v. 5 (Em perigos), v. JMR, em BCL, vol. B"   h A#" XIII, pp. 724 a 728. B" A# " B" A# " 2.3-7 B" A#CJ" ... e as terras viciosas: terras corrompidas (na f). O sentido B"    A#?F" esclarece-se pelos vv. de VII.17.6-7: ... alguns o vicioso / B"   h A#BI" Mahoma...; De frica e de sia andaram devastando: assolando, B"    A#HO" destruindo, arruinando; Se vo da lei da morte libertando: da lei do B"  < A#?F" esquecimento; ... espalhareipor toda parte : Cames emprega B"   A#CJ" indiferentemente por toda parte e por toda a parte. Usa toda B"   h A#EL" parte em I.2.7, em IV.15.4, em IV.25.7, em IV.84.8, em VIII.89.3 e B"    A#DK" em X.67.3; e toda a parte em I.51.2, em II.37.7, em III.51.6, em B"   A#AH" III.79.8, em IX.77.6 e em X.67.3. Em X.78.7 diz por duas vezes: B"    A#BI" Por toda a parte tem, e em toda a parte [Comea e acaba ... ]. B"    A# " B" A#!(" 29 B" l A# " B" A#7>" ----------------------- Page 77-----------------------B"  A# " B" A##*" OS LUSADAS B"`  D A#  " 3.1 B" A#EL" Cessem do sbio grego e do Troiano: o sbio grego Ulisses, cujo B"   A#CJ" longo e aventuroso regresso a taca faz o assunto da Odisseia. Na B"   A#HO" Ilada e na Odisseia, alm de divino e dilecto de Zeus, Ulisses , B"    A#@G" sobretudo, o prudentssimo e o ardiloso. Para Cames ser, B"   A#?F" sobretudo (como em Ovdio, M, XIII.92), o facundo (II.45.1, B"   h A#EL" V.86.3-4 e VIII.5.1-2), em virtude da actividade diplomtica do rei B"   A#CJ" de taca, de que d conta a Ilada. Em X.24, porm, Cames toma o B" <  A#JQ" partido de Aiace (Ajax) e fala na lngua v e fraudulenta de Ulisses B"   A#EL" (v. comentrio a esta estncia, vv. 3-4). O Troiano Eneias, cujas B"  @ A#@G" navegaes foram cantadas por Virglio na Eneida. Apesar de se B"  l A#EL" tratar de fbulas vs, to bem sonhadas (V.89.6), Cames pergunta B" < @ A#BI" ao rei de Melinde: Crs tu que tanto Eneias e o facundo Ulisses B"    A#>E" pelo mundo se estendessem? (V.86.3-4), tornando reais estas B"   A# " fabulosas viagens. B" A# " B" A#  " 3.3 B" A#>E" Cale-se de Alexandro e de Trajano: Alexandre Magno, rei da B"   A#DK" Macednia (356-323 a. C.), falecido em Babilnia. Grande figura de B"   h A#FM" cabo de guerra, de poltico e de chefe civilizador. Derrotou Dario e B"  d A#=D" chegou ao oceano ndico. J antes de 1470 o cronista Zurara B" `  A#AH" estabelecia o confronto das conquistas e navegaes portuguesas B" <   A#AH" com as de Alexandre e as de Csar: Por certo eu dovido, diz o B"   A#BI" autor, se despois do grande poderyo de Alexandre e de Csar foe B"   h A#BI" algum principe no mundo que tan longe de sua terra mandasse poer B"   A#EL" os malhes de sua conquista! (cap. 63.); e nom sey se Alexandre, B"    A#=D" que foe hum dos monarcas do mundo, bebeo em seus dyas augua B"   A#BI" que de tam longe lhe fosse trazida (cap. 65.). Neste poema, em B"   h A#+2" VIII.12.1, Alexandre associado a Csar. B"  A#BI" Trajano (Marcus Ulpius Trajanus Crinitus), imperador romano (52- B"    A#AH" 117). Comandou as legies da Baixa Germnia, combateu os Dcios B"   A#@G" (no Baixo Danbio), criou uma provncia de Arbia e empreendeu B"    A#CJ" uma expedio contra os Partas, povo cita. Perseguiu os Cristos. B"<   A#DK" Lus Anriques, a propsito da morte de D. Joo II, escreveu no CG: B"   A# " B" A#.5" Em sua bondade trespassa Trajano, B"  A#07" & outro Alexandre ? grande frqueza B"  A# " B" A#3:" (Ed. GG, III, p. 68) B"  A# " B" A#!(" 30 B" l A# " B" A#7>" ----------------------- Page 78-----------------------B"  A# " B" A##*" OS LUSADAS B"`  D A#DK" Ort.: Cames emprega a forma Alexandro em I.3.3, V.93.2, V.95.2, B"    A#7>" V.96.7 e X.156.7 e Alexandre em VIII.12.1 e X.48.1. B"    A# " B" A# " 3.5-7 B" A#HO" ... opeito ilustre Lusitano: a palavrapeito empregada pelo Poeta B"   A#FM" noventa e sete vezes (v. IAVL, s. v.) e em sete sentidos diferentes. B"`   A#AH" (Dicionrio dos Lusadas, por Afrnio Peixoto & Pedro A. Pinto, B"   A#DK" 1924). Neste lugar est por valor, coragem: o valor, a coragem dos B"    A#;B" Portugueses; A quem Neptuno e Marte obedeceram: Neptuno B"  A#HO" (Posdon, na mitologia grega), filho de Cronos (Saturno) e de Ria (ou B" < ` A#AH" Cbele), deus do elemento hmido e, mais restritamente, do mar. B"    A#AH" Irmo de Zeus; Marte, deus romano (identificado com o deus Ares B"   h A#CJ" helnico, que tem como principal atributo a guerra). Era filho de B"   A#DK" Zeus e de Hera. V. I.36.1; Cesse tudo o que a Musa antiga canta: B" `  A#CJ" Cesse, com o sentido do v. 1: cessem. MC e FS em seus comentrios B" <   A#?F" evocam estes dois versos de Proprcio (lib. 2, eleg. 33) como B"   A#DK" possvel fonte do Poeta: Cedite Romani Scriptores, cedite Grai! / B"`   A#@G" Nescio quid maius nascitur Iliade, que MC traduz desta forma: B"   A#AH" Estem (=estejam) de parte os escriptores Latinos & Gregos, que B"   A#GN" agora novam?te sae a luz, hum no sei qu, maior que a Iliada de B"  @ A#6=" Homero; Musa antiga, a poesia dos Gregos e Romanos. B"<  A#" Ort.: Antigua (gu=g). B" A# " B" A#  " 4.1 B" A#KR" E vs, Tgides minhas ...: Tgides so as ninfas ou filhas do Tejo, B"   A#HO" a quem o Poeta solicitar a fria, isto , a inspirao potica e s B"   A#>E" quais associar em VII.78.3 as filhas do Mondego. No deve B"   A#29" estranhar-se esta associao, visto que D. Dinis B"  A# " B" A#=D" ... de Helicona (Hlicon) as Musas fez passar-se B"   h A#-4" A pisar do Mondego a frtil erva B"  A# " B" A#07" (III.917.3-4) B" d A# " B" A#DK" No entanto, a partir de III.1.1 o Poeta invoca tambm Calope, (no B"<   A#HO" incio da grande narrativa ao rei de Melinde) e ser a minha Calope B" ` @ A#AH" (X.8.5), mais ainda a gram Rainha / das Musas (X.9.7-8), como B"  @ A#IP" poderia ter dito Hesodo ou Virglio. Esta ser associada s filhas do B"   A#FM" Tejo (V.99.6-7) e sem esquecer o suserano das nove Musas clssicas, B"  d A#:A" Febo ou Apolo. Em VII.87.5 pede a Apolo e s Musas que o B"  A# " B" A#")" 31 B" l A# " B" A#7>" ----------------------- Page 79-----------------------B"  A# " B" A#$+" OS LUSADAS B"  D A#BI" acompanharam (a ele, Poeta) que lhe dobrem a fria concedida. B" `   A#DK" A criao da palavra Tgides foi vindimada por Andr de Resende B"  d A#?F" numa anotao (liv. II, v. 195, nota 48, p. 79) ao seu poema B"   A#DK" Vincentius (1545). O carme sobre a morte de D. Beatriz de Sabia, B"    A#FM" em que o Poeta pela primeira vez teria usado aquele vocbulo, ou se B"  @ A#DK" perdeu ou desconhecido. (CMV, O Instituto, vol. 52., 1905, pp. B"   h A# " 241-250.) B"  A# " B" A# " 4.5-7 B" A#AH" Dai-me agora um som alto e sublimado: dai-me ... uma voz que B"    A#IP" atinja o sublime; Um estilograndloco e corrente: um estilo elevado, B"   A#DK" mas fluente; Por que de vossas guas Febo ordene: para que Febo B"   A#GN" (epteto deApolo) ordene a respeito de vossas guas (sintaxe latina, B" ` d A#%," mas vigorosa em nossos clssicos). B"<   A#7>" Ort.:grandloco , nica grafia utilizada pelo Poeta. B"`  A# " B" A#  " 4.8 B" A#7>" Que no tenham enveja s de Hipocrene: Hipocrene B" ` A#AH" etimolgicamente a Fonte Cabalina ou a Fonte do Cavalo. Cames B"   A#EL" chamou-lhe Fonte Cabalina na gloga IV e guas cabalinas no soneto B"   h A#EL" 153. Hipocrene uma das nascentes (a mais celebrada pelos poetas) B"   A#DK" que brotam na grande e divina montanha, o Hlicon (Hesodo) (v. B"`   A#FM" Preldio da Teogonia), nos confins da Fcida e da Becia, entre o B"  @ A#DK" lago Cpais e o golfo de Corinto. O cavalo Pgaso feriu a rocha B"   A#BI" com o casco e assim brotou a fonte. Outra nascente do Hlicon B" `  h A#<C" Aganipe, citada por Cames (III.2.4). A escolha das musas B" `  A#AH" heliconianas por Hesodo justifica-se porque este, nascido em B"    A#IP" Ascra, vivia perto do Hlicon e do vale das Musas. Cames refere ainda B"   A#DK" outras moradas de Apolo e das Musas: o Pindo (cadeia de montanhas B"   h A#BI" que separa o Epiro da Tesslia) (III.2.5) e o Parnaso, monte da B" <  A#;B" Fcida, perto de Delfos, sede de um importante santurio B"   h A#FM" consagrado a Apolo, onde brotava a gua da fonte Castlia (I.32.4). B" <  A#$" Ort.: enveja (por inveja). B" A# " B" A#  " 5.1 B" A#EL" Dai-me uafria grande e sonorosa: dai-me um entusiasmo criador; B"   A#BI" sonoroso (de sonoro+oso), ressonante, fragorosa (mais usada por B"   h A#?F" Cames do que sonoro). Os comentadores, desde MC, comparam a B" <   A#GN" fria aofuror latino e citam vrios exemplos, como este, de Ccero: B"`  d A#?F" Poetam bonum neminem ... existere posse sine quodam afflatu B"    A#IP" quasi furoris, De Or. 2.194. No entanto, a palavra foi estranhada, no B"<   A# " B" A##*" 32 B"  A# " B" A#7>" ----------------------- Page 80-----------------------B"  A# " B" A##*" OS LUSADAS B"`  D A#8?" tempo de Cames. Entre os epigramas de Pero de Andrade B"  A##" Caminha encontra-se este: B" A# " B" A#29" Dizes que o bom Poeta de ter furia; B"  A#07" Se nom de ter mais, s bom Poeta. B"  A#4;" Mas se o Poeta de ter mais que fria, B" < A#18" Tu nom tens mais que furia de Poeta. B"  A# " B" A#OV" (CXLV) B"   A#LS" (Poezias ..., Lisboa, MDCCXCI) B"  d A# " B" A#  " 5.2 B" A#FM" E no de agreste avena oufrauta ruda (a mesma ideia expressa por B"` `  A#GN" palavras diferentes: avena efrauta ). Estilo humilde e simples (o das B"   A#GN" glogas). Esta ideia j foi expressa em o verso humilde do v. 3 da B"    A#AH" estncia anterior. A palavra avena foi provvelmente tirada de B" <  h A#IP" Virglio; cf. o suposto incio da Eneida: Ille ego qui quondam gracili B"<   A#=D" modulatus avena / carmen ...; Frauta ruda, flauta rstica. B"`   D A#+2" Ort.: Cames s conheceu a formafrauta . B"  A# " B" A# " 5.3-5 B" A#GN" Mas de tuba canora e belicosa: tuba, trombeta; canora (de canora < B"   A#OV" canor) harmoniosa, melodiosa; belicosa (de bellicosus < bellicus) guerreira; B"  <    A#DK" Que opeito acende e a cor ao gesto muda:peito , como em I.3.5: B"   h A#DK" valor, coragem; gesto , muito frequente em Cames no sentido geral B"   A#DK" de fisionomia, feies e, s vezes, modo; Dai-me igual canto aos B"   h A#9@" feitos da famosa: igual canto, altura de (1.par). B"  A# " B" A# " 5.6-7 B" A#EL" Gente vossa, que a Marte tanto ajuda: esta a sintaxe da edio B"   A#EL" princeps . No entanto, o primeiro comentador, MC, alterou o sentido B"` `  A#DK" do verso s com alterar o lugar da preposio a: ... a que Marte B"   h A#DK" tanto ajuda, mas no comentou nem lhe fez qualquer referncia. FS B"   A#AH" voltou forma da edioprinceps . Os modernos comentadores tm B"d  d A#DK" mantido a forma da edioprinceps , com excepo de MR, que seguiu B"   A#@G" MC. No nos parece que ED tenha razo quando diz que ajudar na B"   h A#HO" edioprinceps tem o sentido de glorificar. Pode entender-se que a B"   A# " B" A#")" 33 B" l A# " B" A#7>" ----------------------- Page 81-----------------------B"  A# " B" A#$+" OS LUSADAS B"  D A#BI" gente portuguesa, belicosa, favorece Marte com as suas empresas; B"   h A#JQ" Que se espalhe e se cante no universo: sujeito, a fama da gente vossa. B"   A# " B" A# " 6.1-2 B" A#BI" E vs, bem nascida segurana / Da Lusitana antiga liberdade: B" <  A#@G" comea a dedicatria a D. Sebastio, nascido em Lisboa a 20 de B"    A#CJ" Janeiro de 1554, pouco depois de Cames ter chegado ndia. Toda B" <   A#FM" a dedicatria foi redigida na menoridade do rei, como se verifica em B"    A#KR" I.7: Vs, tenro e novo ramo florescente; em I.9:Que nesse tenro gesto vos B"  @ A#;B" contemplo; em I.16:Que, afeioada ao gesto belo e tenro . B"<    A# " B" A# " 6.6-7 B" A#HO" Maravilha fatal ...: prodgio fixado pelo destino (fatum ); Dada ao B"   A#DK" mundo por Deus, que todo o mande: a orao que todo o mande no B"    A#@G" tem explicao segura, apesar dos esforos dos intrpretes. Se B"  l A#EL" lermos dada (a maravilha fatal) ao mundo por Deus / Pera do mundo a B"`  @ A#EL" Deus dar parte grande no h dificuldade nenhuma. Parece-nos, pois, B"   A#AH" que todo o mande depende de Deus, e no de maravilha, como um B"    A#FM" anseio de que Deus (o Deus catlico, a Igreja) mande todo (o mundo). B"  @ A# " B" A#  " 7.1 B" A#7>" Vs, tenro e novo ramo florecente: tenro juvenil. B"<  A#DK" Ort.:florecente (porflorescente ). Cames nunca escreveu de outra B"@  ` A# " maneira. B" D A# " B" A#  " 7.4 B" A#IP" Cesrea ou Cristianssima chamada: rvore (ou famlia) cesrea, a que B"   A#>E" fundou o Segundo Imprio do Ocidente (Carlos Magno), tornado B" `   A#>E" Santo Imprio Romano-Germnico, de que foi fundador Oto I, o B"   A#BI" Grande ( em 973), e durou at 1806 (com Francisco II, imperador B"   h A#GN" germnico, depois Francisco I, imperador da ustria); cristianssima: B"  @ A#MT" Le roi Trs Chrtien ou Sa Majest Trs Chrtienne, ttulo usado pelos reis B" ` ` A#CJ" de Frana em alguns actos pontifcios do sculo XIV e atribudo a B"    A#AH" estes prncipes exclusivamente a partir de meados do sculo XV. B"   A# " B" A# " 7.5-8 B" A#FM" Vede-o no vosso escudo ...: v. ttulo do captulo XV da Crnica de B"    A#;B" D. Afonso Henriques, de Duarte Galvo: Como Nosso Senhor B"<   A#BI" apareceu aquela noite [vspera da batalha] ao prncipe D. Afonso B" <  A# " B" A#")" 34 B" l A# " B" A#7>" ----------------------- Page 82-----------------------B"  A# " B" A##*" OS LUSADAS B"`  D A#;B" Henriques posto na cruz como padeceu por ns. Sobre este B"  A#" assunto v. III.53-54. B" A# " B" A# " 8.5-8 B" A#IP" Vs, que esperamos jugo e vituprio: v. ED, SHP (ed. de 1933, p. 45): B"  d A#>E" Alguns verbos podem construir-se com um nome predicativo do B" `  A#=D" complemento directo, em vez de terem ligada a si uma orao B" `  A#GN" substantiva de ser ou estar: Vs, que esperamos (que sejais) jugo e B" `  A#CJ" vituprio; Do torpe Ismaelita ...: dos rabes, descendentes de B"  @ A#JQ" Ismael; Que ainda bebe o licor do santo rio: aqui licor (do 1. liquor, B"   A#GN" oris) significa gua a gua do rio Ganges, grande rio da ndia, que B"    A#DK" desce do Himalaia e desagua no golfo de Bengala. um rio sagrado, B"   D A#&" onde se banham os peregrinos. B" A# " Ort.: dece (por desce). B"` A# " B" A# " 9.3-8 B" A#MT" Que j se mostra qual na inteira idade: inteira idade (1. integra aetate) B"   A#>E" significa na fora da vida; Em versos divulgado numerosos: B"    A#" ritmados, cadenciados. B"< A# " B" A#  " 10.6 B" A#?F" ... senhor superno: superior, colocado no alto (latinismo). B"   A# " B" A# " 11.7-8 B" A#DK" Que excedem Rodamonte e o vo Rugeiro / E Orlando, ainda que fora B" `  A#:A" verdadeiro: personagens do Orlando Furioso, de Ariosto. B"  A# " B" A# " 12.1-7 B" A#EL" Por estes ...: um Nuno fero, D. Nuno lvares Pereira; um Egas, B"   A#@G" Egas Moniz, aio de D. Afonso Henriques; um Dom Fuas, D. Fuas B"   A#CJ" Roupinho, figura meio lendria do nosso sculo XII. Desbaratou os B"   A#BI" Mouros na terra e no mar, at que foi deles vencido nas guas de B"   D A#AH" Ceuta. Venceu os Mouros em Porto de Ms, de que tinha o castelo B"    A#BI" D. Fuas, aos 22 de Maio de 1180; derrotou os Mouros numa batalha B"    A#CJ" naval no cabo Espichel em 15 de Julho do ano citado. A derrota de B"    A#DK" D. Fuas em Ceuta, depois de ter a alcanado alguns xitos, foi em B" <  A#>E" 17 de Outubro do mesmo ano (mas Frei A. Brando diz 1182). A B" `  D A#EL" fonte destas notcias a Crnica de D. Afonso Henriques, de Duarte B"   A#>E" Galvo. Cames volta a falar de D. Fuas em VIII.16-17; Doze B"   A#BI" Pares segundo a Chanson de Roland, os Doze Pares foram: Roland, B"    A# " B" A#")" 35 B" l A# " B" A#7>" ----------------------- Page 83-----------------------B"  A# " B" A##*" OS LUSADAS B"`  D A#EL" Olivier, Samson, Ansis, Grin, Grier, Brenger, Othon, Girard de B" ` d A#EL" Roussillon, Ivon, Ivoire, Engelier; os doze de Inglaterra e o seu B"   A#GN" Magrio: doze, incluindo o Magrio; o ilustre Gama o descobridor B"    A# " da ndia. B"  A# " B" A# " 13.1-7 B"  A#DK" Pois se a troco de Carlos, Rei de Frana: Carlos, Carlos Magno, B" <  A#BI" imperador do Ocidente (800-814); Csar, Jlio Csar (101-44), B"  @ A#BI" conquistador das Glias (59-51), assassinado no meio do Senado, B"`    A#EL" aos idos de Maro. Recorda-se a sua frase para um dos mais activos B"   A#IP" dos conjurados, seu filho adoptivo, Bruto: Tu quoque, fili!; aquele B"  @ A#DK" que a seu Reino a segurana / Deixou ...: D. Joo I, vencedor de B"    A#.5" Aljubarrota; Outro Joane ...: D. Joo II. B"  A# " B" A# " 14.4-7 B"  A#AH" Vossa bandeira sempre vencedora: (e fizeram) vencedora vossa B"< < @ A#EL" bandeira; vencedora, nome predicativo de bandeira; um Pacheco B"    A#FM" fortssimo , Duarte Pacheco Pereira (v. X.12-25); os Almeidas, D. B"   A#DK" Francisco de Almeida e seu filho D. Loureno de Almeida (v. X.26- B"   h A#CJ" 38); Albuquerque terrbil, Afonso de Albuquerque (v. X.40-49); B"   h A#HO" Castro forte, D. Joo de Castro (v. X.67-72). Terrbil latinismo. B"   A# " B" A# " 16.1-2 B"  A#=D" Em vs os olhos tem o Mourofrio :frio (de medo) por ver B"<    A#IP" afigurado em D. Sebastio seu excio, isto , a sua runa (latinismo). B"   A# " B" A# " 16.5-8 B"  A#MT" Ttis todo o cerleo senhorio: Ttis, filha do Cu e da Terra, esposa do B"   A#EL" Oceano, reserva em dote a D. Sebastio todo o cerleo (=da cor do B"    A#CJ" cu) senhorio porque deseja compr-lo para genro. Imitao do B"   A#DK" verso de Virglio: teque sibi generum Tethys emat omnibus undis B" `  A#EL" (porventura Ttis, pelo preo das suas ondas, pagar a honra de te B"`   A##" ter por genro) (G, I.31). B" A#29" MC foi o primeiro a indicar a fonte virgiliana. B"  A# " B" A# " 17.1-2 B"  A#?F" Olmpica morada ...: olmpica, de Olimpo, montanha entre a B"<    A#FM" Macednia e a Tesslia, residncia dos deuses; Dos dous avs ...: B"`  @ A#GN" D. Joo III, pai do prncipe D. Joo, e Carlos V, pai da princesa D. B"    A# " Joana. B" A# " B" A#")" 36 B" l A# " B" A#7>" ----------------------- Page 84-----------------------B"  A# " B" A##*" OS LUSADAS B"`  D A# " 18.5-6 B" A#KR" ... o salso argento: argento, latinismo que significa prata; Os vossos B"   A#FM" Argonautas ...: o Poeta evoca os conquistadores do Velo de Oiro, na B"`  d A#BI" Clquida, a bordo do navio Argo. Apolnio Rdio e Valrio Flacco B"   A#4;" escreveram poemas sobre este assunto: Argonutica. B"  A# " B" A# " 19.1-8 B" A#@G" J no largo Oceano navegavam: princpio da narrao; Que do B" `  A#JQ" gado de Prteu so cortadas: Proteu , na Odisseia, um deus do mar, que B"  d A#FM" tem o especial encargo de fazer pastar os rebanhos de focas e outros B"   A#@G" animais marinhos pertencentes a Posdon (v. VI.20.5-6). Proteu B"   A#=D" possua o dom proftico (v. VI.36.1-4). Tinha o poder de se B"  l A#?F" metamorfosear em todas as formas que desejasse (v. VII.85.4). B" `   A#18" Acent.: o acento em Prteu exigncia mtrica. B"  A# " B" A# " 20.7-8 B" A#CJ" Convocados, da parte de Tonante: Tonante, epteto dado aJpiter B"`   A#DK" como deus das trovoadas; Pelo neto gentil do velho Atlante: neto B"`   A#HO" do velho Atlante, ou Atlas, era Mercrio, filho deJpiter e de Maia, a B"   A#EL" mais nova das Pliades. Estas eram filhas de Atlas, o Gigante, e de B" <  A#KR" Plione; esta, por seu turno, filha do Oceano e de Ttis. Mercrio era um B"  @ A#" mensageiro deJpiter . B"< A# " B" A# " 21.1-8 B" A#FM" Deixam dos sete Cus o regimento: os sete Cus so as sete esferas B"<  @ A#?F" planetrias do sistema de Ptolemeu; Os que habitam o Arcturo B"    A#DK" congelado: o Arcturo a estrela mais brilhante da constelao do B"   A#DK" Boieiro ou Bootes. Foi considerada por vezes como fazendo parte da B"  d A#JQ" Ursa Maior e Arcturo significa literalmente guarda da ursa ; E os que o B"   A#AH" Austro tm ...: os que moram no Sul; ... e as partes onde / A B"   A#EL" Aurora nasce e o claro Sol se esconde: vieram, portanto, os deuses B"   h A#4;" do Norte, do Sul, do Leste e do Oeste ao conclio. B"  A# " B" A# " 22.1-2 B" A#GN" Estava o Padre ...: Jpiter; Que vibra os feros raios de Vulcano: B"   A#IP" Vulcano, filho de Jpiter e de Juno , era o deus do fogo e fabricava os B"   A#" raios para seu pai. B" A# " Ort.: dino (por digno). B"` A# " B" A#!(" 37 B" l A# " B" A#7>" ----------------------- Page 85-----------------------B"  A# " B" A##*" OS LUSADAS B"`  D A#  " 23.2 B" A##" Ort.:perlas (porprolas). B" A# " B" A#  " 24.2 B" A#HO" Estelfero Plo e claro Assento: Plo, cu (l.polus); claro Assento: B"`   A#DK" brilhante morada; De Luso ...: Jpiter afirma a descendncia dos B"  d A#18" Portugueses. Estelfero, estrelado (latinismo). B"` < A# " B" A#  " 24.6 B" A#29" Como dos Fadosgrandes ...: grandes em poder. B"` ` A# " B" A#  " 25.8 B" A#FM" Teve os trofus pendentes da vitria: teve pendentes os trofus da B"    A#@G" vitria; trofu era propriamente o tronco de rvore do qual se B" `  A#%," dependuravam as armas dos vencidos. B"  h A# " B" A# " 26.2-4 B" A#<C" Que co a gente de Rmulo alcanaram: gente de Rmulo, os B"  l A#>E" Romanos; o sujeito de alcanaram a forte gente de Luso (os B"   D A#AH" Lusitanos); Quando com Viriato, ...: Viriato (v. VIII.5.6-7 e B"<   A#?F" VIII.6.2-6), pastor lusitano, que acaudilhou os guerrilheiros B" d  A#CJ" lusitanos, infligindo grandes perdas aos Romanos. Quinto Servlio B"   D A#CJ" Cipio, em vez de aliana e amizade, preferiu comprar trs amigos B"    A#18" de Viriato, que o assassinaram traio (139). B"d  A# " B" A# " 26.6-8 B" A#AH" ... quando alevantaram / Um por seu capito, que, peregrino, / B"   A#JQ" Fingiu na cerva esprito divino: Sertrio, tendo recebido como presente B"` ` < A#@G" uma cora branca, que ele dizia ter sido um presente de Diana, B"   A#?F" afirmava que ela lhe revelava todas as coisas ocultas (ver em B"  l A#?F" Plutarco, Sertorius, 11). Peregrino (latinismo), estrangeiro. B"   A# " B" A# " 27.1-4 B" A#EL" Agora... a mais satreve: por a mais se atrevem; frico, vento de B"  d A#CJ" sudoeste; Noto, vento do sul; Que havendo tanto j que as partes B"   A#@G" vendo / Onde o dia comprido e onde breve; o Poeta indica as B"  l A#18" navegaes de norte a sul pelo Oeste de frica. B"  A# " B" A# " 27.7-8 B" A#DK" Inclinam seu propsito ...: o Poeta volta concordncia lgica: B"    A# " B" A#")" 38 B" l A# " B" A#7>" ----------------------- Page 86-----------------------B"  A# " B" A##*" OS LUSADAS B"`  D A#CJ" sujeito os Lusitanos; A ver os beros onde nasce o dia: a ver o B"    A# " Oriente. B" D A#"" Ort.:perfia (porporfia). B" A# " B" A# " 28.1-4 B" A#GN" Prometido lhe est . . .: lhe por lhes era corrente; Do mar que v B"   A#HO" do Sol a roxa entrada: perfrase para designar os mares orientais. No B"<   A#DK" tempo de Cames preferia-se dizer roxo a vermelho: roxa entrada, B"   h A#FM" em I.28.4 e I.59.3; a roxa fronte, II-13.8; o Mar Roxo, II.49.1; B" ` @ A#%" roxa Aurora, IV.60.7, etc. B" A# " B" A# " 29.1-3 B" A#HO" ... tmpassados ... [tm] experimentados: note-se a concordncia do B"  @ A#BI" particpio passivo em gnero e nmero com o complemento directo. B"   D A# " B" A# " 30.3-5 B" A#DK" Na sentena um do outro diferia: diferia no concorda com Deuses B"`   A#@G" (v. 2), mas com o aposto um; Opadre Baco ali no consentia: B"    A#EL" aparece pela primeira vez o grande inimigo dos Portugueses a dar as B"   A#FM" razes do seu desacordo. Baco (Dionysos) filho de Jpiter (Zeus) e B"   D A#FM" Smele. Descobriu a vide e o seu uso. Conquistou a ndia no decorrer B"    A#-4" de uma expedio semiguerreira, semidivina. B"@  A# " B" A# " 31.4-8 B" A#EL" Da ndia tudo quanto Dris banha: Dris, filha do Oceano e esposa B" < @ A#=D" de Nereu. a me das Nereidas; De que Nisa celebra inda a B"   A#CJ" memria: para furtar Baco aos cimes de Hera,Jpiter transportou B"    A#?F" Baco para longe da Grcia, para um pas chamado Nisa, que uns B"    A#DK" situam na sia, outros na Etipia ou na frica, e deu-o a criar s B"    A#.5" Ninfas desse pas. V. comentrio a VII.52.5. B" < A# " B" A# " 32.1-7 B" A#BI" V que j teve o Indo sojugado: Indo (ou Sindh), grande rio da B"   A#?F" ndia e do Paquisto, que se lana ao mar de Om, formando um B"  l A#EL" vasto delta; De quantos bebem a gua de Parnaso: o Parnaso, monte B"`   A#AH" da Grcia, na Fcida, consagrado a Apolo e s Musas. A nasce e B" <  A#EL" corre a fonte Castlia; Dgua do esquecimento ...: gua do Lete, B"<   A#@G" um dos rios dos Infernos, que significa em grego esquecimento. B"   A#!(" Ort.: sojugado (por subjugado). B"   A# " B" A#!(" 39 B" l A# " B" A#7>" ----------------------- Page 87-----------------------B"  A# " B" A##*" OS LUSADAS B"`  D A# " 33.1-6 B"  A#EL" Sustentava contra ele Vnus bela: aparece agora a protectora dos B"   A#FM" Portugueses, afeioada gente lusitana pelas razes que se invocam B"   A#DK" nesta estncia e se repetem na est. IX.38. Vnus foi assimilada B" `  A#CJ" Afrodite dos Gregos no segundo sculo a. C. Afrodite a deusa do B"   A#DK" amor e da beleza. Vnus foi me de Cupido e de Eneias e esposa de B"   h A#DK" Vulcano. Tem nOs Lusadas um papel intercessor fundamental; Nos B"   A#EL" fortes coraes, na grande estrela: na coragem e na fortuna; Que B"   A#GN" mostraram na terra Tingitana: Mauritnia Tingitana ou Marrocos. a B"   A#=D" parte da Mauritnia onde se situa Tinge ou Tingi (Tnger). B"   h A# " B" A# " 34.1-3 B"  A#DK" Estas causas moviam Citereia: Citereia uma das designaes de B"   A#EL" Vnus por ter um santurio em Citera, ilha do mar Egeu. O Poeta s B"    A#FM" volta a invocar Citereia em IX-53; E mais, porque das Parcas claro B"   A#CJ" entende: As Parcas so as divindades do Destino, equiparadas s B"   A#JQ" Morai dos Gregos: Cloto, Lquesis e tropos; a clara Deia: a distinta B"   A# " Deusa. B"  A#,3" Ort.:perfia (porporfia). Porfia em 36.2. B" @ A# " B" A# " 35.1 B" A#GN" Qual Austro fero ou Breas na espessura: tal como o vento do sul ou B"  @ A# " do norte. B"  A# " B" A# " 36.1 B" A#AH" Mas Marte ...: deus da guerra, tambm conhecido por Mavorte. B"   D A#AH" Sobre os amores de Vnus e de Marte veja-se Lucrcio, De rerum B"   A#IP" natura, I.33-40. Recorde-se que Vnus era esposa de Vulcano e atente- B" `  A#?F" se nestes versos de Ovdio: Solis referemus amores / Primus B"   A#EL" adulterium Veneris cum Marte putatur / Hic vidisse deus; videt hic B"   h A#CJ" deus omnia prima. (M, IV.170-172.); e em V, G, IV. vv. 345-346: B"<   A#?F" Inter quas curam Clymene narrabat inanem Vulcani, Martisque B" `  h A#!" dolos et dulcia furta. B" A# " B" A# " 37.7 B" A#GN" O Cu tremeu, e Apolo, de torvado: Apolo, filho de Zeus e de Leto. B"  @ A#AH" Esta, perseguida por Hera, foi ter a uma ilha chamada Ortgia, B"   D A#GN" flutuante e estril. A nasceu Apolo. Este, em reconhecimento, fixou B"`   A#@G" a ilha no centro do mundo grego e deu-lhe o nome de Delos, a B"   h A#IP" brilhante. Entre os seus mltiplos atributos conta-se o de ser o deus B"  @ A#'." da luz e de conduzir o carro do Sol. B"   A#")" 40 B" l A# " B" A#7>" ----------------------- Page 88-----------------------B"  A# " B" A##*" OS LUSADAS B"`  D A# " 38.3-5 B" A#BI" Se estagente ... / No queres quepadeam ...: concordncia do B"< ` @ A#.5" colectivo do singular com o verbo no plural. B" d A# " B" A# " 39.3-4 B" A#EL" Bem fora que aqui Baco os sustentasse, / Pois que de Luso vm, seu B"   A#GN" to privado: neste lugar Luso foi privado de Baco; em III.21.5-7 diz B"   A#BI" o Poeta: Esta foi Lusitnia, derivada / De Luso ou Lisa, que de B"   A#EL" Baco antigo / Filhos foram, ... ou companheiros; em VIII.2.7-8 diz B" `  A#>E" de ... Luso, donde a Fama / O nosso Reino Lusitnia chama B"   A#?F" [Filho e companheiro do Tebano]. E insiste em VIII.4.4: ... B"<   A#CJ" companheiro e filho amado. Portanto: 1., privado; 2., filho ou B"   D A#(/" companheiro; 3., filho e companheiro. B"  A#(/" Ort.: estmago (por estmago, ndole). B"  D A# " B" A# " 41.4-7 B" A#CJ" E nctar sobre todos esparziu: o nctar era a bebida e o perfume B"   A#DK" dos deuses; Pelo caminho lcteo glorioso: a Via Lctea; Fazendo B" < d A#>E" seus reais acatamentos: fazendo suas profundas reverncias. B"`   A#<C" Ort.: valeroso (por valoroso); apousentos (por aposentos). B"    A# " B" A# " 42.1-6 B" A#HO" Enquanto isto se passa ... : o Poeta retoma a narrao; Ilha de So B"   A##" Loureno ...: Madagscar. B" A# " B" A# " 42.7-8 B" A#BI" [e o Sol ardente] Queimava ento os Deuses que Tifeu / Co temor B"   D A#GN" grande em pexes converteu: Tifeu, gigante, filho de Tit e da Terra, B"    A#GN" inimigo de Jpiter , chefe daqueles que pretenderam escalar o Cu. Os B" `  A#?F" deuses quando viram este monstro escalar o Cu fugiram para o B"`   A#@G" Egipto e metamorfosearam-se. Vnus mudou-se em peixe, como diz B"   A#@G" Ovdio, M, V.331: Pisce Venus latuit. Diz LPS, em AL: O Sol B"`    A#FM" entrava no signo dos Peixes a 10 de Fevereiro e levava a percorr-lo B"    A#CJ" at 11 de Maro, em que passava para o de ries. A gente belicosa B"<   A#;B" cortava o mar desde 24 de Fevereiro e ia chegar ilha de B"  l A#>E" Moambique, que avistaram em 1 de Maro. Esteve durante este B"   A#-4" trajecto sempre o Sol no signo dos Peixes. B"`  A#!" Ort.:pexes (porpeixes). B" A# " B" A#")" 41 B" l A# " B" A#7>" ----------------------- Page 89-----------------------B"  A# " B" A##*" OS LUSADAS B"`  D A#  " 43.5 B" A#DK" Opromontrio Prasso j passavam: O principio da qual comeando B"`   A#DK" na ori?tal parte della he o Prasso promontorio, q} elle Ptholomeu B"   h A#=D" sitou em quinze graos contra o Sul & em tantos est per ns B"   A#BI" verificado: ao qual os naturaes da terra chamam Moambique, onde B" ` d A#GN" ora temos hua fortaleza que serve de escala das nossas naos nesta B" <  A#*1" navegao da India (Barros, I.VIII.IV). B"   A# " B" A#  " 45.7 B" A#EL" Agente se alvoroa ... /... / (em si diziam): sujeito colectivo a B"    A#")" concordar com o verbo no plural. B"`   A# " B" A# " 46.6-8 B" A#9@" Que Fton, nas terras acendidas: a lenda de Feton B"<  H A#?F" admirvelmente contada por Ovdio, em M, II.1-366; (O Pado o B"   A#BI" sabe e Lampetusa o sente): o corpo de Feton foi precipitado no B"   A#CJ" Erdano, identificado com o rio P (Pado). Foi sepultado por suas B"   D A#DK" irms, as Helades, uma das quais se chamava Lampcia. Na Odisseia B"   D A#@G" (XII.132) aparece uma outra filha do Sol, ao lado de Lampcia: B" `  h A#AH" Faetusa. Em V.91.6 aparece o nome de Lampcia. Lampetusa parece B"   A#18" ser a juno de Lampcia e Faetusa: Lampe+tusa. B"  A#%" Ort.: veloces (por velozes). B" A# " B" A# " 47.1-8 B" A#BI" De panos de algodo vinham vestidos: Castanheda, I.V: A gente B"   D A#CJ" }q vinha dentro er hom?s baos & de bs corpos, vestidos de B" <   A#@G" panos dalgodo listrados & de muytas cores, hus cingidos at o B"   A#@G" giolho, & outros sobraados como capas: & nas cabeas fotas c B"   D A#EL" vivos de seda lavrados de fio douro, & trazio terados mouriscos & B"    A#LS" adagas; anafis sonorosos: anafil (pl. anafis ou anafiles), trombeta dos B"  ` A# " Mouros. B"  A# " B" A# " 48.5-8 B" A#=D" A gente e marinheiros trabalhavam: trabalhavam todos; Da B"    A#CJ" ncora o marferido em cima salta; bela imagem do Poeta para pr B"   D A#GN" em relevo o efeito da ncora a cair no mar e a espirrar a gua para B"    A# " cima. B" A# " B" A# " 49.6-8 B" A#CJ" Do licor que Lieu prantado havia: Lyaeus, um dos nomes de Baco, B"   D A# " B" A#")" 42 B" l A# " B" A#7>" ----------------------- Page 90-----------------------B"  A# " B" A##*" OS LUSADAS B"`  D A#?F" o deus que liberta dos cuidados; Os de Feton queimados nada B" <  A#07" enjeitam; os queimados por Feton, os negros. B"  A#&" Ort.:prantado (porplantado). B" A# " B" A#  " 50.7 B" A#@G" Os Portugueses somos do Ocidente: aposio explicativa de B"   A# " Portugueses. B" A# " B" A# " 51.2-8 B" A#KR" Toda a parte do Antrtico e Calisto: Antrtico o Plo; Calisto a Ursa B"   A#EL" Maior. Calisto, filha de Licon, rei da Arcdia. Amada de Zeus, foi B"`   A#DK" mudada em ursa por Hera e morta na caa por rtemis. Zeus colocou- B"   A#DK" a no cu, onde se tornou a constelao da Ursa Maior. O sentido do B"    A#BI" verso , pois, o de que os Portugueses tm navegado toda a parte B"    A#AH" setentrional e meridional do Oceano; Mas no lago entraremos de B"   A#FM" Aqueronte: os Portugueses so to fiis e obedientes a seu Rei que, B"   A#CJ" a seu mandado, sero capazes de entrar no Aqueronte, que um rio B"   A# " dos Infernos. B" A# " B" A#  " 52.4 B" A#FM" Que s dos feiosfocas se navega :feios focas (m.) se navega,por B"   A# " navegado. B" h A# " B" A# " 53.6-8 B" A#@G" O claro descendente de Abrao: o clebre Mafoma ou Mafamede; B"<   h A#BI" A me Hebreia teve e o pai, Gentio: Cames conhecia o passo de B"   D A#BI" Barros, II.X.VI: Nasceo em Itrarip lugar pequeno de Arbia, seu B" `   A#@G" pae (segundo dizem os Mouros) era de hua linhagem, a que elles B"   A#?F" chamo Corax, & vem de Ismael, & avia nome Abedel G?tio, sua B"    A#:A" me Enima, a qual era Hebrea, ambos pessoas do povo ... B"  A# " B" A# " 54.1-4 B" A#HO" ... certa escala: escala certa; De Quloa, de Mombaa e de Sofala: B"   A#AH" Vasco da Gama, na sua segunda viagem ndia, sujeitou o rei de B"   A#<C" Quloa obedincia do rei de Portugal (1502); Mombaa foi B"  A#BI" assaltada por D. Francisco de Almeida em 1505; neste ano Pero da B"    A#AH" Nhaia, de origem castelhana, conseguiu do xeque o incio de uma B"   A#18" improvisada fortificao em Sofala (v. X.94.8). B"  A# " B" A#")" 43 B" l A# " B" A#7>" ----------------------- Page 91-----------------------B"  A# " B" A##*" OS LUSADAS B"`  D A#  " 55.2 B" A#?F" Buscando o Indo Idaspe ...: O Hidaspe, grande rio da ndia, B" `  A#CJ" afluente do Indo, actualmente o Jelam ou Djelem. A tiveram termo B"   A#.5" as conquistas de Alexandre Magno no Oriente. B"  A# " B" A# " 56.5-7 B" A#<C" Nisto Febo nas guas encerrou: em grego, literalmente o B"  @ A#@G" brilhante. Epteto e nome de Apolo; Dando cargo Irm ...: B"   A#EL" Diana. Os Antigos interpretaram rtemis (identificada a Diana) como B"d   A#9@" uma personificao da Lua, que vagueia pelas montanhas. B"  A# " B" A# " 58.2-3 B" A#<C" Pelas argnteas ondas Neptuninas: pelas ondas do mar (de B"    A#AH" Neptuno); As Estrelas os Cus acompanhavam: as estrelas fixas B"   A#=D" acompanhavam o firmamento; os planetas so levados nos cus B"  A#!(" respectivos. V. LPS, AL, p. 35. B"  A# " B" A#  " 59.4 B" A#DK" Ao claro Hiperinio, que acordou: Hiperon ou Hiperinio, um dos B"   A#HO" Tits, filho de rano e de Gaia. Casado com sua irm, a titnida Teia, B"   A#>E" gerou o Sol, a Lua e a Aurora. Toma-se por vezes, como neste B"    A#!" verso, pelo prprio Sol. B" A# '" Ort.:fermosos (porformosos ). B" l A# " B" A# " 60.4-5 B" A#FM" Que so aquelas gentes inumanas: isto , gentes brbaras; Que, os B"<   A#@G" apousentos Cspios habitando: os Turcos comearam por habitar B"   A#?F" as regies banhadas pelo mar Cspio, depois vieram descendo e B"    A#<C" apossaram-se da maior parte do Imprio Romano do Oriente e B"  H A#7>" acabaram, com Maomet II, por tomar a prpria capital, B"  A#BI" Constantinopla, em 29 de Maio de 1453. No terrvel assalto final B"   A#,3" morreu o imperador Constantino, Palelogo. B" ` A##*" Ort.: apousentos (por aposentos). B"   A# " B" A#  " 61.6 B" A#CJ" No usado licor, ...: dos Maometanos. Castanheda, I.VI: & apos B"    A#DK" isto lhe mandou dar muy b? de comer dessas conservas q} levava: & B"   h A#AH" do vinho: & ele [o Regedorl comeo & bebeo de boa vtade: & assi B"   A#" os q} hio coele ... B"< A# " B" A#")" 44 B" l A# " B" A#7>" ----------------------- Page 92-----------------------B"  A# " B" A#$+" OS LUSADAS B"  D A# " 62.8 B" A#BI" Se porventura vinham da Turquia: Castanheda, I.VI: Ho olto B"    A#DK" preguntou a Vasco da Gama se vinha de Turquia, porq} ouvira dizer B" `  A#EL" }q ero brcos assi como os nossos, & dizialhe que lhe mostrasse os B"   A#KR" arcos de sua terra, & os livros de sua ley. Ele lhe disse que no era de B"   A#CJ" Turquia se no du grande reyno q} confinava coela; & que os seus B"`    A#DK" arcos & armas lhe mostraria & os livros da sua ley no os trazia, B"    A#07" porq} no mar no tinho necessidade deles ... B"< < A#EL" Ort.: na edioprinceps , nesta est. exrcia. Em VI.84.4 enxrcia. B"   A# " B" A# " 64.2-4 B"  A#EL" Por hum que a lngua escura bem sabia: Castanheda, loc. cit.: E B"   D A#BI" isto lhe dezia pelo lingoa Ferno martinz. O Poeta fala dele em B"    A#IP" V.77.2. Lngua escura a lngua arbica; De mi, da Lei, das armas que B"   A#18" trazia: trazia, por trago. O mesmo em 66.2-6. B"  A#!(" Ort.: valeroso (por valoroso). B"   A# " B" A# " 65.1 B" A#BI" Aquele que criou todo o Hemisfrio: O Poeta em geral designa B" `  A#DK" por Hemisfrio a meia esfera que se apoia sobre o horizonte. LPS, B"  d A# " AL, p. 153. B"  A# " B" A# " 65.2,4,6,7 B"  A#FM" Visbil, invisbil, insensbil e insofrbil so latinismos. B"`  @ A##" Ort.: deceu (por desceu). B" A# " B" A# " 66.2-6 B"  A#FM" Os livros que tu pedes no trazia: por no trago; Em papel o que B"    A#HO" na alma andar devia: por andar deve; Cumprido esse desejo te seria; B"   A# " por te ser. B" A# " B" A# " 67.2 B" A#DK" Ministros ...: servidores (latinismo). Outros exemplos do mesmo B"   D A#+2" sentido em II.96.3, III.125.4 e IX.29.5. B"  A# " B" A# " 67.3-8 B"  A#FM" Vm arneses e peitos reluzentes: arns, armadura completa, mas em B"  d A#CJ" especial do tronco; malhas finas, armaduras de malha; escudos de B"    A#CJ" pinturas diferentes , arma defensiva, geralmente circular, com as B"  d A#HO" empresas e divisas que cada um adoptava;pelouros , balas, em geral de B"    A# " B" A#")" 45 B" l A# " B" A#7>" ----------------------- Page 93-----------------------B"  A# " B" A##*" OS LUSADAS B"`  D A#FM" metal, empregadas em bombardas e peas de artilharia; espingardas de B"   A#JQ" ao puras (caso de trajectio epithetorum): no espingardas puras, mas de B"   A#CJ" ao puro; arcos, bestas; sagitferas aljavas, coldres ou carcases B"`    A#JQ" portadores de setas. Sagitfero latinismo;partazanas (fr.pertuisane), B"     d A#EL" arma de hstea, com ferro de gldio, cortante, mais largo na base e B"   h A# " B" A#@G" terminando em ponta; chuos, pau armado de aguilho ou choupa. B"    A# " B" A# " 68.2-4 B" A#BI" As panelas sulfreas ...: arma muito danosa, por ser preparada B"   h A#?F" com plvora e enxofre candentes; ... aos de Vulcano ...: os B"  d A#AH" bombardeiros ou artilheiros, que manejavam as bombardas e peas B"   A# " de artilharia. B" A# " B" A# " 69.3-5 B" A#EL" Um dio certo . . .: um dio firme; Nas mostras e no gesto o no B"    A#(/" mostrou: no tratamento, no no rosto. B"  h A# " B" A# " 71.4-6 B" A#HO" Que ofilho de David nos ensinou: ... Jesus Cristo, filho de David, B"  @ A#CJ" filho de Abrao (Ev. de S. Mateus, I.I.1); A quem juzo algum B" `   A#$+" no alcanou: negativa reforada. B"<   A# '" Ort.: sequaces (por sequazes). B"   A# " B" A# " 72.6-8 B" A#DK" Das guas de Neptuno...: v. I.3.5-7; ... recebido / Na terra do B"   D A#FM" obseqente ajuntamento: recebido em terra pela servial multido de B"`   A#<C" mouros. Obseqente latinismo; Se foi o Mouro ao cgnito B"    A#$+" apousento: ao conhecido aposento. B"`  h A# " B" A# " 73.1-2 B" A#DK" Do claro Assento ..., o gro Tebano: outro nome de Baco, por sua B"    A#FM" me, Smele, ser de Tebas; Que da paternal coxa foi nascido: Baco, B"  @ A#<C" Ignigenamque satumque iterum solumque bimatrem, como diz B"  A#@G" Ovdio, M, IV.12, porque sua me, Smele, quis que Zeus se lhe B"   A#?F" mostrasse em toda a sua potncia; mas, no podendo suportar a B"<    A#DK" vista dos raios que o cercavam, caiu fulminada. Zeus apressou-se a B"   A#CJ" arrancar o filho que ela trazia no seio, apenas com seis meses, e B"`   A#@G" coseu-o imediatamente na sua coxa. Quando chegou o termo, saiu B"   A#>E" de l perfeitamente formado e vivo. por isso o duas vezes B" `  A# " B" A#!(" 46 B" l A# " B" A#7>" ----------------------- Page 94-----------------------B"  A# " B" A##*" OS LUSADAS B"`  D A#(/" gerado, o nico que teve duas mes. B"   A#$+" Ort.: avorrecido (por aborrecido). B"  A# " B" A#  " 74.6 B" A#JQ" ... qualidadesgenerosas: no sentido latino de generosus : de boa raa, B"   A# " nobre. B" A# " B" A# " 75.2-7 B" A#;B" O filho de Filipo nesta parte: Alexandre Magno, o gro B"`   A#BI" Macednio (I.75.7), que submeteu uma parte da ndia (356-323 a. B"`    A#%," C.); Romano Trajano (v. I.3.3). B"   A##*" Ort.: sometesse (por submetesse). B"  A# " B" A#  " 76.4 B" A#;B" Que nunca veja as partes do Oriente: que nunca ver ... B"  A#&" Ort.: decerei (por descerei). B" A# " B" A# " 77.4-8 B" A#?F" Pera o Prasso sabido se moveu: para o conhecido promontrio B"` `   A#HO" Prasso (v. I.43.5); ... e co Xeque mui valido: Xeque o governador, B"    A# " chefe de tribo arbica. B"` A# " B" A#  " 78.4 B" A#$" ... de novo: ltimamente. B" A# " B" A# " 80.1-8 B" A#;B" E tambm sei que tem determinado: v. Castanheda, I.VII; B"   A#FM" Porque, saindo agente ... / Caro ...: concordncia com o sujeito B"   h A#" colectivo no singular. B"< A# " B" A# " 81.3-5 B" A#=D" Eu tenho imaginada no conceito: concordncia com o compl. B"   A#?F" directo; Outra manha e ardil ...: pleonasmo; Manda-lhe dar B"   A#HO" piloto, que dejeito :jeito rima comjeito do primeiro verso da mesma B"   A# " estncia. B" h A# " B" A# " 82.1-7 B" A#GN" Tanto que estas palavras ...: o sujeito Baco; ... nos tais casos B"   A#FM" sbio e velho: sbio e experimentado; Pera que ao Portugus se lhe B"<  d A#29" tomasse: lhe pleonasmo. Belgero latinismo. B"  A#")" 47 B" l A# " B" A#7>" ----------------------- Page 95-----------------------B"  A# " B" A#$+" OS LUSADAS B"  D A# " 83.7 B" A#DK" Que, se daqui escapar, que l adiante: repetio anacoltica do B"   A# " segundo que. B" A# " B" A# " 84-1-3 B"  A#IP" J o raio Apolneo ...: o singular pelo plural; Os Montes Nabateios B"  d A#@G" acendido [o raio]: habitados pelos Nabateus, descendentes de B"  @ A#CJ" Nabath, primognito de Ismael, tribo do Noroeste da Arbia, entre B"   A#@G" o mar Vermelho e o Eufrates. Aqui os Montes so tomados pelas B"   A#DK" partes do Oriente; Quando Gama ...: caso de fontica sintctica. B"    A# " B" A# " 85.2 B" A#18" De antes, pelo piloto necessrio: por antes. B"< ` A# " B" A# " 86.3-5 B"  A#IP" Um ... / Outro ...: uns ... outros; ... de azagaia: azagaia, lana B"   A#HO" curta; ... seta ervada: seta envenenada com sucos de ervas; Outros B"   A#>E" muitos j postos em cilada: estando outros muitos postos em B"  l A# " cilada. B" D A# " B" A# " 87.3-5 B"  A#GN" Com a adarga e co a hstea perigosa: adarga, escudo oval, de coiro B"   A#CJ" (adarga nada tem que ver com adaga); a gente generosa : como em B"    A# " I.74.6. B"  A# " B" A# " 88.1 B" A#GN" Qual no corro sanguino ...: esta estncia pertence para a anterior B"`  @ A#CJ" (87), e no para a seguinte (89). necessrio que a pontuao o B" `   A#(/" torne evidente. Corngera: latinismo. B"   A##*" Ort.: atroce (lat.) (por atroz). B"   A# " B" A# " 89.3-7 B"  A#HO" Aplmbea pla mata, o brado espanta:plmbea pla , bala de chumbo; B"`  @ A#FM" brado, estrondo; J foge o escondido ...: os Mouros escondidos em B"   A# " cilada. B" D A#&" Ort.: assovia (por assobia). B" A# " B" A# " 91.3 B" A#BI" A pedra, o pau e o canto arremessando: canto como sinnimo de B"    A#CJ" pedra talhada era usual no tempo. Cames usa-o tambm na Lrica. B"    A# " B" A##*" 48 B"  A# " B" A#7>" ----------------------- Page 96-----------------------B"  A# " B" A#$+" OS LUSADAS B"  D A# " 91.4-8 B"  A#DK" D-lhe armas o furor desatinado: em Virglio, E, I.150: jamque B"   A#KR" faces et saxa volant, furor arma ministrat; ... e todo o mais,: ... e B"  @ A#FM" tudo o mais; Passa e corta do mar o estreito brao / Que a Ilha em B"   h A#FM" torno cerca em pouco espao: empouco espao pertence para Passa e B" `  A# " corta. B"  A#?F" Cames condensa e transforma nestas estncias a narrativa de B"  l A#,3" Castanheda (I.VII) e de Barros (I.IV.IV). B"`  A# " B" A# " 92.1-6 B"  A#AH" Uns vo nas almadias carregadas: embarcao ligeira, de duas B" < d A#EL" proas, feita, de um tronco de rvore escavado. Movida a remo e por B"    A#BI" vezes com uma vela em duas hastes, dispostas em forma de V; Um B"   A#HO" corta o mar ...: uns ...; Quem se afoga ...: uns ...; Quem bebe o B"   A#GN" mar ...: outros ...; Os pangaios sutis ...: pequena embarcao de B"   A#5<" tbuas unidas por cordas. Sutis, pequenos e leves. B"  A# " B" A# " 94.2 B" A##*" O Regedor daquela inica terra. B"   A##" Ort.: inica (por inqua). B" A# " B" A# " 95.1-8 B"  A#MT" ... que j lhe ...: a quem j; ... a tento: acauteladamente; As velas B"   A#DK" manda dar ao largo vento: a edioprinceps tem Aas velas manda B" `   A#6=" dar ... No impossvel esta construo no tempo. B"  A# " B" A# " 96.2-3 B"  A#BI" As ondas de Anfitrite dividia: Anfitrite era a rainha do mar. B"<   A#DK" Pertence ao grupo das Nereidas. Casou com Neptuno (Posdon); Das B"  @ A#-4" filhas de Nereu acompanhada: as Nereidas. B"@  A# " B" A# " 97.5 B" A#29" Dando razo dos portos ...: dando notcia ... B"` ` A# " B" A# " 98.2 B" A#DK" Com que Snon os Frgios enganou: Snon, o clebre grego de que B"   A#EL" fala Virglio, que conseguiu introduzir o cavalo de pau dentro dos B"    A#DK" muros de Tria (E, 57-267). Os Frgios eram os Troianos, pois que B"   D A#" Tria era na Frgia. B" A# " B" A##*" 49 B"  A# " B" A#7>" ----------------------- Page 97-----------------------B"  A# " B" A#$+" OS LUSADAS B"  D A# " 99.1-6 B" A#=D" O mesmo o falso Mouro determina / Que o seguro Cristo lhe B" `   A#<C" manda e pede: o mesmo (que o confiado Capito lhe manda e B"  A#BI" pede) o falso Mouro determina; Porque em poder e foras ...: B"   A#@G" pleonasmo; Aa Moambique, esta ilha ...: na edioprinceps . B"  d A#$" Ort.: malina (por maligna). B" A# " B" A# " 100.2 B" A#DK" Mas a Deusa em Citere celebrada: Vnus ou Citereia. Esta salva a B"  < A#CJ" armada dos perigos naturais da entrada de Quloa (cf. Castanheda, B"    A# " I.VIII). B" D A#$+" Ort.: contrairos (por contrrios). B"  A# " B" A# " 101.7-7 B"  A#AH" ... cuja gente / Eram Cristos ...: concordncia do colectivo B"   A#!(" singular com o verbo no plural. B"<   A#"" Ort.: inica (por inqua). B" A# " B" A# " 102.7-8 B"  A#BI" Mas, no querendo a deusa guardadora, / No entra pela barra, e B"   D A#@G" surge fora: Vnus defendeu os Portugueses em Quloa e volta a B"    A#/6" defend-los em Mombaa (v. Castanheda, I.IX). B"  A# " B" A# " 105.2 B" A#$" Ort.: debaxo (por debaixo). B" A# " B" A# " 106.2-8 B"  A#EL" ... a morte apercebida: aparelhada; Contra um bicho da terra to B"   A#@G" pequeno?: Cames repete o verso que usou na canoJunto de um B"   A# '" seco, fero e estril monte ... B"  A#$+" Ort.: avorrecida (por aborrecida). B"  A# " B" A##*" 50 B"  A# " B" A#7>" ----------------------- Page 98-----------------------B"  A# " B" A#%," OS LUSADAS B"  D A# " B" A#$+" II B"  A# " B" A#+2" 1 J neste tempo o lcido Planeta B"  A#18" Que as horas vai do dia distinguindo, B"  A#,3" Chegava desejada e lenta meta, B"  A#/6" A luz celeste s gentes encobrindo; B"  A#&-" E da casa martima secreta B"   A#7>" Lhe estava o Deus Nocturno a porta abrindo, B"  A#07" Quando as infidas gentes se chegaram B"  A#3:" s naus, que pouco havia que ancoraram. B"  A# " B" A#18" 2 Dantre eles um, que traz encomendado B"  A#+2" O mortfero engano, assi dizia: B"   A#,3" Capito valeroso, que cortado B"  A#07" Tens de Neptuno o reino e salsa via, B"  A#18" O Rei que manda esta Ilha, alvoraado B"  A#+2" Da vinda tua, tem tanta alegria B"  A#18" Que no deseja mais que agasalhar-te, B"  A#/6" Ver-te e do necessrio reformar-te. B" ` A# " B" A#/6" 3 E porque est em extremo desejoso B" d A#*1" De te ver, como cousa nomeada, B"  A#)0" Te roga que, de nada receoso, B"  A#/6" Entres a barra, tu com toda armada; B" d A#*1" E porque do caminho trabalhoso B"   A#+2" Trars a gente dbil e cansada, B"` d A#.5" Diz que na terra podes reform-la, B"  A#.5" Que a natureza obriga a desej-la. B"`  A# " B" A#$+" 51 B"  A# " B" A#7>" ----------------------- Page 99-----------------------B"  A# " B" A#&-" OS LUSADAS B"  D A# " B" A#+2" 4 E se buscando vs mercadoria B"  A#,3" Que produze o aurfero Levante, B"`  A#.5" Canela, cravo, ardente especiaria B"  A#-4" Ou droga salutfera e prestante; B" ` A#+2" Ou se queres luzente pedraria, B"<  A#,3" O rubi fino, o rgido diamante, B" d A#*1" Daqui levars tudo to sobejo B"   A#/6" Com que faas o fim a teu desejo. B"  A# " B" A#/6" 5 Ao mensageiro o Capito responde, B"  A#,3" As palavras do Rei agradecendo, B"  A#7>" E diz que, porque o Sol no mar se esconde, B"  A#/6" No entra pera dentro, obedecendo; B"  A#3:" Porm que, como a luz mostrar por onde B"  A#07" V sem perigo a frota, no temendo, B"  A#-4" Cumprir sem receio seu mandado, B"<  A#5<" Que a mais por tal senhor est obrigado. B"  A# " B" A#4;" 6 Pergunta-lhe despois se esto na terra B"`  A#/6" Cristos, como o piloto lhe dizia; B"  A#/6" O mensageiro astuto, que no erra, B"<  A#8?" Lhe diz que a mais da gente em Cristo cria. B"  A#.5" Desta sorte do peito lhe desterra B"  A#.5" Toda a suspeita e cauta fantasia; B" @ A#+2" Por onde o Capito seguramente B"   A#,3" Se fia da infiel e falsa gente. B"  A# " B" A#%," 52 B"  A# " B" A#8?" ----------------------- Page 100-----------------------B"  A# " B" A#'." OS LUSADAS B"  D A# " B" A#07" 7 E de alguns que trazia, condenados B"  A#18" Por culpas e por feitos vergonhosos, B"  A#-4" Por que pudessem ser aventurados B" @ A#,3" Em casos desta sorte duvidosos, B" d A#07" Manda dous mais sagazes, ensaiados, B"  A#/6" Por que notem dos Mouros enganosos B" d A#.5" A cidade e poder, e por que vejam B" @ A#3:" Os Cristos, que s tanto ver desejam. B"  A# " B" A#18" 8 E por estes ao Rei presentes manda, B"  A#/6" Por que a boa vontade que mostrava B"`  A#18" Tenha firme, segura, limpa e branda, B"< ` A#4;" A qual bem ao contrrio em tudo estava. B"`  A#-4" J a companhia prfida e nefanda B"  A#29" Das naus se despedia e o mar cortava: B"  A#.5" Foram com gestos ledos e fingidos B" d A#18" Os dous da frota em terra recebidos. B"  A# " B" A#/6" 9 E despois que ao Rei apresentaram B" d A#07" Co recado os presentes que traziam, B"< < A#)0" A cidade correram, e notaram B"  h A#-4" Muito menos daquilo que queriam; B"  A#29" Que os Mouros cautelosos se guardaram B"` ` A#07" De lhe mostrarem tudo o que pediam; B"  A#4;" Que onde reina a malcia, est o receio B" < A#07" Que a faz imaginar no peito alheio. B" d A# " B" A#.5" 10 Mas aquele que sempre a mocidade B"  A#18" Tem no rosto perptua, e foi nascido B"< ` A#07" De duas mes, que urdia a falsidade B"  A#+2" Por ver o navegante destrudo, B"  A#'." Estava nua casa da cidade, B"   A#/6" Com rosto humano e hbito fingido, B" @ A#.5" Mostrando-se Cristo, e fabricava B"<  A#,3" Um altar sumptuoso que adorava. B"  A# " B" A#'." 53 B"   A# " B" A#8?" ----------------------- Page 101-----------------------B"  A# " B" A#%," OS LUSADAS B"  D A# " B" A#+2" 11 Ali tinha em retrato afigurada B"<  A#/6" Do alto e Santo Esprito a pintura, B"  A#(/" A cndida Pombinha, debuxada B"  D A#.5" Sobre a nica Fnix, virgem pura; B"`  A#+2" A companhia santa est pintada, B"  A#,3" Dos doze, to torvados na figura B"<  A#3:" Como os que, s das lnguas que caram B" < A#.5" De fogo, vrias lnguas referiram. B"  A# " B" A#29" 12 Aqui os dous companheiros, conduzidos B"<  A#.5" Onde com este engano Baco estava, B"`  A#3:" Pem em terra os giolhos, e os sentidos B" < A#/6" Naquele Deus que o Mundo governava. B" d A#.5" Os cheiros excelentes, produzidos B" < A#*1" Na Pancaia odorfera, queimava B"  A#,3" O Tioneu, e assi por derradeiro B"  A#-4" O falso Deus adora o verdadeiro. B"  A# " B" A#-4" 13 Aqui foram de noite agasalhados, B"`  A#07" Com todo o bom e honesto tratamento B"  A#6=" Os dous Cristos, no vendo que enganados B" ` A#18" Os tinha o falso e santo fingimento. B"  A#.5" Mas, assi como os raios espalhados B" d A#07" Do Sol foram no mundo, e num momento B"  A#(/" Apareceu no rbido Horizonte B"  h A#+2" Na moa de Tito a roxa fronte, B"  A# " B" A#07" 14 Tornam da terra os Mouros co recado B" d A#07" Do Rei pera que entrassem, e consigo B"  A#18" Os dous que o Capito tinha mandado, B"` < A#29" A quem se o Rei mostrou sincero amigo; B" < A#+2" E sendo o Portugus certificado B"   A#)0" De no haver receio de perigo B"  h A#18" E que gente de Cristo em terra havia, B"` < A#.5" Dentro no salso rio entrar queria. B"  A# " B" A#$+" 54 B"  A# " B" A#8?" ----------------------- Page 102-----------------------B"  A# " B" A#$+" OS LUSADAS B"  D A# " B" A#7>" 15 Dizem-lhe os que mandou que em terra viram B"  A#*1" Sacras aras e sacerdote santo; B"< d A#-4" Que ali se agasalharam e dormiram B" < A#18" Enquanto a luz cobriu o escuro manto; B"` < A#.5" E que no Rei e gentes no sentiram B"`  A#-4" Seno contentamento e gosto tanto B"  A#.5" Que no podia certo haver suspeita B"  A#07" Nua mostra to clara e to perfeita. B"`  A# " B" A#)0" 16 Co isto o nobre Gama recebia B"  A#-4" Alegremente os Mouros que subiam, B"`  A#)0" Que levemente um nimo se fia B"  A#/6" De mostras que to certas pareciam. B" d A#-4" A nau da gente prfida se enchia, B"`  A#3:" Deixando a bordo os barcos que traziam. B"  A#,3" Alegres vinham todos porque crm B"`  A#+2" Que a presa desejada certa tm. B"  A# " B" A#,3" 17 Na terra cautamente aparelhavam B" < A#.5" Armas e munies, que, como vissem B" d A#+2" Que no rio os navios ancoravam, B"<  A#*1" Neles ousadamente se subissem; B"  A#(/" E nesta treo determinavam B"  A#/6" Que os de Luso de todo destrussem, B"  A#18" E que, incautos, pagassem deste jeito B"  A#18" O mal que em Moambique tinham feito. B"  A# " B" A#,3" 18 As ncoras tenaces vo levando, B"  A#*1" Com a nutica grita costumada; B"   A#07" Da proa as velas ss ao vento dando, B"  A#,3" Inclinam pera a barra abalizada. B" d A#.5" Mas a linda Ericina, que guardando B" < A#-4" Andava sempre a gente assinalada, B"  A#07" Vendo a cilada grande e to secreta, B"`  A#+2" Voa do Cu ao mar como ua seta. B"  A# " B" A##*" 55 B"  A# " B" A#8?" ----------------------- Page 103-----------------------B"  A# " B" A#$+" OS LUSADAS B"  D A# " B" A#.5" 19 Convoca as alvas filhas de Nereu, B" d A#.5" Com toda a mais cerlea companhia, B"  A#.5" Que, porque no salgado mar nasceu, B"`  A#+2" Das guas o poder lhe obedecia; B"  A#07" E, propondo-lhe a causa a que deceu, B"  A#*1" Com todos juntamente se partia B"  A#3:" Pera estorvar que a armada no chegasse B"  A#*1" Aonde pera sempre se acabasse. B"  A# " B" A#8?" 20 J na gua erguendo vo, com grande pressa, B" `   A#29" Com as argnteas caudas branca escuma; B"  A#,3" Cloto co peito corta e atravessa B"`  A#07" Com mais furor o mar do que costuma; B"  A#+2" Salta Nise, Nerine se arremessa B"  A#29" Por cima da gua crespa em fora suma; B"  A#.5" Abrem caminho as ondas encurvadas, B"  A#-4" De temor das Nereidas apressadas. B"  A# " B" A#6=" 21 Nos ombros de um Trito, com gesto aceso, B"  A#&-" Vai a linda Dione furiosa; B"  D A#.5" No sente quem a leva o doce peso, B"  A#-4" De soberbo com carga to fermosa. B"`  A#.5" J chegam perto donde o vento teso B"  A#-4" Enche as velas da frota belicosa; B" @ A#07" Repartem-se e rodeiam nesse instante B"< < A#18" As naus ligeiras, que iam por diante. B"  A# " B" A#18" 22 Pe-se a Deusa com outras em direito B"  A#-4" Da proa capitaina, e ali fechando B"  A#.5" O caminho da barra, esto de jeito B"  A#8?" Que em vo assopra o vento, a vela inchando; B"  A#07" Pem no madeiro duro o brando peito, B"  A#-4" Pera detrs a forte nau forando; B"  A#07" Outras em derredor levando-a estavam B"  A#+2" E da barra inimiga a desviavam. B"  A# " B" A##*" 56 B"  A# " B" A#8?" ----------------------- Page 104-----------------------B"  A# " B" A#&-" OS LUSADAS B"  D A# " B" A#5<" 23 Quais pera a cova as prvidas formigas, B"  A#,3" Levando o peso grande acomodado B" d A#-4" As foras exercitam, de inimigas B" < A#*1" Do inimigo Inverno congelado; B"   A#.5" Ali so seus trabalhos e fadigas, B"<  A#.5" Ali mostram vigor nunca esperado: B" @ A#.5" Tais andavam as Ninfas estorvando B"  A#.5" gente Portuguesa o fim nefando. B"  A# " B" A#/6" 24 Torna pera detrs a nau, forada, B" @ A#07" Apesar dos que leva, que, gritando, B"  A#07" Mareiam velas; ferve a gente irada, B"  A#6=" O leme a um bordo e a outro atravessando; B" ` A#29" O mestre astuto em vo da popa brada, B"  A#(/" Vendo como diante ameaando B"  h A#*1" Os estava um martimo penedo, B"< d A#4;" Que de quebrar-lhe a nau lhe mete medo. B"  A# " B" A#+2" 25 A celeuma medonha se alevanta B"   A#-4" No rudo marinheiro que trabalha; B"  A#5<" O grande estrondo a Maura gente espanta, B" < A#,3" Como se vissem hrrida batalha; B" d A#.5" No sabem a razo de fria tanta, B" @ A#3:" No sabem nesta pressa quem lhe valha: B" < A#07" Cuidam que seus enganos so sabidos B"  A#4;" E que ho-de ser por isso aqui punidos. B" < A# " B" A#,3" 26 Ei-los sbitamente se lanavam B" ` A#/6" A seus batis veloces que traziam; B"`  A#-4" Outros em cima o mar alevantavam B" @ A#29" Saltando n gua, a nado se acolhiam; B"  A#29" De um bordo e doutro sbito saltavam, B"` ` A#07" Que o medo os compelia do que viam; B"`  A#18" Que antes querem ao mar aventurar-se B"  A#/6" Que nas mos inimigas entregar-se. B"<  A# " B" A#%," 57 B"  A# " B" A#8?" ----------------------- Page 105-----------------------B"  A# " B" A#&-" OS LUSADAS B"  D A# " B" A#+2" 27 Assi como em selvtica alagoa B"` d A#18" As rs, no tempo antigo Lcia gente, B"  A#-4" Se sentem porventura vir pessoa, B" < A#/6" Estando fora da gua incautamente, B"  A#29" Daqui e dali saltando (o charco soa), B"<  A#.5" Por fugir do perigo que se sente, B"<  A#3:" E, acolhendo-se ao couto que conhecem, B"  A#18" Ss as cabeas na gua lhe aparecem: B"  A# " B" A#/6" 28 Assi fogem os Mouros; e o piloto, B"  A#18" Que ao perigo grande as naus guiara, B"` < A#/6" Crendo que seu engano estava noto, B"  A#18" Tambm foge, saltando na gua amara. B"< ` A#07" Mas, por no darem no penedo imoto, B" d A#,3" Onde percam a vida doce e cara, B"  A#-4" A ncora solta logo a capitaina, B"  A#3:" Qualquer das outras junto dela amaina. B"<  A# " B" A#29" 29 Vendo o Gama, atentado, a estranheza B" < A#29" Dos Mouros, no cuidada, e juntamente B"  A#-4" O piloto fugir-lhe com presteza, B"  A#29" Entende o que ordenava a bruta gente; B"` ` A#18" E vendo, sem contraste e sem braveza B"< ` A#29" Dos ventos ou das guas sem corrente, B"  A#/6" Que a nau passar avante no podia, B"  A#/6" Havendo-o por milagre, assi dizia: B"`  A# " B" A#7>" 30 caso grande, estranho e no cuidado! B" ` A#-4" milagre clarssimo e evidente, B" < A#+2" descoberto engano inopinado, B"<  A#.5" prfida, inimiga e falsa gente! B"  A#*1" Quem poder do mal aparelhado B"   A#.5" Livrar-se sem perigo, sbiamente, B"`  A#,3" Se l de cima a Guarda Soberana B" @ A#-4" No acudir fraca fora humana? B"  A# " B" A#&-" 58 B"  A# " B" A#8?" ----------------------- Page 106-----------------------B"  A# " B" A#'." OS LUSADAS B"  D A# " B" A#29" 31 Bem nos mostra a Divina Providncia B"  A#-4" Destes portos a pouca segurana, B" d A#/6" Bem claro temos visto na aparncia B"  A#18" Que era enganada a nossa confiana; B"  A#07" Mas pois saber humano nem prudncia B"  A#/6" Enganos to fingidos no alcana, B"<  A#.5" tu, Guarda Divina, tem cuidado B"`  A#29" De quem sem ti no pode ser guardado! B"  A# " B" A#,3" 32 E, se te move tanto a piedade B" @ A#*1" Desta msera gente peregrina, B"   A#07" Que, s por tua altssima bondade, B"  A#07" Da gente a salvas prfida e malina, B"  A#+2" Nalgum porto seguro de verdade B"<  A#.5" Conduzir-nos j agora determina, B" d A#29" Ou nos amostra a terra que buscamos, B"  A#07" Pois s por teu servio navegamos. B"  A# " B" A#/6" 33 Ouviu-lhe estas palavras piadosas B"  A#)0" A fermosa Dione e, comovida, B"  h A#29" Dantre as Ninfas se vai, que sadosas B"  A#+2" Ficaram desta sbita partida. B" @ A#.5" J penetra as Estrelas luminosas, B"`  A#+2" J na terceira Esfera recebida B" @ A#-4" Avante passa, e l no sexto Cu, B"  A#07" Pera onde estava o Padre, se moveu. B" d A# " B" A#.5" 34 E, como ia afrontada do caminho, B"  A#-4" To fermosa no gesto se mostrava B"  A#4;" Que as Estrelas e o Cu e o Ar vizinho B"  A#,3" E tudo quanto a via, namorava. B"  A#3:" Dos olhos, onde faz seu filho o ninho, B" < A#+2" Uns espritos vivos inspirava, B"` d A#/6" Com que os Plos gelados acendia, B" d A#/6" E tornava do Fogo a Esfera, fria. B" @ A# " B" A#(/" 59 B"  D A# " B" A#8?" ----------------------- Page 107-----------------------B"  A# " B" A#&-" OS LUSADAS B"  D A# " B" A#,3" 35 E, por mais namorar o soberano B"<  A#4;" Padre, de quem foi sempre amada e cara, B"  A#3:" Se lh apresenta assi como ao Troiano, B"  A#/6" Na selva Ideia, j se apresentara. B" @ A#3:" Se a vira o caador que o vulto humano B"  A#/6" Perdeu, vendo Diana na gua clara, B"`  A#07" Nunca os famintos galgos o mataram, B"  A#-4" Que primeiro desejos o acabaram. B"<  A# " B" A#29" 36 Os crespos fios d ouro se esparziam B"  A#,3" Pelo colo que a neve escurecia; B" @ A#3:" Andando, as lcteas tetas lhe tremiam, B"  A#18" Com quem Amor brincava e no se via; B"` < A#.5" Da alva petrina flamas lhe saam, B"  A#,3" Onde o Minino as almas acendia. B"  A#-4" Polas lisas colunas lhe trepavam B"  A#18" Desejos, que como hera se enrolavam. B"  A# " B" A#07" 37 Cum delgado cendal as partes cobre B"< < A#/6" De quem vergonha natural reparo; B" @ A#07" Porm nem tudo esconde nem descobre B"  A#18" O vu, dos roxos lrios pouco avaro; B"  A#3:" Mas, pera que o desejo acenda e dobre, B" < A#07" Lhe pe diante aquele objecto raro. B"  A#29" J se sentem no Cu, por toda a parte, B" < A#.5" Cimes em Vulcano, amor em Marte. B"  A# " B" A#/6" 38 E mostrando no anglico sembrante B"  A#+2" Co riso ua tristeza misturada, B"  A#07" Como dama que foi do incauto amante B"  A#-4" Em brincos amorosos mal tratada, B"  A#6=" Que se aqueixa e se ri num mesmo instante B"  A#.5" E se torna entre alegre, magoada, B" d A#3:" Destarte a Deusa a quem nenhua iguala, B"  A#29" Mais mimosa que triste ao Padre fala: B"  A# " B" A#%," 60 B"  A# " B" A#8?" ----------------------- Page 108-----------------------B"  A# " B" A#$+" OS LUSADAS B"  D A# " B" A#3:" 39 Sempre eu cuidei, Padre poderoso, B"<  A#7>" Que, pera as cousas que eu do peito amasse, B" ` A#07" Te achasse brando, afbil e amoroso, B"  A#4;" Posto que a algum contrairo lhe pesasse; B" < A#29" Mas, pois que contra mi te vejo iroso, B"<  A#07" Sem que to merecesse nem te errasse, B"  A#(/" Faa-se como Baco determina; B"   A#.5" Assentarei, enfim, que fui mofina. B" @ A# " B" A#4;" 40 Este povo, que meu, por quem derramo B"  A#/6" As lgrimas que em vo cadas vejo, B" d A#7>" Que assaz de mal lhe quero, pois que o amo, B"  A#-4" Sendo tu tanto contra meu desejo; B"`  A#07" Por ele a ti rogando, choro e bramo, B" ` A#-4" E contra minha dita enfim pelejo. B"  A#18" Ora pois, porque o amo mal tratado; B"  A#07" Quero-lhe querer mal, ser guardado. B"  A# " B" A#9@" 41 Mas moura enfim nas mos das brutas gentes, B"  A#4;" Que pois eu fui ... E nisto, de mimosa, B"  A#/6" O rosto banha em lgrimas ardentes, B"  A#/6" Como co orvalho fica a fresca rosa. B"  A#4;" Calada um pouco, como se entre os dentes B" ` A#(/" Lhe impedira a fala piedosa, B"  D A#07" Torna a segui-la; e indo por diante, B" d A#18" Lhe atalha o poderoso e gro Tonante. B"  A# " B" A#/6" 42 E destas brandas mostras comovido, B"  A#18" Que moveram de um tigre o peito duro, B"  A#18" Co vulto alegre, qual, do Cu subido, B"  A#-4" Torna sereno e claro o ar escuro, B"`  A#/6" As lgrimas lhe alimpa e, acendido, B"  A#18" Na face a beija e abraa o colo puro; B"  A#.5" De modo que dali, se s se achara, B" d A#(/" Outro novo Cupido se gerara. B"   A# " B" A##*" 61 B"  A# " B" A#8?" ----------------------- Page 109-----------------------B"  A# " B" A#&-" OS LUSADAS B"  D A# " B" A#07" 43 E, co seu apertando o rosto amado, B"  A#/6" Que os saluos e lgrimas aumenta, B"  A#*1" Como minino da ama castigado, B"   A#5<" Que quem no afaga o choro lhe acrecenta, B" < A#29" Por lhe pr em sossego o peito irado, B" < A#07" Muitos casos futuros lhe apresenta. B"< < A#/6" Dos Fados as entranhas revolvendo, B"<  A#29" Desta maneira enfim lhe est dizendo: B"` ` A# " B" A#07" 44 Fermosa filha minha, no temais B"  A#/6" Perigo algum nos vossos Lusitanos, B"  A#.5" Nem que ningum comigo possa mais B"  A#07" Que esses chorosos olhos soberanos; B" d A#29" Que eu vos prometo, filha, que vejais B"  A#,3" Esquecerem-se Gregos e Romanos, B"`  A#18" Pelos ilustres feitos que esta gente B"  A#/6" H-de fazer nas partes do Oriente, B"  A# " B" A#07" 45 Que, se o facundo Ulisses escapou B" ` A#29" De ser na Oggia Ilha eterno escravo, B"  A#+2" E se Antenor os seios penetrou B"  A#*1" Ilricos e a fonte de Timavo, B"   A#*1" E se o piadoso Eneias navegou B"  A#/6" De Cila e de Carbdis o mar bravo, B"<  A#/6" Os vossos, mores cousas atentando, B"  A#29" Novos mundos ao mundo iro mostrando. B"  A# " B" A#07" 46 Fortalezas, cidades e altos muros B"`  A#07" Por eles vereis, filha, edificados; B"  A#+2" Os Turcos belacssimos e duros B"  A#.5" Deles sempre vereis desbaratados; B"<  A#07" Os Reis da ndia, livres e seguros, B"  A#-4" Vereis ao Rei potente sojugados, B"`  A#07" E por eles, de tudo enfim senhores, B"  A#07" Sero dadas na terra leis milhores. B"  A# " B" A#&-" 62 B"  A# " B" A#8?" ----------------------- Page 110-----------------------B"  A# " B" A#%," OS LUSADAS B"  D A# " B" A#29" 47 Vereis este que agora, pres[s]uroso, B"  A#18" Por tantos medos o Indo vai buscando, B"  A#+2" Tremer dele Neptuno de medroso, B"   A#.5" Sem vento suas guas encrespando. B"  A#,3" caso nunca visto e milagroso, B"  A#7>" Que trema e ferva o mar, em calma estando! B"  A#29" gente forte e de altos pensamentos, B"  A#3:" Que tambm dela ho medo os Elementos! B" < A# " B" A#3:" 48 Vereis a terra que a gua lhe tolhia, B" < A#5<" Que inda h-de ser um porto mui decente, B"  A#-4" Em que vo descansar da longa via B" < A#.5" As naus que navegarem do Ocidente. B" < A#3:" Toda esta costa, enfim, que agora urdia B" < A#*1" O mortfero engano, obediente B"  A#+2" Lhe pagar tributos, conhecendo B"  A#07" No poder resistir ao Luso horrendo. B"  A# " B" A#.5" 49 E vereis o Mar Roxo, to famoso, B"  A#.5" Tornar-se-lhe amarelo, de enfiado; B"<  A#,3" Vereis de Ormuz o Reino poderoso B"  A#)0" Duas vezes tomado e sojugado. B"  h A#&-" Ali vereis o Mouro furioso B"   A#-4" De suas mesmas setas traspassado; B"`  A#6=" Que quem vai contra os vossos, claro veja B"<  A#/6" Que, se resiste, contra si peleja. B"  A# " B" A#-4" 50 Vereis a inexpugnbil Dio forte B" < A#4;" Que dous cercos ter, dos vossos sendo; B" ` A#.5" Ali se mostrar seu preo e sorte, B"  A#29" Feitos de armas grandssimos fazendo. B"  A#*1" Envejoso vereis o gro Mavorte B"  A#/6" Do peito Lusitano, fero e horrendo; B" d A#07" Do Mouro ali vero que a voz extrema B"  A#.5" Do falso Mahamede ao Cu blasfema. B" d A# " B" A#%," 63 B"  A# " B" A#8?" ----------------------- Page 111-----------------------B"  A# " B" A#(/" OS LUSADAS B"  D A# " B" A#18" 51 Goa vereis aos Mouros ser tomada, B"  A#/6" A qual vir despois a ser senhora B"<  A#,3" De todo o Oriente, e sublimada B"  A#.5" Cos triunfos da gente vencedora. B" d A#.5" Ali, soberba, altiva e exalada, B"  A#+2" Ao Gentio que os dolos adora B"  A#/6" Duro freio por, e a toda a terra B" d A#4;" Que cuidar de fazer aos vossos guerra. B"  A# " B" A#/6" 52 Vereis a fortaleza sustentar-se B" < A#29" De Cananor, com pouca fora e gente; B"  A#,3" E vereis Calecu desbaratar-se, B"  A#,3" Cidade populosa e to potente; B"  A#-4" E vereis em Cochim assinalar-se B"<  A#07" Tanto um peito soberbo e insolente B"  A#.5" Que ctara jamais cantou vitria B"  A#3:" Que assi merea eterno nome e glria. B"  A# " B" A#29" 53 Nunca com Marte instruto e furioso B"  A#3:" Se viu ferver Leucate, quando Augusto B" ` A#07" Nas civis ctias guerras, animoso, B"  A#.5" O Capito venceu Romano injusto, B" @ A#18" Que dos povos de Aurora e do famoso B"  A#/6" Nilo e do Bactra Ctico e robusto B" d A#,3" A vitria trazia e presa rica, B"  A#29" Preso da Egpcia linda e no pudica, B"  A# " B" A#07" 54 Como vereis o mar fervendo aceso B"  A#29" Cos incndios dos vossos, pelejando, B"  A#3:" Levando o Idololatra e o Mouro preso, B"  A#.5" De naes diferentes triunfando; B" < A#18" E, sujeita a rica urea Quersoneso, B"  A#+2" At o longico China navegando B" @ A#18" E as Ilhas mais remotas do Oriente, B"  A#07" Ser-lhe- todo o Oceano obediente. B"  A# " B" A#(/" 64 B"  D A# " B" A#8?" ----------------------- Page 112-----------------------B"  A# " B" A#$+" OS LUSADAS B"  D A# " B" A#07" 55 De modo, filha minha, que de jeito B"  A#/6" Amostraro esforo mais que humano, B" d A#.5" Que nunca se ver to forte peito, B" d A#)0" Do Gangtico mar ao Gaditano, B"  h A#-4" Nem das Boreais ondas ao Estreito B"  A#,3" Que mostrou o agravado Lusitano, B"<  A#5<" Posto que em todo o mundo, de afrontados, B"  A#/6" Re[s]sucitassem todos os passados. B"  A# " B" A#07" 56 Como isto disse, manda o consagrado B"  A#07" Filho de Maia Terra, por que tenha B"  A#*1" Um pacfico porto e sossegado, B"   A#/6" Pera onde sem receio a frota venha; B"<  A#/6" E, pera que em Mombaa, aventurado, B"`  A#+2" O forte Capito se no detenha, B"  A#6=" Lhe manda mais que em sonhos lhe mostrasse B" ` A#+2" A terra onde quieto repousasse. B"   A# " B" A#(/" 57 J pelo ar o Cileneu voava; B"<  A#-4" Com as asas nos ps Terra dece; B"  A#)0" Sua vara fatal na mo levava, B"   A#/6" Com que os olhos cansados adormece; B"  A#/6" Com esta, as tristes almas revocava B" < A#.5" Do Inferno, e o vento lhe obedece; B"  A#)0" Na cabea o galero costumado; B"   A#-4" E destarte a Melinde foi chegado. B"  A# " B" A#.5" 58 Consigo a Fama leva, por que diga B"  A#.5" Do Lusitano o preo grande e raro, B"  A#6=" Que o nome ilustre a um certo amor obriga, B" ` A#.5" E faz, a quem o tem, amado e caro. B"  A#07" Destarte vai fazendo a gente, amiga, B" ` A#,3" Co rumor famosssimo e perclaro. B" ` A#,3" J Melinde em de sejos arde todo B" @ A#18" De ver da gente forte o gesto e modo. B"  A# " B" A##*" 65 B"  A# " B" A#8?" ----------------------- Page 113-----------------------B"  A# " B" A#&-" OS LUSADAS B"  D A# " B" A#+2" 59 Dali pera Mombaa logo parte, B"   A#-4" Aonde as naus estavam temerosas, B"`  A#18" Pera que gente mande que se aparte B"  A#18" Da barra imiga e terras suspeitosas; B"  A#07" Porque mui pouco val esforo e arte B"  A#18" Contra infernais vontades enganosas; B"  A#/6" Pouco val corao, astcia e siso, B" @ A#29" Se l dos Cus no vem celeste aviso. B"  A# " B" A#07" 60 Meio caminho a noite tinha andado, B"  A#29" E as Estrelas no Cu co a luz alheia, B"  A#+2" Tinham o largo Mundo alumiado, B" @ A#-4" E s co sono a gente se recreia. B"  A#*1" O Capito ilustre, j cansado B"   A#,3" De vigiar a noite que arreceia, B"  A#07" Breve repouso anto aos olhos dava, B"`  A#-4" A outra gente a quartos vigiava; B" d A# " B" A#4;" 61 Quando Mercrio em sonhos lhe aparece, B" < A#.5" Dizendo: fuge, fuge, Lusitano, B" @ A#.5" Da cilada que o Rei malvado tece, B"  A#18" Por te trazer ao fim e extremo dano! B"  A#3:" Fuge, que o vento e o Cu te favorece; B"  A#+2" Sereno o tempo tens e o Oceano B" @ A#29" E outro Rei mais amigo, noutra parte, B"  A#,3" Onde podes seguro agasalhar-te! B"  A# " B" A#-4" 62 No tens aqui seno aparelhado B" d A#07" O hospcio que o cru Diomedes dava, B"  A#*1" Fazendo ser manjar acostumado B"   A#.5" De cavalos a gente que hospedava; B"  A#)0" As aras de Busris infamado, B"  h A#.5" Onde os hspedes tristes imolava, B" d A#18" Ters certas aqui, se muito esperas: B"  A#.5" Fuge das gentes prfidas e feras! B"  A# " B" A#&-" 66 B"  A# " B" A#8?" ----------------------- Page 114-----------------------B"  A# " B" A#&-" OS LUSADAS B"  D A# " B" A#3:" 63 Vai-te ao longo da costa discorrendo B"  A#3:" E outra terra achars de mais verdade, B"`  A#18" L qusi junto donde o Sol, ardendo, B"  A#07" Iguala o dia e noite em quantidade; B"  A#,3" Ali tua frota alegre recebendo, B"`  A#18" Um Rei, com muitas obras de amizade, B"  A#&-" Gasalhado seguro te daria B"  D A#29" E, pera a ndia, certa e sbia guia. B"  A# " B" A#07" 64 Isto Mercrio disse, e o sono leva B"  A#5<" Ao Capito, que, com mui grande espanto, B" ` A#.5" Acorda e v ferida a escura treva B"  A#+2" De ua sbita luz e raio santo; B"   A#,3" E vendo claro quanto lhe releva B"`  A#/6" No se deter na terra inica tanto, B"  A#3:" Com novo esprito ao mestre seu mandava B"  A#7>" Que as velas desse ao vento que assoprava. B" ` A# " B" A#6=" 65 Dai velas (disse) dai ao largo vento, B"`  A#3:" Que o Cu nos favorece e Deus o manda; B"`  A#3:" Que um mensageiro vi do claro Assento, B"  A#4;" Que s em favor de nossos passos anda. B"  A#*1" Alevanta-se nisto o movimento B"   A#5<" Dos marinheiros, de ua e de outra banda; B" ` A#-4" Levam gritando as ncoras acima, B"  A#29" Mostrando a ruda fora que se estima. B"  A# " B" A#18" 66 Neste tempo que as ncoras levavam, B"  A#29" Na sombra escura os Mouros escondidos B"  A#07" Mansamente as amarras lhe cortavam, B"`  A#29" Por serem, dando costa, destrudos; B"  A#-4" Mas com vista de linces vigiavam B" @ A#07" Os Portugueses, sempre apercebidos; B"  A#.5" Eles, como acordados os sentiram, B" < A#07" Voando, e no remando, lhe fugiram. B"`  A# " B" A#%," 67 B"  A# " B" A#8?" ----------------------- Page 115-----------------------B"  A# " B" A#&-" OS LUSADAS B"  D A# " B" A#.5" 67 Mas j as agudas proas apartando B" @ A#,3" Iam as vias hmidas de argento; B"  A#29" Assopra-lhe galerno o vento e brando, B"  A#*1" Com suave e seguro movimento. B"   A#.5" Nos perigos passados vo falando, B"  A#.5" Que mal se perdero do pensamento B" < A#4;" Os casos grandes, donde em tanto aperto B"  A#/6" A vida em salvo escapa por acerto. B"  A# " B" A#/6" 68 Tinha ua volta dado o Sol ardente B"  A#,3" E noutra comeava, quando viram B"  A#.5" Ao longe dous navios, brandamente B"`  A#07" Cos ventos navegando, que respiram. B"  A#18" Porque haviam de ser da Maura gente, B"  A#18" Pera eles arribando, as velas viram. B"  A#/6" Um, de temor do mal que arreceava, B"  A#07" Por se salvar a gente costa dava. B"  A# " B" A#18" 69 No o outro que fica to manhoso, B"  A#/6" Mas nas mos vai cair do Lusitano, B"  A#)0" Sem o rigor de Marte furioso B"  A#/6" E sem a fria horrenda de Vulcano; B"`  A#,3" Que, como fosse dbil e medroso B" @ A#18" Da pouca gente o fraco peito humano, B"  A#29" No teve resistncia; e, se a tivera, B"  A#-4" Mais dano, resistindo, recebera. B"  A# " B" A#+2" 70 E como o Gama muito desejasse B" @ A#.5" Piloto pera a ndia, que buscava, B"`  A#5<" Cuidou que entre estes Mouros o tomasse, B" ` A#.5" Mas no lhe sucedeu como cuidava; B"  A#29" Que nenhum deles h que lhe ensinasse B"  A#18" A que parte dos cus a ndia estava; B"  A#07" Porm dizem-lhe todos que tem perto B"  A#07" Melinde, onde acharo piloto certo. B"`  A# " B" A#&-" 68 B"  A# " B" A#8?" ----------------------- Page 116-----------------------B"  A# " B" A#%," OS LUSADAS B"  D A# " B" A#/6" 71 Louvam do Rei os Mouros a bondade, B"  A#,3" Condio liberal, sincero peito, B"  A#.5" Magnificncia grande e humanidade, B"<  A#/6" Com partes de grandssimo respeito. B"<  A#,3" O Capito o assela por verdade, B"  A#-4" Porque j lho dissera deste jeito B"<  A#*1" O Cileneu em sonhos; e partia B"< d A#29" Pera onde o sonho e o Mouro lhe dizia. B"  A# " B" A#07" 72 Era no tempo alegre, quando entrava B"< < A#/6" No roubador de Europa a luz Febeia, B"`  A#5<" Quando um e o outro corno lhe aquentava, B"`  A#,3" E Flora derramava o de Amalteia; B"  A#%," A memria do dia renovava B"  D A#29" O pres[s]uroso Sol, que o Cu rodeia, B" < A#29" Em que Aquele a quem tudo est sujeito B" < A#-4" O selo ps a quanto tinha feito; B"<  A# " B" A#07" 73 Quando chegava a frota quela parte B"  A#,3" Onde o Reino Melinde j se via, B"<  A#-4" De toldos adornada e leda de arte B"  A#07" Que bem mostra estimar o Santo dia. B"  A#/6" Treme a bandeira, voa o estandarte, B"  A#-4" A cor purprea ao longe aparecia; B" @ A#*1" Soam os atambores e pandeiros; B"   A#/6" E assi entravam ledos e guerreiros. B"  A# " B" A#,3" 74 Enche-se toda a praia Melindana B" @ A#/6" Da gente que vem ver a leda armada, B"  A#07" Gente mais verdadeira e mais humana B"  A#3:" Que toda a doutra terra atrs deixada. B"  A#*1" Surge diante a frota Lusitana, B"` @ A#*1" Pega no fundo a ncora pesada; B"  A#29" Mandam fora um dos Mouros que tomaram, B"  A#3:" Por quem sua vinda ao Rei manifestaram. B"  A# " B" A#$+" 69 B"  A# " B" A#8?" ----------------------- Page 117-----------------------B"  A# " B" A#&-" OS LUSADAS B"  D A# " B" A#,3" 75 O Rei, que j sabia da nobreza B" d A#18" Que tanto os Portugueses engrandece, B"< ` A#,3" Tomarem o seu porto tanto preza B"`  A#.5" Quanto a gente fortssima merece; B"  A#-4" E com verdadeiro nimo e pureza, B" @ A#/6" Que os peitos generosos ennobrece, B"`  A#.5" Lhe manda rogar muito que sassem B"  A#29" Pera que de seus reinos se servissem. B"  A# " B" A#+2" 76 So oferecimentos verdadeiros B"   A#/6" E palavras sinceras, no dobradas, B" ` A#5<" As que o Rei manda aos nobres cavaleiros B"  A#18" Que tanto mar e terras tm passadas. B"  A#/6" Manda-lhe mais langeros carneiros B"  A#+2" E galinhas domsticas cevadas, B"  A#4;" Com as frutas que anto na terra havia; B"  A#*1" E a vontade ddiva excedia. B"` @ A# " B" A#*1" 77 Recebe o Capito alegremente B"   A#,3" O mensageiro ledo e seu recado; B"  A#07" E logo manda ao Rei outro presente, B"  A#,3" Que de longe trazia aparelhado: B"<  A#-4" Escarlata purprea, cor ardente, B" < A#,3" O ramoso coral, fino e prezado, B" @ A#-4" Que debaxo das guas mole crece, B"  A#/6" E, como fora delas, se endurece. B"  A# " B" A#18" 78 Manda mais um, na prtica elegante, B"  A#29" Que co Rei nobre as pazes concertasse B"  A#18" E que de no sair, naquele instante, B"  A#29" De suas naus em terra, o desculpasse. B"  A#18" Partido assi o embaixador prestante, B"  A#29" Como na terra ao Rei se apresentasse, B"  A#/6" Com estilo que Palas lhe ensinava, B"  A#/6" Estas palavras tais falando orava: B"  A# " B" A#&-" 70 B"  A# " B" A#8?" ----------------------- Page 118-----------------------B"  A# " B" A#&-" OS LUSADAS B"  D A# " B" A#3:" 79 Sublime Rei, a quem do Olimpo puro B"  A#*1" Foi da suma Justia concedido B"  A#)0" Refrear o soberbo povo duro, B"   A#.5" No menos dele amado, que temido: B"  A#/6" Como porto mui forte e mui seguro, B"  A#)0" De todo o Oriente conhecido, B"   A#07" Te vimos a buscar, pera que achemos B" d A#07" Em ti o remdio certo que queremos. B"  A# " B" A#18" 80 No somos roubadores que, passando B"  A#.5" Pelas fracas cidades descuidadas, B"<  A#4;" A ferro e a fogo as gentes vo matando, B" < A#29" Por roubar-lhe as fazendas cobiadas; B"  A#.5" Mas, da soberba Europa navegando, B"  A#.5" Imos buscando as terras apartadas B" d A#18" Da ndia, grande e rica, por mandado B"  A#3:" De um Rei que temos, alto e sublimado. B"`  A# " B" A#29" 81 Que gerao to dura h i de gente, B"  A#/6" Que brbaro costume e usana feia, B" < A#18" Que no vedem os portos to smente, B"  A#29" Mas inda o hospcio da deserta areia? B"  A#6=" Que m teno, que peito em ns se sente, B" < A#07" Que de to pouca gente se arreceia? B"  A#29" Que, com laos armados, to fingidos, B" < A#/6" Nos ordenassem ver-nos destrudos? B"  A# " B" A#29" 82 Mas tu, em quem mui certo confiamos B"  A#18" Achar-se mais verdade, o Rei benino, B"` < A#18" E aquela certa ajuda em ti esperamos B"  A#07" Que teve o perdido taco em Alcino, B" d A#+2" A teu porto seguros navegamos, B"  A#-4" Conduzidos do intrprete divino; B"`  A#5<" Que, pois a ti nos manda, est mui claro B"  A#4;" Que s de peito sincero, humano e raro. B" ` A# " B" A#&-" 71 B"  A# " B" A#8?" ----------------------- Page 119-----------------------B"  A# " B" A#%," OS LUSADAS B"  D A# " B" A#18" 83 E no cuides, o Rei, que no sasse B"  A#'." O nosso Capito esclarecido B"   A#18" A ver-te ou a servir-te, porque visse B"< ` A#/6" Ou suspeitasse em ti peito fingido; B"  A#4;" Mas sabers que o fez, por que cumprisse B" < A#+2" O regimento, em tudo obedecido, B" @ A#3:" De seu Rei, que lhe manda que no saia, B"  A#7>" Deixando a frota, em nenhum porto ou praia. B"  A# " B" A#07" 84 E porque de vassalos o exerccio B"  A#29" Que os membros tm, regidos da cabea, B"  A#4;" No querers, pois tens de Rei o ofcio, B"  A#-4" Que ningum a seu Rei desobedea; B" @ A#.5" Mas as mercs e o grande benefcio B" d A#3:" Que ora acha em ti, promete que conhea B"  A#5<" Em tudo aquilo que ele e os seus puderem, B" < A#29" Enquanto os rios pera o mar correrem. B"  A# " B" A#,3" 85 Assi dizia; e todos juntamente, B"`  A#.5" Uns com outros em prtica falando, B" d A#.5" Louvavam muito o estmago da gente B"  A#18" Que tantos cus e mares vai passando; B"  A#.5" E o Rei ilustre, o peito obediente B" @ A#/6" Dos Portugueses na alma imaginando, B" d A#/6" Tinha por valor grande e mui subido B"  A#/6" O do Rei que to longe obedecido; B" d A# " B" A#07" 86 E com risonha vista e ledo aspeito, B"`  A#5<" Responde ao embaixador, que tanto estima: B"  A#18" Toda a suspeita m tirai do peito, B"  A#07" Nenhum frio temor em vs se imprima, B"  A#07" Que vosso preo e obras so de jeito B"  A#18" Pera vos ter o mundo em muita estima; B"` < A#-4" E quem vos fez molesto tratamento B"`  A#+2" No pode ter subido pensamento. B"   A# " B" A#$+" 72 B"  A# " B" A#8?" ----------------------- Page 120-----------------------B"  A# " B" A#&-" OS LUSADAS B"  D A# " B" A#18" 87 De no sair em terra toda a gente, B"  A#.5" Por observar a usada preminncia, B"  A#-4" Ainda que me pese estranhamente, B"  A#/6" Em muito tenho a muita obedincia; B"  A#29" Mas, se lho o regimento no consente, B"` ` A#07" Nem eu consentirei que a excelncia B" d A#/6" De peitos to leais em si desfaa, B"`  A#.5" S porque a meu desejo satisfaa. B"  A# " B" A#18" 88 Porm, como a luz crstina chegada B"  A#-4" Ao mundo for, em minhas almadias B" @ A#,3" Eu irei visitar a forte armada, B"  A#18" Que ver tanto desejo h tantos dias. B"` < A#*1" E, se vier do mar desbaratada B"   A#,3" Do furioso vento e longas vias, B"  A#,3" Aqui ter de limpos pensamentos B"<  A#-4" Piloto, munies e mantimentos. B"  A# " B" A#18" 89 Isto disse; e nas guas se escondia B"  A#/6" O filho de Latona; e o mensageiro, B" @ A#-4" Co a embaixada, alegre se partia B" d A#/6" Pera a frota no seu batel ligeiro. B"  A#29" Enchem-se os peitos todos de alegria, B"<  A#+2" Por terem o remdio verdadeiro B"  A#/6" Pera acharem a terra que buscavam; B"  A#-4" E assi ledos a noite festejavam. B"  A# " B" A#3:" 90 No faltam ali os raios de artifcio, B"  A#*1" Os trmulos cometas imitando; B"  A#.5" Fazem os bombardeiros seu ofcio, B"  A#07" O cu, a terra e as ondas atroando; B"  A#07" Mostra-se dos Ciclopas o exerccio, B"`  A#4;" Nas bombas que de fogo esto queimando; B"  A#3:" Outros com vozes com que o cu feriam, B"  A#-4" Instrumentos altssonos tangiam. B"<  A# " B" A#%," 73 B"  A# " B" A#8?" ----------------------- Page 121-----------------------B"  A# " B" A#'." OS LUSADAS B"  D A# " B" A#07" 91 Respondem-lhe da terra juntamente, B"  A#*1" Co raio volteando com zunido; B"   A#07" Anda em giros no ar a roda ardente, B"  A#-4" Estoira o p sulfreo escondido; B"<  A#29" A grita se alevanta ao cu, da gente; B"  A#,3" O mar se via em fogos acendido B"  A#07" E no menos a terra; e assi festeja B"`  A#.5" Um ao outro, maneira de peleja. B"  A# " B" A#07" 92 Mas j o Cu inquieto, revolvendo, B"`  A#/6" As gentes incitava a seu trabalho; B" @ A#18" E j a me de Menon, a luz trazendo, B"` < A#.5" Ao sono longo punha certo atalho; B"`  A#18" Iam-se as sombras lentas desfazendo, B"  A#6=" Sobre as flores da terra em frio orvalho, B" < A#29" Quando o Rei Melindano se embarcava, B"` ` A#-4" A ver a frota que no mar estava. B"  A# " B" A#3:" 93 Viam-se em derredor ferver as praias, B"  A#18" Da gente que a ver s concorre leda; B"  A#.5" Luzem da fina prpura as cabaias, B"`  A#-4" Lustram os panos da tecida seda. B" @ A#,3" Em lugar de guerreiras azagaias B"  A#-4" E do arco que os cornos arremeda B" @ A#.5" Da Lua, trazem ramos de palmeira, B"  A#.5" Dos que vencem, coroa verdadeira. B"  A# " B" A#29" 94 Um batel grande e largo, que toldado B"  A#.5" Vinha de sedas de diversas cores, B" @ A#/6" Traz o Rei de Melinde, acompanhado B"`  A#29" De nobres de seu Reino e de senhores. B"  A#,3" Vem de ricos vestidos adornado, B"<  A#.5" Segundo seus costumes e primores; B"<  A#*1" Na cabea, ua fota guarnecido B"   A#4;" De ouro, e de seda e de algodo tecida; B"  A# " B" A#(/" 74 B"  D A# " B" A#8?" ----------------------- Page 122-----------------------B"  A# " B" A#&-" OS LUSADAS B"  D A# " B" A#,3" 95 Cabaia de Damasco rico e dino, B"  A#/6" Da Tria cor, entre eles estimada; B"`  A#/6" Um colar ao pescoo, de ouro fino, B" < A#/6" Onde a matria da obra superada, B" d A#.5" Cum resplendor reluze adamantino; B"  A#07" Na cinta a rica adaga, bem lavrada; B"  A#29" Nas alparcas dos ps, em fim de tudo, B"  A#-4" Cobrem ouro e aljfar ao veludo. B"`  A# " B" A#18" 96 Com um redondo emparo alto de seda, B"  A#07" Nua alta e dourada hstea enxerido, B" d A#.5" Um ministro solar quentura veda B"`  A#29" Que no ofenda e queime o Rei subido. B"  A#29" Msica traz na proa, estranha e leda, B" < A#18" De spero som, horrssono ao ouvido, B"  A#-4" De trombetas arcadas em redondo, B"<  A#4;" Que, sem concerto, fazem rudo estrondo. B"  A# " B" A#/6" 97 No menos guarnecido, o Lusitano, B" ` A#18" Nos seus batis, da frota se partia, B"  A#*1" A receber no mar o Melindano, B"   A#.5" Com lustrosa e honrada companhia. B"  A#07" Vestido o Gama vem ao modo Hispano, B" d A#18" Mas Francesa era a roupa que vestia, B"  A#*1" De cetim da Adritica Veneza, B"  A#29" Carmesi, cor que a gente tanto preza; B"  A# " B" A#5<" 98 De botes d ouro as mangas vm tomadas B"  A#18" Onde o Sol, reluzindo, a vista cega; B"  A#-4" As calas soldadescas, recamadas B" < A#07" Do metal que Fortuna a tantos nega; B"< < A#.5" E com pontas do mesmo, delicadas, B"  A#07" Os golpes do gibo ajunta e achega; B" d A#,3" Ao Itlico modo a urea espada; B"  A#07" Pruma na gorra, um pouco declinada. B" d A# " B" A#&-" 75 B"  A# " B" A#8?" ----------------------- Page 123-----------------------B"  A# " B" A#%," OS LUSADAS B"  D A# " B" A#-4" 99 Nos de sua companhia se mostrava B"  A#/6" Da tinta que d o mrice excelente B" d A#/6" A vria cor, que os olhos alegrava, B" @ A#,3" E a maneira do trajo diferente. B" d A#+2" Tal o fermoso esmalte se notava B"<  A#.5" Dos vestidos, olhados juntamente, B"`  A#*1" Qual aparece o arco rutilante B"  A#.5" Da bela Ninfa, filha de Taumante. B"  A# " B" A#*1" 100 Sonorosas trombetas incitavam B"  A#*1" Os nimos alegres, ressoando; B"   A#29" Dos Mouros os batis o mar coalhavam, B"` ` A#-4" Os toldos pelas guas arrojando; B" d A#.5" As bombardas horrssonas bramavam, B"  A#18" Com as nuvens de fumo o Sol tomando; B"  A#+2" Amidam-se os brados acendidos, B"<  A#3:" Tapam com as mos os Mouros os ouvidos. B"  A# " B" A#*1" 101 J no batel entrou do Capito B"   A#18" O Rei, que nos seus braos o levava; B"  A#+2" Ele, co a cortesia que a razo B"   A#07" (Por ser Rei) requeria, lhe falava. B"`  A#18" Cuas mostras de espanto e admirao, B"  A#18" O Mouro o gesto e o modo lhe notava, B"  A#18" Como quem em mui grande estima tinha B"  A#29" Gente que de to longe ndia vinha. B"  A# " B" A#/6" 102 E com grandes palavras lhe oferece B"`  A#4;" Tudo o que de seus reinos lhe cumprisse, B"  A#-4" E que, se mantimento lhe falece, B" < A#07" Como se prprio fosse, lho pedisse. B"  A#29" Diz-lhe mais que por fama bem conhece B"  A#.5" A gente Lusitana, sem que a visse; B" d A#07" Que j ouviu dizer que noutra terra B" d A#18" Com gente de sua Lei tivesse guerra; B"  A# " B" A#%," 76 B"  A# " B" A#8?" ----------------------- Page 124-----------------------B"  A# " B" A#&-" OS LUSADAS B"  D A# " B" A#,3" 103 E como por toda frica se soa, B"  A#3:" Lhe diz, os grandes feitos que fizeram B"  A#)0" Quando nela ganharam a coroa B" d A#18" Do Reino onde as Hespridas viveram; B"  A#*1" E com muitas palavras apregoa B"< d A#-4" O menos que os de Luso mereceram B"  A#07" E o mais que pela fama o Rei sabia; B"  A#.5" Mas desta sorte o Gama respondia: B" @ A# " B" A#/6" 104 tu que, s, tiveste piedade, B" d A#,3" Rei benigno, da gente Lusitana, B" @ A#07" Que com tanta misria e adversidade B"`  A#18" Dos mares exprimenta a fria insana: B"  A#,3" Aquela alta e divina Eternidade B"`  A#5<" Que o Cu revolve e rege a gente humana, B" < A#18" Pois que de ti tais obras recebemos, B"  A#3:" Te pague o que ns outros no podemos. B"  A# " B" A#4;" 105 Tu s, de todos quantos queima Apolo, B"  A#18" Nos recebes em paz, do mar profundo; B"  A#/6" Em ti, dos ventos hrridos de Eolo B" d A#29" Refgio achamos, bom, fido e jocundo. B"  A#,3" Enquanto apacentar o largo Plo B"  A#4;" As Estrelas, e o Sol der lume ao Mundo, B" < A#6=" Onde quer que eu viver, com fama e glria B"  A#/6" Vivero teus louvores em memria. B"<  A# " B" A#18" 106 Isto dizendo, os barcos vo remando B"  A#29" Pera a frota, que o Mouro ver deseja; B"  A#*1" Vo as naus ua e ua rodeando, B"  A#/6" Por que de todas tudo note e veja. B"  A#.5" Mas pera o Cu Vulcano fuzilando, B"  A#.5" A frota co as bombardas o festeja B"`  A#07" E as trombetas canoras lhe tangiam; B"  A#-4" Cos anafis os Mouros respondiam. B"`  A# " B" A#&-" 77 B"  A# " B" A#8?" ----------------------- Page 125-----------------------B"  A# " B" A#'." OS LUSADAS B"  D A# " B" A#07" 107 Mas, despois de ser tudo j notado B"  A#+2" Do generoso Mouro, que pasmava B"   A#-4" Ouvindo o instrumento inusitado, B" < A#/6" Que tamanho terror em si mostrava, B" @ A#,3" Mandava estar quieto e ancorado B"`  A#3:" N gua o batel ligeiro que os levava, B" < A#-4" Por falar de vagar co forte Gama B"  A#29" Nas cousas de que tem notcia e fama. B"  A# " B" A#,3" 108 Em prticas o Mouro diferentes B" d A#,3" Se deleitava, perguntando agora B"`  A#/6" Pelas guerras famosas e excelentes B"`  A#07" Co povo havidas que a Mafoma adora; B"  A#,3" Agora lhe pergunta pelas gentes B"  A#29" De toda a Hespria ltima, onde mora; B"  A#.5" Agora, pelos povos seus vizinhos, B"  A#+2" Agora, pelos hmidos caminhos. B"<  A# " B" A#-4" 109 Mas antes, valeroso Capito, B"  A#.5" Nos conta (lhe dizia), diligente, B"  A#*1" Da terra tua o clima e regio B"  A#18" Do mundo onde morais, distintamente; B"` < A#,3" E assi de vossa antiga gerao, B" @ A#07" E o princpio do Reino to potente, B"  A#07" Cos sucessos das guerras do comeo, B"  A#5<" Que, sem sab-las, sei que so de preo; B"  A# " B" A#29" 110 E assi tambm nos conta dos rodeios B"  A#/6" Longos em que te traz o Mar irado, B"  A#18" Vendo os costumes brbaros, alheios, B"  A#07" Que a nossa frica ruda tem criado; B" d A#3:" Conta, que agora vm cos ureos freios B"  A#.5" Os cavalos que o carro marchetado B" d A#07" Do novo Sol, da fria Aurora trazem; B"  A#3:" O vento dorme, o mar e as ondas jazem. B"  A# " B" A#'." 78 B"   A# " B" A#8?" ----------------------- Page 126-----------------------B"  A# " B" A##*" OS LUSADAS B"`  D A# " B" A#,3" 111 E no menos co tempo se parece B" @ A#07" O desejo de ouvir-te o que contares; B"  A#07" Que quem h que por fama no conhece B" d A#,3" As obras Portuguesas singulares? B" ` A#*1" No tanto desviado resplandece B"   A#-4" De ns o claro Sol, pera julgares B"  A#07" Que os Melindanos tm to rudo peito B"  A#29" Que no estimem muito um grande feito. B" < A# " B" A#-4" 112 Cometeram soberbos os Gigantes, B"  A#18" Com guerra v, o Olimpo claro e puro; B"  A#18" Tentou Perito e Teseu, de ignorantes, B"  A#18" O Reino de Pluto, horrendo e escuro. B"  A#3:" Se houve feitos no mundo to possantes, B"  A#07" No menos trabalho ilustre e duro, B"  A#-4" Quanto foi cometer Inferno e Cu, B"  A#/6" Que outrem cometa a fria de Nereu. B" @ A# " B" A#07" 113 Queimou o sagrado templo de Diana, B" d A#)0" Do sutil Tesifnio fabricado, B"   A#/6" Herstrato, por ser da gente humana B" @ A#)0" Conhecido no mundo e nomeado. B"   A#/6" Se tambm com tais obras nos engana B" d A#+2" O desejo de um nome avantajado, B"   A#29" Mais razo h que queira eterna glria B"  A#18" Quem faz obras to dinas de memria. B"  A# " B" A# " NOTAS B" A# " B" A# " 1.1-7 B" A#KR" J neste tempo o lcido Planeta: o Sol. Lcido, brilhante;planeta, por B"` ` ` A# " B" A#")" 79 B" l A# " B" A#8?" ----------------------- Page 127-----------------------B"  A# " B" A#$+" OS LUSADAS B"  D A#IP" ser considerado uma estrela errtica; ... e lenta meta: vagarosa, que B"   A#EL" tarda em chegar (ao horizonte); Lhe estava o Deus Nocturno a porta B"   A#?F" abrindo: Cames teve uma ideia concreta deste Deus Nocturno? B"   h A#EL" rebo no pode ser, porque um deus das trevas infernais. Nix, sua B"   D A#FM" irm, uma deusa da noite, mas trata-se de um deus. Trata-se talvez B" ` @ A#EL" de Hspero. Em Plauto (Amphitruo), Nocturnus o deus da noite; mas B"   A#DK" nos Enfatries de Cames Mercrio quem manda sobre a extenso da B"    A#IP" noite; Quando as infidas gentes ...: quando as gentes infiis. Lcido B"  @ A#"" e infidas so latinismos. B" A# " B" A# " B" A# " 2.2-4 B" A#LS" O mortfero engano, ...: mortfero latinismo; ... salsa via: salsa B"   A#" latinismo (salgada). B" A# " B" A# " 4.1-4 B" A#HO" E se buscando vs mercadoria: vs, forma antiga; o aurfero Levante B" <  A#EL" e ... droga salutfera ...; aurfero e salutfero so latinismos. B"    A# " B" A# " 6.3-6 B" A#AH" O mensageiro astuto ...: manhoso: O Mouro como era astuto, & B"   h A#>E" sabia que o Governador no se podia deter ali muito, foi-lhe B"    A#DK" dilatando o tempo de recado em recado ... (Couto, V.VII-VI); ... B"  @ A#(/" cauta fantasia: cauta um latinismo. B"   A# " B" A# " 7.3-6 B" A#AH" Por que pudessem ser aventurados e por que notem dos Mouros B" ` d A# '" enganosos:por que , para que. B"  A# " B" A#  " 8.3 B" A#GN" Tenha firme, segura, ... segura um latinismo: isenta de cuidados. B"   A# " B" A# " 10.1-3 B" A#LS" Mas aquele que sempre a mocidade / Tem no rosto perptua, e foi nascido / B"` <  A#DK" De duas mes, ...: Baco foi sempre representado pelos artistas em B"    A#CJ" figura de jovem. Quanto a 10.3, v. o nosso comentrio a I.73.1-2. B"   h A# " B" A# " 11.1-8 B" A#AH" Ali tinha em retrato afigurada: Castanheda, I.IX: Tab? estes B"    A#BI" nossos foro levados a casa de dous mercadores Indios, parece q} B"   h A#BI" Christos de Sam Thome: q} sabendo q} os nossos ero Christos B"   h A# " B" A#")" 80 B" l A# " B" A#8?" ----------------------- Page 128-----------------------B"  A# " B" A##*" OS LUSADAS B"`  D A#@G" mostraro coeles muyto prazer, & os abraavo, & convidaro: & B"   A#BI" mostrarlhe pintada em hua carta a figura do Spirito Sancto a q} B"    A#EL" adoravo. E perteles fizer sua adorao em giolhos c geito dom?s B"    A#GN" muyto devotos; s das lnguas ... / De fogo ...: os doze Apstolos B"<   A#$+" receberam delas o dom das lnguas. B"  D A# " B" A#  " 12.6 B" A#HO" Na Pancaia odorfera ...: Pancaia, ilha fabulosa ou, segundo outros, B"  @ A#EL" parte da Arbia Feliz. Diz Virglio, G, II.139: Totaque thuriferis B"    A#BI" Panchaia pinguis arenis. Isaque Vossius, nas suas Observaes a B" `  A#CJ" Pompnio Mela (ed. de 1748), diz, porm, o seguinte: Erat quidem B"   A#DK" Panchaia Arabiae Troglodyticae pars, verum non in ea Troglodyticae B"@   A#AH" parte, qua est Heliopolis, verum ista, quae ostio sinus Arabaci B"    A#BI" adjacet. Errare enim eos qui Panchaiam Arabiae Felicis portionem B"   h A#CJ" faciunt ... (p. 855.) Para Estrabo a terra de Pancaia era uma B"    A#" inveno de Euhemerus. B"< A# " B" A#  " 12.7 B" A#CJ" O Tioneu ...: Baco, filho de Tione (ou Smele), me de Dioniso. B"   D A# " B" A# " 13.3-5 B" A#HO" ... no vendo que enganados (a rimar com agasalhados e espalhados): B" <  A#AH" a edioprinceps tem enganado. JMR, para quem o texto do poema B"   A#@G" estava sempre certo, explica que, exigindo a rima a leitura de B"    A#EL" enganados, o que para isso falta vai-se buscar ao comeo do verso B"   D A#FM" seguinte (v. LP, vol. II, 1930-31, p. 178); Mas, assi como os raios B"   A#EL" espalhados / Do Sol foram no mundo ...: construoposterius prius: B"    A#FM" primeiro nasce o Sol, depois a Aurora (v. JMR, LP, vol. II, 1930-31, B"   A# " p. 127, nota). B" A# " B" A# " 13.7-8 B" A#DK" Apareceu no rbido Horizonte: rbido (vermelho) latinismo; Na B"  d A#GN" moa de Tito a roxa fronte: Tito (Tithonus), filho de Laomedonte e B"   A#,3" marido da Aurora. Virglio, E, IV.584-585: B"  A# " B" A#6=" Et iam prima nouo spargebat lumine terras B" ` A#4;" Tithoni croceum linquens Aurora cubile. B" ` A# " B" A#!(" 81 B" l A# " B" A#8?" ----------------------- Page 129-----------------------B"  A# " B" A##*" OS LUSADAS B"`  D A#5<" (J a Aurora deixando o leito dourado de B"<  A#6=" Tito comeava a banhar a Terra com a sua B"  A#" luz nova.) B" A# " B" A#=D" J FS notou que Cames disse com as palavras de Petrarca em B"  l A#JQ" Triunfos, cap. I: E la fanciulla de Titone, &c; Na moa ..., por Da B"<   A#)0" moa ....; roxa fronte: rubra fonte. B"  A# " B" A#  " 14.8 B" A#EL" Dentro no salso rio entrar queria.: Dentro no, por dentro do, era B" `  A#DK" frequente no sculo XVI (v. AFGV, NC, 3. fasc., p. 14); no salso B"   h A# " rio latinismo. B" A# " B" A#  " 17.7 B" A#-4" E que incautos ...: incautos latinismo. B"  A# " B" A#  " 18.1 B" A#GN" As ncoras tenaces vo levando: tenaces (que resistem) latinismo. B"<  < A#BI" Castanheda, I.IX.: E no quer?do nosso senhor q} os nossos ali B"    A#?F" acabassem como os mouros tinho ordenado desviuou ho per esta B"`   D A#DK" maneira, q} levada a capitaina nuca quis fazer cabea pera entrar B"   A#EL" d?tro & ya sobre hu baixo q} tinha por popa. O que visto per Vasco B"   h A#=D" da Gama por no se perder, mandou surgir muy depressa. Vo B"   A#?F" levando , aqui, o acto de ir arrancando as ncoras do fundo. B" `  A# " B" A# " 18.3-4 B" A#LS" Da proa as velas ss ao vento dando: dar velas expresso latina: velas B"`  ` A#+2" dare; ... barra abalizada: com balizas. B"  A# " B" A#  " 18.5 B" A#CJ" Mas a linda Ericina, que guardando: no poema Ericina quem vai B"  d A#JQ" salvar as naus. Ericina, outro nome de Afrodite (Vnus). rix o heri B"` < ` A#CJ" que deu o seu nome montanha siciliana clebre pelo santurio de B"   A#AH" Afrodite, que o coroava. Horcio, O, I.II.33: Erycina ridens. B"`   D A# " B" A# " 19.1-2 B" A#EL" Convoca as alvas filhas de Nereu: Nereu, o Velho do Mar, filho de B"   A#GN" Pontos e de Gaia. Teve por mulher Dris, outra filha do Oceano, e com B"   A#LS" ela gerou as Nereidas; ... cerlea companhia: latinismo: crulo, azul. B"   A# " B" A#!(" 82 B" l A# " B" A#8?" ----------------------- Page 130-----------------------B"  A# " B" A##*" OS LUSADAS B"`  D A# " 19.3-4 B" A#<C" ... porque no salgado mar nasceu, / Das guas o poder lhe B"   A#HO" obedecia: ora fazem de Afrodite (Vnus) a filha de Zeus e de Dione e B"<   A#EL" ora de rano, cujos rgos genitais, cortados por Cronos, caram no B"   A#?F" mar e geraram a deusa, a Mulher-nascida-das-Ondas. Assim se B"`   D A#BI" explica o poder de Vnus sobre as Nereidas. Outra tradio f-la B"` `  A#!" nascer da espuma do mar. B" A# " B" A#  " 19.7 B" A#CJ" Para estorvar que a armada no chegasse: sintaxe hoje desusada. B"   h A# " B" A#  " 20.2 B" A#CJ" ... as argnteas caudas ...: argnteas (prateadas) latinismo. B"`    A# " B" A#  " 20.3 B" A#BI" Cloto co peito corta e atravessa: lapso de Cames. Cloto no B"<    A#AH" nenhuma Nereida, mas sim uma das Parcas. Cloto estar por Doto. B"   A#BI" Virglio, E, IX.102-103: Qualis Nereia Doto / et Galatea secant B"` `  A##" spumantem pectore pontum. B" A# " B" A#  " 20.5 B" A#GN" Salta Nise, Nerine se arremessa. Numa lista de setenta e sete nomes B"   A#@G" no aparecem Nise e Nerine. Teriam sido inventados pelo Poeta. B"   A# " B" A#  " 20.8 B" A#GN" De temor das Nereidas apressadas: As Nereidas, dizia-se, viviam no B"   A#DK" fundo do mar, no palcio de seu pai (Nereu), sentadas em tronos de B"   h A#?F" oiro. Eram todas de uma grande beleza. Ocupavam o seu tempo a B"<    A#EL" fiar, a tecer e a cantar. Os poetas imaginam-nas tambm divertindo- B"    A#HO" se nas vagas, deixando flutuar a cabeleira, nadando por aqui e por ali B"   A#*1" entre os trites e os delfins (Grimal). B"  A# " B" A# " 21.1-2 B" A#>E" Nos ombros de um Trito, com gesto aceso: o nome de Trito B" <  A#BI" aplica-se muitas vezes a um conjunto de seres que fazem parte do B"   D A#CJ" cortejo de Posdon. A parte superior do corpo como a de um homem, B"   h A#>E" mas a inferior em forma de peixe. As Nereidas tambm possuem B"    A#IP" argnteas caudas (II.20.2); com gesto aceso pertence para Dione; Vai B"    A#BI" a linda Dione furiosa: como diz Textor, Epithetorum opus: Hanc B"   A#AH" poetae faciunt Oceani & Thetios filiam matremque Veneris, & pro B"< `  A# " B" A#!(" 83 B" l A# " B" A#8?" ----------------------- Page 131-----------------------B"  A# " B" A##*" OS LUSADAS B"`  D A#?F" ipsa Venere accipiunt. Na Officina, CCXXXIII, 1, diz: Dione B"   A#?F" Oceani & Tethyos filia, Veneris mater. Cames toma Dione por B"<   h A# " Vnus. B" A# " B" A#  " 23.1 B" A#DK" Quais para a cova asprvidas formigas: prvidas (providentes) B"  @ A# " latinismo. B"  A# " B" A# " 24.3-5 B" A#HO" Mareiam velas; ...: manobram as velas; ...ferve a gente irada: no B"   A#<C" sentido de trabalhar com af latinismo: Omnia ... vento B"  A#<C" nimbisque videbis / fervere (Virglio, G, I.454); fervet B"  A#BI" immensusque ruit profundo / Pindarus ore (Horcio, O, IV.II.7); B"   h A#(/" O mestre astuto ...: o mestre hbil. B"`  A# " B" A# " 25-1-4 B" A#DK" A celeuma medonha se alevanta: celeuma, do grego ???e?sa, todos B"  @ A#DK" ao mesmo tempo, gritaria simultnea; No rudo marinheiro ...: No, B"`   A#5<" por Do; ... hrrida batalha: hrrido latinismo. B"    A# " B" A#  " 26.2 B" A#07" ... batis veloces ...: veloces latinismo. B"  A# " B" A# " 27.1-2 B" A#@G" Assi como em selvtica alagoa / As rs ...: a metamorfose da B"< <  A#BI" Lcia gente (27.2) em rs belamente contada por Ovdio em M, B"   A#?F" VI.339-381. Assim como as rs saltam de todos os lados para o B"  H A#)0" charco, que soa, assim fogem os Mouros. B"   A# " B" A# " 28.3-5 B" A#NU" ... engano ... noto, / ... gua amara. / ... penedo imoto: so latinismos. B" ` ` A#/6" Respectivamente: conhecido amarga imvel. B" d A# " B" A#  " 29.1 B" A#CJ" Vendo o Gama, atentado, a estranheza: Barros, I.IV.V: Tanto q} B"   h A#@G" os Mouros q} estavo per os outros navios viro esta revolta, B" `  D A#FM" parec?dolhe que a traio q} elles levavo no peito era descoberta, B"    A#=D" todos hus por cima dos outros lanaranse aos barcos. Os que B"  A#?F" estavo em o navio de Vasco da Gama, vendo o q} estes fazio B"   A#CJ" fizero outro tanto: at o piloto de Moambique que se lanou dos B"    A# " B" A#")" 84 B" l A# " B" A#8?" ----------------------- Page 132-----------------------B"  A# " B" A##*" OS LUSADAS B"`  D A#DK" castellos de popa ao mar, tamanho foi o temor em todos; atentado: B"   A# " atento. B"  A# " B" A# " 30-5-6 B" A#HO" ... do mal aparelhado / Livrar-se sem perigo, sbiamente: sbiamente B"`  ` A#"" pertence para aparelhado. B" A# " B" A# " 31.5-6 B" A#AH" Mas pois saber humano nem prudncia: dir-se-ia hoje: pois nem B"   D A#=D" saber humano ... ; Enganos to fingidos ...; traies to B"   A# " encobertas. B"  A# " B" A#  " 32.2 B" A#DK" Desta msera genteperegrina : latinismo: gente estrangeira que B"  @ A##" anda por mares longnquos. B" A# " B" A#  " 32.5 B" A#AH" J penetra as Estrelas luminosas: Estrelas est por Planetas. B"<   h A# " B" A# " 33.5-7 B" A#JQ" J na terceira Esfera recebida / Avante passa ...: a terceira Esfera B"   A#GN" a da prpria Vnus; ... e l no sexto cu: cu est por esfera: a B"    A#&-" esfera de Jpiter, o pai dos deuses. B"   A# " B" A# " 34.1-8 B" A#>E" ... afrontada do caminho: ofegante; E tudo quanto a via, B"   A#FM" namorava: a namorava; E tornava do fogo a Esfera, fria: e tornava B"  d A#@G" fria a Esfera do fogo. Segundo o sistema de Ptolemeu, o ar era B"   A#-4" envolvido pelo fogo, pela Esfera do fogo. B"  A# " B" A# " 35.3-4 B" A#@G" Se lh apresenta assi como ao Troiano / Na selva Ideia, j se B"   A#DK" apresentara: trata-se do juzo de Pris (Troiano), pronunciado no B"   A#FM" monte Ida, no longe de Tria, sobre qual das trs deusas, Afrodite, B"<   A#FM" Hera ou Palas Ateneia (que se lhe apresentaram despidas), era a mais B"    A#DK" bela. Mas o juzo no consistia propriamente em decidir qual delas B"   A#FM" era a mais bela, mas qual dos presentes que as deusas lhe ofereceram B"    A#EL" era o mais vantajoso. Ganhou Afrodite (Vnus), por ter dito a Pris B"   A#>E" que a mais bela mulher do Mundo lhe pertenceria. A mais bela B"   A# " B" A#!(" 85 B" l A# " B" A#8?" ----------------------- Page 133-----------------------B"  A# " B" A#$+" OS LUSADAS B"  D A#;B" mulher do Mundo era Helena, filha de Zeus e de Leda. Este B"  A#,3" julgamento foi a causa da guerra de Tria. B" d A# " B" A# " 35.5-8 B" A#GN" Se a vira o caador ...: por ter visto rtemis contra vontade dela B"   A#FM" quando se banhava, nua, numa fonte, Acton, caador, foi pela deusa B"    A#EL" transformado em veado. Em seguida excitou contra ele a sua matilha B"    A#$+" de cinquenta ces, que o devorou. B"  D A# " B" A# " 36.3-5 B" A#LS" ... lcteas tetas ...: latinismo; Da alvapetrina flamas lhe saam: B"   A#HO" petrina prpriamente a cintura, ou cinto com fivelas, de coiro, que B"  < A#?F" se cingia por cima da roupa (Morais). Mas como Vnus ia como B"   A#CJ" aparecera diante de Pris no monte Ida, apetrina a cintura da B" `   A#CJ" mulher, ou o lugar onde se aperta apetrina. (v. AP, EC, p. 259 e B"   D A# " nota). B" A# " B" A#  " 37.4 B" A#HO" O vu, dos roxos lrios pouco avaro: as partes que a cobrir Natura B"  @ A#18" ensina (VII.37.4). V. AP, EC, pp. 254 e segs. B"  A# " B" A#  " 37.8 B" A#CJ" Cimes em Vulcano, amor em Marte: Vulcano era o marido: quanto B"   A#,3" a Marte, v. o nosso comentrio em I.36.1. B"  A# " B" A#  " 38.8 B" A#>E" Vnus vai interceder pelos Portugueses como intercedeu por B"   A#FM" Eneias (v. E, I.229-296); Mais mimosa que triste ...: com a mgoa B"    A#" de pessoa amimada. B" A##*" Ort.: sembrante (por semblante). B"   A# " B" A# " 39.3-8 B" A#AH" ... afbil e amoroso: afbil latinismo; Posto que a algum B"`    A#EL" contrairo lhe pesasse: o lhe pleonstico; Sem que to merecesse B"   A#JQ" nem te errasse: nem te ofendesse; Assentarei, enfim, que fui mofina: B"` < ` A# " mofina, infeliz. B"d A##*" Ort.: contrairo (por contrrio). B"   A# " B" A# " 40.1-5 B" A#9@" Este povo ... / Por ele a ti rogando ...: anacoluto. B"  A# " B" A##*" 86 B"  A# " B" A#8?" ----------------------- Page 134-----------------------B"  A# " B" A#$+" OS LUSADAS B"  D A# " 41.1-2 B" A#DK" Mas moura enfim ...: forma do conjuntivo do v. morrer; Que pois B"   h A#HO" eu fui ...: aposiopese ou reticncia: deve subentender-se infeliz (ou B" @  A# " mofina). B" D A# " B" A# " 41.5-8 B" A#FM" ... como se entre os dentes / Lhe impedira a fala piedosa: o verso B"   A#JQ" Lhe impedira ... s no fica defeituoso se se puder evitar a eliso do B"   A#CJ" lhe e ler lhe-impedira, o que difcil. Por isso desde MC se vem B"   A#GN" corrigindo o verso e lendo: Se lhe impedira. JMR, confessando que o B" <  A#EL" segundo verso defeituoso gramatical e metricamente, afirma que os B"   A#@G" dois inconvenientes desaparecem se aproveitarmos o s final da B"   A#EL" palavra dentes do verso anterior para dele fazermos a conjuno Se B"<   A#CJ" (BCL, 13, p. 699); Lhe impedira (=impedisse) est por a impedira: B"  @ A#DK" como se detida entre os dentes a fala piedosa a emudecesse; Torna B"< <  A#@G" a segui-la ...: volta a falar; o gro Tonante: v. I.20.7-8. B"`   h A# " B" A#  " 42.2 B" A#AH" Que moveram de um tigre ...: latinismo em mover, por comover, B"`   D A#" abalar: que moveriam. B" A# " B" A# " 42.5-6 B" A#>E" As lgrimas lhe alimpa ...: situao semelhante na Eneida: B"    A# " B" A#FM" Olli subridens hominum sator atque deorum B"   A#BI" voltu, quo caelum tempestatesque serenat, B"   D A#BI" oscula libavit natae, debinc talia futur. B"   A#8?" Parce metu, Cytherea, ... B"  A# " B" A#07" (I.254-257) B" d A# " B" A# " 45.1-2 B" A#HO" Que, se ofacundo Ulisses escapou: sobre ofacundo Ulisses, v. nosso B"   A#@G" comentrio a I.3.1; De ser na Oggia Ilha eterno escravo: na B"   A#FM" Odisseia, VII.241-264, em dilogo de Ulisses com Arete, aquele conta B"   A#HO" o que passou durante sete anos, no antro de Calipso (na ilha Oggia) e B"   A#BI" de que pde libertar-se por ordem de Zeus. Na Odisseia o dilogo B"    A#GN" entre Calipso e Ulisses termina por este verso: E eles voltaram para B"<   A#@G" dentro para ficar nos braos um do outro a amar-se. Que diria B"   A#'." Penlope a este desespero de Ulisses? B"  D A# " B" A##*" 87 B"  A# " B" A#8?" ----------------------- Page 135-----------------------B"  A# " B" A#$+" OS LUSADAS B"  D A#  " 45.3 B" A#HO" E se Antenor os seios penetrou / Ilricos ...: imitao de Virglio, B"   A# " E, I.242-246: B" A# " B" A#=D" Antenor potuit mediis elapsus Achivis B"  A#DK" Illyricos penetrare sinus atque intima tutus B"   A#CJ" regna Liburnorum et fontem superare Timavi, B"    A#CJ" unde per ora novem vasto cum murmure montis B" <  A#HO" it mare proruptum et pelago premit arva sonanti. B"   A# " B" A#,3" A seguir a estes versos vem este (v. 247): B"  A# " B" A#EL" Hic tamen ille urbem Patavi sedesque locavit. B" <  A# " B" A#9@" Pdua teria sido a primeira fundao troiana em Itlia. B"  A# " B" A#  " 45.6 B" A#EL" De Cila e de Carbdis o mar bravo: por conselho de Heleno, Eneias B" <  A#CJ" arranjou modo de evitar os perigos de Cila e de Carbdis (v. En., B"   D A#$" III.419-432 e III.685-686). B" A# " B" A# " 46.3-6 B" A#JQ" Os Turcos belacssimos ... /... / Os Reis da ndia, livres e seguros, / B" `  A#3:" Vereis ao Reipotente sojugados: so latinismos. B"  A# " B" A# " 47.1-6 B" A#JQ" Vereis este que ... / Por tantos medos ... / Tremer dele Neptuno, ...: B"   A#?F" anacoluto. Medos, perigos; Que trema e ferva o mar, ...: v. B"   D A#?F" Castanheda, VI.LXXI, e Barros, III.IX.I: na segunda viagem do B"   h A#DK" Gama ndia, j perto da costa desta, os mareantes sentiram o mar B"   A#:A" tremer muyto rijo & por b espao e alvoroaram-se por B"  A#<C" desconhecerem que se tratava de um maremoto. Vasco da Gama B"  A#KR" acudiu: Amigos, prazer & alegria, o mar treme de ns, no ajes medo, B"  @ A#BI" que isto he tremor de terra. O caso saldou-se com a perda de um B"   A#=D" homem que se atirou ao mar e com a restaurao da sade dos B"   A#@G" doentes com febre (Barros). Para Castanheda este tremor do mar B"   A#GN" deu-se aos seis dias de Setembro de 1524, ao quarto da alva, e para B"<  d A#CJ" Barros, hua quarta feira vspora de nossa Senhora de Setembro s B"    A#%," oito horas da noite, do mesmo ano. B"`   A# " B" A##*" 88 B"  A# " B" A#8?" ----------------------- Page 136-----------------------B"  A# " B" A##*" OS LUSADAS B"`  D A# " 48.1-6 B" A#BI" Vereis a terra que a gua lhe tolhia: Moambique; O mortfero B"   h A##" engano, ...: latinismo. B" A# " B" A#  " 49.3 B" A#;B" Vereis de Ormuz o Reino poderoso: Ormuz foi assaltada a B"`    A#CJ" primeira vez por Afonso de Albuquerque em 1507; este a voltou em B"   h A#3:" 1515, estabelecendo-se ento o domnio portugus. B"  A# " B" A# " 49.5-8 B" A#>E" Ali vereis o Mouro furioso: Castanheda, II.LXII: E anddo B" <  A#EL" nestes ctratos ao terceyro dia despois da batalha quis nosso seor B"    A#CJ" manifestar ho milagre que fizera nele por parte dos nossos. E foy B"   A#;B" que comearo daparecer sobre a agoa do mar muytos corpos B"  A#BI" mortos de mouros, pregados de muytas frechas, ho que foy dito ao B"    A#FM" capito mr, q} esptado daquilo, mdou tomar algus dqeles corpos: B"  @ A#AH" & vio q} verdadeyram?te ero de mouros, & as frechas taes como B"   A#CJ" aquelas com que os mouros tiravo na batalha. E chordo de prazer B"   h A#GN" disse a todos q} ali conhecerio o milagre q} nosso sor fizera por B"   A#AH" eles, que as mesmas frechas que os mouros lhes tiravo tornavo B"   D A#"" sobreles & os matavo... B" A# " B" A#  " 50.1 B" A#GN" Vereis a inexpugnbil Dio forte: o primeiro cerco de Dio teve lugar B"   A#EL" em 1538 e terminou pela resistncia herica de Antnio da Silveira; B"<   A#EL" o segundo foi em 1546 e terminou pela vitria de D. Joo de Castro. B"<  @ A#BI" A praa era comandada por D. Joo de Mascarenhas. Inexpugnbil B"   A# " latinismo. B"  A# " B" A#  " 51.1 B" A#?F" Goa vereis aos Mouros ser tomada: Goa foi tomada por Afonso B"   A#@G" de Albuquerque em Fevereiro de 1510 e pouco depois abandonada, B"    A#;B" sendo retomada definitivamente em 25 de Novembro de 1510. B" `  A# " B" A# " 52.1-5 B" A#FM" Vereis a fortaleza sustentar-se / De Cananor ...: Em 1507 o rei de B"  < A#AH" Cananor ps cerco fortaleza que os Portugueses tinham naquela B"    A#DK" cidade. A fortaleza s foi libertada com a chegada em 27 de Agosto B"   h A#8?" de 1507 de uma armada de Tristo da Cunha. Comandava a B"`  A#DK" fortaleza ao tempo Loureno de Brito; E vereis Calecu desbaratar- B"    A# " B" A#!(" 89 B" l A# " B" A#8?" ----------------------- Page 137-----------------------B"  A# " B" A##*" OS LUSADAS B"`  D A#<C" se: Calecute foi destruda em 1509 pelo marechal Fernando B"   D A#;B" Coutinho e por Afonso de Albuquerque; E vereis em Cochim B"`   A#@G" assinalar-se: refere-se herica defesa de Cochim por Duarte B"   A#?F" Pacheco Pereira contra os exrcitos do Samorim de Calecute. O B" <   A#HO" Poeta consagra a esta srie de batalhas as est. 13-19 do Canto X; ... B"   A#3:" peito soberbo e insolente: insolente, orgulhoso. B"  A# " B" A#  " 53.1 B" A#CJ" Nunca com Marte instruto e furioso: o Poeta teve sob os olhos o B"    A#DK" texto latino de En., VIII.675-688. H expresses idnticas: Actia B"   A#FM" bella, instructo Marte, fervere Leucaten. Fala-se nestes versos B"   A#CJ" do promontrio de Leucate, junto da costa da Acarnnia, no longe B"   h A#@G" do promontrio de Actium, entrada do golfo de Ambrcia, onde B"   A#>E" Antnio, acompanhado de Clepatra, foi derrotado por Octvio B"<    A#%" (Csar Augusto), em 31 a. C. B" A# " B" A# " 53.6-8 B" A#AH" ... do famoso / Nilo e do Bactra Ctico e robusto: tambm iam B"    A#EL" povos do Bactra Ctico. Os Bctrios so os povos da Bactriana, pas B" ` @ A#EL" da sia Central. O pas bctrio-grego foi destrudo por uma invaso B"<  @ A#GN" cita no princpio do primeiro sculo antes da nossa era; ... e presa B"   A#AH" rica, / Preso da Egpcia linda e no pudica: jogo de palavras. B"`   h A#GN" Antnio traziapresa rica, mas vinhapreso da clebre Clepatra VIII, B"  @ A#!" que morreu aps Antnio. B" A# " B" A# " 54.3-5 B" A#AH" Levando o Idololatra e o Mouro preso: aqui o Poeta conserva a B"    A#HO" forma latina e a grega. Na maioria dos casos h haplologia: idlatra, B"   A#JQ" em vez de idollatra; E, sujeita a rica urea Quersoneso: pennsula de B"   A# " Malaca. B"  A# '" Ort.: longico (por longnquo). B"   A# " B" A# " 55.1-6 B" A#>E" De modo, filha minha, que de jeito: deste modo, assim; Do B"   A#=D" Gangtico mar ao Gaditano: do ndico (Ganges) ao Atlntico B"   h A#AH" (Cdis); Que mostrou o agravado Lusitano; Ferno de Magalhes B"<   h A#@G" e o estreito que tem o seu nome. Agravado tambm em X.138.7. B"   D A# " B" A#")" 90 B" l A# " B" A#8?" ----------------------- Page 138-----------------------B"  A# " B" A##*" OS LUSADAS B"`  D A# " 56.1-2 B" A#DK" Como isto disse, manda o consagrado / Filho de Maia Terra ...: B"    A#!(" como em Virglio, E, I.297-299: B"   A# " B" A#BI" Haec ait et Maia genitum demittit ab alto, B"   D A#GN" ut terrae utque novae pateant Karthaginis arces B"`   A# " B" A#  " 56.3 B" A#18" ...pacfico porto ...: pacfico latinismo. B"  A# " B" A#  " 57.1 B" A#GN" J pelo ar o Cileneu voava: Cileneu Mercrio ou Hermes. O nome de B"   h A#BI" Cileneu vem-lhe de ter nascido numa caverna, no monte Cilene, ao B" ` d A#GN" sul da Arcdia. Os atributos de Mercrio (ou Hermes) so o caduceu, o B"    A#EL" chapu de abas largas, as sandlias aladas e uma bolsa, smbolo dos B"    A#GN" lucros que o comrcio confere; Com esta, as tristes almas revocava: B"   A#LS" revocar (chamar) latinismo;galero (do l.galerus), o chapu de Mercrio. B"   <  h A# " B" A#  " 58.6 B" A#EL" Co rumor famosssimo eperclaro : perclaro (preclaro) latinismo. B"  ` A# " B" A#  " 59.8 B" A#4;" Se l dos Cus no vem celeste aviso: pleonasmo. B"<  A# " B" A# " 60.1-2 B" A#AH" Meio caminho a noite tinha andado. / E as Estrelas no Cu co a B"   D A#>E" luz alheia. Era corrente no tempo de Cames supor-se que as B"  l A#.5" estrelas brilhavam com luz alheia, a do Sol. B"  A# " B" A#  " 60.8 B" A#EL" A outra gente a quartos vigiava: cada quarto de vigia durava oito B"` `  A#DK" relgios ou ampulhetas de meia hora. O primeiro quarto de vigia da B"    A#JQ" noite era o quarto de prima; o segundo, o de modorra, e o terceiro, o de B"   A#" alva (LPS, AL, p. 87). B"< A# " B" A# " 61.2-5 B" A#FM" ...fuge, fuge, Lusitano: forma antiga e ainda hoje empregada pelo B"   A#DK" povo; Fuge, que o vento e o Cu te favorece: sujeito do plural a B"   D A#$+" concordar com o verbo no singular. B"`  h A# " B" A#")" 91 B" l A# " B" A#8?" ----------------------- Page 139-----------------------B"  A# " B" A##*" OS LUSADAS B"`  D A# " 62.2-5 B" A#;B" O hospcio que o cru Diomedes dava; trata-se de uma das B"    A#HO" faanhas de Hrcules. Diomedes, rei da Trcia, tinha por costume fazer B" ` ` A#=D" devorar pelos seus cavalos os hspedes que recebia. Uma das B"  A#GN" tradies quer que Hracles tenha entregue Diomedes aos seus prprios B"   A#GN" cavalos, que o devoraram; As aras de Busris infamado: Busris, rei B"   A#EL" do Egipto, sacrificava os estrangeiros no altar de seu pai e acabou B"   A#18" por ser morto pelo prprio Hracles (Hrcules). B"  A# " B" A# " 63.1-4 B" A#GN" Vai-te ao longo da costa discorrendo: refere-se a Melinde, que fica B"   A#EL" junto do Equador, apenas a trs graus de latitude sul, e, portanto, B"   A#29" durante todo o ano so os dias iguais s noites. B" < A# " B" A#  " 64.6 B" A#HO" ... na terra inica tanto: um latinismo. Na edioprinceps o nico B" @ ` A#AH" exemplo de inqua, em dez exemplos, pelo menos. natural que a B" <  A#?F" pronncia no correspondesse ortografia erudita, mas que se B"  l A#DK" dissesse inico, como em outros muito lugares (v. Prefcio, III). B"< `  A# " B" A#  " 65.7 B" A#DK" levam gritando as ncoras ...: levar, erguer, suster (cf. 18.1). B"    A# " B" A#  " 66.3 B" A#BI" Mansamente as amarras lhe cortavam: Castanheda, I.IX: E nesta B"   D A#BI" mesma noyte mea noyte sentiro os que vigiavo no navio Birrio B"<   A#@G" [Brrio] bolir ho cabre de hua ancora que estava surta, & logo B"   A#BI" cuydaro que ero toninhas, se no qudo atentando bem viro que B"   h A#BI" ero os imigos, que a nado estavo picando ho cabre c terados, B"   h A#EL" para que cortado desse o navio costa & se perdesse, ja q} doutra B"`   A#&" maneyra ho no podio tomar. B" A# " B" A#  " 67.2 B" A#HO" Iam as vias hmidas de argento: so latinismos; Assopra-lhe galerno B"<   A#&" o vento e brando: pleonasmo. B" A# " B" A# " 68.1-4 B" A#@G" Tinha ua volta dado o Sol ardente / E noutra comeava ...: o B"    A#BI" Poeta descreve desta maneira o dia solar; Ao longe dous navios, B"    A#:A" brandamente / Cos ventos navegando, que respiram: & em B"`  l A# " B" A#!(" 92 B" l A# " B" A#8?" ----------------------- Page 140-----------------------B"  A# " B" A##*" OS LUSADAS B"`  D A#AH" amanhec?do aparecero dous zambucos / ... / ajulavento da frota B"   D A#(/" tres legoas ao mar (Castanheda, I.X). B"  A# " B" A#  " 70.4 B" A#;B" Mas no lhe sucedeu como cuidava: verso igual a I.44.8. B" <   A# " B" A# " 71.1-8 B" A#:A" Louvam do Rei os Mouros a bondade: Todos ccorrio na B"  A#AH" bondade delrey de Melinde ... (Barros, I.IV.V); Magnificncia B"   A#<C" grande e humanidade: soube como adiante estava hua villa B"  A#EL" chamada Melinde, cujo Rey era homem humano ... (id., ibid.); Pera B" <  A#?F" onde o sonho e o Mouro lhe dizia: concordncia do sujeito do B" <   A#!(" plural com o verbo no singular. B"  h A# " B" A# " 72.1-4 B" A#@G" Era no tempo alegre, quando entrava / No roubador de Europa a B" `  D A#EL" luz Febeia: o dia da chegada a Melinde foi em 15 de Abril de 1498, B"   D A#@G" domingo de Pscoa. O Sol comeava a percorrer o signo do Touro B"`   D A#AH" (roubador de Europa) em 11 de Abril. Era no tempo alegre em que B"   A#HO" Flora, deusa das flores, derramava a sua cornucpia; Amalteia, a cabra B"`   A#>E" que alimentou Zeus quando criana e um dos cornos da qual se B"    A#&" tornou o corno da abundncia. B" A# " B" A# " 72.5-8 B" A#DK" A memria do dia renovava /... / Em que Aquele ... / O selo ps a B"    A#/6" quanto tinha feito:pr o selo, pr a marca. B"  A# " B" A#  " 73.6 B" A#29" A corpurprea ao longe aparecia: latinismo. B"` ` A# " B" A#  " 74.3 B" A#EL" Gente mais verdadeira e mais humana: mais civilizada, mais polida B"    A# " (latinismo). B" A# " B" A#  " 75.6 B" A#<C" Que ospeitos generosos ennobrece: nobre de sentimentos. B"`   A# " B" A# " 76.2-5 B" A#KR" ... no dobradas: no fingidas; ... langeros carneiros: latinismo. B"< `  A# " B" A#!(" 93 B" l A# " B" A#8?" ----------------------- Page 141-----------------------B"  A# " B" A##*" OS LUSADAS B"`  D A# " 78.1-7 B" A#HO" ... na prtica elegante: eloquente; Como na terra ...: logo que na B"   A#IP" terra ... ; Com estilo que Palas ...: Palas, epteto da deusa Atenas, B"   A#9@" conhecida, frequentemente, com o nome de Palas Ateneia. B"  A# " B" A#  " 80.6 B" A#9@" Imos buscando ...: forma antiga e popular, por vamos. B"  A# " B" A#  " 81.1 B" A#FM" ... h i de gente: forma arcaica, por a (no tempo de Cames junto B"   A#GN" do verbo haver); Mas inda o hospcio da deserta areia: v. Virglio, B"   A#*1" E, I.540: Hospitio prohibemur harenae. B"  A# " B" A# " 82.1-5 B" A#DK" Mas tu ... A teu porto seguros navegamos: anacoluto; Que teve o B"<  < A#EL" perdido taco em Alcino: o perdido taco Ulisses acolhido por B"   A#BI" Alcino, rei dos Fecios, que habitavam uma ilha que se pretendeu B"   h A#IP" identificar com Corcira (hoje Corfu) (v. Odisseia, VII). A filha do rei B"   A#EL" que acolheu Ulisses aps o naufrgio era Nausica (v. Odisseia, VI). B"   A# " B" A#  " 82.6 B" A#>E" Conduzidos do intrprete divino: o intrprete divino, ou B"    A#=D" mensageiro, que apareceu em sonhos ao Gama. Na En., IV.356, B" <   A#$+" Mercrio o interpres divum (ED). B"  A# " B" A#  " 85.2 B" A#9@" Louvavam muito o estmago da gente: o nimo, o valor. B"  A# " B" A# " 87.1-2 B" A#;B" De no sair em terra toda a gente / Por observar a usada B"  A#AH" preminncia: tem sido muito discutido o significado do segundo B"    A#EL" verso, a meu ver sem razo. Na est. 75, VV. 7 e 8, o Rei de Melinde B"    A#EL" mandara rogar que sassem / Pera que de seus reinos se servissem. B"    A#FM" O Capito, porm, para guardar o regimento, no quis sair; portanto, B"  @ A#6=" no saiu ningum para se respeitar a preeminncia. B"  A# " B" A#  " 88.1 B" A#IP" Porm, como a luz crstina chegada: crstino latinismo e significa o B"  ` A#4;" dia seguinte; como, assim que; almadia, v. I.92.1. B"  A# " B" A#!(" 94 B" l A# " B" A#8?" ----------------------- Page 142-----------------------B"  A# " B" A##*" OS LUSADAS B"`  D A#  " 89.2 B" A#HO" O filho de Latona ...: Apolo, filho deJpiter e de Latona (ou Leto). B"`   A# " B" A# " 90.5-8 B" A#EL" Mostra-se dos Ciclopas o exerccio: os Ciclopes eram ferreiros de B"   A#=D" Vulcano; Nas bombas que de fogo esto queimando: por Nas B"   A#DK" bombas de fogo que ...; Instrumentos altssonos latinismo (que B"`   A##" tm som alto, ressoantes). B" A# " B" A# " 92.1-4 B" A#?F" Mas j o Cu inquieto, revolvendo,: o cu vai volvendo sem B"< `  A#?F" descanso; desfazem-se por fim as trevas da noite, rompendo de B"  l A#AH" novo a luz da madrugada (LPS, AL); E j a me de Menon, a luz B"`   A#FM" trazendo: Mmnon, o filho de os (a Aurora) e de Titono. Foi criado B"    A#IP" pelas Hesprides e reinava sobre os Etipios; ... punha certo atalho: B"   A#29" punha atalho certo, que se repete todos os dias. B"  A# " B" A# " 93.1-3 B" A#BI" ... ferver as praias: estar em grande animao; Luzem de fina B"   A#FM" prpura as cabaias: vestidura de mangas compridas e aberta ao lado. B"   A# " B" A# " 94.1-8 B" A#?F" Um batel grande e largo, que toldado: Castanheda, I.XII: A B"  l A#EL" derradeira oytava de Pascoa, despois de comer foy el rey de Melinde B"    A#CJ" em hua almadia grde juto da nossa frota, & levava vestida hua B" `   A#DK" cabaya de damasco carmesim, forrada de ceti verde: & na cabea hua B"    A#BI" touca muyto rica. Vinha ass?tado ? hua cadeira despaldas ao modo B"<   A#=D" tigo, & era darame muyto bem lavrada & fermosa, & nela hua B"  A#DK" almofada de seda: & outra tal como essa juto coele: cobriase c hu B"   A#@G" sombreiro de p de ceti carmesim, & ya junto coele como paj?hu B"<    A#AH" hom? velho que lhe levava hu terado rico c a bainha de prata. B"   A#=D" Trazia muytos anafis, & duas bozinas de marfim de cprim?to B"   h A#@G" doyto palmos cada hua, & ero muyto lavradas: & tgise per hu B"  l A#AH" buraco q} tinho no meyo: & ccertavo c os anafis. Vinho c B" `  h A#?F" elrey obra de vite mouros fidalgos ataviados todos ricam?te. B" `   A# " B" A# " 95.1-8 B" A#LS" ... rico e dino: de grande valor; Da Tria cor...; Tiro, antiga cidade B"   A#GN" da Fencia, clebre pela sua indstria da prpura; Onde a matria da B"    A# " B" A#!(" 95 B" l A# " B" A#8?" ----------------------- Page 143-----------------------B"  A# " B" A##*" OS LUSADAS B"`  D A#BI" obra superada: semelhana com este verso de Ovdio: materiam B"   h A##" superabat opus (M, 11.5). B" A# " B" A#  " 96.6 B" A#>E" De spero som, horrssono ao ouvido: a edioprinceps tem B"   A#DK" horrisomo, que, segundo JMR, seria haplologia de horridissimo. Ns B"   A#DK" adoptmos a correco horrssono, por ser frequente em Cames esta B"   A# " forma. B" A# " B" A#  " 98.4 B" A#@G" Do metal que Fortuna ...: de ouro; Os golpes do gibo ...: B"   A#DK" vestidura que cobria o corpo at cintura, por baixo da roupa, ou B"   h A#=D" vestidura externa; Ao Itlico modo a urea espada: parece B"   A# '" significar segura a talabarte. B"   A# " Ort.:pruma (porpluma). B"` A# " B" A# " 99.2-3 B" A#AH" Da tinta que d o mrice excelente / A vria cor ...: molusco B"    A#CJ" gasterpode que d a prpura; da tinta pertence para a vria cor. B" `   A# " B" A# " 99.7-8 B" A#FM" Qual aparece o arco rutilante / Da bela ninfa filha de Taumante: a B"   A#DK" filha de Taumante (ou Taumas) ris. O Poeta designa o arco-ris. B"    A# " B" A# " 100.1-7 B"  A#DK" Sonorosas trombetas incitavam: v. comentrio a I.5.1; Os nimos B"   A#IP" alegres ressoando: ressoando pertence para sonorosas trombetas (vrias B" <  A#FM" edies transformam o resoando da edioprinceps em resonando); Os B"   A#CJ" toldos pelas guas arrojando: arrojando um dos muitos casos de B"   A#AH" acrescentamento prottico que se verificam em Cames; arrojando B" <  h A#IP" est por rojando; As bombardas horrssonas ...: v. nosso comentrio a B"   A#=D" II.96.6; Amidam-se os brados acendidos: os estrondos das B"<   A# " bombardas. B"  A# " B" A# " 101.1 B" A#DK" J no batel entrou do Capito: Castanheda, I.XII: E ?chegdo el B"   A#JQ" rey perto dele, disselhe q} lhe queria falar no seu batel pera o ver de B"   A#AH" mais perto: & logo se meteo no batel, & fezlhe tamanha cortesia B"   D A#CJ" como se fora rey como ele, & oulhava parele & pera os outros como B" `   A#" pera cousa estranha. B" A# " B" A#!(" 96 B" l A# " B" A#8?" ----------------------- Page 144-----------------------B"  A# " B" A##*" OS LUSADAS B"`  D A# " 102.8 B" A##*" ... tivesse guerra: por tivera. B"   A# " B" A# " 103.1-4 B"  A#@G" E como por toda frica se soa: so soados; Do Reino onde as B"    A#DK" Hespridas viveram: Hespridas, filhas da noite em Hesodo, que B"  @ A#AH" para l do ilustre oceano cuidam das belas mas de oiro e das B"    A#HO" rvores que tm tal fruto (Tb., vv. 215 a 218). Nesta est. evidente B"  @ A#>E" que o Poeta coloca as Hespridas em Marrocos. Na Elegia II o B"    A#BI" Poeta escreveu: Dali [do monte bila, em Ceuta] estou tenteando B"   h A#AH" aonde viu [Hrcules Tebano] / o pomar das Hespridas, matando / B" <  h A#FM" a serpe que a seu passo resistiu. Para Estrabo (Geografia, 7.3.6), B"< `  A#'." Hespridas e Grgonas eram invenes. B"   A# " B" A# " 105.1-4 B"  A#?F" Tu s, de todos quantos queima Apolo: todos os africanos do B"` <  A#JQ" costa oriental; ... dos ventos hrridos de Eolo: hrridos latinismo; B"`   A#LS" olo, rei dos ventos e das tempestades; Refgio ...fido ejocundo : fido B"   A#*1" (fiel) ejocundo (alegre) so latinismos. B"   A# " B" A# " 106.3-7 B"  A#AH" Vo as naus hua e hua rodeando: Castanheda, I.XII: E despois B"    A#EL" de acabar?de falar & cfirmar amizade antreles, dou el rey folgdo B"    A#BI" por antre a nossa frota, dde travo muytas bbardadas, q} ele B"   A#DK" folgava muyto douvir tirar; ... pera o Cu Vulcano fuzilando: a B" <  A#LS" artilharia; ... trombetas canoras ...: canoras (melodiosas) latinismo. B"   A# " B" A# " 107.2-3 B"  A#;B" Dogeneroso Mouro ...: magnnimo; Ouvindo o instrumento B"<    A#DK" inusitado: ouvindo os tiros das bombardas. Inusitado (desusado) B" `  A# " latinismo. B"  A# " B" A# " 108.6 B" A#EL" De toda a Hespria ltima, onde mora: Gaspar Barreiros, Chor., p. B"   h A#8?" 197: E porque tambm Hespanha foi chamada dos Graegos B" `   A#DK" Hesperia da mesma strella, lhe chamou Horatio Hesperia ultima, por B"    A#@G" diferena de Italia, que respecto dos Graegos primeira. B" `   A# " B" A# " 109.1-8 B"  A#?F" Prepara-se a conversa do Capito e do rei de Melinde, que tem B"`    A# " B" A#")" 97 B" l A# " B" A#8?" ----------------------- Page 145-----------------------B"  A# " B" A##*" OS LUSADAS B"`  D A#DK" pequena base histrica; Da terra tua o clima e regio: a palavra B"   h A#>E" clima tinha sentido diferente no sculo XVI. Assim Portugal B"   h A#CJ" estendia-se na Europa sobre o clima de Roma ao norte de Lisboa, e B"   h A#6=" ao sul sobre o clima de Rodes (v. LPS, AL, p. 100). B"<  A# " B" A# " 110.5 B" A#AH" Conta, que agora vm cos ureos freios: vem rompendo a manh. B"   D A# " B" A# " 111.1 B" A#<C" E no menos co tempo se parece: o desejo de ouvir o que B"`   A#<C" contares no menor que o tempo de que dispomos, pois vem B"   A#4;" rompendo a aurora (v. MR, comentrio est. 111). B" ` A# " B" A# " 112.1-8 B"  A#@G" Cometeram soberbos os Gigantes: os Gigantes, filhos da Terra B" < @ A#CJ" (Gaia), quiseram combater os deuses olmpicos, escalando o cu, e B"   A#CJ" foram derrotados; Tentou Perito e Teseu, de ignorantes: Teseu e B"   A#AH" Pirtoo tinham jurado darem-se mtuamente como esposa uma filha B" ` d A#DK" de Zeus. Nessa inteno Teseu acompanhou Pirtoo aos Infernos para B"   A#AH" raptarem Persfone (Prosrpina). Chegaram aos Infernos, mas no B"   A#CJ" puderam sair de l. Foram guardados como prisioneiros at vinda B"    A#CJ" de Hracles. Este conseguiu trazer Teseu luz do dia, mas quando B"    A#GN" tentou libertar Pirtoo a terra tremeu e Hracles, tendo compreendido B" `  A#CJ" que os deuses no queriam libertar o culpado, abandonou o intento B"   h A#GN" e Pirtoo ficou nos Infernos; O Reino de Pluto, horrendo e escuro: B"    A#HO" Pluto o deus dos Infernos; Tentou Pirito e Teseu ...; o verbo, no B"    A#EL" singular, concorda com um dos elementos do sujeito; ... a fria de B"   D A##" Nereu: a fria do Oceano. B" A# " B" A# " 113.1-4 B"  A#:A" Queimou o sagrado templo de Diana: o templo de rtemis B"  A#DK" (Diana), em feso, foi incendiado por um louco de origem cretense, B"  d A#AH" que supunha assim imortalizar o seu nome. Diz-se que o incndio B" `  D A#CJ" teve lugar na prpria noite em que nasceu Alexandre Magno (356 a. B"    A#?F" C.). O primeiro arquitecto foi Chersiphron (o Ctesifnio de B"  @ A#BI" Cames). O templo foi reconstrudo com maior grandeza (Estrabo, B"   A#HO" Geografia, 14, I, 22). Plnio, escrevendo muito mais tarde, descreve o B"   A#8?" templo e diz: opere praefuit Chersiphron architectus B"  A#@G" (XXXVI.XXI.95). Plnio diz ainda: Graecae magnificentiae vera B"   A#BI" admiratio exstat templum Ephesiae Dianae CXX annis factum a tota B"`   A#" Asia (XXXVI.XXI.95). B" A#!(" 98 B" l A# " B" A#8?" ----------------------- Page 146-----------------------B"  A# " B" A#$+" OS LUSADAS B"  D A# " B" A##*" III B"  A# " B" A#)0" 1 AGORA tu, Calope, me ensina B"  h A#/6" O que contou ao Rei o ilustre Gama; B" @ A#.5" Inspira imortal canto e voz divina B"  A#18" Neste peito mortal, que tanto te ama. B"  A#.5" Assi o claro inventor da Medicina, B"  A#07" De quem Orfeu pariste, o linda Dama, B"< < A#07" Nunca por Dafne, Clcie ou Leucotoe, B"  A#-4" Te negue o amor devido, como soe. B"  A# " B" A#18" 2 Pe tu, Ninfa, em efeito meu desejo, B"  A#)0" Como merece a gente Lusitana; B"  h A#07" Que veja e saiba o mundo que do Tejo B"  A#,3" O licor de Aganipe corre e mana. B"  A#18" Deixa as flores de Pindo, que j vejo B"  A#-4" Banhar-me Apolo na gua soberana; B"  A#-4" Seno direi que tens algum receio B"  A#18" Que se escurea o teu querido Orfeio. B"  A# " B" A#-4" 3 Prontos estavam todos escuitando B" d A#*1" O que o sublime Gama contaria, B"  A#7>" Quando, despois de um pouco estar cuidando, B"  A#,3" Alevantando o rosto, assi dizia: B"<  A#5<" Mandas-me, Rei, que conte declarando B"  A#-4" De minha gente a gro genealogia; B" d A#3:" No me mandas contar estranha histria, B"<  A#3:" Mas mandas-me louvar dos meus a glria. B"<  A# " B" A##*" 99 B"  A# " B" A#8?" ----------------------- Page 147-----------------------B"  A# " B" A#&-" OS LUSADAS B"  D A# " B" A#6=" 4 Que outrem possa louvar esforo alheio, B" < A#07" Cousa que se costuma e se deseja; B"  A#29" Mas louvar os meus prprios, arreceio B"  A#3:" Que louvor to suspeito mal me esteja; B" ` A#-4" E, pera dizer tudo, temo e creio B"`  A#18" Que qualquer longo tempo curto seja; B"  A#18" Mas, pois o mandas, tudo se te deve; B"  A#3:" Irei contra o que devo, e serei breve. B"  A# " B" A#7>" 5 Alm disso, o que a tudo enfim me obriga B"  A#.5" no poder mentir no que disser, B"  A#6=" Porque de feitos tais, por mais que diga, B"  A#07" Mais me h-de ficar inda por dizer. B"`  A#3:" Mas, porque nisto a ordem leve e siga, B"  A#,3" Segundo o que desejas de saber, B"`  A#.5" Primeiro tratarei da larga terra, B" @ A#07" Despois direi da sanguinosa guerra. B"  A# " B" A#3:" 6 Entre a Zona que o Cancro senhoreia, B"  A#.5" Meta Setentrional do Sol luzente, B" @ A#.5" E aquela que por fria se arreceia B" d A#/6" Tanto, como a do meio por ardente, B"  A#07" Jaz a soberba Europa, a quem rodeia, B"< < A#18" Pela parte do Arcturo e do Ocidente, B"` < A#,3" Com suas salsas ondas o Oceano, B" @ A#07" E, pela Austral, o Mar Mediterrano. B" d A# " B" A#18" 7 Da parte donde o dia vem nascendo, B"  A#,3" Com sia se avizinha; mas o rio B"  A#07" Que dos Montes Rifeios vai correndo B"  A#,3" Na alagoa Metis, curvo e frio, B"  A#5<" As divide, e o mar que, fero e horrendo, B"  A#-4" Viu dos Gregos o irado senhorio, B" @ A#+2" Onde agora de Tria triunfante B"` d A#3:" No v mais que a memria o navegante. B"  A# " B" A#&-" 100 B"  A# " B" A#8?" ----------------------- Page 148-----------------------B"  A# " B" A#'." OS LUSADAS B"  D A# " B" A#07" 8 L onde mais debaxo est do Plo, B"  A#+2" Os Montes Hiperbreos aparecem B"  A#.5" E aqueles onde sempre sopra Eolo, B"  A#07" E co nome dos sopros se ennobrecem. B"`  A#.5" Aqui to pouca fora tm de Apolo B"  A#07" Os raios que no mundo resplandecem, B"  A#29" Que a neve est contino pelos montes, B"  A#4;" Gelado o mar, geladas sempre as fontes. B"`  A# " B" A#/6" 9 Aqui dos Citas grande quantidade B"  A#18" Vivem, que antigamente grande guerra B"  A#18" Tiveram, sobre a humana antiguidade, B"  A#29" Cos que tinham anto a Egpcia terra; B" < A#07" Mas quem to fora estava da verdade B"  A#18" (J que o juzo humano tanto erra), B"  A#18" Pera que do mais certo se informara, B"  A#-4" Ao campo Damasceno o perguntara. B"  A# " B" A#,3" 10 Agora nestas partes se nomeia B" d A#-4" A Lpia fria, a inculta Noruega, B" d A#-4" Escandinvia Ilha, que se arreia B"  A#29" Das vitrias que Itlia no lhe nega. B"  A#07" Aqui, enquanto as guas no refreia B"  A#+2" O congelado Inverno, se navega B"  A#)0" Um brao do Sarmtico Oceano B" d A#07" Pelo Brs[s]io, Sucio e frio Dano. B"  A# " B" A#6=" 11 Entre este Mar e o Tnais vive estranha B" < A#/6" Gente, Rutenos, Moscos e Livnios, B"  A#07" Srmatas outro tempo; e na montanha B"  A#18" Hircnia os Marcomanos so Polnios. B"  A#,3" Sujeitos ao Imprio de Alemanha B"  A#,3" So Saxones, Bomios e Pannios B"<  A#4;" E outras vrias naes, que o Reno frio B" ` A#3:" Lava, e o Danbio, Amsis e lbis rio. B"  A# " B" A#(/" 101 B"  D A# " B" A#8?" ----------------------- Page 149-----------------------B"  A# " B" A#%," OS LUSADAS B"  D A# " B" A#5<" 12 Entre o remoto Istro e o claro Estreito B"  A#/6" Aonde Hele deixou, co nome, a vida, B" d A#.5" Esto os Traces de robusto peito, B"  A#.5" Do fero Marte ptria to querida, B"`  A#,3" Onde, co Hemo, o Rdope sujeito B"  A#)0" Ao Otomano est, que sometida B"  A#/6" Bizncio tem a seu servio indino: B" @ A#/6" Boa injria do grande Costantino! B"  A# " B" A#07" 13 Logo de Macednia esto as gentes, B" d A#,3" A quem lava do xio a gua fria; B"  A#.5" E vs tambm, terras excelentes B"  A#.5" Nos costumes, engenhos e ousadia, B"`  A#.5" Que criastes os peitos eloquentes B"  A#*1" E os juzos de alta fantasia, B"  A#7>" Com quem tu, clara Grcia, o Cu penetras, B" ` A#3:" E no menos por armas, que por letras. B" < A# " B" A#/6" 14 Logo os Dlmatas vivem; e no seio B" d A#,3" Onde Antenor j muros levantou, B" @ A#)0" A soberba Veneza est no meio B"  A#/6" Das guas, que to baxa comeou. B"  A#5<" Da terra um brao vem ao mar, que, cheio B" < A#07" De esforo, naes vrias sujeitou; B" d A#,3" Brao forte, de gente sublimada B" @ A#29" No menos nos engenhos que na espada. B"` ` A# " B" A#18" 15 Em torno o cerca o Reino Neptunino, B"  A#07" Cos muros naturais por outra parte; B" d A#*1" Pelo meio o divide o Apenino, B"   A#07" Que to ilustre fez o ptrio Marte; B"  A#4;" Mas, despois que o Porteiro tem divino, B"  A#3:" Perdendo o esforo veio e blica arte; B"  A#/6" Pobre est j de antiga potestade. B"  A#07" Tanto Deus se contenta de humildade! B"< < A# " B" A#%," 102 B"  A# " B" A#8?" ----------------------- Page 150-----------------------B"  A# " B" A#'." OS LUSADAS B"  D A# " B" A#-4" 16 Glia ali se ver, que nomeada B"  A#07" Cos Cesreos triunfos foi no mundo; B"< < A#-4" Que do Squana e Rdano regada B" @ A#+2" E do Garuna frio e Reno fundo. B"   A#/6" Logo os montes da Ninfa sepultada, B" d A#/6" Pirene, se alevantam, que, segundo B" ` A#18" Antiguidades contam, quando arderam, B"< ` A#4;" Rios de ouro e de prata anto correram. B"  A# " B" A#4;" 17 Eis aqui se descobre a nobre Espanha, B"`  A#,3" Como cabea ali de Europa toda, B"  A#/6" Em cujo senhorio e glria estranha B" @ A#18" Muitas voltas tem dado a fatal roda; B"  A#29" Mas nunca poder, com fora ou manha, B"  A#,3" A Fortuna inquieta pr-lhe noda B"  A#18" Que lha no tire o esforo e ousadia B"  A#18" Dos belicosos peitos que em si cria. B"` < A# " B" A#3:" 18 Com Tingitnia entesta; e ali parece B"  A#.5" Que quer fechar o Mar Mediterrano B" @ A#07" Onde o sabido Estreito se ennobrece B"`  A#+2" Co extremo trabalho do Tebano. B"  A#18" Com naes diferentes se engrandece, B"  A#-4" Cercadas com as ondas do Oceano; B" d A#-4" Todas de tal nobreza e tal valor B"<  A#3:" Que qualquer delas cuida que milhor. B"  A# " B" A#18" 19 Tem o Tarragons, que se fez claro B"  A#+2" Sujeitando Partnope inquieta; B"  A#/6" O Navarro, as Astrias, que reparo B"`  A#.5" J foram contra a gente Mahometa; B" @ A#18" Tem o Galego cauto e o grande e raro B"  A#18" Castelhano, a quem fez o seu Planeta B"  A#29" Restituidor de Espanha e senhor dela; B" < A#/6" Btis, Lio, Granada, com Castela. B"<  A# " B" A#'." 103 B"   A# " B" A#8?" ----------------------- Page 151-----------------------B"  A# " B" A#%," OS LUSADAS B"  D A# " B" A#,3" 20 Eis aqui, qusi cume da cabea B"  A#-4" De Europa toda, o Reino Lusitano, B" @ A#18" Onde a terra se acaba e o mar comea B"  A#*1" E onde Febo repousa no Oceano. B"   A#-4" Este quis o Cu justo que florea B"  A#/6" Nas armas contra o torpe Mauritano, B" d A#29" Deitando-o de si fora; e l na ardente B"  A#/6" frica estar quieto o no consente. B" @ A# " B" A#18" 21 Esta a ditosa ptria minha amada, B"  A#3:" qual se o Cu me d que eu sem perigo B"  A#/6" Torne, com esta empresa j acabada, B"  A#)0" Acabe-se esta luz ali comigo. B"   A#(/" Esta foi Lusitnia, derivada B"  D A#/6" De Luso ou Lisa, que de Baco antigo B"  A#29" Filhos foram, parece, ou companheiros, B"<  A#.5" E nela anto os ncolas primeiros. B"  A# " B" A#3:" 22 Desta o pastor nasceu que no seu nome B" < A#4;" Se v que de homem forte os feitos teve; B"  A#-4" Cuja fama ningum vir que dome, B"  A#07" Pois a grande de Roma no se atreve. B"  A#6=" Esta, o Velho que os filhos prprios come, B"  A#/6" Por decreto do Cu, ligeiro e leve, B" @ A#.5" Veio a fazer no mundo tanta parte, B"  A#5<" Criando-a Reino ilustre; e foi destarte: B"  A# " B" A#6=" 23 Um Rei, por nome Afonso, foi na Espanha, B" ` A#18" Que fez aos Sarracenos tanta guerra, B"  A#5<" Que, por armas sanguinas, fora e manha, B"  A#18" A muitos fez perder a vida e a terra. B"  A#,3" Voando deste Rei a fama estranha B"  A#.5" Do Herculano Calpe Cspia Serra, B" @ A#18" Muitos, pera na guerra esclarecer-se, B"  A#/6" Vinham a ele e morte oferecer-se. B"  A# " B" A#%," 104 B"  A# " B" A#8?" ----------------------- Page 152-----------------------B"  A# " B" A#&-" OS LUSADAS B"  D A# " B" A#18" 24 E com um amor intrnseco acendidos B"  A#29" Da F, mais que das honras populares, B"  A#.5" Eram de vrias terras conduzidos, B"  A#6=" Deixando a ptria amada e prprios lares. B" ` A#29" Despois que em feitos altos e subidos B" < A#/6" Se mostraram nas armas singulares, B"  A#07" Quis o famoso Afonso que obras tais B"`  A#07" Levassem prmio dino e des iguais. B"  A# " B" A#07" 25 Destes Anrique (dizem que segundo B"  A#5<" Filho de um Rei de Hungria exprimentado) B"  A#29" Portugal houve em sorte, que no mundo B"  A#/6" Ento no era ilustre nem prezado; B"`  A#18" E, pera mais sinal de amor profundo, B"  A#-4" Quis o Rei Castelhano que casado B"  A#29" Com Teresa, sua filha, o Conde fosse; B"  A#.5" E com ela das terras tomou posse. B"`  A# " B" A#7>" 26 Este, despois que contra os descendentes B"  A#3:" Da escrava Agar vitrias grandes teve, B" < A#/6" Ganhando muitas terras adjacentes, B"  A#29" Fazendo o que a seu forte peito deve, B"  A#/6" Em prmio destes feitos excelentes B"  A#4;" Deu-lhe o supremo Deus, em tempo breve, B"  A#18" Um filho que ilustrasse o nome ufano B"< ` A#(/" Do belicoso Reino Lusitano. B"  h A# " B" A#29" 27 J tinha vindo Anrique da conquista B"  A#+2" Da cidade Hieroslima sagrada, B"  A#-4" E do Jordo a areia tinha vista, B"`  A#18" Que viu de Deus a carne em si lavada B"  A#5<" (Que, no tendo Gotfredo a quem resista, B"  A#,3" Despois de ter judeia sojugada, B" d A#18" Muitos que nestas guerras o ajudaram B"  A#.5" Pera seus senhorios se tornaram); B" ` A# " B" A#&-" 105 B"  A# " B" A#8?" ----------------------- Page 153-----------------------B"  A# " B" A#$+" OS LUSADAS B"  D A# " B" A#29" 28 Quando, chegado ao fim de sua idade, B"  A#/6" O forte e famoso Hngaro estremado, B"  A#)0" Forado da fatal necessidade, B"  A#07" O esprito deu a Quem lho tinha dado. B"  A#-4" Ficava o filho em tenra mocidade, B" @ A#/6" Em quem o pai deixava seu traslado, B"<  A#18" Que do mundo os mais fortes igualava: B"  A#18" Que de tal pai tal filho se esperava. B"  A# " B" A#5<" 29 Mas o velho rumor no sei se errado, B"`  A#5<" Que em tanta antiguidade no h certeza B"  A#3:" Conta que a me, tomando todo o estado, B" < A#/6" Do segundo himeneu no se despreza. B" d A#,3" O filho rfo deixava deserdado, B"<  A#-4" Dizendo que nas terras a grandeza B"  A#(/" Do senhorio todo s sua era, B"  D A#29" Porque, pera casar, seu pai lhas dera. B"  A# " B" A#18" 30 Mas o Prncipe Afonso (que destarte B"  A#/6" Se chamava, do av tomando o nome), B" d A#29" Vendo-se em suas terras no ter parte, B"  A#5<" Que a me com seu marido as manda e come, B" ` A#/6" Fervendo-lhe no peito o duro Marte, B"  A#)0" Imagina consigo como as tome: B"  A#-4" Revolvidas as causas no conceito, B"<  A#.5" Ao propsito firme segue o efeito. B" @ A# " B" A#,3" 31 De Guimares o campo se tingia B" @ A#29" Co sangue prprio da intestina guerra, B"  A#07" Onde a me, que to pouco o parecia, B" d A#07" A seu filho negava o amor e a terra. B"  A#,3" Co ele posta em campo j se via; B" d A#/6" E no v a soberba o muito que erra B" d A#07" Contra Deus, contra o maternal amor; B" d A#)0" Mas nela o sensual era maior. B"   A# " B" A#$+" 106 B"  A# " B" A#8?" ----------------------- Page 154-----------------------B"  A# " B" A#&-" OS LUSADAS B"  D A# " B" A#.5" 32 Progne crua, o mgica Medeia! B"  A#5<" Se em vossos prprios filhos vos vingais B"<  A#29" Da maldade dos pais, da culpa alheia, B" < A#-4" Olhai que inda Teresa peca mais! B"  A#+2" Incontinncia m, cobia feia, B"  A#18" So as causas deste erro principais: B"` < A#,3" Cila, por ua, mata o velho pai; B"  A#18" Esta, por ambas, contra o filho vai. B"  A# " B" A#3:" 33 Mas j o Prncipe claro o vencimento B"  A#/6" Do padrasto e da inica me levava; B"  A#18" J lhe obedece a terra, num momento, B"  A#.5" Que primeiro contra ele pelejava; B"<  A#29" Porm, vencido de ira o entendimento, B"  A#+2" A me em ferros speros atava; B"  A#4;" Mas de Deus foi vingada em tempo breve. B" ` A#.5" Tanta venerao aos pais se deve! B"  A# " B" A#18" 34 Eis se ajunta o soberbo Castelhano B"  A#-4" Pera vingar a injria de Teresa, B"`  A#3:" Contra o, to raro em gente, Lusitano, B"  A#3:" A quem nenhum trabalho agrava ou pesa. B"`  A#.5" Em batalha cruel, o peito humano, B" @ A#(/" Ajudado da Anglica defesa, B" d A#18" No s contra tal fria se sustenta, B"  A#.5" Mas o inimigo asprrimo afugenta. B"`  A# " B" A#4;" 35 No passa muito tempo, quando o forte B"  A#/6" Prncipe em Guimares est cercado B" < A#/6" De infinito poder, que desta sorte B" @ A#,3" Foi refazer-se o imigo magoado; B"  A#.5" Mas, com se oferecer dura morte B"  A#*1" O fiel Egas amo, foi livrado; B"  A#4;" Que, de outra arte, pudera ser perdido, B"`  A#+2" Segundo estava mal apercebido. B"   A# " B" A#&-" 107 B"  A# " B" A#8?" ----------------------- Page 155-----------------------B"  A# " B" A#&-" OS LUSADAS B"  D A# " B" A#-4" 36 Mas o leal vassalo, conhecendo B"<  A#29" Que seu senhor no tinha resistncia, B"  A#-4" Se vai ao Castelhano, prometendo B" < A#.5" Que ele faria dar-lhe obedincia. B"`  A#07" Levanta o inimigo o cerco horrendo, B"  A#,3" Fiado na promessa e conscincia B"  A#4;" De Egas Moniz; mas no consente o peito B"  A#29" Do moo ilustre a outrem ser sujeito. B"  A# " B" A#/6" 37 Chegado tinha o prazo prometido, B" d A#18" Em que o Rei Castelhano j aguardava B"< ` A#29" Que o Prncipe, a seu mando sometido, B"  A#18" Lhe desse a obedincia que esperava. B"  A#,3" Vendo Egas que ficava fementido B" d A#,3" O que dele Castela no cuidava, B"  A#)0" Determina de dar a doce vida B"  h A#-4" A troco da palavra mal cumprida. B"  A# " B" A#29" 38 E com seus filhos e mulher se parte B"<  A#*1" A alevantar co eles a fiana, B"  A#.5" Descalos e despidos, de tal arte B"  A#4;" Que mais move a piedade que a vingana. B" ` A#4;" Se pretendes, Rei alto, de vingar-te B" < A#)0" De minha temerria confiana B"  h A#-4" (Dizia) eis aqui venho oferecido B" @ A#.5" A te pagar co a vida o prometido. B"  A# " B" A#07" 39 Vs aqui trago as vidas inocentes B"  A#18" Dos filhos sem pecado e da consorte; B"  A#/6" Se a peitos generosos e excelentes B" < A#.5" Dos fracos satisfaz a fera morte, B" < A#6=" Vs aqui as mos e a lngua delinquentes: B" < A#,3" Nelas ss exprimenta toda sorte B"  A#18" De tormentos, de mortes, pelo estilo B"  A#,3" De Snis e do touro de Perilo. B"`  A# " B" A#&-" 108 B"  A# " B" A#8?" ----------------------- Page 156-----------------------B"  A# " B" A#'." OS LUSADAS B"  D A# " B" A#07" 40 Qual diante do algoz o condenado, B"  A#/6" Que j na vida a morte tem bebido, B"  A#29" Pe no cepo a garganta e j entregado B"` ` A#*1" Espera pelo golpe to temido: B"   A#,3" Tal diante do Prncipe indinado B"`  A#+2" Egas estava, a tudo oferecido. B" @ A#18" Mas o Rei vendo a estranha lealdade, B"  A#4;" Mais pde, enfim, que a ira, a piedade. B"  A# " B" A#+2" 41 gro fidelidade Portuguesa B"  A#18" De vassalo, que a tanto se obrigava! B"  A#18" Que mais o Persa fez naquela empresa B"  A#-4" Onde rosto e narizes se cortava? B"<  A#/6" Do que ao grande Dario tanto pesa, B"  A#,3" Que mil vezes dizendo suspirava B"`  A#.5" Que mais o seu Zopiro so prezara B"  A#-4" Que vinte Babilnias que tomara. B" < A# " B" A#29" 42 Mas j o Prncipe Afonso aparelhava B"  A#(/" O Lusitano exrcito ditoso, B" d A#29" Contra o Mouro que as terras habitava B"  A#-4" De alm do claro Tejo deleitoso; B" @ A#07" J no campo de Ourique se assentava B"  A#*1" O arraial soberbo e belicoso, B"   A#+2" Defronte do inimigo Sarraceno, B"  A#4;" Posto que em fora e gente to pequeno, B"  A# " B" A#.5" 43 Em nenhua outra cousa confiado, B" @ A#07" Seno no sumo Deus que o Cu regia, B" d A#07" Que to pouco era o povo bautizado, B"  A#18" Que, pera um s, cem Mouros haveria. B"  A#+2" Julga qualquer juzo sossegado B" @ A#,3" Por mais temeridade que ousadia B" < A#,3" Cometer um tamanho ajuntamento, B"  A#29" Que pera um cavaleiro houvesse cento. B"  A# " B" A#'." 109 B"   A# " B" A#8?" ----------------------- Page 157-----------------------B"  A# " B" A#'." OS LUSADAS B"  D A# " B" A#18" 44 Cinco Reis Mouros so os inimigos, B"< ` A#29" Dos quais o principal Ismar se chama; B"  A#,3" Todos exprimentados nos perigos B"@  A#7>" Da guerra, onde se alcana a ilustre fama. B" ` A#18" Seguem guerreiras damas seus amigos, B"  A#,3" Imitando a fermosa e forte Dama B"  A#3:" De quem tanto os Troianos se ajudaram, B"  A#/6" E as que o Termodonte j gostaram. B" ` A# " B" A#-4" 45 A matutina luz, serena e fria, B"  A#-4" As Estrelas do Plo j apartava, B"  A#-4" Quando na Cruz o Filho de Maria, B" @ A#/6" Amostrando-se a Afonso, o animava. B"  A#-4" Ele, adorando Quem lhe aparecia, B"  A#/6" Na F todo inflamado assi gritava: B" ` A#18" Aos Infiis, Senhor, aos Infiis, B"  A#18" E no a mi, que creio o que podeis! B"  A# " B" A#18" 46 Com tal milagre os nimos da gente B"  A#.5" Portuguesa inflamados, levantavam B" < A#/6" Por seu Rei natural este excelente B" < A#18" Prncipe, que do peito tanto amavam; B"  A#)0" E diante do exrcito potente B" d A#18" Dos imigos, gritando, o cu tocavam, B"  A#07" Dizendo em alta voz: Real, real, B"  A#/6" Por Afonso, alto Rei de Portugal! B"  A# " B" A#07" 47 Qual cos gritos e vozes incitado, B"  A#+2" Pela montanha, o rbido moloso B"  A#-4" Contra o touro remete, que fiado B"  A#-4" Na fora est do corno temeroso; B" @ A#-4" Ora pega na orelha, ora no lado, B"  A#.5" Latindo mais ligeiro que foroso, B"<  A#4;" At que enfim, rompendo-lhe a garganta, B"  A#4;" Do bravo a fora horrenda se quebranta: B" < A# " B" A#'." 110 B"   A# " B" A#8?" ----------------------- Page 158-----------------------B"  A# " B" A#'." OS LUSADAS B"  D A# " B" A#29" 48 Tal do Rei novo o estmago acendido B"  A#-4" Por Deus e polo povo juntamente, B" d A#*1" O Brbaro comete, apercebido B"   A#*1" Co animoso exrcito rompente. B"  A#/6" Levantam nisto os Perros o alarido B" d A#5<" Dos gritos; tocam a arma, ferve a gente, B" < A#18" As lanas e arcos tomam, tubas soam, B"  A#07" Instrumentos de guerra tudo atroam! B"  A# " B" A#29" 49 Bem como quando a flama, que ateada B"  A#.5" Foi nos ridos campos (assoprando B"  A#*1" O sibilante Breas), animada B"< d A#18" Co vento, o seco mato vai queimando; B"  A#-4" A pastoral companha, que deitada B"  A#-4" Co doce sono estava, despertando B"<  A#.5" Ao estridor do fogo que se ateia, B"  A#18" Recolhe o fato e foge pera a aldeia: B"  A# " B" A#3:" 50 Destarte o Mouro, atnito e torvado, B"<  A#29" Toma sem tento as armas mui depressa; B"  A#+2" No foge, mas espera confiado, B"` d A#+2" E o ginete belgero arremessa. B"  A#.5" O Portugus o encontra denodado, B"  A#29" Pelos peitos as lanas lhe atravessa; B"  A#/6" Uns caem meios mortos e outros vo B"  A#+2" A ajuda convocando do Alcoro. B"   A# " B" A#.5" 51 Ali se vm encontros temerosos, B"<  A#,3" Pera se desfazer ua alta serra, B"  A#+2" E os animais correndo furiosos B"<  A#4;" Que Neptuno amostrou, ferindo a terra; B"<  A#07" Golpes se do medonhos e forosos; B"  A#4;" Por toda a parte andava acesa a guerra; B" < A#29" Mas o de Luso arns, couraa e malha, B"` ` A#18" Rompe, corta, desfaz, abola e talha. B"` < A# " B" A#(/" 111 B"  D A# " B" A#8?" ----------------------- Page 159-----------------------B"  A# " B" A#%," OS LUSADAS B"  D A# " B" A#.5" 52 Cabeas pelo campo vo saltando, B"`  A#4;" Braos, pernas, sem dono e sem sentido, B" ` A#/6" E doutros as entranhas palpitando, B"<  A#.5" Plida a cor, o cesto amortecido. B"  A#07" J perde o campo o exrcito nefando; B"  A#.5" Correm rios do sangue desparzido, B"  A#4;" Com que tambm do campo a cor se perde, B"  A#/6" Tornado carmesi, de branco e verde. B" @ A# " B" A#*1" 53 J fica vencedor o Lusitano, B"   A#07" Recolhendo os trofus e presa rica; B"`  A#07" Desbaratado e roto o Mauro Hispano, B" d A#/6" Trs dias o gro Rei no campo fica. B"  A#.5" Aqui pinta no branco escudo ufano, B"<  A#.5" Que agora esta vitria certifica, B"  A#.5" Cinco escudos azuis esclarecidos, B"`  A#18" Em sinal destes cinco Reis vencidos. B"  A# " B" A#4;" 54 E nestes cinco escudos pinta os trinta B" ` A#18" Dinheiros por que Deus fora vendido, B"  A#29" Escrevendo a memria, em vria tinta, B"<  A#,3" Daquele de Quem foi favorecido. B" @ A#/6" Em cada um dos cinco, cinco pinta, B"  A#07" Porque assi fica o nmero cumprido, B" d A#+2" Contando duas vezes o do meio, B"` d A#7>" Dos cinco azuis que em cruz pintando veio. B"  A# " B" A#07" 55 Passado j algum tempo que passada B"  A#07" Era esta gro vitria, o Rei subido B"`  A#*1" A tomar vai Leiria, que tomada B"   A#/6" Fora, mui pouco havia, do vencido. B"  A#07" Com esta a forte Arronches sojugada B"  A#3:" Foi juntamente; e o sempre ennobrecido B"  A#,3" Scabelicastro, cujo campo ameno B" d A#-4" Tu, claro Tejo, regas to sereno. B"  A# " B" A#%," 112 B"  A# " B" A#8?" ----------------------- Page 160-----------------------B"  A# " B" A#'." OS LUSADAS B"  D A# " B" A#-4" 56 A estas nobres vilas sometidas B" @ A#29" Ajunta tambm Mafra, em pouco espao, B"` ` A#-4" E, nas serras da Lua conhecidas, B" @ A#/6" Sojuga a fria Sintra o duro brao; B"`  A#07" Sintra, onde as Naiades, escondidas B"  A#18" Nas fontes, vo fugindo ao doce lao B"  A#-4" Onde Amor as enreda brandamente, B"<  A#.5" Nas guas acendendo fogo ardente. B" ` A# " B" A#/6" 57 E tu, nobre Lisboa, que no mundo B"`  A#/6" Facilmente das outras s princesa, B"  A#+2" Que edificada foste do facundo B"` d A#07" Por cujo engano foi Dardnia acesa; B"  A#/6" Tu, a quem obedece o Mar profundo, B" @ A#+2" Obedeceste fora Portuguesa, B"   A#+2" Ajudada tambm da forte armada B"  A#07" Que das Boreais partes foi mandada. B"  A# " B" A#.5" 58 L do Germnico lbis e do Reno B" @ A#+2" E da fria Bretanha conduzidos, B"   A#(/" A destruir o povo Sarraceno B"  h A#3:" Muitos com teno santa eram partidos. B"  A#.5" Entrando a boca j do Tejo ameno, B"  A#07" Co arraial do grande Afonso unidos, B"`  A#18" Cuja alta fama anto subia aos cus, B"  A#07" Foi posto cerco aos muros Ulisseus. B"  A# " B" A#-4" 59 Cinco vezes a Lua se escondera B" d A#4;" E outras tantas mostrara cheio o rosto, B" ` A#18" Quando a cidade, entrada, se rendera B"  A#07" Ao duro cerco que lhe estava posto. B"  A#.5" Foi a batalha to sanguina e fera B" @ A#29" Quanto obrigava o firme pros[s]uposto B"  A#-4" De vencedores speros e ousados, B"`  A#+2" E de vencidos j desesperados. B"  A# " B" A#'." 113 B"   A# " B" A#8?" ----------------------- Page 161-----------------------B"  A# " B" A#&-" OS LUSADAS B"  D A# " B" A#07" 60 Destarte, enfim, tomada se rendeu B" d A#07" Aquela que, nos tempos j passados, B"  A#*1" grande fora nunca obedeceu B"  A#-4" Dos frios povos Cticos ousados, B" d A#+2" Cujo poder a tanto se estendeu B"   A#5<" Que o Ibero o viu e o Tejo amedrontados; B" < A#4;" E, enfim, co Btis tanto alguns puderam B"  A#18" Que terra, de Vandlia nome deram. B"  A# " B" A#.5" 61 Que cidade to forte porventura B" d A#*1" Haver que resista, se Lisboa B"  A#+2" No pde resistir fora dura B"  A#*1" Da gente cuja fama tanto voa? B"   A#.5" J lhe obedece toda a Estremadura, B"  A#+2" bidos, Alanquer, por onde soa B"  A#5<" O tom das frescas guas entre as pedras, B" < A#29" Que murmurando lava, e Torres Vedras. B" < A# " B" A#3:" 62 E vs tambm, terras Transtaganas, B"  A#,3" Afamadas co dom da flava Ceres, B"  A#29" Obedeceis s foras mais que humanas, B"<  A#29" Entregando-lhe os muros e os poderes; B"  A#29" E tu, lavrador Mouro, que te enganas, B" < A#07" Se sustentar a frtil terra queres: B"  A#3:" Que Elvas e Moura e Serpa, conhecidas, B"  A#.5" E Alcare do Sal esto rendidas. B" @ A# " B" A#07" 63 Eis a nobre cidade, certo assento B"`  A#-4" Do rebelde Sertrio antigamente, B"  A#18" Onde ora as guas ntidas de argento B"  A#5<" Vm sustentar de longo a terra e a gente B" ` A#3:" Pelos arcos reais, que, cento e cento, B"  A#.5" Nos ares se alevantam nobremente, B"  A#(/" Obedeceu por meio e ousadia B"  h A#-4" De Giraldo, que medos no temia. B" d A# " B" A#&-" 114 B"  A# " B" A#8?" ----------------------- Page 162-----------------------B"  A# " B" A#'." OS LUSADAS B"  D A# " B" A#*1" 64 J na cidade Beja vai tomar B"  A#+2" Vingana de Trancoso destruda B"  A#+2" Afonso, que no sabe sossegar, B"  A#18" Por estender co a fama a curta vida. B"  A#,3" No se lhe pode muito sustentar B" @ A#-4" A cidade; mas, sendo j rendida, B"  A#/6" Em toda a cousa viva a gente irada B"  A#18" Provando os fios vai da dura espada. B"  A# " B" A#-4" 65 Com estas sojugada foi Palmela B"  A#07" E a piscosa Sesimbra e, juntamente, B" ` A#/6" Sendo ajudado mais de sua estrela, B" @ A#*1" Desbarata um exrcito potente B"< d A#4;" (Sentiu-o a vila e viu-o a serra dela), B"  A#-4" Que a socorr-la vinha diligente B" @ A#-4" Pela fralda da serra, descuidado B"  A#,3" Do temeroso encontro inopinado. B"  A# " B" A#07" 66 O Rei de Badajoz era, alto Mouro, B" d A#-4" Com quatro mil cavalos furiosos, B"  A#/6" Inmeros pees, de armas e de ouro B" @ A#18" Guarnecidos, guerreiros e lustrosos; B"< ` A#4;" Mas, qual no ms de Maio o bravo touro, B" < A#,3" Cos cimes da vaca, arreceosos, B"`  A#3:" Sentindo gente, o bruto e cego amante, B"  A#-4" Salteia o descuidado caminhante: B" < A# " B" A#07" 67 Destarte Afonso, sbito mostrado, B" d A#/6" Na gente d, que passa bem segura; B"  A#+2" Fere, mata, derriba, denodado; B"  A#07" Foge o Rei Mouro e s da vida cura; B" d A#/6" Dum pnico terror todo assombrado, B" d A#/6" S de segui-lo o exrcito procura; B"  A#07" Sendo estes que fizeram tanto abalo B"  A#/6" N mais que s sessenta de cavalo. B"  A# " B" A#'." 115 B"   A# " B" A#8?" ----------------------- Page 163-----------------------B"  A# " B" A#%," OS LUSADAS B"  D A# " B" A#18" 68 Logo segue a vitria, sem tardana, B"` < A#-4" O gro Rei incansbil, ajuntando B"  A#07" Gentes de todo o Reino, cuja usana B"  A#29" Era andar sempre terras conquistando. B"  A#.5" Cercar vai Badajoz e logo alcana B"  A#+2" O fim de seu desejo, pelejando B"<  A#18" Com tanto esforo e arte e valentia, B"  A#18" Que a fez fazer s outras companhia. B"  A# " B" A#4;" 69 Mas o alto Deus, que pera longe guarda B"  A#,3" O castigo daquele que o merece, B"  A#3:" Ou pera que se emende, s vezes tarda, B" ` A#3:" Ou por segredos que homem no conhece, B" < A#4;" Se at qui sempre o forte Rei resguarda B"  A#.5" Dos perigos a que ele se oferece, B" @ A#*1" Agora lhe no deixa ter defesa B"   A#18" Da maldio da me que estava presa: B"  A# " B" A#18" 70 Que, estando na cidade que cercara, B"  A#+2" Cercado nela foi dos Lioneses, B"  A#07" Porque a conquista dela lhe tomara, B" d A#29" De Lio sendo, e no dos Portugueses. B"  A#-4" A pertincia aqui lhe custa cara, B" @ A#,3" Assi como acontece muitas vezes, B"  A#7>" Que em ferros quebra as pernas, indo aceso B"`  A#07" batalha, onde foi vencido e preso. B" d A# " B" A#+2" 71 famoso Pompeio, no te pene B"   A#-4" De teus feitos ilustres a runa, B"  A#/6" Nem ver que a justa Nmesis ordene B"`  A#-4" Ter teu sogro de ti vitria dina, B"  A#-4" Posto que o frio Fsis ou Siene, B" @ A#3:" Que pera nenhum cabo a sombra inclina, B" < A#.5" O Bootes gelado e a linha ardente B" @ A#+2" Temessem o teu nome geralmente. B"   A# " B" A#%," 116 B"  A# " B" A#8?" ----------------------- Page 164-----------------------B"  A# " B" A#%," OS LUSADAS B"  D A# " B" A#6=" 72 Posto que a rica Arbia e que os feroces B" ` A#(/" Henocos e Colcos, cuja fama B"  h A#29" O Vu dourado estende, e os Capadoces B"` ` A#/6" E Judeia, que um Deus adora e ama, B"  A#07" E que os moles Sofenos e os atroces B"  A#18" Cilcios, com a Armnia, que derrama B"  A#-4" As guas dos dous rios cuja fonte B" @ A#18" Est noutro mais alto e santo monte, B"  A# " B" A#8?" 73 E posto, enfim, que desd o mar de Atlante B"  A#.5" At o Ctico Tauro, monte erguido, B"  A#18" J vencedor te vissem, no te espante B"` < A#18" Se o campo Emtio s te viu vencido; B"  A#29" Porque Afonso vers, soberbo e ovante, B"<  A#.5" Tudo render e ser despois rendido. B" d A#18" Assi o quis o Conselho alto, celeste, B"< ` A#5<" Que vena o sogro a ti e o genro a este! B" < A# " B" A#07" 74 Tornado o Rei sublime, finalmente, B"  A#&-" Do divino Juzo castigado, B"   A#18" Despois que em Santarm soberbamente, B"` < A#07" Em vo, dos Sarracenos foi cercado, B" ` A#-4" E despois que do mrtire Vicente B" @ A#(/" O santssimo corpo venerado B"  D A#*1" Do Sacro Promontrio conhecido B"  A#*1" cidade Ulisseia foi trazido; B"  A# " B" A#07" 75 Por que levasse avante seu desejo, B"  A#.5" Ao forte filho manda o lasso velho B"`  A#3:" Que s terras se passasse d Alentejo, B"  A#.5" Com gente e co belgero aparelho. B"  A#29" Sancho, d esforo e d nimo sobejo, B"  A#.5" Avante passa e faz correr vermelho B" @ A#+2" O rio que Sevilha vai regando, B"  A#07" Co sangue Mauro, brbaro e nefando. B"  A# " B" A#%," 117 B"  A# " B" A#8?" ----------------------- Page 165-----------------------B"  A# " B" A#%," OS LUSADAS B"  D A# " B" A#+2" 76 E, com esta vitria cobioso, B"<  A#07" J no descansa o moo, at que veja B"  A#.5" Outro estrago como este, temeroso, B" @ A#,3" No Brbaro que tem cercado Beja. B"  A#-4" No tarda muito o Prncipe ditoso B" @ A#-4" Sem ver o fim daquilo que deseja. B"<  A#/6" Assi estragado, o Mouro na vingana B"  A#/6" De tantas perdas pe sua esperana. B"  A# " B" A#29" 77 J se ajuntam do monte a quem Medusa B"  A#.5" O corpo fez perder que teve o Cu; B" @ A#-4" J vm do promontrio de Ampelusa B" ` A#18" E do Tinge, que assento foi de Anteu. B"  A#-4" O morador de Abila no se escusa, B"  A#/6" Que tambm com suas armas se moveu, B" @ A#-4" Ao som da Mauritana e ronca tuba, B"  A#/6" Todo o Reino que foi do nobre Juba. B"  A# " B" A#/6" 78 Entrava, com toda esta companhia, B" @ A#&-" O Miralmomini em Portugal; B"  h A#,3" Treze Reis mouros leva de valia, B"  A#18" Entre os quais tem o ceptro Imperial. B"  A#-4" E assi, fazendo quanto mal podia, B"  A#,3" O que em partes podia fazer mal, B" d A#.5" Dom Sancho vai cercar em Santarm; B"`  A#+2" Porm no lhe sucede muito bem. B"<  A# " B" A#.5" 79 D-lhe combates speros, fazendo B" d A#/6" Ardis de guerra mil, o Mouro iroso; B"  A#29" No lhe aproveita j trabuco horrendo, B"  A#)0" Mina secreta, arete foroso; B"< @ A#29" Porque o filho de Afonso, no perdendo B"  A#.5" Nada do esforo e acordo generoso, B" d A#-4" Tudo prov com nimo e prudncia, B"`  A#9@" Que em toda a parte h esforo e resistncia. B"  A# " B" A#%," 118 B"  A# " B" A#8?" ----------------------- Page 166-----------------------B"  A# " B" A#%," OS LUSADAS B"  D A# " B" A#4;" 80 Mas o velho, a quem tinham j obrigado B" ` A#+2" Os trabalhosos anos ao sossego, B"   A#(/" Estando na cidade cujo prado B"   A#+2" Enverdecem as guas do Mondego, B"   A#.5" Sabendo como o filho est cercado, B"`  A#,3" Em Santarm, do Mauro povo cego, B" d A#)0" Se parte diligente da cidade; B"   A#07" Que no perde a presteza co a idade. B"  A# " B" A#29" 81 E co a famosa gente, guerra usada, B" < A#3:" Vai socorrer o filho; e assi ajuntados, B"`  A#(/" A Portuguesa fria costumada B"  h A#07" Em breve os Mouros tem desbaratados. B"  A#-4" A campina, que toda est coalhada B"  A#*1" De marlotas, capuzes variados, B"  A#+2" De cavalos, jaezes, presa rica, B"   A#/6" De seus senhores mortos cheia fica. B"  A# " B" A#,3" 82 Logo todo o restante se partiu B"<  A#+2" De Lusitnia, postos em fugida; B"<  A#'." O Miralmomini s no fugiu, B"   A#4;" Porque, antes de fugir, lhe foge a vida. B" ` A#,3" A Quem lhe esta vitria permitiu B" d A#-4" Do louvores e graas sem medida; B"`  A#3:" Que, em casos to estranhos, claramente B"  A#4;" Mais peleja o favor de Deus que a gente. B"  A# " B" A#,3" 83 De tamanhas vitrias triunfava B"<  A#,3" O velho Afonso, Prncipe subido, B" d A#3:" Quando quem tudo enfim vencendo andava, B" < A#/6" Da larga e muita idade foi vencido. B"  A#'." A plida doena lhe tocava, B"   A#/6" Com fria mo, o corpo enfraquecido; B"  A#-4" E pagaram seus anos, deste jeito, B"`  A#*1" triste Libitina seu direito. B"  A# " B" A#%," 119 B"  A# " B" A#8?" ----------------------- Page 167-----------------------B"  A# " B" A#%," OS LUSADAS B"  D A# " B" A#/6" 84 Os altos promontrios o choraram, B"  A#(/" E dos rios as guas sadosas B"  D A#(/" Os semeados campos alagaram, B"  h A#+2" Com lgrimas correndo piadosas; B"  A#.5" Mas tanto pelo mundo se alargaram, B"`  A#*1" Com fama suas obras valerosas, B"   A#,3" Que sempre no seu reino chamaro B"  A#29" Afonso! Afonso! os ecos; mas em vo. B"  A# " B" A#/6" 85 Sancho, forte mancebo, que ficara B"  A#)0" Imitando seu pai na valentia, B"  h A#07" E que em sua vida j se exprimentara B"  A#.5" Quando o Btis de sangue se tingia B" d A#)0" E o brbaro poder desbaratara B"   A#*1" Do Ismaelita Rei de Andaluzia, B"   A#5<" E mais quando os que Beja em vo cercaram B"  A#29" Os golpes de seu brao em si provaram; B"  A# " B" A#18" 86 Despois que foi por Rei alevantado, B"  A#,3" Havendo poucos anos que reinava, B"  A#+2" A cidade de Silves tem cercado, B"  A#+2" Cujos campos o Brbaro lavrava. B"` d A#+2" Foi das valentes gentes ajudado B"  A#,3" Da Germnica armada que passava, B"  A#/6" De armas fortes e gente apercebida, B"  A#)0" A recobrar Judeia j perdida. B"   A# " B" A#07" 87 Passavam a ajudar na santa empresa B" d A#&-" O roxo Federico, que moveu B"  h A#*1" O poderoso exrcito, em defesa B"  A#*1" Da cidade onde Cristo padeceu, B"` @ A#3:" Quando Guido, co a gente em sede acesa, B"  A#)0" Ao grande Saladino se rendeu, B"   A#.5" No lugar onde aos Mouros sobejavam B" d A#/6" As guas que os de Guido desejavam. B" d A# " B" A#%," 120 B"  A# " B" A#8?" ----------------------- Page 168-----------------------B"  A# " B" A#%," OS LUSADAS B"  D A# " B" A#-4" 88 Mas a fermosa armada, que viera B"  A#07" Por contraste de vento quela parte, B"  A#.5" Sancho quis ajudar na guerra fera, B" @ A#18" J que em servio vai do santo Marte. B"  A#*1" Assi como a seu pai acontecera B"   A#.5" Quando tomou Lisboa, da mesma arte B"  A#+2" Do Germano ajudado, Silves toma B"   A#-4" E o bravo morador destrui e doma. B" @ A# " B" A#-4" 89 E se tantos trofus do Mahometa B"<  A#,3" Alevantando vai, tambm do forte B" @ A#,3" Lions no consente estar quieta B"  A#07" A terra, usada aos casos de Mavorte, B"  A#+2" At que na cerviz seu jugo meta B"  A#-4" Da soberba Tu, que a mesma sorte B"  A#18" Viu ter a muitas vilas suas vizinhas, B"  A#6=" Que por armas tu, Sancho, humildes tinhas. B"  A# " B" A#/6" 90 Mas, entre tantas palmas salteado B" @ A#,3" Da temerosa morte, fica herdeiro B"  A#,3" Um filho seu, de todos estimado, B" @ A#29" Que foi segundo Afonso e Rei terceiro. B" < A#18" No tempo deste, aos Mauros foi tomado B"  A#,3" Alcare do Sal, por derradeiro; B" @ A#.5" Porque dantes os Mouros o tomaram, B"  A#*1" Mas agora estrudos o pagaram. B"   A# " B" A#.5" 91 Morto despois Afonso, lhe sucede B"  A#/6" Sancho segundo, manso e descuidado; B"  A#29" Que tanto em seus descuidos se desmede B"  A#3:" Que de outrem quem mandava era mandado. B"  A#07" De governar o Reino, que outro pede, B"< < A#/6" Por causa dos privados foi privado, B"<  A#+2" Porque, como por eles se regia, B"  A#.5" Em todos os seus vcios consentia. B"  A# " B" A#$+" 121 B"  A# " B" A#8?" ----------------------- Page 169-----------------------B"  A# " B" A#&-" OS LUSADAS B"  D A# " B" A#18" 92 No era Sancho, no, to desonesto B"  A#+2" Como Nero, que um moo recebia B"  A#4;" Por mulher e, despois, horrendo incesto B"`  A#(/" Com a me Agripina cometia; B"  D A#.5" Nem to cruel s gentes e molesto B" d A#/6" Que a cidade queimasse onde vivia; B"<  A#.5" Nem to mau como foi Heliogabalo, B" d A#-4" Nem como o mole Rei Sardanapalo. B" d A# " B" A#-4" 93 Nem era o povo seu tiranizado, B" @ A#.5" Como Siclia foi de seus tiranos; B" d A#,3" Nem tinha, como Flaris, achado B" @ A#*1" Gnero de tormentos inumanos; B"  A#/6" Mas o Reino, de altivo e costumado B"  A#*1" A senhores em tudo soberanos, B"   A#+2" A Rei no obedece nem consente B"  A#29" Que no for mais que todos excelente. B"  A# " B" A#/6" 94 Por esta causa, o Reino governou B" d A#-4" O Conde Bolonhs, despois alado B"  A#/6" Por Rei, quando da vida se apartou B" @ A#3:" Seu irmo Sancho, sempre ao cio dado. B"  A#07" Este, que Afonso o Bravo se chamou, B" d A#-4" Despois de ter o Reino segurado, B" @ A#/6" Em dilat-lo cuida, que em terreno B"<  A#29" No cabe o altivo peito, to pequeno. B"  A# " B" A#29" 95 Da terra dos Algarves, que lhe fora B" < A#,3" Em casamento dada, grande parte B"  A#,3" Recupera co brao, e deita fora B"  A#.5" O Mouro, mal querido j de Marte. B"<  A#-4" Este de todo fez livre e senhora B" @ A#07" Lusitnia, com fora e blica arte, B"  A#/6" E acabou de oprimir a nao forte, B" < A#5<" Na terra que aos de Luso coube em sorte. B" ` A# " B" A#'." 122 B"   A# " B" A#8?" ----------------------- Page 170-----------------------B"  A# " B" A#&-" OS LUSADAS B"  D A# " B" A#4;" 96 Eis despois vem Dinis, que bem parece B"  A#29" Do bravo Afonso estirpe nobre e dina, B"  A#/6" Com quem a fama grande se escurece B"  A#)0" Da liberalidade Alexandrina. B"  A#-4" Co este o Reino prspero florece B" d A#.5" (Alcanada j a paz urea divina) B"  A#/6" Em constituies, leis e costumes, B" d A#07" Na terra j tranquila claros lumes. B" ` A# " B" A#3:" 97 Fez primeiro em Coimbra exercitar-se B"  A#*1" O valeroso ofcio de Minerva; B"   A#18" E de Helicona as Musas fez passar-se B"  A#.5" A pisar de Mondego a frtil erva. B"  A#-4" Quanto pode de Atenas desejar-se B"  A#/6" Tudo o soberbo Apolo aqui reserva. B"  A#07" Aqui as capelas d tecidas de ouro, B" d A#/6" Do bcaro e do sempre verde louro. B"  A# " B" A#-4" 98 Nobres vilas de novo edificou, B"  A#.5" Fortalezas, castelos mui seguros, B"  A#*1" E qusi o Reino todo reformou B"  A#18" Com edifcios grandes e altos muros; B"` < A#29" Mas despois que a dura tropos cortou B"  A#+2" O fio de seus dias j maduros, B"   A#/6" Ficou-lhe o filho pouco obediente, B" d A#29" Quarto Afonso, mas forte e excelente. B"  A# " B" A#29" 99 Este sempre as soberbas Castelhanas B"  A#/6" Co peito desprezou firme e sereno, B" @ A#.5" Porque no das foras Lusitanas B" d A#18" Temer poder maior, por mais pequeno; B"  A#4;" Mas porm, quando as gentes Mauritanas, B"  A#+2" A possuir o Hesprico terreno, B"  A#.5" Entraram pelas terras de Castela, B"  A#/6" Foi o soberbo Afonso a socorr-la. B"`  A# " B" A#'." 123 B"   A# " B" A#8?" ----------------------- Page 171-----------------------B"  A# " B" A#&-" OS LUSADAS B"  D A# " B" A#.5" 100 Nunca com Semirmis gente tanta B"  A#/6" Veio os campos Idspicos enchendo, B"  A#07" Nem tila, que Itlia toda espanta, B"  A#18" Chamando-se de Deus aoute horrendo, B"  A#.5" Gtica gente trouxe tanta, quanta B"<  A#-4" Do Sarraceno brbaro, estupendo, B"<  A#+2" Co poder excessivo de Granada, B"   A#29" Foi nos campos Tarts[s]ios ajuntada. B" < A# " B" A#07" 101 E, vendo o Rei sublime Castelhano B"  A#29" A fora inexpugnbil, grande e forte, B"  A#07" Temendo mais o fim do povo Hispano, B" d A#4;" J perdido ua vez, que a prpria morte, B"  A#,3" Pedindo ajuda ao forte Lusitano B"  A#.5" Lhe mandava a carssima consorte, B"`  A#18" Mulher de quem a manda e filha amada B"  A#.5" Daquele a cujo Reino foi mandada. B"  A# " B" A#+2" 102 Entrava a fermosssima Maria B"  A#.5" Polos paternais paos sublimados, B"  A#07" Lindo o gesto, mas fora de alegria, B" d A#/6" E seus olhos em lgrimas banhados; B"  A#(/" Os cabelos anglicos trazia B" d A#.5" Pelos ebrneos ombros espalhados. B"  A#07" Diante do pai ledo, que a agasalha, B"`  A#4;" Estas palavras tais, chorando, espalha: B"  A# " B" A#/6" 103 Quantos povos a terra produziu B" d A#3:" De frica toda, gente fera e estranha, B" < A#,3" O gro Rei de Marrocos conduziu B"`  A#.5" Pera vir possuir a nobre Espanha: B"  A#+2" Poder tamanho junto no se viu B"` d A#3:" Despois que o salso mar a terra banha; B"`  A#,3" Trazem ferocidade e furor tanto B"  A#5<" Que a vivos medo e a mortos faz espanto! B"  A# " B" A#&-" 124 B"  A# " B" A#8?" ----------------------- Page 172-----------------------B"  A# " B" A#&-" OS LUSADAS B"  D A# " B" A#.5" 104 Aquele que me deste por marido, B"  A#07" Por defender sua terra amedrontada, B"  A#(/" Co pequeno poder, oferecido B"  h A#07" Ao duro golpe est da Maura espada; B" d A#-4" E, se no for contigo socorrido, B"`  A#3:" Ver-me-s dele e do Reino ser privada; B"  A#3:" Viva e triste e posta em vida escura, B"  A#18" Sem marido, sem Reino e sem ventura. B"  A# " B" A#5<" 105 Portanto, Rei, de quem com puro medo B"  A#*1" O corrente Muluca se congela, B"   A#.5" Rompe toda a tardana, acude cedo B"<  A#*1" miseranda gente de Castela. B"   A#5<" Se esse gesto, que mostras claro e ledo, B"  A#-4" De pai o verdadeiro amor assela, B" ` A#4;" Acude e corre, pai, que, se no corres, B"  A#3:" Pode ser que no aches quem socorres. B"  A# " B" A#07" 106 No de outra sorte a tmida Maria B"  A#4;" Falando est que a triste Vnus, quando B"  A#,3" A Jpiter, seu pai, favor pedia B" d A#/6" Pera Eneias, seu filho, navegando; B"  A#*1" Que a tanta piedade o comovia B"  A#07" Que, cado das mos o raio infando, B"  A#/6" Tudo o clemente Padre lhe concede, B"  A#/6" Pesando-lhe do pouco que lhe pede. B"  A# " B" A#4;" 107 Mas j cos esquadres da gente armada B"<  A#/6" Os Eborenses campos vo coalhados; B"<  A#6=" Lustra co Sol o arns, a lana, a espada; B"  A#/6" Vo rinchando os cavalos jaezados; B"  A#+2" A canora trombeta embandeirada B"  A#,3" Os coraes, paz acostumados, B"  A#.5" Vai s fulgentes armas incitando, B" d A#+2" Polas concavidades retumbando. B"   A# " B" A#&-" 125 B"  A# " B" A#8?" ----------------------- Page 173-----------------------B"  A# " B" A#$+" OS LUSADAS B"  D A# " B" A#-4" 108 Entre todos no meio se sublima, B" d A#,3" Das insgnias Reais acompanhado, B"  A#+2" O valeroso Afonso, que por cima B"  A#,3" De todos leva o colo alevantado, B" d A#.5" E somente co gesto esfora e anima B" @ A#+2" A qualquer corao amedrontado. B"  A#,3" Assi entra nas terras de Castela B"`  A#,3" Com a filha gentil, Rainha dela. B"  A# " B" A#07" 109 Juntos os dous Afonsos, finalmente B"  A#/6" Nos campos de Tarifa esto defronte B"<  A#-4" Da grande multido da cega gente, B"  A#18" Pera quem so pequenos campo e monte. B"< ` A#/6" No h peito to alto e to potente B"  A#/6" Que de desconfiana no se afronte, B" @ A#-4" Enquanto no conhea e claro veja B"  A#07" Que co brao dos seus Cristo peleja. B"  A# " B" A#07" 110 Esto de Agar os netos qusi rindo B"  A#3:" Do poder dos Cristos, fraco e pequeno, B"  A#+2" As terras como suas repartindo, B"   A#.5" Antemo, entre o exrcito Agareno, B"  A#,3" Que, com ttulo falso, possuindo B" d A#)0" Est o famoso nome Sarraceno. B"   A#/6" Assi tambm, com falsa conta e nua, B"  A#,3" nobre terra alheia chamam sua. B"<  A# " B" A#07" 111 Qual o membrudo e brbaro Gigante, B" d A#.5" Do Rei Saul, com causa to temido, B"  A#/6" Vendo o Pastor inerme estar diante, B"`  A#.5" S de pedras e esforo apercebido, B"`  A#/6" Com palavras soberbas, o arrogante, B" < A#.5" Despreza o fraco moo mal vestido, B"  A#.5" Que, rodeando a funda, o desengana B"  A#7>" (Quanto mais pode a F que a fora humana!) B" ` A# " B" A#$+" 126 B"  A# " B" A#8?" ----------------------- Page 174-----------------------B"  A# " B" A#$+" OS LUSADAS B"  D A# " B" A#/6" 112 Destarte o Mouro prfido despreza B" d A#/6" O poder dos Cristos, e no entende B" ` A#.5" Que est ajudado da alta Fortaleza B"  A#07" A quem o Inferno horrfico se rende. B"  A#07" Co ela o Castelhano, e com destreza, B"  A#.5" De Marrocos o Rei comete e ofende; B" d A#18" O Portugus, que tudo estima em nada, B"  A#-4" Se faz temer ao Reino de Granada. B"  A# " B" A#.5" 113 Eis as lanas e espadas retiniam B" d A#4;" Por cima dos arneses bravo estrago! ; B"  A#5<" Chamam (segundo as Leis que ali seguiam), B" < A#.5" Uns Mafamede e os outros Santiago. B" d A#.5" Os feridos com grita o cu feriam, B"`  A#-4" Fazendo de seu sangue bruto lago, B"`  A#3:" Onde outros, meios mortos, se afogavam, B"  A#/6" Quando do ferro as vidas escapavam. B" d A# " B" A#/6" 114 Com esforo tamanho estrui e mata B"<  A#3:" O Luso ao Granadil, que em pouco espao B"  A#-4" Totalmente o poder lhe desbarata, B"  A#18" Sem lhe valer defesa ou peito de ao. B"< ` A#.5" De alcanar tal vitria to barata B"  A#07" Inda no bem contente o forte brao, B" ` A#+2" Vai ajudar ao bravo Castelhano, B"   A#,3" Que pelejando est co Mauritano. B"  A# " B" A#/6" 115 J se ia o Sol ardente recolhendo B"  A#-4" Pera a casa de Ttis, e inclinado B"`  A#07" Pera, o Ponente, o vspero trazendo, B"  A#(/" Estava o claro dia memorado, B"  h A#7>" Quando o poder do Mauro, grande e horrendo, B"  A#.5" Foi pelos fortes Reis desbaratado, B"  A#.5" Com tanta mortindade que a memria B"  A#07" Nunca no mundo viu to gro vitria. B"  A# " B" A##*" 127 B"  A# " B" A#8?" ----------------------- Page 175-----------------------B"  A# " B" A#%," OS LUSADAS B"  D A# " B" A#4;" 116 No matou a quarta parte o forte Mrio B"<  A#.5" Dos que morreram neste vencimento, B"  A#3:" Quando as guas co sangue do adversrio B"  A#*1" Fez beber ao exrcito sedento; B"  A#-4" Nem o Peno, asperssimo contrrio B"  A#+2" Do Romano poder, de nascimento, B"   A#07" Quando tantos matou da ilustre Roma, B" d A#8?" Que alqueires trs de anis dos mortos toma. B"  A# " B" A#-4" 117 E se tu tantas almas s pudeste B" d A#-4" Mandar ao Reino escuro de Cocito, B"  A#,3" Quando a santa Cidade desfizeste B"`  A#,3" Do povo pertinaz no antigo rito, B"  A#-4" Permisso e vingana foi celeste, B"  A#/6" E no fora de brao, nobre Tito; B"`  A#/6" Que assi dos Vates foi profetizado, B" d A#+2" E despois por JESU certificado. B"  A# " B" A#07" 118 Passada esta to prspera vitria, B"  A#,3" Tornado Afonso Lusitana terra, B" @ A#/6" A se lograr da paz com tanta glria B" d A#/6" Quanta soube ganhar na dura guerra, B" @ A#,3" O caso triste, e dino da memria B" @ A#18" Que do sepulcro os homens desenterra, B"  A#+2" Aconteceu da msera e mesquinha B"   A#07" Que despois de ser morta foi Rainha. B"  A# " B" A#3:" 119 Tu s, tu, puro Amor, com fora crua, B"  A#18" Que os coraes humanos tanto obriga, B"  A#,3" Deste causa molesta morte sua, B"<  A#)0" Como se fora prfida inimiga. B" d A#/6" Se dizem, fero Amor, que a sede tua B"`  A#/6" Nem com lgrimas tristes se mitiga, B"  A#-4" porque queres, spero e tirano, B" d A#.5" Tuas aras banhar em sangue humano. B"  A# " B" A#%," 128 B"  A# " B" A#8?" ----------------------- Page 176-----------------------B"  A# " B" A#&-" OS LUSADAS B"  D A# " B" A#5<" 120 Estavas, linda Ins, posta em sossego, B" ` A#.5" De teus anos colhendo doce fruto, B"<  A#18" Naquele engano da alma, ledo e cego, B"  A#18" Que a Fortuna no deixa durar muito, B"  A#,3" Nos sadosos campos do Mondego, B"<  A#18" De teus fermosos olhos nunca enxuto, B"  A#/6" Aos montes ensinando e s ervinhas B" ` A#07" O nome que no peito escrito tinhas. B"`  A# " B" A#07" 121 Do teu Prncipe ali te respondiam B"  A#3:" As lembranas que na alma lhe moravam, B"  A#3:" Que sempre ante seus olhos te traziam, B" < A#3:" Quando dos teus fermosos se apartavam; B" < A#3:" De noite, em doces sonhos que mentiam, B"  A#/6" De dia, em pensamentos que voavam; B" ` A#29" E quanto, enfim, cuidava e quanto via B"  A#+2" Eram tudo memrias de alegria. B"   A# " B" A#3:" 122 De outras belas senhoras e Princesas B"  A#*1" Os desejados tlamos enjeita, B"< d A#6=" Que tudo, enfim, tu, puro amor, desprezas B"  A#.5" Quando um gesto suave te sujeita. B"  A#/6" Vendo estas namoradas estranhezas, B" < A#-4" O velho pai sesudo, que respeita B"  A#,3" O murmurar do povo e a fantasia B"  A#/6" Do filho, que casar-se no queria, B"`  A# " B" A#-4" 123 Tirar Ins ao mundo determina, B" d A#18" Por lhe tirar o filho que tem preso, B"  A#07" Crendo co sangue s da morte indina B"  A#.5" Matar do firme amor o fogo aceso. B"  A#29" Que furor consentiu que a espada fina B"  A#-4" Que pde sustentar o grande peso B"  A#-4" Do furor Mauro, fosse alevantada B" d A#+2" Contra ua fraca dama delicada? B"  A# " B" A#&-" 129 B"  A# " B" A#8?" ----------------------- Page 177-----------------------B"  A# "